perfeitamente imperfeito

Dia 01 - Sem você
Não dá mais. Não dá. Não tá dando. Juro que não consigo. O teste pra averiguar se consigo viver sem você deu negativo. Testado cientificamente que não dá. Entendeu bem? Não dá! Tô aqui me rastejando, querendo bater na tua porta e falar tudo que tinha que ter saído da minha boca ontem, quando você falou de dar um tempo, acredito que entrei em choque, nada saiu da minha boca. Mas quando acordei hoje cedo vi que não tinha como. Foi estranho acordar hoje cedo e não ver uma mensagem tua. Era sagrado. Nunca faltou. Hoje não teve. Não teve tua mensagem, do mesmo jeito que não teve um pedaço de mim no meu peito. Hoje faltou você. E doeu, como nunca tinha doído por ninguém. Doeu saber que não vou ter seu abraço como acalento. Doeu pensar nas nossas mãos e pernas entrelaçadas, em não ter tua voz mansa aos meus ouvidos, ter suas piadas toscas, suas manias estranhas, suas brincadeiras bobas. Hoje não tem mais ‘nós dois’, e eu definitivamente não sei viver sem seus defeitos, sem tudo de maravilhoso que há em você. Eu posso até saber viver sem você, posso até conseguir, mas eu não quero, não quero deixar de lado tantos momentos, não quero que você seja uma página que eu estou passando, quero continuar a escrever uma história nossa, seja ela errada, sem as melhores palavras, mas eu quero você. Quero tudo o que fomos. Seus olhos nos meus. Sentir você respirar perto e ver o coração palpitar. Quero que nossa história não acabe nunca, porque sei que nossas brigas nos fazem crescer, nossas diferenças são complementares e o universo só tem sentido quando estou ao seu lado. Não te ter aqui, neste momento, machuca, e eu não quero mais me sentir assim. Quero o arrepio que seus toques me causam, quero o aconchego dos seus abraços, quero você, quero aquele tão perfeitamente imperfeito “nós”. Para de marra e volta pra cá, volta pra mim.
—  MATT AND LUIZA - Escrito por Paula, Andreza e Anna em Julietário.

Sinto-me cortado, pedaços, muitos pedaços! Ó céus! O anjo que enviaste à mim, deveras foi traído, com amizade e inocência, por um ser humano perfeitamente imperfeito.

Ando precisando de contato, toques, abraços. Ando precisando de ver sorrisos sinceros direcionados à mim. Ando precisando de abraços sem motivo e beijos na bochecha. Ando precisando de alguém que goste de mim e que me faça gostar tanto quanto. Ando precisando de reciprocidade. Ando precisando de clichês. No fim, quero mesmo é viver aquele romance de comédias românticas, perfeitamente imperfeito.
—  Mariana Barcelos