os alta

2

The Grisha Trilogy Meme - [1/7] Locations

Os Alta

“Two days later, just after dawn, we passed through a massive gate and through the famous double walls of Os Alta. […] I felt a twinge of disappointment as we passed shuttered shops, a wide marketplace where a few vendors were already setting up their stalls, and crowded rows of narrow houses. Os Alta was called the dream city. It was the capital of Ravka, home to the Grisha and the King’s Grand Palace. But if anything, it just looked like a bigger, dirtier version of the market town at Keramzin. All that changed when we reached the bridge. It spanned a wide canal where little boats bobbed in the water beneath it. And on the other side, rising from the mist, white and gleaming, lay the other Os Alta. As we crossed the bridge, I saw that it could be raised to turn the canal into a giant moat that would separate the dream city before us from the common mess of the market town that lay behind.When we reached the other side of the canal, it was like we had passed into another world. Everywhere I looked, I saw fountains and plazas, verdant parks, and broad boulevards lined with perfect rows of trees. Here and there, I saw lights on in the lower stories of the grand houses, where kitchen fires were being lit and the day’s work was starting.”

anonymous asked:

About Kaz as Asian, I've always wondered which irl countries inspired the nationalities in the books? Like sure, the Shu are Asian, but which part of Asia??? What about the rest??

*cracks history nerd knuckles* 

Shu Han has the same name as one of the three major states that competed over the complete control of China during the third century. It’s named “Shu” for its geographical location in China, and “Han” for its founders’ direct connection to the Han dynasty, which was just ending at that time. I think it’s safe to say that area during the Three Kingdoms period was what Leigh used as a basis for Kuwei’s homeland. 

Ravka was obviously inspired from Imperial Russia. The book covers of the Grisha Trilogy show the Grand Palace in Os Alta, which bears a striking resemblance to the tower tops of St. Basil’s Cathedral in Moscow. The characters from there even have Russian names - very famous ones, too. The Darkling - Aleksander - is named after countless Czar Alexanders that ruled over Russia, which very much imitates how there were “many Darklings” that kept Ravka “safe” from the Shadow Fold. Our beloved Nikolai Lanstov shares the same name with the last czar of Russia who was subsequently assassinated by the Bolsheviks, the Marxist revolutionary party led by Vladmir Lenin, in a church with his whole family. Hopefully, Nikolai doesn’t go the same way (Leigh Bardugo, please don’t let this be foreshadowing). And how everyone addressed the king and queen as “tsar” and “tsaritsa”? That’s how everyone addressed the imperial Russian monarchs back in Russia’s dynastic days. 

The Kaelish are known for their red hair, their tendency to stay in their own lane, and their tradition to not cause too much drama in history. Judging from those three characteristics, I’d assume that Scotland is the inspiration for their land. But then again, we know very little about them.

Judging from Ketterdam’s worship of trade and business (even their god Ghezen rules over commerce and industry) I speculate Kerch was inspired from the Netherlands, most specifically the Dutch Republic. Not only did this country have one of the most powerful trading companies in the world during the 17th century, but they also gained their power through trade and industry because they had little natural resources to supply themselves. The people here were so focused on commerce that eventually the Dutch merchants grew more powerful than the so-called aristocracy (Council of Merchants, anyone?)

I was a little confused on where Fjerda would be for a moment before realizing the kingdom’s name was literally a play on the word fjord. So it had to be a Scandinavian country - Norway, Sweden, or Finland. However, I discovered that the term was initially used in Norway. My suspicions about Fjerda being Norway were further confirmed when I remembered Matthias mentioning that ash trees are sacred to Djel, and the one in the middle of the White Island was where the druskelle listened to his voice. It can’t be coincidence that Yggdrasil, the mythical tree that connected the nine worlds of Norse mythology, was an ash tree as well, connected to Odin, one of the most complex gods to exist in Norse mythos. 

Novyi Zem was difficult, but then I found that Ms. Bardugo had answered this one for me: the country was mostly inspired by Australia and the American colonies. Which makes a lot of sense, considering how there’s a mass amount of Sudanese Australians, Kenyan Australians, Nigerian Australians, South African Australians, Somali Australians, Ghanaian Australians, and Zimbabwean Australians due to the British Empire’s slavery network. And who can forget how America exploited countless Africans for slavery and indentured workers as well? The Zemeni mostly work on farms of their own and handle guns (see: their entrance in Kuwei’s auction in CK), but that’s pretty much it. I suspect there’s a reason behind the homogeneity of the Zemeni, considering how Leigh Bardugo emphasized the theme of slavery and slave trade in the SOC duology. 

What country are Inej’s people inspired from, you ask? The answer is heartbreakingly easy. The Ravkan government has persecuted the Suli, who have to travel across the country like wandering nomads, never permanently settling anywhere because they are a nationless state, unwelcome at Ravkan doors. Thus, most of them are living the effects of diaspora; Inej acts as a perfect example. The Suli are the equivalent of the Romani in the duology, who have been persecuted, enslaved, and most of all, forced under slave labor throughout history. 

3

ALL WE DO IS RULE AND RUIN

In Ravka there is OS ALTA – where saints and sinners alike feast upon prosperity, where art and science come together in harmony. Os Alta welcomes all: humans, Grisha, and even traitors. The humans rule over all with iron fists, the Grisha nothing more than servants to their whims. But even Grisha count themselves more blessed than traitors. Woe to all who reveal themselves to be deceivers – for the Unsea is their new home. 

