obteve

Você precisa descansar… Nem tudo que queremos condiz com o que realmente precisamos. Você já parou para pensar quantas coisas você quis, obteve e depois largou rapidamente? Porque não lhe era necessário.
—  Jhonatan Stuartt.
2

- 17.02.14 - ESP - En el artículo dicen que Kyuhyun, para la semana del 6 al 12 de Febrero, exitosamente rompió el récord de ser el artista extranjero que más rápido logra la primera posición en el chart semanal de Oricon con 22,000 álbumes vendidos. De todos los álbumes que SuJu ha lanzado en Japón (incluye al grupo y subgrupos), es también la primera vez que un álbum Japonés de un miembro de SuJu logra la primera posición. -

- 17.02.14 - PT - No artigo dizem que Kyuhyun, na semana de 6 a 12 de fevereiro, obteve exito e quebrou o recorde de ser o artista  estrangeiro que subiu rapidamente para a primeira posição do chart semanal da Oricon com 22,000 cópias vendidas. De todos os álbuns do SuJu que foram lançados no Japão (inclusive os de grupo e de subgrupos), é também a primeira vez em que o álbum Japonês de um membro do SuJu alcança a primeira posição - 

Eng Trans: kyuju32810
Español: IAASJS

Ditados Populares?

1° - Quem espera sempre alcança.

Hebreus 6:15 -  E assim, depois de esperar com paciência, obteve Abraão a promessa.

Daniel 12:12 - Feliz é aquele que espera.

2° - Fazer o bem sem olhar a quem.

Provérbios 3:27 - Não deixe de fazer o bem a quem é de direito, estando no teu poder ajudar. 

2 Tessalonicenses 3:13 - Não se cansem de fazer o bem. 

3° - Quem tem telhado de vidro, não atire pedra no vizinho.

João 8:7 -  Como eles insistissem, ergueu-se e disse-lhes: Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra.

Mateus 7:5 - “Você diria: ‘Amigo, deixe-me ajudar você a tirar esse cisco do seu olho’, quando você mesmo nem pode enxergar, com uma tábua em seu próprio olho?”

4° Boca fechada não entra mosquito. - Quem muito fala, muito erra.

Provérbios 13:3 - Quem muito fala destrói a si mesmo.

Provérbios 10:19 -  No muito falar não faltará pecado, mas o que modera os seus lábios é prudentíssimo.

5° Passarinho que acompanha morcego dorme de cabeça pra baixo.

Provérbios 13:20 - Quem anda com sábios se tornará sábio, Mas quem se junta com tolos acabará mal.

1 Coríntios 15:33 - Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes. 

6° O apressado come cru.

Provérbios 19:2 - Agir sem pensar não é bom; quem se apressa erra o caminho. 

Provérbios 21:5 -  Os planos bem elaborados levam à fartura; mas o apressado sempre acaba na miséria.

7° A mentira tem perna curta.

Provérbios 19:5 -  A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras não sairá livre.

Mateus 10:26 -  Portanto, não tenham medo deles. Não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido.

8° Águas passadas não movem moinhos.

Jó 11:16 - Pois então você se esquecerá da sua desgraça, Você se lembrará dela como se fossem águas passadas.

Isaías 43:18-19 - Não relembrei coisas passadas, não olheis para fatos antigos. Eis que eu farei coisas novas, e que já estão surgindo.

9°   Errar é humano, perdoar é divino.

Gálatas 5:13 -  Porém vocês, irmãos, foram chamados para serem livres. Mas não deixem que esse liberdade se torne uma desculpa para permitir que a natureza humana domine.

Mateus 6:12 - Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

10°   Nada como um dia depois do outro.

2 Coríntios 5:17 - Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! 

Filipenses 4:6 - Não andem ansiosos por nada, orem sobre tudo. Falem para Deus o que vocês precisam e agradeçam a ele por tudo que ele tem feito.

Queria mostrar apenas que a sabedoria não é popular, e sim divina.

Salmos 19.7 - O conhecimento da palavra de Deus é onde a sabedoria começa a crescer em você. 

Tiago 1:5 - Se falta sabedoria a algum de vocês, persistam em pedir a Deus, pois ele dará em abundância.

Você orou por uma direção não obteve resposta? Deus respondeu sim. Ele disse a você para continuar no rumo em que está e não fazer nada. “Aquietai-vos” disse Deus ao povo que devia ficar onde estava antes de o mar se abrir.
Eu avisei que eu era problema.Disse que eu era muito ciumenta, e possessiva, que ao entrar na minha vida, é como entrar em um poço vazio, e mesmo assim se afogar. É foda! A verdade é que, toda a sua birra resulta em nada, porque você sabia que eu era mancada, mesmo assim quis experimentar, provou, viciou, e não sabe viver sem. Nem adianta me culpa pelas suas decepções sobre mim, não fiz nada de errado você obteve o produto, leu a bula, ainda quis experimentar. Em fim, avisei que eu era um problema!
—  Naiara Régis - Um problema.
VIDAS CRUZADAS

Capítulo 96: Saudade!!!!

