pirataria

youtube

Sejam bem-vindos ao "The Remedy Blog“, o lugar onde vou partilhar e abordar alguns dos mais pertinentes temas do universo dos videojogos (e não só) de uma forma descontraída e, acima de tudo, divertida.

Para "celebrar” esta minha primeira publicação decidi voltar ao passado recente, mais precisamente à altura em que estive a estagiar na redacção do MyGames, e colocar aqui “Jogar não dá”, o tema musical “oficial” do apagão da PSN.

Divirtam-se e passem por cá mais vezes ;) 

Portal do governo da Bahia publica pornografia e músicas piratas

Um desenvolvedor de TI do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) do governo da Bahia publicou fotos pornográficas e disponibilizou o download de músicas em MP3 pirateadas. A proliferação da notícia nas redes sociais, em especial no microblog Twitter, fez com que o governo retirasse o site Instituto de Gestão Águas e Clima (Incá) do ar na noite de quarta-feira (29/6).

Há cerca de um mês, o Incá se fundiu com o Instituto do Meio Ambiente, formando o Inema. O site do novo setor está em fase de desenvolvimento e deve substituir os portais dos outros órgão.

Segundo nota divulgada no site do Instituto do Meio Ambiente, a assessoria de imprensa informou que a retirada do portal do Incá “não aconteceu em virtude de um ataque externo. A PRODEB [Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia ], como órgão responsável pela hospedagem do site, confirmou que a origem da inserção dos dados aconteceu através da utilização de conta e senha de usuário interno”.

O conteúdo foi inicialmente divulgado pelo internauta @IzzyNobre aos seus 20.078 seguidores no Twitter, na noite da última terça-feira. Com tweets e piadas sobre a publicação de pornografia e músicas piratas, o nome do funcionário Luis Carlos Batista de Cerqueira chegou a estar entre os tópicos mais postados do microblog. A conta do desenvolvedor no Twitter (@AndraxBR) tem atualizações apenas até essa data.

O Inema informou que as investigações da sindicância já foram iniciadas e o caso será apurado tanto pelo órgão em que Cerqueira trabalha, como pela Prodeb, para identificar como o conteúdo foi publicado sem a devida restrição. O funcionário está afastado do cargo até o término das investigações.

IDG Now!

SOPA é retirada da pauta do Congresso dos EUA

O autor do projeto de lei americano antipirataria SOPA, Lamar Smith, declarou nesta sexta-feira, 20, que está retirando a proposta da pauta “até que haja um consenso maior em torno de uma solução”.

“Está claro que precisamos rever nossa abordagem para chegar na melhor maneira de lidar com o problema de ladrões estrangeiros roubando e vendendo produtos e invenções americanos”, disse o deputado republicano em entrevista à Reuters.

“Ouvi as críticas e levo a sério suas preocupações em relação à legislação proposta”, ele continuou. “O comitê continuará a trabalhar com donos de direitos autorais, empresas de internet e instituições financeiras para desenvolver propostas que combatem a pirataria online e protegem a propriedade intelectual americana.”

ProXXIma se posiciona contrária ao projeto de lei que cujo texto considera draconiano na forma como trata, especialmente, os buscadores e outros sites de internet. A ProXXIma reforça que é contra a pirataria e apoia o seu combate desde que de forma justa e com leis voltadas especialmente para quem pratica tais atos ilegais.

Pirataria ou conveniência?

“Nós achamos que há uma confusão fundamental sobre a pirataria. A pirataria é quase sempre sobre um problema de serviço, e não um problema de preço. Por exemplo, se um pirata oferece um produto em qualquer lugar do mundo, 24 horas por dia, adquirível pela conveniência de seu computador pessoal, e o provedor legal diz que o produto é travado por região, que virá para o seu país 3 meses depois do primeiro lançamento e só pode ser comprado numa determinada loja, então o serviço do pirata tem mais valor.”

Imagine uma internet só com pornografia e artistas da Globo e sucessos do verão!

Pois é meus amigos, é isso que irá acontecer se o governo americano continuar a CONTROLAR a internet.

