percebi tarde

Eu poderia.

Eu poderia continuar insistindo, querendo, lutando, tentando, gostando e me importando. Mas me diz, pra quê? Eu não posso mudar quem você é, meu bem. E quem você é agora só me machuca, suga minha energia, me faz ser alguém que eu não quero ser. Por isso eu desisti. Não vale a pena eu me perder pra te ter, me machucar pra te curar, apagar a minha luz pra acender a sua. Você sugou tudo aquilo de bom que eu tinha pra te dar, meu bem. Eu finalmente sai do abismo que você é mas eu não tenho mais confiança, dignidade, vontade e nem estômago pra gostar de ninguém, não agora. Você acabou comigo e eu percebi tarde demais.

Eu queria muito dizer que amar demais não foi o meu erro. Mas eu deixei de prestar atenção nos pequenos detalhes só pra te fazer feliz. Parei de viver a minha vida, deixei tudo de lado pra poder fazer tudo que você queria. Eu fui tudo que você queria que eu fosse e até mais. Não liguei pra forma que você demonstrava sentir algo e nem pela falta de atitudes. Me contentei com provas de amor em forma de textos. Eu fiquei cega e quando percebi, já era tarde. Saí toda machucada e você sem nenhum arranhão. A culpa foi minha, confesso. Vi amor aonde não tinha.
—  De amores rasos eu já estou cheia.
O amor pode ser comparado com um grafite tentando entrar numa lapiseira. Eu insisti para você ficar comigo, eu insisti para que nosso amor durasse mesmo quando ele já tinha acabado. Eu queria que você me amasse do jeito que eu sou, e cada tentativa sem sucesso me machucava mais, até que as vontades acabaram, as tentativas se esgotaram. E eu senti como se meu coração fosse um grafite, pois cada vez que eu queria usar a marra e a força pra você me amar, ia rompendo meu coração, até o momento em que nosso amor se acabou e ele se partiu. Igualzinho quando eu vou colocar um grafite e percebo que o número não é o mesmo da lapiseira. Eu percebi tarde demais que você não era nada daquilo que eu pensava, eu demorei pra perceber que eu sou exata e você é decimal. Demorei para me ligar que você nunca foi exato comigo, você sempre colocava vírgulas e outras pessoas depois delas. E hoje, você não passa de um grafite cujo número não tem mais nenhum uso para mim.
—  Ashley Novais
Eu já estava quase te esquecendo, aí começou a tocar a sua música preferida. E parece que o mundo parou, e eu só conseguia lembrar de ti. Da tua voz, da tua risada, da sua respiração descontrolada. O chão demorou e eu caí em lembranças. Em cada segundo da música, eu só desejava voltar no tempo e não ter ido embora. Eu só desejava estar ali, ouvindo sua voz, ou sendo o motivo da sua risada. Queria estar ali, aninhada em seus braços, sentindo sua respiração. Aí a música acabou, e eu percebi que já era tarde demais. Meu chão voltou, e eu continuei fingindo que já te esqueci.
—  Nice Rodrigues. Desculpa por sentir saudade na hora errada.
não sei porque tua indiferença me incomoda

se eu fiz questão
de dizer a mim mesma
de que tu
não era tanto assim pra mim

[acontece que eu percebi tarde demais
que gostava das tuas chegadas
dos teus excessos
e dos teus acasos]

One Shot Zayn Malik

  • Pedido -  Faz um do Zayn que ela pense q o filho dos dois não gosta dela


Eu me pergunto sempre o porque da minha filha ser mais apegada ao pai do que a mim. Nós passamos a maior parte do tempo juntas, eu faço de tudo por ela no dia a dia, eu converso, alimento, conto histórias, mas quando Zayn está aqui eu sou carta fora do baralho.

É frustrante eu ter que ficar de escanteio enquanto os dois ficam grudados o dia inteiro e a Emma praticamente vira a sombra de Zayn.

Agora os dois estão em um sofá rindo enquanto Emma tenta fazer cócegas na barriga de Zayn e eu estou em ou apenas observando de fora de toda a diversão. Eu só queria fazer parte daquilo que parece tão divertido para eles.

— Agora é minha vez de pegar você.

