na base da porrada

random bios

meiga igual coice de égua 

q hotel lindo…hotel rabo

tantos lugar pra senta e eu só queria senta na tua pirok

tantos lugar pra noiz ta e onde noiz tamo? tamo na merda

me da um real pra compra trident?

O COISA ESCROTA PODE FALAR A VONTADE

me chama de abelha e ferra a minha bunda

mãe se tu por um acaso tive twitter não acredita nas coisa q eu posto aqui ta no twitter é assim samo tudo loco

manda nudes é coisa do passado agora a moda é namorar pelado

passar cerol na mão mas queria mesmo era passa teu corpo

vamo brinca de nuvem? eu nu e tu vem? 

vamo si cume?

tantos sorrisos por ai me querendo e adivinha qual eu quis? 

crush começa com c de CACHORRO CANALHA CARRAPATO 

linda vc faz tudo, menos diferença na minha vida

chefe é chefe né pai

deus me livre das pessoa certa nesse site

quantos km até a tua boca?

buceta começa com b de BOM POR DMAIS

tanto faiz onde noiz ta

não criei twitter pra aguentar piranha querendo ser tumblr girl, falo mesmo

uma hora tamo bem otra mal

infelizmente nao foi hoje que achei uma mala com 50 milhões de reais na rua

  Para namorar comigo tem que aguentar minha chatice sem razão, minha cara quase sempre fechada e minhas mudanças de humor repentinas

Se bater na madeira afasta o azar, tô precisando desmatar a Amazônia na base da porrada

quem passa boa impressao é impressora nois so passa vergonha mesmo

Namora comigo eu rio das tuas piadas sem graça

SABE PQ TEM UMA CAMA ELÁSTICA NO POLO NORTE??? KKKKK PARA O URSO POLAR KKKKKKKK ql o endereço do sanatório mesmo? 

Transformo boa parte das minhas insatisfações em texto. Não sei fazer outra coisa, eu acho. Me dou melhor com o papel e esse lápis que faz curvas sobre a alma dos papéis sulfites do que com qualquer outra amenidade. Digo sulfite porque não me sinto bem escrevendo em folhas que contêm linhas, elas me dão uma sensação de enjoo, sufoco, falta de liberdade. Tenho a impressão de que cada linhazinha daquela está se juntando para criar uma organização que tem como objetivo principal derreter o crânio dos escritores amadores que acham que escrevem alguma coisa decente, mesmo que não sejam conhecidos por ninguém, nem mesmo por si mesmos. Aquele tipo de cara que sempre envia o que escreveu por mensagem a vários colegas e os importuna até a morte para dizer o que acharam, mesmo que o texto seja incomensuravelmente grande e sabendo que muito provavelmente não irá receber crítica alguma, por mera questão de gentileza, medo de acharem que não estão sendo sutis, receio de acabarem tocando na ferida, saca? Sabe, entrei no meio desses caras há uns cinco anos atrás, e até então não consegui sair. Me tornei um deles. Somos todos uma porcaria só. E, bem, por mim está tudo bem, nesse mundo de articulação de palavras ninguém realmente se importa muito com o rabo do outro, a maioria só finge. É cada um enchendo o seu próprio saco e tudo beleza. Gosto disso. Se um dia eu sair desse monólogo, ou até mesmo se me tirarem na base da porrada transcendental, escreverei sobre o assunto. Assim como todos os meus conterrâneos viciados em palavras, provavelmente.
—  Junior Lima.
Mas me enjôo só de olhar toda essa hipocrisia, essa falsidade. E o pior é que está por toda parte: uns criticam (porque se acham superiores) quem se acha superior; uns falam mal, porque invejam… Você não pode virar as costas pra uns que já tem milhares de facas vindo na sua direção. É tudo na base da porrada e da vingança. Olho por olho e tal. Mas, afinal, isso tudo leva a quê? Além de sentimentos ruins, arrependimento e fracasso, é claro. Por que fazemos algo que não nos traz benefícios? A raça humana é mesmo um mistério.
—  Giovanna Leonetti