nunca mais passou =(

 “Eu quero você de volta!!!” 

 Na verdade, eu preciso de você de volta, preciso de tudo que tenha você, preciso daquele teu abraço, daquele teu carinho, preciso me sentir bem como eu nunca mais havia me sentido, e isso, dessa maneira que aconteceu, só consegui sentir com você, depois de muito tempo, sem neurose, perder você está sendo a coisa mais difícil que já aconteceu na minha vida, vai ver é porque eu nunca pensei que isso um dia ocorreria, nunca passou pela cabeça em perder a mina que eu mais me identifiquei e mais queria ter no meu mundo, mas a droga da vida te faz passar por esses bang memo, não tem como voltar atrás, agora é só tentar seguir em frente, por mais que doa, esquecer não rola, tipo esquecer uma parada que já fez corrente no nosso coração é impossível, mas a gente tenta prosseguir né, cada um precisa dar seus corre, ninguém pode ficar parado, se isso tá escrito lá nas estrelas, vai rolar, um dia vai sim, eu acredito nisso, é só ter paciência, já que o futuro é a morte, vamo indo nessa com calma, né não?!?!

- algo-dentro:
- O caos que deixou aquilo que terminou. PT-2.

Às vezes me lembro dele. Sem rancor, sem saudade, sem tristeza. Sem nenhum sentimento especial a não ser a certeza de que, afinal, o tempo passou. Nunca mais o vi, depois que foi embora. Nunca nos escrevemos. Não havia mesmo o que dizer. Ou havia? Ah, como não sei responder as minhas próprias perguntas! É possível que, no fundo, sempre restem algumas coisas para serem ditas. É possível também que o afastamento total só aconteça quando não mais restam essas coisas e a gente continua a buscar, a investigar — e principalmente a fingir. Fingir que encontra. Acho que, se tornasse a vê-lo, custaria a reconhecê-lo.
—  Caio Fernando Abreu.

Aquela Bola De Neve Em Que Os Sentimentos Se Transformam

Há um tempo eu descobri a bola de neve em que os sentimentos (quando não estão claros para ambas as partes) se transformam. Hoje, após esse tempo, afirmo que o sentimento de nostalgia é, sem sombra de dúvidas, uma faca de dois gumes. Ele nos faz acreditar que tudo que passou será melhor do que está por vir e que, nada que virá, será melhor e/ou mais engraçado do que já passou. Mentira. A gente nem sabe o que vai acontecer amanhã! Como, então, um sentimento pode nos dar a certeza de que, algo que aconteceu há alguns anos, foi a melhor coisa de nossas vidas até agora?

  Se eu soubesse como termina essa brincadeira (chamada “vida”), talvez eu pudesse, em um momento de devaneio, afirmar que tal passagem em minha existência na Terra foi (e será) melhor do que tudo que está por vir. Mas eu não posso. E nem quero. Eu amo não saber o que vai acontecer amanhã. Amo a hipótese de poder criar novos caminhos sem me importar com os velhos. A tal liberdade que os nossos antepassados lutaram por nós e que, atualmente, quase ninguém goza dessa dádiva. Aproveitemos, amigos!

  Somos livres para qualquer atitude. Desde que ela honre seus princípios e respeite o próximo, é claro. Não estou fazendo apologia para que as pessoas vivam numa anarquia e façam o que der na telha. Estou fazendo apologia à liberdade e ao desapego do passado. Esqueça o passado. Ele já passou.

  Foque no presente. No seu futuro. Até por que, alguns que estão à sua volta, infelizmente, irão morrer. No final, só vai restar você contra você mesma. É melhor se preparar para a maior briga do mundo. E não são países e nem ideologias duelando. É você contra você mesmo. Se você ganhar, você perde. Se você perder, você perde.

  Desapegue do passado. Deixe que ele passe. Apenas tente se lembrar dos maravilhosos momentos que tivemos, das risadas espontâneas, dos sorrisos sinceros, das brigas bobas, das músicas que embalaram a nossa queridíssima (e inigualável) trilha sonora, dos filmes que víamos na sua/minha cama, dos ataques de ciúmes, enfim, de tudo de bom que fizemos. O que houve de errado, deixe lá atrás. Não importa mais. Na verdade, nunca importou. Nessa balança chamada “saudade”, deixe que os momentos bons pesem mais que os ruins. Afinal, a gente aprende errando.

