o nome dela eu n sei

Pedido: Faz um do Harry, que ele fala mal dela para os amigos e ela acaba vendo e escutando e quando ele vai pedir desculpa, ela pede um tempo no namoro deles – Anônimo

*Aqui nesse link http://hot-1d-imagine.tumblr.com/pedidos vocês podem ver quais e a ordem que em os imagines vão ser postados, se o seu não estiver na lista é porque infelizmente não chegou, vou estar sempre atualizando a lista*
***

Imagine do Harry:

Eu estava chegando finalmente na escola, meu namorado Harry dsse que não poderia ir me buscar hoje por algum motivo que eu não lembro, mas ele estuda aqui na minha escola porque ele repetiu um ano assim como os amigos dele.

Harry e eu namorávamos quase um ano, ele era mulherengo e quase o bad boy da escola só por ser mais velho do que todos os alunos dali, ele tinha a fama de garoto popular e bonito, até hoje eu não sei como eu estou namorando com ele, mas uma coisa é certa eu gosto dele.

Estava me aproximando do muro onde meu namorado passava o tempo com os meninos e quando me aproximei ouvi eles conversando, mas parei assim que escutei o meu nome sair dos lábios de Harry.

- Ah a (S/n) é uma namorada legal, sabe como é, ela não me liberou ainda a preciosa virgindade dela, estou começando á ficar de saco cheio, acho que uma pulada de cerca não faz mal não é mesmo? Eu tenho meus hormônios para liberar, mas ela fica de frescura o tempo todo, estou quase traindo ela com a loira gostosa da aula de física, ela ali sim parece saber fazer um belo boquete em um homem, a (S/n) é bonita e tal, mas acho que gostosa mesmo só aquela garota, tenho medo de um dia ela liberar e eu não ficar excitado – Harry diz e ri e os meninos apenas o encaram.

Eu estava atrás de um arvore que tinha ali perto, meus sentimentos foram quebrados depois de ouvir cada palavra sair da boca de Harry.

Saio de trás da arvore e sinto o olhar os amigos deles caírem em cima de mim.

- Então é isso que pensa de mim e do nosso namoro? – Pergunto e Harry se vira rapidamente para mim.

- (S/n), não foi isso que eu quis dizer – Ele tenta argumentar.

- Ah não? Então deixa eu ver aqui, você disse que gostaria de me trair com a Kate de Física e que estava de saco cheio por eu não me entregar para você e que tem medo de não ficar duro quando formos transar, esqueci mais alguma coisa? – Pergunto cruzando os braços e Harry abaixa a cabeça – Mas deixa eu te contar uma coisa Harry Styles, eu não sou igual as vadias que você ficava antes de namorar comigo, eu não me entrego facilmente para nenhum homem, porque eles tem que me merecer primeiro, e mais uma coisa, eu quero um tempo do namoro, não sei se consigo olhar para sua cara depois disso, agora sim você não vai conseguir a minha “preciosa virgindade” – Digo e jogo um anel que ele tinha me dado de namoro no meio do peito dele e viro de costas e saio andando firmemente dali, escuto Harry me chamar e finjo que não escuto .

Depois das aulas escuto pessoas fofocando e percebo que algumas me encaram .

Abri meu armário para colocar meus livros e escutei um grupo de meninas falando .

- Fiquei sabendo que a (S/n) terminou com o Harry, ela colocou aquele idiota no lugar dele – Uma de cabelos castanhos diz e as meninas riem .

- Tudo começou quando ele estava falando mal dela para os amigos, o Liam me contou isso – Uma de mexas loiras comentou .

Bufo e fecho o armário e pego minha bolsa e saio da escola, escuto passos atrás de mim e meu braço é puxado.

Vejo Harry na minha frente.

- Você não pode dar um tempo no nosso namoro – Ele diz e eu dou um sorriso cínico .

- Eu estou de saco cheio, Harry, preciso liberar meus hormônios com outra pessoa – Digo usando as palavras que ele tinha dito para os amigos dele sobre mim. Harry trava o maxilar e me encara sério .

- Nenhum cara encosta em você – Ele diz e eu solto meu braço do seu aperto .

- Não adianta, minha “preciosa virgindade” vai ser de alguém que mereça, e você não merece definitivamente, e eu vou terminar com você sim porque eu não sou obrigada a namorar um babaca que não consegue guardar o pau dentro das calças e que ainda fala mal de mim para os amigos, se toca Harry, desse jeito você não arruma uma namorada que preste – Digo e saio andando .

