pele branca

Ana não morreu não senhor, ela vive, serena e calma.
Silêncio, por favor.
Ana só morre de dor, ela era linda, tinha que ver, já teve a pele preta e branca, mas agora, tadinha, quase não tem cor.
O mundo não foi feito pra gente não, Ana não tem nada a ver com essas paredes vazias, essas ruas vazias, essas mentes vazias, esses corpos…
O coração da Ana pulsava tanto que a pele expandia, ela parecia um trovão bom. Ela sentia muito, todo mundo via, mas agora não é assim mais não, Ana evita essas coisa, sentir é uma tarefa muito árdua, ainda mais nesse mundo aqui, a frieza e a indiferença são sempre um grande choque. Ana foi eletrocutada, coitada, sentia tanto.

Ribossomos
Ana não morreu não, senhor, ela sempre volta.

Black Consciousness presupposes self-love; self-love presupposes reflecting on being passed over in relationships

Note from BW of Brazil:

Well I must say that it is now getting interesting! What I’m speaking on is an increasing number of Afro-Brazilians, normally women, but increasingly men, who are questioning how romantic choices are made, what certain choices say about the black community as a whole and the effect on how Afro-Brazilians relate to each other. The issue goes far beyond the common question of how it seems some black men and women choose partners of another race and enters into the sphere of simply love, support and unity among black people. Is there a problem here or are people simply making a bigger deal out of this than is necessary? I ask this question as I am increasingly reading material online suggesting that there is a peaking fissure between black men and women in both Brazil and the United States. I’ve been thinking about this for many years and today I read a post by my friend Daniela whose shared a recent personal incident that touched on another angle of the lack of unity between black men and women.

Note cont.
 
Daniela is a black Brazilian woman but the incident took place in Austin, Texas, in the United States. Having grown up in the US, I can honestly say that just 10 years ago, most black men wouldn’t have sided with a white man over a black woman who felt offended by the actions of that white man. The incident has nothing to do with a romantic relationship but it does fit into the ongoing discussion because it approaches the issue of how black men see black women and begs some basic questions. Do we have each other’s backs? Are we in this together? Do we have any unity? Or are we slowly being conquered by a discourse that says “we’re all equal” in terms of race, color and solidarity? As I’ve argued before, Brazil has been there for years, but we are increasingly seeing this idea becoming stronger in the US. With that said written, I must again ask, in what direction are we going black people?

Black Consciousness presupposes self-love; self-love presupposes reflecting on being passed over in relationships


Among so many themes we could write together, and they’re not few, we decided to revisit a thorny subject. Every time a new text appears on the issue of the black woman’s affective loneliness, the black side of the internet goes into a rampage. Black men, in their vast majority, run to say that black women are also palmiteiras, or else to reinforce that they are not palmiteiros. Not to mention the discourse that love has no color. But if it does not, if the diagnosis that black women experience loneliness in a brutal way is a fallacy, how could Ana Clara Pacheco even write a doctoral thesis addressing this topic?

By Winnie Bueno and Caio César 


The social passing over of which black women are targets is not restricted to the labor market alone, they expand to all spheres of society, including in the affective sphere. We have already written about these issues relentlessly. But it’s little. The narratives about the deep feeling of loneliness among black women don’t diminish, on the contrary, it seems, although we are increasing our possibilities to recognize ourselves as subjects, distancing ourselves from the logic that Frantz Fanon explains in Pele Negra, Máscaras Brancas (Black Skin, White Masks) that approaches the connection of citizenship with the performances of whiteness on the part of the black population, even with the strengthening of the black racial identities, nevertheless, black women continue dealing with the feeling of insufficiency.

The idea of this text is to bring a hybrid approach, in which it is possible in a single writing to reflect on the consequences of affective loneliness for blackness in a broad way. It’s necessary to say that affective solitude is not restricted to the passing over of the black women in the affective relationships of the dating and marriage type. The socio-cultural aspect of this question goes beyond the private of the relationships. And that’s where we want to start this dialogue. 

I believe that addressing the subject of loneliness is speaking directly, also, to black men. Talking about how much these men can love and be loved. And understand that this passes, first, through loving oneself, your culture, your people. It goes through understanding imposed masculinity, the stigmas and the stereotypes. Every masculinity that the world imposes on men falls even more heavily on black men. The necessity of being strong, hard, rigid all the time. Not showing emotions, or weakness or feelings. And this reflects also in loving relationships. On how treatment is given between men and women, especially black women. Add to this the construction of the black man’s image as a threat by international society.

Homens negros (black men) are the image of the enemy, that that is regarded as a voracious, uncontrollable animal, which, if not controlled by the coercive force of the state, can at any moment unleash their natural violence (see note one). The idea that these men need to be isolated from society so that it is protected is the projection of a discourse that has such an ideological force that even blackness is conditioned to perpetuate these ideas. Therefore, the deconstruction of this ideology between us is fundamental. Branquitude (whiteness), the media, the white social structure will not do this, it maintains itself from these assumptions and draws power from them. Of them there is not much to expect, but among us, it is possible to potentiate these reflections, talk about them and reduce their impacts on our social relations. 

The solidão da mulher negra (solitude/loneliness of the black woman inevitably passes through the way men see themselves within society and within relationships. All the imposed roles, the social rules, everything, everything counts on how we act next to a woman. Bringing a racial perspective, I have always observed how romanticism didn’t belong to black men. This was like showing weakness, being less of a man. I remember liking to write letters, I remember the other boys saying that this was not a coisa de homem (man thing). It was as if this was denied to me, love was denied me. I remember hearing countless times that “homens negros não são românticos” (black men are not romantic) and things like that. And that is one of the most rigid molds in the male world. Romanticism, the romantic lyric, is absolutely European. It doesn’t match the patterns of bestiality that these same Western standards relegate to black masculinity.

Caio remembers the letters he liked to write. Winnie remembers the letters she would like to have received and never received. While the meninas brancas (white girls), back in high school, were getting pretty notes, Winnie helped the boys demonstrate their interests. She wrote in the letters that were sent to her colleagues, that which she would like to read. The discovery of sexual and affective interests in school age, the narratives of mulheres negras (black women) about their being passed over in this environment, shows that from an early age we have the construction of an image about black women that fixes their social roles in sexual-affective relations. As servants, to serve in domestic activities, to serve fetishized sexual desires, but never to build solid relationships, after all, they are bodies without minds, in the words of bell hooks.

This idea, of a mindless body, is what underlies a series of patterns about relationships. And it is also what constitutes the phenomenon of palmitagem, these men who are constantly described as threats imprint on their unconscious that the affection of a white woman consensually destroys this paradigm. We know, therefore, that not only does it not eliminate it, it strengthens the contexts that represent black women as bodies-objects whose affection is not necessary. After all, if not even their equals are able to bond with these women, how will others do it? 


When you add this to an imposed standard beauty, we may have the least notion of why black women are so abused. Black men taught that demonstrations of feeling are weaknesses; taught that relating to white women brings them a higher status in society, more value and respect among friends. Men, who for not seeing value in black women, deny themselves the demonstrations of feeling. Because loneliness is not only the absence of someone at your side, but also the devaluation of those who say they love us. It is also the one without the use of derogatory jokes, about hair, hips and moodiness. Homens negros que, ao odiarem mulheres negras, odeiam a si mesmos (black men who, hating black women, hate themselves). In this constant is that the social ascension of the black man connects itself with the choice of a white partner, even though of an inferior financial status. Obvious that this phenomenon in Brazil occurs in a mitigated way, the social ascent of black men is insignificant, it occurs almost exclusively from the same means. But to make invisible (the fact) that black men who achieve some social prestige, even if it is hypocritical, since whiteness does not recognize this prestige in a total way, whether in the midst of entertainment or in the academic world, give almost exclusive preference to relating to white women would be, at the least, dishonest.

The affectionate loneliness of the black woman expands. The permanent feeling of solitude is common for black women, to the point of being a constant. We know that we are meant for emotional solitude, yet we are at a time when strategies are being built among black women themselves to overcome the anguish of loneliness. Other forms of affection that are not based on these historical repetitions, but this is a conversation for another text.

The key here is to try, once again, insistently, to talk about the need for mutual recognition, for ways of achieving self-love between us and upon us. The full appreciation of your equal, the consolidation of forms of love that establish themselves from the possibility of affection by the feeling of affection, and only for that. An affection in which the appreciation of negritude is possible. Loving not for interest, not for being with someone who gives us, before society, a value that is empowering of our wills as subjects, of all of them. Love for love of ourselves. Love for self-love. 


