paletes de madeira

Capítulo 141 - A Lista do Fred II

Entrei no bar logo depois do Fred. O lugar fazia jus ao nome “Aloha”, que me lembra uma parada meio praia, meio Hawaii, com chão de paletes de madeira, garçons vestidos de camisas floridas passando com drinks coloridos, um cara lá na frente tocando música ao vivo num violão engraçado. O Fred revirava os olhos a cada passo que dava e a cada cena que via, mas conseguiu ficar alguns minutos sem reclamar. Encontramos o Matt sentado sozinho na área externa do bar, numa mesa redonda de madeira com quatro cadeiras. Senti meu pé afundar quando pisei próximo à mesa.

Fred: Mano, tá tirando que o chão aqui fora é de areia?

Ele levantou um dos pés e deixou os grãos de areia caindo como uma ampulheta no chão. Pela cara, deu pra ver que ele não ficou muito feliz.

Eu: Amanhã tu lava junto com as coisas do Matt.

Eu nunca fui muito do tipo apaziguador, que fica tentando evitar conflitos entre amigos a todo custo, mas tava com pena do Matt. Só queria que ele tivesse uma meia hora de paz naquele dia. Ele nem respondeu nada. Me sentei à mesa e o Fred veio logo atrás. Ficamos quietos por alguns segundos enquanto o Fred agitava um saleiro em forma de coqueiro que tava em cima da mesa.

Fred: Então. É isso? Cadê teu amigo? - ele bateu com as duas mãos na mesa.
Matt: Não sei. Não chegou ainda, acho.
Eu: Alguém quer uma cerveja?

Os dois me ignoraram quando o cara da música ao vivo começou a tocar Jack Johnson. “There’s no combination of words I can put on the back of a postcard…”

Fred: Isso é sério? - ele apontou com o dedão na direção do palco improvisado dentro do bar.
Eu: Jack Johnson. Nunca ouviu? - eu ainda quis ajudar o Matt.
Fred: Esse é o tipo de lugar que tu vem pra se animar?

“It’s not always easy and sometimes life can be deceiving…”

Fred: Socorro.
Eu: Vamo beber.
Matt: É só uma música, cara. - ele deu de ombros.
Fred: Eu vou dormir aqui.
Eu: Por que tu não procura umas gurias pra tu ficar olhando enquanto eu peço uma cerveja?
Fred: Só olhando mesmo porque tá foda.
Eu: EI! - chamei o garçom. - Três copos aqui, e uma Heineken.

O garçom se aproximou da mesa enxugando as mãos em um pano de prato vermelho.

Garçom: Não temos Heineken, senhor.
Eu: Beleza, vamos embora.
Fred: VIU?!

O Fred nem me esperou terminar de falar e já foi levantando.

Eu: Matt, na boa, esse bar é uma merda.
Fred: Tem a cidade inteira pra tu curtir a fossa, cara. Não tem por que ficar ouvindo surf music no domingo à noite.
Eu: Que bar não tem Heineken, velho?

Ficamos reclamando sem parar, um falando por cima do outro, enquanto o Matt encarava o nada e encolhia os ombros.

Fred: Meu pé tá todo cheio de areia.
Eu: Só tem tiozão.
Matt: Velho, será que vocês não conseguem ficar DE BOA?

Ele lançou um “de boa” tão alto que a gente até parou de falar pra ouvir o resto.

Matt: Tipo de boa MESMO. - pareceu que ele tinha acabado de explodir. - Sentar numa mesa, beber, conversar, numa boa. Vocês conseguem?

Continuamos sem responder. Ninguém tava esperando aquela reação do Matt. Ninguém nunca espera isso dele.

Matt: Conseguem ficar de boa com um amigo de vocês? O melhor amigo de vocês?

O Fred bufou e voltou a se sentar na cadeira.

Matt: Será que rola vocês ficarem sussa aqui comigo?