Eu disse de forma ameaçadora me levantando do sofá e indo até o outro pegando a Emma pela cintura e começando a fazê-la cócegas.

— Não, mamãe! Não! — ela tentava fazer com que eu a soltasse — Eu fazendo cosquinha papai.  

Ela saiu do meu colo e voltou a subir sobre Zayn continuando o que fazia antes, em meio a gargalhadas. Eu fiquei parada por um momento apenas a observar os dois querendo que comigo fosse daquele jeito também porque geralmente não tem tantas risadas em nossas brincadeiras juntas.  

Depois de um longo suspiro eu deixei a sala indo em direção ao quarto e me deitei na cama assim que fechei a porta. Na minha cabeça só se passava a cena de segundos atrás e as rodas ainda poderiam ser ouvidas em minha mente me deixando triste. Não triste pela felicidade, mas triste por eu não ter um espacinho ali para poder rir também.

Tudo que eu consigo pensar é que a minha menininha que eu gerei dentro de mim por nove meses e cuidei durante anos não aprecia a minha companhia na presença do pai e não dá nem metade das risadas comigo como é com o pai.

Uma lágrima correu por meu rosto e saltou sobre o travesseiro me fazendo fungar e limpá-la rapidamente, mas outras vieram em seguida e eu apenas deixei que corressem livremente por meu rosto.

Eu tenho plena consciência de que para algumas pessoas é muita frescura chorar por um motivo que parece banal, mas quem é mãe entende, até algumas pessoas que não são mães conseguem entender. A ideia de uma pessoa que você ama e daria a vida para ver bem não gostar de você, machuca, dói mais do que qualquer ferida na carne. Dói na alma.

Eu sempre me esforcei para ser uma boa mãe, não ser chata ou aquelas que são superprotetoras demais que até sufocam, mas pelo visto não tem dado muito certo e eu acho que percebi um pouco tarde.

— Você está aí… — ouvi Zayn dizer depois que a porta foi aberta e ouvi seus passos pelo quarto — Nossa menininha é incansável. — ele riu baixo e depois de fazer alguma coisa deitou-se atrás de mim abraçando minha cintura — Você está muito calada.  

E então ele me virou de frente para ele e viu as lágrimas presente em meu rosto. Sua feição se fechou e seus lábios se abriram sem dizer nada por alguns segundos, ele parecia surpreso e então correu seu polegar sobre as lágrimas em meu rosto as limpando.

— O que aconteceu, princesa? — ele usou o apelido que sempre usa para me mimar.

— Ela não gosta de mim… Não gosta, Zee. — e mais lágrimas vêm sem freio e eu me agarro ao Zayn como se fosse um ursinho de pelúcia.

— Ei amor… — ele acaricia meus cabelos — Você está falando da Em?

— Sim… Ela não me quer por perto.  

— Isso não é verdade… Ela ama você mais que tudo. — senti seu beijo minha testa — Não fique pensando besteiras, querida.

— Não mais que você… Não tem espaço para mim na vida dela, você o ocupa completamente.

— Nós dois temos espaço no coraçãozinho dela, ela nos ama mais que doces, mais que princesas da Disney e mais que qualquer outra coisa. Nós somos os pais dela e nos ama igualmente. — ele segura o meu queixo para que eu o olhei enquanto fala — Não há motivos para inseguranças.

— Eu…

— Mamãe? — a voz baixinha da Emma soou pelo quarto me fazendo olhar em sua direção — Não chora mamãe, eu amo você.

O corpinho pequeno cruzou o quarto em duração a cama - a qual só conseguiu subir com caminha ajuda - e me abraçou apertado com seus bracinhos em volta do meu pescoço. Eu retribui o abraço a apertando levemente para não machucá-la e me permiti sorrir com o que foi me dito aquecendo o meu coração.

— Desculpa… Eu amo você muitão. — ela olhou em meu rosto segurando-o com suas mãozinhas e o beijou.

— Eu disse que era uma insegurança boba. — Zayn sorriu e nos abraçou.

— Emma fica mais com o papai porque o papai fica muitão longe… — ela se explicou me fazendo ri fraco por ela ter usado a terceira pessoa.

— Desculpe a mamãe por isso tudo… Eu só estava com medo de você não gostar de mim. — beijo a pontinha de seu nariz.