  Desapeguemos do passado, amigos. Não há nada melhor do que estarmos abertos para novas aventuras, novos amores, novos desafios, novas decepções, novos rumores…

  O passado, na minha opinião, é aquela coisa que faz você morrer de vergonha do que já fez mas ao mesmo tempo te faz ter borboletas no estômago só de pensar naqueles bons momentos que você já teve. É como amor e ódio, juntos, numa só relação. Você morre de vergonha por tantas coisas que fez por alguém, mas ainda morre de amor por alguém que você fez tantas coisas. Se você pudesse, voltaria no tempo e faria tudo diferente?

  Eu não. Eu voltaria no tempo e faria tudo outra vez. Sem por e sem tirar. Só para ter aqueles abraços espontâneos, aqueles sorrisos lindos, aqueles ataques de ciúmes e tudo mais. Mas hoje, em plena consciência, tenho a certeza de que deixo todas as vontades, desejos e ideias para o passado remoer e guardar no seu tesouro. Passado. Passou. Não passa mais. Fica na memória um grande amor para quem quiser ver e aprender. Da mesma forma que eu vi, vivenciei, aprendi e amei. Da forma mais intensa.

Mas é passado. E digo que passou. Com o maior orgulho que alguém possa ter. Por ter amado e ter sido amado. Mas, hoje, passou. É passado.

  Por isso, eu digo: desapeguemos do passado, amigos.

  O novo bate em nossa porta todos os dias. Deixemos ele entrar.

Ela implora aos céus e não há respostas, não há. Sentada sobre a terra, com os pés afundados na lama, os pingos de chuva continuam a cair juntando-se às lágrimas salgadas em seu rosto. Não há ninguém para ajudá-la a sair de seu abismo, ela cai aos poucos e sufoca até que não exista mais ar. Em seus olhos não existe mais o brilho, as lágrimas tornaram-se sangue. A dor à consumiu e de tanto implorar, a terra amolece, acolhendo-a. E ela finalmente se entrega. A carne se dissolve, o sangue vira lama, os ossos viram pó. Enfim, se enraizou. Para onde foi? Quem viu? Ninguém. Se foi, soltou-se do corpo, tornou-se livre, era de se esperar. Sumiu, não mais se viu aquela menina, nunca mais. A chuva passou e ali naquele mesmo lugar, uma linda flor desabrochou.
— 

Ela só queria que parasse de chover, Recitografar. 

Jackelaine L. Pinto.

Cê jogou fora o amor de um vagabundo de favela o que ele via em você, ta vendo em dobro nela, um amor verdadeiro, sincero, sem ilusão, ele achou a pessoa certa pra invadir seu coração. Relaxa, menina pode ficar suave, o coração dele é dela e só ela que tem a chave, agora você já era,ele te deu um extermínio , trocou seu favelado por play boy de condomínio ... Agora o que restou foi só o arrependimento cê tinha plantado magoa e colheu o sofrimento, tinha tudo pra dar certo você e aquela mina, tava escrito nas estrelas ela veio e pisou em cima e pisou no seu coração, te tratou de qualquer jeito, remeritos do passado no futuro faz efeito, ele cansou das suas patifarias, você abandonou quem nunca te abandonaria, ele fazia tudo pra ver você sorrir, agora ele faz tudo só pra ver você sumir, passado já passou e quem lembra disso é museu, ele nunca mais vai trombar o mesmo caminho que o seu, cê magoou, iludio, quebrou todas as barreiras, cê viu ultima opção em quem te viu como primeira, arrependeu do seu passado, agora sentiu na pele, cê tinha fama de barbie e agora é de Annabelle

One Shot Zayn Malik
Pedido: Moni faz um do Zayn que eles são amigos e ele ensina tudo de sexo pra ela, porque ela é virgem e eles acabam transando.