Ninguém disse nada, e o Fred voltou a chacoalhar o saleiro de coqueiro.

Matt: Valeu.
Fred: Pede Stella, Thommo.
Eu: Nem fodendo.
Fred: Corona então.
Eu: Nem fodendo.
Fred: Porra, pede um drink colorido com guarda-chuvinha então.

O Matt sacudiu a cabeça, mas acho que depois de tantos anos ele já se conformou com os amigos que tem.

No fim o Fred falou umas paradas que me convenceram a pedir a Corona, e nós pedimos. Na real eu só concordei pra que ele ficasse quieto. Nem sempre quem cala, consente. As vezes a pessoa só tá com preguiça de discutir. E eu tava com tanta sede que nem achei aquela cerveja metida tão ruim assim.

Fred: E aí, a Raíra te mandou mensagem?
Eu: Raíssa.
Matt: Vamo falar de outra coisa?

O Fred deu um gole longo no copo, provavelmente pensando no próximo assunto que ele ia puxar.

Fred: Ei, Thommo, sabe o que eu fiquei pensando esses dias? Faz tempo que a gente deu aquele role na casa da tua vó.
Eu: Rolê na minha vó?
Fred: É, que fomos eu, tu e o Matt, e eu peguei a tua prima.
Eu: Tu não pegou a minha prima lá.
Fred: Ah é.

Ele ficou olhando pro nada, pensativo.

Fred: Enfim… Faz tempo que a gente foi. Podia rolar essa trip de novo. Foi comédia.
Eu: Sei lá, cara. Faz uns cinco meses que eu nem falo com a minha mãe.
Fred: Eu também não, e daí?

Ele deu outro gole na cerveja.

Fred: Digo, faz cinco meses que não falo com a minha mãe.

E sacudiu o saleiro de coqueiro.

Fred: Com a tua faz menos.

Nem respondi. Na boa.

Fred: Hahah.
Matt: Tu falou com a tua mãe ontem mesmo no telefone.
Fred: Beleza, faz uns meses que não VEJO ela.

Pensei em fazer alguma piada com a mãe dele, mas fiquei com preguiça de pensar. Domingo à noite é difícil. Mas acho engraçado que o Fred tem a mãe mais gata de todas e é o que mais zoa com a mãe dos outros. Talvez seja por isso mesmo.

Fred: Sabe outro rolê que a gente podia dar? Jogar basquete naquela pracinha do basquete.
Eu: A gente não joga basquete, Fred.
Fred: Beleza, mas lá é da hora pra fumar um baseadinho.

O Matt praticamente implorou pra que a gente ficasse junto com ele, mas ele mesmo não tava participando muito da conversa.

Fred: Falando nisso, vamo fumar um aí, Matt?
Matt: Agora?
Fred: Não, amanhã. Vou colocar o despertador no Bob Marley. Agora, lógico.
Matt: Sei lá, onde a gente vai fumar?
Fred: Aqui. Ué. A parada não é aberta? - ele olhou pra cima, onde não tinha nenhum teto.
Matt: Não, velho… Vamo lá fora então.
Fred: Acende aí, ôu. Tu acha que o Jack Johnson não fuma?

O Matt ignorou as investidas do Fred e se levantou pra sair pra fumar. Eu não tava tão a fim quanto eles de dar uma bolinha, então sugeri ficar pra guardar a mesa enquanto eles iam. Só achei estranho que o Matt travou numa posição e não saiu da mesa.

Fred: Vamo, Matt. O que tu tá esperando?

Nada. O Matt se sentou na mesa de novo.

Fred: Que foi? Polícia?

Polícia? Qual o problema? Eles só tavam com um beckzinho na mão. O Fred olhou na direção em que o Matt tava olhando dentro do bar, que ficava fora do meu campo de visão. Poucos segundos depois, ele se virou pro Matt com tanto ódio nos olhos que eu juro que vi duas chamas saindo das pupilas dele.