And what of the Unsea? Oh, darling, you should have never asked.

A RAVKAN EDIT SERIES: 1/ ∞

high-lady-of-os-alta  asked:

Regarding your Mor post, honestly I cried when I got to it because I, a lesbian, related to it so strongly. As vague as it was handled though I think gay/bi could be more of how the reader interprets it. Like, I've slept with guys before because for the longest time I was convinced that I was just bi because heteronormativity and to try and stress to people I wasn't gay because how dare I, right? So I looked at it more she partly slept with men to hide her true orientation. Self projection haha

ME TOO. I was so, so emotional when I read her part, and I did not expect that at all, but I was so happy? I’m glad to hear that it had a positive impact on you as well. And I think it’s pretty interesting that we have different experiences but both still related so hard to Mor in that discussion. I guess we do bring a lot of our own histories to our reading, which can color how we perceive the scene, but I think that’s fine if it’s having a positive impact on people.

(ps I hope you don’t mind me posting this? I can delete it if you want. I just appreciate having more examples of how it positively affected people, especially with so much negativity going around lately.)

Chega em uma fase que tudo é um porre né? É isso aí, responsabilidades, desemprego, faculdade, primeiro amor, coração quebrado, decepção com os amigos, as pessoas, altas brigas com os pais e você começa a achar que a vida está de sacanagem com a sua cara por tantas coisas ruins que lhe acontece. E aí você se pergunta.. O que aconteceu? A meu amigo a vida aconteceu. E mesmo sendo encantador quando a vida acontece, acaba sendo um grande inferno cheio de monstros chamados obstáculos também. E não pense que sou uma pessoa cheia de negatividade por está escrevendo isso não, porque o que escrevo é só um pouco da ironia na nossa realidade. Mas mesmo em meio a isso, temos que aprender a lidar com as nossas dificuldades porque pensando por outro lado, quando os dias ruins passam a vida começa a valer a pena, a felicidade vai entrando sem nem bater na porta e nos confortamos. E aí sim tudo começa a valer a pena.’- G.

Imagine - Zayn Malik

Mil desculpas pelo tamanho do imagine… Há! Eu disse que voltava! Espero que gostem! 

Pedido: Eu quero um com o zayn em que ela está brincando com o zayn e fala que ele é ruim de cama (brincado) só que ele fica chateado e depois castiga ela com um sexo bem Hot mesmo. Obrigada


 Zayn e eu estávamos deitados na cama, depois de um dia corrido de gravações, tanto minhas quanto para meu próximo filme e Zayn para seu próximo álbum. Estávamos de mãos dadas apenas olhando para o teto, de bobeira, falando besteira.
- Acho que devemos casar! – Zayn disse do nada.
- Acho que somos novos demais… – Disse me virando para ele.
- Mas estamos juntos a quase cinco anos, acho que seria legal. – Ele sorriu fraquinho.
- Estamos com nossas carreiras tão corridas, será que deveríamos casar agora?
- Bom, poderíamos tirar um tempinho para nós, né?!
- Onde você quer chegar? – O encarei.
- Amo você e quero você só para mim. – Zayn jogou o seu corpo sobre o meu. E eu gargalhei alto e em seguida Zayn rolou para o lado novamente.
- Está bem. Um dia marcamos de casar. Mas só se for uma cerimônia pequena.
- Só com familiares e amigos mais próximos. E um daqueles de fundo de quintal. – Zayn continuou me fazendo encara-lo. – O quê?
- Cadê o Zayn badboy que mete medo em todo mundo? – Perguntei.
- Você quer ver o badboy? – Ele se jogou para cima de mim.
- Mostra mesmo, por que da última vez estava fraquinho…
- Você está dizendo que eu sou ruim de cama?
- Interprete como quiser. – Gargalhei da careta que ele fez. – É brincadeira! – Gritei, mas Zayn já estava saindo do quarto.
Chateada por ter estragado o momento que estávamos tendo, continuei deitada na esperança de que Zayn voltasse e deitasse do meu lado. Mas, meia hora havia se passado e nada de Zayn voltar.
Suspirando, arrastei meus pés, ainda cobertos pela meia, até a sala e encontrei Zayn assistindo televisão. Assim que notou que eu o analisava, levantou-se e caminhou até a cozinha se servindo de água.
- Ah, amor, você ainda está bravo? – Perguntei abraçando sua cintura e apoiando meu queixo em seu peito. – Zayn!
Zayn virou o rosto para o lado e tentou se balançar, mas eu o apertei mais forte.
- Me desculpe, por favor. Não iria brincar se soubesse que ficaria tão bravo. – Fiz bico.
- Você me magoou… – Ele selou meus lábios. – Mas você terá que ser castigada!
- Você vai me castigar? – Falei arrastado e Zayn suspirou.
- Você merece (S/N)! – Ele desceu o rosto para meu pescoço e o mordeu. – Quero você só de calcinha na minha cama. – Revirei meus olhos. – Vou mostrar a você o que é ser ruim de cama.
Corri para o quaro com Zayn colado atrás de mim e foi inevitável não rir de nervoso.
Sem ao menos ter tempo de tirar minha roupa, Zayn me jogou na cama com brutalidade e atacou meus lábios. Suas mãos me acariciaram por baixo da blusa que eu usava. Era uma coisa selvagem, mas que eu amava.
Minhas mãos o arranhavam sem dó nem piedade; aquele quarto, mesmo com as janelas abertas, nunca havia sido tão quente como naquele momento. Minha respiração era alta e os sussurros de Zayn desconexos.
De joelhos na cama, Zayn retirou minha blusa e meu jeans; do seu corpo penas a camiseta foi retirada.
Meus seios foram acariciados ainda por cima do sutiã, mas logo a peça de roupa já estava fora do meu corpo e Zayn os acariciavam de outra forma. Beijos e chupões foram depositados da extensão do meu pescoço até a ponta do meu seio. Seus dentes rasparam minha barriga e minha calcinha rasgada com brutalidade.
Suspiros e gemidos sôfregos escaparam dos meus lábios quando eu comecei a receber o melhor oral da minha vida. Zayn gemia junto como se ele estivesse recebendo o melhor sexo de todos. Como se esperasse minhas ações depois de um orgasmo avassalador. Praticamente rasguei os jeans que ele usava e ouvi uma risadinha que foi entrecortada por um gemido assim que toquei sua ereção.
Os gemidos de Zayn eram como música aos meus ouvidos. E assim que o gemido arrastou, e pus de pé e sentei em seu colo, o colocando em mim de primeira. O pegando de surpresa.
Meu corpo foi abraçado e assim que nos recuperamos do primeiro ato brusco, Zayn iniciou os movimentos. Lentamente. Meus dedos se embrenharam em seus cabelos e eu os puxei quando senti Zayn morder um dos meus seios.
Meus olhos se reviraram e Zayn murmurou alto.