— Emma ama! —  

Ela me abraçou novamente e Zayn passou seus braços a nossa volta nos mantendo seguras no abraço de família. Abraço esse que tem espaço apenas para nós três, nada de medos ou inseguranças consegue penetrar essa barreira.




O 1s saiu pequeno, mas o objetivo do pedido foi concluído e por ele não ser detalhado não teve muito o que fazer…

Espero que tenham gostado, deixem seu favorito :)

- Tay 

Eu te amei, amei muito. Mas você não deu valor a esse amor, ignorou e maltratou ele como ninguém havia feito antes. Eu te perdoei nas primeiras vezes, porque entendia que você não sabia amar e acreditava que me amava de algum modo, mas você nem sabe o que o amor é. Você me iludiu, percebi isso tarde, mas quando aconteceu, foi como se minha mente estivesse se abrindo, se limpando… E nesse momento, eu senti pena de você, por que se você não sabe amar, como espera que alguém te ame verdadeiramente?
—  Nicolle Kethen.
Quando eu percebi já era tarde. Já estava totalmente nas suas mãos. E quem disse que era isso que eu queria? Não, não era. Eu só queria que você cuidasse de mim como eu cuido de você. Eu, de verdade, só queria que fosse recíproco. Só queria que você se importasse. Não queria estar totalmente a merce de você, garoto, nunca quis ser sua… só queria ser amada por você. Mas aconteceu tudo ao contrário: você não me ama, mas me tem. Eu, querendo ou não, pertenço a você, mas não te tenho.
—  Alegrais

Imagine Harry Styles - feito por Nath.

Parte I - Parte II - Parte III - Parte IV

Exatamente hoje faz seis meses que visitei o Brasil e conheci s/n, realmente tentamos, nenhum de nós foi covarde. Mas meu bom pressentimento estava totalmente errado, começamos nos falando todos os dias, pelo Skype, chamadas de vídeo e mensagens de texto, o tempo todo, mas as semanas foram passando, o desejo foi mais forte que o nosso começo de romance, antes que me entendam errado, eu não era o Don Juan de Casa Nova, não era de sair com muitas mulheres, mas estar sempre tão cercado delas, tão fáceis ao meu alcance, me deprimia, era s/n que eu queria e não podia tê-la em meus braços. Mas não fui eu que desisti, s/n que foi a primeira a dizer que nosso relacionamento era aberto, a primeira que começou a estar “ocupada demais com a faculdade” pra conversar, foi ela que se distanciou, e foi eu fiquei aqui com o coração quebrado. Tinha milhões de fãs pelo mundo, e foi exatamente uma delas que me chutou, como se eu fosse facilmente esquecível. Parou de me responder e me ignorou por completo. Eu me lembro até hoje, começou com um “não posso atender agora, mais tarde te ligo” e terminou com “esse celular é de Harry Styles e S/n estamos ocupados demais salvando o mundo, se for importante deixe seu recado após o sinal, que é o piiiih que vem agora. PIIIH”. Nunca entendi por que ela não mudou a mensagem, ouvi por alto dos garotos que às vezes trocavam mensagens com ela, que ela não usava mais o celular que eu te dei. Isso quebrava meu coração em menores pedaços ainda. 

Imaginem a minha reação quando cheguei à casa de Niall para uma social, a qual os meninos me irritaram para ir, e ver s/n lá. Foi quase um insulto ela conseguir estar mais linda do que eu me lembrava.

Os garotos vieram até mim, fazendo o máximo que podiam para disfarçar o meu estado de choque, mas ela continuava lá encostada na parede como se nada estivesse acontecendo, como se eu nunca tivesse acontecido. 

Se for assim que ela queria que fosse, esse jogo poderia ser jogado a dois. Fiz o possível para desfazer a cara de cachorrinho abandonado e voltei minha atenção a mesa de Whisky de Niall, me servindo de uma dose. 

- Então, o que devo a honra dessa visita, s/n? - falei o nome dela como se fosse ácido em minha boca. Acho que ela não esperava essa recepção porque sua expressão foi de imparcial para tristeza em apenas um segundo. 

- Eu… - ela tentou formular uma frase, mas logo desistiu.

