nç

3

The word “jacana” comes from the Brazilian Portuguese name for the bird,  jaçanã, which in turn comes from the bird’s Tupi name, ñaha'nã.   Jacanas are also known as “lotusbirds” or “lilytrotters” in Asia, and “Jesus bird” in the Americas because it appears to walk on water.  In fact, the jacana is so light and its huge, widespread feet distribute its weight so evenly that it is able to walk on aquatic plants such as water-lilies and water hyacinth.

Pedido: Faz um imagine bem engraçado q os dois são cantores e em uma noite q eles estão muito bêbados eles ficam twetando coisas engraçadas,contando coisas um do outro e fazendo vídeos juntos rindo a toa,falando bobagem e essas coisas sabe,no outro dia quando eles estao sobrios eles estão nos assuntos mais falados no Twitter,nos sites de fofocas estão falando deles e estão cheios de mensagens dos amigos e da família,os dois so riem da vergonha q passaram e tem uma manhã romântica pra compensar,cm o Zayn - Anônimo

Obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Zayn Malik:

Empurrei a porta com o resto de força que eu tinha - quase caindo de cara no chão - e puxei Zayn pela gola da camiseta que ainda ria junto a mim. Ele fechou a porta com o pé e nos jogamos no sofá.

-Nã-han! Não devíamos ter bebido tanto.
Falei logo rindo em seguida.

Zayn e eu estávamos em uma grande festa em comemoração ao sucesso do nosso primeiro single juntos, foi nossa ideia fazer um feat e os fãs simplesmente amaram. Por isso, resolvemos comemorar…mas passamos do limite no quesito bebida.

-Claro que devíamos, a noite é uma criança!
Zayn grita e me beija logo em seguida.

Minha visão já estava meio turva mas eu ainda conseguia ver aqueles olhos cor de mel. Minha risada era escandalosa e qualquer coisa me fazia rir, nossos beijos eram desesperados e atrapalhados, mas ainda sim são os melhores, só por ser ele.

-Eu acho que deveríamos interagir um pouco com nossos fãs no Twitter, afinal, foram eles que fizeram tudo isso acontecer.
Zayn diz tirando uma mecha de cabelo do meu rosto.

Assinto com a cabeça e vejo o mesmo sorrir se ajeitando no sofá e pegando seu celular. Fiz o mesmo e pensei no que falar.

Zayn começou a digitar rapidamente e logo uma notificação chegou.

@zaynmalik: ObRiGaDo à ToDoS QuE NoS AjUdArAm NeSsA CoNqUiStA! FoI lOuCo! @seutwitter

Ri sozinha e twittei:

@seutwitter: Obrigads pilo incravel naite, amu veces! @zaynmalok

Comecei a rir escandalosamente, mal conseguia escrever direito. Zayn se juntou a mim e eu tentei parar de rir antes que ficasse sem ar.

-Zayn Malok? Sério que nem me marcar você conseguiu?
Zayn continuava rindo e eu sorri negando com a cabeça.

Olhei os comentários e várias pessoas usavam memes e diziam coisas engraçadas sobre o meu twite.

@seutwitter: mis dergunpem,, nao posso beber muito q já fico assim

Ri novamente e encarei Zayn que estava concentrado no seu celular.

@zaynmalik: NãO QuErIa DiZeR nAdA, mAs MiNhA nAmOrAdA nÃo É mUiTo FoRtE pArA bEbIdAs. Te AmO @seutwitter

@seutwitter: noa qria dizer nd ma zain vai durmir no sofa hoje te moa @zaynmalik

@zaynmalik: NãO vOu NãO, vÔcÊ nÃo CoNsEgUe DoRmIr SeM mIm, AdMiTa Bb 😉

@seutwitter: duvrida ?

@zaynmalik: DuVrIdO!

@seutwitter: paris discrever ass im ,, me dói a cabeça @zaynmalik

@zaynmalik: Então escreva direito também baby, acho que já estamos passando vergonha demais no tt. @seutwitter

@seutwitter: Bobo. @zaynmalik

@zaymalik: Seu bobo. @seutwitter

@seutwitter: Meu bobo. @zaynmalik

@zaynmalik:Então, iremos irritar os vizinhos

@zaynmalik:Ficar na cama o dia todo, cama o dia todo, o dia todo @zaynmalik:Transando com você e lutando

@seutwitter: que isso Zayn

@zaynmalik: Mais tarde você descobre. 😉 @seutwitter

@seutwitter: mais tarde vamos estar na cama @zaynmalik

@zaynmalil: Então gostou da ideia? 😏 @seutwitter

@seutwitter: D.o.r.m.i.n.d.o @zaynmalik

@zaynmalik: Quanta raiva bb @seutwitter

@zaynmalik: Podíamos descontar em muito sexo @seutwitter

@seutwitter: CalaboK @zaynmalik

@zaynmalik: Vem calar! 😏 @seutwitter

@seutwitter: Vou mesmo! @zaynmalik

Pulei em Zayn e começamos a nos beijar desesperadamente.

-Amor…S/n…hey!
Zayn tentou me chamar mas eu não parava de o beijar.

-Hm?
Sorri o selando uma última vez.

-Vamos voltar pro Twitter?
Ri e concordei.

@seutwitter: Mozão negou beijo #chatiada @zaynmalik

@zaynmalik: Depois das safadezas que twitamos iriam achar que fomos transar @seutwitter

@seutwitter: Tudo bem, está perdoado @zaynmalik

@zaynmalik: Espero que me perdoe por isso também…

Franzi o cenho mas logo senti um flash sendo disparado em meu rosto.

@zaynmalik: ❤ (Link da foto)

@seutwitter: Filho da mãe @zaynmalik

@seutwitter: Não vai ficar assim @zaynmalik

@seutwitter: Zayn Javadd Malik fez xixi na cama até os DOZE anos

@zaynmalik: S/n quando beijou pela primeira vez babou o menino todinho

@seutwitter: Aposto que queria ter sido ele 😉 @zaynmalik

@zaynmalik: Até queria, mas saber que agora você também me baba todo…não tem comparação 😉 @seutwitter

@seutwitter: Zayn nunca quis conversar sobre termos filhos #pésimonamorado 😢 @zaynmalik

@zaynmalik: S/n nunca me deixa me explicar sobre minha decisão @seutwitter

@seutwitter: Então se explique! @zaynmalik

@zaynmalik: Eu te amo e adoraria ter milhões de filhos com você. Mas ainda temos tanto tempo e tanto a aprender, quero me casar com você primeiro e conseguir um tempinho mais livre na minha carreira +

@zaynmalik: Espero que entenda, e desculpe ter que dizer isso bêbado e via Twitter. @seutwitter

@seutwitter: Relaxa bro eu te entendo @zaynmalik

@zaynmalik: Somos tão estranhos e estamos tão bêbados que você virá meu amigo ao invés de ser minha namorada fofa @seutwitter

@seutwitter: Sempre fomos estranhos, até mesmo sóbrios @zaynmalik

@zaynmalik: Sei que somos estranhos, principalmente pelo fato de que estamos um do lado do outro mas preferimos conversar pelo Twitter @seutwitter

@seutwitter: Alguém aí quer uma live? @zaynmalik

@zaynmalik: live? @seutwitter

@seutwitter: sim, live e tu vai aparecer também @zaynmalik

@seutwitter: alguém?

@seutwitter: a foda se, to tao bêbada q não enchergo os comentários de vocês

@seutwitter: vou chamar mozão pra vim ajudar

Peguei meu notebook e chamei Zayn para fazer a live comigo.

-Oiiii!
Acenei exageradamente na tela.

-Amor ainda não ccomeço.
Zayn falou rindo e apertando em alguma tecla.

-Oi!
Zayn sorriu e eu beijei sua bochecha.

-Nos façam perguntas! Estamos bêbados e provavelmente vamos nos arrepender muito amanhã.
Falei rindo.

-A @Zquad_000 perguntou se vamos casar.
Li e Zayn me olhou sorrindo.

-Um dia.
Zayn respondeu e beijou meu bico.

-@lovelikelove perguntou quem pegaríamos se não estivéssemos juntos.

-Eu não…

-Eu pegaria o Shawn Mendes, Zac Efron e…o Niall.
Respondi antes de Zayn. Zayn me olhou sério.

-Então vai lá, pega o Niall.
Falou se afastando.

-Eu estava brincando.
Dei um sorriso fraco.

-Aposto que eles não foderiam você igual eu.
Falou sorrindo malicioso. Eu poderia retrucar mas lembrei que estávamos ao vivo para um monte de pessoas.

-Não! Ele quis dizer que eles não me amariam igual ele. Né amor?
Falei para a câmera e apertei as bochechas de Zayn.

-Que seja, próxima pergunta.

-@fulaninha perguntou por quê você é tão gostoso. Eu me faço essa pergunta todos os dias!
Ri e Zayn fez uma careta sexy.

-Eu espero que amanhã ninguém se lembre desse nosso mico.
Falei e Zayn assentiu concordando.

-Achei algo legal, a @zayyne pediu para a gente fazer a tag Ele ou Ela, ela colocou as perguntas em baixo…

-Quem se apaixonou primeiro?
Zayn leu e eu abri um grande sorriso.