Desci meus lábios para seu pescoço deixando alguns beijos e mordidas o local. Eu suspirei mais alto e Zayn chamou meu nome. Faltava tão pouco para eu atingir meu limite. 

Minhas pernas falharam quando eu senti o formigamento abaixo da minha barriga. Desci e subi mais uma vez em seu colo e Zayn gemeu longamente e eu tremi gozando junto a Zayn.
O abracei ainda o sentindo dentro de mim; Zayn beijava meu pescoço e ombro calmamente. Meu peito subia e desci por conta da respiração acelerada, fazendo com que eu sentisse o corpo de Zayn junto ao meu.
- Você, definitivamente, não é mal de cama. – Falei suspirando em seguida. Zayn rio meio bobo.
Me retirou de si e levantou indo ao banheiro; eu fui em seguida e depois de um banho rápido me deitei ao lado de Zayn.
- Eu te amo. – Falei ao deitar em seu peito.
- Eu também te amo e ainda quero me casar com você! – Zayn beijou topo da minha cabeça e dormimos abraçadinhos.

Status || 🤗🍃✌💬

- O segredo é deixar a música mais alta que os nossos pensamentos 🎧💭🚫
- Quando você começa a não se importar, as coisas começam a ficar mais fáceis 💭👌🏻☘
- Bateu uma saudade, uma louca vontade de amar você, se eu pedir cê volta pro meu coração? Pelo amor de Deus, não me diga não ♫❤🙏🏻☘
- Sou apaixonada por sorrisos, sorrisos me encantam, pessoas que sorriem com os olhos então nem se fala..😍❤😁
- Mas né, o tempo passa e a gente cresce, e percebemos que o tempo de criança era e sempre será a melhor fase 🍃☯🔆⚓
- Certas coisas não se planejam, só acontece 🙈💭❤
- Ignore, supere, esqueça. Mas jamais pense em desistir de você por causa de alguém 😉👊🏻💭
- Às vezes você não pode explicar o que viu em uma pessoa. É simplesmente a maneira que a pessoa te faz se sentir e que ninguém mais consegue ❤☘👣
- Se Deus mandou essa tempestade, ele sabe que seu barco é forte o bastante para não naufragar 😉🙏🏻☘💭
- São tão poucas as pessoas que nos fazem bem. E quando encontramos alguém assim, queremos ao nosso lado o tempo todo ❤✨👣☘
- ‘Mas o amor faz isso; ele nos transforma. Felizes são aqueles que conseguem melhorar seus defeitos para fazerem algo dar certo 💖☘
- Apenas segui em frente. Primeiro, porque nenhum amor deve ser mendigado. Segundo, porque todo amor deve ser recíproco. ❤♎🌸💭
- Quando você gosta de uma flor, você a arranca. Quando você ama uma flor, você a rega todos os dias. Quem entende isso, entende a vida 🌸💕👣
- O que nasceu pra ser seu, nada toma, nem o tempo, nem ninguém 😉🍃✨👣
- Perdoa os meus dramas, as palavras que não disse, os sentimentos que não demonstrei, o meu humor variável e os meus defeitos exagerados. 🌸💭👣
- E eu esperando você perceber que quando eu falo de amor, eu falo de você. 💕
- Criar cenas antes de acontecer, prazer eu 🤦🏻‍♀✋🏻💭
- Quem buscar o amor vai encontrar a saudade no meio do caminho❤👣💭
- Cansei desse quase amor 🙄💔👌🏻
- Eu sei, nunca fiz diferença na sua vida, só que eu gostei tanto de você que não quis ir embora 😔👊🏻👣
- Quem me dera voltar no tempo e mudar meia duzia de palavras, faria toda diferença hoje 🍃⌛😶
- Todo mundo quer sinceridade, mas nem todo mundo aguenta ouvir a verdade 🙄👊🏻💭

O excesso de pensamentos me silencia.