- Ela ganhou uma bolsa para fazer Letras na universidade de Londres - Liam começou alegremente, se existia uma pessoa que odiava brigas e desentendimentos, e essa pessoa era Liam.

- E um estágio no Daily Mirror também. - Foi a vez de Louis dizer, ótimo eu sou chutado e nem se quer ganho satisfações e estão todos do lado dela. 

- Ela vai morar aqui. - Niall comentou docemente, mas aquilo parecia mais uma sugestão, acho que ele queria minha opinião.

- Ótimo, parabéns, s/n. - disse em um tom um pouco menos sarcástico, o que eu poderia fazer? Destruir seus sonhos? Eu a vi trabalhando naquele quiosque, se não ficasse aqui iria ficar aonde? Estava magoado, mas não era um monstro.

- Vou cozinhar e cuidar da casa como pagamento pela estadia - s/n finalmente se manifestou.

- Sabe que não precisa, não é? - Niall disse suspirando, alguma coisa me diz que eles já haviam tido essa conversa. 

- Eu insisto, e além do mais você ama minha comida. 

- Pois é, sobre isso eu não posso mentir. - Niall disse dando por vencido.

**

- Ah, tenha santa paciência. - Zayn já perdia o pouco de compostura que tinha. - Acho que seu plano de não se envolver não estava funcionando. 

Já fazia uma semana que s/n tinha ido morar com Niall e estávamos nos ignorando, as únicas palavras que trocávamos não era mais do que “me passa o sal” ou “ótima comida”. E Zayn, assim como todos os outros garotos achavam que aquilo estava passando dos limites. 

- Ela me chutou. C-H-U-T-O-U. Por que eu que tenho que ir falar com ela? - já estava cansado de toda aquela história. - É OTIMO PRA VOCÊS TEREM ELA POR PERTO, mas quem está apaixonado por ela sou. - A minha revelação deixou Zayn sem fala por alguns segundos, quer dizer todos sabiam, mas eu nunca tinha realmente dito em voz alta, mas a surpresa durou pouco e ele rebateu de volta. 

- Eu sei que o seu ego está ferido, você, quer dizer, todos nós estamos acostumados a ter o mundo nas mãos, todas as garotas aos nossos pés, e finalmente uma tem que ser conquistada, você não acha que vale a pena? - ele suspirou, como se aquelas palavras não fossem só para mim, como se ele estivesse tentando convencer a si mesmo. – Deus, Harry, o pior cego é aquele que não quer ver. Você acha que ela largou amigos, família e sua própria casa por uma faculdade?

- O que está querendo dizer? - rebati incrédulo.

- Eu não vou dizer mais nada. - ele levantou as mãos em sinal de rendição. - Se quer a resposta, vá procurar. 

Aquelas palavras batucaram em minha cabeça pelo resto do dia, passei os últimos meses querendo que ela fosse a culpada, querendo odiá-la por que assim seria mais fácil esquecê-la.

Mas e se existisse um motivo para ela ter se afastado? E se algo a assustou? Ela parecia tão entregue a mim, aquela noite, tão minha. 

Antes de tomar consciência dos meus atos, peguei meu casaco e fui dirigindo até a casa de Niall, estava no modo automático, quando dei por mim estava em frente a sua porta, sem fazer a menor ideia de como não tinha batido em ninguém no caminho de lá até aqui. 

Toquei a campainha. 

Um Niall sonolento usando pijama de ursinho atendeu a porta. 

- Eu preciso falar com ela. - foi tudo que disse, mas acho que em meu tom Niall pode ver toda a angustia e medo. 

- Lá em cima, terceira porta à direita. - Niall virou as costas e caminhou até a cozinha, ele assim como eu, sabia que eu tinha que resolver tudo isso sozinho. 

Subi as escadas e bati em sua porta. 

- Desde quando você bate na minha porta… - ela estava sorrindo, mas seu sorriso tornou-se uma cara de incredulidade quando me viu. 

- O que…?

Eu entrei, sentei em sua cama e ela ficou de pé em frente a mim, por alguns minutos só ouve o silêncio, eu precisava de tempo para organizar meus pensamentos. 