-Foi Ele/Ela!
Falamos ao mesmo tempo e eu o olhei semi cerrando os olhos.

-Como assim ela? Não fui eu que falou aquela cantada ridícula!
Falei e Zayn me olhou indignado.

-Não foi ridícula, e você gostou! Senão não estaríamos juntos hoje.
Sorriu convencido e deixou um beijo em minha bochecha.

-Ok, próxima! Quem é mais carinhoso?

-Apesar do jeito cafajeste…Zayn é o mais carinhoso.

-Eu ainda gosto de mandar flores e dizer o quanto te amo, mesmo que soe patético.
Deu em ombros.

-Quem é mais ciumento?

-Você!
Zayn apontou para mim e eu o olhei inocentemente.

-S/n é do tipo que finge que não está com ciúmes mas te trata igual um ninguém, e aí também entra a questão de eu ser o mais carinhoso.

-Próxima! Quem é mais desorganizado?

-Os dois, nós sabemos ser bem bagunceiros quando queremos.
Zayn respondeu.

-Quem é mais vaidoso?

-Os dois também, apesar de que as vezes eu só coloco um moletom e pronto, tô saindo!
Respondi.

-Quem cozinha melhor?

-Definitivamente o Zayn, gente…a visão desse homem, de cueca, cozinhando e ainda junta com aquela carinha de quem acabou de acordar e o cabelo desgrenhado…é a melhor coisa da face da Terra!

-Quem é o mais engraçado?

-S/n, eu não consigo fazer piadas boas.
Zayn fez biquinho e eu mordi o mesmo.

-Quem chora mais?

-Eu, eu sou muito sentimental, mesmo que seja choro de alegria, felicidade, nervoso, raiva…eu tô chorando.

-Acho que já está bom, não acha?
Zayn me olhou e eu assenti.

-Tchau gente! Vamos dormir…

-Ou talvez não!
Zayn falou e encerrou a live.

| Dia seguinte |

Ao acordar, minha cabeça latejava e eu ainda estava bem enjoada. Nunca bebi tanto.

-S/n!
Escutei a voz de Zayn e me levantei preguiçosamente indo para a cozinha.

-Que foi amor?
Perguntei coçando os olhos.

-Você viu? Estamos nos assuntos mais falados do Twitter.

-Isso é normal, sempre sobem uma hashtag por nossa causa, ainda mais que saímos ontem.
Falei e Zayn deu em ombros largando o celular sobre a mesa.

Tomamos café e fomos para a sala assistir TV, é domingo e não temos nada para fazer.

-Eu confesso que fiquei um pouco preocupado com essa hashtag, não lembro de absolutamente nada do que aconteceu ontem.
Zayn comentou. Peguei meu notebook com a intenção de verificar meus emails e acabei encontrando eu e Zayn em um site de fofoca, eu geralmente não ligo para isso, mas quando vi que o Twitter estava envolvido nisso resolvi olhar.

-Oh meu Deus!
Exclamei e Zayn logo se juntou a mim para ver.

“Zayn e S/n fazem live no Twitter e expõem um ao outro fazendo comentários engraçados e muita brincadeira.”

Abaixo tinha um vídeo pequeno da nossa live.

-Jesus!
Exclamei.

-E não é só isso…
Zayn falou e logo me mostrou seu celular e o meu, com noventa mensagens.

-Acho que nossa família quer uma explicação.
Falou humorado. Explodi em risadas e Zayn me acompanhou.

-Nunca mais vamos beber.
Falei fechando o site.

-Diga isso por você.
Zayn retrucou e eu ri.

Ainda bem que tenho meu incrível namorado para passar vergonha na internet comigo. É por isso que o amo.

***
E olha quem tá postando tarde de novo?
Pois é gente, desculpem. Meu dia foi corrido e só consegui postar agora, relevem.

Espero que tenha gostado.😘

eu tenho muito o que te dizer, mas as frases são soltas e eu não sei organizar.
eu tenho am
quero tomar um café com você e poder
a sua voz
você tá bem?
me explica aquela coisa sobre o fêmur deslocar e
qual foi seu último trabalho?
você é ótima nisso, nã
dia 17 de setembro era
me perdoa pelo que deveria ter dado certo
eu te ouvi chorar
a primeira vez - tati bernardi
você cortou o cabelo
não minta outra vez sobre estar aqui
eu menti pra você
tenho saudade de nós dois
frio
chá
sono
vem
para
você entende que eu não lembro a receita de tosse
eu entendo que você não queira me entender mais
março de 2013
julho de 2014
janeiro de 2015
eu não des
eu sei que se caso eu apareça, você pode ter outro, mas não vai
eu guardo os nossos e-mails
o primeiro
dossiê, vinho tinto, guarda-chuva
19 de abril eu não te liguei
curió e marreco
oizinho, oizão
eu te amo ou eu amo você
você é linda
sua voz me traz calma
seu cabelo era na bunda…
seus pés uma graça, seu vans azul
o aeroporto
seu uno
dywc e aquela outra
suas gravações de voz
aquele vídeo do seu sorriso
aquela foto dos seus olhos
os morangos
a gaivota
o show do one direction
todas as vezes que a gente não se viu
todas vezes que você chorou
quando você se machucou e eu chorei
todas as vezes que eu chorei
todas as vezes que você me ajudou
a policlínica
vários soros
o seu treinador
a academia
os camarões
as noites frias
seus hematomas
o vôlei
Joinville
Montevideo
aquele clipe
aquela maquiagem
aquela blusa e as suas pernas
aquela foto e a sua barriga
sua tatuagem
suas unhas pintadas de preto ou não
seu adesivo na webcam
o notebook quentinho
você dormindo
você bêbada de sono e tentando falar comigo
01:57 da manhã
aquela chamada sem fim e nós dois dormimos juntos
suas saídas para a universidade
seu despertador 10h00 ou 09h00
20h00 no skype
23h00 no skype
um sol no seu status do whatsapp
o seu número na minha cabeça
eu me contorcendo na cama para conversarmos
tim x vivo
tim x sinal
você me entendia ou tentava
você me amou e eu não sei se eu aparecer o que vai acontecer
quero tomar um café com você e poder te dizer tudo, porque mesmo bagunçado, eu sei que você gosta.
eu tenho amor por você e tudo mais o que for bom.
eu ainda tenho muito o que te dizer, mas as frases são soltas e eu nunca vou saber organizar. d

Tin tức hài hước nhất mà bạn từng biết?

1. Trong một cuộc thi marathon tại Anh, chỉ có duy nhất một người hoàn thành chặng đua và nghiễm nhiên giành chức vô địch. Người chạy nhanh thứ hai đã dẫn 5000 đối thủ khác chạy nhầm đường.

2. Một thanh niên nhảy sông tự tử, kết quả nước sông thối quá đành bò lên bờ.

3. Chuyên gia khuyên rằng, buổi sáng ngủ dậy, khi bụng rỗng thì không nên ăn sáng.

4. Một cặp tình nhân đi xem “Hồi ức thanh xuân”. Lúc ra khỏi rạp cô gái khóc nức nở bảo chàng trai:“ Em nhận ra mình vẫn chưa quên được người yêu cũ, mình chia tay đi.”

5. Sau nhiều năm nghiên cứu, một giáo sư sinh vật đã tạo giống thành công loài muỗi sống được trong thời tiết giá lạnh, mùa đông cũng có thể lao ra đốt người, bổ sung trọn vẹn bộ sưu tập loài muỗi nước ta. Hiện, vị giáo sư đang bị cảnh sát giam giữ với tội danh chống lại loài người.

6. Ba thanh niên cùng nhau góp vốn 60 triệu, đã sản xuất thành công 50 triệu tiền giả và bị cảnh sát tóm gọn.

7. Trong cơn tức giận, cô gái gọi cho cảnh sát tố cáo người yêu là tội phạm bị truy nã, cốt để hù doạ anh này. Không ngờ cảnh sát điều tra ra, anh này đích thực đã bị truy nã 5 năm nay.

8. Một cặp vợ chồng bị mù, sau khi phẫu thuật mắt thành công, họ nhìn nhau mỉm cười và cùng kí tên vào giấy ly hôn để sẵn trong ngăn tủ đầu giường.

9. Một đoàn cứu trợ nước ngoài đến Nepal hỗ trợ nhân đạo. Người đàn ông Nepal sau khi được đưa ra từ toà nhà đổ nát, nhìn thấy chung quanh toàn người nước ngoài bèn thảng thốt hét lên:“ Trời ơi, động đất đã làm tôi bắn sang tận châu Âu rồi sao?”

10. “Xin hỏi ngài có ý kiến gì về hành động của nước bạn?”
“Tôi có thể văng tục không?”
“Thưa, không ạ.”
“Vậy tôi không có ý kiến gì.”

11. Tại thành phố X không có ùn tắc giao thông vì xe cộ vẫn nhúc nhích được.

12. Một người đàn ông lái xe trong tình trạng say rượu, gây ra tai nạn liên hoàn, bỏ trốn vào quán bar gần đó. Nhưng vì động tác nhảy vụng về cứng nhắc đã thu hút sự chú ý của cảnh sát và bị bắt tại trận.

