pele lisa

Mulheres

Os cabelos
Longos, curtos, médios
Volumosos, escorridos
Loiros, castanhos, ruivos
Brancos, prata, roxos
Azuis, verdes, arco-íris
E mais azuis os olhos
Ah, os olhos
Grandes, miúdos, perfeitos
Azuis, verdes, cinzas
Mel e abismo
E as unhas, ah, as unhas
Garras, grandes, cortam, dilaceram
Curtas, acariciam, tocam e acalmam
E os lábios
Grossos, dominantes
Finos, dominados
Seus, perfeitos
Rosas e vermelhos
Marrons e negros
E até mesmo o pescoço
Fino, claro, singelo
Grosso, forte, poderoso
E os queixos
Redondinhos, macios
Marcados, imponentes
E a pele, lisa e macia
Grossa e forte
A voz, doce e meiga
Intensa e alta
E as orelhas, picutuchas
Ou élficas
Lindas, lindas!
As clavículas, marcadas, destacadas
Chamativas, gritantes
Tudo, tudo, Deus!
Deus que no sexto dia
Declamou ao universo:
“E que haja perfeição
No corpo de uma mulher!”

O que eu mais gosto de presenciar na vida, talvez, sejam os reencontros. A beleza da morte da saudade sendo esmagada dentro do abraço daquele que encontra, finalmente, a outra metade do seu coração. A profundidade do olhar daquele que observa com cuidado cada detalhe do outro, esquecendo a última memória que insistia em lembrar-se enquanto estava longe. A espontaneidade do sorriso no rosto ao medir cada centímetro do outro com com as mãos. O fechar das pálpebras enquanto inspira todo o odor do amor… A saudade agora tem o cheiro de um suor sutil coberto pelo perfume doce e não mais o da foto guardada. O outro tem pele e ela é lisa, como você nem se lembrava mais, não existe mais o amassado da foto ao tateá-lo. O outro agora tem detalhes que ainda não existiam no último encontro e nem na foto guardada. Vocês se tornaram outras pessoas, mas o amor não deixou o tempo passar internamente. O cabelo maior, o rosto mais envelhecido e o corpo mais gordo não muda aquilo que os fizeram sentir como se fosse a primeira vez. Na verdade, como se fosse um retorno. Acho que o reencontro ainda é melhor que o primeiro encontro, pois há um sentimento a ser honrado: a saudade. A gente só sabe que alguém foi importante e que valeu a pena estar ao lado dela, quando nosso coração aperta e diz pra onde quer voltar e onde quer estar pra sempre.
—  Beatriz Pontes.

Hoje estou usando lingerie preta
Apenas pelo propósito de saber que as estou usando.
E debaixo disso?
Estou absolutamente nua.
E tenho pele. Milhas e milhas de pele.
Tenho pele para cobrir todos meus pensamentos
como um embrulho plástico que você pode ver através dele
as sobras da noite passada que estão dentro.
E apesar do que você possa pensar, minha pele não é áspera; nem à prova de balas.
Minha pele é macia, e lisa, e facilmente lacerada.
Mas isso não importa, certo?
Você não liga para quanto minha pele é macia.
Você só quer saber o que meus dedos fazem no escuro.
Mas e se tudo que eles fizerem for abrir janelas?
Para que eu possa ver os relâmpagos através das nuvens.
E se tudo que eles anseiam for um trepa-trepa para escalar para sentir o gosto do ar fresco?
E se tudo que eles alcançam é um caderno ou uma mão para segurar?
Mas essa não é a história que você quer.
Você está lambendo os lábios e rangendo os dentes.
Por pelo menos uma vez eu gostaria de ser a direção que alguém caminha.
Eu não quero ser a água na fonte.
Eu não quero ser a fonte.
Mas eu gostaria de não ser mais o chão.
Eu gostaria de não ser a coisa que as pessoas enfiam a mão.
Algumas garotas sabem todas as letras para as músicas uma da outra.
Elas encontram harmonia em suas risadas.
Seus cotovelos conectados ecoam no tom.
E se eu não conseguir cantarolar no ritmo?
E se minhas melodias são aquelas que ninguém ouve?
Algumas pessoas podem reconhecer uma árvore,
um jardim da frente, e saber que chegaram em casa.
Em quantos círculos eu posso andar antes de desistir de procurar?
Quanto tempo até eu me perder de vez?
Deve ser possível nadar no oceano da pessoa que você ama sem se afogar.
Deve ser possível nadar sem você mesmo se transformar em água.
Mas eu continuo engolindo o que eu pensava ser ar.
Eu continuo encontrando pedras amarradas a meus pés.

