perfume-um

F,

Eu gostaria que soubesse que se eu pudesse voltar no tempo, teria feito tudo diferente. Do nosso começo ao fim. Eu sei que não tem volta, e sei que nunca mais vou recuperar aquilo tudo que tivemos, que em tão pouco tempo se tornou tão forte e te destruiu. Eu sei que você nunca vai acreditar em mim, e eu sou culpada por isso, e tudo bem, o tempo passou e ambos nos recuperamos da pancada, mas eu senti sua falta por longos dias… Confesso que, às vezes, até sinto seu cheiro, minha mente maluca conseguiu te imaginar com um certo perfume e sempre que o sinto, penso em você. Sinto falta da tua voz durante a noite, e sinto falta de tudo que inventava com você. Eu me imaginava em seus braços, enquanto a gente discutia sobre um ciúmes bobo de algum comentário mal feito por mim. Sua cara de bravo, teu sorriso de canto, tuas mãos no meu corpo e a gente assim, aquela briga sobre o nome dos filhos e o fato de eu não querer nenhum, mas amar ver você tentando me convencer que daria tudo certo. Eu demorei muito pra te escrever de novo, e sei que como das outras vezes, você não lerá… Mas eu precisava colocar pra fora algumas palavras enroscadas na garganta. Não era amor naquela época, mas poderia ter sido se eu tivesse um pouco mais de força para insistir. Poderia ter dado certo se eu não estivesse tão destruída a ponto de não conseguir me arriscar. E no fim de tudo, eu só quero que saiba que sempre será especial pra mim, por mais que eu tenha estragado tudo, você sempre será aquela minha lembrança de como eu poderia ter sido feliz.

Acorde, garota! Você é linda, inteligente, tem um ótimo perfume e seus olhos brilham mais que um punhado de purpurina. Por que chora? Perdeu em alguma esquina seu encanto?! Ninguém pode tirar de você seu mais belo sorriso, motivo de idas e vindas saltitantes. Coloque sua música favorita para tocar, respire fundo e faça o que de melhor sabe fazer: ser você…
—  Caio F. Abreu.
youtube

Perfume – edge FX+

Não é possível uma vida sem amor. Ou com amor adormecido. Se você ama alguém, desperte o amor que dorme! Vez ou outra, faça algo extraordinário. Faça loucuras, compre flores, ofereça um jantar, ponha um novo perfume… Não permita que o amor durma enquanto você está acordado sem saber o que fazer da vida. Reconquiste! Acredite: reconquistar é uma tarefa muito mais árdua do que conquistar, pois vai exigir um esforço muito maior. Mas… sabe de uma coisa? Vale a pena! Vale muito a pena!
—  Pedro Bial.
Quem falou que precisa ser a pessoa mais linda desse mundo? O que eu quero mesmo é o que o coração anseia. Eu quero a simplicidade de um sorriso que toque a alma. Um perfume que seja único naquele abraço, mesmo que outras cinco milhões de pessoas também o usem. Eu quero aquela conexão no olhar que não é timidez nem malicia, que não é incomodo nem invasão, aquela conexão que dispara suspiros involuntários e descompassados. Eu não quero nada mais que alguém seja um esboço dos meus desejos mais íntimos e pueris. A perfeição não existe na sua forma mais plena, mas individualmente existe algo muito próximo a  isso, algo que só podemos explicar quando encontramos o amor. Quando todas as letras das músicas do Nando Reis te fazem lembrar daquela pessoa. Da pra saber o que é amor antes de ser? A paixão explode em perguntas dentro da gente, que quando são respondidas e correspondidas nos tiram da linha da razão. Eu particularmente adoro colecionar experiencias, tenho algumas historias para contar, mas vai chegar o dia que todas elas vão ser frutos da mesma mulher, aquela que eu ainda vou olhar nos olhos e sentir aquela vibração unica e diferente. Aquela que vai ser a ultima a dividir a minha cama comigo, que fará eu perceber que não preciso mais buscar amor, apenas doar.
—  Recontador.

I just want to write more anxious!Tony and explore his mental illness more and I want to add sensory-overload and people actually fucking supporting him instead of the clusterfuck that is the MCU. I’m gonna throw this snippet at you and see what happens.

