not propor

Espalhem amor, abracem essa causa!

Já que uma data especial está chegando eu gostaria de propor a vocês que espalhem amor, por todo lugar mas especialmente aqui no tumblr, mandem asks para as pessoas com coisas boas, elogios sinceros, palavras bonitas, mensagens que melhorem o dia de alguém, um simples bom dia já conta, mandem logados ou em anônimo, melhorem o dia de alguém, espalhem amor ♥ 

É normal ser gordo. É o caminho da natureza.
Mas parece que a sociedade não gosta dessa maneira.
É normal que uma menina tenha cabelos.
Mas se ela não se barbear. Então todo mundo olha.
É normal que um cara goste de rosa
Mas isso não é o que a sociedade quer que você pense
A natureza é normal que é como é. Isso é o que a sociedade transformou em merda.
Os papéis de gênero impõem uma ordem uma lei. Propor uma nova maneira de ser orientada é considerada uma falha.
Bi, trans, gay ou hetero.
Importa na raça humana?
Preto, amarelo, branco ou vermelho?
Será que vai importar quando você está cinza e morto
O cabelo em seu rosto não define a personalidade.
O peso na escala não pesa quem você é.
A única coisa que importa é que você é fiel a você.
Não se identifique como gay ou hetero. Bi ou trans.
Tudo o que importa é que você é humano
Sim, é verdade. Você também tem importância. Nenhuma sociedade deve olhar para baixo em você.
Você importa.
E é verdade.
—  Liliz Campelo
8 virtudes de Maria – e como viver cada uma delas.

O caminho concreto para estar cada vez mais perto de Nossa Senhora.

1. Paciência: Nossa Senhora passou por muitos momentos estressantes de provação, de incômodo e de dor, durante toda sua vida, mas suportou tudo com paciência. Sua tolerância era admirável! Nunca se revoltou contra os acontecimentos, nem mesmo quando viu o próprio filho na Cruz! Sabia que tudo era vontade de Deus e meditava tudo isso em seu coração. Maria, nossa mãe, teve sempre paciência, sabendo aguardar em paz aquilo, que ainda não se tenha obtido, acreditando que iria conseguir, pela espera em Deus.

Imitando essa virtude: Ter paciência é não perder a calma, manter a serenidade e o controlo emocional. Além disso é saber suportar, como Maria, os desabores e contrariedades do dia a dia, saber suportar com paciências nossas próprias cruzes. Devemos saber ouvir as pessoas com calma e atenção, sem pressa, exercitando assim a virtude da caridade. Fazer um esforço para nos calarmos frente aquelas situações mais irritantes e estressantes. Quando houver um momento de impaciência pode-se rezar uma oração, como por exemplo, um Pai-nosso, buscando se acalmar para depois tentar resolver o conflito. Devemos nos propor, firmemente não nos queixarmos da saúde, do calor ou do frio, do abafamento no autocarro lotado, do tempo que levamos sem comer nada… Temos que renunciar, frases típicas, que são ditas pelos impacientes: “Você sempre faz isso!”, “De novo, mulher, já é a terceira vez que você…!”, “Outra vez!”, “Já estou cansado”, “Estou farto disso!”. Fugir da ira, se calando ou rezando nesses momentos. A paciência se opõe à ira! “Não só isso, mas nos gloriamos até das tribulações. Pois sabemos que a tribulação produz a paciência, a paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança.”(Rom. 5,3-4) “Eu, porém, vos digo que todo aquele que (sem motivo) se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, esta­rá sujeito ao inferno de fogo.”(Mat 5,22).

2. Oração contínua: Nossa Senhora era silenciosa, estava sempre num espírito perfeito de oração. Tinha a vida mergulhada em Deus, tudo fazia em Sua presença. Mulher de oração e contemplação, sempre centrada em Deus. Buscava a solidão e o retiro pois é na solidão que Deus fala aos corações. “Eu a levarei à solidão e falarei a seu coração (Os 2, 14)” Em sua vida a oração era contínua e perseverante, meditando a Palavra de Deus em seu coração, louvando a Deus no Magnificat, pedindo em Caná, oferecendo as dores tremendas que sentiu na crucificação de Jesus, etc.

Imitando essa virtude: Buscar uma vida interior na presença de Deus, um “espírito” contínuo de oração. Não se limitar somente as orações ao levar, ao se deitar e nas refeições, estender a oração para a vida, no trabalho, nos caminhos, em fim, em todas as situações, buscando a vontade de Deus em sua vidas. “Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai”. (Cl 3,17). e “Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a acção de graças. E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.”(Fil 6,6-7).

3. Obediência: Maria disse seu “sim” a Deus e ao projeto da salvação, livremente, por obediência a vontade suprema de Deus. Um “sim” amoroso, numa obediência perfeita, sem negar nada, sem reservas, sem impor condições. Durante toda a vida Nossa Mãezinha foi sempre fiel ao amor de Deus e em tudo o obedeceu. Ela também respeitava e obedecia as autoridades, pois sabia que toda a autoridade vem de Deus.

Imitando essa virtude: O Catecismo da Igreja Católica indica que a obediência é a livre submissão à palavra escutada, cuja verdade está garantida por Deus, que é a Verdade em si mesma. Esforcemo-nos para obedecer a requisitos ou a proibições. A subordinação da vontade a uma autoridade, o acatamento de uma instrução, o cumprimento de um pedido ou a abstenção de algo que é proibido, nos faz crescer. Rezar pelos superiores. Obedecer sempre a Deus em primeiro lugar e depois aos superiores. Obedecer a Deus é obedecer seus Mandamentos, ser dócil a Sua vontade. Também é ouvir a palavra e a colocar em prática. “Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (Luc 1, 38).

4. Mãe do Supremo Amor: Nossa Mãe cheia de graça ama toda a humanidade com a totalidade do seu coração. Cheia de amor, puro e incondicional de mãe, nos ama com todo o seu coração imaculado, com toda energia de sua alma. Nada recusa, nada reclama, em tudo é a humilde serva do Pai. Viveu o amor a Deus, cumprindo perfeitamente o primeiro mandamento. Fez sempre a Vontade Divina e por amor a Deus aceitou também amar incondicionalmente os filhos que recebeu na cruz. Era cheia da virtude da caridade, amou sempre seu próximo, como quando visitou Isabel, sua prima, para a ajudar, ou nas bodas de Caná, preocupada porque não tinham mais vinho.

Imitando essa virtude: Todos os homens são chamados a crescer no amor até à perfeição e inteira doação de si mesmo, conforme o plano de Deus para sua vida. Devemos buscar o verdadeiro amor em Deus, o amor ágape, que nos une a todos como irmãos. Praticar o amor ao próximo, a bondade, benevolência e compaixão. O amor é doação, assim como Maria doou sua vida e como Jesus se doou no cruz para nos salvar, também devemos nos doar ao próximo, por essa razão o amor é a essência do cristianismo e a marca de todo católico. “Por ora subsistem a fé, a esperança e o amor – estes três. Porém, o maior deles é o amor.” (I Cor. 13,13).