Hannah Baker

“Hoje estou usando lingerie preta
Apenas pelo propósito de saber que as estou usando.
E debaixo disso?
Estou absolutamente nua.
E tenho pele. Milhas e milhas de pele.
Tenho pele para cobrir todos meus pensamentos
como um embrulho plástico que você pode ver através dele
as sobras da noite passada que estão dentro.
E apesar do que você possa pensar, minha pele não é áspera; nem à prova de balas.
Minha pele é macia, e lisa, e facilmente lacerada.
Mas isso não importa, certo?
Você não liga para quanto minha pele é macia.
Você só quer saber o que meus dedos fazem no escuro.
Mas e se tudo que eles fizerem for abrir janelas?
Para que eu possa ver os relâmpagos através das nuvens.
E se tudo que eles anseiam for um trepa-trepa para escalar para sentir o gosto do ar fresco?
E se tudo que eles alcançam é um caderno ou uma mão para segurar?
Mas essa não é a história que você quer.
Você está lambendo os lábios e rangendo os dentes.
Por pelo menos uma vez eu gostaria de ser a direção que alguém caminha.
Eu não quero ser a água na fonte.
Eu não quero ser a fonte.
Mas eu gostaria de não ser mais o chão.
Eu gostaria de não ser a coisa que as pessoas enfiam a mão.
Algumas garotas sabem todas as letras para as músicas uma da outra.
Elas encontram harmonia em suas risadas.
Seus cotovelos conectados ecoam no tom.
E se eu não conseguir cantarolar no ritmo?
E se minhas melodias são aquelas que ninguém ouve?
Algumas pessoas podem reconhecer uma árvore,
um jardim da frente, e saber que chegaram em casa.
Em quantos círculos eu posso andar antes de desistir de procurar?
Quanto tempo até eu me perder de vez?
Deve ser possível nadar no oceano da pessoa que você ama sem se afogar.
Deve ser possível nadar sem você mesmo se transformar em água.
Mas eu continuo engolindo o que eu pensava ser ar.
Eu continuo encontrando pedras amarradas a meus pés.”

— Hannah Baker, 13 Reasons Why

Hoje estou usando lingerie preta

Apenas pelo propósito de saber que as estou usando.

E debaixo disso?

Estou absolutamente nua.

E tenho pele. Milhas e milhas de pele.

Tenho pele para cobrir todos meus pensamentos

como um embrulho plástico que você pode ver através dele

as sobras da noite passada que estão dentro.

E apesar do que você possa pensar, minha pele não é áspera; nem à prova de balas.

Minha pele é macia, e lisa, e facilmente lacerada.

Mas isso não importa, certo?

Você não liga para quanto minha pele é macia.

Você só quer saber o que meus dedos fazem no escuro.

Mas e se tudo que eles fizerem for abrir janelas?

Para que eu possa ver os relâmpagos através das nuvens.

E se tudo que eles anseiam for um trepa-trepa para escalar para sentir o gosto do ar fresco?

E se tudo que eles alcançam é um caderno ou uma mão para segurar?

Mas essa não é a história que você quer.

Você está lambendo os lábios e rangendo os dentes.

Por pelo menos uma vez eu gostaria de ser a direção que alguém caminha.

Eu não quero ser a água na fonte.

Eu não quero ser a fonte.

Mas eu gostaria de não ser mais o chão.