Flash 01: Eu estava sentada num ponto de ônibus, mas eu não estava esperando o ônibus, eu ficava olhando como se estivesse espionando algo ou alguém, eu fazia isso através de uma fresta do painel do ponto.

Flash 02: Foi então que me deslumbrei com uma porta vermelha, tinha uns 3 metros de altura, eu não sabia onde eu estava ou o que tinha atrás da porta.

Flash 03: Então comecei a observar ao redor e percebi que ao lado da porta existia uma loja de colchões, fiquei sem entender nada, pois a loja tinha um “ar” de contemporâneo e a porta ao lado era clássica.   

Flash 04: Então resolvi entrar na casa ao lado, chegando lá eu me escondi num quarto, pois alguém estava entrando na casa, me escondi em baixo da cama, foi quando me dei conta que eu estava num quarto de alguma adolescente, pois não era um quarto infantil e nem adulto, mas a cama era extremamente baixa, eu sou pequenina e mesmo assim me senti sufocada em baixo daquela cama.  

Flash 05: Foi então que entrou uma garota no quarto, de certa forma eu sabia que era ela filha única, mas o quarto era para duas pessoas, parecia quarto de duas irmãs. 

Flash 06: Era estranho pois eu olhava aquela adolescente e enxergava uma criança, mas ao mesmo tempo eu olhava uma criança e enxergava uma adolescente. 

Flash 07: Sabe eu não gosto quando o vento do ventilador fica de frente para o meu rosto e para me dar nos nervos aquela pessoa ligou o ventilador e o vento batia direto no meu rosto, me incomodou tanto que eu resolvi sair debaixo da cama.

Flash 08: A dona do quarto não pareceu tão surpresa com a minha presença, ela tinha um olhar confuso, parecia me conhecer e buscava em sua mente a minha imagem. 

Flash 09: Eu olhei pela janela e percebi que eu estava na casa de um parente distante, me lembrei de uma garota que morava ali e que no passado havia saltado do alto de um prédio e assim finalizando a sua trajetória.   

Flash 10: A adolescente estava curiosa para saber o que eu estava fazendo em sua casa e naquele momento eu tinha a resposta.

Flash 11: Eu falei que eu estava observando o vizinho e que eu não sabia como eu tinha entrado na casa, mas eu sabia que eu estava ali para observar.

Flash 12: Naquele momento eu percebi que eu tinha que ir embora, então assim eu fiz.

Flash 13: Ao sair na rua passei por duas casas e virei a esquerda atravessei a rua e comecei a correr, eu sentia que tinha que fugir e ao mesmo tempo eu buscava algo.

Flash 14: Atravessei uma rua com muita lama, mas não sujei meus pés.

Flash 15: Foi então que eu encontrei um rosto conhecido e outro desconhecido.

Flash 16: Ambos estavam numa loja de calçados, as vezes um deles parecia trabalhar ali, mas ao mesmo tempo não parecia ser um funcionário, isso me confundiu.

Flash 17: Ah como eu sei disso?

Flash 18: Eu estava do outro lado da rua observando. 

Flash 19: Ambos os rapazes pareciam estar querendo comprar alguns tênis, um branco com verde fluorescente e outro branco e laranja.

Flash 20: Eu não entendia o motivo pelo qual eu ficava ali observando todos os passos dessas pessoas.

Flash 21: Então do nada eu encontrei com um amigo.

Flash 22: Então comecei a caminhar ao lado dele, começou a anoitecer.

Flash 23: A noite chegou a estrada tinha pouca iluminação e a estrada era de barro e dessa vez eu sujei meus pés e meu amigo também.

Flash 24: Foi então que meu amigo sugeriu seguir a caminhada de Uber, pois nossos pés estavam sujos.

Flash 25: Eu aceitei, só que quando o Uber chegou já havia 3 passageiros mais o motorista, ou seja havia somente um lugar.

Flash 26: Corremos desesperadamente tentando fugir da lama e eu consegui entrar no carro.

Flash 27: Quando entrei eu só reconheci dois rostos.

Flash 28: O primeiro que vi foi o do rapaz que mais cedo eu observava e o segundo era o motorista.

Flash 29: O motorista era o meu amigo que caminhava comigo na lama.

Flash 30: Fiquei confusa, pois eu abri a porta e pude olhar que meu amigo que caminhava comigo ainda corria atrás do carro, ele estava desesperado e muito sujo.

Flash 31: Eu fiquei em pânico, sem entender, pois ele estava correndo eu deixei a porta aberta e olhava pra trás dando-lhe a mão.

Flash 32: Depois o motorista me falou que não tinha como ajudar o meu amigo, mas era estranho pois era ele quem corria e era ele quem dirigia.

Flash 33: Eu não desisti em momento algum, olhava desesperadamente.

Flash 34: Parecia uma eternidade.

Flash 35: Escureceu mais e mais. Meu amigo continuava a correr e eu olhava com tanta tristeza. 



Então eu acordei, busquei pelo relógio, era 3:30 da madrugada, a hora morta e ainda sem entender o sonho, levantei saboreei um BK com uma batata velha. E aproximadamente as 6h adormeci, mas tive que levantar às 8:30.Agora são 3:20 da madrugada a hora mais barulhenta do dia, horário que todas as coisas resolvem me mostrar o seu som. Mas olha eu não acredito que sonhos são divinos ou que são revelações, eu acho o que sonho é uma mistura das vivências mais recentes, sabe tudo que foi vivido, então sempre depois de um sonho intenso eu começo a refletir o que aconteceu nos dias anteriores, então vamos lá.



