o bebe mais lindo do mundo * *

Pedido: Amoree… faz um com o Niall que eles acabaram de ter um bebe. E ela vai em um show dele com o bebe e a ex namorada dele tbm esta la e fica mexendo com ela. Ai o Niall fica puto da vida e começa a falar no palco um monte de coisa pra ex. Desde ja agradeço beijinhos 😘😉

               Há cinco meses o nosso pequeno Louie nasceu, desde então ele vem sedo o motivo dos nossos sorrisos, ele tinha exatamente os olhos de Niall como eu sempre desejei, sempre eu dizia para o Niall ‘’A única coisa que eu quero é que ele tenha os seus olhos’’, Niall ficava envergonhando quando eu dizia isso, mas eu tinha certeza que ele desejava isso tanto quando eu, depois que ele nasceu Niall fazia questão de mostrar para todos o quanto o nosso pequeno Louie é parecido com ele, chegava a ser engraçado às vezes.

           Após alguns meses eu finalmente concordei em levar Louie para o show do Niall, ele estava em turnê há dois meses e hoje o show seria na Irlanda, comprei protetores de ouvido para o nosso filho para assim evitar que ele se assuste com os gritos os cause problemas maiores, coloquei um macacão que tinha o nome do Niall, mandei fazer especialmente para hoje. Assim que entrei no carro coloquei o pequeno na cadeirinha de bebe onde ele brincava com seus brinquedos, não demorou muito ate chegamos ao local do show algumas fãs me viram entrado e acenei e disse ‘’oi’’ para algumas. Fui direto para o camarim do Niall, ele estava terminado de arrumar seu cabelo, quando ele nos viu dois deu o sorriso mais lindo do mundo e me beijou e pegou o Louie no colo.

- Olha só como ele cresceu. – Niall disse balando o bebe no alto, enquanto Louie dava risada.

- Ele sentiu sua falta. – Disse rindo da situação.

           Depois de mais ou menos uma hora Niall entrou no palco e eu estava atrás do palco junto com o Louie, ele parecia está encantado e sorria para o Niall o tempo todo, tudo estava perfeito até que vi a ex-namorada do Niall se aproximando de mim, eu só queria saber que diabos ela estava fazendo ali.

- Olha só, quem diria não é mesmo? – Ela se aproximou mais e olhou para Louie com desprezo. – Niall casado e com um filho?

- É difícil superar quando ele preferiu a mim e não você? – Nunca fui o tipo de pessoa que joga nada na cara das pessoas, mas ela estava me irritando.

- Pois é você não está mais tudo aquilo, o corpo está caindo e você está flácida.

           Percebi que Niall olhou em minha direção no exato momento e meus olhos estavam cheios de lagrimas, realmente voltar ao meu corpo está sendo uma tarefa difícil depois que virei mãe tudo mudou, mas não me arrependo de ter dado a luz ao meu filho eu o amo. Abaixei a cabeça e depois de alguns segundos senti os bracinhos do Louie e isso me fez chorar mais ainda, logo depois senti Niall me abraçando, ele tinha largado o show.

- O que aconteceu? – Ele disse limpando minhas lagrimas e olhando para a sua ex-namorada. – Você sai ou eu chamo os seguranças?

           Ela simplesmente saiu andando em direção à saída. Niall limpou minhas lagrimas e beijou meu rosto e depois minha cabeça. – Você é linda.

           Niall voltou ao palco e olhou para mim. – Eu quero dizer que esses anos foram incríveis para mim, casei-me e com uma mulher linda e ela me deu um filho maravilhoso, e essas pessoas que fazem comentários ruins não importa.

triatos  asked:

o que você sente por mim?