~-~~~~

 Já fazia três meses que elas viajaram e não davam noticias, Arthur estava desesperado, logo que ela foi embora ele foi até o jornal que havia publicado sobre a gravidez de Marcela e tentara conseguir que desmentissem, não obteve sucesso, por isso não lhe restou outra saída a não ser a justiça e até que por fim obteve o resultado esperado. Conseguira uma retratação pública e ainda de quebra comprou o jornal.


Flashback

_Não quero saber de conversinhas, eu quero que desminta toda essa imundice entendeu? Arthur bateu na mesa de sua sala de reunião.

_ Senhor Aguiar… O editor do Jornal se calou diante o olhar furioso do Arthur.

_ Eu não quero saber, como será feito, eu não quero que fique para amanhã e muito menos que seja inferior a noticia anterior. Fui claro?

_ Sim muito claro.

_ Então o que está esperando?

_ Se não deseja mais nada senhor Aguiar.

_ Lógico que desejo.

Arthur caminhou até a outra sala e pegou sobre sua mesa de trabalho uma fotografia dele e Lua em Las Vegas e voltando a sala anterior entregou a fotografia ao editor.

_ Essa é a verdadeira senhora Aguiar, Lua minha esposa e que está grávida.

O editor olhou a fotografia em sua mão e tremeu ao pegá-la, quando Arthur sustentou-a por alguns minutos fazendo ele levantar a vista e encará-lo.

_ Quero a noticia em uma página inteira, fui claro?

_ Cuidarei pessoalmente de tudo e lhe mandarei um exemplar. E quanto ao jornalista que fez aquela “reportagem”, o que o senhor deseja fazer?

_ Eu quero que ele se retrate publicamente, desmentido tudo isso, melhor , ele é que vai assinar a matéria.

_ E quem ficará a frente do Jornal já que o senhor é o novo proprietário, já escolheu alguém?

_ Isso verei depois, será decisão de minha esposa o Jornal será um presente para ela, por enquanto você continuará a frente até que ela decida o que fazer.

_ Então se não precisa mais de minha presença aqui, qualquer coisa que precisar é só entra em contato e assim que estiver pronto lhe envio um exemplar.

_ Pode ir agora._ o editor do jornal saiu de cabeça baixa da sala de Arthur.

_Lua, minha Lua, como sinto sua falta.

 

Fim do Flashback

Mica bateu na porta de Arthur tirando-o de suas lembranças.

_ Atrapalho?

_ Não Mica, entre_ Arthur observou o semblante aflito de seu irmão. _ Alguma novidade?

_ Na verdade tinha esperanças de você me dizer alguma.

_ Pois estamos na mesma,_ Arthur largou um documento que deveria estar analisando sobre a mesa e se levantou preparando duas doses de uísque puro entregando uma a seu irmão. _ Por mais que eu tente mamãe não fala nada.

Mica ingeriu sua bebida de uma única vez e deixou sua cabeça pender sobre o encosto da cadeira fechando os olhos.

_ Esses foram os piores meses da minha vida, sem saber por onde Ana anda sem saber se está bem…

_ Nem me fale, todas as vezes que meu celular toca penso no pior, desde que foi publicada a noticia sobre a gravidez de Lua.

_ Você deveria ter pensando melhor mano.

_ Eu não pensei que poderia expô-la, só queria desmentir aquele jornaleco!

_Marcela ligou novamente?

_Não, somente no dia da publicação, mas não atendi.

Apos a retratação fosse publicada e revelado que a esposa de Arthur Aguiar, Lua Aguiar estava grávida o telefone dele não parava de tocar, Marcela havia passado uma semana ligando e sendo ignorada, depois disso ela sumiu.

_ O que você resolveu sobre o Jornal?_ perguntou Mica. _ Enfim você comprou mesmo?

_ Sim, o dono já estava querendo se desfazer e depois de todo esse processo, seus filhos não queriam levar adiante, então quando fiz a oferta ele aceitou.

_ E agora o que pretende fazer, vai deixar de advogar?

_ Não mano, o Jornal será um presente para Luinha, espero que ela aprove o que fiz.

_ Quando será que elas voltam? E se…

_ Ainda não sabemos, mas conversarei com a mamãe, tenho certeza que ela sabe onde elas estão e não quer nos contar, tentarei novamente, não aguento mais ficar sem noticia de Lua.

_ Eu sinto que vou surtar a qualquer momento Arthur, ficar em casa tudo me lembra Ana, tentei ligar pra ela, o celular está desligado, o de Mel e Lua também, não consegui.

_ Também estou tentando. Estou preocupado, tenho medo que essa louca tente algo contra Lua.

_ Mas você conseguiu falar com ela uma vez.

_ Rápido e pelo celular da mamãe.

_ Eu nem assim consegui falar com Ana. _ Mica respirou fundo. _ Você tem visto Chay?

