navay

Você deu o melhor de si?

Depois de quase doze meses de preparação, os jovens fuzileiros navais aguardavam ansiosamente pela entrevista final com o almirante que acontecia no último mês de treinamento.

Chegou o grande dia para o jovem Jimmy Carter, que no futuro se tornaria o presidente americano. Impecavelmente fardado, ele se dirige ao gabinete do almirante. Entra e fica em pé no meio da grande sala, quando o almirante inicia a entrevista:

– Jovem, como foi o treinamento para você?

– Excelente senhor – respondeu Jimmy.

– Quantos alunos serviram neste navio?

– Por volta de oitocentos jovens, senhor.

– Qual foi a sua classificação?

– Qüinquagésimo primeiro, senhor.

O almirante então comenta:

– Uma boa colocação!

Em seguida o almirante dirige-se à porta, e antes de sair faz uma pergunta:

– Você deu o máximo de si?

Jimmy refletiu por alguns segundos e respondeu:

– Não, senhor.

O almirante então sai da sala, mas volta, abre a porta e coloca somente a cabeça para dentro do ambiente, e faz uma última pergunta:

– E porque não?

Se estivéssemos chegando ao final do nosso aprendizado nesta vida, e Deus, o grande almirante, nos fizesse esta mesma pergunta: “- Você deu o máximo de si? Você fez o seu melhor?”, qual seria a resposta? Imagino que a grande maioria (e eu me incluo neste grupo) responderia o mesmo que Jimmy Carter: “- Não, Senhor”. Em seguida viria então a pergunta final: “- E porque não?”.

Ao olharmos para cada área de nossas vidas, para cada papel que exercemos no dia a dia, é bem provável que encontremos várias oportunidades de melhoria. É difícil saber quando atingiremos o “máximo”, porque quanto mais avançamos em sua direção, mais conscientes nos tornamos de que podemos fazer mais e melhor, portanto, “dar o máximo de si” é na verdade, o compromisso de fazer o que é certo, mesmo quando isso é difícil; de fazer o melhor, mesmo quando você não deseja fazê-lo, porque quando você faz desse compromisso uma rotina, suas ações se tornam seus hábitos que, com o tempo, se integram ao seu caráter e que, por fim, se tornam seu destino.

Então, porque não?


Um grande abraço,

Marco Fabossi

Olá Lívia, sou Douglas do RJ, 18 anos, e to pretendendo fazer a prova para fuzileiros navais pois pretendo me afastar da minha família e ser independente. Pretendo pegar a primeira passagem para fora do país e ficar lá fora em serviço, mas não contei a minha família ainda que é isso que eu quero, ele apenas acham que eu quero ser um militar. 😅

Oiiie, boa noitee, se eu fosse vc contava logo hahahaha
Ronda aceita convite de jovem marinheiro para ir a baile, mas impõe condição

 

Membro da Marinha dos Estados Unidos, o jovem Jarrod Haschert, de 22 anos, convidou ninguém menos do que a campeã peso-galo (61 kg) do UFC Ronda Rousey para ser seu par no “Marine Corps Ball”, festa celebrada em 10 de outubro, feriado que comemora o dia em que os fuzileiros navais se estabeleceram nos EUA, ainda em 1775. O vídeo onde Jarrod faz o convite para a lutadora já foi visto por quase 5 milhões de pessoas, inclusive Ronda, que aceitou sair com o marinheiro, mas impôs uma condição.

Apesar da luta de Ronda Rousey ter sido antecipada do UFC 194, que aconteceria no dia 2 de janeiro, para o UFC 193, que será realizado em 15 de novembro, na Austrália, contra Holly Holm, a americana não viu problemas em comparecer ao baile, conforme declarou em entrevista ao site “TMZ”.

“A luta teve a data mudada, então na realidade eu posso ir (ao baile). Mas eu não sei como chegar a ele (Jarrod) e dizer algo tipo: ‘Sim, eu quero ir com você. Eu iria com certeza. Mas, como eu poderia chamar ele? Será que eu deveria escolher o lugar e a hora, aparecer e vê-lo esperar até o relógio indicar a hora certa?’ Ele é uma graça. Parece ser um cavalheiro. Não sou o tipo de garota que vai a um primeiro encontro. Nós vamos ver quando eu encontrá-lo. Eu definitivamente irei. Sim, isso é um sim. Ele precisa arrumar pares para as minhas amigas, então iremos todas juntas”, disse Rousey.

Agora a missão de Jarrod é fazer o seu melhor para arrumar pares para os outros membros do “The Four Horsewomen”, grupo de amigas da campeã, que consiste nas lutadoras Jessamyn Duke, Marina Shafir e Shayna Baszler, que estão longe de possuírem os atributos físicos de Ronda Rousey.

 

Ucrânia e EUA começam exercícios navais conjuntos no Mar Negro

Kiev, 1 set (EFE).- Ucrânia e Estados Unidos iniciaram nesta terça-feira oficialmente os exercícios navais conjuntos “Sea Breeze 2015” no Mar Negro, que se prolongarão até o próximo dia 12 e no qual participam 14 navios e até 2,5 mil homens.

“Depois da anexação da Crimeia (pela Rússia), a região do Mar Negro deixou de ser estável e segura”, disse o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, na cerimônia realizada no porto de Odessa, segundo meios de comunicação locais.

Segundo o chefe do governo, a tarefa dos militares ucranianos nestes exercícios consiste não só em achar uma linguagem comum com seu parceiros de outros países, mas em começar a adotar os padrões da Otan.

Yatseniuk indicou que graças à ajuda da Otan, as Forças Armadas da Ucrânia acham novos sistemas de instrução, logística e inteligência, que tarde ou cedo permitirão à Ucrânia recuperar a Crimeia.