Source: Medium.com / @winniebueno

Note: Examples of this stereotype are numerous in Brazil as well as on a global level. For examples in terms of representations in Brazil’s media 

via: blackwomenofbrazil.co/2017/01/30/black-consciousness-presupposes-self-love-self-love-presupposes-reflecting-on-being-passed-over-in-relationships

Conto Erótico parte 1

Quando uma mulher é incendiada pelo desejo de outra, sua perspectiva sobre tudo muda, era assim que se sentia Sarah Jessica Filds, ao se sentir atraída por uma bela mulher que a mostrou que uma nova perspectiva, que tirou dela toda aquela falta de desejo que ela encontrara em homens, não adiantava procurar, ela sabia bem que só no corpo de uma mulher mataria sua sede.

Sarah era uma jovem com seus 21 anos, estudante de medicina, com pouco tempo livre, amigos incrivelmente inteligentes, estava bem, até conhecer Alexa Grey, sua professora de anatomia humana, uma mulher elegante com seus 30 mas um corpo de 20, logo pensou

- cirurgiã plástica, murmurou Sarah a sua amiga sentada a sua direita

- Ela não é cirurgiã Plástica Sarah é neuro, retrucou Clara, ela é famosa entre os professores, tem um esquema de aulas particulares, se é que você me entende, riu baixo para não interromper a aula

Sarah interessada pela informação, começou a prestar atenção nos principais sinais de uma lésbica, olhou suas unhas, lindas, bem feias e grandes, olhou seu estilo de vestir, super feminina e seu cheiro exalava por toda sala, o que deixava Sarah completamente focada na aula, no outro dia, Sarah sentou na primeira mesa da fileira do meio, estando em evidência ao olhar penetrante de Alexa, ao entrar Alexa se deparou com uma menina linda de cabelos cor do sol, uma boca rosada, quase irresistível aos olhos de Alexa, ao se aproximar percebeu que Sarah a olhava intensamente como um fruto proibido que adoraria comer

-  olá, disse Alexa

Meio engasgado Sarah custou a falar, tropeçando nas palavras

-  o, oi quer dizer olá

-  qual seu nome minha jovem, disse Alexa com um sorriso torto

-  me chamo Sarah, retrucou

-  como vai Sarah? Meu nome é Alexa Grey, e serei sua fonte de conhecimento esse semestre, não estou lembrada de você aula passada, por isso a apresentação menos formal, sorriu com o canto da boca

- Obrigada senhora, será uma honra tê-la, quero dizer aprender com a senhora esse semestre

Sorrindo Alexa olhou e disse, - senhora não Sarah, pode me chamar de Alexa.

Sarah sorriu e continuou observando aquela mulher incrível se virar de costas, em evidência um corpo totalmente exposto em uma saia justa. Durante a aula, Sarah parecia estar nas estrelas, distante, navegando nos lábios de Alexia, que se mexiam ao falar e mostravam dentes perfeitos, um verdadeiro convite a boca de Sarah, que mal conseguia se controlar, após a aula, Sarah esperou todos irem embora, para que pudesse ter um contato maior com Alexa, após a sala vazia Alexa reparou somente Sarah sentada de pernas cruzadas em uma cadeira a sua frente

- Oi Sarah, quer tirar alguma dúvida?

Sarah respondeu apressadamente – Não, só queria saber se posso ter a honra te te beijar,

Sim, era o que Sarah queria ter dito, mas ao invés disso disse – não, queria lhe perguntar se conversaram com você sobre a festa de arrecadação de fundos, para formatura, pois fiquei sabendo que você será madrinha da nossa turma.

- Olha Sarah eu sinceramente ainda não me informei sobre tudo, mas pelo que posso ver você faz parte da comissão certo?

- Sim senhora

- Pois então, adoraria me encontrar com você 1 ou 2 vezes por semana, para que você me deixe bem informada, mas para isso você deve parar de me chamar de Senhora – risos

- Claro, seria uma honra disse Sarah com um sorriso enorme, e quanto a senhora, não irá se repetir

Apertaram as mãos e deixaram a sala, enquanto Sarah foi para a porta da faculdade, pois havia perdido a carona de Clara, que havia saído mais cedo, Alexa avistou Sarah após sair do estacionamento, e lhe ofereceu uma carona

-  aonde você mora Sarah?

 

Sarah havia deixado a casa de seus pais e comprado um apartamento no centro, mas este apartamento estava sendo reformado como um presente de seu pai, um arquiteto renomado na cidade, então Sarah estava em um hotel, a 30 quadras da faculdade

-  moro provisoriamente em um hotel, a 30 quadras, hotel Vivence, conhece?  mas não se preocupe eu pego o ônibus disse Sarah sem graça de pedir uma carona

-  conheço sim entra aqui, eu te deixo lá, disse com um tom de autoridade, que penetrou no ouvido de Sarah como um toque e a fez arrepiar

Entrando no carro, meio sem graça puxou o sinto de segurança, e observou as mãos de Alexa, sem nenhuma aliança ou anel indicando compromisso

Sem ver soltou

- Alexa você é casada?

Alexa desviou os olhos da direção e olhou para Sarah que estava vermelha de vergonha devida a pergunta invasiva, sorriu dizendo, - já ouviu o ditado, solteira sim sozinha nunca? Sorrindo perguntou

Sarah sorriu e disse, -claro que sim, se aplica a você?

-  solteira sim, sozinha às vezes, se aplicaria melhor sorrindo respondeu

-  e você, onde anda seu príncipe encantado, bela adormecida?

Rindo disse – Bela adormecida?

-  sim, claro, perceba a semelhança, cabelo loiros cor de mel, boca rosada e pele branca, qual é, anda perdida no mundo real princesa?

Aos risos disse – uma leve semelhança, príncipe? Ele que me desculpe mas eu me interesso mais pela Jasmim, princesa do Aladin .

Dito isso Sarah reparava na semelhança de Alexa a tal princesa Jasmin, cabelos longos e pretos como à noite, olhos grandes e intensos uma beleza surreal no mundo real.

- Então você é lésbica? Perguntou

- Sim, muito, sorrindo disse

Alexa olhou para Sarah e disse - chegamos ao seu destino minha querida, sorriu.

- Alexa, me deixa retribuir esse favor, vamos subir, tomar um chá? Café? Água? Sorriu

- Obrigada Sarah, não irei recusar, mas hoje não posso, tenho uma reunião com o reitor da faculdade no centro a 1 hora, mas irei aceitar seu convite outra hora, pode ser?

-  claro, ficarei feliz em recompensa-la pela carona, muito obrigada novamente, disse Sarah acenando para Alexa enquanto ela partia

Sarah subiu pensando na conversa que teve com Alexa, pensando que ela havia deixado no ar sobre sua sexualidade, ou preferência sexual, Sarah chegou no quarto tirou sua roupa e foi ao banheiro, tomando banho Sarah teve os pensamentos mais sacanas sobre Alexa, sem se dar conta estava completamente excitava e sentindo seu sexo escorrer pelas suas pernas, se encostou na parede do banheiro, deslizou sua mão para baixo tocando seu clitóris encharcado, começou a se masturbar, jogou a cabeça para trás e imaginou Alexa na sua frente, completamente nua, passando a mão pelo seu corpo, em poucos minutos Sarah gozou, voltando a realidade e caindo a ficha do quanto Alexa estava mexendo com seus sentimentos.

Enquanto isso, Alexa flutuava em sua reunião, viajando nos lindos olhos de Sarah, repassando sua risada várias e várias vezes em sua mente, sorrindo sozinha até ser interrompida pelo reitor, que falava da classe de Sarah, sem saber o que falavam, Alexa, tentou prestar atenção na reunião, sendo proposta a ficar encarregada da turma de Sarah, Alexa se interessou na proposta,como já teria dito a Sarah que ela seria seu canal de informações, lhe pareceu conveniente aceitar a proposta, ao sair da reunião, Alexa foi pra casa, planejar a aula do outro dia.

Sarah agarrada nos livros tentava se livrar dos pensamentos sacanas que Alexia lhe trazia, tentando estudar exatamente a matéria do qual Alexia lecionava, Sarah era uma aluna exemplar e impressionava qualquer professor, mas ela queria impressionar uma em particular.

Durante a noite, Sarah não conseguia largar os pensamentos impróprio que teve no banho, mas junto a eles, veio a regra número 84 do parágrafo 3 do livro de código de ética profissional da faculdade , que proibia o relacionamento entre professores e alunos, mas como dizem o proibido é mais gostoso, só manteve Sarah mais excitada em relação a sua querida professora, virou a noite pensando sobre o assunto, ao se dar conta seu relógio marcava 4:00 horas da manhã, e Sarah acordava às 7:00 pois sua aula começara às 08:30, fechou os olhos e seu despertador tocou, ela nem se importou em estar acabada e com sono pois iria ver Alexa e quem sabe ela aceitaria seu convite para aquele café.