_ Não, ele não atende mais as ligações, não sai de casa, porque acha que Melanie vai voltar a qualquer momento e quer estar presente quando ela chegar.

_ E você Arthur, ainda na casa de nossos pais?

_ Não quero ir para o apartamento sem Lua.

_Ficou pronto seu apartamento.

_ Não vou pra lá sem ela Mica, não consigo ficar lá, tudo ali foi programado por ela e mamãe.

_ Entendo.

O telefone tocou chamando a atenção dos dois, a secretaria avisou que o cliente que Mica aguardava acabara de chegar, ele se despediu e foi para sua sala deixando seu irmão mais uma vez entregue a seus pensamentos.

❝ i'll pick you a flower if you'd like. ❜ —  ⌜kosgia⌟

@hermanx

         Pétalas de flores anunciavam a chegada de Argus, mostrando a alegria de sua filha ao atirá-las ao chão em todo lugar que iam, saltitando e sorrindo. Argus poderia apenas pedir desculpas mentalmente aos funcionários da equipe de limpeza, exibindo seu melhor sorriso simpático aos indivíduos com quem cruzavam, como se nada de incomum estivesse acontecendo, como se não existisse uma criança hiper agitada cantando Defying Gravity acompanhando-o. Ao chegar defronte o prédio do refeitório, delicadamente inclinou-se e pegou a menina no colo, quase não conseguindo fazê-lo a tempo. ❝ — Não jogue isso lá dentro, sim? É anti-higiênico e rude. E seu pai te educou bem, não educou? ❞ Obteve um aceno de cabeça positivo e julgou ser resposta suficiente, aproximando-se da estrutura, sem precisar de maior espera para que a porta deslizasse sobre os trilhos e os salvasse do frio congelante do lado externo. Procurou a mesa mais próxima de uma lareira, acabando por encontrá-la vazia devido os poucos locais ocupados no refeitório. Completamente indiferente quanto à decoração, apesar de preferir as mesas com poucos lugares às tradicionais, guiou Melina até os assentos vagos. ❝ — Me dê seu casaco antes de se sentar, querida. Você é uma dama, antes de tudo. ❞

         Enquanto arranjava um lugar para a peça de roupa no espaldar da cadeira, percebeu Melina sair em disparada. Levantou os olhos com tempo suficiente para reconhecer a figura que ela desejava atingir, reconhecendo, com alguma parcela de horror pela última conversa que tiveram, os olhos celestes. Durante o tempo em que o historiador era atingido por um par de calafrios na espinha e engolia em seco, Melina continuou sua singular trajetória, anunciando a própria chegada com um gritinho. Logo depois, encontrou as pernas do psicólogo da academia com violência, envolvendo-as em um abraço que mal conseguia fechar. Ainda assim, o manteve cativo, incapaz de continuar caminhando sem chutar a criança para longe ou coisa assim. Argus suspirou, apressando-se em seguir a filha e livrar Alejandro da prisão imposta pelos pequeninos braços. ❝ — Solte o pobre homem, Mel, que coisa mais bruta. ❞ Repreendeu, colocando uma das mãos no bolso. Para sua sorte, o humor da menina não mostrava agressividade, considerando que a mesma acatou sua ordem quase que imediatamente, soltando os membros imobilizados. Apenas então Argus se dirigiu ao outro, não se preocupando em fingir a mínima vergonha. ❝ — Boa tarde, Borgia, e me desculpe. Ela acordou agitada hoje… Talvez seja a atmosfera diferente, não sei. Melina costuma lidar um pouco bem demais com mudanças. ❞ 

         Um suspiro foi ouvido antes de Melina voltar ao assunto, interrompendo os adultos sem cerimônia. ❝ — Faz tanto tempo desde a última vez! Eu nunca vi o Doutor fora da sala dele. Deve ser uma sala muito boa mesmo, provavelmente melhor que a sua, pai. Ah, e eu tenho um presente para você, Doutor! ❞ A pequena anunciou, claramente animada pela forma com a qual passou a pular no mesmo lugar. Dúvida contorceu as feições do arqueólogo, não sabendo ao que a menina se referia, mas temendo algo inconveniente. Da cesta que levava presa a um dos pulsos, a garotinha retirou uma coroa de flores dentre as pétalas. ❝ — Era para o meu pai, mas o senhor é mais bonito que ele. Sem ofensas, pai, você ainda está muito bem para sua idade. 50 anos com esse físico? Não é para qualquer um… ❞  Melina assegurou, temendo que Argus pudesse tomar aquilo como ofensa. O mais velho se limitou a crispar os lábios. ❝ — Ainda assim, seus olhos combinam mais com as cores! Poderia colocá-la, huh? Por favorzinho?❞  Na ponta dos pés, Melina estendeu os braços com a coroa de flores em mão, como se fosse uma oferenda a uma divindade. E tudo aconteceu tão rápido que a única reação de Argus foi segurar o riso, por mais descortês que a ação pudesse soar.