5. Mortificação: Maria, mulher forte que assume a dor e o sofrimento unida a Jesus e ao seu plano de salvação. Sabe sofrer por amor, sabe amar sofrendo e oferecendo dores e sacrifícios. Sabe unir-se ao plano redentor, oferecendo a Vítima e oferecendo-se com Ela. Maria empreendeu, e abraçou uma vida cheia de enormes sofrimentos, e os suportou, não só com paciência, mas com alegria sobrenatural. Nada de revolta, nada de queixas, nada de repreensões ou mau humor. Pelo contrário, dedicou-se à meditação para buscar entender o motivo que leva um Deus perfeito a permitir aqueles acontecimentos. Pela meditação, pela submissão, pela humildade, Ela encontrou a verdade.

Imitando essa virtude: Muitas vezes Deus nos envia provações que não compreendemos, portanto devemos seguir o exemplo de Nossa Senhora e meditar os motivos que levam um Deus perfeito a permitir essas provações, aceitá-las e saber oferecer todas as nossas dores a Jesus em expiação dos nossos pecados, pelos pecados de todos e pelas almas, unindo nossos sofrimentos aos sofrimentos de Jesus na Cruz. Não devemos oferecer somente os grandes sofrimentos, devemos oferecer também o jejum, fugir do excesso de conforto e prazeres e, na medida do possível, oferecer alguns sacrifícios a Deus, seja no comer (renunciar de algum alimento que se tenha preferência ou simplesmente esperar alguns instantes para beber água quando se tem sede), nas diversões (televisão principalmente), nos desconfortos que a vida oferece (calor, trabalho, etc.), sabendo suportar os outros, tendo paciência em tudo. É indispensável sorrir quando se está cansado, terminar uma tarefa no horário previsto, ter presente na cabeça problemas ou necessidades daquelas pessoas que nos são caras e não só os próprios. Oferecer os sofrimentos, desconfortos da vida, jejuns e sacrifícios a Deus pela salvação das almas. “Ó vós todos, que passais pelo caminho: olhai e julgai se existe dor igual à dor que me atormenta.” (Lamentações 1,12).

6. Doçura: Nossa Senhora, é a Augusta Rainha dos Anjos, portanto senhora de uma doçura angelical inigualável. Ela é a cheia de graça, pura e imaculada. Ela pode clamar as Legiões Celestes, que estão às ordens, para perseguirem e combaterem os demônios por toda a parte, precipitando-os no abismo. A Mãe de Deus é para todos os homens a doçura. Com Ela e por Ela, não temos temor.

Imitando essa virtude: A doçura é uma coragem sem violência, uma força sem dureza, um amor sem cólera. A doçura é antes de tudo uma paz, a manifestação da paz que vem do Senhor. É o contrário da guerra, da crueldade, da brutalidade, da agressividade, da violência… Mesmo havendo angústia e sofrimento, pode haver doçura. “Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência.” (Col. 3,12).

7. Fé viva: Feliz porque acreditou, aderiu com seu “sim” incondicional aos planos de Deus, sem ver, sem entender, sem perceber. Nossa Senhora gerou para o mundo a salvação porque acreditou nas palavras do anjo, sua fé salvou Adão e toda a sua descendência. Por causa desta fé, proclamou-a Isabel bem-aventurada: “E bem-aventurada tu, que creste, porque se cumprirão as coisas que da parte do Senhor te foram ditas” (Lc 1,45). A inabalável fé de Nossa Senhora sofreu imensas provas: – A prova do invisível: Viu Jesus no estábulo de Belém e acreditou que era o Filho de Deus; – A prova do incompreensível: Viu-O nascer no tempo e acreditou que Ele é eterno; – A prova das aparências contrárias: Viu-O finalmente maltratado e crucificado e creu que Ele realmente tinha todo poder. Senhora da fé, viveu intensamente sua adesão aos planos de Deus com humildade e obediência.

Imitando essa virtude: A fé é um dom de Deus e, ao mesmo tempo, uma virtude, devemos pedir a Jesus como fizeram os apóstolos para aumentar a nossa fé. Porém ter fé não é o bastante, é preciso ser coerente e viver de acordo com o que se crê. “Porque assim como sem o espírito o corpo está morto, morta é a fé, sem as obras” Tg (2,26). Ter fé é acreditar que se recebe uma graça muito antes de a possuir e é, acima de tudo, ter uma confiança inabalável em Deus! “Disse o Senhor: Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: Arranca-te e transplanta-te no mar, e ela vos obedecerá.” (Luc 17,6).

8. Pureza Divina: Senhora da castidade, sempre virgem, mãe puríssima, sem apego algum as coisas do mundo, Deus era o primeiro em seu coração, sempre teve o corpo, a alma, os sentidos, o coração, centrados no Senhor. O esplendor da Virgindade da Mãe de Deus, fez dela a criatura mais radiosa que se possa imaginar. O dogma de fé na Virgindade Perpétua na alma e no corpo de Maria Santíssima, envolve a concepção Virginal de Jesus por obra do Espírito Santo, assim como sua maternidade virginal. Para resgatar o mundo, Cristo tomou o corpo isento do pecado original, portanto imaculado, de Maria de Nazaré.

Imitando essa virtude: Esta preciosa virtude leva o homem até o céu, pela semelhança que ela dá com os anjos, e com o próprio Jesus Cristo. Nossa Senhora disse, na aparição de Fátima, que os pecados que mais mandam almas para o inferno, são os pecados contra a pureza. Não que estes sejam os mais graves, e sim os mais frequentes. Praticar a virtude da castidade, buscando a pureza nos pensamentos, palavras e ações! Os olhos são os espelhos da alma. Quem usa seus olhos para explorar o corpo do outro com malícia perde a pureza. Portanto, coloque seus olhos em contemplação, por exemplo na Adoração, e receba a luz que santifica. Quem luta pela castidade deve buscá-la por três meios: o jejum, a fugida das ocasiões de pecado e a oração. “Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os pães não fermentados de pureza e de verdade” (I Cor.5,8).

-  Veritatis

1.

Não tenho muito que dizer.
Me sinto cinza diante da vida.
Nada acontece, nada é relevante.
Não me sinto, de fato,
uma pessoa verdadeiramente relevante.

Faço boas coisas, sim.
Tudo que faço, faço com capricho.
Mas o que é o capricho
senão obrigação do bom senso?
Não tenho nenhum ato espetacular.