quer saber? ok. quando você entrou na minha vida, mudou tudo… não estou dizendo isso como clichê, pq vc sabe muito bem que tudo mudou. você mudou meu humor (menos na tpm, mas estamos trabalhando isso), mudou minha forma de pensar, agir, falar (é, peguei seu sotaque arretado)… você me mudou em varias outras coisas, que apenas nos sabemos, mas também mudou minha forma de amar. eu amava todo mundo do jeito errado, e você me fez compreender o jeito certo de amar cada pessoa. pq vc é assim, bebe. você tem um espacinho pra cada pessoa em cada parte do teu coração, e isso é lindo, sabia? e você me fez ser igual a você. você é sensível, gosta de um carinho, um cafuné e sabe, esses dias longe de vc me fizeram crer que não há ninguém melhor pra fazer um cafuné em você do que eu. eu, só eu, euzinha. só eu posso fazer isso. ninguém mais vai saber amar vc assim, pq o nosso jeito de amar é único… tem companheirismo, tem amor, tem briga, tem ciúmes.. tem tudo que um casal normal tem, mas tem vc e eu, e vc e eu fomos feitos pra ser um so. apenas um. e eu amo você, ta entendendo? nao some da minha vida nunca mais, pq dói ficar sem vc.

Capitulo 16. O diário de Amanda.
“Não interessa quem somos ou quem vamos nos tornar. O que vale é o que carregamos dentro de nós. E você, guarde isso na memória para todo o sempre, eu te carrego junto comigo todos os dias.”
Terça Feira
Depois da sauna vazia que ficou pequena pra tantos movimentos, fomos pra porta da escola esperar a Juliana, assim que bateu o sinal, vi a Ju vindo em nossa direção amarrando o cabelo de um jeito que ela sempre fazia quando estava nervosa.
- Onde vocês se meteram? Me abandonaram, é isso? Em plena aula de matemática..
Eu e o Felipe começamos a rir.
- Calma ai mocinha. O Fep falou em meio as risadas.
- Vocês querem me matar do coração?
Ficamos os três calados. O Felipe percebeu que o clima tinha ficado tenso, e tentou.
- Ei, pode parar vocês duas. Tá tudo bem, não levei a mal. Até porque essa frase tinha que ser dita por mim em Juliana? Quem tá com uns probleminhas nesse bombeador de sangue sou eu.
Nos rimos com um gosto de lagrimas querendo ser jorradas pra fora, principalmente da minha parte.
- Que tal saímos pra tomar um sorvete hoje a noite? Eu sugeri.
- Com vocês qualquer coisa. A Juliana disse e o Felipe concordou com a cabeça.
Nos despedimos da Juliana que ia ir direto pra casa do Junior e já estava atrasada. E o Fep foi passar à tarde comigo lá em casa e mais a noite sairíamos com a Ju e o Junior.
Chegamos na minha casa e meus pais já não estávamos mais lá. A mesa da cozinha estava posta com vários tipos de comida e dois tipos de suco, com um bilhete assim. “Oi pro casal mais lindo do mundo, deixei a mesa pronta pra vocês, deixei dois tipos de suco porque a Amanda ficou indecisa do seu sabor favorito, viu Felipe? Decidir fazer os dois. Obs: lavem as vasilhas pra treinarem pro casamento.”
- Não sabia desse senso de humor da sua mãe.
Sentamos a mesa, almoçamos – tirando as partes que o Felipe quase me fazia engasgar contando os casos da sua infância. –
- Felipe, mastiga bem, lembra do que o medico falou?
- Amanda, eu to bem, não precisa me tratar como um bebe.
Ao mesmo tempo que o Felipe estava tentando ser fofo comigo a todo momento, ele estava sendo bastante irritante com tudo, eu sei que pra ele deve ser chato, todo mundo pegando no pé dele por causa da tal doença, mas eu me preocupava. Então eu tentava aliviar a barra toda vez que ele se estressava.
- Você é meu bebezinho. Falei naquele tom que namorados clichês falam o tempo todo, que o Felipe odiava, mas ele não resistiu e começou a rir.
- Sempre me conquistando.
Acabamos de almoçar, retiramos a mesa, e na hora de lavar vasilha bom… Acabamos tendo que secar a cozinha toda, o Felipe fez questão de me molhar inteira.
- Fep, vou subir e trocar de roupa, me espera aqui na sala, pode escolher um filme ai pra gente ver.