Na faculdade a aula de Alexa passou em 1 minuto pelo menos para Sarah, ao fim da aula, Sarah perguntou Alexa se ela queria se informar com a situação da turma, como ela seria a responsável pela mesma, então Alexa aceitou seu convite para o café …

A caminho Alexa diz

- Sarah, tenho algo sério para conversar com você, eu não sei bem o que aconteceu aqui neste carro ontem, mas foi bem impactante, eu sou gay também como você, então é inevitável eu não flertar com uma mulher como você, vai contra minha natureza, sei bem que os alunos da sua turma diz ter rumores sobre minhas aulas particulares, mas isso é mentira, uma vez eu me envolvi com uma ex aluna, ela era uma pessoa incrível uma médica com um futuro brilhante, e precisava da minha ajuda pois iria se especializar na minha área, neuro, com meu auxílio ela não teria limites e cresceria inevitavelmente sendo a aluna brilhante que era, não havia nada sentimental ou sexual entre a gente, mas ela pegava carona comigo todos os dias, ficávamos juntas nos fins da aula, e isso instigava os alunos, que começaram a falar e comentar sobre o que não sabiam, por isso estou te contando porque você pode se tornar vítima de calúnia pelos corredores desta faculdade, com você é diferente, você me instigou por ser uma pessoa cativante, você é meiga e atenciosa, mas você não pode ter nada a mais que minha amizade, tudo bem ?

Sarah escutava e absorvia toda a informação e o motivo pelo qual Clara fez o comentário no primeiro dia de aula do semestre, mas focou na parte que Alexa se assumira gay, mesmo escutando que Alexa só queria sua amizade, havia algo na voz de Alexa que não passava tanta firmeza, e de jeito nenhum Sarah queria ficar na friendzone mas aceitou, melhor ter Alexa amiga perto que Alexa nenhuma, por hora era o suficiente

- Tudo bem Alexa, você é uma mulher incrivelmente atraente, e aceito sim sua amizade, e para deixar claro, não ligo para o que falem na faculdade, pode fica tranquila quanto a isso

Chegando no hotel em que Sarah se hospedara, subiram para o quarto, Sarah pediu dois chás com torradas para entregar no quarto

Entrando no quarto Sarah diz

-  fica à vontade Alexa, quer ver TV? Enquanto eu troco de roupa?

-  não precisa retrucou Alexa

Sarah andou  caminho ao banheiro para se trocar, deixando a porta aberta, havia um espelho em frente a porta do banheiro do lado de fora  que refletia parte interna do banheiro, Alexa tentava não olhar, mas viu Sarah abaixar sua calça, mostrando sua lingerie delicada, e incrivelmente pequena, deixando a mostra sua bunda arredondada e perfeita, e seus seios fartos logo após Sarah tirar a camiseta, Alexa tentava se controlar mas sua boca salivava de vontade daquela mulher, levantou, respirou fundo e foi até a varanda tomar um ar, Sarah voltou com uma roupa menos formal, e disse que o chá havia chegado, sentaram tomaram chá e conversaram sobre tudo um pouco, sobre gostos, esportes, musicas, relacionamentos,  até chegar na parte sexual da conversa, após aberta a intimidade, Sarah diz

-  sexualmente falando, essas mulheres da cidade não estão com nada, - risos

- Sarah tem tanto tempo que não fico com uma mulher na cidade, que nem te ajudar com essa questão posso

-  então a senhorita é internacional? Diz Sarah

-  digamos que meus congressos são de sua maioria fora do Brasil, e lá estão mulheres incríveis, novas experiências, novos gostos, é incrível

-  digamos que gosto muito da pegada brasileira, retruca Sarah, mulheres gostosas com um corpo incrível que fazem loucuras na cama, elas sim valem a pena

Perto de Sarah Alexa diz ofegante

-  valem é?

Se olham fixamente e profundamente, sentindo o tesão de ambas se encontrarem em um clima quente e úmido

Alexa se levanta meio sem graça e diz

-  olha a hora está tarde, tenho que ir

-  tudo bem diz Sarah, mas você volta? Algum dia?

-  claro que volto Sarah, Alexa pega o caderno de Sarah deixado a mesa e anota seu número junto a um meio coração, e diz me liga ou mande mensagem diz sorrindo ao sair pela porta

-Sarah sorri e diz, claro

Sarah louca com o clima que havia acabado de ter com aquele espetáculo de mulher, pega o celular e imediatamente envia um “olá” para Alexa

Alexa enquanto isso desce para a garagem pensando no corpo de Sarah que sem querer havia apreciado secretamente, sem aguentar as borboletas no estômago e a vontade louca de beija-la, entrou em seu carro e foi para casa, para um banho de água fria, após o banho o tesão por Sarah permanecia em Alexa, que lutava contra aquele sentimento forte para com a aluna

E então por sua vez Alexa se tocara, com os pensamentos em Sarah, mais especificamente na imagem que havia visto no espelho esta tarde, gemendo loucamente com seus dedos penetrando, entrando e saindo de dentro de si, gozando como a muito tempo não gozara.

Então seu celular apita com uma mensagem de Sarah

-  olá, estava pensando em você

Você quer vir tomar uma cerveja comigo hoje mais tarde?

 

Ao ler Alexa deu seu último gemido, e como não concordar com aquele pedido

-  olá Sarah, gostaria muito, te encontro as 19:00 na recepção tudo bem para você?

-  claro, marcado

Então cada uma em sua casa e ambas com o mesmo pensamento, que roupa usar, após várias tentativas a roupa estava pronta, Alexa sempre preparada e maravilhosa, Sarah foi se depilar pois o que poderia acontecer aquela noite, era imprevisível, as 19:00 em ponto Alexa entrava na porta do hotel, incrivelmente linda, cabelo solto, salto 15 é um vestido colado deixando suas curvas em evidência, não havia uma pessoa que passara e não reparasse sua beleza, com 10 mim de atraso Sarah desce, olha Alexa e fica extasiada com a beleza que a sua frente estava, e Alexa olhando fixamente pra Sarah e usava um decote que a deixava literalmente de queixo caído, durante todo o tempo Alexa só queria cair de boca naqueles peitos que se insinuavam pra ela, Sarah ciente de onde os olhos de Alexa estavam, Sarah a provocava mais, após as bebidas e comidas, Sarah chamou Alexa para seu quarto, as duas subiram deixando o clima no elevador quente, Alexa estava à frente de Sarah, ela então se aproximou e colocou sua boca de leve no pescoço de Alexa que se arrepiou por inteira ao sentir, se virou e beijou enlouquecidamente a boca de Sarah, cada toque era mágico, sua língua percorria cada canto da boca de Sarah, ao sair do elevador entraram pro quarto e foram se despindo rapidamente até chegar na cama, com um sorriso safado Alexa joga Sarah na cama com um só empurrão, e diz

-  você gosta de mulher brasileira? Então vou te mostrar como é uma brasileira na cama

Começou a beijar todo o corpo de Sarah que gemia e se contorcia com o tesão enorme que o toque de Alexa a proporcionava, ela beijava, lambia e mordiscava os peitos de Sarah como se fosse os devorar, apertando e massageando o outro com a outra mão, e ia descendo a encontro da tão desejada buceta de Sarah que estava encharcadas de tesão, que escorria pelas duas coxas, e Alexa fez questão de chupar antes de colocar sua língua na buceta de Sarah, que já implorava para que a chupasse, então com a maior fome Alexa abocanha a buceta de Sarah a fazendo gritar de tesão, e pedir cada vez mais puxando os cabelos de Alexa e apertando sua cabeça em seu sexo, Alexa a chupava como nunca havia chupado alguém antes e sentia tanto tesão chupando aquela buceta completamente molhada que metia seus dedos na sua própria buceta, sem aguentar o tesão que estava em comer Sarah se lambuzar naquele paraíso que Sarah tinha  entre as pernas, e quando Sarah iria gozar Alexa colocou o clitóris dela em sua boca e começou a sugar e mamar como jamais havia feito antes, e por fim gozaram juntas, pela primeira vez, de muitas que ainda iriam gozar durante aquela noite…