Como Camila e Lauren são iguais, mas diferentes

Vamos começar com o básico. 

O fato de que ambas são Cubanas. (Bem, Camila é Cubana/Mexicana) e são de Miami.

Diferentes no fato de que uma foi para a escola pública e a outra para uma escola privada na qual, obteve uma bolsa de estudos para uma das escolas mais caras de Miami. 

Ok, isso é o suficiente. Vamos realmente começar agora.

  • Iguais: Ambas são inteligentes!

“Ela (Lauren) tira notas de A (10 a 9) e B (8 a 7).”

“Você já tirou notas boas na escola?

Educação tem sido muito importante pra mim desde que eu era pequena, por que tipo, a razão pelo qual eu me mudei de Cuba foi para ter uma boa educação e fazer um futuro melhor para mim e ter uma bolsa de estudos para uma boa universidade então claro (…) Mas eu acho que educação é super importante.”

  • Diferentes: Sobre a escola

“Entrevistadora: Você sente falta de toda aquela coisa da escola?

Camila: Não, escola era terrível!

Lauren: Eu sinto! (Falta)”

  • Iguais: No gosto musical

“Música preferida que você nunca se cansa?

Stars do The XX.

SIM!”

  • Diferentes: Lauren dança assim…

E a Camila dança…

MAS IGUAIS: Elas podem dançar desse jeito:

  • Diferentes: Elas gostam de zombar das meninas, muitas vezes juntas.
  • Diferentes: Meias!

“Você usa meias quando você dorme? Por favor Lauren, essa é uma pergunta importante!

Não! Eu odeio meias!”

“Você dorme com meias?

Eu não consigo dormir sem meias, me dá ansiedade”

“Camila: Eu amo meias e sandálias”

  • Iguais: As duas sobre terem Simon como um mentor

“Lauren e Camila: Ele arrasa!”

  • Diferentes: O tanto de slime que elas levaram
  • Iguais: Elas gostam de high five… Especialmente uma com a outra.
  • Diferentes: Seus gostos alimentares

“Lauren: É difícil, mas vale a pena. Porque, tipo, no fim do dia, você se sentirá melhor.

Camila: Às vezes”

“Lauren: Tipo, se você me presenteasse com um cérebro de macaco, eu iria provar porque eu nunca provei um cérebro de macaco na minha vida e eu não sei se é bom ou não.

Camila: Eu não me recuso a comer nada… Mas tipo, eu não apenas não comeria ovas de peixe e cérebro de macaco.”

“Você gosta de cheetos? Isso é uma pergunta séria.

Apenas o extra crocante”

“Você gosta de cheetos?

Eu gosto dos inchadinhos mas os sequinhos me irritam”

  • Iguais: Comendo “secretamente” durante uma entrevista
  • Diferentes: Comportamento em red carpet

“Lauren: Pare!”

  • Iguais: Comportamento em shows
  • Diferentes: Quando Normani diz que Fifth Harmony namora umas as outras

“Camila: É isso! Agora você sabe”

  • Iguais: É melhor nós não falarmos sobre isso…
External image
  • Diferentes: Vergonha

“Camila: Eu não tenho vergonha.

Lauren: Eu tenho”

  • Iguais: Elas amam livros!

“Ler o livro ou ver o filme?

Lauren e Camila: Ler o livro!”

  • Diferentes: Como elas passam suas férias
  • Iguais: Elas gostam de ajudar com problemas no microfone
  • Iguais: Elas gostam de encarar

Me dê licença enquanto eu deito sobre o chão duro e frio.

Eu não tinha mais solução, então você mesmo criou seus cálculos e me reinventou numa equação sigilosa. Você obteve meus resultados e os guardou sob os seus cuidados. Você decifrou cada vértice da minha personalidade. Sou o x que você tomou posse, mesmo sem saber o meu valor. Agora sou y e todo o alfabeto numérico.  

Você me encontrou no ápice da minha desistência. 

E eu sempre me perco, só para você me encontrar de novo. 

Thomas desceu do carro, adentrando a casa de Sam. Seu horário de trabalho estava começando, mas definitivamente não era algo que o incomodava. Ele estava adorando trabalhar ali. Por isso, logo entrou de uma vez, subindo para o quarto dela. Sabia que naquela hora do dia apenas Sam e os funcionários ficavam ali. Ele bateu na porta do quarto, e como não obteve resposta, abriu a porta, não a encontrando ali. Ele sorriu de lado: sabia exatamente onde ela estaria. Desceu as escadas, indo para a sala de computadores, onde ela costumava trabalhar. E mais uma vez, ele bateu na porta

