poder de pensamento

Você dizia coisas. Tantas coisas. Que eu era especial, que tinha medo disso acabar e que os seus amigos até comentavam de mim. Que eu isso, eu aquilo, que tinha ciúmes e que era o cara mais feliz do mundo quando entrava na minha rua. Dizia que me queria só pra você, que um dia eu conheceria sua família, que queria vir conhecer a minha, que me veria todas as semanas e comemoraríamos junto o meu aniversário. Me trouxe uma rosa pedindo desculpas pelas burradas que andava fazendo, lembra? Disse que não erraria de novo e o objetivo era se redimir. Eu acreditei. Eu achei que nós éramos diferentes dos outros casais, que nos gostávamos na mesma intensidade e que apesar dos obstáculos talvez até desse certo. Eu achei que você fosse diferente, achei tanto, quis tanto acreditar e relevar seus erros, quis tanto gostar sem medo de me machucar, te perdoei tantas vezes, e na minha vez de errar você simplesmente foi embora sem olhar pra trás. Eu sinto uma saudade sem tamanho da nossa gargalhada em conjunto, das madrugadas inconsequentes, das cervejas que dividimos, do cheiro da tua nuca, do jeito carinhoso, das risadas que você dava quando eu era irônica, das mensagens que me deixavam sem palavras e até das brigas por ciúmes. Te vejo online e me pergunto se nem por um segundo que seja tens essas lembranças também, me pergunto se nunca teve vontade de me chamar pra esclarecer tudo, se não sente saudades olhando minhas fotos, se é só o orgulho que o mantém tão indiferente ou se realmente não pensas mais em me ver. Porque era tudo tão intenso pra acabar assim, do nada, sem aviso, como um ponto final do meio da frase. Porque era de verdade, pelo menos pra mim. Eu lembro bem de quando deitados no seu sofá, você me perguntou quanto tempo eu demoraria pra ser só sua, mas pra que você iria querer isso? Pra ir embora quando eu aceitasse? Eu queria ter o poder de adivinhar seus pensamentos, a certeza de você realmente não me querer mais me traria paz, seria bem melhor do que todo esse silêncio. Eu sei que nós só ficamos por três meses, mas o que você fez com o nosso ‘até depois do fim’? Pra onde você jogou toda sua intensidade? Onde escondeu toda a saudade? Me conta, porque eu quero fazer o mesmo. Eu me quero de volta. Eu quero não sentir.
—  46 dias sem ele