-Isso é tão estranho - Zayn disse enquanto gargalhava daquela forma fofa tão típica dele, quando a pegação entre os personagens do filme que estávamos vendo passou a ser mais quente - Nunca me imaginei vendo uma cena dessas com uma garota sem fazer nada e… - Seu olhar caiu sobre mim que analisava com muito interesse o desenho na almofada ao meu colo - Você não está realmente desconfortável com isso está? - perguntou e eu senti minhas bochechas pegarem fogo. -(seunome), você ainda não… - levantei a almofada tapando minha cara e então ele voltou a rir entendendo tudo.

-Não ria de mim seu idiota - bati com a almofada em sua cara fazendo-o cair para trás na cama - Por que é que você tem almofadas na sua cama? - perguntei tentando mudar o foco da conversa e ele riu de novo dando de ombros.

-Você e o Jace não estavam namorando?

-Nós estamos - respondi

-E então?

-Só não acho que ele seja o cara certo.

-(Seunome), se vocês estão namorando é porque ele é o cara certo.

-Eu sei é só que, eu não me sinto preparada okay? Eu sempre me imaginei fazendo isso com alguém que eu gostasse de verdade e confiasse - dei de ombros levando uma mecha de cabelo para trás da orelha.

-É sobre aquele cara por quem você sempre foi apaixonada? - perguntou segurando uma das minhas mãos e eu suspirei sentindo os arrepios causados por seu toque.

-Também - concordei - e eu me sinto pressionada sabe, pelo Jace, é como se ele só estivesse esperando por isso e depois tchau.

-Tudo bem - ele se aproximou sentando mais perto de mim na cama me puxando para um abraço - Apesar de ser a sua primeira vez, ela tem que ser agradável, sobre pressão ela será tudo menos isso.

Assenti vendo Zayn se deitar na cama e me puxar para seu peito, nós ficamos deitados daquela forma por mais algum tempo enquanto seus dedos brincavam com meu cabelo e os meus faziam desenhos abstratos sobre a camiseta que ele vestia, algumas vezes ele descia sua mãos tocando minhas costas com a ponta dos dedos até o final da minha espinha e voltava, agradeci mentalmente por estar levemente frio para que eu vestisse uma camiseta de mangas, ou então os pelos dos meus braços estariam totalmente arrepiados e ele iria ver.

-Você está bem? - perguntou afastando um pouco a cabeça para olhar meu rosto, ainda assim estava muito próximo, pois eu sentia sua respiração, assenti - Está tremendo, está com frio? - droga, xinguei mentalmente, eu estava nervosa, toda vez que ficava assim começava a tremer.

A questão era que Zayn sempre foi o cara por quem eu era apaixonada, mas ele era a droga do meu melhor amigo, e eu sabia que não sentia a mesma coisa por mim, respirei fundo e olhei em seus olhos cor de mel tomando a decisão, eu só esperava não me arrepender, ou levar um não.

-Zayn, você podia me ajudar com isso não é? - confusão estampava o seu rosto antes que um brilho de compreensão passasse por seus olhos, ele se afastou sentando na cama. - É só que, eu confio em você, sei que jamais faria algo para me magoar - sentei-me também.

-(Seunome)… - Zayn disse meu nome passando as mãos pelo rosto e negando com a cabeça.

-Desculpa - pedi já me arrependendo - eu não devia ter dito uma coisa dessas, não quero estragar nossa amizade - ri sem graça me levantando da cama para calçar os tênis - onde é que eu estava com a cabeça, eu tenho um namorado - balancei a cabeça em descrença - desculpa, Zayn, olha, eu tô indo embora, só… Me desculpa okay? - juntei minha bolsa e o moletom indo até a porta do quarto quando senti sua mão me puxar.

-Espera - ele disse olhando para mim e então passou a mão livre pelo cabelo parecendo não acreditar no que estava prestes a fazer - O que você espera que eu faça?

-Que me ensine - Ele apenas assentiu e se aproximou de mim, uma das suas mãos acariciou de leve meu rosto e a outra segurou firme minha cintura.

-Antes de tudo, a gente começa pelo beijo - disse antes de encostar seus lábios aos meus.