Se tem um assunto que me dói retratar é a morte de Jesus Cristo. Não houve um sofrimento maior do que esse que Ele enfrentou. Sofrimento tanto físico quanto psicológico. Jesus não foi machucado só fisicamente, mas também emocionalmente. Zombaram dEle, insultaram Ele, riram dEle. Jesus sofreu uma humilhação absurda calado. Tento imaginar a onda de pensamentos que permeavam a sua mente naquele momento. Sofrimento esse inimaginável para nós. Onde não seria possível descrever com palavras. Onde nenhum filme é capaz de retratar. Onde seu rosto e o seu corpo foram completamente flagelados. Como o ser humano pode ser capaz de tamanha crueldade? Ainda mais se tratando de Jesus. A força que Ele obteve para poder suportar tamanha dor foi o amor que Ele sente por mim e por você. Onde cada minuto tornava-se mais insuportável do que o outro. Em meio a tamanha tortura, acredito que Jesus tentou manter os seus pensamentos firmes em nós. Porque assim, se o pensamento de desistir surgisse, o seu amor não permitiria. A natureza humana de Jesus só queria fugir, sair dali. E essa angústia começou no Getsêmani. Foram cenas chocantes e angustiantes para quem assistia. O tempo nunca fora tão longo. E sabe o que é mais gritante nessa história toda? Em meio a tanto sangue derramado, em meio ao seu corpo completamente machucado, Jesus ainda encontrou forças para orar em favor dos que o maltratavam naquele momento, uma oração com grito de dor: “Pai, perdoa-os.” Não consigo entender. Meu coração fica apertado só de imaginar uma coisa assim. Uma mansidão em meio a tanta selvageria. O pouco que eu hoje conheço sobre a pessoa de Jesus faz eu ter a maior certeza da minha vida. Do início ao fim, Jesus foi, de longe, o ser humano mais extraordinário que já existiu.
—  Jéssica Nayara.
Hiding

Existem dias em que eu canso de sonhar. Eu não sei ao exato se é cansaço, apenas respiro fundo e choro como um bebê. Ponho minhas armas no chão e me sinto mais do que só. Você já obteve a sensação de que a sua alma precisava ser retirada, lavada ou trocada? Não sou forte, tão pouco calma e tolerante,os olhos ao meu redor creem que eu sou assim, mas eu não sou , tudo isso que eu faço é com muito esforço! Eu sou aquela que seria a primeira à levantar a voz. Eu me importo com o menor inseto que passe por mim,e talvez essa seja a minha salvação, pois assim se eu não me importasse tanto talvez eu desistisse de tentar ser boa, de controlar toda a minha raiva e rancor. Tenho receio de pronunciar a palavra ‘raiva’, mas eu não posso negar que é o que me consome na maior parte dos dias.

Lisbela

A gaveta foi retirada,
carregada de tantos
entretantos.

Foi levada para fora
da janela meio torta
à luz do meio-dia,
no quarto andar.

Sorrateiramente
aquele poeta não previa.
Derramando os entretantos
da gaveta lá fora,
obteve um poder
a que se orgulhar.

Jogando poesia pra fora da janela
enchia os peitos com seus entretantos.
Fazia quem passava lá em baixo se apaixonar.

Igor,

Capítulo 26 - Take Care

Clara iria almoçar na casa de seu avô naquele domingo, depois de praticamente 3 dias trabalhando direto, daria atenção para sua família, Max e sua mãe estão lá esperando-a para o almoço. A loirinha começou achar estranho o fato da segurança ainda não estar de pé, a morena sempre acordava mais cedo e dessa vez já havia passado 3 horas a mais do que de costume na cama. “Será que ela tá me evitando por causa de ontem?” “Será que foi embora?” pensou algumas besteiras e  por volta de 11:30 decidiu bater na porta do quarto.

- Vanessa? - não obteve respostas e voltou a bater na porta – Vanessa? – depois de tentar mais uma vez resolveu entrar.

Aproximou-se da cama ao ver a morena completamente embrulhada no cobertor mesmo não estando muito frio, colocou a mão na testa suada só para confirmar o que já imaginava. 

- Droga, tá com febre.

Saiu do quarto para pegar remédio e depois de voltar sentou-se na cama para acordar a segurança sacudindo levemente seu ombro

- Ei… Vanessa, acorda… acorda.

- Huum – abriu os olhos com dificuldade – Oi…

- Vim aqui porque estranhei que você não acordava… tá com febre.

- Não to me sentindo muito bem… dormi mal. 

- Imagino, trouxe remédio, mas só tinha em gota por causa do Max… toma aqui pra baixar a febre.

- Num gosto desse remédio – choramingou ainda sem pegar a dipirona e a colher que DJ oferecia – Isso é muito ruim Clara.

- Não gosta mais vai tomar, você deve ter gripado depois de entrar no mar, por isso que dava com dor ontem e eu ainda te fiz comer gelato… enfim, toma isso ai vai.

- Ai mano … – pegou a colher e depois de tomar fez cara de nojo.

- Prontoooo! Tá sentindo mais alguma coisa?

- Meu nariz tá entupido, corpo doendo, mas pelo menos não estou com a garganta inflamada e tossindo – falo com a voz mole.