Edit: I just read up on Sensory Processing Disorder and EVERYTHING DESCRIBES TONY WHAT THE FUCK I’M CONSIDERING IT CANON.


“These are time-sensitive,” Pepper said, opening the folder so he could see the contracts inside. She watched Tony’s eyes track over the paper before she turned to the next page for him. “Can I leave these with you if I spread them out on the desk?”

“…Yes,” Tony decided.

“Alright.” She spread the pages out over his desk. “I need to go send some faxes. Will you be okay?”

Tony stared at the pages. “…Yes.”

Pepper turned to leave, pausing at the door. “If you have trouble, just call me.”

“I will,” Tony said, nodding. He waited for her to leave before he stuck his tongue out at the paperwork.

He read everything over and decided they were all worth signing. Unfortunate. He grabbed a pen, hand hovering over the first contract, then let out a frustrated sound and began pacing his office.

Pepper found him still pacing. “Do you need me to hold your hand?”

No,” Tony answered immediately. “I can do it!”

“I never said you couldn’t do it. I asked if you wanted me to hold your hand.”

“Well I don’t!” Tony snapped, turning, hand hovering over the contract. After a moment, he finally pressed pen to paper, carefully keeping his hand above it.

Pepper reached out to put a hand on the paper so it wouldn’t move when he signed it. “Where are your gloves?”

“They’re–I was using them–I don’t know,” he admitted, ashamed.

“That’s fine,” she said, not accusing. “I’ll make you another pair.”

“I’m sorry,” he said softly.

Pepper reached toward him, hand hovering over his shoulder for a moment before she actually set it down. “It’s fine. I just wish you’d told me.” She began collecting the contracts before he could say anything else. “It’s fine. I’ll make them while I catch up on Desperate Housewives.

Tony frowned, uncertain. “Okay.”

“Right? Okay.” She smiled at him. “I think we’re done here for the day.”

Tony blinked at her, then hesitantly walked around his desk, just waiting for her to say ‘oh, I forgot!’ When she didn’t, he managed an awkward but sincere smile and walked past her.

Pepper looked through the contracts one last time, frowning a little. She wished she could forge his signature.


Natalie tried to hand him a sheaf of papers.

Tony skittered away, tugging his pocket square from his jacket and beginning to rub it with his thumbs anxiously. “No thank you.”

Natalie stared at him, looking the closest to confused that he’d ever seen her. “That… that wasn’t a request.”

“I’ll take those,” Pepper said pleasantly, taking the sheaf of papers from her hands. She looked through them. “Patent paperwork.”

“Oh,” Tony said, still rubbing his pocket square.

“Not necessarily as time-sensitive, but you definitely need to sign them.”

“Oh.”

Pepper glanced up at him. “It’s not inappropriate to be startled, Tony.” She looked at Natasha. “Tony needs to know you’re there, and he doesn’t like to be handed things.” She gave Natalie a quietly dangerous look, daring her to say something.

“…I can do that,” Natalie said after a moment. She noticed Tony’s shoulders relaxing and didn’t raise an eyebrow, instead adding, “Is there anything else I need to know?”

“Don’t be afraid to tell Tony if he’s standing too close to you,” Pepper answered immediately, then turned to raise an eyebrow at Tony.

Tony flushed and looked down at his feet. “Don’t wear strong perfume. Or. Uh. Perfume at all? Um, and I don’t like to stand in large groups. And I–when I request a certain food, I’m not–I need that food. I’m not–I’m not picky. It’s the texture.”

“The… texture,” Natalie repeated slowly, eyes flicking down to the silk pocket square in his hands. “Okay. I can work with that.”

“And he has special gloves if you have any time-sensitive paperwork,” Pepper added.

“Okay,” Natalie said again, nodding. “I can make this work.” She couldn’t help but swallow thickly when Tony looked incredibly grateful, and she wondered how many times his needs had been ignored.

Natasha felt awful when she stuck him in the neck. She felt worse when he looked up at her, betrayed, and visibly closed off.


“You said I was a narcissist,” Tony said accusingly.

Natasha did not flinch, but only because she’d been trained not to. “How did you get in my room?”

“A textbook narcissist, even.”

“…I decided,” she said after a moment of thought. “That SHIELD didn’t need to know about your disorder.”

Tony stared at her for a long moment. “So you lied instead.”

“Yes.”