Flash 01: […]sentada num ponto de ônibus[…], Na tarde anterior daquela noite eu estava num ponto de ônibus, mas dessa vez esperando um ônibus eu não estava sozinha, eu estava acompanhada do meu querido amigo, uma criança de 9 anos e para passar o tempo nós ficávamos observando os carros através de um buraquinho no painel do ponto.

Flash 02: […]porta vermelha[…] No domingo eu fui ao mercado e no caminho encontrei uma casa linda era branca e rosa, com uma cascata de flores no muro e ali escondida estava uma pequena porta de madeira, era da cor branca sem muita vida, então naquele momento imaginei aquela porta vermelha e nossa, como amei, pensei naquela porta pintada de vermelha o dia inteiro.

Flash 03: […] loja de colchões, […] Naquela noite passei em frente a uma loja de colchões e me lembrei que há umas semanas eu havia entregue um currículo naquela loja, mas não fui convocada para uma entrevista, também lembrei de uma velha amiga que trabalhava numa loja de colchões e de como ela se orgulhava, eu escutei ela contar diversas vezes como eu deveria escolher um colchão confortável.

Flash 04: […] me escondi em baixo da cama […] As vezes eu caio da cama, quando a mesma não está próxima a parede e onde eu durmo a cama é extremamente alta, todos os dias antes de dormir fico com medo de cair da cama. […] me escondi em baixo da cama[…] Quando eu era criança eu me escondia em baixo da cama e as vezes após o banho eu ia para a copa e ficava ao lado da geladeira e fazia xixi na roupa, mas essa é uma história para outra ocasião.

Flash 05: […] eu sabia que era ela filha única, […] Naquela noite eu encontrei com uma garota que eu costumava conversar, ela é filha única na casa onde mora.

Flash 06: […] olhava aquela adolescente e enxergava uma criança, […] Ela era uma criança quando a conheci, hoje é adolescente, mas nunca me pareceu tão criança, digo no sentido de ser esperta e extremamente inteligente, mas ontem eu vi uma adolescente, mas eu ainda enxergava uma criança.

Flash 07: […] ventilador fica de frente para o meu rosto […] Quando a vi não me lembrei de imediato, pois ventava muito e o cabelo cobria seu rosto parecendo incomodar.

Flash 08: […] buscava em sua mente a minha imagem. […] Enquanto eu caminhava eu sorria, pois eu havia acabado de escutar uma piada muito ruim, daquelas que damos risadas e esquecemos, então sem querer cumprimentei com um sorrido que já estava ali, foi então que ocorreu um lapso de memória de ambas as partes. […] não pareceu tão surpresa […] Em questão de segundos todos os envolvidos retomaram a memória, ambas as partes não se surpreenderam, todos continuaram a sua caminhada.  

Flash 09: […] parente distante, […] Nos últimos dias refleti quão distantes estão as pessoas.

Flash 10: […] estava curiosa […] Isso aconteceu junto ao Flash 08, mas em momentos diferentes, foi o espanto e o lapso de memória, […] naquele momento eu tinha a resposta. […] Quando nos damos conta de quem éramos.

Flash 11: […] estava observando o vizinho […] Eu andei observando por muito tempo.

Flash 12: […] percebi que eu tinha que ir embora, […] Recentemente li uma matéria nesses blogs sem fontes confiáveis, que nos mostrava os estágios da vida, não que isso seja regra, mas sabe quando estamos de bobeira na internet e aparece alguém que escreve o passo a passo de como viver ? Não é meio bobo e sim totalmente bobo.

Flash 13: […] comecei a correr, eu sentia que tinha que fugir […] Ultimamente eu tenho mudado meus caminhos, ando fugindo do cotidiano.

Flash 14: Atravessei uma rua com muita lama, mas não sujei meus pés. Na noite anterior eu tive que ir ao mercado durante a noite, resolvi pegar um atalho, quando passei por la o chão estava sujo de terra e eu de havaianas, mas fui devagar e não sujei meus pés.

Flash 15: […] encontrei um rosto conhecido e outro desconhecido. Essa semana reencontrei com uma pessoa que eu havia conhecido há um tempo e no mesmo dia conheci diversas pessoas.

Flash 16: […] loja de calçados,[..] Fui com uma amiga à uma loja de calçados e juntas ficamos um tempo generoso naquele local.

Flash 19: […] querendo comprar […] Gostamos de calçados diferentes é claro que queríamos comprar, mas não compramos.

Flash 20: […] ficava ali observando[…] Naquela noite eu me sentei na grama de um parque, olhei ao redor e me perguntei o que as pessoas irão fazer ao chegar em suas casas.

Flash 21: […] eu encontrei com um amigo […] Ontem conversei com todos os meus amigos e se for contar nos dedos das mãos sobra dedo pra dar e vender, isso me deixou contente, pois eu percebi que ainda sou seletiva e que eu não deixo qualquer um entrar no meio da minha confusão.

Flash 22: […] comecei a caminhar ao lado dele,[…] Naquela noite eu fiquei até anoitecer na rua, eu estava com um amigo.