- Me desculpa – Ele grita e eu dou um sorriso.

- Desculpas não adiantam no seu caso, passar bem – Falo e vou embora, mas antes de ir eu olho para trás e vejo a Kate de física se aproximar dele. Engulo minha magoa e vou embora para casa .

Espero que tenham gostado, se sim, mandem uma ask me contando

Imagine Liam Payne – colaboração

Colaboração enviada por Bellah (x)

Parte IParte II – Parte III

**

Eu estou acompanhando o Liam até a terapia, talvez isso também fizesse bem a mim e eu poderia dizer a minha versão da história. Liam aparecia muito mais feliz agora do que quando estávamos juntos, a terapia estava fazendo bem a ele de verdade, enquanto estávamos a caminho ele me disse tudo o que tinha feito na terapia e o quanto já se sentia mais leve por ter ido atrás de ajuda. Ficamos na sala de esperar até que fossemos chamados e ele estava nervoso, talvez por eu estar aqui e estivesse com medo do que poderia acontecer quando fosse a nossa vez de estar conversando com a terapeuta.

- Vai ficar tudo bem Liam, não se preocupe. - Eu segurei a mão dele.

- Obrigado por ter vindo, agora parece ficar tudo mais fácil de lidar com você aqui. - Ele apertou a minha mão e sorriu com os olhos brilhando.

- Não se preocupe, tudo vai acabar bem no final você vai ver. - eu sorri, a recepcionista disse que já era nossa vez de entrar, o Liam estava ainda mais nervoso agora.

- Sr. Payne fico feliz em ver você. - A terapeuta disse ao Liam, ela era uma mulher com pouco mais de quarenta anos e muito bonita.

- Sra. Martinez e bom revê-la também, essa e a S/N de quem eu falei. - Ele nos apresentou.

- Sra. S/S e com prazer em conhecê-la, Liam tem falado muito sobre você. - Ela sorriu e o Liam ficou sem graça.

- O prazer e todo meu Sra. Martinez, eu espero poder ajudar o Liam nesse processo e me ajudar também. - Começamos a terapia, ela fez primeiro as perguntas para o Liam e depois foi a minha vez de contar a minha versão da história.

- Bem eu conheci o Liam alguns meses depois que Ela morreu…

- Ela quem? - A Sra. Martínez me interrompeu.

- A ex dele. - Ele me encarou triste, eu não conseguia dizer o nome dela, eu não gostava dela, é por culpa dela que estamos aqui.

- A Sophia e porque você não diz o nome dela e sempre se refere a ela na terceira pessoa? - Me perguntou, eu queria ir embora.

- Eu não sei, eu só não gosto de dizer o nome dela, talvez por ela sempre estar presente em tudo que me cerca, eu não tenho nada contra ela, só que eu não gosto de dizer o nome dela é como se eu estivesse trazendo-a para perto de mim, e eu não quero isso. - Liam estava concentrado em mim e jurei ver uma lágrima rolar em seu rosto.

- Pode continuar S/N. - ela me pediu.

- Foi em um museu em Paris, eu não sei ao certo, mas eu fiquei encarando ele enquanto ele via um quadro daí ele me chamou pelo nome dela pela primeira vez naquele dia, eu não me importei sabe? Já que eu não o conhecia e nem sabia o que tinha acontecido, e depois os nossos encontros foram ficando mais frequentes, até que ele me fez o convite depois de 3 meses que havíamos nos conhecido para poder ir morar com ele. - Eu expliquei toda a nossa história até o presente momento em estar ali com eles, no meio da minha explicação as vezes ela me interrompia e fazia outras perguntas sobre a minha vida antes de conhecer o Liam. 

- Eu espero por vocês na próxima sessão, e S/N eu quero conversar mais sobre você pode ser? - Ela se levantou.

 - Claro, posso marcar para esse mesmo horário se quiser? - Eu peguei minha bolsa. 

- Eu aguardo vocês então e Liam você está progredindo bem. - Ela nos acompanhou até a porta. 

Liam estava tão estranho depois que saímos do consultório, ele parecia distante num submundo dos seus pensamentos do passado onde ele não permitia que ninguém chegasse lá, o mesmo onde ele fugia quando queria pensar na Sophia, ele estava de novo pensando nela.

