os poderosos

Pequena moça, cresça. Cresça e faça raiz.Como uma imensa árvore, crie raízes para todos os lados e acolha acasos. Estenda seus braços e busque abraços. Como uma árvore que sempre deixa sua marca lançando folhas aos caminhos, lance seu perfume ao vento e deixe seu aroma lhe fazer carinho. Como o vento que sopra pelo mundo seu canto e sussurro, espalhe por tudo seus pensamentos absurdos. Uma adversidade de ideias e histórias, uma festividade de palavras e prosas, solte ao vento uma nota em forma de poesia e descubra olhares que te observam com euforia. Como um oceano que destemido enfrenta os poderosos piratas, lute sua batalha com poemas e serenatas. Escolha sempre suas palavras para enfrentar o mundo, faça poema sobre tudo e tudo será grato a você.
Pequena moça, agora já grande, vire um tsunami e arraste multidões com seus textos bem elaborados, com suas revoltas de um coração apaixonado e com seu corpo não-amado. Crie em sua mente formas para viver e então viva, mas nunca esqueça de escrever. Escrever é sua defesa contra o mundo, contra tudo, até mesmo contra você.
Moça do sorriso largo, escreva sobre ele em seus poemas, fale daquilo que com dor sustenta. Fala da vontade de chorar e escreva sobre tristeza, sobre a sua tristeza. Escreva que amou e não foi amada, diga como é acolher e não ser acolhida, mas também diga que nem só de lágrimas vive a poesia, então diga das vezes em que sorria de verdade, com vontade. Fale para todos o porquê desse sorriso de tempestade que provoca arrepios em metades e em outras metades provoca paixões de verdade. Grite para o mundo inteiro como é bom ser escritora, divulgue ao mundo suas palavras construtoras. Como milhares te olhando enxergam decepção em um coração, faça cada um deles enxergar a poesia que sai de sua mão, que vem do coração e é escrita com paixão.
—  Recitografado sobre Elucubrar.
Comecei a ler os poemas. Eram todos poderosos. Ele datilografava com a mão muito pesada, e as palavras pareciam cinzeladas no papel. A força de sua escrita sempre me surpreendia. Parecia estar dizendo todas as coisas que deveríamos dizer, mas que nunca teríamos coragem de pronunciar.
—  Charles Bukowski. 

Anhangá X Tupã, por Natalie Duarte

Minha interpretação da primeira batalha entre Anhangá e Tupã, os deuses mais poderosos da mitologia brasileira. Tupã, o deus do trovão, venceu a batalha e mandou Anhangá para o submundo.

 x————-x————x————-x————-x————x————–x

Anhangá X Tupã, by Natalie Duarte

My depiction of the first battle between Anhangá and Tupã, the most powerful gods in brazilian mythology. Tupã, the god of thunder, won the battle and sent Anhangá to the underworld. 