Deixei as coisas caírem de minha mão em um baque no chão e envolvi os braços em seu pescoço. Seus lábios eram quentes e calmos sobre os meus gélidos e famintos. Quando Zayn sentiu minha língua tocar seu lábio inferior pedindo passagem soltou uma risada baixinha.

-Hey, vamos com calma está bem? - sua voz era baixa chegando como um sopro sexy em meus ouvidos, assenti e então seus dentes puxaram meu lábio inferior sugando-o logo em seguida.

A mão que estava em minha cintura desceu vagarosamente até minha bunda onde ele apertou com vontade, separei os lábios em um gemido baixo e então sua língua invadiu minha boca em um beijo quente. Seu gosto era delicioso e a forma como ele me arrancava suspiros era de outro mundo. Zayn desceu seus lábios por meu queixo chegando até meu pescoço aonde começou a dar leves mordidas, virou nossos corpos e então começou a nos empurrar em direção a cama, caí sentada sobre ela, o moreno envolveu uma das mãos em minha cintura e me levou até o centro da cama me deitando e ficando por cima de mim.

-E então você tem que excitar a pessoa - disse voltando seus lábios para o meu pescoço - você pode usar a boca… - uma mordida foi deixada na pele de minha clavícula e eu gemi - as mãos… - suas mãos deslizaram por meu corpo apartando minhas coxas, subindo até os meus seios que foram apalpados por cima da blusa. Ele continuou acariciando meu corpo com as mãos e distribuindo seus beijos, até que seus dedos estavam nos botões da minha calça, não neguei seu ato e quando suas mãos desceram o jeans por minhas pernas eu tive certeza do que estava fazendo. - e também os dedos - sua voz cortou o ar antes que eu pudesse sentir seu toque sobre o tecido da calcinha, gemi em surpresa quando ele afastou a mesma tocando meu clitóris com o polegar - mas eu devo assumir que prefiro usar a boca, principalmente a língua - sussurrou em meu ouvido antes de se afastar tirando a calcinha por minhas pernas e cobrindo minha intimidade com a boca. Sua língua era quente e ágil sobre a pele sensível e acabou sendo impossível não gemer.

-Zayn - agarrei seus cabelos puxando-o para mim enquanto gemia seu nome - Eu quero você - falei raspando seus lábios nos meus.

-Você tem certeza? - sua voz era baixa e rouca, sua respiração saia entrecortada e eu podia sentir sua ereção em minha coxa.

-Tenho - assenti - eu confio em você.

Zayn voltou a beijar meus lábios enquanto eu levava as mãos até a sua camiseta tirando-a por sua cabeça, desci-as por seu peitoral tatuado até o zíper de sua calça, com sua ajuda ela já estava voando para o outro lado do quarto, minha camiseta e meu sutiã fizeram o mesmo caminho e então eu estava deitada sobre a cama, seu corpo acima do meu enquanto ele vestia a camisinha, seu olhar cauteloso caiu sobre mim e eu assenti. Apertei os olhos com força ao sentir a dor de tê-lo deslizando vagarosamente para dentro de mim.

-Sinto muito, eu sinto muito - falou parando os movimentos e beijando as lágrimas em minha bochechas.

-Está tudo bem - movi meus quadris em sua direção.

Os movimentos eram calmos e aos poucos a dor passou a ser apenas um desconforto, eu sabia que não atingiria nem um tipo de prazer na minha primeira vez, mas apenas em saber que seria com Zayn tudo ficava muito melhor. Cravei minhas unhas em suas costas e ele deslizou a mão entre nossos corpos acariciando a área sensível de meu clitóris, um pequeno prazer crescendo em mim enquanto sua boca sugava meus seios.

-Zayn… - suspirei seu nome enquanto uma sensação completamente boa tomava conta de meu corpo e ele ia diminuindo seus movimentos, meu nome saindo em gemidos por entre os seus lábios.

-E por fim, você faz a pessoa se sentir bem - disse beijando meus lábios e deitando ao meu lado me puxando para o seu peito.