Sim, CONTROLAR. Já que mesmo sem a aprovação da S.O.P.A: Stop Online Piracy Act (Lei de Combate a Pirataria) e da P.I.P.A.:Protect IP Act (Ato de proteção da Propriedade Intelectual), fechou o Megaupload, e as outras empresas, como o Fileserve e o Filesonic, com medo desse abuso de poder, pararam o seu funcionamento e cessaram o pagamento de seus colaboradores, o Uploaded e o 4Shared dissera que irão começar a fazer a mesma coisa.

Tá certo, ele promovem um bocado na pirataria, mas o fim da pirataria irá prejudicar não só a eles, mas como todos os usuários

Bem, Max, e o que isso significa?

Significa que iremos voltar a Era que todos usavam somente chats, que realmente é “chats” pra ca*alho!

Vamos para outros fatos de arrupiar os pentelhos da testa!

  • Significa também que as músicas somente compradas, as únicas que escutaremos são do tipo “Ah, se eu te pego” e outras baboseiras a mais. Já que elas serão compradas, ninguém irá se arriscar a pagar por uma banda desconhecida.
  • Significa que por não ter como compartilhar informações, muitos concurseiros de plantão não terão como estudar, nem as empresas e professores novos na área de educação virtual terão sucesso, pois ninguém irá pagar por um escola ou professor que não conhecem.
  • Significa que a venda de consoles(video-games) será reduzida e muito, já que foi pela pirataria que a Sony derrubou a Nitendo com o primeiro PlayStation.
  • Significa que quem vende cursos pela internet está f*dido, pois, tanto os brasileiros quanto outros de países em desenvolvimento, sempre preferirá gastar dinheiro com festas e bebidas do que pagar um curso que eles não conhecem a qualidade e nem sabe se vai ser útil no futuro. Do qual usualmente só compram cursos que baixaram anteriormente ilegalmente.
  • Significa que não compartilharemos nada que for maior que 25MB ou 20MB, que é o limite de arquivos anexados das empresas de e-mail gratuito.

Resultado:

  • Ninguém se interessará por outra áreas de conhecimentos, pois não tem como vê-las a utilidade antes de pagar
  • Não tendo interesse em outras áreas, os jornais irão ficar pior do que já são, já que os únicos assuntos serão do tipo: estupro no BBB, supergrávida, a Xuxa peida, e o Ronaldinha tocando uma.
  • Com todo o resto do conteúdo proibido por crimes a propriedade intelectual, o único que resta é de conteúdo cavalar, que aparece fazendo sexo com a Mônica Mattos (atriz pornô).
  • As únicas músicas que escutaremos são as trilhas sonoras das novelas da Globo e as musiquinhas de propaganda eleitoral e do governo!
  • Digam tchau para o Rock e até para o forró (já que eles ganham com shows, e as músicas são disponibilizadas na net). 

Crítica pessoal: Nunca tive dinheiro para pagar a minha educação, e a educação oferecido pelas escolas são uma porcaria e a faculdade é uma merda, ambos só oferecem um papel tão duro que não dá nem para limpar a bunda. Quando você amassa, fica um bocado de pontinhas que fere as pregas.

Em questão disso, todo o meu conhecimento e senso crítico são provenientes de conteúdo ilegal da internet, como ebooks e cursos, dos mais variados tipos e autores. 

Não é nada contra a Globo, que quando não tenho nada para fazer e estou sem vontade de ler, assisto novela com a mãe. Não é nada contra as músicas bestas, eu até adoro ver as gostosas semi-nuas, com um shortinho bem curtinho e coladinho, mostrando o capô de fusca e balançando a bunda no meio da rua. Não é que eu seja contra a pornografia, eu até vejo também, mas só não quero ver é meus neurônios saírem pelo meu pinto. Mas…

Observando nível de intelectualidade nossa, seres humanos, brasileiro e seres com um órgão que até o gênios usam no máximo 5%, faço este apelo a todos, por mim e por vocês. NÃO NOS DEIXEM MAIS IMBECIS DO JÁ SOMOS! 

Se quiserem ajudar e é um simples usuário como eu, vamos motivar e apoiar as pessoas que estão lutando pela liberdade na internet. Coloquem imagens da campanha do grupo de hackers chamado Anonymous nos perfis do facebook, msn ou orkt, e agradeçam e reconheçam suas ações.

Eis algumas imagens: