orquen2

Diz que odeia Cine, mas sabe cantar o refrão de "Garota Radical". Diz que odeia Restart, mas sabe cantar o refrão de "Levo Comigo". Diz que odeia Manu Gavassi, mas sabe cantar o refrão de "Garoto Errado". Diz que odeia Justin Bieber, mas sabe cantar o refrão de "Baby". Diz que odeia Fresno, mas sabe cantar o refrão de "Alguém Que Te Faz Sorrir". Diz que odeia Nx Zero, mas sabe cantar o refrão de "Cedo ou Tarde". Diz que odeia Lady Gaga, mas sabe cantar o refrão de "Poker Face". Diz que odeia Claudia Leitte, mas sabe cantar o refrão de "Famosa". Então me responde agora, por que é que tu sabe cantar? Tu sabe cantar, porque eles fazem SUCESSO, todos os que citei e mais um monte que são julgados por estilo, por roupa, por cabelo, por voz, por TUDO.. E se fazem sucesso, não chegaram ao topo por qualquer motivo e sim porque milhões de pessoas os admiram, então meus queridos que julgam, chamam de lixo, de nojo, de o que for, pensem bem e se coloquem ao lado deles e vejam quem pode mais e antes de qualquer coisa, conheçam suas HISTÓRIAS DE VIDA, de perdas, tombos e ganhos, para depois dizerem se merecem ou não tal reconhecimento. E por fim, o preconceituoso irá acabar de ler isso e aposto que dirá "musica ruim gruda na cabeça", gruda sim, mas gruda de tanto TU OUVIR, aí relembramos o que mesmo? SUCESSO.

Tá vendo os caras da foto? Então, se tu não conhece, eles são a Fresno -sim aquela banda que todos julgavam os emos viadinhos de alguns anos atrás-, acho que todos aqui tem um ídolo, aquele cara -ou mulher- que quando tu ouve cantar te acalma, por mais que seja rock ou hard rock, samba, pagode, sertanejo, forró, funk, eletrônica, QUALQUER ESTILO, cada um aqui tem uma preferência e todos dariam tudo pra ir em um show desse cara. Pois bem, esse cara pra mim é o Lucas, o vocalista da banda, eu não demonstro muito não mas pra mim esse cara é o mais foda do mundo, não por ser meu ídolo, mas sim por ser quem ele é, pela humildade, pela sinceridade, pelo caráter, pela pessoa Lucas em si. Eu me orgulho ao extremo de ser fã dele, do Vavo, do Bell, do Tavares, sim esse mesmo que saiu da banda, do Mario, por tudo que eles representam pra mim. O Lucas é a pessoa mais forte que eu “conheço”. Ele já levou muito tombo na vida, ele formou uma banda no colegial com os caras e ao longo da carreira, mais de 10 anos, ele viu aquela banda se desfazer, ele viu as pessoas saindo do lado dele, saindo da formação do sonho dele, pessoas como o Cuper… Ele viu o Tavares chegando junto com Bell e agora, a poucos dias viu mais um pedaço indo embora quando o Tavares decidiu sair da banda, eu sei que ele não demonstrou mas os fãs sentiram a dor dele. Ele já foi julgado, taxado, e é até hoje, as pessoas ainda dizem que a banda dele é um lixo, e mesmo depois de mais de 10 anos de banda foi vaiado em um show com a banda, foram vaiados quando faziam a abertura de um show internacional no Brasil, e quando vaiaram ao invés de xingarem e abaixarem a cabeça pro mundo, ele apenas agradeceu e disse que opinião é opinião. Falando em opinião, essa é a pessoa que eu acho que tem menos medo no mundo de expor suas opiniões, ele pensa, ele fala, mas como realmente um mestre ele usa como arma as palavras, e palavras bem ditas, bem escritas, bem cantadas. Ele não usa da agressão física, tão pouco da verbal mas ele derruba qualquer um no chão e o deixa deitado quando com imensa sabedoria diz as verdades que o ser humano merece ouvir. Ta entendendo por que esse cara é meu ídolo? (…) Como fã o meu sonho é ver esses caras, dessa banda, sempre bem. Ver eles sorrindo, felizes, ver eles fazendo o que gostam e sempre bem consigo mesmos. Na verdade eu acho que é sonho de todo fã poder estar feliz pelo seu ídolo, por ver ele feliz… Eu queria acabar isso aqui falando pra vocês que tem um ídolo, que acham que nunca chegarão nem perto, pra vocês que lutam por eles mas acham que nunca terão nada em troca, saibam que eles fazem musicas por vocês, talvez isso não valha muito coisa aos olhos gananciosos dos humanos, mas se aquela voz te acalma, se aquela voz por muitas vezes te faz prosseguir, te lembra que a musica é tudo e o mais precioso que eles podem te oferecer. Não corra atrás de uma foto ou de um autógrafo, de camisetas, cd’s, objetos dele ou que lembrem ele, tudo isso se desfaz, corra atrás de um abraço, de um show e ouça as musicas com o coração e não apenas com os ouvidos. (Carolina, suicidi0-mental)