Escrevo mais ou menos, nada digno de estrelas.
Toco meio mal, só pra diversão no meu quarto.
Canto, canto sim, mas desafino por preguiça.
Cozinho bem, com ajuda dos temperos prontos.
Além disso, nada mais merece menção.

Difícil me propor a escrever algo.
Quando nada é digno de nota,
o que é que a gente anota?

The art of Fire Emblem Echoes looks nice, buuut...

The way that THIS hair/head is drawn looked SO dis-proportioned it’s starting to annoy the hell out of me!

Kliff, I love you man, but exactly how NARROW is your head?!

You: “It doesn’t look that bad, it’s not dis-propor–”

You. were. saying?!

One Shot Liam Payne

  • Pedido por @maytrindex 
  • Desculpe qualquer coisa, sweet ♡


A manhã chegou calma deixando para trás os problemas da noite anterior e (seu nome) já estava a espera do ônibus mexendo na alça de sua mochila distraidamente. Assim que o veículo que a levaria até a escola chegou, ela entrou sem demora se negando a pensar em algo enquanto subia os poucos degraus e assim que ficou visível para os alunos já presente no ônibus quase lotado, ela pôde perceber seus olhares repleto de desgosto em sua direção. Não há nada de mais em vestir roupas que te deixam confortável, ela pensou procurando um lugar para se sentar.

A parte de encontrar um lugar também foi difícil, não havia muitos lugares vagos e os poucos que estavam, as pessoas do banco ao lado faziam questão de colocar suas mochilas para ela não se sentar. (Seu nome) caminhou pelo corredor olhando de um lado a outro e o único a não impedir que se sentasse no banco vago ao seu lado foi um garoto com fones de ouvidos.

Liam estava ouvindo suas músicas favoritas enquanto percorria o mesmo caminho de sempre até a escola, ele gostava de se fechar em sua própria bolha apenas se importando com a sua música em seu canto para evitar alguns problemas que poderiam acabar com sua vida escolar. Algumas pessoas na escola gostava de praticar bullying e Liam presenciava cenas algumas vezes, ele se limitava a caminhar pela escola sozinho e sem encarar muito as pessoas para que ele não vire uma vítima do grupo de idiotas. O que salvava sua pele, também, era que ele havia ficado com a menina mais popular da escola há alguns anos.

(Seu nome) se sentou ao lado do rapaz sem dizer nada, ela não tinha intimidade com ninguém daquela escola porque não fazia muito tempo que ela havia chegado e porque a maioria prefere rir dos comentários estúpidos sobre sua forma de vestir que não é todo frufru como da maioria. Ela achava que parte da perseguição era a sua culpa, ela era alta demais e gorda, tudo bem que suas roupas eram diferentes da maioria das menininhas daquela escola, mas o seu físico ajudava a causar repulsa.

Claramente ela estava errada sobre seu físico, sua baixa autoestima a faz enxergar coisas onde não têm.

Liam escutando suas músicas estava e escutando suas músicas ficou, a menina sentou ao seu lado e ele não se deu o trabalho de olhá-la. Ele pensou em fazer como as outras pessoas e impedir que ela se sentasse, mas ele ficou com pena da garota. Ela mal tinha chegado e já era alvo de algumas pessoas que pareciam não ter nada para fazer além de infernizar a vida escolar dos outros.

[…]

No dia seguinte foi a mesma coisa, impediram que (seu nome) se sentasse nos bancos vagos, mas o garoto dos fones parecia não se importar que ela se sentasse ao seu lado, então nos dias que se seguiram, (seu nome) se sentou no mesmo lugar.

Liam a maioria das vezes gostava de ouvir música enquanto lia suas histórias em quadrinhos, esse era um bom passatempo no caminho da escola. Não demorou muito para que ele percebesse que a garota também lia seus quadrinhos tendo a visão deles pelo canto dos olhos. Depois disso ele passou a ler mais devagar para que ela pudesse acompanhar e nos dias que se seguiram, ele levou mais de seus gibis saindo do ônibus os deixando para trás para que a garota pudesse ler depois. (Seu nome) levava os gibis para casa, lia todos durante a noite e devolvia novamente e tudo isso sem se falarem até então.

— Eu não sei se concorda… — Liam começou deixando (seu nome) surpresa ao puxar conversa — O Batman é o mais interessante de todos os personagens… Ele faz parecer que tudo pode ser alcançado se nós realmente querer.

— É o meu personagem favorito. — (seu nome) disse depois de alguns segundos em silêncio.

[…]

Os minutos no ônibus se tornaram mais agradáveis depois que passaram a conversar sobre o que liam, às vezes falavam sobre música ou sobre as matérias que estavam estudando. Não muito depois eles já tinham um laço de amizade, eles foram construindo aos poucos uma parceria.

O pequeno gramado atrás da escola havia virado o refúgio dos dois dentro daqueles muros, quando dava a hora do intervalo os dois se encontravam ali e conversavam até a hora de voltar, mas às vezes eles apenas passavam a manhã toda naquele lugar na companhia um do outro.

— Eu não entendo ela… — (seu nome) falou enquanto tinha os cabelos acariciados por Liam — Ele é um bêbado nojento e ela continua fazendo as vontades dele. É revoltante.

— Talvez ela tenha medo…

— Não… Ela só gosta dele mais que gosta dos próprios filhos. — ela suspira — É triste dizer, mas é a verdade.

— Eu sei que ela é a sua mãe, mas não ligue para isso. Não ligue para as pessoas que fazem comentários idiotas sobre você e não ligue para as pessoas que te olham feio. — Liam disse a fazendo se sentar para olhá-lo nos olhos — Não importa quem te faz mal ou quem não gosta de você… O importante é quem aprecia sua companhia, é quem gosta de estar perto e de você por inteira. — ele sorriu se inclinando para selar seus lábios.

A cumpliciadade dos dois só cresceu com o passar do tempo, eles juntos criaram uma intimidade bem maior que no começo e decidiram tentar ter alguma coisas, eles se gostavam bastante e queriam tentar.

— Você é a melhor pessoa que conheci desde que me mudei para cá. — (seu nome) acaricia o rosto do amigo.

— Não tem como não gostar de você depois que te conhece… E é por isso que eu quero propor algo. — Liam se concentrou nos olhos da garota — Nós nos tornamos amigos e decidimos tentar algo depois que prometemos continuar amigos caso não dê certo. Então eu pensei que quando tudo isso acabar, podemos nos mudar juntos. Eu irei para a faculdade em outro estado e quero que você vá comigo e abandone todos os problemas da sua família porque eles só te fazem mal.

(Seu nome) sorriu largo pulando sobre Liam o derrubando no chão enquanto riam juntos. Essa era a melhor proposta de futuro que ela tinha, ele queria continuar com ela próxima a ele e isso a fazia feliz, pelo menos uma pessoa gostava de sua presença. Ela não precisou responder se aceitava ou não, os beijos que distribuiu pelo rosto de Liam falaram por si só deixando tudo claro como água.  