13. Một cặp vợ chồng trúng vé số 10 tỷ, trong lúc tranh cãi nên đi du lịch châu Âu hay châu Mỹ, người vợ bực mình vì chồng quá ngang bướng đã xé phăng tờ vé số.

14. Một tên trộm chui từ cửa sổ vào, vì sợ đi dép sẽ gây ra tiếng động nên đã để dép trên thành cửa sổ, đi chân đất vào phòng. Không ngờ chân hắn bốc mùi ghê quá làm chủ nhà hoảng hốt tỉnh dậy.

15. Một phụ nữ uống thuốc ngủ rồi nhảy xuống sông tự sát, vì quá béo đã nổi lềnh phềnh trên mặt nước cho đến khi thuốc ngủ hết tác dụng, cô ta đành leo lên bờ.

16. Một nữ bác sĩ phát hiện người yêu ngoại tình đã đâm anh này 32 phát nhưng đều tránh chỗ nguy hiểm.

17. Một tên trộm đột nhập nhà băng thành công nhưng không tìm được tiền mặt, chỉ thấy toàn thạch hoa quả. Hắn điên tiết uống hết chỗ thạch đó. Hôm sau thời sự đưa tin, ngân hàng tinh trùng lớn nhất thành phố đã không cánh mà bay.

18. Một sinh viên đại học gây gổ với nhà vô địch quyền anh toàn quốc. Nhà vô địch quyền anh đã tung hết 16 bộ chiêu thức đấm bốc, kết quả bị chàng sinh viên đâm 32 nhát dao.

19. Một tên cướp giật di động Nokia của người đi đường, bị người này đuổi theo. Trong lúc rượt đuổi, tên cướp làm rơi Iphone 5s, người này vội nhặt lấy bỏ chạy. Tên cướp nhận ra bèn tức tối đuổi theo. Kết quả họ rượt nhau đến đồn cảnh sát.

20. Một tên trộm sau khi thực hiện phi vụ thành công, đã chụp ảnh chiến lợi phẩm khoe lên FB, bị cảnh sát tóm gọn sau vài giờ đồng hồ.

21. Một tên cướp khác thì đúng 9h tối thứ sáu hàng tuần lại mò ra quán net theo dõi bộ phim truyền hình kiếm hiệp đang rất hot, kết quả cũng bị cảnh sát bắt sống.

22. Một nghi phạm dùng dao khống chế người đi đường, cảnh sát vì lo ngại sự an toàn của con tin nên không dám khinh suất. Tên này dương dương tự đắc lôi con tin đi, không may va phải một xe hủ tiếu, hắn bực mình đạp đổ chiếc xe. Chủ xe lập tức nhảy ra đạp bay con dao trên tay hắn, cho hắn ăn liên hoàn cước rồi giao lại cho cảnh sát.

23. Hai băng nhóm xông vào quán phở ẩu đả, một thanh niên ngồi trong góc quán vẫn điềm nhiên ăn phở. Cảnh sát ập đến, quy cậu ta là thủ lĩnh cầm đầu. Cậu ta mếu máo chỉ vào đũng quần ướt sũng của mình:“ Cháu vô tội các chú ơi!”

24. Một phụ nữ Hàn Quốc bị nghi nhiễm Mers bỏ trốn khỏi khu vực cách ly. Căn cứ vào ảnh nhận diện của cô ả, cảnh sát địa phương đã bắt giữ hơn 500 cô gái.

25. Một ông lão nổi tiếng khắp vùng vì mấy tháng trời không hề uống nước. Các chuyên gia lũ lượt kéo đến điều tra, kết cục phát hiện mỗi bữa cơm ông lão đều uống một bát canh.

26. Một cô gái bị chẩn đoán nhiễm Aids, vì muốn trả thù đời, cô ta đã cặp kè với vô số đàn ông. Gần một năm sau, bác sĩ thông báo kết quả chẩn đoán vốn dĩ là của người khác, cô ta không bệnh tật gì. Nhưng lúc này đã muộn…

27. Một tú bà giả danh là chủ tiệm quần áo, tiếp cận hai cô gái 17 tuổi, kết quả bị hai cô này bán cho tổ chức xã hội đen.

28. Một người đàn ông cướp xe hàng chứa nước giải khát trị giá 15 triệu. Chỉ trong một đêm hắn cùng đồng bọn đã đổ hết nước giải khát đi, đem chai không bán đồng nát được 600 nghìn.

29. Một người đàn ông nằm ngủ dưới gốc cây, vì tiếng ngáy như lợn rừng, bị thợ săn bắn chết.

30. Một thầy giáo quấy rối nữ sinh bị toà án địa phương tuyên án một năm tù. Ông này kháng án lên toà án cao hơn, kết cục bị tuyên án 12 năm tù.

31. Phóng viên:“ Thưa chú, trận sương mù này có ảnh hưởng gì đến chú không ạ?”
Người dân :“ Có, ảnh hưởng lớn lắm. Đầu tiên, mời chị nhìn kĩ, tôi là cô chứ không phải chú.”

32. Một người đàn ông thuê một phòng nghỉ, gọi thêm hai cô nhân viên, hết 800k. Kết quả ba người chơi bài thâu đêm, sáng ra người đàn ông thắng được 5 triệu.

33. Tin mới nhất, một con lợn bị đàn muỗi tập kích, vì quá đau đớn, nó liên tiếp húc đầu vào tường tự sát.

34. Hai người quen nhau qua mạng, làn đầu vào nhà nghỉ gặp nhau. Chàng trai vì chê cô gái quá xấu đã lén bỏ đi lúc cô đang tắm, đồng thời cầm Iphone 5 của cô đi coi như thay cho tiền đặt phòng.

35. Một người phụ nữ ở Mỹ đã tự nã 18 phát đạn vào người nhưng không chết, bèn tự lái xe đi tìm bác sĩ.

36. Người chồng ôm vợ đến bệnh viện, bác sĩ ngơ ngác bảo:“ Anh đùa tôi à? Làm gì có em bé nào?” Hoá ra đứa bé đã rơi trên đường đến bệnh viện.

37. Một phụ nữ thi bằng lái ô tô 13 năm không đỗ, trường dạy lái xe quyết định hoàn trả toàn bộ học phí và mời cô một bữa cơm chia tay, sau này không nhận cô nữa.

38. Quan toà:“ Tại sao anh lại làm tiền giả?”
Bị cáo:“ Vì tôi không biết làm tiền thật ạ.”

39. Cơn bão đã cuốn phăng tảng đá khổng lồ khắc bốn chữ “Nhân định thắng thiên” trên bờ biển…

40. Một nam sinh trung học vì không chịu nổi áp lực thi cử, đứng trên tầng thượng định làm chuyện dại dột. May mà cảnh sát có mặt kịp thời, nổ súng kết liễu mạng cậu ta, tránh được thảm án nhảy lầu tự sát.

41. Một người tự nhận mình là quỷ hút máu, nhưng kì lạ là chỉ để lại vết máu chứ không có vết thương. Chuyên gia vội vàng tìm đến, mở hàng loạt cuộc điều tra, nghiên cứu kết cấu sinh lý, cấu tạo gen… Cuối cùng đưa ra kết luận chân răng của người này dễ chảy máu.

42. Một phụ nữ bị ung thư, lo sợ sau khi mình chết, chồng sẽ lấy vợ khác, tài sản trong nhà vào tay cô ả hết, nên quyết định ăn tiêu xả láng. Kết quả, vì tiêu tiền thả phanh, suốt ngày shopping du lịch, tâm trạng cực tốt nên căn bệnh thuyên giảm. Đến ngày cô hoàn toàn khoẻ mạnh thì tài sản cũng tiêu tán hết.

43. Một nữ sinh bị người yêu qua mạng lừa mất 20 triệu. Trước khi cô kịp báo cảnh sát, anh này chuyển lại cho cô 10 triệu với lời nhắn:“ Em ngốc quá, chắc còn bị lừa nhiều nên anh không nỡ lấy hết 20 triệu của em.”

44. Một cô gái vô tình làm quệt que kem vào tay áo một cô gái khác. Thế là họ cãi nhau cả tiếng đồng hồ trên đường. Kết quả một cô bị say nắng phải đưa đi bệnh viện. Người đàn ông chứng kiến câu chuyện từ đầu đến cuối lên tiếng:“ Sống 42 năm trên đời tôi chưa thấy ai rảnh việc như hai cô này. Có thế cũng cãi nhau cả tiếng đồng hồ, tôi đứng nghe mà đau hết cả đầu.”

45. Khách hàng phàn nàn trên vỏ trứng có vết máu, chủ quán điềm nhiên đáp:“ Tại gà mái đến kì kinh nguyệt.”

46. Một tên trộm đột nhập thành công, trốn dưới gầm giường chờ cơ hội ra tay. Chủ nhà là một anh chàng hài hước, đêm đến thường kể chuyện cười cho vợ nghe, nhưng lần này cô vợ chưa kịp có phản ứng gì thì đã nghe thấy tiếng phì cười phát ra từ gầm giường.

47. Chuyên gia:“ Ăn mì tôm tốt nhất không nên dùng cốc giấy, các bạn không biết cốc giấy chứa nhiều vi khuẩn thế nào đâu, ảnh hưởng đến sức khoẻ lắm.”
Hơ, đã đến mức phải ăn mì tôm rồi mà còn bàn về an toàn sức khoẻ với chúng tôi à?