Eu quero atenção, porém afasto as pessoas. Motivo? Querer que elas me procurem, fingindo que eu sou importante, porém isso não acontece, eu brigo por besteira, pioro tudo e fim da história.
2

- Ei Zé, não dá assim mais não. Ta desmoronando sabe Zé? Ta muito complicado, ta doendo, mas é uma dor diferente das outras. É uma dor de coração, que não dói na pele, mas o meu corpo reage do mesmo jeito eu sinto calafrios, as lágrimas escorrem e também me passam pelo corpo arrepios. Que coisa estranha né? (…) Zé, eu vou cometer um suicídio… É do… Não, calma Zé, por favor, não, calma, me escuta, deixa eu acabar, para Zé, senta aí e acaba de me ouvir, não chama ninguém não, eu não to louca. ESCUTA JOSÉ E ME DEIXA ACABAR! Eu vou sim cometer um suicídio, um suicídio da alma, da mente, do coração… Quem sabe assim eu sofra menos, pense menos, ame menos. Queria eu parar de pensar sabe? Toda hora isso, essa sequência maldita que me prende toda noite antes de dormir Zé, sempre é: querer, pensar, relembrar, amar e não ter. “Não ter” essa frase me persegue viu, é ela que faz eu sentir tudo aquilo que eu disse no início da conversa Zé (…) Outro dia eu tava vendo uns casais no parque e eles estavam tão felizes sabe? Eles se amavam, se beijavam, eles se respeitavam e eu só me perguntava quando a minha hora iria chegar, e eu ainda pergunto isso pra mim mesma, mas percebi que meu psicólogo não pode ser meu coração, tão menos minha mente… eles me mentem muito, o santinhos pra me iludirem, irônico né Zé? Irônico como eu mesma deveria me amar mais, e me amo tão menos assim, porque sempre caio nas mesmas ciladas, que imã de falsos amores que eu sou, santa burrice. Enfim, tu ta me ouvindo ainda? Zé, você dormiu. Me abandonou, mas sonha Zé, sonha porque é bom sonhar, o ruim é quando os pesadelos são na vida real. Boa noite Zé.

suicidi0-mental

(suicidi0-mental)

- Segura minha mão?

- Pra que?

- Segura.

(ele pega as duas mãos dela e coloca nas dele)

- Pronto.

- Obrigada.

- Por nada.

(ela sorri pra ele)

- Isso me acalma.

- Pegar a mão de alguém?

- Não, estar perto de ti.

(ele sorri e olha nos olhos dela)

- Também fico calmo perto de ti.

- Fica pra sempre?

- Sempre e mais uns dias, melhores amigos são como irmãos, não é mesmo? Então por mais que nos separemos eu continuarei te amando e querendo te proteger do mal do mundo.

- É sim, sempre seremos assim.

“ela virou a cabeça pra baixo e sorriu, foi o sorriso mais lindo que eu vi, eu amava aquele sorriso, eu sempre amei, mas pra ela eu era apenas o melhor amigo, eu não tinha o direito de estragar a unica proteção que ela tinha, dizendo que a amava, mas ela era linda e era a dona do meu coração, poderiam se passar dez meses, dez anos, dez vidas (ela não gostava de números impares) mas eu sabia que sempre seria ela, me abraçando e beliscando, rindo e chorando, gritando e sussurrando, falando de maquiagem e de futebol, ganhando e perdendo, eu sempre seria dela e de mais ninguém mas só pudi abraçar ela e dizer:”

- Eu te amo.

