n-consigo-escrever

Ela estava mais uma vez ali para lutar, persistir, correr atrás. Sem medo naquela corrida de anos e anos, pulando os obstáculos e desviando olhares dos inimigos. Em cada esquina deixava um pedaço de si e levava uma lembrança, boa ou ruim. Sempre errando com esperança de acertar uma única vez, a tal sonhada chegada, a vitória que tanto buscava, que a cada passo estaria mais perto, acreditava ela. Nem percebia que estava se gastando, se machucando, só percebeu quando olhou-se em uma pequena poça de água no chão. Uma visão de dor e sofrimento, perguntava-se por quais motivos estaria aqui, nesta jornada que até esse momento não teria fim? Molhou sua mão naquela poça e passou em seu rosto coberto de barro e folhas, não se reconhecia. Chegou a derramar uma lágrima, querendo ter mais alguém ali, pensando que não precisava ir sozinha o caminho todo, desejando ter alguém do outro lado do caminho, vindo na tua direção. Decidiu seguir viagem, desejando do fundo de seu coração ter uma pessoa te esperando do outro lado. Passou mais alguns anos, despedaçando-se pelo caminho e nada à avistava. Desacreditando-se, tomou julgar si de louca, tremendo desperdício de uma vida, pensava ela. Sem começo, sem final, apenas uma história sem sentido esperando se tornar uma pela história, com um final feliz. Enquanto isso não acontece, ela ainda estara lá, no seu caminho longo e solitário.
—  Julga-se louca?
5

Ele não é normal, isso eu garanto. Mas ele é um tipo de louco que vai te atrair pra perto, e ainda consegue acabar com essa distância toda. Ele é daqueles que você se apega fácil, e logo tá lá, feito boba rindo das piadas sem graça que ele faz. Ele é desses que vai rir da sua queda e depois vir correndo tentar te ajudar. É o que vai falar o que você quer e não quer ouvir, e fazer de tudo pra tentar te ver feliz. E quando eu estou mal, é o colo dele que eu quero, e preciso de suas palavras pra ficar bem. Eu confio inteiramente nele, e é pra ele que eu quero contar como foi o meu dia, minhas aventuras esperando ele dizer: ’Nossa, como tu é retardada.’ Contar pra ele alguma coisa lógica, é totalmente impossivel. Mas é eu gosto disso, gosto dessa proteção, gosto da risada contagiante que ele tem, dos nossos apelidos idiotas, do tanto que ele me irrita e do quanto eu me sinto bem. Eu me apeguei totalmente a ele, a seu jeito idiota. E principalmente, a forma que eu sinto quando estou ao lado dele. Eu precisava de alguns sorrisos, e ele estava lá pra me fazer sorrir quando não havia mais motivos, eu precisava de carinho e ele tentava me mostrar o quanto eu sou especial. Eu estava com um coração partido, e ele estava lá, pronto pra socar quem me fez mal. Ele é um dos poucos que se importam, e um dos poucos que me fazem sorrir. Ei superman, eu te amo.(nofearsnoheart for ihavealwaysloved)