48. Phóng viên hỏi một ông lão đang nhặt rác:“ Thưa ông, chuyên mục của chúng cháu là Hạnh phúc quanh ta, cháu muốn hỏi ông, ông có đang hạnh phúc không ạ?”
Ông lão mặt không biến sắc đáp:“ 80 tuổi rồi mà vẫn phải nhặt rác sống qua ngày, cậu nghĩ tôi có hạnh phúc không?”

49. Một chàng trai định nhảy lầu tự sát vì người yêu 8 năm sắp đi lấy chồng. Cảnh sát đến nơi, điềm đạm nói:“ Anh được ăn nằm với vợ người khác tám năm trời, anh thiệt thòi gì mà phải nhảy lầu?” Chàng trai nghe xong, nghĩ ngợi một hồi rồi cẩn thận rời khỏi ban công, quay vào phòng, đóng cửa lại.

{Nguồn: Weibo - Dịch: Kiem Duong}

Johnny,Yuta,Haechan,Doyoung and Taeyong Reaction to you asking them to buy you pads/tampons (Você pedindo para eles comprarem absorvente)

There is you request hope you like it :D ~~Adm Rice Opener~~

Johnny: *Goes while complains* // *Vai enquanto reclama*

Yuta: N…*sees your “gonna kill you”face*…sure // Nã…ve sua cara de “vou te matar”…claro

Originally posted by nctech

Haechan: Why don’t you go? // Por que não vai você?

Originally posted by nct-dream

Doyoung:*Omg this is going to happen every month?* // *Mds isso vai acontecer todo mês?

Originally posted by y-ta

Taeyong:*Tries to pretend to be asleep* // *Tenta fingir que está dormindo*

Originally posted by taesyong

One Shot - Zayn Malik (Parte I)

  • Pedido

Parte II >>

- Papai, você irá na minha peça hoje? - Diana, minha filha, perguntou com seus olhos a piscar rapidamente. Típico para conseguir o que deseja.

- Talvez, meu amor. Tenho que trabalhar.

- Ah não. - Cruzou os braços. - De novo?

- Sim. O papai trabalha muito, filha. - Ri da sua cara amarrada.

- E quando você vai me ver?

- Quando eu puder.

- Se a mamãe tivesse aqui ela faria você ir. - Bateu o pé no chão e subiu as escadas correndo.

- Olha aqui Diana, não fale o que você não sabe, ouviu bem? - Gritei irritado. - E não suba as escadas correndo! - Gritei mais alto e subi atrás dela. - Diana, estou falando com você.

- Minha mãe nos deixou por causa de você. - Ela gritou antes de fechar a porta na minha cara. Incrível como uma garotinha de cinco anos podia ser tão esperta e irritante, às vezes.

- Diana! Abre essa porta! - Gritei espancando a porta dos seu quarto. Minutos depois a porta se abriu e a menina estava com uma mochila nas costas. - O que diabos é isso?

- Vou para a casa da vovó.

- Ah, é? - Coloquei a mão na cintura rindo nervosamente enquanto passava a outra mão pelos cabelos.

- É. - Colocou as duas mãos na sua cintura.

- Pare de ser mal criada garota, vá guardar essa merda agora mesmo. Você não vai a lugar nenhum.

- Mas…

- Guarde! - Gritei e ela correu para o quarto novamente, entrei logo para me certificar que ela não iria fechar a porta de novo. - Não sei como você ficou tão irritante desse jeito Diana.

- Eu não tenho atenção nenhuma sua. - Cruzou os braços mais uma vez e se sentou na cama. - Quando a mamãe morava aqui ela ia me ver sempre. - Suspirei e abaixei-me à sua frente.

- Sua mãe não tinha nada pra fazer, era diferente. - Acariciei seus cabelos pretos. - Eu trabalho muito, meu amor. Preciso garantir a nossa sobrevivência. Eu sei que ando em falta com você, mas é necessário.

- A mamãe é boa.

- Boa? Você acha que ela é boa mesmo após nos largar? - Diana balançou a cabeça que não. - E então, por que diz isso?

- Porque ela foi a única pessoa que ia me ver, às vezes me buscava na escola, que me fazia carinho pra dormir.

- Raridade de vezes.

- Mas era mais que você. - Fechei os olhos e respirei fundo. Ela estava totalmente carente de uma presença feminina na vida dela, eu precisava arranjar uma namorada boa que possa cuidar da Diana. Que merda eu estou pensando? Seria uma namorada, não babá. Babá? Essa ideia parece boa.

- Me desculpe, filha. - Abracei-a de forma inesperada. Tanto pra mim quanto pra ela, tenho certeza. Ela após um tempo retribuiu o abraço fortemente. - Eu te amo.

- Eu também.

- Mesmo que não pareça.

- Mesmo que não pareça. - Ela repetiu e eu ri. Sim, ela realmente era muito inteligente e esperta. - Vai a minha peça?

- Você sabe fazer as coisas. - Gargalhei pegando-a no colo. - É claro que vou. E você terá uma surpresa!

(…)

- E você sabe cuidar de crianças? - Encarei a linda moça à minha frente. Ela era muito bonita, muito bonita mesmo. Pelo menos pra mim. Ela poderia ser a babá da minha filha? Eu conseguiria deixá-la ficar?

- Sim, claro. Eu tenho bastante experiência, já trabalhei na casa dos Harshaw, Trumell, Carter e Thompson, todos são da vizinhança. - Sorriu convincente e eu, na verdade, não prestei muita atenção nos sobrenomes.

- Qual o seu nome mesmo?

- (s/n), mas prefiro que me chamem de (s/a).

- Está contratada, senhorita (s/s). - Olhei o papel com o seu currículo. Só agora lembrei que ele estava em minhas mãos.

- O que eu falei sobre o apelido mesmo? - Ela cerrou os olhos me fazendo rir. É, ela é maravilhosa.

- Vejo que a Diana vai entrar na linha com você. - Recolhi todos os papéis de cima da mesa de centro da minha sala e me levantei sendo acompanhado por ela. - Podes começar hoje.

- Já?

- Sim, desculpa, alguma problema?

- Não, nenhum. Só que é… Estranho. - Coçou a nuca e riu. - Essa Diana deve ser uma pestinha mesmo.

- Talvez, mas ainda há esperança. - Pisquei o olho e sorri. Fomos para o carro, já estávamos atrasados em 20 minutos para a peça dela. A minha menina não era tão terrível assim, só tinha uns ataques de fúria às vezes e quebrava as minhas coisas ou rasgava os meus papéis do trabalho. Nada demais.

- Papai! - Ouvi sua voz a gritar por mim. Virei para trás, seguido pela (s/a) que sorriu para a menina de cabelos pretos e franjinha. Ela estava tão adorável vestida de princesa.

- Minha princesa. - Abaixei-me para que ela corresse até mim e me abraçasse.

- Literalmente princesa. - (s/n) disse rindo. Diana olhou pra ela e em seguida pra mim. - Prazer, me chamo (s/n).

- Você namora o papai?

- Nã…

- Sim. Ela é a namorada do papai. - Sorri docemente pra ela interrompendo (s/a) que me olhou horrorizada. Ela não tinha farda, nós combinamos para que ela não precisasse dessas coisas. E o pior: eu não sabia se ela tinha namorado.

- Oi. - Minha filha sorriu abertamente. Ela iria amolecer o coração da (s/n), tenho certeza. - Me chamo Diana e você é bonita. Muito bonita, papai. - Tocou meu rosto com as duas mãos e aproximou-se no meu ouvido. - Mais bonita que a mamãe.

- Diana! - Repreendi-a rindo. De fato isso era verdade.

- O que estão falando aí, hein? - (s/n) perguntou tentando parecer que tudo estava normal.

- O quanto você é bonita. - Diana respondeu por mim. - Espero que goste da minha peça, vou fazer o meu melhor pra vocês. - Beijou minha bochecha e puxou a mão de (s/n) para que ela também se abaixasse e beijou a dela. - Tchau. - Correu até seus amigos.

- Olha aqui Zayn, eu fui contratada pra ser babá da sua filha, não fingir que namoro você.

- Eu sei, me perdoe. Ela vai ficar muito irritada comigo quando souber que eu contratei uma babá pra ela.

- Porra cara, ela é a sua filha! Você é que põe moral nela. - Ela disse irritada. Nossa, ela falava palavrões assim sempre? - Desculpe. - Respirou fundo e olhou para o lado. Acho que o meu silêncio fez com que ela pensasse no que estava a fazer.

- Tudo bem. Eu contarei a ela agora. - Dei um passo, mas a (s/a) me puxou.

- Não, agora não. Ela ficou tão feliz com essa história que se contássemos agora ela provavelmente iria ficar atrapalhada e fazer tudo errado.

- Tem razão. Bom, vamos sentar. - Apontei para duas cadeiras juntas na segunda fila colocadas por Deus devido o quão lotado aquilo estava.

- A mãe dela morreu? - (s/a) perguntou de repente.

- Não, nos abandonou. Era uma vadia.

- Ah.