“I wouldn’t have been approved for this initiative anyway, would I? Because I’m–I’m a mess?”

Natasha opened her mouth, then shut it again, tilting her head thoughtfully. “…You function,” she finally decided on. “Better than most people in your position would. And you seem to do well in the suit when you’re not dying. I wrote that evaluation under certain circumstances, and I wrote it to say the things people wanted to hear. How much it is true or false now doesn’t matter.”

Tony fidgeted with his cuff links, swaying a little where he stood. “…I’m still mad,” he finally decided.

“That’s fair.”

“I’m leaving now.”

“Do you need me to walk you out of the building?”

Tony’s fidgeting grew. “…What’s the alarm for?”

Natasha could not hear an alarm, but she believed him. “I have no idea,” she admitted honestly. “I have earplugs. Would you like them?”

“…Yes,” he answered meekly.

Natasha didn’t say he was weak, because he wasn’t. And she didn’t say he could do better, because he was already doing his best. Instead she set the earplugs on her bedside table and let him pick them up, then waited for him to put them in before she led him out of her apartment, not saying a word when his arm occasionally brushed hers.


“I need,” Tony began, then stopped, clutching his sleeves.

Jim sat up with a snort, still somewhat bleary-eyed. “What? What do you need?”

“I didn’t mean to wake you,” Tony said guiltily.

“I was on the couch, it’s fine.” Jim rubbed his eyes before looking up at him. “What do you need?”

Tony looked down at his feet. “I’m tired. …’nd sad.”

“Aw, Tones,” Jim cooed, immediately holding his arms out. “C’mere.”

Tony shuffled around him, anxious, then held out a robe. “Here.”

Jim pulled the robe on over his arms, spreading the rest of it over his body, then held his arms out again. The brunet touched the robe cautiously, and only then crawled into his lap. “I’m glad you know you can come to me, Tones. Wanna sleep?”

“It’s too loud,” Tony admitted, curling his fingers in the soft material of the robe.

“In your head, or out?”

“Both.”

“Okay,” Jim said, because he could work with that. “You got your earplugs in?”

“Yeah.”

He began rubbing a soothing hand up and down Tony’s spine. “Great. I’m gonna recite pi as far as I can and if you’re not asleep by then I’m gonna start reciting every component of an F-16′s motor.”

Tony was asleep just after the one hundred and forty-third number of pi. Jim was glad, because he’d only memorized the first one hundred and fifty.