Os dois só precisavam sobreviver o colegial para dizer oi a uma nova vida.



Espero que tenham gostado… ❤

Desculpem os dias sem postar… Eu precisava de um tempinho para mim e acabei relaxando de vez. :/

- Tay

Ouça o que vou propor
Que seja recíproco o nosso amor
Que o tempo seja usado a nosso favor
E que as palavras não percam seu valor.
—  Banhar se de poesia, Vitor A.
Ele queria discorrer sobre política, criticar o governo federal e propor medidas socioeducativas para acabar com o problema da criminalidade do seu país. Mas, quando sua caneta tocava o papel e as palavras começavam a dançar na folha, ele não conseguia falar sobre coisas importantes e maduras. Ele elogiava os cabelos da garota de olhos ardentes e descrevia o sonho que teve com ela na quarta-feira. Incansavelmente, tudo o que ele tinha para dizer era sobre ela, mesmo que muita coisa mais importante estivesse acontecendo no mundo.
—  She was his person. || Azarão

Como um passarinho.

“É, mais uma vez a estória se repete!
Foram longos os dias, por diversos pensamentos, desde os mais frígidos até os mais abrasadores.
Pensamentos sobre situações, ideias que envolvem momentos de ternura e de revolta, mas algo que simplesmente não deixou ser simplório e que da sua maneira teve o seu marco. Infelizmente, na minha mais humilde concepção…um marco de dor.
Eu novamente me vejo aqui, em frente a tela de um computador, provocado e tentando expressar os mais diversos pensamentos na minha mente, e sem dúvidas não poderia me abster de palavras que o expressem.
Nessa longa jornada dos sentimentos, as vezes nós desacreditamos de fato sobre um "real” sentimento, um sentimento por outrem.
Em pleno século vinte e um, o mal do século é dominado por instintos, desejos e por relações descartáveis. Pois bem, eu tive o desgosto de ter mais uma em minha vida.
Realmente é curioso como as pessoas são vazias e tentam suprir suas lacunas interiores com diversos tipos de relações interpessoais ou até mesmo para os mais fechados, a única relação intrapessoal.
Até quando nós vamos errar, cair, levantar e acreditar no outro, sem pensar nas marcas do passado? Até quando seremos fortes para nos curar e acreditar que tudo é questão de se entregar e fazer dar certo? Até quando eu não sei, mas sei que todos temos limitações, e eu com as minhas, não consigo deixar de pensar que certamente me entregarei à essa vida vazia até que eu me lembre que eu preciso apenas de eu mesmo para poder ter a felicidade através da auto suficiência, e que alguém, é apenas um detalhe para sobrepor ou transbordar todo o meu ser! Sei que um novo “amor” nunca tem culpa dos seus “amores” passados (e sim, as determinadas expressões entre aspas, significa o real sentimento de acreditar que esse sentimento não exista, ou que talvez seja somente uma falácia. Afinal, não pregam que amor é um só e é “eterno”?) mas ainda assim coloco em pauta, até quando vamos ignorar as cicatrizes em nossos corpos? Como se traumas não existissem e que tudo é tão fácil de acontecer e se entregar!
É realmente árduo acreditar que o sentimento de amor não exista, ou que ele é apenas uma jogada de marketing para o mercado capitalista do século e que provavelmente o único amor que exista de fato, seriam as relações consanguíneas e somente aquelas que pode-se pautar como família e não parentes…
Mas se o amor não for um sentimento somente de família, somente de relações familiares, alguém pode me ensinar o que é amar? O que é o amor? E o que eu digo é longe das relações consanguíneas…
Eu sinceramente comecei a acreditar que talvez esse sentimento não exista ou até mesmo como cita o poeta “Talvez eu não mereça amar. Mas todos merecem. Dizem por aí. Então talvez eu não saiba amar. Mas todos já nascem sabendo. Dizem por lá. Já sei, então talvez eu não saiba descobrir o amor entre as paixões que me passam sorrindo. É isso. Sorrisos lindos já me deram bom dia, mas, nem sempre dei oportunidade deles me darem boa noite”. O fato de almejar ser alguém sempre melhor, sempre me propor à valorizar e priorizar um relacionamento, me fez parecer um tolo na atual sociedade. Então começo a acreditar que a melhor opção é eu ser somente eu, auto suficiente e que o resto é apenas detalhe, e que um dia, alguém terá essa tal oportunidade de me dar os meus melhores “bom dia” e meus melhores “boa noite”.
As vezes, criar máscaras ou até mesmo um heterônimo em sua vida, não o torna mais feliz, muito pelo contrário! Quando se encosta em sua cabeceira, no seu travesseiro, sabe-se o real sentimento que se tem, o verdadeiro ser aparece e torna-se quase impossível não derramar as lágrimas pelo canto do olho. Talvez não de fraqueza, mas sim de tanta força e coragem de conseguir viver mais um dia, sem cair na esparrela de desistir de tudo ou até mesmo misturar as coisas com quem não merece.
É evidente que pessoas que vivem de máscaras não são felizes, afinal, são apenas máscaras! Mas será que somente quem vive na “solidão” que vive com as máscaras? Quantos relacionamentos conhecemos que são apenas ficção e que ambos preferem a distância do que a presença, e que não terminam pelo simples fato de estarem acostumados com a presença? Ou por outros fatores externos como a insuficiência de auto estima para tentar algo que realmente o faça bem, que o faça querer estar com uma pessoa?
Na história antiga, o que se era mais prezado era a vida, por isso suas penas eram com a morte, na nossa atual sociedade o que mais se preza é a liberdade e por isso as penas de cárcere privado, onde o indivíduo aprende a zelar pela sua liberdade. Mas por um momento de reflexão, quantas vezes nos prendemos há coisas que nos fazem mal e nos tiram essa liberdade que tanto prezamos? Quase como estar livre e não liberto! E por que insistir em algo que sabemos que dói no nosso consciente? Essas indagações tornam-se tão pejorativas e pesadas na mente, por quê?
Já observaram um passarinho na gaiola? Ele canta, talvez não por felicidade, mas canta…mas já observaram o quão lindo pode ser o canto de um grupo de aves soltas, livres para voar? Como torna ainda mais belo o passarinho quando ele bate suas asas passando em frente o sol?
Pois bem, hoje eu quero a minha liberdade de volta, quero vestir a máscara de que tudo está bem e que você não vai fazer a menor falta (mesmo sabendo que vai, e que não vai ser tão tranquilizante ver determinadas atitudes de você querendo se mostrar bem, mesmo não estando, somente para mostrar pra mim que seguiu), mas que sei que vai passar e que eu também vou seguir, então novamente eu serei como esse passarinho que paira sobre os ares, com o sol no horizonte, acreditando que ele só precisa de suas asas pra voar e prezando essa liberdade que torna seu canto ainda mais bonito. Quero ter o sorriso de futuro, e se preciso, saber lidar com o seu sorriso de passado. Eu sorrindo de felicidade, e você de saudade.“ - CIRQUEIRA, Guilherme.