- Sempre odiou a Diana, porque pra ela a garota não era planejada, mas na verdade não foi planejada por ela, mas por mim foi. Eu queria muito ter uma filha, mas escolhi a mãe errada. Fora que ela me traía, deu a desculpa de que eu vivia trabalhando e que era fraco de cama… - Fui interrompido pela gargalhada da (s/a).

- Desculpa.

- Não há problema. Eu não sou ruim na cama, ela é que não sabia aproveitar minhas melhores qualidades sexuais. - Falei fazendo-a rir mais. Era estranho falar sobre isso com a babá da minha filha, mas era ao mesmo tempo divertido vê-la rir.

- Sinto muito. - Encarei-a e rimos de repente.

A peça logo começou e tudo foi maravilhoso. Não pude deixar de dizer a (s/a) e a minha filha o quão orgulhoso eu estava em vê-la em cima do palco contracenando. Minha filha além de talentosa era linda, praticamente a minha cara, não que eu queira me gabar. Longe disso!

- Por que vocês não se beijam? - Diana perguntou enquanto caminhávamos para o carro. Eu carregava sua mochila com roupas sujas.

- E pra quê isso? - Questionei.

- Porque casais normais se beijam.

- Como sabe disso? - Eu quero mesmo que ela responda?

- Os pais das minhas amigas se beijam. Isso é normal, não é? - Arregalou os olhos assustada, talvez pensando que tenha falado besteira, algo totalmente obsceno. Isso me fez rir.

- Sim, é normal.

- E por que não se beijam? - Repetiu a pergunta.

- Porque respeitamos você. - (s/a) disse de repente. - Não seria legal. - Agradeço através de um olhar e ela assente.

(…)

Jess

Submissão Obsessiva

“Bom, vou me apresentar como B. Tinha uns 15 anos quando toda essa loucura começou . Eu tinha o cabelo preto, curto e desde então tinha seios e bumbum avantajados . Nessa época eis que conheci um garoto pela internet, mesma idade. Trocávamos provocações e eu duvidava das coisas que ele falava. Mesmo ás vezes tendo algumas provas, enquanto não vivesse aquilo, não iria sossegar.

Passou um tempo, uns três anos e aqui estava ele. Tudo estava indo bem normal, um namoro normal como todos os outros. Brigas normais como todas as outras, até que comecei a perceber o quanto ele gostava de dominar e era dominador, o quanto ele conseguia me deixar completamente dominada. Lembrando que eu sempre fui aquela mulher forte que não abaixava a cabeça pra ninguém, mas com ele, o fluxo das coisas eram diferentes …

Era uma noite calma, a vizinhaça fez-se silêncio e nós estávamos em casa, rindo de coisas banais e trocando juras de amor. Ele me deu um beijo diferente , o clima esquentava cada vezmais. Sentia sua mão percorrer todo meu corpo . Eu arrepiava a cada toque e então, enquanto seus lábios percorriam meu pescoço e eu massageava seu membro ( Com exatos 23 cm e oque era assustador para a idade que o mesmo tinha) . Algo me fez parar .

Sua mão agarrou meu cabelo, puxando fio por fio e eu gostava da dor . Engoli seco e ele me fez olhar em seus olhos .

- E então… Vejo que você o quer … Não é mesmo?

Na minha inconsciência , no calor do momento, fiz que sim sem hesitar e era óbvio que eu o desejava.

- Suplique.

Ele dizia entredentes . Virei a cabeça de imediato . O orgulhopoderia ser maior , pelo menos, me surpreendi com a minha resposta.

- Por favor…

Em um movimento rápido , me vi ajoelhada aos seus pés . Olhei para cima e pude ver seu olhar de um jeito diferente, um jeito que nunca vi antes . Meu medo se tornou prazer e foi ai que as coisas começaram a mudar…

- Se você o quer . - Pude vê-lo pular para fora da cueca, o tamanho sempre me assustava e eu nunca iria me acostumar com isso . - Faça por merecer. Você acha que merece?

Seu tom de voz era assustador, engoli seco e fiz que sim com a cabeça. Abaixei a cabeça.

- Olha pra mim e fala em voz alta, vadia!

Pude sentir algo puxar minha cabeça para o alto, soltei um gemido baixo de dor .

- Mereço ! Por favor! Me deix…

Fui interrompida por sua voz , que me propôs algo inimaginável .

- Eu te avisei e agora que assim o faça… Se me ama de verdade, deverá ser minha cadelinha. E ser totalmente minha. Não me questionar . E bom, para resumir a começarmos logo isso , você deverá fazer tudo oque eu mandar, sem questionar. Acha que é boa o suficiente , pelo menos, pra isso?

A raiva tomou conta de mim, mas seu poder de dominar foi muito maior.

- Eu aceito… Ser sua… Cadelinha…

Abaixei a cabeça, revirando os olhos sem que o mesmo percebesse.

- Ótimo !

Ele se levantou com um sorriso estonteante , foi até o armário e pegou uma caixa preta. Pude sentir meu estômago revirar e um frio invadir. Mas, permaneci calada.

Observei-o remexendo a caixa e pegando algo esquisito , o formato era estranho, foi quando aquelas conversas voltaram em minha cabeça e arregalei os olhos , engolindo seco .

- Mas…Isso…É..Um..Pl…Porra! Você é louco?

Não consegui esconder o espanto e arrepiei ao vê-lo se aproximar, continuava ajoelhada.Sua gargalhada me fez temer e assim , continuou…

- É isso ai , meu amor. Não é..Lindo? . Seu sorriso maníaco me dava mais vontade de pular logo em cima dele e acabar com tudo isso. Mas , permaneci calada com a cabeça baixa.

- Eu te fiz uma pergunta, cadelinha.

- Ér…É…Assustador. Não precisa fazer isso, eu nunca faria nad..

- Shiu ! Eu já sei . ” Não precisa, porque sou confiável e blá “ . Seu tom era debochado, e a forma de como debochava de meu sotaque me dava raiva, eu poderia levantar e dar uns bons tapas nele . Mas, continuei calada.

- Bom, vou começar com esse plug médio. Você terá que viver com ele. ” Nossa, como vou fazer pra tirar isso na hora das necessidades “ . Foda-se, dê seu jeito . Você não poderá tirá-lo, caso não seja para esse motivo . E se tirar, eu vou saber. Porque, ele tem um senso de calor . E se você tirar.. Bom, você já sabe muito bem o que vai te acontecer. Porque você não é tão idiota assim , B.

Ele se aproximou , ele me puxou . Fiquei de pé e pude sentir seus lábios me beijando intensamente. Suas mãos deslizavam por meu corpo , P . me jogou contra a parede com toda a força , o barulho das minhas costas foi assustador, a dor também. Mas , eu não liguei. A partir daquele momento deveria me acostumar a sentir prazer com ela. Oque não seria muito difícil .

Depois de alguns longos beijos , eu me via deitada de bruço no sofá, o bumbum bem empinado, completamente nua . Seu membro em um ritmo constante de ” vai e vem “, suas bolas batendo contra meu bumbum e fazendo um barulho alto . Estava gemendo bem baixinho, apesar da dor que aquilo me causara. Em minha mente que se tornara também doentia decidi que ele deveria penetrar sem lubrificante ou qualquer coisa do tipo . Quando eu pensei que nenhuma dor era intensa o suficiente, eis que senti algo estranho . Pontiagudo o bastante, pra me fazer gritar …

- Tem certeza que quer assim, cadelinha? Se poupe de mais uma dor. Porque você irá sentir isso todos os dias .

Ele veio para a minha frente, enquanto fiquei de joelhos e abri um pouco a boca, senti a pontinha entrar e então fui obrigada a chupar o plug. E enquanto ele observava aquela cena, acariciava seu membro em um ritmo constante . Quando vimos que o objeto já estava molhado e escorregadio o suficiente, me virei de costas e pude sentí-lo entrando , lentamente . A dor era sufocante e isso realmente era bom. Cravei as unhas no estofado e virei a cabeça de lado, olhando-o , mordi os lábios, esboçando um sorriso malicioso . Quando o plug entrou completamente, respirei fundo .

- Pronto cadelinha.Que linda. Agora… Vem !

Ele me puxou pelo cabelo , e me fez ajoelhar . Respirei fundo e entendi sem que ele precisasse falar . Peguei seu membro e fiz uma leve pressão na ’‘cabecinha” , logo depois coloquei-o até a metade na boca, oque era um grande sacríficio, devido ao tamanho dele . Enquanto eu deslizava minha língua sem cessar, senti minha boca se afastar e o gozo do mesmo jorrar em meu rosto . Ele se deliciava com aquilo . Juntou todo o líquido com os dedos e enfiou-o em minha boca, senti a ponta dos mesmos encostarem em minha garganta, engoli sem hesitar.

(…)

No dia seguinte , tudo ocorreu bem. Trabalhei normalmente e fui para a faculdade também. Até que, quando sai da aula senti a presença de alguém atrás de mim . Era um menino, muito simpático, irei identificá-lo como L . Sua convivência com P. não era uma das melhores . Conversamos por um longo tempo , e o vi observar tudo de longe. Assim, depois de muitas risadas, ele se aproximou para dar um beijo na minha bochecha e se despedir. Foi quando algo estranho aconteceu .