Fred: Seu… Imbecil…
Eu: Han?
Fred: Do caralho…

O Fred se sentou na mesa de novo como se fosse um delegado prestes a interrogar o suspeito mais procurado da cidade. Aproveitei a brecha pra me levantar e ver o que os dois tavam enxergando lá dentro.

Fred: Tu é um imbecil do caralho, tu tá ligado, né?

Demorou um pouco até eu ver o foco da raiva do Fred e do choque do Matt, mas lá estava ela. A Larissa. Sentada no bar com o braço de um cara grande pra caralho em volta da cintura dela.

Fred: Eu vou te perguntar uma parada, e vai ser só uma vez. E tu vai responder rápido.

Calma aí. Qual a chance de a gente trombar com a Larissa no meio rolê, do nada?

Fred: Tu veio pra cá atrás dessa mina?
Matt: Velho, eu…
Fred: Tu veio? Eu não vou perguntar de novo.
Eu: Caralho, Matt…

Ele fechou os olhos com força e respirou fundo.

Matt: Mais ou menos.
Fred: Filho de uma puta.
Eu: Vocês combinaram ou sei lá?
Fred: O QUE TU ACHA? - o Fred parecia pessoalmente ofendido com aquilo. - A mina com um armário abraçado com ela, e tu acha que esse troxa combinou alguma coisa.
Eu: Pega leve, Fred.
Fred: Mano, para de defender ele! Matheus, tu é um TROXA! O que tu tava pensando, velho?! Caralho.
Matt: Mano, a gente ficou ontem, a gente conversou.
Fred: Vamo embora.
Matt: Não! Espera! - ele espalmou as duas mãos no ar.
Fred: Tu quer mais um motivo pra ir embora?? Na moral?

Ele pegou a bisnaga de ketchup em cima da mesa e esguichou no peito do Matt.

Fred: Aí. Vamo embora.
Eu: Nossssa, mano…
Matt: PORRA, FRED! Minha última camiseta, pô! Vai tomar no cu.

Eu tive que rir quando me dei conta do que tava rolando. Era uma mistura de graça com nervosismo. O Matt ficou analisando a mancha de ketchup que escorria na camiseta dele.

Fred: Quer outro? - ele ameaçou jogar o copo de cerveja.
Matt: NÃO! Não. Só me deixa… Só me deixa falar com ela.
Fred: “Mimimi só me deixa falar com” O CACETE! Vai falar O QUÊ?

O Matt apoiou a testa na mesa como quem não acreditava no que tava acontecendo.

Fred: Vai falar nada. Chega disso. Porra, para de se humilhar. Tu veio atrás da mina num bar nada a ver, que ela nem te chamou, e ela tá com um cara. Chega.
Matt: Mas se ela me ver…
Fred: Ela vai te achar um retardado.
Eu: Fred, não precisa disso.
Fred: Tu fica defendendo o Matt porque ele costuma tá certo na maior parte das vezes, mas ele também faz merda. Principalmente quando envolve mina. Vocês já eram, Matheus. Entendeu?
Matt: Mano, eu sei, eu sei mais do que tu sobre mim e ela. Eu terminei, eu tava de boa, mas ontem…
Fred: Ontem vocês tiveram um remember, vocês se pegaram porque é bom se pegar, não porque vocês nasceram um pro outro, essa porcaria toda. Isso não te dá moral pra vir atrás da mina na surdina no dia seguinte, MATHEUS!
Eu: Acho melhor tu falar o nome dele mais baixo.
Fred: Essa porra não é um filme, cara. Vocês se reencontram e ficam, e no dia seguinte ela pega um cara na tua frente, e é isso aí. Não tem cena de amor no final. Custa tu entender isso?

O Matt tava nitidamente forçando o maxilar de raiva.