Eu tinha noção do sorriso idiota em meu rosto, minutos haviam se passado e o quarto estava em completo silêncio, tirando a televisão que continuava ligada, um beijo foi deixado no alto de minha cabeça e talvez Zayn pensasse que eu estava dormindo quando falou:

-Quero dizer baixinho “ eu te amo ” no seu ouvido como quem conta um segredo e te ver adormecer em meu peito, o lugar mais seguro pra você enquanto eu te faço feliz pra vida inteira. - e eu só conseguia pensar “Ah meu Deus, ele sente o mesmo por mim”.

Eu sou uma estação. Ou talvez, eu seja as quatro. Sou a primavera: Sempre otimista e cheia de piadas para contar e vários outros sorrisos para distribuir para quem quer que seja. Um bom dia para o padeiro da minha rua, flores para minha avó e abraços para aquela saudade. Sou o verão: Chata com um toque de irritação. De repente aquela aula legal ficou repetitiva demais e o dia passou a ser mais longo. Parecia que nunca chegava a hora de ir embora. Sou o outono: Recebo sempre bem os frutos novos que adentram minha vida, meu espaço, meu cantinho de paz. De uma hora para outra acontece um caos e aqueles em quem eu confiava começam a sair da minha vida. Como uma verdadeira estação de outono, saindo do velho para o novo. Do amarelo para o verde. Da queda das folhas para o crescimento de outras. E enfim, sou o inverno. Aconchegada no meu quarto, com o meu edredom roxo preferido e aquele livro de romance. Sou o frio lá fora que todo mundo sempre da um jeito de aproveitar só o bastante para depois entrar em casa e se aquecer naquela lareira que durante o verão ficou apagada.
—  O Passado de Anne.
A aposta-Capitulo 9

May:Nossa Lu.(surpresa) nunca passou pela minha cabeça,você até tinha uns namorados.

Lu:Ai May..(rindo) você chegou a conhecer algum?

May:Não,só pelo que você me contava.

Lu:Lembra do Daniel?o vocalista da banda que namorei?

May:Sei,você chorou dias por ele…não foi?

Lu:Na verdade era Daniela.(rindo)

May:Luana! (incrédula) bem que eu achei estranho os perfumes femininos que você dava pra “ele”.(rindo)

Lu:Eu nunca disse nada porque não tive oportunidade,e eu queria contar pessoalmente esse segredinho.(sorrindo)

May:Nossa mana,mas você sabe que eu não tenho preconceito com isso né?(penteando os cabelos)

Lu:Eu sei que não…(indo até sua irmã) afinal eu conversei com a sua namorada hoje de manhã.(rindo)

May:Você…(arregalando os olhos) Lu…eu não..quer dizer…

Lu: joguei verde e colhi maduro,então quer dizer que você tem mesmo uma namorada.(rindo)

May:Ai Luana…(sem graça) mana,eu juro que ia falar.

Lu:Eu sabia que você travaria,resolvi dar uma mãozinha,Mayra você sempre teve jeito pra coisa,mas me conta…qual o nome dela.

May:Thais…(sorrindo) faz o mesmo curso que eu e começamos a namorar faz uma semana,mas eu to adorando essa sensação,talvez hoje eu te apresente.

Lu:Só pela cara de frouxa,vi que a coisa vai bem.(sorrindo)

May:Vai sim,eu nunca senti isso é novo pra mim sabe,eu to adorando essa sensação.

Lu:Tá,mais me conta mais…como ela é? tem fotos?

Se me deixasse eu ficaria a manhã toda dizendo para Luana o quanto Thais era incrível,eu estava apaixonada e sem duvidas era sim a melhor sensação que já senti u.u

(Na faculdade)

Van:Deu pra ouvir atrás das prateleiras agora Pepa?(assustada)

Pepa:Na cara dura? sim..(sorrindo) eu entendi bem? vocês dormiram juntas?

Van:Não,você entendeu muito mal.(fechando os livros) 

Pepa:Calma ai Van.(a segurando) me explica o que tava acontecendo aqui.

Van:Nada ué,não tem nada para explicar,a aula já vai começar.

Pepa:Eu tudo o que eu ouvi?(arqueando as sobrancelhas) quer me explicar sobre aquilo.

Van:Na verdade não,conhecendo você como conheço,sei que o que eu falar não vai adiantar,você só acredita no que quer.