Uma dor, parecida como a dor de um choque, extremamente forte atingiu meu corpo, percorrendo cada parte do mesmo. Um fio desencapado em uma poça d'água . Cai de joelhos e não pude evitar o grito . Todos me olhavam e eu permaneci de cabeça baixa. Estranharam e se aproximaram perguntando se eu precisaria ir á enfermaria . Disse que não, que foi um mal estar, me assustei com algo e me despedi . As bochechas coradas de vergonha. Pude vê-lo se deliciando com aquela cena, sua risada me fazia sentir raiva, mas, quando percebi oque me causara aquilo , decidi me calar. E sussurrar , ainda de cabeça baixa:

- Podemos ir embora…

Sussurrei, andando em direção ao carro . Ele abriu a porta e eu entrei . De cabeça baixa, sem dar uma palavra. Quando me sentei a dor era gritante, e minha vontade de lhe socar a cara, também. Coloquei o cinto e de em cinco em cinco minutos eu soltava gemidos baixos . Gemidos que segurei o dia todo . Joguei a cabeça pra trás, fechando os olhos .

- Estou com fome…Você está com fome?

- Ér..Hãm..Estou…

- Ah. Que ótimo. Vamos parar em algum lugar para comer.

- Ah nã..

Uma olhada de canto e a minha vontade era de me esconder, fugir . Permaneci quieta . Mordi os lábios quando senti uma de suas mãos acariciando minha bct por cima da calcinha . Fechei os olhos e continuei parada . Era íncrivel a habilidade do filho da puta de fazer duas coisas ao mesmo tempo . Os movimentos com uma mão me deram um prazer imenso , e conseguiu me deixar molhada. O jato de líquido que saiu foi extremamente intenso , e aquilo me incomodava. Mas, eu não poderia reclamar.

Chegamos em uma lanchonete qualquer . Ele se sentou em uma mesa e eu fui pedir os lanches. Estava tudo realmente tranquilo demais . Enquanto eu observava as coisas em volta e fazia os pedidos , aquela sensação filha da puta voltou . Resmunguei qualquer coisa e pude sentir minhas pernas bambas. O choque agora em maior intensidade, me deixou extremamente excitada. Minha vontade era de me vingar , mas não poderia fazer algo que me comprometesse . Fui calmamente até a mesa e me sentei de frente para o mesmo . Respirei fundo e quando percebi que os olhares se dispersavam para outros lados, corri para debaixo da mesa e pude ver seu membro extremamente duro . Abri sua calça e o vi pular para fora . Coloquei-o na boca e o chupei ali mesmo. De todas as formas possíveis , com e sem o uso dos dentes, brincava com suas bolas sem cessar e pude sentir o desconforto do mesmo em público.

Era engraçado o quanto ele estava excitado e deveria se controlar para não demonstrar em público. Meu castigo? Vocês já devem imaginar. E meu destino? Traçado e criado para que eu fosse uma mera submissa, uma cadelinha controlada sempre. Algo que eu não poderia fugir. Algo bom demais para ser deixado para trás … “

Esse não foi um pedido mas eu espero sinceramente que vocês gostem!
Me digam o que acharam POR FAVOR! ksksks

Boa leitura!


Do you still like her?

   Ele sorria descontraído, sorria como um adolescente no colegial, mas não para mim e sim pra ela. Havíamos vindo juntos como um casal, mas aquilo não parecia tão relevante pra ele no momento, nem pra ela.

  - Mas tenho que admitir que você conseguiu incorporar muito bem o personagem! – Cara disse enquanto sua mão balançava a taça de champanhe.

  - Fico muito honrado em saber que acha isso. – Harry disse sem que o sorriso saísse de seu rosto, eu estava ao lado deles mas parecia bem distante, talvez em um mundo diferente.

  Meus olhos discretamente a analisavam, seu corpo escultural típico de uma modelo de sucesso, algo bem diferente de mim, uma estudante de medicina. Isso não me incomodava, até aquele momento.

  - Eu estava pensando em fazer uma festa no próximo sábado, só para os amigos. O que vocês acham? – Ela disse parecendo relembrar da minha existência ali.

  - Seria ótimo. – Harry disparou na frente. – Não é mesmo Sn? – Me encarou pela primeira vez desde que se encontrou com a Delevingne.

  - Ãn, nesse sábado? – Perguntei tentando rapidamente formular uma desculpa plausível. – Seria maravilhoso, mas tenho palestra na faculdade no turno da noite. – Respondi, em verdade aquilo não era mentira, eu teria mesmo uma palestra só não estava com vontade de ir.

 - Ah qual é Sn? – Harry resmungou ainda sorrindo.

  Ergui as mãos em rendição como se nada pudesse ser feito, e não podia mesmo, eu não iria perder algo importante na faculdade pra poder participar de uma festa que a ex-ficante do meu namorado estaria dando!

  - Ok, não há problema, podemos adiar, foi só uma ideia mesmo! – Cara falou compreensiva o que me deixou mais incomodada.

  Os dois voltaram a conversar como antes, me deixando alheia de tudo, vez ou outra uma piada interna era solta, assim como eu e ele fazíamos entre nós.

  Aquilo estava me magoando e muito, eu sempre fui o tipo de namorada insegura não chegava a ter ciúmes mortais por outras mulheres mas a insegurança era comigo mesma e quando me tornei namorada de Harry isso piorou dez vezes mais, o que não é pra menos se formos ver seu histórico de relacionamento.

  - Se lembra daquela viagem a Las Vegas? – Ela perguntou a ele chamando minha atenção. – Ficamos totalmente doidos, nunca tive noite mais louca que aquela! – Começou a rir provavelmente lembrando da incrível noite deles.

  Harry riu, mas diferente, ele parecia um tanto desconfortável.

  - Eu vou ao banheiro. – Comuniquei, um nó havia se formado na minha garganta, ficar ali já estava ficando insuportável.

  - Quer que eu vá com você? – Harry perguntou segurando meu punho.

  - Não, eu ainda sei andar sozinha! – Falei quase que entredentes me forçando ao máximo para não parecer rude, falhando miseravelmente.

  Harry me olhou preocupado e forcei minha mão para me soltar logo virando as costas e caminhando para o mais longe possível daquela mesa.

  Ao entrar no banheiro tranquei ligeiramente a porta para não ser perturbada por ninguém.

  Será que ele não se tocava? Será que aquele filho da mãe não percebia o quão chateada eu ficava ao vê-lo relembrando o passado com outra mulher enquanto eu estava ali, no seu lado?

  “Pra mim não importa Sn se elas são modelos, é com você que estou, é com você que quero estar!”

   Aquelas palavras não pareciam tão reais para mim naquele momento, mesmo que fossem. Me encarei no espelho, olhei todo o meu corpo, por Deus, por que eu não conseguia me sentir confiante como ela?

  Talvez porque seu corpo não é esbelto como o dela

  Ou também porque seus olhos não são incrivelmente claros.

  - Tem alguém aí? – A voz desconhecida seguida da batida na porta me fez despertar.

  - Ãn, já estou saindo! – Gritei pra a pessoa enxugando meus olhos rapidamente.

  Respirei fundo evitando olhar novamente para o espelho.

  - Pronto! – Disse ao abrir a porta dando um leve sorriso pra ruiva que sorriu de volta e pediu desculpa pelo incomodo.

  - Você quer ir embora? – A voz rouca me perguntou antes mesmo de meus pés começarem a andar.

  - Adoraria. – Respondi sem ao menos encara-lo voltando a caminhar.

  - Sn… – Segurou meu braço sem muita força, só o necessário pra mim parar.

  - Aqui não Harry! – O encarei vendo o olhar preocupado.

  - Vou pegar nossas coisas.

  O caminho estava dolorosamente silencioso, a música que tocava no carro não parecia ser uma das mais animadoras, era como nos filmes quando se tem a parte “dramática” e aquela música se encaixa com a história.

  - Você pode me deixar em casa. – Falei baixo para ele que desviou rapidamente a atenção do transito para mim.

  - Achei que iria dormir na minha casa. – Sua voz demonstrava que ele queria se manter no autocontrole e não me encher de perguntas.

  - Gostaria de ficar sozinha com o meu cachorro. – Respondi um pouco rude.

  Um longo e alto suspiro foi solto por Harry.

  - Você sabe que eu e a Cara nã…

  - Sim, eu sei. Só estou cansada e quero ir pra minha casa. – O cortei mais rápido que pude.

  O silêncio voltou mais rápido do que foi embora e Harry parecia realmente desconfortável com aquilo, diferente de mim, que agora estava mais satisfeita com ele do que com a voz de Harry me dando desculpas que eu não estava com paciência para ouvir.

  - Obrigada. – Falei ao que o carro parou em frente meu condomínio.

  - Você sabe que odeio isso. – Ele falou parecendo cansado.

  - Isso o que? – Fingi que não sabia, o que era uma grande mentira.

  - Disso que você faz, se distanciar de mim quando esta com raiva e fazer de tudo pra ficar longe! – Apoio o cotovelo na janela e descansou a cabeça em sua mão.

  - Só não estou com cabeça pra discutir Harry, você sabe que não gosto disso. – Coloquei uma mecha de cabelo atrás da orelha.

