orquestra-imperial

Era Bom
Orquestra Imperial
Era Bom

Era Bom
Orquestra Imperial

(Wilson Das Neves / Max Sette)

Era bom quando você chegava
Era bom quando você saía
As histórias que você contava
As canções que eu te refazia

Era bom pintar aquele sexo
consumir nossa energia
viajando pelos 7 cantos
descobrindo a filosofia

Era bom ficar daí calado
pra senti a nossa harmonia
era bom aquele seu abraço
que tava no tom

A vida já não mais andava
foi longe e eu nem previa
não era como era antes
já rolava uma nostalgia.

Não quero mais esse seu barco
do jeito que a coisa ia.
Melhor migrar prum outro canto
E rever a minha profecia.

A firma já tava quebrada
O clima não fortalecia
O samba tava em três por quatro
não era o que me fazia

Agora não é como antes
E hoje o amanhã não sei
É bom ficar desimportante
Pra alguém que eu já encantei

Era bom
Ai, como era bom!

youtube

EU BEBO SIM com Orquestra Imperial.

Música de João do Violão, interpretada pela Orquestra Imperial em noite de festa (com Rodrigo Amarante, Thalma de Freitas e Nina Becker como crooners).

06/06/2012, Circo Voador.

youtube

Orquestra Imperial, “Devagar com a louça”

A Imperial é uma das mais representativas orquestras de gafieira da nova geração. Samba, choro, rock, bolero - seu reportório é um convite em alto e bom para a dança de salão.

O coletivo, formado em 2002, surgiu a partir de uma história curiosa. Três amigos músicos descobriram por acaso, numa feira de antiguidades, um caderno com o título “Orquestra Imperial do Maestro Célio Varanda”. A orquestra não existia, o maestro ninguém tinha ouvido falar, mas dentro do caderno, havia muitos arranjos de sambas e boleros escritos à mão.

O achado deu a partida em um projeto que já passava pela cabeça de grandes músicos da cena carioca: reunir todo mundo em um só grupo pra tocar e se divertir nas horas vagas. Com o tempo, Rodrigo Amarante (do grupo Los Hermanos), Pedro Sá (guitarrista de Caetano Veloso), o baterista Wilson das Neves (veterano compositor da Império Serrano e parceiro de Chico Buarque) e as cantoras Thalma de Freitas e Nina Becker se juntaram à orquestra , que possui hoje mais de15 integrantes.

De vez em quando, esse pessoal recebe convidados, como Motta, Marcelo Camelo, Fernanda Abreu e outros. Elza Soares também foi chamada pra fazer o que ela faz como ninguém. Aqui ela é reverenciada por Thalma de Freitas, que canta “Devagar com a louça”, de Luiz Reis e Haroldo Barbosa. A gravação original está no LP “O máximo do samba”, lançado por Elza em 1967.

O registro em vídeo é de junho de 2011, quando a Orquestra Imperial comemorou seu 9 anos de existência e apresentou o seu “10° Baile dos Namorados”. O arrasta-pé foi no Circo Voador, na Lapa, reduto de shows antológicos da MPB e de bailes de salão, como as antigas “Domingueiras Voadoras”. Ao lado de Thalma, estão Nina Becker, de back vocal, e uma jovem sedutora que, pra quem quiser dançar, vale o conselho: “vai devagar, devagar…”