Pepa:Bom não é todos dias que ouço uma conversa amigável entre Clara Aguilar e Vanessa Mesquita.

Sai da biblioteca e ela veio logo atrás de mim comendo as minhas ideias para variar,esse era o dom e o grande problema de Pepa,ela era chata quando queria saber ou fazer alguém acreditar em algo. Fomos para o refeitório e as piadinhas e perguntas não paravam,eu claro me controlava ao máximo,até porque ela não podia nem desconfiar o que eu e Clara fizemos.

Pepa:Ultima perguntinha Van.(rindo)

Van:Não,é sério,para com isso.(séria) eu não estou achando graça.

Junior:Oi garotas,podem aplaudir que o Junior chegou.

Pepa:Credo Junior,parece que tá vendendo pamonha,“O carro da pamonha chegou”.(rindo)

Junior:Nossa,como está engraçadinha.(bagunçando seu cabelo)

Pepa:Junior..(brava) não faz isso paspalho.

Junior:Se reclamar faço de novo.(rindo) e ai sobre  o que vocês conversavam?

Pepa:Ahhh…(se lembrando) você não sabe do babado,Vanessa e a loira lá.

Junior:Que loira?(arregalando os olhos)

Olhei para Junior que rapidamente entendeu a minha deixa e se fingiu de desinteressado e puxou outro assunto,mas não adiantou muito,alguns minutos depois Pepa retornou no assunto.

Van:Fernanda,eu acho que já deu,e agora to falando sério.

Pepa:Mas Van,eu ainda to incrédula com essa história.(rindo)

Junior:Nossa,nada a ver isso ai Pe.

Pepa:É porque você não viu o papo que as duas levavam la na biblioteca.

Van:Tá bom,só que isso é a minha vida,e eu não gosto dessas coisas você sabe disso.

Pepa:Eu só to comentando o que vi Van.

Van:Pois o que você viu é sobre a minha vida,e como minha amiga eu gostaria que você guardasse pra você.

Pepa:Mas eu só estou comentando com o nosso amigo Xunin…

Ariane:Cheguei,bom dia!(se sentando) que cara é essa Van?

Pepa:Ta puta,só porque peguei ela de papo com a Clara.

Ariane:Que Clara?Clara Aguilar?(surpresa)

Pepa:Pois é,as duas estavam no maior papo.(rindo)

Ariane:Como assim Van?conta isso direito.

Van:Não vou contar nada,não tem o que contar.(ríspida) agora se vocês me dão licença.

Ariane:Calma Van…(pedindo para a amiga se sentar novamente) se não quiser não precisa falar nada.

Junior:Deu né Pe…?

Pepa:Ela fez uma nova amiguinha e eu que sou a culpada.(se levantando) eu acho que nós deveríamos fazer algo para comemorar esse fato.

Van:Fernanda de uma vez por todas.(irritada) para com as suas gracinhas idiota,pois está passando dos limites,entre eu e ela não tem nada,ela é apenas minha parceira de grupo.

Ariane:Van,a Pe só tá brincando,afinal vocês não se suportavam.

Van:Eu sei,mas foi a muito tempo,resolvemos deixar nossas diferenças para trás.

Pepa:Mas ela é bem gatinha.(se sentando) você devia investir.

Ariane:Nisso eu concordo com a Pe,a garota é chata,mas nada que o mesquitão não dobre.

Junior:Vou buscar um suco..(se levantando)

Van:Eu não tenho interesse nenhum nela,não vai rolar.

Pepa:Essa é a graça amiga,você tem que fazer valer a pena.

No outro lado…

Fabian:Olha o que eu comprei para a Clara.(sorridente)

Angela:Meu Deus do céu.(maravilhada) que lindo Fabian.

Fabian:Espero que ela ache isso também.(sorrindo bobo) falando nisso,já era pra ela estar aqui não?

Angela:Ela deve estar esperando a May,viu o Marcelo por ai.

Fabian:Não!

Fiquei esperando Mayra fora da faculdade onde Fabian não podia me encontrar,mas aquela quenga por algum motivo estava demorando e depois de longos 30 minutos de espera eis que avisto o carro dela vindo em minha direção.