  - Sinceramente, preferia que você gritasse comigo em uma festa daquela repleta de pessoas importantes do que se distanciar, me tratar indiferente e me ignorar no resto da semana dando apenas palavras curtas como resposta! – Disse enquanto me encarava. Mais um suspiro foi solto, porém da minha parte.

  - Essa é apenas minha forma de mostrar que estou magoada. – Respondi simplesmente.

  - Eu sei, mas não gosto de saber disso. – Desviei meu olhar e encarei meu relógio de pulso que havia ganhado do próprio Styles.

  - Já esta tarde, tenho que entrar e dar comida para o Angus.

  - Vai mesmo dormir longe de mim?

  - Você fala como se eu dormisse na minha casa todos os dias.

  - E você fala como não se importasse. – Me encarou impaciente.

  Ficamos quietos nos olhando, eu podia sentir ele me pedindo pra ficar mas eu demonstrava que queria ir. Minha mão foi até a maçaneta da porta, juntei minha bolsa ao meu corpo e saí do carro.

  - Boa noite Hazza. – Tentei pela primeira vez naquela noite, soar normal.

  - Boa noite amor. – Ele respondeu no mesmo tom com um pouco de ironia.

  Virei as costas e entrei no condomínio tentando ao máximo ignorar a força que seu olhar tinha sobre meu corpo. Respirei aliviada ao entrar dentro do pequeno apartamento sentindo o ar mais puro.

  - Angus! – Sorri ao ver o pequeno cachorrinho vira lata vir até mim comemorando minha chegada.

  Enfim em casa…

5

“Ngày Nixon ra lệnh đem B52 ném bom huỷ diệt Hà Nội, ông hẳn không nghĩ đến này một người kế nhiệm ông ung dung ngồi uống bia và ăn bún chả trong một căn nhà dựng lên từ đống đổ nát đó.

Ngày John Kerry tham chiến trong hạm đội bảy nã pháo vào bờ biển Việt Nam ông hẳn không nghĩ đến cuối đời ông lại thảnh thơi đi dạo bờ hồ gươm.

Ngày Nguyễn Thành Trung ném bom Tân Sơn Nhất, ông hẳn không nghĩ tới ngày chiếc Air Force One lại về đậu trên chính đường băng đó.

Ngày những người biệt động thành hi sinh cảm tử tấn công Toà đại sứ Mỹ, họ hẳn không thể ngờ có ngày con cháu họ lại giăng biểu ngữ, cờ hoa đón tổng thống Mỹ như người hùng. Và cách nơi họ nằm xuống không đầy 300m là nơi Obaba đang dạy những người Việt trẻ ưu tú nhất cách đưa đất nước trở lại với thế giới văn minh.

Cuộc sống luôn chứa đựng những bất ngờ và cơ hội.

Nhưng có cần mất một thế hệ và rất nhiều xương máu, chia ly để làm điều mà họ có thể làm hơn nửa thế kỷ trước?

Ngày hôm nay chính là ngày hôm qua của ngày mai.”


from FB

[ Lần đầu tiên] HÚT CỎ

Lâu lắm rồi mới viết chủ đề: “Lần Đầu Tiên Làm Chuyện Ấy”. Nhân một tối đọc sách, đọc tới đoạn bạn Hùng bị cho uống kích thích và bạn ấy ghi lại đúng chính xác như cái lần đầu tiên mình thử nên mình mới nhớ lại. 

Kỷ niệm là ngày nào đó không nhớ, hai con mụ bàn nhau là tối nay phải smoke weed thử coi, nghe nói lâu ngày mà chưa có thử. Thế là mụ Châu khăn gói đi mua cỏ tại một địa chỉ bên Quận 10. Bạn trai trẻ hỏi chị mua cỏ VN hay cỏ Canada? Cỏ Việt Nam là một núm lá không bắt mắt, khi hút có mùi khét, không thơm như cỏ Canada. Mụ Châu nhẹ nhàng hất mắt qua gói cỏ Canada mùi táo, bao bì hao hao bao cao su. Chú em biết ngay nhân dạng một con già ham đú, nên giới thiệu cách quấn cỏ kỹ lưỡng, rồi sẵn rủ bà chị like fanpage: Hội những thanh niên hút cỏ. Chị từ chối. Tổng chi phí là 400 ngàn tiền cỏ, thêm 1 trăm mấy tiền giấy cuốn. Em trai bán cỏ làm dịch vụ rất tốt, tối khuya 2 giờ sáng em có nhắn tin hỏi thăm: “Chị còn sống không?” đã thế lại còn khuyến mãi thêm 1 bịch cỏ Việt Nam

Keep reading

One Shot Liam Payne 

  • Pedido -  Faz um cm o Liam q ele sofre um acidente e fica paraplégico e revoltado, os meninos (inclui Zayn), a família, os fãs, todos tentam ajudar. Ele e a (s/n) são casados e ele começa a maltratar ela por achar q não poderia dar o melhor pra ela mas no fim pelo amor dela ele volta a andar, pode fazer uma cirurgia ou sei la mas ele volta a andar e eles ficam bem, faz bem emocionante e dramático, obrigada 😘


(Parte I)

Meu suspiro foi audível mostrando o quanto eu não queria continuar o assunto da conversa que meu marido está tentando ter comigo. Enquanto eu olhava as luzes dos postes passarem rapidamente pelos meus olhos, minha mente vagava sobre o quanto não estávamos preparados para ter um filho agora, mas Liam insiste na conversa depois de termos ido visitar o bebê de uma amiga.

Eu só queria que ele entendesse que estamos ocupados demais com nossos respectivos trabalhos, ter um bebê exige planejamento.

— Dá para você não me deixar falando sozinho? — me virei para olhá-lo e ele estava olhando para mim, o que não é nem um pouco responsável ao estar dirigindo.

— Olhe a estrada, Liam. — ele fez o que eu pedi — Nós podemos apenas conversar sobre isso em casa?

— Você só está tentando fugir da conversa, pelo que te conheço quer me fazer esquecer o assunto. — por que ele tem que ser assim?

— Eu só acho que não é uma boa ideia no momento… Você está envolvido com um cd novo e eu acabei de ser promovida no trabalho, não seria legal pararmos tudo agora. — Liam me olhou mais uma vez e eu já estou começando a me sentir irritada por sua falta de responsabilidade ao volante — Para de me olhar, Liam. Preste atenção na droga da estrada!

— Por que está tão nervosa?

— Eu não estou nervosa, só não quero que você perca o controle desse carro. — ele me olhou de novo — Merda, Liam. Pare esse carro!

— Você não confia em mim? Eu sei o que faço. — ele continuou me olhando.

— Para essa merda!  

Minha voz saiu mais alta fazendo Liam pisar no freio e o carro parar um pouco mais a frente pela velocidade, ele desligou o carro soltando o cinto e se virou para mim com uma carranca.

— Por que merda você está tão nervosa? Droga, eu só fiz um pedido.

— Não, você fez eu me sentir pressionada a te dar um filho. Fez me sentir uma megera por não querer te conceder esse pedido. Então, por favor, não vamos apressar as coisas.

— Nã-

A fala de Liam foi cortada por uma buzina muito alta e uma luz forte que bateu em meu rosto vindo de trás das costas dele, se virando rapidamente, Liam percebeu que havíamos parado em um cruzamento e que um carro vinha em nossa direção muito rapidamente. A tentativa de ligar o carro falhou miseravelmente e não havia mais nada que pudéssemos ter feito, a batida foi inevitável e Liam se debruçou para o meu lado tentando evitar que eu me machucasse.

A sensação de estar flutuando no nada toma conta de todo o meu ser, é como se eu estivesse em um universo completamente escuro vagando lentamente de um lado para o outro no ar, a única coisa que pode ser ouvida por mim é um bip bip muito longe.

Liam veio a minha mente, mesmo estando engolida pelo nada, eu posso ver seu rosto sem conseguir abrir meus olhos. Essa visão do meu marido estava me acalmando, mas então ele desapareceu quando um carro passou rapidamente sobre sua imagem me fazendo abrir os olhos num rompante só para ter minhas retinas queimadas pela luz branca, extremamente forte me fazendo fechá-los novamente.

O barulho irritante do que parece uma máquina, está mais perto, ao meu lado par ser mais exata e eu não faço ideia de onde me encontro. Quando me sentir segura, abri um olho devagar e logo depois o outro podendo ver o teto branco e ao olhar para o lado, as paredes da mesma cor.

Minha cabeça dói, eu me sinto um pouco tonta e não tem ninguém ao meu redor, eu estou sozinha e não faço ideia de onde Liam esteja. Na tentativa de levantar a mão até minha testa senti uma coisa se repuxar em minha pele e ao levantá-la com cuidado, uma mangueirinha de soro estava fundida a minha veia sendo segurada por um esparadrapo que mantinha a agulha no lugar.

E então, me causando uma dor de cabeça mais forte, a lembrança da noite de ontem veio em minha mente me causando desespero. Eu preciso saber onde Liam está, preciso saber se ele está bem e não quero ficar sozinha de jeito algum.

Antes que eu começasse a arrancar os fios presos a mim, a porta abriu e uma enfermeira apressada entrou veio até minha cama.