“eu abaixei a cabeça e sorri, eu não conseguia olhar nos olhos dele, mas eu queria dizer que os olhos dele eram os mais lindos, eu amava aqueles olhos, eu sempre amei, mas pra ele eu era apenas a melhor amiga, eu não tinha o direito de estragar a unica proteção que ele podia oferecer, dizendo que o amava, mas ele era lindo e o dono do meu coração, poderiam se passar onze meses, onze anos, onze vidas (ele não gosta de números pares) mas eu sabia que sempre seria ele, gostando dos meus abraços e reclamando dos meus beliscões, me fazendo rir e me ouvindo chorar, tapando os ouvidos pros meus gritos e se aproximando pros meus sussurros, me ouvindo falar de maquiagem e implicando com meu futebol mal narrado, me deixando ganhar e me fazendo perder, eu sempre seira dele e de mais ninguém, mas só senti ele me abraçar e dizer: "eu te amo” eu então respondi:“

- Eu te amo mais.

2

Onde estiver saiba que eu sempre estarei aqui mesmo que o tempo te levar. Tive que aceitar, mas me perco sem você. Tive que continuar, mas não vivo sem você. Essa me faz lembrar de tudo que passamos (…) Volta sinto tanto sua falta, nos meus braços eu guardo, teus abraços só pra te esperar.  
                                          Gloria

Minha infância: Fingir que lápis de cor era cigarro. Colocar refrigerante ou água com latinha de cerveja. Beijar a palma da mão fingindo que beijava alguém. Se auto abraçar no canto da parede fazendo de conta que era um namorado. Ir em festinhas e dançar músicas da Xuxa. Jogar bola no meio da rua e me sentir muito importante quando minha mãe me deixava na rua brincando até anoitecer. Ficar jogando nintendo até de madrugada (...) Seilá acho que minha infância realmente foi ótima.
2

- Olá. 
- Oi.
- Tudo bem? 
- Tudo e com você?
- Tudo. Você gosta de mentiras?
- Não, por que a pergunta?
- Porque você acaba de me mentir. 
- Isso não vêm ao caso, não lhe importa se estou bem ou não.
- Sim, me importa e você não sabe o quanto.
- Você nem me conhece, o que pensa que está falando?
- Todas são iguais, meninas são inseguras, até as mais determinadas acabam por desmoronar.
- Você realmente acha que me conhece? 
- Creio demais nisso.
- Pois bem, acerte minha banda preferida. Quero ver. (ela sorri ironicamente)
- Eu nunca soube sua banda preferida, você nunca foi muito decidida, horas mais rockeira outras mais romântica. 

Ela se assusta e abaixa a cabeça. Logo a reergue e continua com um sorriso irônico no rosto.

- Realmente minhas botas pretas acompanhadas da camiseta do Metallica fazem algum sentindo, não é mesmo? 
- Bela camiseta por sinal, presente? 
- Me diga você, quem sabe tudo aqui é você, não é mesmo? 
- Ah sim, é, foi um presente. 

Ela fica em silêncio. Então ele continua:

- Você sofreu um acidente, não é mesmo? 
- Sim. 
- E ele foi grave. 
- Sim. Por favor pare, está me assustando.
- Hey calma, a cicatriz na sua testa. 

Ele aponta com um dos dedos e em seguida a toca. Toca com o mais delicado dos toques. Desce seu dedo por suas bochechas e logo para em seu queixo, respira fundo e a solta. Ela sente o coração acelerar e logo se afasta dizendo:

- Será que poderia me dar licença, eu preciso acabar o meu café. 
- Claro, só por favor, não se esqueça de que você gosta com duas colheres de açúcar. 

Ele se levanta e saí em direção a porta, ela corre por dentre as cadeiras e o segura pela mão. 

- ESPERE! Como você sabe isso? 
- Como eu lhe disse, meninas são muito previsíveis.
- NÃO, NÃO! Você está mentindo, eu sinto, eu não gosto de mentiras. 
- É apenas uma contra volta, você me mentiu no começo e eu estou lhe mentindo agora.
- Você não tem esse direito, me diga. Como soube isso tudo?
- Ok, podemos nos sentar naquela praça ali em frente? 