“A Marinha da Ucrânia voltará à Crimeia”, enfatizou.

Nos exercícios “Sea Breeze 2015” participam, além disso, 500 militares de países da Otan e de antigas repúblicas soviéticas que fazem parte do programa “Associação para a Paz”.

A Ucrânia estará representada nos exercícios por um contingente de mil homens, nove navios, oito helicópteros e aviões, e até 50 unidades de veículos de transporte terrestre.

A força americana é composta mil militares e até cinco navios. EFE

bk-bsi/ff

Chineses fazem manobras navais e aéreas no Mar do Leste da China

PEQUIM (Reuters) - A China realizou exercícios militares aéreos e navais de grande escala no Mar do Leste da China nesta quinta-feira, disse a agência de notícias estatal Xinhua, na terceira vez nos últimos dois meses que o país efetua tais manobras marítimas com disparos de armas.
De acordo com a Xinhua, o treinamento envolveu mais de 100 navios, dezenas de aeronaves, unidades de guerra de informação, bem como o disparo de cerca de 100 mísseis. A agência não especificou onde exatamente os exercícios ocorreram.
A China e o Japão estão envolvidos em uma disputa cada vez mais amarga sobre a propriedade de um grupo de ilhotas desabitadas no Mar do Leste da China, chamadas de Senkaku por Tóquio e Diaoyu por Pequim.
Nos últimos dois meses, a China realizou exercícios semelhantes no Mar Amarelo, e também em águas disputadas por vários países no Mar do Sul da China.
O país reivindica a maior parte do Mar do Sul da China, potencialmente rico em energia, pelo qual passam de navio anualmente mercadorias de aproximadamente 5 trilhões de dólares, e rejeita as reivindicações de Vietnã, Filipinas, Brunei, Malásia e Taiwan sobre partes do mesmo mar.
Separadamente, o Ministério da Defesa da China informou que o país vai realizar exercícios militares com a Malásia no mês que vem no estratégico Estreito de Malaca, e também realizará manobras de treinamento com a Austrália e os Estados Unidos, na Austrália.
(Reportagem de Megha Rajagopalan)

Rússia e China realizam manobras navais conjuntas

Rússia e China lançaram nesta sexta-feira grandes manobras navais diante do litoral de Vladivostok (leste), anunciou o ministério russo da Defesa.

Vinte e dois navios de guerra e cerca de 20 aviões e helicópteros participarão nos exercícios de uma semana.

Os marinheiros russo e chineses treinarão para evitar aéreos e de navios e submarinos, segundo um comunicado oficial.

Os chefes militares dos dois países enfatizaram que as manobras não visam a nenhum estado, e sim buscam estabelecer laços defensivos comuns entre os dois países.

China e Rússia, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, aproximaram-se nos últimos meses, à medida que aumentam as diferenças entre Moscou e o Ocidente, e que Pequim preocupa seus vizinhos aos afirmar suas ambições territoriais.

Jovem militar pede para Ronda Rousey ser seu par em baile da Marinha; veja

Membro da Marinha dos Estados Unidos, o jovem Jarrod Haschert, de 22 anos, está a procura de um encontro para um grande baile. Com este intuito, o ousado militar fez um vídeo convidando sua paixão distante, a campeã dos pesos-galos (61 kg) do UFC Ronda Rousey, para o baile dos marinheiros.

O vídeo alcançou nada menos do que a marca de mais de três milhões de acessos em menos de uma semana. Jarrod Haschert usa toda sua simpatia para tentar conquistar a lutadora, a quem declara sua paixão.

“Você é a celebridade que eu sou mais apaixonado. Eu realmente amo tudo que você faz e penso que você tem uma personalidade fantástica. É por isso que seria uma honra levá-la para o Marine Corps Ball”, disse o americano.

O “Marine Corps Ball” é uma data celebrada todo ano no dia 10 de novembro, quando que os fuzileiros navais se estabeleceram, em 1775. O feriado é comemorado com uma festa e um grande bolo é cortado em homenagem aos militares.

Será que Ronda Rousey irá aceitar o convite? Confira abaixo o vídeo postado pelo militar em sua conta no facebook.

Produção industrial sul-coreana cai 0,5% em julho

Seul, 31 ago (EFE).- A produção industrial da Coreia do Sul caiu em julho 0,5% em relação ao mês anterior devido à queda da demanda externa e das exportações de componentes eletrônicos e maquinaria, informou nesta segunda-feira (data local) o Escritório de Estatística de Seul.

O indicador que engloba a produção das indústrias manufatureira, mineradora e energética do país asiático retornou com isso a números negativos depois que em junho experimentou alta de 2,5%, após três meses consecutivos em baixa.

Em termos anualizados, a produção industrial sul-coreana sofreu queda de 3,3% no mês passado, segundo o Escritório de Estatística.

O organismo explicou em seu comunicado que a redução das exportações da menor demanda externa de produtos gerou um impacto direto sobre a produção de componentes eletrônicos, maquinaria, equipamentos navais e outros bens industriais, que experimentou grandes quedas.

Em todo caso, a queda das vendas para o exterior destes produtos foi compensada em parte pelo aumento da produção de automóveis e de outros artigos relacionados com o transporte.

As exportações, que são o principal motor da quarta maior economia da Ásia, se contraíram em julho 3,4% anualizado e 0,1% em relação a junho.

No entanto, a produção de automóveis na Coreia do Sul aumentou 4,9% no mês passado em comparação com o anterior.

A produção no setor de serviços também cresceu 1,7% em relação a junho e 2,2% frente ao ano anterior, segundo o relatório do Escritório de Estatística. EFE