oitentaeumanosdepois

6

16. Novembro. 2076. 


Oitenta e um anos depois…. 

Eu estava novamente no hospital, era uma correria ali. Muitas pessoas, e muitas doenças. Mas eu gostava, gostava de ajudar, gostava de ver pessoas sorrindo. Eu gostava de curar as pessoas. 

- Emma! - minha supervisora falou - vá no quarto da senhora Clara, ajuste o soro, e dê os remédios dela. 

- Tudo bem - falei pegando a prancheta em que estavam as informações da Clara - 

Clara era uma velhinha simpática, tinha oitenta e um anos. Era simplesmente apaixonada por Crepúsculo, que era um filme antigo, mas muito bom. Eu já havia assistido algumas partes dos filmes com ela, mas não tudo, não poderia parar meu trabalho de enfermeira e sentar para assistir filmes.

- Bom dia! - falei sorridente entrando no quarto - 

- Bom dia Nessie - falou ela fechando o livro de Crepúsculo - 

- Lendo Crepúsculo de novo? - perguntei enquanto andava para ajustar o seu soro -

- Esse é amanhecer, Nessie, Amanhecer. - respondeu ela - como vai? 

- Bem, e a senhora?

- Sou uma vampira, melhor impossível. - ela riu - 

Ela tinha longos cabelos brancos e cacheados. Sua pele era pálida, parecia que não tomava sol a anos, e certamente não tomava mesmo. Faziam mais de dois anos que ela estava ali. Olhos castanhos escuros, tão escuros que pareciam pretos. Tinha uma tatuagem no pulso escrito “Plus Que Ma Prope Vie”. Ela disse que tinha feito em 2020, quando conheceu o Leonardo. 

- Como consegue? - perguntei sentando na beirada da cama dela - 

- Como eu consigo o quê? - perguntou ela com um sorriso no rosto - 

- Ler tantas e tantas vezes o mesmo livro e ficar sempre com um sorriso no rosto, com o olho brilhando? 

- Eu não sei - ela deu e ombros - acho que é o meu amor. 

- Não consigo ler mais de uma vez o mesmo livro - falei fazendo algumas anotações -

- Você já leu Crepúsculo? - ela perguntou erguendo uma sobrancelha -

- Não - respondi sorrindo - 

- Vá no meu armário, na segunda gaveta.

Eu levantei, deixei a prancheta em cima de uma mesa que havia no quarto e fui ao seu armário. 

Quando abri haviam alguns livros velhos, e revistas. Manchetes estranhas “Robsten é real!” ou “O trio perfeito!” ou “Pra que príncipe quando se tem o lobo mau?”. Ignorei as coisas estranhas do armário dela e abri a segunda gaveta. Havia uma caixa. 

- Pegue essa caixa - falou ela ao ouvir a gaveta ranger - 

Eu levei a caixa até ela. 

- Obrigada - falou ela pegando a caixa de minha mão - 

- De nada - falei sentando-me novamente na cama - 

Ela abriu a caixa e em seguida seus olhos se encheram de lágrimas.

- Dona Clara, tudo bem? - perguntei preocupara - está sentindo algo? Alguma dor? 

- Venha aqui - ela enxugou as lágrimas -

A caixa tinha uma foto grande, com a dona Clara e mais três pessoas. Um homem loiro, com o cabelo cor de mel, alto e atraente, um homem um pouco mais baixo que o outro, mas muito forte e moreno e uma linda jovem, pálida como a lua, com cabelos castanhos e muito linda. E entre ela e o homem mais forte estava a Dona clara, com um sorriso lindo no no rosto. Com os olhos cheios de lágrimas. 

- Quem são? - perguntei -

- Robert Pattinson, Kristen Stewart e Taylor Lautner, os protagonistas dos filmes da saga. 

Quando ela falou isso tive uma lembrança de tê-los visto em algum filme que vi com a dona Clara.

- Era o meu sonho - falou ela - 

- Você realizou. 

- Sim, o melhor dia da minha vida… Mas não é isso que quero te dar. 

- Me dar? 

Ela não respondeu.

Estava tirando várias fotos de dentro da caixa. 

- Isso - falou ela me dando um livro velho de Crepúsculo - 

A capa estava amarela, a mão, que certamente seria branca, estava com um pouco de poeira. 

- Pra mim? - perguntei -

- Sim… 

Eu peguei o livro e o folheei. Abri em uma página que tinha escrito:

— Quem é o garoto de cabelo ruivo? — perguntei. Eu o espiei pelo canto do olho e ele ainda estava me encarando, mas não aparvalhado como os outros alunos. Tinha uma expressão meio frustrada. Olhei para baixo novamente.

— É o Edward. Ele é lindo, é claro, mas não perca seu tempo. Ele não namora. Ao que parece, nenhuma das meninas daqui é bonita o bastante para ele. — Ela fungou, um caso claro de dor-de-cotovelo. Eu me perguntei quando é que ele a tinha rejeitado.

Mordi o lábio para esconder meu sorriso. Depois olhei para ele de novo. Seu rosto estava virado para o outro lado, mas achei que sua bochecha parecia erguida, como se ele também estivesse sorrindo.

Parecia interessante. 

- Quando você terminar de ler, você vai ter a resposta para a sua pergunta.

 - Quando eu terminar de ler… Então descobrirei o porque de todas as vezes seus olhos brilham.

- Sim. - ela respondeu sorrindo - 

- Prometo que vou ler. - falei - agora tenho que ir.

- Bom trabalho, querida - respondeu ela - 

Ela deu um sorriso largo, eu peguei a caixa dela e coloquei novamente no seu armário. Ela voltou a ler Amanhecer. Sem olhar para trás peguei minha prancheta e fui andando lentamente até a porta.

- Até depois que meu coração parar de bater - sussurrou ela tão baixo que me surpreendi em ter ouvido - 

Logo após ela falar ‘bater’ eu ouvi o monitor de batimentos cardíacos que estava ligado a ela disparar. Virei-me rapidamente, e deixei a prancheta e o livro caírem. 

Clara estava sorrindo, com o livro de Amanhecer encostado ao peito e uma lágrima escorria do seu olho esquerdo. Parecia estar dormindo, parecia ter ido dormir chorando, mas também ter ido dormir chorando de felicidade.

E então ali eu entendi o porquê de ela amar tanto aquela saga. Ali eu entendi que o amor que ela sentia pela saga era maior do que tudo, maior que a morte. Por isso que seus olhos brilhavam toda vez que a Bella via o Edward, toda vez que a Renesmee nascia, toda vez que a eternidade começava… Porque o amor que ela sentia era maior do que a morte, porque ela amaria a saga até depois que o seu coração parar de bater. Afinal de contas… Ela era uma vampira. 

 

Clara Chaves (via ComecoDaEternidade

 

Gif pego da inernet, então dou os créditos ao dono.