- Liam você está bem? - Eu perguntei a ele.

- Sim. - Ele estacionou o carro em frente ao prédio onde eu morava.

- Eu sei que está sendo difícil Liam, mas você precisa querer fazer isso, você só vai conseguir seguir com a tua vida se você quiser.

- Por que você nunca falou do Nicholas? - Ele me encarou.

- Como sabe do Nicholas? - Nicholas era o meu ex noivo.

- Responde a minha pergunta primeiro? - Eu respirei fundo e o encarei.

- Eu não gosto de falar sobre isso. Não importa mais - a minha voz saiu falhada.

- Podemos conversar sobre isso no teu apartamento se quiser… - ele tirou o cinto e desligou o carro, eu sai sem dizer nada ele apenas me acompanhou até meu apartamento. Fazia tanto tempo que eu não tocava nesse assunto com alguma pessoa.

- Quer beber alguma coisa? - Eu perguntei.

- Não, obrigado. - Ele se sentou na poltrona e eu no sofá em frente a ele.

- Como sabe do Nicholas? - Perguntei outra vez, eu nunca contei nada sobre o Nick para o Liam.

- Emily me contou, quer dizer ela não contou tudo, mas boa parte da história. - Emily era minha melhor amiga aqui em Londres, foi por conta dela que eu vim parar aqui.

- Ela não devia ter feito isso.

- Por que você nunca me disse nada sobre ele, por que não disse que ele também morreu?

- Por não aceitar, eu não aceitava a morte dele assim como você não aceita a da Sophia até hoje. -Encarei o chão para manter o equilíbrio emocional e não chorar.

- Porque você escondeu isso de mim e porque sofreu sozinha?

- Eu não queria sofrer de novo, foram anos dentro do meu próprio eu me culpando pela morte dele.

- Como foi? - Ele estava me encarando.

- Foi num acidente de carro em Paris depois de uma festa, eu e ele discutimos e fomos embora, no meio do caminho perdemos o controle do carro e batemos, o carro caiu no lago e começou a afundar eu tentei…- As lágrimas caíam no meu rosto.- Eu tentei salvá-lo, mas ele não deixou, ele não me deixou ajudá-lo eu poderia ter feito alguma coisa pra tirar do cinto, mas ele não me deixou, eu comecei a ficar sem ar e tive que sair do lago eu poderia ter morrido junto com ele.- Eu coloquei a mão no rosto. 

- Quando foi? - Ele veio até mim.

- Faltava uma semana para nós casar, eu tive que trocar os preparativos do meu casamento para o velório do meu noivo, é tudo culpa minha, ele morreu por minha culpa.

- Não, não é culpa sua, foi um acidente você não poderia fazer nada. - Ele me abraçou. - Se eu tivesse segurado a minha respiração mais um pouco eu teria conseguido salvá-lo.

- Você não estaria aqui agora, poderia estar morta também. - Ele limpou minhas lágrimas.

- Eu entendo a tua dor Liam, sei que dói muito perder quem a gente ama, eu perdi o Nick que era o homem da minha vida. - Liam me entregou um copo com água.

- Como você superou a dor? 

- Dói até hoje, dói muito, mas eu aprendi a conviver com ela e parte de mim agora é como se eu estivesse nascido com ela, eu só a sinto quando eu permito que ela doa, eu apenas me acostumei com ela aqui dentro. - Eu coloquei a minha mão em seu peito.

- E como foi depois até o dia em que nós conhecemos? - Ele segurou minha mão e a beijou.

- Eu fiquei depressiva nos primeiros meses, depois Emily me chamou para vir passar uns dias com ela que me faria bem, dois meses que eu estava aqui eu conheci um cara em um museu que me fez ver que a minha vida não tinha acabado. - Ele sorriu.

- Esse cara tinha perdido um grande amor também.

- Eu sei, foi por isso que me identifiquei com ele, por que ele sentia a mesma dor que eu, ele me entendia, mas eu descobri que dois doloridos não dariam certo e me deixei levar pelo o que passei a sentir por ele. - O encarava diretamente, eu não queria parar de olhá-lo para não perder parte dos sorrisos que ele dava.

- E ele o que fez? 

- Ele deixou que a dor tomasse conta de todos os outros sentimentos dele e esqueceu de viver e agora ele está começando a se dar uma segunda chance.