May:A gata tá disponível?(rindo)

Clara:Ah sua palhaça,estaciona essa birosca logo que to com fome.(u.u)

May:To indo dona mandona.

Ela estacionou e logo entramos,no caminho para o refeitório ela me contou sobre a vinda de Lu para o Brasil e te contei algumas idéias que tive juntamente com Vanessa para o trabalho.

May:Pera ai,você teve essa ideia.(abismada) junto com a Vanessa?

Clara:Sim May,sou loira mas não sou você.

May:Não diota,to perguntando isso,porque eu to chocada,você e a Vanessa,juntas?

Clara:Somos do mesmo grupo…não?(O.o)

May:Bom,para quem não suportava uma a outra.(o.o)

Clara:Essa nossa “discórdia"se é que posso chamar assim,fico no passado,faz tanto tempo que chega a ser ridículo.

May:Doro te ver falar assim.(fazendo gestos)

Clara:baitola.(rindo) mas me conta e a Lu.

May:Tá lá em casa,hoje vou leva-la pra sua tá.

Clara:Claro,to morrendo de saudades dela.

Estávamos chegando ao refeitório quando Vanessa passa por nós como um foguete,pela sua cara e a forma como andava parecia que ia matar alguém,pensei em ir falar com ela mas como estava com a minha prima ela poderia estranhar.

May:Bom dia pra você também Vanessa.(rindo) Oi princesa.

Thais:Oi minha linda.(lhe dando um selinho) Oi Clara.

May:Vai tirar o pai da forca Thais? respira..

Thais:Tava tentando ir atrás da Vanessa.

May:Eu vi,ela passou igual a um tufão ao nosso lado,tá tudo bem com ela?

Thais:Ela se estressou com uma coisa ai,e enfim…

May:Então é melhor deixa-la sozinha né bebê.

Thais:Talvez você tenha razão.

May:Claro que tenho…(a beijando)

Clara:(pigarreando) desculpa atrapalhar o casal,mas só pra avisar,se vocês não se importam.(passando pelas duas)

May:Esqueci que você tá perdendo a circulação sanguínea por forme.

Thais:Não exagera né Mayra.(rindo)

Clara:Você não viu nada ainda Thais.(entrando)

May:Essa Clara é de lua.(revirando os olhos) vamos entrar também gatinha?to com fome.

Thais:Também to,e não to falando de comida.(mordendo sua orelha) mas isso é depois,vem…

May:vagabunda…(rindo)

Fiquei extremamente estressada com aquela história,eu nunca havia imaginado ficar com ela ou algo do tipo,mas sei lá,essa nossa aproximação mexeu comigo…mas isso é a coisa mais imbecil que eu poderia estar pensando,afinal até ontem eramos "inimigas” por conta de um cara.

Fui para a sala e mesmo querendo esquecer fiquei meditando em cada palavra que Pepa havia me dito e em tudo o que estava acontecendo ultimamente e em como as coisas muda.

(La dentro)

Fabian:Nossa..(se levantando) até que enfim Clara,eu estava te esperando.

Clara:Bom dia amiga.(a cumprimentando) bom dia Fabian.

Fabian:Bom dia.(mexendo na mochila) tenho uma coisa para você.(abrindo a caixinha)

Clara:Hã…que lindo.(maravilhada)

Ele havia me comprado um anel de brilhantes? eu não estava acreditando,e era uma joia linda viu gente,linda e cara,se ele não fosse tão chato eu aceitaria só pelo bom gosto que havia naquela peça.

Fabian:Que bom que você gostou.(sorrindo largo) se me perm…

Clara:É muito lindo,mas eu não posso aceitar Fabian.(lhe devolvendo a caixinha)

Angela:Você não ouse rejeitar esse presente na minha frente Clara Aguilar.

Fabian:Clara,mas eu comprei para você.

Clara:E eu agradeço,mas não é só um simples presente Fabian,é um anel,e muito caro.

Fabian:Você acha mesmo que eu me importo com valores Clara.