Fred: Se liga, velho. Pra que ficar nessa? Olha o TANTO de mina que tem no mundo, mano! Eu não agüento tu e o Thom encarnando em história treta. Deu certo um tempo, depois deu merda, deixa passar.
Matt: Não é uma questão de quantidade de minas no mundo. Não importa a quantidade se eu quero el…
Fred: AHHHHHHH, NEMMMMM! Não vem com essas frase de livro de comédia adolescente, vai se foder! Matheus, Matheus… Presta atenção. - ele se inclinou e puxou a cabeça do Matt numa direção específica. - Olha o TAMANHO da BUNDA daquela mina! OLHA! Por que tu vai ficar se fodendo por causa de uma mina quando se tem TODAS as outras?! Pelo amor de Deus?!
Matt: Eu não lig…
Fred: Ah, pode crer! Vamo falar a tua língua. Tu quer que fale a tua língua. EI! Ei, mina!!!

Ele chamou uma mina que passou do nosso lado sozinha, provavelmente voltando do banheiro. Fiquei sem graça por ela quando percebeu que o Fred tava chamando.

Fred: Tu mesmo. Qual teu livro preferido?
Mina: Meu?
Fred: É. É só falar.
Mina: Eu sou o Mensageiro. - ela respondeu meio receosa.
Fred: Valeu. AÍ, TÁ VENDO? - ele voltou a falar com o Matt com entusiasmo. - A guria é bonitinha e lê também! Não precisa encarnar na guria que tu namorou na escola!
Matt: Esse livro é uma merda.
Fred: E DAÍÍÍ, MATHEUS???

Eu tava só assistindo aquele teatro bizarro dos dois.

Fred: O que eu quero dizer é que tu precisa aproveitar a tua vida de solteiro DE VERDADE! Só assim tu vai parar de se apaixonar por cada mina que te dá o mínimo de atenção. E assim tu não vai mais se meter com guria maluca igual a Raíssa.
Matt: Eu aproveito minha vida de solteiro.
Fred: Antes da Larissa tu era virgem. Não conta.
Matt: E?
Fred: Depois dela tu pegou quem? A amiga da Alícia lá do Sul, a Raíssa, fim. Tu chama isso de aproveitar?
Matt: Nao é por que eu aproveito de um jeito diferente de ti que eu não aproveito.
Fred: Cala a boca. Me dá um guardanapo aí, Thom. GARÇOM, me empresta a caneta?

O garçom se aproximou com a caneta e eu empurrei o porta guardanapos pro lado dele, que tirou uma folha e começou a escrever. Era tão raro o Fred ficar em silêncio que a gente até estranhava. Ficou um clima esquisito enquanto ele rabiscava na folha sem parar.

Matt: O que tu tá fazendo?
Fred: Uma lista.

Me inclinei pra ver se conseguia ler alguma coisa.

Eu: Que lista?
Fred: Lista de minas que tu tem que pegar.
Matt: Hm.
Fred: Tu, Matheus.
Matt: Eu?!
Fred: Tu que vai pegar.

Ele parou de escrever e girou o papel na mesa pra que o Matt conseguisse ler, sentado do outro lado.

Fred: Tu precisa enxergar isso tudo como um jogo, então a gente vai fazer assim. Tu tem essas missões pra cumprir.

A lista tinha o seguinte:

1 guria com dreads
1 gringa
1 lésbica
1 guria com silicone
- comer uma mina na minha festa

Fred: Senão vou quebrar tua Pentax.
Matt: Eu compro outra.
Fred: E todas as lentes.
Matt: Vai se foder. Como eu vou pegar uma guria lésbica?!
Eu: HAHAHAH! Isso aqui tá demais! - peguei o papel na mão.
Fred: Se vira.
Matt: E que festa é essa? Comer qual mina?
Fred: A festa que eu vou dar amanhã. Tu vai foder meus planos com a Vicky, mas tu vai foder uma mina também, então tá valendo.

Próximo post: 27/07!