outubro

Algum dia queria te encontrar por acaso, e gostaria que ambos estivéssemos sozinhos. Tenho vontade de ter algum tipo de conversa com você, saber como anda sua vida. Conhecer um pouco da sua rotina de hoje em dia, saber sobre o trabalho, se está na faculdade. Você sempre foi inteligente, só tinha um pouco de preguiça de estudar. Eu às vezes paro e dou risada de mim e de todos os relacionamentos que já tive. Sempre namorei com homens inteligentes, e fico pasma com o fato deles terem namorado comigo, que nunca fui alguém muito inteligente, do tipo que pensa rápido a resposta de alguma questão. Se você conseguir lembrar ainda algo de mim, sabe que exatas sempre foi meu ponto fraco, minha eterna kryptonita. Eu sempre gostei de letras, história e inglês, você sabe… Ou pelo menos costumava saber. Tem coisas que não mudaram em mim. Eu ainda sou um pouco estabanada, fico nervosa quando estou com vergonha, e ainda tenho aquela mania de ficar balançando a perna e tirando o esmalte da unha quando estou ansiosa. Ainda continuo tagarela e falando pelos cotovelos. A única coisa que mudou desde que você se foi, é que tenho vivido cada vez mais solitária. Antes eu costumava ter você, e hoje em dia as pessoas ainda não costumam permanecer em minha vida. Ah, mas não se preocupe… Eu amadureci também, e saiba que isso já não me deixa mais pra baixo como antes. Estou sendo cada vez mais forte, e sabendo lidar muito bem com a solidão. Tenho lido cada vez mais, e mergulhado profundamente no mundo da fantasia. Sei que isso não é tão bom assim, mas é mil vezes melhor do que continuar vivendo essa realidade tão vazia e cruel. Seria tão bom poder conversar com você mais uma vez, e te dar ao menos um último abraço, um último beijo e poder ouvir você dizer pela ultima vez que tudo vai ficar bem. É bom sonhar às vezes e pensar em você. E é uma pena que o mundo deu muitas voltas, e mandou cada um de nós pra um lado diferente. Mas saiba que eu ainda permaneço no meu cantinho, com fones nos ouvidos, os olhos vidrados em séries e/ou livros, só esperando a chance de poder te encontrar mais uma vez, justamente numa dessas voltas que o mundo dá.
—  Resquícios de Outubro.
Joguei três anos de lembranças fora. Não somente as memórias do que vivemos, mas também todos os presentes, até mesmo aquele nosso diário contendo todas nossas cartas cheias de declarações de amor. Eu guardava tudo, na esperança de que fôssemos durar para sempre. Guardava pensando que talvez pudéssemos gostar de reviver o passado sempre que a gente sentisse saudade. Mas quando o nosso fim chegou, eu não quis manter nenhum vestígio seu na minha vida. Apaguei e rasguei todas as nossas fotos juntos. As fotos em que nossa felicidade era visível pra todos, embora a gente nunca tivesse precisado provar nada pra ninguém. Nós já fomos felizes, nós já chegamos a ser um casal que se amava de verdade. E eu não sei dizer desde quando tudo começou a dar errado, não sei em que parte a gente se permitiu se afastar tanto um do outro. Mas isso tudo aconteceu, e infelizmente a gente se afastou tanto, que nem um pingo de amizade restou.
—  Resquícios de Outubro.
Já se passaram cinco anos desde o nosso término, e só agora que estou escrevendo algo sobre você. Se você estivesse aqui se perguntaria o porquê, e eu responderia que foi porque voltei a assistir aquele seriado super antigo, Friends. Aquele que eu costumava deixar de assistir pra ficar com você. Você consegue lembrar do casal Ross e Rachel ? Nunca te disse, mas eu costumava imaginar que nós seríamos como eles. Todos aqueles términos, todas aquelas vezes em que eles ficaram separados um do outro, que se envolveram com outras pessoas, mas que no final um sempre voltava para os braços do outro. E não importava quanto tempo passasse, ou o quanto a vida levasse eles a trilhar um caminho diferente… Eles voltavam, ficavam juntos e o amor continuava o mesmo. Por um bom tempo pensei que seria assim conosco, mas me enganei. Porque você nunca chegou a me amar de verdade. E nunca se quer desejou algum futuro ao meu lado, jamais fez planos que me envolvessem, e eu sempre soube (mesmo sem querer aceitar e acreditar), que por esse motivo é que nós não iríamos continuar juntos. Nosso fim chegou, e não foi da forma que pensei que seria. Não foi um final amigável, nós dois saímos magoados, saímos com o coração partido e preenchido de rancor. E só depois de cinco anos, que estou conseguindo escrever algo sobre você. E só quero mesmo que você saiba que não importa onde você esteja, ou com quem esteja… Sempre que eu ver Ross e Rachel, lembrarei de você. E tentarei fazer deles a lembrança boa do que poderíamos ter sido, mas nunca tivemos a capacidade de chegar a ser.
—  Resquícios de Outubro.
Enquanto estávamos juntos jamais sonhei com você. Isso mudou já tem alguns meses, e até hoje não entendi muito bem o porquê. É estranho sonhar com alguém que já não faz parte da minha vida há tantos anos. Mais desconfortável ainda, é sonhar com alguém que quando passa por mim finge que não me conhece, alguém que acaba se passando por um completo estranho. E nos meus sonhos nada disso acontece, é totalmente diferente de tudo que ocorre na nossa realidade. Nos sonhos você tenta me reconquistar, tenta se reaproximar de mim e eu acabo permitindo. E o que me intriga, é que eu passo a me sentir bem com sua presença mais uma vez. Acabo refletindo assim que acordo, e percebo que já te perdoei há muito tempo. Que já não guardo mais tantas mágoas assim pelas suas mancadas, e por todas as mentiras que foram contadas enquanto estávamos juntos.
—  Resquícios de Outubro.