Queria propor uma coisa a vocês. Vão na ask de tumblr's que vocês gostam e digam o que vocês mais gostam neles ou no tumblr deles. E rebloga isso para que outras pessoas possam fazer o mesmo. Seja bênção e alegria na vida das pessoas.

Horrível quando a dor ultrapassa sua pele
Alcança sua cabeça, alma, espírito
Atinge os locais mais íntimos do seu ser..

São perfurações de todos os lados
De origens distintas,
Retirando sua vitalidade,
Ânimo, vontade de viver

Te imerge em um poço
Escuro, frio, úmido
Te faz parecer mais sombrio
Que tudo a sua volta..

Não descobri a intensão da natureza
Ao nos propor esse tipo de situação
Não peguei o aprendizado
O intuito desta lição

Só me sinto amargurado
E mais uma vez cansado
Me questionando entre

Como existir
Ser
Viver
Ou não…

—  BG
#Peixes
Ha??? Não se espante se ouvir isto da boca de um pisciano - ao lhe propor um beijo. Por isto, faça a coisa certa: decida por ele, ou vocês vão ficar contando estrelas a noite inteira. Não dê mole pra estes distraídos, porque piscianos são tão escorregadios e indiferentes, que é melhor roubar um beijo e esperar um tapa do que contar com a iniciativa deles.
Como construir uma narrativa masculina

Muitas garotas têm dificuldade em descrever uma cena no ponto de vista de um cara, principalmente quando a narrativa é na primeira pessoa. Isso não é diferente quando se trata do público masculino com a narrativa feminina. Esta matéria não tem como objetivo criar uma personalidade fixa para um homem, pelo contrário, quero que vocês, leitoras, abram suas mentes para as diversas possibilidades que há por aí e quebrar os estereótipos mais comuns em fanfics e originais postados na internet. Afinal, ninguém é igual a ninguém, e isso vale tanto para as mulheres quanto para os homens.

Keep reading

  •  One shot, Louis Tomlinson. 


- Louis precisamos conversar!

- Se for sobre aquele show, eu me recuso a ir.

- Não é sobre isso - olho de relance para minha namorada e vejo que ela esta revirando os olhos, tipico de S/n quando está tensa.

- Ah já sei -digo ao me lembrar sobre o CD do GTA arranhado.

- Espero que você pare com essas respostas engraçadinhas, não estou nos meus melhores dias -ela diz com uma expressão de desanimo.

- Não diga! -tenho certeza que a ironia na minha voz é perceptível pois assim que termino a frase meu videogame voa na parede.

- Agora você tem minha atenção?

- Sim. -assinto com os olhos arregalados.

- Eu estou atrasada!

- Eu também -digo e ela faz careta- faltei a semana toda, em química.

- Não amor, atrasada..

- Mas você disse que não sairia hoje!

- Puta que pariu, não menstruei Louis, não desceu nada.

- Pera. Você. Está?

- Primeiro me responde uma coisa, você quer um filho?


É obvio que eu quero um filho, ainda mais com você S/n, mas a ideia de ser responsável pela vida de outro ser humano me assusta. Digo isso porque já tentei cuidar de um peixe, e o coitado morreu, de fome.


- Quero amor, claro que sim.

- Sim, eu fiz o teste de farmácia segunda-feira.

- O meu amor vai ter um filhinho meu? -pergunto e sinto meus olhos encherem de lágrimas, mas que porra de sentimento é esse? Nunca pensei que a ideia de cuidar de minion com nossos DNA me animaria tanto.

- Sim -ela responde com um sorriso enorme-


A abraço em um ato rápido e a beijo. Quando nossos lábios se desgrudam, me sento na cama e começo a pensar nas inúmeras possibilidades. Viajo para tão longe que nem percebo o silencio que se instala entre nós dois, ops, três, ou quatro! São tantas possibilidades.


- No que você está pensando? -minha namorada pergunta e acaricia meus cabelos, fecho os olhos com seu carinho e me pergunto como alguém pode ser tão boa, em tudo.

- Em nós -respondo e me deito em seu colo- imagina só,nossa própria família.

- Pensei nisso a semana toda, fiquei com medo da sua reação!

- Eu jamais teria uma reação negativa, sempre quis ser pai, você sabe.

- Sei, mas ainda nem acabamos o colégio.

- Estamos no terceiro ano, vamos dar um jeito, não se preocupa!

A abraço de um jeito reconfortante e carinhoso e quando ela suspira tenho a completa certeza que era disso que ela precisava. Não posso nem imaginar em como seu pai vai reagir, a mãe de S/n os deixou quando ela ainda era uma criança, desde então seu pai se tornou pastor de igreja privando sua filha de tudo e todos. Estamos juntos desde o ensino fundamental e mesmo assim ele não me aceita com sua filha, ele me tolera pois sabe que eu a faço feliz.


- Não posso contar isso para meu pai -ela sussurra.

- Nosso filho não pode ser escondido -digo.

- Sei disso meu bem, mas meu pai não vai entender, ele vai propor aborto, sei que vai. Mesmo sua religião sendo contra ele faria de tudo para manter a minha imagem de virgem Maria!

- Vamos fugir então -proponho mesmo sabendo que isso é impossível.

- Sua família é maravilhosa, não precisa deixa-los por mim!

- Vocês são minha família agora S/n, faço tudo por vocês.

- Nós como sua família, queremos ficar! Nosso filho merece ser criado com uma avó, com tias e dois avôs. Você não acha?

- Acho.. só estou tentando achar uma solução!



Depois de passar horas pensando chegamos a uma conclusão, não tem escapatória. Uma hora o senhor pastor vai descobrir que sua filha está esperando um neto seu. Sangue do sangue dele, e do meu também.


- O que você tem para me falar Tomlinson?

- Pode me chamar de Louis -digo e me ajeito no sofá.

- Não tenho tempo para você, ande logo.

- Quer que eu ande ou fale? -pergunto e pela sua expressão vejo que ironias não vão amenizar os sermões que eu vou levar.

- Você é mesmo uma criança, uma criança mimada, não sei o que minha filha querida viu em você. Saiba você que sempre serei contra esse relacionamento e que farei de tudo para separar, e salvar minha filha de você!

- Sua filha não quer ser salva de mim -digo e sinto meu rosto queimar.