A primeira pergunta que Diógenes fez a Alexandre é a primeira pergunta que qualquer pessoa inteligente deve fazer a si própria. Diógenes não desperdiçou um único momento.
- Alexandre, estás a tentar conquistar o mundo inteiro. Então e tu? Terás tempo suficiente, depois de conquistares o mundo, para te conheceres a ti próprio? Tens certezas sobre o amanhã ou sobre o próximo momento?
Alexandre nunca tinha conhecido um homem assim. Ele já tinha vencido grandes reis e imperadores, mas percebeu que Diógenes era um homem muito poderoso. Baixando os olhos, Alexandre respondeu:
- Não te posso dizer que esteja certo sobre o momento seguinte. Mas posso prometer-te uma coisa: quando tiver conquistado o mundo, vou desejar descansar e viver uma vida calma, tal como tu.
Diógenes estava a gozar um banho de sol matinal junto a um rio, rodeado por bonitas árvores. Ele riu-se… por vezes penso que o seu riso ainda deve continuar a ecoar.
Pessoas como Diógenes pertencem à eternidade. As suas assinaturas não são feitas na água.
Alexandre sentiu-se ofendido e perguntou-lhe porque se estava a rir.
- É muito simples! - respondeu Diógenes. - Se eu posso descansar e viver uma vida calma sem ter conquistado o mundo, o que te impede a ti de fazer o mesmo? O rio é grande e eu não tenho qualquer objecção a fazer. Podes ocupar o lugar que quiseres - mesmo que queiras o meu lugar, eu posso mudar de sítio. Descansa agora, se desejas descansar. Descansa agora. Agora ou nunca.
O que Diógenes dizia era absolutamente verdade, mas, para um homem que se encontrava a fazer uma viagem do ego, isso era demasiado óbvio, demasiado simples. Ficar a descansar na margem do rio não alimenta o ego. O que é que se conseguiu dominar? O que é que se conquistou?
—  Osho, in ‘Acreditar no Impossível’.
Olá, me chamo Safira Stuart e tenho dezesseis anos de idade. A sociedade prefere me chamar de bruxa e a medicina, de depressiva-ansiosa com grau elevado de crise psicótica. Eu sei, que eles tem medo da minha presença - por isso me prenderem nesse hospital psiquiátrico - pois consigo ver o além e sentir a realidade plena do Cosmo que pulsa em minhas veias. Meus olhos enxergam as realidades paralelas que vão alem do tempo e espaço, esses são os meus delírios reais. Sou observadora e percebo que sou assustadora para os ignorantes e perigosa demais para os poderosos. Não sei o porquê, mas querem me controlar me enchendo de “remédios" nunca vistos no mercado, como se eu fosse uma cobaia de laboratório. Então, de repente, o Universo me alertou, que em breve, uma grande guerra mental está por vim, com o objetivo de controlarem minha capacidade cerebral. E isso é algo que jamais irei permitir.
—  Delírios de Safira Stuart: A Descrição.
Para envergonhar os sábios, Deus escolheu aquilo que o mundo acha que é loucura; e, para envergonhar os poderosos, ele escolheu o que o mundo acha fraco.
—  1 Corintios 18:27
Tu trabalhas para o todo, realizas para o futuro. Nunca procures recompensa, porque já é grande a tua recompensa nesta Terra: a tua alegria espiritual, que só o justo conquista. Não temas nem os grandes, nem os poderosos, mas sê sábio e sempre excelente. Sê comedido, procura conhecer a hora, aprende isso.
—  Fiódor Dostoiévski, in ‘Os Irmãos Karamázov’
A sala estava vazia
Mas tão cheia
Meus pensamentos estavam por toda parte
Era possível os sentir no ar
Poderosos pensamentos
Desliguei as luzes e sai dalí
Precisava me livrar daquela bagunça que causei
Coloquei meus fones e fiquei intocável
Andava apressada pelos corredores
Estava escuro e não sabia ao certo onde eu estava
Nem tudo são flores
Eu não sabia exatamente o que eu procurava
Apenas queria liberdade
Estar livre de verdade
Não podia me render
Encontrei a saída
Uma leve luz naquela escuridão
Ao menos minha busca não foi em vão
Encontrei a passagem
Saí daquele lugar e sorri
Eu só precisei de um pouco de coragem
É assim que termina
Sinto a felicidade
—  Criando Conceitos

“Runas Antigas é um assunto muito interessante, os bruxos mais poderosos que já existiram tinham um domínio fantástico do conhecimento das runas. Elas podem fortalecer feitiços de desilusão e invisibilidade, ajudar na fertilidade de plantas pra a fabricação de poções, para trancar portas ou cadeados, e até onde sua imaginação conseguir ir. Eu quero trabalhar com Runas quando me formar. Você já sabe o que vai fazer depois de Hogwarts?”

Grande é o Senhor, e mui digno de ser louvado; e a sua grandeza é insondável. Uma geração louvará as tuas obras à outra geração, e anunciará os teus atos poderosos.
—  Salmos 145:3-4