Ele aponta para uma praça onde haviam alguns bancos e um chafariz. Ela olha o lugar e afirma com a cabeça saindo pela porta, ele então fica parado, ela se vira e diz:

- Está esperando o que? Ande logo.
- Estou esperando até você parar em frente a sinaleira e chamar pelo meu nome.
- Eu não faria isso, isso é estúpido.
- Ok, vá em frente então, eu a esperarei atravessar e depois irei.
- Você possui sérios problemas…
- Mentais. É eu sei. 

Ela o olho novamente com certa incredulidade nos olhos, tentando saber como ele acabara a frase sem mesmo ela terminar.  Ela se vira e vai em direção a rua, quando chega em frente a sinaleira para, sente algo a impedir de atravessar, pensa na bobagem que esta lhe ocorrendo e tenta caminhar, suas pernas param e ela se vira com a cabeça baixa, olha para o estranho desconhecido na porta do café, alguns metros longe e o chama com um aceno. Só isso lhe ocorria em mente, que ela precisava dele para atravessar aquela sinaleira, era a primeira vez que ela estava naquele lugar, não entendia porque do medo, apenas precisava dele. Ele se aproxima e  a segura pelas mãos e puxando-a contra seu lado direito do corpo e então atravessam a rua. Ela chega do outro lado e o larga, com medo, receio, anda direto ao primeiro banco e se senta com ele ao lado, ela se arma com mil perguntas quando o olha, ele a olhava vidrado, com um meio sorriso de amor, de dor. Ela esquece tudo que queria perguntar, sente sua mente embaralhar e num súbito instante acha já o conhecer. Em meio a seus devaneios ela ouve ele falar:

- Como foi atravessar a rua?
- Senti medo, não sei.
- Você sempre sentiu.
- Mas foi só ali, isso é infantil, eu não entendo, eu sou mulher eu deveria saber atravessa-la sem você.
- Você sente medo apenas daquela esquina, de nenhuma outra. 
- Mas como? Por quê? Eu não estou entendendo nada mais.
- Calme. Eu vou lhe explicar, mas antes me deixe perguntar. Você se lembra de mim? 
- Não, sim. Não, talvez, eu não sei. 

O pequeno sorriso em seus lábios se fecham e ela quase implora por não ter dito aquilo e ter mentido mais uma vez, lhe dizendo que o conhecia.

- Como eu esperava.
- Como assim? 
- Eles disseram que isso aconteceria… Eu não acreditei. Eu não esperei.
- Eles? Quem? Você está me deixando confusa, por favor pare.
- Me desculpe, não se agite, sua cabeça vai doer. 
- Já está doendo… mas, como você sabe? De novo, toda hora? Por favor me explique.
- Vou explicar. 
- Ande. 
- Quando você mente, pisca os olhos. Quando lhe perguntei se estava bem, você piscou os olhos quando me respondeu “tudo”. Sobre a sua banda preferida, as vezes Metallica, outras é Engenheiros do Hawaii. Sobre a  camiseta, foi um presente que seu ex namorado trouxe de NY, que por acaso eu não gosto, porém você fica linda com ela. Realça seus olhos verdes… isso bochechas rosadas, sempre quando te elogiam você fica assim. As duas colheres de açúcar sempre foram uma briga particular nossa, você odeia café doce e eu amo café doce, todas as noites antes de dormir você insistia em tomar café, que por acaso te deixava acordada mais alguns minutos me enchendo o saco na cama. 

Ele sorri com os olhos baixo. Ela então pergunta:

- E a praça? 
- Pensei que perguntaria da sinaleira primeiro. Nunca previsível com as questões.
- Primeiro a praça.
- Essa praça foi onde eu pedi você em namoro. 

Ela se espanta.

- Como assim? Eu namoro você? 
- Namorava. 
- Não namoro mais?
- Você perdeu a memória.

Ele fala as ultimas palavras com a cabeça baixa, com uma lagrima escorrendo por seu olho. 