continuação em breve …

Ela é linda, tem cabelos longos e pretos que deitam sobre seus ombros e escorrem pelas costas, até o meio da coluna. Tua pele é branca como as nuvens que tampam a luz do sol vez ou outra, deve ser por isso que o sol se vinga, deixando-a vermelha igual um camarão quando muito exposta a ele, mas ela não desiste, seu amor por praia a coloca em duelo com seu inimigo . Teus olhos são pretos iguais a uma noite sem estrelas no céu, mas no caso dela nem todas as estrelas que podemos contar brilharia mais do que seu olhar. Tua voz doce e suave, fazem as palavras terem um som gostoso ao sair da sua boca. E ela tem um jeito divertido de falar, sempre ritmado, poderia dormir com um sorriso escutando qualquer história que ela contasse, mas mesmo assim meu momento favorito é quando ela para de falar para sorrir. Seu sorriso é incrível, me passa calma. Podem dizer que homens não voam, mas quando ela sorri eu me sinto nos céus. E o som da tua gargalhada é engraçado, é unico, te faz rir igual um idiota junto. Ela é animada, como uma garotinha de 5 anos que acabou de ganhar a boneca que sempre quis do Papai Noel. Ela é um dia de verão típico, alegre, ensolarado, aquele dia que te dá vontade de fazer tudo e você se sente capaz de qualquer coisa.
Já eu, sou um dia chato de inverno. Sou nublado, não tenho muitas cores, não gosto de fazer muitas coisas. Extremamente ranzinza, evito pessoas que não vou com a cara logo de primeira, e ela insiste em mudar isso em mim, não me sente perto da felicidade com esse meu jeito meio antissocial, diz ela. Eu nego a principio, mas a preocupação me faz querer mudar, talvez ela esteja certa. Ela luta para que eu me sinta bem. Eu bebo, eu fumo, ela sabe dessas coisas, não aceita, não gosta, mas entende, porém implica do jeito dela. Ela se incomoda em ver alguém fazendo, ou tentando fazer, mal a mim, mal sabe ela que eu sou meu pior inimigo. Sou mal educado as vezes, destrato as pessoas sem motivo, completamente egoísta, não sou fácil de ter por perto, mas ela diz que é meu jeito de lidar com minha escuridão, e queria que todos me enxergassem com os olhos que ela me enxerga.
É engraçado mas as vezes, principalmente nas vezes que estou com ela me sinto diferente, acho até que nem todos os heróis da marvel me derrotariam, e caso ela me pedisse, eu derrotaria os da DC também. Bem, eu não sei muito bem sobre o amor, ou que diabos deve ser amar, mas é legal ter ela por perto, sabe?
—  H. Dernier

sabe, quando eu falo de você as estrelas se curvam diante da minha cabeça e eu vejo o brilho delas com o brilho dos meus olhos. parece piegas e de fato é, a poesia pede um pouco de exagero porque é nela que a gente deixa de ter medo de sentir e é nela que a gente sente pra caralho tudo aquilo que nos cerca. você tem os cachos mais lindos do mundo e saturno tem um “quê” de inveja, porque ele roda roda roda em sua órbita enquanto você só molha com um pouco de água e - nossa! - eu fico radiante quando tu vem com esses fios dourados e - nossa! - eu fico tão tão que não sei nem dizer o quão tão fico. se eu pudesse te admirar todos os dias e dizer as coisas mais lindas que existem em mim você com certeza morreria porque eu sou o sangue doce em um corpo com uma morte lenta. e baby, contigo só quero a vida. a vida dos teus olhos quase meio verdes e quase meio castanhos e tua pele quase meio branca e quase meio morena e teus pelos quase meio pretos e quase meio dourados e teu humor quase meio homo quase meio hétero e teu jeito quase meio meu e quase meio nada. se você pudesse ver com o mesmo grau que uso nos óculos entenderia que o tempo é nosso parceiro, veria que meu coração é alegre mas que as minhas palavras são sempre difíceis, veria a segurança de uma vida calma e eu te mostraria a loucura de uma vida infinita onde iríamos compartilhar os teus e os meus devaneios inertes no espaço entre os teus e os meus lábios.


Lucas.

SURPRISE FOR YOU TUMBLR!

¤ Eu peço desculpas a leitora que pediu esse imagine pela demora ENORME! Sério amor, me sorry aê

¤ Ficou meio bobinho mas eu fiz com amor hahaha então se quiserem mandar ask dizendo o que acharam, EU NÃO ME IMPORTARIA \o/


¤ Boa leitura pra geral, é nois \o

——–


   A chuva caia em torno da enorme casa de verão, as flores do campo eram regadas da forma mais natural existente e os passarinhos estavam escondidos em seus devidos ninhos. O dia estava completamente fechado fazendo Harry suspirar a cada cinco segundos enquanto olhava para a janela.

  Ele havia programado aquele fim de semana a mais ou menos um mês, era a primeira vez desde que conheceu S/n, que sua agenda estava completamente vazia naquele mês e aquela chuva fez com que o sentimento de frustração dominasse seu peito.

  - Você acha que vai passar logo? - Perguntou para a namorada como se fosse uma criança querendo brincar no quintal.

  S/n sorriu de forma aconchegante para ele.

  - Bom, você quer que eu seja sincera ou otimista? - Perguntou fazendo graça o que não ajudou no desespero de Harry. - Relaxa Styles, nós podemos fazer alguma coisa aqui dentro. - Sugere abarçando a cintura do encaracoldo.

  Harry ainda não convencido solta um suspiro mais forte fazendo S/n rir de seu jeito mimado.

  - Hazz…não fica assim. - Ela forma um biquinho fofo em seus lábios para tentar de alguma forma tirar aquele ar desapontado de Harry.  - Que tal você me ajudar a fazer alguns cookies? - Pergunta empolgada com a ideia.

  Harry da um sorriso de lado, já que seus planos não deram certo é melhor ele aproveitar seu tempo com S/n.

  Os dois seguem para a cozinha. Ela é bem diferente da que eles tem na cidade, chega a ser simples mas ainda sim confortante.

  - Que sabor você quer fazer? - S/n pergunta ao abrir o armário e encarar os ingredientes.

  - Chocolate. - Responde um pouco mais animado e ela sorri com isso.

  Então vamos lá!

(…)

  Farinha, farinha, farinha e mais farinha. Aquele balcão estava um caos assim como a roupa de Harry que estava um pouco manchada do chocolate que eles haviam derretido. Apesar dessa bagunça toda, os tais cookies estavam a salvos já dentro do forno começando a soltar um aroma agradável.

  - Acho que vou precisar de um bom banho antes de comer. - S/n diz tentando tirar um pouco da sujeira que ficou em seu avental.

  Harry sorri e abraça a namorada a sujando um pouco mais.

  - Se você quiser posso ir te ajudar. - Ele diz sussurrando no ouvido dela mas não de uma forma sexual.

  S/n encara Harry e sorri desacreditada.

  - Você não perde tempo mesmo. - Diz rindo enquanto toca o maxilar marcado de Harry.

  - Não, eu não quis dizer isso. - O moreno diz um pouco desconcertado, ele não queria que S/n pensasse que ele era um tarado, apesar de já terem um boa intimidade ele não queria que ela achasse que só estão juntos por prazer.

  - Tudo bem amor. - Ela diz sorrindo e o coração de Harry se comprime por ser a primeira vez que ela o chama por tal “apelido”. - Você pode me “ajudar a tomar banho”. - Ela ri no final e se vira indo para o banheiro que fica no corredor ao lado da cozinha.

  Os dois, já dentro do banheiro, retiram toda e qualquer roupa. Os olhos de Harry apreciam o corpo de S/n mais uma vez como ele faz toda vez que a garota esta nua para ele. Ela não é como suas ex’s, passa bem longe, seu corpo não se encaixa ao padrão que segundo as pessoas, é o bonito. Não, ela é carnuda; suas coxas são grossas e seu cabelo não é tão liso, porém Harry, agora, sabe que esse sim é o seu tipo de corpo favorito, o de S/n especificamente.

  O barulho das gotas de água caindo desperta o rapaz de seus pensamentos e o sorriso convidativo de S/n o chama para entrar de baixo do chuveiro. Ela fica de costas pra ele e sente o peitoral de Harry encostar em seu corpo.

As gotículas de água molham os dois que lutam por espaço ali, os fortes braços cercam S/n ao que Styles se estica para pegar o sabonete que fica em um suporte na parede.Ela fecha os olhos e suspira sentindo o toque das mãos de Harry em seus braços.

Ela se sente tão bem perto dele, como nunca se sentira antes. Harry é a paz que S/n sempre buscou, a forma carinhosa com que ele cuida dela só concretiza os fatos…e ela acha graça nisso, ela acha graça pois em tão poucos meses ele fez coisas na vida dela que ninguém fez em seus vinte e dois anos. Isso é tão surreal que chega a duvidar que Harry realmente está ali com ela, mas os lábios carnudos em seu pescoço faz ela acordar e ver que aquilo é realmente verídico.

Harry a beija com tanto carinho enquanto suas mãos passam o sabonete por seu corpo, que por um momento chega a pensar que ela é uma boneca de porcelana prestes a se quebrar.

- Eu gosto da maciez da sua pele. - Comenta enquanto os longos dedos passam pela lateral daquele corpo que agora parece frágil.

- E eu gosto quando sua boca está a beijando. - Retruca de uma forma sapeca fazendo Harry sorrir largo. - Deixe-me passar em você agora. - Diz ela tomando o sabonete da mão dele que em momento algum protesta.