- Então tá no começo ainda. Daqui a pouco você volta a soar por causa do remédio, ai toma um banho e depois desse pra comer.  

- Tá né… – Clara sorriu ao ver a segurança emburrada,  já tinha percebido que ela não gostava de receber ordens.


Quando a morena desceu percebeu a roupa mais arrumada da DJ.

- Vamos sair? – perguntou.

- Vamos não, eu vou e você vai para casa descansar. Já …

- Clara você sabe muito bem que…

- Não me interrompa para sermões ok? – disse séria – Como eu ia dizendo, já liguei para o Vargas ele vai comigo para casa de meu avô, você está liberada e só me apareça aqui quando estiver melhor mocinha – entregou um copo de suco de laranja e um pão integral com cotagge que estava na chapa – Toma! – sorriu.

Vanessa nada disse e comeu em silêncio, que foi interrompido por uma sonora gargalhada da DJ. A segurança levantou um sobrancelha como quem diz “O que é?”

- Mano você fica muito engraçada emburrada.

- Não estou emburrada – disse tentando passar alguma veracidade.

- Não imagina – gargalhou – Aposto que é ariana !? – a morena fez que sim com a cabeça – Sabia! Mania de liderança e odeia receber ordens.

- Só não gosto quando as coisas saem do meu controle – resmungou.

Clara escutou a buzina do carro indicando que Vargas tinha chegado, pegou sua bolsa em cima da cadeira e se aproximou da segurança dando um beijo em sua bochecha.

- Tchau chatinha, melhoras, mas tarde te mando mensagem pra saber como está.

O mais tarde chegou, já a mensagem não, a segurança fico preocupada e ligou para Vargas perguntando onde estavam, foi informada que estavam em casa a horas, que Clara recebeu alguns amigos e ainda a pouco aviso que iria dormir.  “Não lembrou. Porque ela lembraria?” Suspirou e deitou na cama, com os cachorros, onde dormiu.

No outro dia aproveitou para matar a saudade dos bichos e da família, só tinha passado em casa 3 vezes rapidamente nas duas ultimas semana e curtiu ser mimada um pouco por eles. De noite já se sentia bem melhor e voltaria ao trabalho no outro dia, primeiro resolveria algumas coisas e de noite iria para casa da DJ. 

Montava um esquema para por em pratica seus planos para o dia seguinte quando viu a tela do seu celular brilhar, se assustou quando percebeu o tanto de mensagem no what’s app, estava no silencioso desde cedo e de tão concentrada no trabalho esqueceu completamente do celular. Alguns amigos e várias mensagens de Clara.

[ Hey girl ;) – 13:00]

[ Tá melhor? – 13:01]

[Quando vê responde – 22:05]

[ Vanessa? – 23:03]

[ Cadê você? – 23:26]

[ - Oi, aconteceu alguma coisa? – 23:52]

[ Eu que deveria perguntar isso né?

Sumiu haha

Melhorou?  – 23:52]

[- Tava ocupada. Melhorei, amanha de noite volto –  00: 19]

[ Você consegue ser ainda mais chata por celular ¬¬  –  00:20]

[- Haha – 00:22]

[ Que bom que melhorou :D 

tá se cuidando direitinho? tomou remédio? – 00:22]

[-Aham! – 00:25]  

[Sentiu sua falta hoje

O lounge não é tão legal sem minha parceira de conversar ao ar livre :) – 00:27]

[- Amanha voltamos a programação normal. 

Vou dormir, beijos - 00:28 ]

[Vou demorar a dormir ainda, to me arrumando para sair, hoje é dia de diversão hehe

Beijos, até amanha – 00:29]

 A troca de mensagem se tornou ligação.

 - Clara, como assim vai sair? Não tinha nada para sua agenda hoje! Como você não me avisa isso? Vai para onde? Boate? O Vargas vai junto com o Téo? – ao invés de respostas só escutou risadas.

- Tô te tirando sua trouxa – continuou rindo – isso é para você aprender a me responder direito no zap zap.

- Sem graça.

- Agora pode dormir tranquila – riu.

- Tchau… peste.

A Prova de Fogo - Capítulo 20

Susto. Definia bem a expressão do rosto de todos que estão presentes, mas principalmente de duas pessoas: Clara e Mayra. As reações foram diferentes, enquanto Clara correu para perto com as mãos fechadas e olhos dilacerantes, a May simplesmente se tomou imóvel e perplexa ao fitar os olhos dele. Coyote saiu rapidamente para perto de May, assim que reconheceu o homem ao lado de Paula.

Paula soltou a mão que a amiga segurava com toda a força e segurou a mão esquerda de Rodrigo, que hoje tem 35 anos. Thais se aproximou de Star e observou a sua conversa com a garota loira, que quase não falava mas obteve em seu sorriso um traço de felicidade.

– Star? - Thais chamou ela e Igor apareceu correndo ao encontro da prima.