- Quer sim, mas ela é uma adolescente que está apaixonada, não vai demorar muito para ela ver que é muito para você. Nem ambição você tem moleque.

- Tenho sim.

- E quais são? Ser jogador de futebol? Cantor? -ele da uma risada diabólica-

- Minhas ambições não te interessam seu Carlos, vim aqui pela S/n não por você, saiba que assim como você não faço questão de ter nenhum tipo de proximidade.


S/n desce as escadas sorrindo e então o velho sorri para ela, a mesma se senta ao meu lado e então entrelaça seus dedos aos meus.


- O que você quer filha?

- Temos uma coisa para te contar.

- Pode falar. Quero acabar logo com isso, não gosto que esse individuo esteja tão perto de você, dentro da minha casa.


Coitado, mal sabe ele que meu filho foi feito aqui, no sofá que ele está sentado por sinal.


- Não vou pedir de novo para o senhor respeitar o Louis, ele é meu namorado!

- Ele não te merece minha filha só quer te levar para cama, você sabe disso né? Você é só mais uma conquista para ele, mais uma que ele vai pegar e depois vai descartar é assim que os meninos dessa geração fazem!

- Eu jamais faria isso, eu amo a sua filha! E não é porque somos da mesma geração que temos todos o mesmo caráter.

- Conheço esse jogo Tomlinson, minha filha não é burra, suas palavras bonitas não vã faze-la cair em tentação.

- Pai eu estou grávida. -e em meio a toda tensão entre nos dois a voz fina e medrosa de S/n ecoou pela sala alaranjada.


De imediato eu achei que ele fosse desmaiar, o homem de meia idade colocou a mão no peito e gritou em nome de jesus, repreenda. Olhei para minha namorada e vi que ela estava chorando, seu pai se levantou e quando deu alguns passos tropeçou em seus próprios pés, S/n se levantou e então tentou ajudar ao pai que a empurrou e em golpe rápido a atingiu com um tapa no rosto. Olho para ela e a vejo com os olhos arregalados, sem dúvidas o susto foi pior que o tapa. Me levanto e me coloco entre os dois, seguro o sogro do ano pelo ombro e ele me empurra fazendo eu cair sentado no chão, o mesmo caminha até S/n que estava encolhida no sofá e tenta agarra-la pelos cabelos, corro até ele e o empurro fazendo agora o mesmo cair, pego minha menina pela mão sabendo que seria impossível lidar com o velho e corro para rua.


..


O silencio até meu apartamento é torturante e tudo que eu escuto e os soluços baixinhos de S/n que não quer chamar minha atenção. Assim que entramos a mesma se senta no sofá e eu vou até a geladeira, faço uma bolsa de gelo e levo até ela, levanto seu rosto com o ponta dos dedos e só quando ela me olha vejo o quão feio foi, aquilo não foi um tapa foi um soco. Beijo a rodela rocha em seu rosto e então pressiono a bolsa de gelo, a mesma se esquiva mas logo se acostuma com a temperatura.


- Sinto muito por isso, gatinha!

- Não sinta -ela diz e acaricia minha mão- a culpa não foi sua.

- Na verdade foi -digo sem jeito.

- Se meu pai não aceita você, não aceitara nosso filho, e eu não preciso de ninguém que não nos ame perto de nós -ela diz baixinho.

- Desculpe por não poder te defender, foi tudo tão rápido. -digo e ela sorri.

- Eu te amo, muito -ela diz e beija meus lábios.

- Eu te amo demais, amo mesmo, se não amasse teria arrebentado seu pai, apanhei em respeito a ti -digo e ela gargalha.


S/n fecha os olhos enquanto sorri e eu beijo seus olhos fechados.


- O seu pai é tão religioso no entanto não consegue ver que filho é uma dádiva de Deus. -digo e retiro a bolsa do lugar agora menos roxo.

- Não importa o que os outros pensem ou falem, vamos criar nosso filho juntos. -ela diz e passa a mão pelo meu rosto.

- Juntos. Nós três, para sempre. -digo e a beijo.