- Bom, você veio até aqui, pode pelo menos me abraçar?- ela disse melancólica. 

Levantei e a abracei, por alguns segundos a paz se fez presente em minha mente, mas eu tive que soltá-la.

- Por quê? Você disse que me amava - meu tom de voz era amargo e carregava toda a magoa dos últimos meses - Você disse que ficaríamos juntos, disse que cuidaria de mim e eu cuidaria de você.

- Eu… Harry eu te amei, eu ainda amo, essa é a única verdade. Mas eu tive medo ok? MEDO. Tudo em minha vida foi só ir reto, nunca tive que pensar muito sobre algo, eu sabia que tinha que trabalhar e estudar. Mas daí você veio, e tudo em sua vida é tão caótico, tudo tão complicado. Aquela noite com você foi a melhor da minha vida, e eu queria, queria mesmo mudar por você, estava decidida, você me deu força, mas teve que ir embora, e sem te ver a força que eu precisava se esvaiu, e sem te ver eu poderia fingir que não te amava e então tudo seria mais fácil. 

- Foi tão fácil pra você me deixar? Sem nenhuma explicação? Me deixar te esperando pra sempre?

- Eu não quis… Me desculpe, eu sinto muito mesmo. Mas o que você quer que eu diga? EU TIVE MEDO, sabia que se eu falasse tudo isso pra você, era só te ouvir dizer o meu nome e eu já mudaria de ideia. 

- Se minha vida é bagunçada demais pra você, porque esta aqui agora? Pra me torturar, pra eu ter que olhar todos os dias para o que eu nunca vou ter?

- Não, porque sem você minha vida fica incompleta, percebi isso tarde demais pra querer algo de você, mas eu poderia mesmo assim estar sempre perto poder te ver estar com você, pra mim já era o suficiente.

As lágrimas em seus olhos, ela parecia tão mal quanto eu, não sei direito se foi vê-la desse jeito, desolada ou o fato de eu mesmo estar igual. Mas fui até ela, tomei seu rosto molhado em minhas mãos a beijei. Um beijo casto e lento, molhado por suas lágrimas.

- Eu estou aqui agora, ao seu lado para te dar forças pra conseguir estar comigo, se quiser ficar, eu vou ser seu mundo. Você quer… hm… - procurei algo em meus bolsos, mas tudo que tinha era meu celular, fiapos de jeans e uma fita vermelha que estava presa em meu antigo chaveiro. Fiz menção de amarrar em seu dedo - Quer ser minha?

- Eu já sou sua, Harry. - ela me deu o dedo para que eu amarrasse a fita - Você é meu? 

- Sempre.