- Eu o quê? Não, eu lembro de todos, como perdi a memória, impossível.
- Sim, você lembra de todos, menos de mim. Eu te visitei no dia em que você acordou e você perguntou se eu era um médico… Eu sai do seu quarto afirmando que sim. 
- Como eu perdi a memória?
- A sinaleira.
- Como assim?
- Aquela sinaleira foi onde você sofreu seu acidente.
- Mas fazem dois anos já. E como eu chamei por você? Como eu precisei de você pra atravessar eu não entendo.
- No dia em que você acordou eu estive no hospital e você não me reconheceu, como eu ja lhe disse. Eu não sabia como lidar com a falta que você me fazia, não sabia como te esquecer e todos os dias eu ligava para sua mãe para saber como você estava, a sua família sempre nos apoiou e quando você não se lembrou de mim, eles me ajudaram, me deram noticias sempre. Alguns presentes que sua mãe lhe entregava, era eu que os mandava. 
- E por que você não se aproximou de mim?
- Eu não conseguiria não te contar a verdade. E eu não sabia qual seria a sua reação. Foi complicado achar uma saída, até que sua mãe me deu a ideia… Sabe aquele palhaço que todo dia atravessa a rua com você? Aquele que toda manhã te pega na porta do café com uma rosa na mão e lhe leva até o outro lado? Aquele sou eu, eu sou o idiota que toda manhã te faz sorrir. E eu acho lindo o seu sorriso, é por ele que eu mudei de emprego, pra encaixar meu horário com o seu café da manhã, pra poder ao menos te tocar uma vez ao dia. E lhe confesso que domingo é uma tortura não poder te ver, pois bem eu lhe contei tudo garota. Agora preciso ir trabalhar, te vejo amanhã na sinaleira? 

Ela sorri e acena com a cabeça, ele se levanta para sair quando de repente ela pega sua mão e diz: 

- Hey, eu tomava o café toda noite pra poder te ver adormecer, se eu não o toma-se você dormiria depois de mim, e o seu sorriso quando adormece é lindo.

Ele a pega pelos braços e então sorri dizendo:

- Você lembrou amor, você se lembrou meu amor.

(suicidi0-mental)

Eu prometi a mim mesma que iria te esquecer, e é isso que estou tentando fazer, na verdade é tudo o que eu mais quero, estou usando todas as minhas forças para isso, por mais doloroso que esteja sendo. Mas isso é agoniante… como esquecer aquele que lhe dava forças? Se era ele quem me dava motivos a continuar, meu sorriso era ele, se eu estava verdadeiramente feliz era por causa dele, minha vida se resumia a ele […] Sim isso é meio clichê mas é como se ele fizesse parte de mim, então quando ele me deixou, perdi parte de mim, a melhor parte de mim se foi, levando minhas expectativas, meu sorriso, meu sono. As minhas noites nunca mais foram as mesmas sem seus sms de “te amo” que mesmo sendo um te amo falso, era o que me fazia bem, e me fez muito bem. Mas a culpa foi minha em acreditar em ti, como não percebi que suas promessas a todo tempo foram falsas? Mas aconteceu tudo muito rápido, eu me entreguei rápido demais e fui deixada rápido demais. Eu não me arrependo dos caminhos que trilhei, dos sonhos que planejei, mas se pudesse voltar atrás não teria ter me deixado levar com as primeiras palavras que surgiram aos meus olhos. Eu daria uma mão para te esquecer e um braço pra te ter de volta, mas dessa vez sem mentiras e traições, traições das palavras, promessas quebradas, eu daria muita coisa pra te amar novamente, pois sinceramente hoje tu não me és mais um amor e sim uma droga da qual não consigo desviciar, essa droga que não me deixa dormir, não me deixa sonhar, não me deixa respirar com as palavras que me engasgam e os choros que me sufocam. Preciso esquecer, preciso desprender. Quase imploro um novo amor, mesmo sabendo que irei sofrer lá na frente, mas para ao menos ter alguns meses de sossego nesse presente que não me deixa viver. Junto as mãos em prece toda noite pedindo uma solução ao anjos, mas no fundo tenho plena consciência de que depende apenas de mim sofrer ou me reerguer.

(feelings-never-told) e (suicidi0-mental)

- Olá moça, precisa de algo?

- Talvez sim.

- Será que posso ajuda-la então?

- Talvez não.