eu estava na ponta. no extremo do amor-próprio. eu era invencível, como o super-homem nos filmes da DC Comics. nada poderia me afetar ou atingir, nem mesmo os carros com seus motoristas alucinados na avenida paulista. nenhum outro amor poderia me causar afetação. o seu, havia passado. e o amor dos outros não me parecia real. fui furtivamente afetado pela esperança de que meu amor me salvaria. numa quinta-feira, depois de comprar pão e leite, me vi sentado na calçada em frente de casa. eu chorava e chorava. faltava um pedaço do mundo em mim, que mesmo com muito amor-próprio não dava conta de suprir, conceber, propor qualquer cura. meu amor não me curava de nada. procurei salas de terapia, conversei com deus, chorei até não aguentar mais no banheiro do expediente, nas salas de aula da faculdade, pela rua enquanto esperava o ônibus: o meu amor não era suficiente. o choque, talvez, viesse da percepção de que amor-próprio, assim, não salva ninguém. não coloca ninguém numa redoma irrefutável ou invencível. não abraça todas as vezes em que se há a vontade de correr para algum lugar. eu pensava que fosse morrer depois de você. e depois de pensar que fosse morrer, eu pensei que fosse viver. viver pra caramba. que minha força e esperança em mim mesmo me livrariam de uma loucura. e depois de pensar que não viveria sem você, depois sem mim, depois sem nós, eu cheguei à conclusão que viver na beirada, como quem ama um abismo infinito, não resolveria nem adiantaria muita coisa.
eu estava na ponta. quando terminei com você, me achava a pior pessoa do planeta. a mais desprezível. tive medo de perder a vontade de amar novamente, quem quer que fosse. me tornei dependente de qualquer atenção ou sinal de afeto. toda conversa regada a bom humor ou termos que assoprassem na minha alma certa paz, eu rapidamente me enchia de esperança. o amor de alguém, àquela hora, me parecia tudo que eu poderia ter. eu tinha medo de me expor e olhar no espelho. medo de notar que a catástrofe que você foi em mim ainda me impedia de seguir. eu me agarrava a qualquer resquício de outra pessoa para não lembrar das feridas que cintilavam no peito das minhas metáforas. o amor de qualquer um poderia ser um barco em meio ao mar mediterrâneo. eu estava exatamente na ponta: abraçando qualquer vácuo embalado a ‘eu gosto muito de você’, 'você é muito bom’ e similares. eu deixei me afetar pelo mundo se escorando sobre minha incapacidade de ser mais eu e menos o outro. mais eu e menos o sentimento do outro. mais eu e menos o olhar do outro sobre mim.
o problema é estar nas pontas. você de repente termina com o grande amor da sua vida e sai, alucinadamente, à procura do outro grande amor da sua vida. porque te disseram que você precisa preencher seus vazios com histórias rasas. porque te disseram que, se você não puder ficar consigo próprio, que pelo menos no outro você encontre subterfúgio. te disseram também que seu amor-próprio precisa estar em primeiro, segundo, terceiro plano. e que sua devoção a qualquer outro resquício de infinitude pode ser um erro. disseram que você precisa amar a si mesma porque assim, e só assim, você ensina aos outros como te amar. mas há dias em que você não quer depositar amor em si mesma. há dias em que você só quer ser um solo infértil, incurável e intransponível. há dias em que você não precisa se amar, haverá alguém ali por você. e haverá dias, também, cujo amor-do-outro, mesmo que imenso, não dará conta de chegar no epícentro da sua pele - nesse dia, quem sabe, você descubra que seu amor está ali. não sempre, mas está.
os extremos te obriga a ficar em lugares isolados. você deve devoção à cultura do amor-próprio porque ele te salvará de todos os dias ruins. você não pode amar o outro mais que a si mesmo porque isso, inevitavelmente, poderá acabar com você. ou é você por você, ou você pelo outro. e assim, dessa maneira binária, você fica isolada na incompreensão do mundo. nessa parte mesma que, não sabendo como se equilibrar entre ambos, perece e fracassa em relações por vezes ocas, por vezes intensas demais.
amor é pra ser compartilhado. consigo própria do tamanho do universo não revelado. com o outro, do tamanho do universo já descoberto. com tudo aquilo que se agiganta, e que pode ser maior do que você.
cuidado com os lugares isolados. existe confortabilidade no meio das coisas que não se apressam. existe paz na maneira única, maravilhosa e singular que você doa sua existência para alguém - eu existi em ambas as situações, doando amor a mim, num ato heróico; doando amor a outra pessoa, num ato insano.
e estou aqui. vivo.
eu quero que você viva também.
—  Textos cruéis demais para serem lidos rapidamente
Eu gostaria de lhe propor experiências tão simples quanto restauradoras: abra a janela da sua sala e sinta o sol da manhã batendo em seu rosto, respire fundo, deixe a brisa suave perfumar seu dia; abrace seu filho bem apertado, sinta o cheiro dele; tome um cafezinho com alguém que você ama, entre em contato com um amigo querido apenas para ouvir a sua voz; deite de costas na grama e conte as estrelas do céu, pare de pensar em desgraças e comece a pensar no quanto Deus ama você, e no quanto Ele lhe permite graças e alegrias em meio a um mundo tão ilusório. A vida passa a melhorar, o dia começa a ser bom, a respiração se torna leve, a partir do momento que você se permite querer ser assim. A vida é feita de escolhas. Se você escolhe acordar de mau humor, com mau estar, como atrair o que há de bom? Acordou com dor de cabeça? Dai graças por ter o dom de sentir, de pensar, de viver. Dai graças pela vida! Entenda, viver é uma dádiva presenteada a você, mas cabe a ti querer abrir o embrulho e desfrutar, ou não.
—  Dádivas.

Você tem a poesia nos olhos crus, nus, que percorrem cada curva e marca na pele como se fosse poesia, e talvez seja. O corpo sente tanto quanto os olhos e se entrega com a facilidade de um roteiro hollywoodiano barato. Qualquer toque um arrepio, transeunte que se rasga por promessas que os olhos leem contraditórios. Separo músculos e membros pois é como se cada parte da anatomia tivesse uma instrução básica para além dos desejos. A retina é um pedaço da alma, ser manipulável, ainda que superficialmente. O que dizes não é necessariamente aquilo que sente, o que quer está estampado no castanho mas você fecha as pálpebras, teimosa que é, ciente de todos os pesadelos escondidos desde o último semestre. 

Você tenta inutilmente não ser tocada mas as digitais já estão nas entranhas, seus olhos dizem não enquanto os lábios tremulam inseguros. A contradição reside não no mundo, mas nas cicatrizes que te amedrontam. B., você já se feriu com palavras belas e encontrou refúgio na violência, assim como virou as costas para a poesia enquanto os olhos pediam colo. Houveram feridas irremediáveis que cicatrizaram e ainda doem vezenquando, assim como te alivia, pois viver sem marcas é o mesmo que não tê-lo feito e você sabe o valor de cada lágrima. Além de todo o ceticismo, é preciso aceitar a tristeza como forma, não um molde para si, mas para os passos futuros. Você tem a poesia talhada na marca de nascença, no ato de se propor a enxergar além do visível e nos caminhos que não fez. Sua vida é um teatro e cada ação é feita como se fosse o ato final. B., você é poesia boêmia. 

G.

Momentos

Nós não sabemos e nem nunca saberemos definir o infinito das coisas. Digo “infinito” por que, um dia, uma ex-namorada me disse assim:

“-O tempo é uma medida muito traiçoeira. Os momentos, sim, definem o infinito das coisas.”

Gênia. Espetacular. Magnífica. Quem poderia representar um jogo de azar (também conhecido como “amor”) de uma forma tão precisa e profunda?

Como você pode saber que ama alguém em tão pouco tempo? Você não sabe. Você sente. Sente coisas boas em relação aquela pessoa. Ri do nada por pensar nela, pensa nela por rir do nada, se dispõe a fazer o seu melhor por e para ela, faz de tudo, enfim, você age de certa forma que, mesmo que você não perceba, os seus amigos vão perceber que você está amando. Mas, faz tão pouco tempo! Não pode! Para você “achar” que ama alguém, você precisa de tempo! De muito tempo.

“-O tempo é uma medida muito traiçoeira. Os momentos, sim, definem o infinito das coisas.”

Então, se você sente “coisas” por uma pessoa, não se apegue ao tempo. Aliás, não se apegue a nada. Nem mesmo a pessoa. Pense se realmente é verdadeiro ou se é só carência. Por que, se for só carência, tome cuidado. Carência é a irmã mais velha da ilusão, filha do arrependimento e enteada da solidão. Cuidado se você for um turbilhão de sentimentos. Foque em apenas um. Se der, é claro.

E, já que o tempo é uma medida traiçoeira, aproveite-o! Tire sarro dele! Faça coisas que você quer fazer antes que seja tarde demais. Ou antes que seja cedo demais! Aproveite e sinta milhões de coisas das quais você quer provocar e experimentar! Claro que, sempre, pensando no próximo. Não podemos machucar alguém para ser feliz. Isso se chama egoísmo. Isso se chama “filhadaputagem”.