Flash 23: […] pouca iluminação e a estrada era de barro […] No caminho tem um trecho que não é bem iluminado, mas tem várias árvores, são murtas elas tem um cheiro agradável, certa  vez por volta dos meus 10/11 anos eu estava caminhando com a minha professora e quando passamos por uma murta, ela parou e disse para eu sentir o aroma e que toda vez que eu sentisse aquele aroma era para eu lembrar o quanto a vida pode ser agradável e que ela sempre estaria ao meu lado, é claro que ela não permaneceu na minha vida fisicamente, mas é inevitável não recordar esse momento. Me desculpe acabei me desviando do assunto principal. […] e dessa vez eu sujei meus pés e meu amigo também. Na verdade eu e meu amigo passamos por uma rua que tem areia e uma calçada mal feita e ninguém se sujou.

Flash 24: […] caminhada de Uber, […] Essa parte é uma loucura, a um única coisa certa é o Uber, pois nessa semana está combinado ir pra balada de Uber kkkkkk

Flash 25: […] havia somente um lugar. Eu não sei quantas pessoas vão de Uber junto a mim, eu não conheço.

Flash 26: […] Corremos desesperadamente […] O dia foi extremamente corrido, eu tinha compromissos importantes não podia faltar em nenhum e eu tinha que seguir horários e literalmente eu corri desesperadamente.

Flash 27: […] reconheci dois rostos. Eu já falei que essa semana conheci pessoas novas e entre elas dois rostos eram familiares e um conhecido o restante era novidade.

Flash 28: […] eu observava e o segundo era o motorista. Já falei que reconheci dois rostos, um eu conhecia outro eu já tinha visto.

Flash 29: […] caminhava comigo […] Caminhar na lama é triste demais né, acontece que um desses rostos, de certa forma temos algo em comum.

Flash 30: […]  ainda corria atras do carro, […] Foi um dia de reflexão e assim eu fiz, pensei e observei muito, sem contar com os horários apertados nesse dia.

Flash 31: […] Eu fiquei em pânico,[…] Houve um momento do dia que eu fiquei super preocupada, pois eu não pude atender uma ligação e até agora não consegui  entrar em contato com a pessoa, isso contribuiu em uma parcela de desespero do dia.

Flash 32: […] não tinha como ajudar […] Me senti mal por não poder ajudar, mas eu estava de mãos atadas.

Flash 33: […] Olhava desesperadamente. Fiquei preocupada grande parte do dia, por não obter respostas.

Flash 34: […] eternidade. Sim, o dia foi longo.

Flash 35: Escureceu mais e mais. […] A noite foi longa, eu demorei bastante para poder ter esse sonho, fiquei pensando que não iria dormir essa noite.

O que vem a seguir é devaneio.

Flash 36: Foi então que eu não pude mais enxergar aquele rosto, mas ainda podia ver.

Flash 37: Enfim eu percebi que quem dirigia era o meu amigo e quem caminhava comigo era outra pessoa, mas eu não sabia quem era, não entendia quem poderia ser para que eu tivesse tanta devoção.

Flash 38: Eu percebi que eu não podia fazer nada, minha alma entristeceu quando eu pude sentir a tristeza e confusão, percebi que ele corria ainda para entrar no carro, ele queria fugir da lama, mas ali não havia espaço, por mais que eu quisesse eu não pude ajudar. 

Flash 39: Olhei para o lado e voltei a achar engraçado.

Flash 40: Pois sentado ali estava o rapaz que eu observava mais cedo. 

Flash 41: E sem entender o motivo eu ignorei tudo ao meu redor e comecei a olhar para a frente.

I’m gonna do this for botw Link

First impression: what a handsome hero

Impression now: HOLY FUCKING SHIT THIS GUY IS FUCKING BADASS AS FUCK HE IS MY HERO

Favourite moment: The part where he just FUCKING DIVES INTO A VOLCANO TO BEAT THE SHIT OUT OF BLIGHT GANON TO TAKE BACK CONTROL OF A GIANT ROBOT or any memory cutscene cause they are heartbreaking and revealing and make me sob grossly. Can I include any time he smiles in any of the games? Because that is precious

Idea for a story: Link teaches Zelda how to fight with a sword and she teaches him science and shit

Unpopular opinion: I’m not big on shipping Zelda and Link or Sidon and Link as anything other than platonic. I’ve nothing against them. Just not for me

Favourite relationship: I would say Mipha and Link but the development of how Link and Zelda interact and grow as people on their journey make me love platonic Link and Zelda

Favourite headcanon: god i can’t think of any. Anything involving Link being the badass he is

8

“I saw the prince when I was in Os Alta,” said Ekaterina. “He’s not bad looking.”
“Not bad looking?” said another voice. “He’s damnably handsome.”
Luchenko scowled. “Since when—”
“Brave in battle, smart as a whip.” Now the voice seemed to be coming from above us. Luchenko craned his neck, peering into the trees. “An excellent dancer,” said the voice. “Oh, and an even better shot.”
“Who—” Luchenko never got to finish. A blast rang out, and a tiny black hole appeared between his eyes.
I gasped. “Imposs—”
“Don’t say it,” muttered Mal.” 