S/n se vira e fica de frente para o rapaz de olhos esverdeados. Seu corpo se estica um pouco para que ela possa depositar um beijo nos lábios que a leva para o paraíso e assim que volta a posição normal, encara o tronco todo tatuado. Um pequeno suspiro sai por sua boca e ela começa seu trabalho.

Primeiro passa de forma delicada a espuma no pescoço que ela tanto adora beijar.

- Tem uma marquinha aqui. - Ela diz com falsa inocência, como se não soubesse o que causara aquilo no pescoço de Harry.

- Culpa de uma morcega sem coração. - Ele responde puxando a cintura de S/n pra mais perto de si e ela morde o lábio de baixo sorrindo.

- E aqui também. - Diz quase como um sussurro descendo a mão para o meio do peito de Harry, que segue com o olhar. - E outro aqui. - Ela diz aproximando o rosto do tronco dele e beijando de forma experiente fazendo Harry suspirar.

Assim que ela chupa a pele branca uma marca avermelhada fica na área.

- Você deveria tomar mais cuidado com essas morcegas. - Os dois ri ao que ela termina a frase.

No ponto de vista de uma terceira pessoa, como eu, essa cena pode ser totalmente sem nexo ou cabimento, chegando a ser boba. Mas para Harry e S/n, tudo faz sentido, todas as piadas dela tem graça para ele e tudo que ele faz é encantador, é como se eles estivessem em uma órbita própria somente para os dois. Ele tem plena visão de todos os defeitos dela e ela também conhece todos os defeitos dele, que por sinal não são poucos. Mas a forma de como eles se tratam faz com que o mundo de ambos tenha mais cores e mais vida.

O rosto de Harry se aproxima do dela e suas testas se encostam. Os olhos não se desgrudam por nenhum decreto e ambos sorriem. Harry se sente tão bem perto dela que por momento pensa que seu peito irá explodir.

Por Deus, essa garota é incrível demais pra mim!

Harry pensa com toda sua insegurança.

Jesus, eu realmente o mereço?

S/n se questiona.

- Eu amo você. - Harry diz baixo mas com toda certeza do mundo.

A respiração de S/n falha e seus olhos piscam, sua perna fica um tanto bamba e ela tenta se apoiar na outra para não cair.

- C-como? - Ela pergunta surpresa se afastando um pouco para que possa encarar Harry de uma forma melhor.

Harry sorri vendo o nervosismo da namorada e a puxa pela cintura mais uma vez colando seus corpos.

- Eu, Harry Styles, amo você S/n S/S! - Ele diz devagar vendo S/n sorrir ainda meio perdida.

- Eu amo você Harry Styles! - Ela repete vendo as covinhas aparecerem.

E então eles se beijam devagar e de forma carinhosa tentando demonstrar o real amor que sentem um pelo o outro, mas antes que possam continuar algo a mais, S/n se lembra dos cookies que ficaram no forno, fazendo Harry rir de seu desespero.

Mas aquilo não acabou ali, com certeza não!

Você é apaixonada por uma faca
por isso faz de corações pedaços
para que você possa pisá-los 
e depois comê-los como carne de vaca
seu sangue é escuro
não há brilhos em teus olhos negros
teu corpo fede a pesadelos 
teus monstros destroem muros
risadas de palhaços demoníacos 
seus olhos são de um maníaco
uma garota apaixonada por um psicopata
com pele branca e sangue austríaco.
—  Olho Direito

A POETIZA I

Poetiza
De si própria
Dos outros
Dos fatos
Dos momentos
Minha

Poetiza
Das dores
Das risadas
Das felicidades
Das infelicidades
Sensível

Poetiza
De pureza na escrita
De precisão nas palavras
De acerto no contexto
De sentimentalidades surrealistas
De realidades romantizadas
Divina

Poetiza
De olhar profundo
De lábios carbudos e definidos
De pele branca como as nuvens
De beleza única
Cujos os escritos são como músicas
Encantadora

Poetiza
De tristezas obscuras
De melancolias profundas
De conselhos precisos
De existência necessária
Inigualável

Poetiza
Ainda te chamo assim
Mas não quero mais
Preciso que me perceba
Que me entenda
Veja

Poetiza
O que escrevo não pode ser mais direto
Mas declaro uma paixão secreta
Alimentada pelos seus pensamentos
Que a muito acompanho
Discreto

~Apenas Mais Um

@chrsixteen 🙊

Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilhos dos olhos, haverá guerra.

  • Oi pessoal!! Estou de volta com imagine/one shot novo depois de 2 meses, e como o tempo passa rápido, meu Deus. Quero deixar claro para o mundo inteiro o meu amor pelo cabelo do Niall na cor natural e pela selfie dele com o Shawn. Espero que vocês gostem e me digam a opinião na ask. É muitíssimo importante.
  • Se quiser, ouça Zero - Liniker e os Caramelows. A maior parte do imagine ela estava no repeat.
  • Enjoy, it! 

Keep reading

Descrevendo (fisicamente) os seus personagens

Eu, particularmente, acho descrever uma das coisas mais difíceis quando estou escrevendo. Grande parte das pessoas que me conhece sabe que minhas histórias são sempre pequenas, e eu vivo no constante medo de não estar descrevendo o suficiente (enquanto grande parte das pessoas que eu conheço temem estar descrevendo demais, o que eu acho meio irônico, sério).

Descrever personagens, por si só, é muito difícil. Primeiro porque, geralmente, quando eu crio um personagem, eu tenho uma imagem na mente, e transformar essa imagem em palavras é quase sempre difícil. Segundo porque meu leitor não tem imagem alguma quando começa a ler a história.

E é isso que nós precisamos ter em mente (não somente na descrição dos personagens, mas em quase qualquer descrição que escrevemos), que o leitor não possui a mesma mente e que ele não faz ideia do que se passa além do que estamos narrando. Nós precisamos, como escritores, sermos capazes de descrever o suficiente para que eles consigam “preencher os buracos”, mas não descrever demais a ponto de tornar a leitura chata ou cansativa.

A primeira coisa a se fazer é, portanto, fugir dos infodumps. Não sabe o que é isso? Bem, infodump é quando você escreve um parágrafo muito grande que possui apenas exposição. Sem ação, sem pensamento, só exposição. Você fala, em muitas palavras (talvez mais do que o necessário), sobre como o seu mundo é ou qual é a roupa que o seu personagem está vestindo. Parece chato, não é mesmo? E geralmente é. Como qualquer recurso na escrita, pode ser feito com qualidade, mas isso é muito raro de acontecer, então evite-o. Mesmo.

Em vez disso, misture a descrição com outras partes da narrativa.

Descrevendo com a terceira pessoa:

Observe:

Lysander a encarou. Emma era uma menina muito baixa para a sua idade, com longos cabelos loiros que, na ocasião, estavam presos num rabo de cavalo malfeito, olhos verdes muito brilhantes e alegres, um rosto fino de traços leves e uma pele muito branca e sardenta. Estava vestindo uma roupa trouxa: uma blusa larga azul, de manga, e calças jeans apertadas, sem bolsos, além de um tênis vermelho desgastado e velho. Lysander se perguntou o que ela estava fazendo ali, no mesmo vagão que ele, e por que não tinha o mínimo senso de moda.

Chato de ler, não é mesmo? E no final das contas, você não se lembra de metade do que leu. Sem olhar de novo, sabe qual e a cor dos olhos dela? E da blusa? Você se lembra de que a calça jeans não possui bolsos, ou do fato de que ela tem sardas? Se você precisa ler mais de uma vez para saber qual é a aparência da personagem, então a descrição não está cumprindo o seu papel. Veja um outro exemplo:

Uma garota baixinha bateu na porta do vagão em que ele estava, e Lysander a encarou. Ela sorria, alegre, e talvez um pouco tímida, mas entrou sem pedir permissão. Porque usava roupas trouxas, Lysander supôs que esse devia ser seu status de sangue. Ela se jogou num dos bancos, sem cerimônia, e seu cabelo loiro — antes preso num rabo de cavalo malfeito — se soltou. A menina suspirou e prendeu o cabelo mais uma vez, logo antes de seus olhos, muito verdes, lançarem um olhar em sua direção.

— Meu nome é Emma — disse, e estendeu sua mão para ele, num típico cumprimento trouxa que fez com que ele tivesse certeza de que era, no mínimo, mestiça.

Muito melhor, certo? Eu te dou um pouco de contexto enquanto você vai conhecendo a Emma (e o Lysander), e vou pintando a cena em sua mente aos poucos, em vez de colocar a garota logo de uma vez. Você dificilmente vai se sentir tentado a pular as descrições, porque sabe que é possível que perca uma parte do que está acontecendo, também. Além disso, a narração é consideravelmente menos cansativa.

Outra coisa que acho importante apontar é que, uma vez que as roupas são completamente desnecessárias para o entendimento desse trecho específico, eu as retirei (quase) completamente. Não faz diferença se você sabe que são largas e azuis e vermelhas, desde que tenha em mente que são trouxas e não um robe do mundo bruxo.