Eu gostaria de não ser a coisa que as pessoas enfiam a mão.

Algumas garotas sabem todas as letras para as músicas uma da outra.

Elas encontram harmonia em suas risadas.

Seus cotovelos conectados ecoam no tom.

E se eu não conseguir cantarolar no ritmo?

E se minhas melodias são aquelas que ninguém ouve?

Algumas pessoas podem reconhecer uma árvore,

um jardim da frente, e saber que chegaram em casa.

Em quantos círculos eu posso andar antes de desistir de procurar?

Quanto tempo até eu me perder de vez?

Deve ser possível nadar no oceano da pessoa que você ama sem se afogar.

Deve ser possível nadar sem você mesmo se transformar em água.

Mas eu continuo engolindo o que eu pensava ser ar.

Eu continuo encontrando pedras amarradas a meus pés.

Vivíscera

Eu sou as minhas vísceras, vivíssimas, vivísceras;
despidas e coloridas dos movimentos de oxigenação dos tecidos.
Eu sou cada um dos meus órgãos
e padeço de todos eles
no meu corpo sem órgãos
Desorganizado
E cheio de mim.
Eu sou a organicidade que me pesa e me move e me preenche e me transborda;
Eu sou oca, sou louca e me sou toda
no eco do vácuo que a minha pele esconde.
E no aperto do excesso de vísceras comprimidas,
os comprimidos já não cabem
e a pele lisa já não basta.
Aí eu vou me tatuando do meu avesso,
mostrando sem pudores os órgãos pulsantes;
E a minha pele se faz instrumento,
o meu corpo se faz tapete
e as minhas vísceras desfilam,
aos olhos de quem passa
E ao tato de quem fica.

