parecer

De longe te hei de amar - da tranquila distância em que o amor é saudade e o desejo, constância. Do divino lugar onde o bem da existência é ser eternidade e parecer ausência. Quem precisa explicar o momento e a fragrância da Rosa, que persuade sem nenhuma arrogância? E, no fundo do mar, a Estrela, sem violência, cumpre a sua verdade, alheia à transparência.
—  Cecília Meireles.
À    F L O R   D A   P E L E  - 10

.

RodrIgo

 

Sabe o que mais me excitava no olhar que Juliana me dava no caminho de volta para sua casa? A intensidade que ele me transmitia. Pode até parecer sadismo, mas ela era capaz de despertar em mim o mais primitivo que eu tenho guardado. Juliana me deixa revelar a minha verdadeira essência, nua de qualquer julgamento. Apenas o que sou e isso me fascina ao mesmo tempo em que me faz temer como o diabo. Perto dela os preceitos são jogados na lona. Um nocaute eletrizante entre o anjinho e o diabinho.

Noah parecia cansado, mas nem por um momento largou seu presente e pelos cochichos que eram destinados a Suzi, acho que felicidade maior seria incapaz de alguém proporcionar.

- Se morássemos juntos acho que teria que disputar com a Suzi a sua casinha essa noite. – falei baixo o suficiente para que só ela escutasse.

- Não subestime a minha ira Rodrigo. – sua voz foi quase cortante – A casinha da Suzi ainda estaria muito próxima de mim. Nesse caso você estaria disputando uma vaga para uma viagem à Lua, para ser no mínimo realista.

- Confia em mim. – pedi com esperança. – Não passaria por cima de uma decisão sua nem que isso significasse um sorriso sincero dele.

Juliana me olhou e vi que havia dúvidas em seus olhos e eu não a culpava. Afinal mesmo tendo um filho juntos, muitas coisas deixavam claras que ainda éramos desconhecidos um do outro. Deve ser angustiante colocar a felicidade de seu filho nas mãos de uma pessoa que mesmo sendo seu pai era uma presença recente em sua vida.

Quando descemos do carro Noah não tardou a sair correndo sendo seguido por Suzi. Era tão fácil ser criança. Não havia receio em nada. Tudo parecia ser o momento mais importante da vida, até um simples latido despertava o sorriso dele.

Esperei que ela cuidasse de Noah ficando na varanda com uma Suzi praticamente desacordada. Acho que encontramos alguém que a canse. Ria olhando para ela deitada ao meu lado com meio palmo de língua para fora.

- Agora somos somente nós dois. – ouvi Juliana atrás de mim. – Você pode me explicar o que pretende fazer dando ao Noah aquele presente sem me consultar? – a loirinha tá brava! Segurei na mão de Deus e comecei.

- Sei que a situação não parece estar ao meu favor. – procurei ficar calmo – Mas antes de qualquer coisa saiba que eu tenho uma boa explicação para tudo isso.

- Estou esperando. – Caralho! Essa mulher é sem dúvidas a minha morte.

- Não vou dar um cão a Noah.

- Não? E o que significa aquele presente? Por um acaso não acha que crianças comem naquilo, né?

- Você pode parar de sarcasmo e me ouvir? – ela apenas concordou sem muita vontade. – Sei que com a rotina que você tem seria impossível criar um animal, mas sei também que esse é o maior sonho do Noah. Então pensei numa maneira de realizar pelo menos de uma forma paliativa essa vontade dele.

- Rodrigo, Noah não tem uma doença que precise ser tratada. – ela conseguiu ficar ainda mais brava. – Sei que para uma criança um NÃO deve ser como o fim do mundo, mas sei também que ela tem que entender as minhas razões para isso.

- Não disse que ele está doente e nem por um momento te fiz a bruxa má por não dar a ele um cão, Juliana. – Dai-me paciência Senhor! – Eu só quero que através da Suzi ele comece a entender e aceitar que pode ter duas casas.

- O que? – ela quase gritou. – Meu filho não vai ter duas casas!

- Ele já tem Juliana. – mesmo querendo entender sua atitude eu já estava me descontrolando. – Eu não moro aqui e a minha casa também é dele esqueceu?

- Eu… eu – agora espero que fique quieta e me deixe terminar de falar.

- Não vou forçar nada, mas você tem que entender que também não vou ficar esperando que o mesmo acaso que nos juntou novamente faça o meu filho me aceitar como pai. Concordei que as coisas devem acontecer sem pressão, mas entenda que está sendo muito difícil para eu ter tão perto e ao mesmo tempo tão longe um filho. Eu tenho medo que quando ele descubra acabe me culpando por uma mentira que foi imposta a mim. O que será que ele vai dizer quando perceber que eu omiti dele a verdade que mais espera? Pensa que é fácil ouvir o seu filho falar de você com tanta admiração e não poder se emocionar com isso?