Foi apenas um toque, um beijo e um perfume que não era meu na minha roupa. E algumas lembranças de você sorrindo. Era tudo que eu tinha de você, e você tinha tudo de mim, tudo.
—  A culpa é mesmo das estrelas? 
O meu tempo com a Isabelle foi o melhor da minha vida inteira, mas não me pergunte o porquê, pois assim como o amor, eu não vou saber explicar. Nós fazíamos muitas coisas juntos e nos víamos praticamente todos os dias (e eu amava isso, talvez seja o motivo da dor ser maior e o esquecimento ser impossível). Eu escrevia bastantes textos, frases e tudo era sobre nós dois, mas principalmente sobre o que eu tinha dentro de mim (que era totalmente dela). Ela me transformou em uma pessoa melhor e fez de mim alguém mais perto de homem do que de menino. Eu evolui, e cuidei do que eu tinha. Quando a gente terminou, eu senti o meu coração se partindo pedaço por pedaço. Mas eu a deixei ir, e quis que ela fosse. Abri mão de tudo o que eu tinha e de quem eu mais queria na vida, para que ela se encontrasse de novo, já que estávamos perdidos um no outro. E então prometi a mim mesmo que não queria mais ninguém, não por muito tempo. Repeti inúmeras vezes que ia me tornar frio e sem sentimentalismo, queria ser forte e aguentar a barra (pesada demais) sem que ninguém percebesse, mas de vez em quando alguém pergunta sobre ela, ou eu sinto um perfume na rua, ou qualquer coisa que me lembre, e então percebo que ainda dói, e que talvez nunca pare de doer, mas sei que talvez apareçam dores piores para lidar. Eu me aproximei de outras pessoas e tive casos (eu sei, não se supera alguém se envolvendo com várias outras), e me senti a pessoa mais nojenta, porque estava usando alguém como se não fosse nada. Fiz com que muitas quisessem mais do que só um beijo e depois caí fora. Não importava como, eu só queria esquecer que agora a Isabelle que antes era minha, é de outro. Eu quis ser frio, e fui. Mas no começo eu não sabia mais escrever, porque tudo o que eu escrevia era amor e isso eu não tinha mais. E em algum momento eu pensei que se ser frio significa esquecer quem eu sou ou tudo o que sei fazer, eu não queria. Eu só queria ser eu de novo. O velho Gabriel, com o coração limpo e nenhum drama amoroso. Mas não adianta querer, porque não há como voltar atrás (e acho que, mesmo se desse, eu não voltaria). Ultimamente eu voltei a escrever. Não é grandes coisas, mas dá para me perder um pouco. Só que ainda não sinto nada, por ninguém.
—  O que aconteceu? (Um Gabriel diferente.)
Quando você ler esta carta, terão se passado algumas semanas (mesmo com a sua recém-adquirida capacidade de organização, não acredito que esteja em Paris antes do início de setembro). Espero que o café esteja saboroso e forte, os croissants frescos e o tempo ainda ensolarado o bastante para que você se sente na calçada numa daquelas cadeiras de ferro que nunca estão bem firmes no chão.
O Marquis não é ruim. O filé também é bom, se você quiser voltar no almoço. E se olhar a rua, à esquerda, verá o L’Artisan Parfumeur onde, depois de ler esta carta, você deveria experimentar um perfume que eles chamam de algo como Papillons Extreme (não me lembro direito do nome). Sempre achei que ia ficar ótimo em você. Certo, as recomendações acabaram. Gostaria de dizer algumas coisas e as teria dito pessoalmente, mas: a) você se emocionaria e b) você não me deixaria dizer tudo. Sempre falou demais. Portanto, eis aqui: o cheque que você recebeu de Michael Lawler no envelope anterior não é a quantia total, apenas um pequeno presente para ajudá-la nas primeiras semanas desempregada e para ir a Paris. Quando voltar para a Inglaterra, leve esta carta para Michael, no escritório dele em Londres, e ele vai lhe entregar os documentos necessários para você acessar a conta que foi aberta, a meu pedido, no seu nome. Essa conta tem o suficiente para você comprar um bom lugar para morar, pagar seu curso e as despesas enquanto estiver estudando em tempo integral. Meus pais serão comunicados de tudo. Espero que isso, e os serviços jurídicos de Michael Lawler, garantam que não haverá a menor dificuldade possível. Clark, quase consigo ouvir daqui você hiperventilar. Não entre em pânico, nem tente desistir — isso não é o suficiente para você sentar o seu traseiro pelo resto da vida. Mas pode comprar a sua liberdade, tanto daquela claustrofóbica cidadezinha que nós chamamos de lar quanto das escolhas que você foi obrigada a fazer até agora. Não estou lhe dando dinheiro porque quero que fique saudosa, em dívida em relação a mim ou para que isso seja uma espécie de maldita lembrança. Estou lhe dando isso porque poucas coisas ainda me fazem feliz, e você é uma delas. Sei que me conhecer lhe causou sofrimento e tristeza e espero que um dia, quando estiver menos zangada e chateada comigo, veja não só que eu só podia ter feito o que fiz, mas também que isso lhe ajudará a ter uma vida realmente boa, melhor do que se não tivesse me conhecido. Durante algum tempo, você vai se sentir pouco à vontade em seu novo mundo. É sempre estranho ser arrancada de sua zona de conforto. Mas espero que fique animada também. Sua expressão, quando voltou da aula de mergulho naquele dia, me disse tudo: você tem ambição, Clark. É destemida. Mas escondeu essas qualidades, como quase todo mundo.