Duda Checa

são poucos os traços que se mantém com o passar dos anos. até os quinze tinha a pele lisa e os lábios finos, com a inocência marcada no olhar livre de cansaço. aos dezoito, as responsabilidades pesavam sob o olhar desanimado, a pele estava descuidada e os cabelos encaracolados e precisando de um bom corte. ele percebeu que sua visão de mundo estava do avesso e  sua aparência acompanhava a mudança invisível para quem tentava olhá-lo em regime estacionário. as noites longas se marcavam no seu rosto em regime transiente, da forma mais suave possível.
—  azarão
FILHA DA EMPREGADA 👌
Tenho uma empregada que faz faxina na minha casa a cada 15 dias sempre na segunda feira.
Ontem cheguei em casa um pouco mais cedo q de costume do trabalho pois tive uma reunião externa e não voltei para casa.
Mais cedo minha empregada havia ligado e falado que não iria hoje pq ela estava passando mal, mas para não me deixar na mão iria mandar a filha dela ir no lugar dela… como sempre tive confiança nela não me preocupei e falei q tudo bem, até pq minha casa tava uma zona.
Quando cheguei em casa, avisei q tinha chegado e fui direto no quarto e nem vi ela pq ela estava na cozinha. Fui beber agua e ai conheci a Patricia, uma morena de 20 anos, cabelos cacheados pele bem lisa, ela estava com uma camisa branca folgada e uma calça leg bem colada, e estava bem suada pq afinal estava limpando tudo…
Voltei par ao quarto e fiquei pensando naquela morena gostosa em casa, não resisti coloquei uma bermuda de ficar em casa sem cueca e fui novamente na cozinha. Na minha casa atrás da pia tem uma mesa e torna o corredor um pouco apertado para passar, fingi q ia pegar agua novamente e passei atras dela so q dessa vez forcei um pouco para passar atras esfregando nela. ela de imediato chegou mais para frente, fingi q nada aconteceu peguei o q tinha q pegar e passei novamente, dessa vez passei apertando um pouco mais e ela so me falou o que é isso Seu Junior ( tenho 33 anos e ela me tratando como sr rs), não respondi nada apenas dei uma risadinha e fui embora para meu quarto…
Já estava com meu pau duro mal podia me controlar mais, foi então que decidi fazer uma doidera, avisei para ela que iria deitar no quarto, e quando fosse limpar la (normalmente é ultimo a ser limpo) eu sairia de la , ela disse q tudo bem… encostei a porta sem trancar e coloquei uns videos porno no notebook e fiquei pelado batendo uma punheta bem lentamente. Passou uns 15 minutos ela me chamou e fingi q não ouvi, Ela bateu duas vezes na porta entre aberta e fingi q não ouvi novamente, então ela abriu a porta e viu e me viu batendo uma punheta ela se assustou imediatamente e pediu desculpas e saiu do quarto… pensei naquele momento que não ira rolar nada fiquei pensando no que fazer… peguei uma toalha e so joguei em cima de mim, e chamei ela no quarto falei para não se preocupar não sabia se ela iria voltar, mas ela veio ai eu disse que ela não precisava ter pedido desculpa pq eu q tava errado, ela disse q sem problemas pq eu estava em casa, enquanto conversava eu reparei q ela não tirava o olho do meu pau bpor baixo da toalha… dei uma risadinha e tomei a atitude, e falei vc ta de olho nisso? Tirei a toalha e ela não saiu ficou olhando e falou… a não vou negar tem 4 meses q não faço sexo, mas não vai ser hoje que vou fazer, só quero olhar posso? Respondi que ela poderia olhar se ela sentasse na beira da minha cama… então ela veio e sentou, e na hora senti aquele cheiro de suor forte dela só meu deu mais tesão.
Pedi para ela finalizar pelo menos a punheta para mim, ela resistiu um pouco mas logo ela segurou meu cacete e disse, nossa como esta duro… falei e vc vai desperdiçar né? ela deu uma risadinha e caiu de boca sem hesitar… nossa a vontade q eu estava era de jorrar minha porra na boca dela naquele momento mesmo…tirei a camisa dela, ela tinha um corpo gostoso, mas ela estava mas fedida ainda sem camisa… mas eu não iria parar… levantei da cama coloquei ela deitada na cama, e puxei a calça dela, mesmo ela relutando para eu não tirar… levei a mao atéa buceta dela por cima da calcinha dela q era preta daquelas bem vagabundas ela suspirou puxei a calcinha dela com tudo rasgando a calcinha dela. Quando olhei para a calcinha dela vi que estava toda suja bem esbranquiçada fiquei doido, e ela estava tapando a buceta dela com a mão e perguntei pq ela tava fazendo aquilo. Ela disse q estava com vergonha pois a buceta dela estava suja, suada, ela ficou bem sem graça e falei nao se preocupe vou fazer algo para passar isso.. não hesitei cai de boca naquela buceta suja lambi ela deixando ela ir a loucura.. ela gozou gostoso comigo chupando e vi aquele caldo saindo da buceta dela, não tive duvida não deixei ela respirar simplesmente meti o pau nela com força, explodindo o melado dentro dela a cachorra gritava, não tirei meu pau de dentro e continuei metendo mesmo depois de ter gozado…coloquei ela de 4 na cama e vi aquela bucetinha escorrendo, q visão aquela bunda dela, aquele cuzinho lisinho q delicia.. coloquei o dedinho na portinha do cu dela e ela disse.. não não ta achando q é assim?? Se quiser o premio vai ter q me comer de novo, hoje so a bucetinha ta liberada para vc… a safada rebolou tanto no meu pau com ela de 4 q não demorou para eu gozar de novo. ela sentou na cama deixou escorrer tudo na cama e disse se vc quiser vc arrumar o seu quarto, pq quero q vc fique com a lembrança da minha buceta suja na sua cama… se levantou pegou a roupa dela e foi embora… ela deixou o telefone dela anotado no aviso da cozinha e escreveu embaixo se quiser o premio me liga.
Q tesão que fiquei nessa morena,mal posso esperar para comer ela de novo.
As melhores qualidades físicas dos signos:

Cabelo bonito: touro, libra, capricórnio.


Olhos brilhantes: áries, câncer, escorpião.


Pele lisa: gêmeos, sagitário.