- Desculpa… – vi tristeza em seu olhar e isso queimou dentro de mim.

- Não existem culpados para que seja preciso um pedido de desculpa, Juliana. – me aproximei mais calmo. – Só temos que descobrir como fazer as coisas se encaixarem na cabecinha dele. Temos que fazer juntos entendeu?

- E onde a Suzi se encaixa nisso? – finalmente decidiu deixar que eu explicasse.

- Eu e o Noah teremos a guarda compartilhada dessa pestinha aqui. – apontei para Suzi que já devia estar no décimo sono. – Vamos fazer de uma maneira que funcione para todos. Assim estaremos nos aproximando sem forçar a barra.

- Rodrigo, ele vai se apegar a ela. – só não conseguia entender o mal que havia nisso. – E se um dia você acordar e descobrir que está pesado demais? E se você pensar que acabou caindo em uma história que não era para ser sua? Como ele vai ficar.

- Juliana, eu não posso te garantir o que acontecerá depois do agora. Já vi promessas voarem mais rápidas do que o vento, mas eu só posso te assegurar que o amor que tenho aqui dentro por ele é maior do que tudo. Um filho não é uma roupa que enjoamos e deixamos esquecidas no fundo de uma gaveta. Porra! Será que você me toma por tão pouco? Eu te procurei por seis anos. Eu te vi em cada mulher que sorria pra mim. Fui taxado de maluco e confesso que cheguei a acreditar nessa hipótese. Pedia uma única chance de te encontrar para te arrancar da minha cabeça, mas diferente de qualquer diagnóstico, não era desejo insano, era amor Juliana. Um amor que você mede com pesos mínimos. Um amor que você duvida por qualquer coisa.

- Eu sou complicada demais para se amar, Rodrigo. O que quero que você entenda é que já nem me importo com o meu coração. Eu só não quero que o do Noah seja quebrado. – lágrimas ameaçavam cair em seu rosto – Eu posso lidar com a dor de perder você, porém não sou capaz de suportar ver meu menino deixado pelo caminho.

- E quem te assegura que será o que eu sinto por você que irá acabar? Já pensou que talvez eu seja um caso perdido para você? Já pensou que quando me conhecer mais a fundo você possa sair correndo para longe? – ela negou – Pois eu penso em tudo isso. Eu temo tudo isso agora, mas nem que seja por breves momentos eu te quero do meu lado. Eu preciso e anseio ser amado por você. É o seu toque na minha pele que quero sentir. São seus beijos que me fazem sentir um turbilhão de sensações que nunca senti antes. É você Juliana. Somente você. Então não venha me falar de medo, porque eu também sinto isso como um louco, mas muito maior do que todo esse medo é o que você me faz sentir.

 

Juliana

Eu queria ter apenas a certeza que não seria passageiro para que eu voasse sem medo nesse horizonte que ele me apontava e que era o que eu mais ansiava, mas Rodrigo tinha razão. O amor não nos dá a garantia de uma duradoura felicidade e naquele momento, ouvindo suas palavras eu me dei conta que seria uma tola se recuasse. Quanto mais medo eu sentisse, mais longe eu ficaria de mim e do homem que eu queria.

Usar o Noah para apaziguar seria no mínimo cruel. Privar meu filho do que Rodrigo estava querendo lhe dar era maldade e pura covardia de minha parte. Finalmente havia entendido isso.

Depois que Rodrigo se foi e comecei a mergulhar no universo canino. Suzi seria uma hóspede bem tratada se dependesse de mim. Era engraçado como a racionalidade de Rodrigo para encarar os fatos e seguir em frente me fazia enxergar ainda mais o quão perfeito pai ele era.

Dias depois…

Ontem tivemos a nossa primeira experiência noturna com Suzi. Acho que Rodrigo não imaginou o tanto que sentiria falta dela. Prova disso foram as ligações na madrugada para saber se estava tudo bem.

Noah estava radiante de cuidar dela e foi difícil convencê-lo a não dormir junto dela. Vendo agora a alegria que essa cadela trouxe para meu apartamento eu cheguei até a sentir arrependimento de não ter um companheiro de estimação antes.

- Filho, Rodrigo já deve estar chegando. – falei alto para que Noah me ouvisse de seu quarto e ele logo veio correndo com uma bola desastrada e peluda atrás.

- Mamãe, tive uma ideia genial. – ele ria enquanto Suzi pulava em suas pernas.