Não estou lhe dizendo para saltar de prédios altos, nadar com baleias ou algo assim (embora, no fundo, gostaria que você fizesse essas coisas), mas para viver corajosamente. Ir em frente. Não se acomodar. Usar aquelas meias listradas com orgulho. E se quiser mesmo se acomodar com algum sujeito ridículo, garanta que um pouco de tudo isso fique guardado em algum lugar. Saber que você ainda tem possibilidades é um luxo. Saber que lhe dei algumas me dá certo alívio.
É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins e sua total incapacidade de disfarçar o que sente. Você mudou a minha vida muito mais do que esse dinheiro vai mudar a sua.
Não pense muito em mim. Não quero que você fique toda sentimental.
Apenas viva bem.
Apenas viva.
Com amor, Will.
—  Como Eu Era Antes de Você
Clark, quando você ler esta carta, terão se passado algumas semanas (mesmo coma sua recém-adquirida capacidade de organização, não acredito que esteja em Paris antes do início de setembro). Espero que o café esteja saboroso e forte, os croissants frescos e o tempo ainda ensolarado o bastante para que você se sente na calçada numa daquelas cadeiras de ferro que nunca estão bem firmes no chão. O Marquis não é ruim. O filé também é bom, se você quiser voltar no almoço. E se olhar a rua, à esquerda, verá o L’Artisan Parfumeur onde, depois de ler esta carta, você deveria experimentar um perfume que eles chamam de algo como Papillons Extreme (não me lembro direito do nome). Sempre achei que ia ficar ótimo em você. Certo, as recomendações acabaram. Gostaria de dizer algumas coisas e as teria dito pessoalmente, mas: a) você se emocionaria e b) você não me deixaria dizer tudo. Sempre falou demais. Portanto, eis aqui: o cheque que você recebeu de Michael Lawler no envelope anterior não é a quantia total, apenas um pequeno presente para ajudá-la nas primeiras semanas desempregada e para ir a Paris. Quando voltar para a Inglaterra, leve esta carta para Michael, no escritório dele em Londres, e ele vai lhe entregar os documentos necessários para você acessar a conta que foi aberta, a meu pedido, no seu nome. Essa conta tem o suficiente para você comprar um bom lugar para morar, pagar seu curso e as despesas enquanto estiver estudando em tempo integral. Meus pais serão comunicados de tudo. Espero que isso, e os serviços jurídicos de Michael Lawler, garantam que não haverá a menor dificuldade possível. Clark, quase consigo ouvir daqui você hiperventilar. Não entre em pânico, nem tente desistir — isso não é o suficiente para você sentar o seu traseiro pelo resto da vida. Mas pode comprar a sua liberdade, tanto daquela claustrofóbica cidadezinha que nós chamamos de lar quanto das escolhas que você foi obrigada a fazer até agora. Não estou lhe dando dinheiro porque quero que fique saudosa, em dívida em relação a mim ou para que isso seja uma espécie de maldita lembrança. Estou lhe dando isso porque poucas coisas ainda me fazem feliz, e você é uma delas. Sei que me conhecer lhe causou sofrimento e tristeza e espero que um dia, quando estiver menos zangada e chateada comigo, veja não só que eu só podia ter feito o que fiz, mas também que isso lhe ajudará a ter uma vida realmente boa, melhor do que se não tivesse me conhecido. Durante algum tempo, você vai se sentir pouco à vontade em seu novo mundo. É sempre estranho ser arrancada de sua zona de conforto. Mas espero que fique animada também. Sua expressão, quando voltou da aula de mergulho naquele dia, me disse tudo: você tem ambição, Clark. É destemida. Mas escondeu essas qualidades, como quase todo mundo.Não estou lhe dizendo para saltar de prédios altos, nadar com baleias ou algo assim (embora, no fundo, gostaria que você fizesse essas coisas),mas para viver corajosamente. Ir em frente. Não se acomodar. Usar aquelas meias listradas com orgulho. E se quiser mesmo se acomodar com algum sujeito ridículo, garanta que um pouco de tudo isso fique guardado em algum lugar. Saber que você ainda tem possibilidades é um luxo. Saber que lhe deia algumas me dá certo alívio. É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins e sua total incapacidade de disfarçar o que sente. Você mudou a minha vida muito mais do que esse dinheiro vai mudar a sua. Não pense muito em mim, não quero que você fique triste. Apenas viva bem. Apenas viva. Com amor, Will.
—  Como Eu Era Antes de Você.
ah era bom

ah era bom ter com quem brigar, ter com quem desabafar, ter com quem compartilhar piadas estupidas, ter com quem contar, ter um abraço como refúgio, ter um perfume preferido, ter uma mensagem de bom dia quando eu acordava e uma de boa noite quando eu ia dormir. Os vácuos, o tanto faz, os erros e a incerteza não eram nada comparado ao bem que ele me fazia. Não importa o que digam, no final do dia todo mundo quer ter alguém.