- Me ajuda a superar isso S/A, eu quero muito não sentir mais essa dor aqui, eu quero poder te amar do mesmo jeito que você me ama. - Seus olhos brilhavam feito duas estrelas.

- Eu te amo Liam e seria muito egoísmo da minha parte não te ajudar a superar tudo isso, faremos isso juntos.

Já se foram 5 meses desde aquele dia em que eu e o Liam nos demos uma segunda chance, agora as coisas estão mais fáceis para nós, estamos indo com calma como a Sra. Martinez sugeriu um dia de cada vez, sem pressa nenhuma e nenhuma expectativa do futuro. Eu redescobri um Liam totalmente diferente do Liam que eu conheci, um Liam alegre e feliz e complemente apaixonado pela vida.

- S/N. - Eu ouvi a voz dele na sala.

- Estou na cozinha. - Eu gritei estava terminando o jantar.

- Achei que era meu dia de fazer o jantar. - Ele disse entrando na cozinha.

- Engraçadinho, hoje é seu dia de lavar a louça, terça e quinta você lava a louça e eu segundas e quartas. - Havíamos feitos regras na cozinha. Liam odiava lavar a louça.

- Precisamos rever essas regras, eu posso ser o Chef oficial e você lava a louça já que eu tenho muito mais experiência na cozinha do que você. - Ele pegou o pano que estava no meu ombro. - O seu molho está um pouco mais ácido, precisa um pouco mais de açúcar para tirar a acidez. - Liam me irritava as vezes.

- Sim Chef. - Eu entreguei o posto para ele. - Mas da próxima vez você não escapa da louça ouviu Chef? - Eu fui lavar a louça.

- Eu levo você para jantar fora e assim escapo da louça de novo. - Ele disse rindo.

Enquanto jantávamos eu me sinto mal e corri para o banheiro.

- Está tudo bem? - Liam estava na porta.

- Sim, só foi um mal-estar. - Eu saí do banheiro.

- Mal-estar é? Ontem também você sentiu isso. - Ele disse dando indireta.

- Eu só andando enjoada esses dias Liam, não é nada demais são apenas enjoos é coisa de mulher. - Eu me sentei na cama.

- Muitos enjoos por sinal, não é? Você nem está comendo direito que corre para o banheiro. - Me encarava desconfiado e ficou me encarando.

- O que você está querendo dizer com isso. - O encarei.

- O óbvio, enjoos, idas ao banheiro no jantar, desmaios, atraso de mais de duas semanas… - ele disse com um sorriso no rosto e encarando minha barriga.

- Liam…- eu olhei pra minha barriga. 

- Eu já volto. - Ele saiu do quarto e volto logo depois com uma caixinha. - Eu passei na farmácia quando eu voltava do trabalho e te comprei isso. - Me entregou o teste de gravidez, peguei o teste e voltei para o banheiro, fiz o teste e deu positivo, eu saí do banheiro e o encarei.

- Deu positivo Liam. - Eu não sabia se chorava ou se sorria.

- Eu te amo S/N, amo vocês dois. - Ele me abraçou bem forte.

- Obrigada por ter me dado o meu bem mais precioso. 

- Ei bebê, estamos felizes por você estar crescendo aí dentro e por você ser a melhor coisa que aconteceu em nossas vidas - Ele beijava a minha barriga. Um bebê? Eu e o Liam íamos ter um bebê. A alegria dele era tão nítida mesmo sabendo em tão poucos meses seriamos pais, agora sim nossa felicidade estava completa e tínhamos mais um motivo para continuarmos juntos a cada dia.

Fim.

One shot  Harry - Ele terá que partilhar a guarda com S/N do bebê que ele quer adotar - Parte 1