Subi as escadas, encostei a porta do quarto, e quando tava vestindo uma calcinha seca o Felipe entra no quarto de uma vez e me joga na cama.
- Você fica melhor sem nada.
Começou a me beijar, e bom… Vocês já sabem.
Já estava escurecendo e então fui me vestir pra ir encontrar a Juliana, liguei pra minha mãe e avisei que iria sair com o Fep pra encontrar a Ju e ela concordo desde que chegasse antes das nove.
Quarta Feira.
Acordei querendo férias logo, apenas mais dois dias, isso me mantinha de pé.
Cheguei na escola e não vi o Felipe, depois da sorveteria ele não tinha me ligado pra me dar boa noite nem me mandou mensagem de bom dia, o que eu achei bem estranho, ele nunca dorme sem me ligar. Fiquei a aula toda preocupada porque ele não tinha aparecido por lá hoje, a Ju passou a aula toda me dizendo que tudo bem, que talvez ele só perdeu hora.
A aula acabou, e eu e a Ju decidimos ir até a casa do Felipe saber por onde ele andava, tocamos campainha por uns vinte minutos direto, e ninguém apareceu.
Resolvi ligar pra mãe do Felipe, já que o Fep havia ignorado as minhas dez ligações.
Demorou alguns segundinhos só e ela atendeu.
- Alô.
- Oi dona Maria, é a Amanda…
- Amanda… eu tava mesmo querendo falar com você, mas não achei seu numero no celular do Felipe, procurei Amanda lá, mas só tinha duas e não eram você, procurei até por “amor” mas também não achei. – mal ela sabia como o Felipe tinha salvo meu numero… – Enfim, eu to no hospital com o Felipe. Não se desespera tá? Ele só teve uma recaída de madrugada, e…
Eu comecei a chorar e a Juliana desesperada na minha frente querendo saber o que aconteceu. – Amanda, tá chorando?
Eu tentei soltar qualquer ruído pra ela ver que eu ainda estava na linha. – Uhum.
- Olha, minha linda, não fique assim, você tem que ser forte, o Lipe vai precisar tanto da sua ajuda… Ele só ficava chamando seu nome de madrugada. E o médico já disse que tá tudo bem, amanhã ele já será liberado.
Eu chorava mais ainda, tudo bem que não podia ser nada, só uma recaidazinha, ou podia ser tudo, tipo uma recaidazona, e lá vem aquela sensação terrível de um mundo chato sem o Felipe. – Será que… que, tem como eu ir ai?
- Claro, vou te passar o numero do apartamento dele, só um minuto.
Peguei as informações com ela, e liguei pra minha mãe levar eu e a Ju urgente lá no hospital porque o Felipe havia sido internado, minha mãe que mal sabia da doença, só sabia por alto que eu havia comentado com ela, chegou em menos de dez minutos, desesperada mandando a gente entrar no carro logo que ela levaria a gente.
A Ju começou a chorar também e me abraçou no banco de trás.
- Amanda, eu sei que é difícil, mas talvez não seja nada, é triste? É, muito. Mas vamos nos acalmar.
Minha mãe nos deixou no hospital e voltou ao trabalho, eu e a Ju saímos igual duas loucas do carro correndo em rumo à recepção, a mãe do Fep já havia deixado nossos nomes com a recepcionista. Chegamos no andar do apartamento do Felipe, demoramos uns cinco minutos pra achar o 102, batemos na porta e a mãe do Fep apareceu.
- Ei meninas, que bom que chegaram, vou descer e tomar um café na lanchonete do hospital, ele tá acordado esperando vocês, podem entrar.
O Felipe nos viu, deu um sorriso e falou. – Bom ver vocês aqui.
Era terrível ver ele todo encubado naqueles soros, mas eu precisava ser forte.
- Ei meu amor. Falei dando um selinho nele.
- Ei Lipe chato. A Ju falou sentando no sofázinho que ficava no canto do quarto e eu fiquei parada em pé do lado da cama.
- Juliana você me deve respeito, você esta no meu castelo, chamarei meus seguranças pra te retirar.
Conversamos e riamos, mas nada me tirava na cabeça o Lipe, tão bem vivido, forte, ali, deitado, com aqueles fios no seu peito, um tubinho jogando soro pra suas veias… Aquilo me fazia pensar que a vida não avisa mesmo quando termina, e que qualquer pessoa esta sujeita a qualquer coisa. Tipo quando você vê um acidente na tv e pensa que aquilo nunca aconteça com você… Mas você pode ser o próximo, não sabemos.
—  Capitulo 16. O diário de Amanda.