FIM

Levou um tempo para eu peceber que é você o verdadeiro dono do coração. E não importa, nada que eu faça irá mudar isso. E mais uma vez, estou aqui escrevendo sobre você. Mas é que, não foi fácil perceber que era o seu calor que eu queria sentir, era seu toque que eu precisava, era seus beijos que eu mais desejava, era seu cheiro que eu queria em mim. Levei um tempo para peceber que ao seu lado é o meu lugar. E quando eu percebi, infelizmente já era tarde demais. Você já estava se envolvendo por outra pessoa. Uma outra pessoa que soube retribuir o que você sentia, desde o início, e que era menos problemática que eu. Infelizmente, só fui perceber o quanto eu precisava de você em minha vida, quando era outra boca a que você beijava, era um outro corpo que você abraçava com paixão, era o cheiro dela que ficava em você. E o mais triste, é que você não me via mais como antes, e não era eu quem você queria como dona do seu coração. Eu agora era uma ex paixão, que continuava sendo sua amiga e confidente. E essa era a pior parte: acabei me tornando a confidente de seu amor por ela.
—  Christiellen Pinto Lucy Gomes.
Olhei para o relógio e percebi que já era tarde, os ponteiros batiam perto das onze horas da noite, mas mesmo assim continuei a te esperar e foi quando tentei novamente te ligar e você simplesmente desligou o seu celular. Era o meu aniversário, você pediu para que pudêssemos passarmos juntos, disse que era importante  e me pediu para ficar em casa e fazer um pequeno jantar. Mas já era meia noite e você não chegou e foi então que cansei de esperar e fui para a cama dormir. No dia seguinte fui a cozinha para lavar a louça no qual havia sujado e vi que tinha na sua camiseta branca uma marca de batom. Desde então eu tentei não acreditar no que estava acontecendo e por mais que eu tente, acabei perdendo a confiança em você. E o amor que eu sentia, bom podemos coloca-lo em um baú e esquecer que um dia eu amei um idiota como você.
—  Dramaturgia do amor.
Olho pela janela, gritos ecoando entre dois prédios. De um lado, pastores e padres, vendendo Deus por um preço cada vez mais barato. Do outro, homens e mulheres protestando com os dentes sendo arrancados da boca pelas forças policiais. Bebo mais um gole do meu café, amargo, mas não tanto quanto minha vida longe de você, eu não sabia explicar, na verdade eu ainda não sei, mas as coisas simplesmente faziam sentido ao lado dela. Não imaginava sentir tanto a falta de alguém, ela havia me dado um novo mundo, mas me deixou vivê-lo sozinho, foi totalmente egocêntrico em pensar que existia um mundo inteiro apenas pra nós dois. Eu percebi, tarde, mas eu percebi que ela não me amava tanto quanto dizia, ou si quer nem me amava, e que eu era apenas um brinquedo em suas mãos, que eu dava meu mundo em troca de doses homeopáticas dela. Todas as noites fecho meus olhos e procuro pensar em algo bom, algo que me faça esquecer a dor de ter sido apenas um brinquedo para alguém, que me faça esquecer a raiva de ter sido trouxa o suficiente pra deixá-la entrar em minha vida e acabar com ela. Mas as memórias dos nossos momentos invade meu pensamento e domina minha mente, momento esses que eu achava que tudo que passei ao seu lado tinha alguma importância, ao que ao menos valeram apena. Momentos esses que duram apenas alguns estantes, como uma onda que vem destruindo tudo a sua frente as nossas piores lembranças sujem, e me fazem entender, por pelo menos algumas horas que eu odeio você.
—   Florescer1997 tomou um café com
Desaguasse.
Desde ali, desde aquela terça-feira, por volta das 2h da tarde, percebi que você ia embaraçar toda minha vida, e não queria que você fizesse diferente, eu queria que fosse você, desde sempre eu quis. Eu esperei tanto por aquele dia, aquele clichê de “frios na barriga” estava acontecendo, e eu não sabia como agir, como fazer parar. Cada vez que te olhava, eu sorria, e desde aquele dia não conseguia parar de sorrir. Eu comecei a ouvir suas musicas, a escrever poemas e lê-los pessoalmente, só pra te ver dar um sorriso envergonhado, o melhor do mundo. Desde esse dia, comecei a acordar pensando não só que ia estar ao seu lado, mas que ia ter o privilegio de passar horas olhando pra você, pra sua boca, e segurar a sua mão e pensar que você nunca largaria a minha, definitivamente eu estava apaixonada, e você foi se apaixonar pela pessoa mais complicada que existe. Foram os melhores meses da minha vida, as melhores horas e os melhores segundos, os melhores sentimentos. Eu não sabia que ia acabar, não estava pronta pra deixar você partir. É, acabou, exatamente em uma terça-feira, dia chuvoso e frio, o pior de todos. Foi doloroso te ver partir, era como se estivessem,  pisando no meu coração, faltava algo, e eu só queria entender o por que de sempre as terças feiras serem tão chuvosas. Penso que se tudo tivesse começando em outros dias, seria dieferente, e será? Aprendi, meu maior erro foi amar demais, e a mais, acreditar que tudo nunca iria acabar. Antes odiava as terças feiras, hoje passo a admira-las. A vida continua, garota! Não desanime, um dia, quem sabe, faça sol em uma terça-feira, as 2h da tarde.
—  Florenciour
Mas o que eu quero-te dizer é que eu te amo, e percebi tarde, talvez. E que talvez, se eu tivesse descoberto mais cedo, poderia ter coragem o suficiente pra te dizer, pra te encarar e sentir tudo guardado emanar no ar. Mas enquanto esse dia não vem eu vou continuar te escrevendo, e quando esse dia chegar, você estará lendo essas ultimas palavras.
—  Segredos - Laís Reis