– Star, eu achei aquele jogo super maneiro de ontem. Vamos pedir o tablet do papai? – Igor perguntou ignorando Thais e a garota loira.

– Os dois, para o outro salão. Agora. - Thais ordenou e Igor logo abaixou a cabeça. Saindo andando para onde Thais ordenou.

– Eu vou ficar com a Bia. Eu gosto dela. - Star falou vagarosamente, mas não foi o suficiente.

Thais a pegou nos braços e a garotinha gritou chamando pelo pai. Frações de segundos e a morena já tinha sumido da vista de todos. Bia tão quieta permaneceu com os olhos fixados no chão. Ela não falou mais nada, pois parecia que sua alegria tinha sido levada com Star. Coyote tentou sair para finalmente socar o desgraçado, mas May impediu.

– Eu gostaria que você saísse daqui. – May disse controlando o tom da voz. E viu o olhar que ele dirigiu para Paula. Um olhar de comando, seco e nada carinhoso.

– Mayra, ele é meu marido…

– EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ CASOU COM ESSE MONSTRO. - Clara intervir com fúria e gritou com a própria irmã que sentiu na pele as facadas das suas palavras.

Parecia que as palavras também rasgaram Clara por dentro. Ela está incrédula e sentia nojo da própria irmã. Paula também não acreditava que estava casada com o homem que estuprou quem ela ama. Ou amava.

– Eu o amo. - Paula desviou o olhar e somente May pôde ver que é mentira. Porém Clara, tomou-se mais incrédula e furiosa pelo o que ouviu.

Star voltou correndo e Thais gritou com ela impaciente. Coyote se alarmou pegando a filha nos braços e dizendo que é para obedecer a tia Thais.

– EU QUERO FICAR E BRINCAR COM A BIA. - Star gritou alto chamando a atenção de todos.

– Ela tem o direito de brincar com minha filha… Direito de sangue. - Rodrigo informou com um grande sorriso no rosto.

– Star é linda. Parece com você, May… Ela é tão você. Doce, meiga… - Rodrigo falou de uma forma sincera e parecia admirado com Star.

– Saía daqui. - May novamente falou e Rodrigo encontrou o olhar de Star.

– O conselho do bolo deu certo? - Perguntou ele doce e suavemente.

– Sim, o Enzo ficou muito feliz comigo. - Star respondeu contente e Thais a tirou definitivamente de lá, juntamente com Igor.

Júlia está entretida com um hearphone que Marcelo colocou nela. A menina escutava música bem alta e não fazia ideia do que está acontecendo em sua volta. Enquanto May processa a frase. O bolo. Dias atrás, com o Pardon escrito. Ela se lembrou da filha feliz pelo conselho do pai da amiga. Ele. Ele falou com a sua filha… Por quanto tempo? Sentiu desespero e ódio pulsando em suas veias. Star não, sua filha definitivamente, não.

– VOCÊ… SEU PUTO INFELIZ… O QUE QUER COM MINHA FILHA? ESPERE EU NÃO QUERO SABER NADA DE VOCÊ E MUITO MENOS O QUER AQUI. SÓ QUERO QUE SUMA DA MINHA VIDA, DESGRAÇADO. - May estourou e Coyote deu um passo a frente, indo em direção da família de Rodrigo.

– Eu já vou. Sabe o que é engraçado?- Rodrigo perguntou dando uma alta gargalhada e não esperou resposta. - Fale Bia o que é engraçado.

– Existir uma pessoa que seja o elo fraco de Mayra e de Clara. - Bia falou alto e com voz trêmula, podia-se ver a menina triste. Então quando May encontrou seu olhar a reconheceu. O meu Deus, foi tudo que pensou.

– A sua grosseria será descontada. – Ele ergueu a manga do braço de Paula que mantia a pose, mas está morrendo por dentro. Muitas marcas roxas foram mostradas. Então todos entenderam e se desesperaram por dentro.

Paula é o elo fraco. É esperto demais se for bem pensado, pois ela é irmã de Clara e foi mais do que amiga de May. Ou melhor, foi o único relacionamento que May teve com uma pessoa do mesmo sexo. Paula representa muito para as duas… Qual é a melhor maneira de ferir as duas sem tocá-las? É óbvio. Fazendo uma pessoa que amam sofrer como jamais elas sofreram na vida.

– ELA NÃO VAI COM VOCÊ… PAULA… POR FAVOR…- May tem os olhos inundados e não suporta por muito tempo, acaba desmaiando. Paula dá um passo pra frente em desespero.

– Se você a ama, é melhor deixá-la… Você sabe o porquê. - Rodrigo disse se virando e Paula pôde deixar lágrimas caírem de seus olhos, mas limpo-as rapidamente. Ela também se virou e saiu da igreja atravessaram a rua vagarosamente.

– Não vou deixar esse homem com a minha irmã. - Clara quase gritou mas era pra si mesma. Se dirigiu rapidamente para a porta.