- E qual seria essa ideia? – falei curiosa

- O Rodrigo pode muito bem morar aqui com a gente. – quase cuspi o suco que estava bebendo. – Assim ele não vai ficar triste por ficar sozinho. Meu quarto é grande e ele pode dormir na minha barraca.

- Filho, não é assim que as coisas funcionam. – me agachei para lhe olhar bem nos olhos. – O Rodrigo gosta do apartamento dele

- Eu sei, mas acho que ele gosta muito mais de mim e de você. – falou simplesmente – Será que meu papai ficaria muito triste se eu quisesse que o Rodrigo fosse meu pai?

Agora eu sabia o que era ficar sem palavras. Noah foi tão naturalmente ao expressar seu desejo que fiquei tonta. Mesmo amando muito meu pai, ele nunca havia cogitado essa substituição com ele. Era verdade que a cada dia ele e Rodrigo se entendiam mais e que muitas vezes eu acabava me achando deixada de lado, mas aquilo era um desejo sincero dele. Era uma preocupação com o bem estar de Rodrigo e era lindo e emocionante de se ver, mas ao mesmo tempo me fez sentir o estômago retorcer dentro de mim. Mesmo querendo preservá-lo eu estava privando meu pequeno da verdade. Uma verdade que ele mesmo sem saber estava aceitando em seu coração. O amor do filho pelo pai estava falando mais alto e eu seria burra de não ouvir.

- Gostou da minha ideia mamãe? Posso falar com o Rodrigo? –antes que eu respondesse a campainha tocou e Noah saiu correndo para a porta. Tive que ser rápida para cortar qualquer palavra a respeito da ideia de Noah. Sei que Rodrigo iria ficar feliz, mas assim como eu também poderia ser pego de surpresa e ficar sem reação.

Rodrigo olhou engraçado para mim quando eu comecei a falar sem parar de como o dia tinha amanhecido lindo. De como Suzi era obediente e comportada. Realmente eu parecia uma louca sem filtro, mas pelo menos Noah não se lembrou de falar da tal ideia com Rodrigo.

- Não é por nada. – Rodrigo sussurrou no meu ouvido enquanto Noah colocava a coleira em Suzi – Mas você está se sentindo bem?

- Estou ótima. – confesso que tive vontade de cair na gargalhada, mas fiquei como medo de Rodrigo querer me internar numa camisa de força. – Tenho uma coisa pra te contar e aposto que vai ficar ainda mais estranho do que eu.

- Tenho até medo. – ele riu

- Estamos prontos. – Noah nos interrompeu

(…)

Mal Noah desceu do carro e Rodrigo impaciente me perguntou o que estava acontecendo. Tenho certeza que ele suspeitava que fosse algo relacionado com o filho, mas nem imaginava que seria tão bom.

Decidida a por fim na sua curiosidade eu comecei a falar com calma e a medida que as palavras juntas formavam as frases eu via o brilho nos olhos de Rodrigo se intensificar formando gotículas que começaram a percorrer seu rosto no caminho até seu pescoço. Eu me dava conta do quanto ele precisava ouvir aquilo do Noah e o arrependimento me bateu como uma porrada na cara. Duramente cruel.  

Hay una rusa en mi clase de “Fundamentos de Marketing”, que parece  de esas modelos de Victoria Secret, putamadre. Al lado de ella eres un puto Shrek.

marcoscardona-universe  asked:

He leído su blog y me parece que es una estupenda y magnifica escritora. Mis felicitaciones

Muchas gracias por leer el blog, pero no puedo tomarme el crédito de l@s asombros@s escritor@s que colaboran en el blog, no puedo nombrarlos a todos individualmente, pero si quieres ver sus trabajos los puedes encontrar en la etiqueta de #xccionpoeticx en Tumblr :)
Chic@s este ask va para tod@s aquellos quienes han estado publicando sus trabajos y etiquetándolos para que los rebloguee💗

nadienotasuexistencia  asked:

Hola. Em... tengo varias preguntas pero en fin, seré lo mas breve posible. Siempre me pregunto ¿Que fue de la niña que era? Esa que era feliz y alegre, no se cuando fue que mi vida cambio de la noche a la mañana. Estoy viviendo un infierno, siento que ya nadie me importa ¿Eso es bueno o malo? Estoy sola en todo, me llenan de decepciones... y ya cortarme parece que no es suficiente, tampoco el cigarrillo. Ya no se que hacer, odio existir

Hola cariño si necesitas alguien con quien hablar estoy aquí pequeña😊❤👂

Entonces te das cuenta, que no es quien te mueve el piso, sino quien te centra. No es quien te roba el corazón, sino quien te hace sentir que lo tienes de vuelta.