Ficamos quase o café inteiro discutindo sobre aceitar e não aceitar,no final eu acabei recusando mesmo o caro presente. Fomos para a sala e assim que entrei dei de cara com Vanessa sentada em seu lugar,eu estava começando a achar que o problema era comigo já que assim que eu entrei ela me deu uma bela de uma ignorada.

A aula começou e o assunto mais comentado da sala era o trabalho,e não era pra menos,todos queriam férias e só de pensar em ficar em recuperação já deixava o clima tenso,o horário de aula passou rápido e logo estávamos indo para casa,tive que remarcar nossa reunião para mais tarde,antes eu teria que passar no galpão para ver boi e logo em seguida sairia com a Angel para comprar algo para seu encontro com Marcelo e.e.

Clara:Nossa,rápida hein.(sorrindo) recebeu a minha mensagem?

Van:Recebi sim.(séria) eu já vou indo tá?

Clara:Só porque eu cheguei? como ele está?(indo até boi)

Van:Ainda está se recuperando,mas já vejo uma melhora positiva de ontem para hoje.

Clara:Nossa que maravilha.(sorrindo) logo ele tá correndo junto com os outros la fora,você viu o tamanho dos filhotes?

Van:Vi,agora eu preciso mesmo ir,da licença.

Ela estava extremamente monossilábica comigo e eu não entendi o porque,até a hora em que ela passou igual a um foguete enfurecido,parecia estar tudo bem e de uma hora pra outra ela muda? não consegui ficar quieta e acabei perguntando.

Clara:Vanessa,aconteceu alguma coisa?

Van:Não,porque?

Clara:Não sei,eu to te achando estranha.

Van:Eu sou uma pessoa estranha.(sorrindo de canto) esse é meu apelido lembra.

Clara:Ah sei lá,achei que havia te feito algo.(dando de ombros)

Van:Não,só me encheu o saco mas fora isso.(rindo)

Clara:Engraçadinha.(rindo)

Ficamos naquele silêncio básico,o único barulho que ouvíamos era dos filhotinhos brincando,até ela quebrar o silêncio.
Clara:Van,eu sei que vai parecer estranho e se não quiser não precisa responder.

Van:Manda…(encarando os sapatos)

Clara:Como e quando foi que você descobriu que…ér..gostava de mulher?

Olhei para ela meio incrédula pela sua pergunta,ela estava corada e a cena acabou se tornando engraçada,não consegui conter o riso o que a fez corar.

Clara:Desculpa Van,isso não é da minha conta…(corada) nossa que gafe.

Van:(rindo) tá de boa ok?! afinal quem manda ficar se pegando no banheiro da faculdade.

Clara:É,confesso que depois daquele dia,eu fiquei curiosa.(sem graça)

Van:Em saber como comecei a me interessar por garotas ou em como é ficar com uma?

Clara:Ér..claro que  primeira opção.(O.o) eu nunca nem pensei em ficar com uma mulher.

Van:Não sabe o que tá perdendo,é melhor que homem te garanto.(rindo)

Clara:Mas então,você não me respondeu.

Van:Ah sei lá,eu estava em uma balada e uma garota me chamou a atenção,fiquei com ela e tomei gosto pela coisa.(rindo)

Clara:Simples assim?

Van:É…mais ou menos,pra falar a verdade eu sempre olhei para mulheres como mulher,e não como um motivo de inveja.

Clara:E você pega qualquer uma agora?quer dizer…se te chama a atenção você pega.

Van:Também não é assim,eu tenho que sentir uma química pela pessoa e o conjunto que a pessoa apresenta.

Clara:Tipo?(O.o)

Van:Tipo o que?(o.O)

Clara:O perfil ideal de mulher para você.(sem jeito)

Van:Ah sei lá…(sem graça) eu…ér…talvez assim como…você.

          =========Twitter:@ShowYourMiley============

Neymar (21.08.2015)

#repost #instagram @davidbrazil24

🎶 Ôôôôôôôôô o major voltou, o major voltou ou ou… 🙏🙏👏👏 cachumba nunca mais hein @neymarjr o bichinho sofreu tanto sabe! Mas passou passou passou, agora é BOLAS NAS REDES 😂😂😂❤️❤️❤️❤️❤️