Os detalhes mais específicos — o fato de ela ser sardenta, por exemplo — eu deixo para colocar depois. A Emma é uma personagem importante, que vai aparecer muitas vezes durante a história, então não há necessidade de colocar todos os detalhes da aparência dela agora.

Descrevendo em primeira pessoa:

Descrever em primeira pessoa é muito, muito, muito mais difícil que descrever em terceira pessoa, porque na primeira você fica preso às impressões do seu personagem e aos detalhes que ele repararia. Sobre os exemplos acima, por exemplo, Lysander dificilmente repararia no fato de que Emma é uma garota sorridente. Em vez disso, provavelmente passaria a impressão de que é irritante e não sabe o seu lugar. Não veria as sardas, não veria a cor das roupas (mas, sim, repararia que são trouxas), e dificilmente olharia para a cor dos olhos dela.

Na verdade, evitaria de todas as maneiras ficar olhando para ela, e isso faria com que os leitores não tivessem uma visão mais específica dela até muito mais tarde na trama, quando ele essencialmente começa a reparar nela.

Para descrever outros personagens em primeira pessoa, primeiro você precisa saber como o personagem que está narrando age perto delas, que tipo de coisas ele repara e, basicamente, como a sua mente funciona. Só então as descrições que ele faz vão soar como alguma coisa que ele diria, e não uma tentativa do autor de fazer com que o leitor tenha uma ideia da aparência de alguém.

Enquanto um Lysander-narrador faria descrições sucintas e, de certa forma, frias, baseadas nas características da pessoa que poderiam trazer alguma vantagem para ele, Emma-narradora tenderia para uma descrição mais calorosa, reparando em detalhes aleatórios e tentando ser simpática até mesmo em pensamentos. Observe:

O vagão estava tranquilo. Em menos de dez minutos eu entrara, arrumara minhas coisas no compartimento de bagagem e tirara um livro da bolsa. Era sobre poções, avançado para o meu nível escolar, mas então eram todas as minhas leituras. Eu estava sozinho e não sabia a qual entidade agradecer por isso, mas xinguei mentalmente todas elas quando um barulho interrompeu minha leitura.

Levantei os olhos do livro apenas para me dar de cara com um pequeno furacão loiro, que se jogou de qualquer maneira no assento de frente para mim e me fez ter certeza de que a minha viagem não seria tranquila como eu planejara de início. Soltei um suspiro irritado, e a menina — nascida trouxa ou mestiça, no mínimo, devido às roupas que vestia — estendeu a mão.

— Meu nome é Emma. — Não respondi, não valia a pena, só voltei meus olhos para o livro e torci para que a garota entendesse que aquilo significava que eu não estava aberto para conversa.

Quando conhecemos alguém, raramente reparamos nos detalhes da aparência. Quando descrevemos o personagem conhecendo outro, precisamos seguir as mesmos regras. Usar termos gerais — cor dos cabelos, principalmente, altura e peso se não forem usuais, cor dos olhos, talvez — e focar em que detalhes da aparência são fora do comum. Uma tatuagem, uma cicatriz, o tipo de coisa que o seu olho automaticamente enxerga.

Mas e quando o meu personagem já conhece o outro? O que eu faço?

Ora, mas essa é uma excelente pergunta! Nós raramente reparamos em detalhes da aparência de pessoas com as quais já temos um relacionamento, a não ser em casos isolados especiais (quando vamos sair com elas, quando elas vão para um evento, quando fazem alguma coisa diferente com a aparência, quando olhamos alguma foto com atenção), dessa forma, normalmente, numa história, não se descreve em detalhes as pessoas já conhecidas.

Se você viveu a vida inteira com a sua mãe, não tem motivos para reparar que o cabelo dela é ruivo num dia aleatório, certo? A não ser que ela pinte o cabelo ou faça alguma outra coisa com ele. Dessa forma, se você está narrando seu personagem descendo das escadas com pressa para ir para a escola, ele dificilmente vai comentar o fato de que os olhos dela são castanhos cor de chocolate ou que seu rosto estava particularmente bonito naquele dia. Observe:

Emma passou pelo salão comunal correndo, os livros do dia contra o peito, o cabelo despenteado e um desespero genuíno por estar atrasada. Por isso, não cumprimentou nenhum dos seus colegas de casa — nem mesmo seu melhor amigo, Matt, que gritou seu nome de algum lugar lá dentro, e diante da falta de resposta, foi atrás dela.

— Emma! — A garota se virou. Matt não vestia o uniforme escolar nem parecia preocupado pelo fato de que já eram quase oito horas. — Emma, hoje é sábado, o que você está fazendo?

No caso acima, o único comentário sobre a aparência de Matt é o fato de que ele não usava o uniforme nem parecia preocupado. Não é importante mencionar que ele é loiro, mais alto que ela, possui um sorriso tão grande quanto o seu e um brilho misterioso no olhar. O fato de ele não usar o uniforme é a única coisa que foge do comum e, portanto, que precisa ser mencionada. Claro, se for extremamente necessário, é possível fazê-lo passar a mão pelo cabelo loiro ou dar um sorrisinho e colocar alguma descrição indireta, mas isso depende muito do que se quer passar. Se for a primeira vez que ele aparece na história, é interessante, se não for, é muito provável que os leitores já saibam disso.

Se você precisa descrever a aparência de um personagem que o seu protagonista já conhece de maneira mais detalhada, o ideal é colocá-lo em uma situação onde a aparência está em evidência. Um evento, uma pergunta — “como estou?”, “você me acha bonita?” —, um comentário, enfim, algo do tipo.

Okay, mas e se eu quiser descrever o meu protagonista?

Uma amiga minha me disse uma vez que você só pode cometer o erro de usar o espelho para descrever seu protagonista uma única vez durante sua trajetória literária. Eu não sei onde ela leu isso, mas eu sei que é verdade. A primeira coisa que eu vou dizer aqui é, portanto, não use o espelho para descrever seu protagonista. Pronto. Dito. Usar o espelho é uma técnica muito amadora e a maioria dos escritores mais experientes a evita. Usar o espelho é muito, muito, malvisto.

Além disso, usar o espelho invariavelmente acaba em infodump.

Em vez disso, você pode (como sempre) colocar as descrições indiretas — mexeu no cabelo castanho, passou a mão pela barriga protuberante, etc —, jogá-lo numa situação em que sua aparência fica em evidência — não conseguir alcançar uma prateleira (personagem baixo), bater a cabeça ou ter que se abaixar ao passar por uma porta (personagem alto), etc. E colocar esses detalhes em evidência é uma ótima maneira de detalhar essa característica mais a fundo, por exemplo — ou mesmo fazer com que alguém faça um comentário — “nossa, mas você é alto, hein?”, “amo a cor do cabelo dela, sempre quis ter cabelo ruivo”, etc.

Lembre-se que, em primeira pessoa, quando um personagem “se descreve”, o leitor tem a impressão de que ele é narcisista e egocêntrico — principalmente se ele falar bem das próprias características. Em terceira pessoa, se for a terceira pessoa restrita, principalmente, isso também acontece.


É isso! Espero que seja útil para vocês! Ainda têm alguma dúvida, discordam de alguma coisa, têm algo a acrescentar? Fique à vontade para aparecer na ask e mandar um oi. 

(Giulia)

Quem eu estava tentando enganar?

Eu me entreguei. Você estava na minha frente e eu não consegui me segurar. No primeiro beijo, senti meu coração bater acelerado e uma sensação boa me invadir. Estava entregue, não tinha mais o que fazer, a não ser me entregar de corpo e alma a esse amor. Eu me apaixonei pelo seu olhar, pela sua boca, pelos teus cabelos negros e cacheados… Você é perfeita! Quando você sorri, meu mundo para e eu só consigo te olhar. Menina da pele branca e macia, você me conquistou. De início tive medo, pensei no que iam pensar e tentei evitar. Mas eu não podia esconder o que eu sinto por você, esconder esse sentimento tão lindo que sinto quando estamos juntas. É amor e o amor é tão lindo, não há nada de errado em nos amarmos. Eu quero estar com você, aproveitar cada momento, te encher de beijos e te recitar poemas. Por você eu enfrento qualquer coisa.

Desabafos de Teodora Sacro. 

Imagine Hot: Jimin (Parte 2)

“Podia sentir sua mãos em minhas coxas,as apertando fortemente. Sua respiração meio descompasada bantendo em minha pele me causando arrepios por todo o corpo. A venda me permitia ver apenas a escuridão,e a gravata de Jimin que mantinha meus pulsos me irritavam por não me possibilitarem de tocar os cabelos sedosos do mesmo. As mãos de foram um pouco mais acima,passando pela minha intimidade e chegando á minha cintura,onde fez questão de apertar de forma possesiva,me tirando um gemido arrastado.”