E são os momentos que determinam o “infinito” das coisas. Não entendeu? Vou dar um exemplo. Existem relacionamentos de dois anos que não tiveram momento nenhum. Infelizmente. Foi um namoro a base de água e sal. Sem tempero. Não houve sequer nem um momentinho. Aí, pra contrabalançar, você conhece uma pessoa incrível numa festa, passa a madruga com ela vendo as estrelas, transam, tomam café na padaria perto da sua casa, se despedem e nunca mais se vêem. Não por opção, mas por falta mesmo. Pronto. Aquela noite (momento) vai ser inesquecível na sua vida. E o tempo de dois anos, vinte e quatro meses, pode ser muito bem trocado por doze horas. Sabe como isso é possível? Com a intensidade das coisas. Um simples momento que você vai carregar pro resto da sua vida. E, o sorriso que isso lhe tirará todas as noites antes de você dormir, não tem preço.

E, se você acha que está cedo demais para tentar ter um momento na sua vida, você está enganada. Nunca é tarde (nem cedo) demais para se propor a conhecer novos horizontes. Liberté. Cague um “foda-se” para os seus próprios tabus. Crie momentos inesquecíveis para o seu par. Não deixe seu namoro morrer na praia. Faça todo dia um dia diferente e único. Um dia especial na sua vida. Faça a sua vida especial e única. Faça merdas! Por favor! Tenha o que contar aos seus netos! E sempre se lembre:

“-O tempo é uma medida muito traiçoeira. Os momentos, sim, definem o infinito das coisas.”

Bom, hoje não é seu aniversário, não estamos fazendo “mesaniversário”, não estamos comemorando nenhuma data em especial. Mas, não preciso de um dia específico pra te dizer o quanto você é especial, o quanto você é importante, e o quanto eu te amo.. Então vamos lá.

Nunca imaginei que eu iria amar tanto uma pessoa, que eu iria ficar tão apaixonada, com o friozinho na barriga, que minhas pernas iriam ficar bambas, que meu coração fosse acelerar tanto. Tudo isso aconteceu depois que te conheci. Toda vez que eu te vejo meu coração acelera de tanta felicidade. Quando você me surpreende, minhas pernas tremem, fico gelada, sem reação, com cara de boba envergonhada. Quando você me beija, sinto aquele friozinho na barriga, igual ao que eu senti na primeira vez que nossos lábios se encontraram. É tão maravilhoso saber, e ver que mesmo depois de 11 meses, eu ainda sou apaixonada por cada detalhe que existe em você. Hoje eu vejo o quanto é bom amar e ser amada.

 Fico aqui imaginando, como Deus é perfeito, te conheci justamente na faculdade. Eu poderia ter começado a fazer faculdade bem antes, mas por várias coisas que deram errado, não pude fazer. Acho que Deus tinha esse plano sabe, de me fazer conhecer o amor da minha vida na hora certa, de não ter permitido que eu tivesse entrado na faculdade antes. Tenho plena convicção que se eu tivesse começado antes, eu não teria conhecido você. Mas como eu já disse, Deus é perfeito, e o tempo dele é prefeito. Ele me deu a minha faculdade, e me deu você.

Já passamos por cada coisa, foram elas boas e ruins. Uma das coisas boas, que foi marcante pra mim, foi quando em um determinado momento da minha vida, no qual o meu mundo desabou, onde tudo foi destruído, você segurou minha mão, e disse que não ia soltar, que eu não estava sozinha, que você jamais iria me abandonar.. Uma das piores, foi naquele assalto, onde tinha uma arma apontada pra você, naquele momento meu mundo mais uma vez desabou, eu senti um medo tão grande de te perder, que pude notar que o meu amor por você já era algo sem tamanho, algo mais intenso do que eu pensava. A partir disso, comecei a imaginar como seria a minha vida sem você, sem seus beijos, seus abraços, suas palavras, sem o teu calor que me aquecia no frio. Então pude notar, que eu já não saberia mais viver sem tudo isso, por que isso era o que eu tinha de melhor.

Você foi, e é o melhor presente que eu já ganhei. Agradeço muito por Deus ter me apresentado você. Sou uma pessoa totalmente dependente de você, e você sabe.. Não tenho outra pessoa além de você, pra desabafar, chorar, pra me dar um ombro amigo. Me apeguei completamente, que hoje já não sei mais viver sem ter você, não sei voltar a ser sozinha como eu era antes. Você veio e me trouxe a paz, a alegria, a felicidade, me mostrou o amor mais puro que existe entre um homem e uma mulher. Sabe, não existe mais eu, ou você, existe nós. Por que não  consigo mais fazer um plano futuro sem te incluir, não sei ir dormir e não pensar em você, não sei escutar uma música romântica  e não me lembrar de você. Não sei fazer nada que não tenha você no meio.

Sei que ultimamente não estamos passando por boas fases, sei que eu não sou uma pessoa  fácil de lidar e conviver, a gente se distanciou um pouco por causa de brigas sem sentidos, mas quero te dizer que pra mim nada mudou, o amor continua o mesmo. Mesmo que eu te diga coisas que machucam, quero que você saiba que essas coisas não saem do meu coração, são coisas ditas da boca pra fora. Não tem sido fácil né? Mas quero te propor um desafio. Sempre quando tivermos dias ruins, vamos nos lembrar dos dias bons, e analisar o que esta faltando hoje pra voltar a ser bom como antes. Quero te pedir, pra ser forte, pra nunca desistir da gente, por que eu sei, eu sinto que é com você que eu quero envelhecer, é com você que quero passar o resto dos meus dias. Sei que sou completamente insuportável e problemática, mas quero que saiba que nunca alguém antes me fez tão bem quanto você me faz, nunca me senti tão amada quanto me sinto com você. Não desiste, tudo vai se acertar. Deus esta no controle de tudo.

Você é a melhor pessoa que já conheci, te admiro muito por você ser quem você é. Te tenho como um exemplo de força, de superação, e de esperança. Você é o cara mais forte que já conheci, o que mais se supera a cada dia, e o que mais acredita na esperança de um amanhã melhor. Obrigado por ser tão carinhoso comigo, tão prestativo, atencioso, tão companheiro, tão romântico e por me fazer sentir o amor todos os dias. Obrigado por ser um pai, um irmão, um amigo, um namorado, um companheiro, um amante e confidente. Obrigado por ser você.

Meu amor, palavra nenhuma no mundo poderia dizer o quanto eu te amo. Nunca vou conseguir te explicar a importância que você tem na minha vida. Você é a melhor parte de mim. O meu maior tesouro. Tudo que eu tenho de bom é você.

Acordar todos os dias e saber que você existe, me dá forças pra continuar. Ver esse teu sorriso maravilhoso, é como se fosse meu antidoto pra respirar. Te sentir pertinho de mim, é o motivo que eu tenho pra viver.

Eu te amo muito meu baby, você é o homem da minha vida, o amor que eu pedi pra Deus.

Finalizando, quero te dizer só mais uma coisa: Obrigado por me amar. E por me fazer tão feliz. Deus está com a gente.

“Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém separa”. Mateus 19;6.

Te amo e pra sempre vou te amar.