- Talvezes? 

- Sim, muitos.

- Intensidade.

- Não possuo isso.

- Mas muito, é intensidade.

- Assim como nada, também é intensidade.

- Não, nada é falta de intensidade.

- Então o frio, seria falta de calor?

- Exatamente, assim como a dor seria falta de amor.

- Discordo. Amar demais também causa dor.

- Sim, mas só te causa dor por falta de amor próprio.

(suicidi0-mental)

- Oi.

- Olá. 

- Por que tu está aqui sozinha?

- O silêncio me agrada.

- Certeza?

- Absoluta. 

- Hm, respostas curtas.

- Como lhe disse antes, o silêncio me agrada.

- Quer que me retire?

- Seria apenas mais um.

- Não te entendi. Explique por favor.

- Se retirar, sair de perto de mim porque peço silêncio.

- Mas pelo que me compreende, quando pedimos silêncio, devemos ficar sozinhos, certo?

- Não, pelo contrário, quando queremos isso precisamos de companhia, aquela companhia que ouve teu silêncio, entende teus gestos, enxerga teus olhares melhores do que tuas palavras e frases complexas.

(ele fica em silêncio)

(ela sorri)

- Acho que aprendi. 

- Acredite, está se saindo muito bem! 

(poucos risos)

6

“Pra quem não sabe, a Restart não é so uma banda pra gente, é um sonhoSonho que eu, Pedrinho, Koba e Thomas compartilhamos a MUITO tempo e que a cerca de dois meses vem aos poucos se concretizando… a cada dia que entramos no myspace, orkut, fotolog e vemos o carinho das pessoas e que de alguma forma a nossa música consegue afetar mais do que os ouvidos, chega no coração, seja fazendo as pessoas dançarem, ‘mexerem as cabeças’ ou fazendo parte seja como for da vida de alguem,  temos vontade de continuar fazendo MAIS. Cada carinha sorridente nos shows, foto tirada, elogios e críticas depois da apresentação… cada abraço e beijo que recebemos…tudo isso faz a gente querer trabalhar mais, e hoje eu sinto (falando claro em nome de todos) que o nosso sonho, deixou de ser so nosso… passou a ser de cada um que todo dia ouve nossas musicas, que todo dia deixa um recado dizendo que passou a banda pro amigo ouvir, que sempre que pode esta nos shows, nao importa onde eles sejam… o sonho, aquele nosso sonho de muleque, graças a voces esta se tornando cada vez mais lindo… força galera, temos a exata consciência do que somos hj e sabemos muito bem onde, com a ajuda total de voces, podemos chegar… por isso, fica aqui nesse singelo post um MUITO OBRIGADO, e um beijao ou um abraço pra CADA um que vem apoiando a gente nesses 2 meses e que acredita o quão longe tudo isso pode parar… Aguardem,que estamos trabalhando MUITO pra vocês se divertirem, sorrirem, dançarem, pularem e curtirem CADA VEZ MAIS COM A GENTE!”  Eu, Pe Lu, e toda Restart, AMAMOS VOCES!
Shake Your Head! ;**  

(Pedro Lucas - 02/10/08)

Tudo bem então, vou te dizer o que eu quero. Eu quero abraço no frio, beijo na chuva, pé quente pra esquentar o meu gelado nas cobertas. Quero cinema no meu -ou no seu- sofá, porém bem agarradinhos. Quero beijo de manhã, passeio de mãos dadas a tarde, video-game a tardinha e pizza de noite. Quero almoço de sábado na casa da sua mãe e domingo na casa da minha mãe. Quero te dar tapas e levar mordidas na bochecha, apertar sua barriga e você escabelar o meu cabelo. Quero um beijo roubado, um abraço apertado. Quero você chegando na minha casa de surpresa e dizendo que me ama. Quero você me ver chegando no seu portão e sorrindo pra mim. Eu quero você, junto comigo.

(silêncio)

- Eu estou morta

- Não, tu está viva, olha pra ti, teu corpo está intacto.

- Por fora apenas…

- Como?

- Por dentro, estou morta.

- Quem te matou por dentro?

- Não foi quem e sim o que.

- Então explique-me, o que te matou?

- Meus sentimentos. 

(silêncio)