“MAIS QUE PORRA” Pensei assim que bati com a cabeça na cabeceira da cama. Foi apenas um sonho,que me deixou toda molhada de suor! “Filho da mãe,não posso nem mais dormir em paz” me sentei na cama,olhando para o relógio digital no criado mudo perto da cama. Park Jimin me acordou ás 4:12 da manhã sem nem mesmo saber,que lindo. Me direcionei até o banheiro,tomando um banho na banheira para tentar esquecer o sonho erótico que acabei de ter com o meu “colega” de trabalho. Será que não dá para ele transar logo com a loira peituda da secretária e passar de cargo não? Talvez até ser tranferido para outra sede da empresa,de preferência no outro lado do país.
Assim que o vi,percebi que estava mais bonito do que nunca. Seu palitó era preto que entrava em contraste com sua pele branca e seu cabelos acinzentados. Como seria bom passar as mão nesse cabelo,assim como no meu…merda.Em pouco tempo Jimin revirou minha cabeça e me fez pensar que até mesmo sua respiração é provocativa. Ele realmente sabia o que fazer para deixar as mulheres aos seus pés.

- Bom dia (S/N). Como esta se sentindo? - Park chegou bem perto de minha mesa,me fazendo sentir seu perfume penetrar em meus pulmões.

- Péssima - Jimin se assustou um pouco pela minha sinceridade,mas logo deu seu sorrisinho ladilho de sempre- e eu não estou para brincadeirinhas hoje senhor Park.

O mesmo mordeu os lábios olhando por um segundo para a porta e logo depois me encarar,chegando cada vez mais perto do meu rosto,me fazendo engolir seco,o provocando uma risadinha cínica. Alguêm bateu á porta fazendo com que Jimin rapidamente voltasse a sua mesa e logo murmurando um “entre” e se indireitando ao ver nosso superior adrentar a sala.

-Bom dia,Senhor Park - Jimin apenas curvou um pouco a cabeça em sinal de respeito. Namjoon logo se virou para mim abrindo um sorriso e mostrando suas adoráveis covinhas-bom dia,(S/N).

-Bom dia Namjoon- Park logo fechou a cara e direcionou o olhar á mim com uma expressão de raiva mistuda com interrogação- o que deseja?

-Essa pergunta é um pouco particular mais- Namjoon coçou a nuca e ganhou um tom meio rosado- você…gostaria de sair comigo?

-Eu…- Direcionei meu olhar á Park novamente,que exibia uma expressão de pura raiva. Se não o conhecesse diria ciúme- adoraria.

Namjoon apenas se curvou e saiu. Estava claramente segurando um sorriso. Park me encara descaradamente,ainda irritado.

-Que é?- Perguntei,tirando coragem não sei da onde.

Jimin apenas se levantou andando até mim em passos rápidos e pesados. Ele puxou meu pulso e me imprensou na parede mais próxima. “Ai não,de novo não”.
-Por que o chamou de Namjoon?- Jimin perguntou próximo ao meu rosto.

-Por que é o nome dele…-Disse de forma cínica. Da onde está saindo tanta coragem eu não sei. Mais mexer nunca pensei que mexer com o perigo me exitaria tanto.

-Eu disse que lhe castigaria,não disse? Hm?- Park se aproximava cada vez mais do meu rosto,roçando seu lábios grossos no meu- espero que esteja preparada para hoje baby girl,porquê eu não vou pegar leve.

Depois de um dia inteiro de provocações da parte de Jimin, fui andando em direção ao ponto de ônibus. Logo um carro preto de grande porte começou a me seguir numa velocidade considerável. Me apressei,andando (tentando) em passos grandes com meus loboutins. A pessoa abaixou o vidro do passageiro e me chamou,me fazendo andar mais rápido ainda ao reconhecer a voz. Jimin saiu do carro e logo me puxou agressivamente até a porta do carona.

-É incrível como você não consegue me obedecer - O mesmo disse,fechando a porta do carro após me jogar lá dentro.

-Deve ser por que você não tem o menor direito de mandar em mim- Quer saber? Se Jimin realmente fosse fazer alguma coisa para me “punir” já teria o feito.

Me virei para a porta e abri a tranca,pelo menos tentei. “E lá se vai minha chance de fazer uma cena de filme”. Suspirei,já estava ferrada á muito mais tempo. Direcionei meu olhar para o homem que mantinha um sorriso convencido.

-Veremos - Jimin saiu cantando pneu com o carro, acelerando pelas ruas iluminadas da cidade.


Depois de alguns quarteirões, chegamos á um prédio enorme e espelhado,localizado no bairro nobre da cidade. Jimin apertou um pequeno controle que abriu a porta da garagem. Assim que estacionou fez questão de nem me esperar sair do carro,me puxando mais uma vez naquele dia. Depois de alguns passos escutei a trava do carro,enquanto ele (ainda) me puxava em direção ao elevador do terrêo. Assim que entramis,pude ver as veias dos braço de Park saltarem enquanto ele segurava com força o corrimão de apoio do elevador. Assim que a porta se abriu,Park fez questão de me ecurralar entre a porta e seu corpo,enquanto destrancava a porta de sua corbetura,olhando bem fundo nos meus olhos. A primeira coisa que fez após fechar a porta foi jogar seu palitó bem longe,mas tenho certeza que ele não estava se importando muito com isso por hora. Ele retirou meu casaco,antes de mais uma vez me empurrar na parede,dessa vez segurando minha cintura com uma força bruta a ponto de me deixar escapar um pequeno grunhido de dor. Minha respiração estava mais acelerada que o normal,e Park percebeu isso, pois soltou um risinho em meu pescoço,antes de ataca-lo com força e chupar o local entre seu maravilhosos e grossos lábios. Ele subiu um pouco até meu maxilar e logo mordeu meu lábio inferior e (finalmente) pude sentir seus lábios juntos aos meus em um beijo necessitado,porém com um pouco de alívio. Uma de suas mãos passou para os botões da minha camisa social,enquanto a outra segurava meus pulsos em minhas costas. Acho que ele estava colocando tanta agressividade no beijo que o resto do seu corpo se esqueçeu da raiva que ele estava sentindo.

-Você…precisa p-parar com isso- Protestei com um pouco de dificuldade quando ele parou o beijo por falta de ar e jogou minha camisa no chão.

-Eu não vou mais precisar - Disse enquanto,com suas duas mãos livres indo em direção a minha bunda- por enquanto.

Após jogar no chão os destroços do que um dia foi minha saia,Park se agachou até a altura dos meus joelhos e pegou-me pelos mesmo, me botando. E no curto momento em que Jimin subia as escadas,pude admirar o maravilhoso do mesmo. “Será que tudo relacionado a Park Jimin parece perfeito?” Pensei enquanto escutava um bip vindo da porta e Park adentrava a mesma e me colocava no chão. Deslizei de bruços pela enorme cama de casal,e quando me virei tive o privilégio de ver Park já sem camisa, deixando seus músculos a mostra,e com os olhos brilhando em lúxuria. Desci da cama e peguei a gravata do mesmo no chão,e amarrei em um dos meus pulsos,logo indo em direção a Jimin e juntando mais uma vez nossos lábios. O mesmo pegou na gravata nos guiando até a cama mais uma vez sem parar o beijo. Park terminou de amarrar a gravata entre a cama e meus pulços e voltou a atacar meu pescoço com mordidas e chupões. Sua boca foi direcionada ao meu colo enquanto suas mãos trabalham no fecho do meu sutiã. Assim que ele o retira, começa com pequenos beijos em volta do meu seio esquerdo, chupando e mordiscando o bico em seguida enquanto eu gemia meio arrastado. Roçava as pernas uma na outra por conta da exitação enquanto Jimin repetia as carícias agora no outro seio. O mesmo agora fazia uma trilha com a língua até minha barriga e contornava meu umbigo.

-Será que dá pra ir um pouco mais rápido?- Protestei com a respiração mais acelerada do que nunca , também com um pouco de pressa e frustração por não poder ao menos o tocar- por favor?

- Por acaso te deixei falar? Hum?- Park sussurrou em meu ouvido enquanto depositava um tapa estalado em minha coxa me fazendo gemer alto- Eu disse que ia te torturar,não disse? Vou lhe fazer pagar por tudo o que me fez passar.
O mesmo desceu novamente até ficar de joelhos na cama com o rosto de frente a minha intimidade. Ele deu um pequeno suspiro em frente a minha calcinha fazendo minha intimidade latejar e eu puxar as mãos em uma tentativa falha de abaixa-lás em direção aos cabelos de Jimin. Levantei uma das pernas em direção a coluna de Park e o puxei para mais perto. Jimin passou a ponta da língua em minha intimidade ainda por cima da calcinha, e fazia movimentos obcenos com a mesma,enquanto segurava minhas coxas.