- Há um problema na adoção de Hayla - disse a assistente social. Eu sempre tive o sonho de adotar uma criança, e quando eu vim visitar este centro de adoções, ou melhor, este orfanato, me apaixonei por Hayla.
Uma bebê de três meses, que perdeu seus pais em um acidente e milagrosamente, Hayla não sofreu nem um arranhão. O que me surpreendeu muito.
Só lembro de ter desenvolvido um amor que nunca sentira antes. Um amor paterno. Como se realmente fosse pai daquela criança. E tudo que eu conseguia pensar era em cuidar daquele bebê indefeso.
Mas infelizmente nem tudo é como a gente quer. Não foi apenas eu quem se comoveu com a história de Hayla. Uma mulher também se apaixonou pela bebê. Bom, era o que eu estava entendendo do que a assistente social dizia.
- E S/N - nome da moça que está interessada em Hayla - quer muito adotar a bebê - terminou a assistente.
- Mas eu também quero muito!
Eu estava com os nervos a flor da pele.
- Como você deixou uma senhora também entrar na causa? Eu estou nesse processo há mais tempo! - porra, que raiva.
- É que, bom, hm, ela é uma mulher. E Hayla é um bebê que precisa de cuidados maternos.
EU NÃO ACREDITO QUE ELA VAI DAR A GUARDA DE HAYLA PRA UMA QUALQUER SÓ PORQUE ELA É UMA MULHER.
- Mas eu serei um ótimo pai.
- Exatamente: pai. E Hayla necessita de uma mãe.
- Mas eu posso ser ambos pra ela. Eu posso.
- Mas não será a mesma coisa.
- Ai meu Deus - eu pus as mãos no rosto, eu não conseguia acreditar naquilo - eu serei um ótimo pai, eu vou fazer o meu melhor - tirei as mãos do rosto - eu amo Hayla, ela é minha filha - disse segurando o choro. Eu posso ser homem, mas me fazia querer chorar aquela situação. Porra, eu cheguei antes.
A assistente pareceu se comover.
- Olha. A S/N teve quase a mesma reação que você, quando dissemos que talvez ela não fique com a guarda, o que mostra que ela também quer muito essa criança. Nós estamos em duvida sobre quem escolher, por isso iremos fazer uma reunião, e com o juiz do caso iremos escolher quem é o melhor para Hayla. Entraremos em contato.
Disse acabando a conversa. Assenti, me levantei, apertei sua mão e antes de sair pela porta, olhei para trás e disse:
- Por favor.
Ela assentiu e fui embora.
Duas semanas se passaram e nada de ligação, ou aparecimento da assistente social. Eu já estava preocupado e pensando que tinham escolhido S/N ou sei lá qual era o nome dela, ao invés de mim e me esqueceram de avisar. Então quando comecei a pensei em ir até o orfanato, o telefone toca.
Corri até ele e atendi:
- AlÔ? - dei um grito no final da frase pela ansiedade.
- Senhor Styles?
- Ele mesmo.
Sentei no sofá.
- Temos uma notícia pro senhor.
- Fale. Por favor.
- Prefiro dar pessoalmente.
- Ta bom, estou indo ai.
- Não precisa, já estou a caminho.

E desligou.
Eita. Prevejo coisa ruim. DROGA DROGA DROGA.
Em alguns minutos (que pareceram infinitos, já que eu andava de um lado à outro da sala pra passar o tempo), a assistente apertou a campainha.
Abri rapidamente a porta. Ela sorriu não querendo sorrir.
- Boa tarde senhor Styles.
- Boa tarde senhora Ellie. Sente-se. Quer um café? - tentei parecer simpático, mas ela sempre foi dura na queda.
- Obrigado senhor Styles. Mas não e não. Tenho alguns assuntos pra tratar hoje, então será tudo muito rápido.
- Hum, okay.
- Bom - disse ela andando pela sala - nós analisamos muito o seu caso e da senhorita S/S. E chegamos à uma conclusão um tanto inusitada.
- Como assim?
Ela parou pra me olhar.
- O senhor e a senhorita S/S partilharão a guarda de Hayla.
- O QUE?
- Calma senhor Styles.
- Mas…
- Esta é a melhor solução. Quem se sair melhor, irá ficar com a criança e caso um de vocês desistam de Hayla, ou do convívio, o outro ganha a guarda.
- Hm.
- S/N já foi contatada e está de acordo. E o senhor?
- É claro que eu estou.
- Ótimo. Apareça às oito horas da manhã, na sexta feira no centro de adoções para conhecer a sua companheira partilhadora de guarda. E ah, amanhã virá outra assistente social ver em que condições o senhor vive e também irá uma na casa da senhorita S/S, para que haja o escolhimento de em que lar vocês irão conviver, porque como você deve saber, ambos irão partilhar o mesmo ambiente.
Pensei nisso.
- Ah… é. Hum, okay.
- Então, o senhor me leva até a porta?
- Claro, sim - e num movimento automático levei-a até a porta, após ela sair, voltei e me joguei no sofá.
Pensando o por quê de as coisas serem tão complicadas.


Pedido postado.