Fiquei pensando em suicídio
Na maioria das vezes, era apenas um pensamento passageiro.
EU QUERO MORRER.
É algo difícil de dizer em voz alta
—  Os 13 porquês 
Se um dia você escutar “Baby I’m Yours” do Arctic Monkeys, com toda a certeza vai se lembrar do que eu estou falando. Eu estava mesmo disposto a ser daquela mulher até mesmo depois que o sol não brilhasse mais. Porque o amor fode com qualquer um, qualquer miserável. Desde os homens classes médias altas, até aos viciados em pornôs asiáticos baratos, sem nenhum tostão no bolso ou tesão nas próprias digitais, como eu. “Nada no mundo afugenta o amor, mas você é só um pervertido excêntrico” disse ela enquanto queimava minhas camisinhas e pegava a bolsa para ir embora pela sétima vez na semana. Eu nunca disse, mas acho que ela sempre soube. Eu seria dela de domingo á segunda, até quando os poetas ficassem sem rimas, nada me afugentaria, e eu estava disposto a dizer isso a ela todos os dias. Isso, se ela não tivesse jogado nossas camisinhas e o meu amor no fogo. Eu nunca disse, mas acho que ela soube.
—  Maybe, it’s a friend?
Amarelo também é uma cor triste

Minha cabeça doía de tanto chorar, foi a primeira vez que eu disse em voz alta todos os meus lamentos. A primeira vez em que minha mãe me olhou nos olhos e viu minha dor. Eu me confessei pra ela, confessei que estava cansada e que suicídio era sempre uma opção que estava em mente. Ela não entendeu minha dor, me olhou com desprezo. Me gritou coisas que eu jamais imaginaria ela gritando. Eu senti o desapontamento na voz dela como se eu fosse o erro do mundo e por um momento eu acreditei que fosse. E eu quase fui. Naquela noite eu não dormi, não rezei, só chorei. Minhas angústias pesaram e meus demônios apareceram pra rir de mim do canto escuro do quarto. Eu me matei mentalmente. E na manhã seguinte eu acordei sendo outra, pronta pra morrer outra vez.

anonymous asked:

could you maybe expand your #28 - Forgotten sentence from your nikolina fan fic? :)

#28 - Forgotten

“His name was Aleksander,” Alina murmurs one day, and Nikolai understands that she’s given him a piece of herself that no one else has ever seen.

—-

The anniversary found Alina Lantsov in the rooms that had once been the Darkling’s.

Much of the Little Palace had been destroyed when he had taken Os Alta, but this place had remained untouched. Not out of any sentimentality for the area he had once slept, she was sure, but because it was the place she had taken over.

Even when she wasn’t there, he had tried to claim her.

The Darkling might have left it as it was, but after asking Alina if she minded, Nikolai had stuck his hands into the project with the same effort and flair he did everything else. It was a library now, a place of serenity and peace, decorated in pale blue and gold.

Or at least, it was until she reached the place where a wall had once stood, set with massive doors. The quiet sound of her footsteps seemed to shatter the room, stripping the colour and the life away, rebuilding something dark from the depths of her memories. Alina stretched out a hand, fingertips trembling.

Either she would touch the handles, or brush right through them. She couldn’t decide which was worse.

Keep reading

Para meu coração basta-me teu peito,
para tua liberdade basta, minhas asas.
De onde minha boca chegará até o céu
o que estava entorpecido sobre tua alma.
É em ti a ilusão de cada dia.
Chegas como o orvalho das corolas.
Socava o horizonte com tua ausência.
Eternamente em fuga como a onda.
Eu falei que cantavas com o vento
como os pinheiros e como os mastros.
Como eles é alta e taciturna.
e entristeces de pronto, como uma viagem.
Acolhedora como um velho caminho.
Te povoam ecos e vozes nostálgicas.
Eu despertei e às vezes migraram e fugiram
os pássaros que adormeciam em tua alma.


- Pablo Neruda, no livro “Vinte poemas de amor e uma canção desesperada” - [tradução: Eric Ponty]

Quando Dois Corações se Encontra

Capítulo 198  :

 Muito antes que esperava a quinta feira chegou e logo estava sendo totalmente produzida por Mia, como se fosse uma Barbie, vestindo e tirando roupas, passando por mil penteados malucos e maquiagens mirabolantes feitas pela loira. Eram oito e meia da noite quando enfim ficou pronta, usava um vestido amarelo que Mia achou nas profundezas de seu guarda roupa junto de uma sandália dourada de salto alto, olhou— se no espelho e gostou do resultado, definitivamente Mia tinha um ótimo gosto. Estranhou quando Mia saiu do banheiro também arrumada, em um vestido preto tomara que caia que conhecia muito bem e que por um acaso era seu, uma sandália alta e os cabelos naqueles cachos perfeitos de sempre.

Lua: Onde a mocinha pensa que vai?

Mia: Acha mesmo que eu vou perder esse momento? Morena, eu espero te ver casando desde que eu te conheço!

Lua: Eu não vou me casar! – falou pela milésima vez naquela semana, já um tanto irritada.

Mia: Você me entendeu. Agora vamos ou se não vamos se atrasar. – puxou Lua do quarto, pegando sua bolsa e a da morena.

Desceram a escada e despediram— se de Cláudia, Marcela e Pablo, este que perguntou aonde elas iriam, levando um coice nada educado de Mia. Foram no carro de Mia para o hotel e no caminho foram ensaiando o que Lua iria falar para Arthur, não tendo sucesso algum em nenhum dos ensaios.

~~–~~~~

Na chegada ao Hotel os flashes caíram em cima das duas, alguns estranharam já que era um evento da Ferrari ali e Mia estava presente, mesmo sendo namorada do piloto rival. Mas, as duas já tinham quebrado tantas barreiras nesses quesitos que era como outra noticia surreal para os fãs de Formula 1.