Boca bem desenhada: peixes, virgem.


Sorriso radiante: leão, aquário

Não me lembro o nome ...

Eu invejo um garotinho da minha escola. Ele acabou de entrar no ensino fundamental, e eu na verdade nem sei seu nome. Ele tem os cabelos claros e iluminados, a pele perfeitamente lisa, com bochechas rosadas, e tem um sorriso tão, tão … inocente. Pobre criança, nem imagina o mundo assustador que o espera. Eu tenho inveja do mundinho inocente dele, resumido em correr pelos corredores da escola, e ficar acanhado quando elogiam sua beleza e graciosidade - ele fica rosa e abre um sorriso meio desconcertado. Eu gostaria de que ele fosse poupado de crescer e de se deparar com tudo isso. E ver que a vida não é bem aquele conto de fadas que muitas vezes sonhamos . Contudo, continue a correr, a acanhar-se, a iludir-se na realidade enquanto pode.

A mulher mais linda sensual e atraente tem a pele cor da noite lisa e reluzente…
Ela tem cores, curvas, sabores
Coisas que seduz
Se liga, essa pretinha bem pequenininha que tem um jeito que me deixa envolvido e sabe aonde quer ir, seus lábios me encantam, seus olhos me atraem, me perco na sua beleza e essa pele morena parece que tem algum encanto que quanto eu toco me deixa perdido sem saber aonde ir…
—  Um cara tipo eu…
jardim de sentimentos

as articulações dos dedos hábeis

bordeiam as pétalas rosadas

do corpo incólume, solto e seguro

em um mar de flores entrelaçadas

sem lesões morais nem tardias 

ausente de ferimentos e mágoas

a pele lisa, o arrepio explicito 

tão amoroso quanto o abraço

numa tarde úmida e fresca 

a palidez tão clara dos sentidos 

impenetráveis como nuvens em tons de cinza

de olhos abertos e cissuras ligeiras 

que traçam a sutileza do formato rosetado

silhueta-flor perfeita contra o sol

tranquilo como as águas espelhadas

de um coração apaixonado

sem medo, sem margem nem limites

sob um céu imenso azul estrelado.


Elisa Bartlett

Acho tão bonito casais que duram. Não importa o tempo, o que vale é a intensidade. Querer estar junto vale muito mais do que estar junto há 20 e tantos anos só por comodidade. Sei que estou falando obviedades, mas hoje vi um casal de velhinhos na rua. Acho que o amor, quando é amor, tem lá suas dores bonitas. A gente vê uma cena e o coração fica emocionado. Nos dias de hoje, com tanta tecnologia, com tanta correria, com tanta falta de tempo, com tanto olho no próprio umbigo e nos próprios problemas, com tanta disputa pelo poder, pelo dinheiro, por ter mais e mais, sei lá, acho bonito ver um casal de velhinhos na rua. A mão, enrugadinha, segura a outra mão. A outra mão, por sua vez, segura uma bengala. Falta equilíbrio, sobra experiência. Falta a juventude, sobra história para contar. Falta uma pele lisa, sobram marcas de expressão que contam segredos. Envelhecer não é feio. Em tempos de botox, a gente devia olhar um pouco para dentro. De si. Do outro. Do amor.
—  Clarissa Corrêa.
Você, a pessoa que eu ainda vejo passando no corredor e me levando embora, responsável por todas as minhas manhãs sem esperança, noites sem aconchego, tardes sem beleza. Sinto falta de lembrar que você me via tanto, que preferia fazer que não via nada. Sinta falta da sua tristeza, disfarçada em arrogância, de não dar conta, de não ter nem amor, nem vida, nem saco, nem músculos, nem medo, nem alma suficientes para me reter. Prometi não tentar entender e apenas sentir, sentir mais uma vez, sentir apenas a falta de lamber suas coxas, a pele lisa, o joelho, a nuca, o umbigo, a virilha, as sujeiras. Sinto falta do mistério que era amar a última pessoa do mundo que eu amaria.
—  Tati Bernardi.