-De quatro,agora - Park ordenou se levantando até a cabeceira da cama e desamarrando a gravata da mesma.

Fiquei na posição,escutando o pano da minha calcinha ser rasgado e logo depois a língua de Park em contato com a minha intimidade,me tirando um pequeno grito de surpresa. O mesmo segurou mais uma vez em minhas coxas,dessa vez às separando um pouco mais,dando mais um tapa em minha bunda. Jimin parou com os movimentos e me virei um pouco apenas para ver o homem levantar e sair do quarto,voltando depois de alguns segundos com seu cinto em mãos. Um,dois,três, mais de cinco citadas, tanto nas coxas quanto nas nádegas. “Desde quando eu sou masoquista?” Pensei, antes de dar mais um gemido arrastado contra o travesseiro.

- Essa porra pode esperar- Jimin indagou,e pelo seu tom de voz estava mais irritado do que antes.

Park retirou sua boxer, revelando seu membro e se posicionando atrás de mim. Um movimento, milhares de sentimentos. Os sons dos nossos corpos se chocando e nossos gemidos eram ecoados pelo quarto.

-geme,como você sabe que eu gosto- Park rosnou contra meu ouvido enquanto eu apenas obedeci,me rendendo mais uma vez

-Park…AHH- Gritei,chegando finalmente ao ápice naquela noite.

Park rosnou depois de mais algumas estocadas,se retirando de mim antes de chegar ao seu ápice.

- Não quero você perto do Namjoon- O garoto disse,enquanto se deitava ao meu lado e nos cobria com um lençol.

-Por que?- Perguntei, me aconchegando em seus braços fortes e,pela primeira vez, de forma carinhosa.

- Minha- Foi a última coisa que ouvi antes de dormir, enquanto Park depositava um beijo de boa noite em meu pescoço.


Desculpem o atraso mais ta ai. Não ficou do jeito que eu queria,mas tudo bem. Sério gente,desculpa ter sumido,e desculpa os erros de pt também. Espero que gostem!!!♡

Ela perdia o olhar na tela do computador, enquanto os personagens da série faziam suas gracinhas habituais. Tinha a cara séria, brava. Vez ou outra, no entanto, soltava uma gargalhada, e logo seu rosto convertia-se num único sorriso gostoso, ameno, bonito – são tantas as palavras para definir aquele sorriso. Talvez possa dizer acolhedor, talvez possa dizer quente, mas talvez aí não estaria mais falando do sorriso, e sim do que ele me causa. Poderia dizer que nunca vi sorriso mais belo na vida, ou que ele foi a primeira coisa nela pela qual me encantei. Esse sorriso simples, que ela dá com tanta facilidade.
Então eu me deito na cama e olho para suas feições. A covinha na bochecha esquerda, o rosado da boca. Brinco com seus cabelos castanhos, passo as mãos pela sua pele branca, olho em seus olhos pequenos. De uma hora pra outra, ela está dobrando roupas pra guardar, de uma hora pra outra me serve um pouco de café e umas torradas. De hora pra outra ela se senta, aborrecida com um problema qualquer, e eu digo que ela é linda mil vezes por segundo. Eu ando atrás dela pela casa, enquanto ela cozinha, ou arruma, ou faz um suco horrível – dentre todas as receitas do mundo, suco é a única que ela é capaz de errar. Eu bebo o suco, minto que é bom, beijo sua boca e me vem o melhor gosto do mundo. E vejo-a feliz, apesar de tudo. Tiro-lhe aquele sorriso depois de um dia difícil, e ganho o meu dia.
Logo eu olho pro portão e a rua lá fora, de uma hora pra outra. A noite vem, a hora passa, e é assim mesmo. Talvez eu esteja virando adulto, talvez eu esteja envelhecendo. Fito-a e percebo que os meses estão andando, correndo como a vida nas veias da avenida, mas ela ainda está ali. Ela sorri, esquecendo-se da coisa qualquer que a aborrecera, e começa a falar sobre casamento, sobre futuro, sobre o tempo passar. E o mesmo, bem mandado ou rebelde, de acordo ou não com as nossas tão vãs mas tão sinceras vontades, passa. Algumas horas depois, dez da noite ou zero horas, tenho de ir embora da casa dela. O relógio não volta, e como disse Cazuza, o tempo não para. Então eu pego na mão dela, digo um pequeno consolo pra nós dois: estamos mais perto, olhe só. Do casamento, daquela viagem, das cidades novas que possamos morar. De fazer café e chá na nossa casa, de finalmente decidir quantos filhos vamos ter. De ter imprevistos, de discutir, de fazer as pazes e dizer que se ama, de ser dois em um.
Assim vai, assim vem, e olha que engraçado: dia desses marcamos no calendário, oito meses juntos. O tempo passou, os sorrisos passaram, até o dia passou. Mas ainda parecemos ter, como na música do Legião Urbana, todo o tempo do mundo.
—  Felipe Vale, Era pra ser uma crônica. Julho de 2017
naked

É estranha a forma de como somos tão opostas e tão iguais ao mesmo tempo. Como naquela vez em que eu disse que odiava o seu cantor preferido, até você me pegar cantarolando as músicas dele no chuveiro, ou quando eu fiquei uma semana sem falar com você porque tinha cortado o cabelo, e hoje meu hobbie preferido é passar a mão nas mechas escuras que estão nascendo. Lembro que enquanto xingávamos nossa cidade por ser um ovo, não percebíamos que graças a isso eu chegava em 10 minutos na tua casa pra te forçar a tomar remédio quando estava doente (e até hoje eu finjo que não sei que você faz isso só pra me segurar nos seus braços, enquanto ficamos deitadas no seu sofá por algumas horas). E logo eu, tão preguiçosa, poderia fazer um milhão de trilhas de beijos sobre tuas pintas e cicatrizes, e graças as que fiz quando quebrei as unhas arranhando a pele branca das tuas costas, tentando não acordar teu irmão que dormia no quarto ao lado, você me terá marcada em ti pra sempre. E até hoje não descobri o que me embriaga mais, tua voz, ou a fumaça dos cigarros que fumamos em cima do telhado, enquanto olhávamos as estrelas. O jeito que nossas bagunças se misturam é surreal, assim como as grandes piscinas verdes que você carrega em tua face, e o cheiro peculiar que eu sinto ao encaixar meu rosto na curva do teu pescoço. E enquanto prometemos não nos envolver, já sabíamos que estávamos perdidas na imensa nebulosa que somos. Nem a adrenalina de acelerar a moto a 200 por hora naquela estrada cheia de curvas que te levei pra conhecer, se compara à carga dela que meu cérebro libera com a sensação dos teus beijos. Hoje eu percebo que você mentiu quando disse que eu era a coisa mais linda que o universo criou, pois a coisa mais linda que ele já viu foram os nossos corpos nus, entrelaçados a luz do nascer do sol.

Um prédio e uma sacada, no décimo andar, era lá onde eu a vi, é lá onde ela esta, não a conheço e nem sei ao seu nome. Policiais, bombeiros todos ali estavam, tentando a salvar, uma moça tão nova tentando se matar, um dizia ali, outro gritava lá, “não se joga moça, a vida é difícil mas vale apena lutar”. A chuva a cair, e seus pés a molhar, se tornando mais difícil se equilibrar. A tensão lá em baixo, e o desespero lá em cima. Os pais, a família, os vizinhos, os poucos amigos, todos a chorar. Moça frágil e ao mesmo tempo forte de tanto suportar, os problemas subiram a cabeça e a sociedade a julgar. Seus caminhos marcados em ruas, bairros, com lagrimas nos olhos não encontrava a solução, seu desespero era maior do que sua vontade de continuar. Se perguntava se havia um lugar. E voltamos ao começo daquela sacada, eu já não podia mais suportar, estava agoniado, desesperado por quem a amava, e decidi ajudar. Entrei no prédio, para o meu desespero os elevadores parados, nem um subia e muito menos descia, corri para a esquerda e peguei as escadas, não me importava em subir dez andares, só queria salva-la. E então eu fui ao encontro dela, da porta eu a vi. Com seus cabelos negros compridos e pele branca como a neve, molhada com a chuva, e seus choros de despedida. Fui correndo para segura-la, mas quando me aproximei da sacada ela…
—  Maiara Pietra Tomaz
Naquela noite eu sentei no velho banco da varanda, olhando para o belíssimo céu iluminado por infinitas estrelas, algo que nessa cidade é difícil acontecer. Fechei os meus olhos e pude ver o teu rosto, seus olhos azuis da cor do mar, seu cabelo castanho balançando ao movimentar do vento, sua pele branca ficando avermelhada por me ver, sorrindo como fosse seu aniversário. Respirei fundo e notei que era apenas uma lembrança, das noites felizes ao teu lado.
—  Diário de Veneza.