Com a ajuda dos seguranças entraram por fim no evento e logo uma simpática garota acompanhou— as para o salão onde estava sendo o evento, no oitavo andar do hotel. Lua estava nervosa, estralava os dedos e fazia questão de não participar da conversa entre a garota do hotel e Mia.

Na porta do evento foram recebidas por outra mulher que só era sorrisos para as duas, Mia simpática como sempre elogiou a festa e quando a mulher perguntou à Lua o que achava a morena deu um sorriso e um elogio comum. A mulher deixou as duas dentro do salão e logo se retirou ainda sorridente.

Mia: Vamos procurar ele.

Lua: Ok. – abraçou o braço de Mia e a loira riu de Lua, a morena realmente estava muito nervosa. Começaram a andar pelo salão movimentado, muitas pessoas estavam presentes, homens e mulheres vestidos elegantemente, as mesas formavam um circulo em volta do pequeno palco e de um espaço vazio, uma pista de dança talvez. Alguns sorriram para Lua e ela retribuía o sorriso, ainda que estivesse tremendo dos pés a cabeça. – Mia?

Mia: Oi. – olhou para ela que parou de andar.

Lua: E se ele estiver com uma garota?

Mia: Cala a boca Lua! Deixa de ser idiota menina. – revirou os olhos e voltou a puxar Lua para andar.

Peter: Olha quem está aqui! Boa noite Lua! – chegou até ela sorridente. Lua olhou para Mia que arregalou os olhos e tentou se esconder a trás de amiga, meio sem sucesso pelo tamanho de Lua. Peter tinha sido o engenheiro com o qual Mia havia ficado uns meses atrás na noite do GP do México, onde Lua e Arthur se conheceram.

Lua: Boa noite Peter! – sorriu. – Como vai?

Peter: Vou bem.

Lua: Mia. – apontou para a amiga que estava mais vermelha que um pimentão. – Lembra dela não é? – sorriu maliciosamente para ele que começou a rir e olhou para Mia.

Peter: A namorada do Borges, claro que me lembro. – piscou para Mia que deu um sorriso sem graça e fuzilou Lua que estava as gargalhadas. – Como vai?

Mia: Muito bem.

Peter: E seu namorado? – perguntou sarcástico. Lua se calou e olhou para Mia, do mesmo jeito que odiava que falassem de Arthur a loira não era tão diferente.

Mia: Melhor ainda. – sorriu de um modo mais sarcástico do que a pergunta com segundas intenções dele.

Lua: Viu o Arthur?

Ela

Ela? Bom ela, ela pode ser taxada de dramática, exagerada e etc… Mas o problema dela era um só: Ela mesma. Ela necessitava de amor, procurava em todos os cantos, algumas vezes ela o encontrava, mas ele raramente ficava. Ela procurava tanto por amor que acaba indo a direção contraria dele. E quando finalmente o achava a estadia na vida dela era de 1, 2 semanas, depois ele se cansava da bagunça e ia embora. Pode se dizer que ela não da valor ao que tem, que a vida dela é perfeita. Mas diz aí, quem não vê defeito na própria vida? Ela tinha uma família sim, mas que não se reunia nem no natal. Tinha pais sim, que moravam juntos, mas que não se amavam. Tinha amigos sim, mas eram falsos ou, digamos assim, desencorajadores/críticos de mais para o seu sensível coração. Ela nunca soube lidar com perdas, a cada pessoa que ia, levava um pedaço dela. E os pedaços estavam acabando. Ela não se importava mais se vissem ela com o rosto inchado e os olhos vermelhos, estava pouco se lixando para as reclamações, estava cansada de todos. Ela não se sentia bem em lugar algum, ela havia chegado ao limite. O máximo. Aguentou até onde pode, e não. Ela não era fraca, uma hora todo mundo cansa. As vozes em sua cabeça estavam mais altas. Os dias estavam mais longos. As pessoas cada vez mais irritantes. Em um tarde de fevereiro ela se sentou na janela e uma voz em sua mente disse “vá”. Ela foi?

- Ela sou eu.

entre uma dose e outra que recuso me pergunto por que parece doer 70 vezes mais em mim do que em quem não tem um prato de comida nem uma cama limpa para apaziguar a mente conturbada. me pergunto por que pesa tanto essas cargas que nem volumosas são. 

nesse bar que há de fechar daqui a pouco, tento afogar minha tristeza nesse copo de cerveja quente intacto. 

enquanto tento imaginar os corpos que tu toca e gosta.

enquanto tento imaginar onde estaríamos se a minha vontade de estar contigo fosse recíproca. 

enquanto os carros passam em alta velocidade e não se importam com minhas lágrimas.

enquanto o dono do bar me olha com tanta comoção que me sinto atravessado por um lamaçal de compaixão.

enquanto a cerveja esquenta mais e mais e eu a recuso mais e mais e você me esquece mais e mais, e mais e mais eu sinto sua falta e dói. mais e mais. 

e eu aceito tudo. a dor, a cerveja quente, o olhar de compaixão do dono do bar, a sua distância, a saudade, a verdade. eu aceito tudo e sei por que dói 70 vezes mais em mim do que em quem é atingido por uma dor 70 vezes mais forte:

porque a dor é meu vício, e degusto cada pedaço dela como se fosse a minha última companhia. porque é.