– Marcelo, pegue o Igor… - Angela disse se sentindo nervosa.- Eu vou com a Clara.

– Não posso deixar. Eu que tenho que ir com você. - Marcelo disse friamente a mulher.

– Posso ficar com Igor se quiser… – Ray se ofereceu.

– Não. O Igor vai ficar com o pai, ele sabe muito bem como é o filho e eu não gosto de deixá-lo assim. - Angela se alterou e Marcelo concordou.

– Ray vem comigo. - Angela disse e o marido ficou mais tranquilo.

Angela e Ray atravessaram a rua e só então puderam ouvir a discussão das irmãs. A Bia foi imediatamente jogada dentro do carro e Rodrigo parecia perder a paciência.

– Porque está usando essas roupas? Nunca gostou de preto. - Clara perguntou escondendo a fúria.

– Eu não visto assim normalmente mas meu marido pediu que eu viesse assim. Então vim. - Paula respondeu docemente.

– Você vai para casa comigo… Não vou permitir que esse monstro toque em você. - Clara disse um pouco alto e Paula sentiu-se arrepiada quando Rodrigo suspirou.

– Entre. - Ele disse a esposa.

– Seu merda. Não consegue uma mulher por caráter próprio e fica estuprando ou abrigando-as a casar com você. - Clara falou ríspida e Rodrigo foi pra cima dela. O corpo de Paula atrapalhou e Clara foi protegida por Ray que tinha a mandíbula rígida.

– Você me atrapalhou… Vadia… – Rodrigo cuspiu para Paula que logo depois caiu com o soco que levou.

Elegantemente Paula se levantou e o olhou com um sorriso meigo, Bia a deu um lenço branco e ela limpou o pequeno rastro de sangue que se fez em sua boca.

– Amor, você me prometeu não tocar fisicamente nelas. É por isso que sou sua. Não estou certa? - Paula falou calma e doce.

– Você me cansou. - Ele resmungou apontando para o carro e ela assentiu, antes de entrar no carro pronunciou um “Desculpa, delinquente” para Clara e saiu dali.

Mil e uma coisas se passou na cabeça de Clara. Tinha que ter uma explicação viável para isso. Ela ainda não conseguia digerir o fato dele ter socado a sua irmã e ainda sim ela permanecer doce… Tão calma. Clara sempre protegeu a sua irmã e pelo que se lembra, a única coisa que nunca pôde protegê-la foi do amor que sentia por May. Ainda assim, tentou de todas as formas amenizar todos os sentimentos da irmã. Ela não entendia porquê. E sentiu uma enorme vontade de chorar. Fragmentos do passado foram fielmente
retratados em sua mente em frações de segundos e se sentiu desolada. Será que sua irmã dormia com o homem que estuprou o amor dela e matou seu filho? É demais para sua cabeça.

Clara começou a gritar de repente, levou a mão a barriga e outro grito ecoou no lugar. Uma dor forte como cãibra em seu baixo abdômen. Angela a ajudou e suspirou para o que viu. A calça de Clara estava manchada de um vermelho escuro e que cada gemido de dor da loira parecia aumentar.

– Ray… Tempo menstrual… Avise o Marcelo que fui ajudá-la nisso. - Angela disse calmamente.

– Isso não me parece isso… A Thais nunca reagiu assim… - Ele disse preocupado e com o olhar meio desesperado.

– RAY! VAI AGORA PRA DENTRO, EU VOU LEVÁ-LA PRA CASA E DAR REMÉDIO PRA CÓLICA. VÁ AGORA. - Angela gritou em tom de autoridade e Ray correu para dentro da igreja.

– Calma. Vou te levar para um hospital agora mesmo… - Angela disse meio desesperada. Tentou caminhar depressa até seu carro, mas Clara sentia dor e dificultou um pouco. Porém conseguiram chegar no carro e Angela a ajudou a se acomodar no banco ao lado do motorista.

– Estou o perdendo… - Clara disse agoniada e entre lágrimas. Mais uma dor a acompanhou, ainda mais forte. E se sentiu inútil.

3

O Elevador de Santa Justa

Inaugurado a 10 de julho de 1902. Trata-se de um trabalho do arquiteto Raoul Mesnier du Ponsard, com uma estrutura de ferro fundido, enriquecido com trabalhos em filigrana. 
Escreve Appio Sottomayor, no Boletim dos Amigos de Lisboa, acerca do elevador: 

“É daqueles que se mantêm em funcionamento resta mencionar o de Santa Justa, que, como é sabido, não sobe, como os outros, uma ladeira, antes ascendendo na vertical, a ligar a Baixa ao Carmo e evitando uma ladeira dupla. Por alguma razão. o actor Vasco Santana obteve um prémio num concurso de quadras ao dizer que "O subir nunca dá jeito / Cansa, maça, farta, custa / E por isso é que foi feito / O EIevador de Santa Justa ”

Em 2002 foi classificado como Monumento Nacional.
Fotografias Arquivo Municipal de Lisboa