onegirlrevolution

  Não sei se é a minha mente ou o horário de verão, mas é que tudo está tão mais tranquilo, mais bonito, mais calmo ultimamente. Talvez seja porque estou me desapegando de você, aprendendo a seguir sem olhar para trás… Ou mesmo porque estou começando novamente com outro cara.

  Bem, ele não sabe disso ainda, mas acho que dessa vez as coisas podem dar certo. Pelo menos eu sempre soube o tipo de cara que ele é, aquele cara que não pensa muito em besteiras, tem paciência para me explicar as matérias da escola, me abraça no meio do pátio com todo mundo olhando - ele não está nem aí para a opinião dos outros -, me puxa no meio do corredor das salas só para me dar um “oi” tímido, dar uma piscadela com um sorriso super fofo e entrar na sala.

  Com você foi bem diferente, sabe? Eu nem sabia o seu nome, olhei para você por um segundo e tudo mudou. Começou de repente, mas está se arrastando para terminar. Eu só fui descobrir quem você é de verdade esse ano, um ano depois de você ter virado o meu mundo de cabeça para baixo. Mulherengo demais, só pensa em besteiras, não está nem aí para os estudos nem para quem realmente se importa com você.

  Então, só escrevi essas poucas palavras para lhe dizer que, finalmente!, estou deixando tudo aquilo - todo aquele turbilhão que me envolveu há mais de seiscentos dias, palavras escondidas nas entrelinhas, frases deixadas pela metade, conversas entreouvidas, gestos entendidos erroneamente, olhares ocasionais e ilusórios trocados… - para trás. Afinal, como eu mesma digo, quem vive de passado é museu, certo?

(OneGirlRevolution - Tati Neves)