— A senhora deve permanecer em repouso, não faça movimentos brusco. Eu chamarei médico.

— Meu marido… — minha voz saiu em um fio — Eu preciso… Preciso vê-lo.

— A senhora precisa ficar calma, está desacordada há dois dias e precisa passar por exames.

Dois dias?  

Como assim dois dias se o acidente aconteceu ontem?

Um pontada forte na cabeça me fez fechar os olhos com força e não pude evitar deixar um gemido escapar. A voz da enfermeira me chamando estava longe e por mais que eu tentasse entender o que ela dizia, eu não conseguia.

E mais uma vez, fui engolida pela escuridão.

Pela segunda vez meus olhos queimaram ao que eu os abri inconsciente da luz sobre mim, mais uma vez fechei-os e mais uma vez tentei levar a mão até minha cabeça sendo, dessa vez, impedida por alguém que a segurou.

— Não movimente o braço tão bruscamente… Pode remover a agulha de sua veia.

Abri meus olhos com cuidado depois de me acostumar com a claridade e um homem alto de jaleco branco estava ao meu lado me olhando com atenção.

— Você se lembra o que aconteceu? — eu assenti lentamente com a cabeça — Sabe seu nome, onde está e com quem estava? — assenti mais uma vez o vendo fazer anotações em uma prancheta — Creio que a pancada em sua cabeça não resultou nenhuma sequela ao seu cérebro, mas ainda te deixarei em observação.

Ficar mais tempo? Não! Eu não posso ficar mais tempo confinada em um quarto irritantemente branco alheia do estado do meu marido.  

Percebendo minha agitação o médico pediu para que eu me acalmasse.

— L-Li-Liam… — lutei para que conseguisse dizer o nome do meu marido, minha boca está completamente seca e minha voz impotente.

— A senhora precisa se acalmar, seu marido está bem e está seguro em um dos quartos deste hospital. Não há com o que se preocupar.

Eu fui submetida a uma bateria de exames de todos os tipos para que constatassem que eu estou em perfeito estado, tirando alguns machucados no corpo e no meu rosto que pude vê quando minha mãe me ajudou a tomar banho.

Ao que parece, eu estou há três dias desacordada, depois que acordei no segundo dia, voltei a inconsciência deixando todos preocupados, mas deveria ser apenas o cansaço, segundo o médico.  

Ninguém me diz exatamente o estado de Liam, sempre respondem com “ele está bem", “está sendo bem tratado em outro quarto", “ele está seguro", mas isso não é o suficiente para me deixar tranquila. Se ele está bem e seguro, por que não veio me ver? Pelo que eu me lembro, ele tentou me proteger com seu corpo, não acho que ele tenha ficado exatamente bem.

A noite caiu mais uma vez e eu tive que continuar no hospital, apenas a mangueira do soro está enfiada em meu corpo, os fios já não são mais necessários e o bip bip enjoado já não soa mais para me deixar irritada. Eu passei o dia arquitetando um plano, meio insano, mas ainda assim a única coisa que talvez me deixará mais aliviada.

Segundo o médico que me atendeu, ele não estará de plantão essa noite e se eu precisasse de algo era só apertar o botãozinho ao lado da cama que as enfermeiras estariam a posto na recepção a espera de um chamado.  

O hospital estaria vazio, uma oportunidade perfeita para ir até o quarto do Liam que fica há dez portas do meu. Pelo menos essa informação eu consegui arrancar de Karen.

Abri a porta em um fresta para que eu observasse o corredor e ele está vazio como eu esperava, então sem pensar muito, eu saí do quarto caminhando apressada até o fim do corredor onde a porta com o número 13 estaria. Assim que me vi em frente a porta que eu procurava, apenas a abri com cuidado para não assustar Liam e entrei antes que fosse pega.

— Eu não chamei ninguém, vá embora!

A voz de Liam soou me fazendo sorrir por saber que ele está consciente e provavelmente bem. Me aproximei devagar caminhando até estar aos pés de sua cama e ele sequer olhou para ver de quem se tratava, apenas continuou encarando o teto sem graça daquele quarto.

— Amor, eu consegui fugir para te ver. — falei com um pouco de animação por vê-lo com meus próprios olhos.

— Você fez muito mal, não quero você aqui. — a voz dele foi rude e ele continuou sem me olhar.

— Eu precisava ver por mim mesma como você está.

— Pois agora que já viu, aconselho que saia daqui e procure um advogado. — minha testa franziu automaticamente em confusão — Peça o divórcio e seja livre.

— Por que? Por que eu faria isso? — minha mão pousou sobre a perna de Liam assim que ele me olhou.

— Não toque aí! — Liam esbravejou me assustando e com rapidez fiz o que ele mandou.

— Por que não posso tocar você? — eu sentia um bolo em minha garganta, não é possível que Liam me odeie.

— Por que eu não sinto… Eu não sinto as minhas pernas.



Parte II >>


Espero que tenham gostado, tentarei postar a segunda parte sem muita demora.

Favorite e me diga o que achou para que eu possa saber.

Votem no nosso bolinho irlandês.

- Tay

Q&A: Nástio Mosquito on his US Solo Exhibition Debut at MoMA | Artinfo

“Life demands 200 mph stillness."–Nástio Mosquito in Artinfo. Read the interview at the link below.

Projects 104: Nástio Mosquito opens tomorrow with a one-night only performance. Reserve your free tickets now.

[Nástio Mosquito. "Respectable Thief.” 2016. Installation view of Projects 104: Nástio Mosquito. © 2016 Nástio Mosquito]

(via Q&A: Nástio Mosquito on his US Solo Exhibition Debut at MoMA | Artinfo)

Pedido

Rolei meu corpo mais uma vez pelos lençóis e olhei no relógio que marcavam 3h45min. Suspirei cansada com a situação que me encontrava.
 Passei minha mão sobre a parte vazia da cama ao meu lado, de novo, e um aperto surgiu em meu peito.
 -Não era essa vida que eu tinha planejado pra mim. - Sussurrei.
 Me levantei seguindo a luz da lua que entrava pela janela e fui para a cozinha .
 Será que eu era o problema? Será que Liam não me amava mais?
 Ultimamente é isso que sinto em relação ao meu marido, o qual era o melhor do mundo até dois meses atrás. Eu não sei o que aconteceu, não sei se eu que fiz algo que ele não gostou,  só sei que agora sou tratada como lixo pela pessoa que diz ou dizia me amar.
 Eu sinto falta do real Liam Payne, aquele carinhoso, que fazia de tudo para ter um casamento feliz e satisfatório. Hoje em dia eu faço isso por mim e por ele, tento me aproximar mais dele, o que chega a ser ridículo já que ele é meu marido, mas ele não se preocupa com isso, bom, pelo menos é o que eu acho!
 A porta se abriu e automaticamente um sorriso se abriu em meus lábios.
 -Liam! - Fui até a sala o encontrando deixando o casaco no sofá.
 Caminhei em sua direção a procura de um abraço, mas fui impedida pelo sua mão em gesto para que eu parasse.
 -Hoje não S/n, por favor. - Falou de maneira rude me fazendo recuar.
 -Como foi seu dia? - Perguntei tentando não demonstrar o quão eu estava magoada com sua atitude.
 -O mesmo de sempre, você sabe não sei nem porque pergunta. - Falou impaciente indo em direção a cozinha.
 Engoli seco sentido uma pontada no peito. Por que ele me trata dessa maneira?
 O segui meio receosa e o vi afrouxando a gravata e pegava um copo no armário.
 -Liam… - Falei baixinho e da mesma maneira ele me ouviu erguendo uma das sobrancelhas. - …eu sinto sua falta… - Minha voz saiu falha por medo de sua reação. Mas ao contrário do que pensei, Liam apenas ficou quieto. - …sinto falta de nós! - Completei e ele se virou lentamente  me encarando.
 Ficamos em um silêncio desconfortável enquanto Liam apenas me encarava.
 -Sério isso S/n? - Perguntou franzindo as sobrancelhas novamente. Antes mesmo de eu responder ele continuou. - Deu pra ter carência agora? - Seu tom havia mudado pra sarcástico o que fez meu medo voltar. - Eu sei do que você esta precisando! - Não tive tempo para questionar.
 Liam andou rapidamente até mim e entrelaçou um de seus braços em minha cintura e a outra mão ele levou até minha nuca me puxando sem delicadeza alguma. Seus lábios tomaram os meus sem cuidado enquanto fui “obrigada” a ceder passagem para sua língua extremamente bruta.
 Naquela noite não ouve amor, apenas um Liam extramente grosso procurando pelo seu prazer. Não vou mentir que não senti também, mas não era como antes, parecia algo apenas carnal, sem sentimentos , coisa que eu nunca imaginaria que fosse acontecer…
 Mas era melhor assim do que sem ele, não é?
   (…)
 Algumas semanas já haviam se passado e nada entre eu e Liam havia mudado, ele continuava grosso e mal me olhava, chegava tarde e agora com perfume feminino fazendo eu ficar quebrada em milhões.
 Se ele não estava satisfeito por que não pede o divórcio?
 Pra que me machucar dessa maneira?
 -O jantar esta pronto. - Falei na porta de seu escritório.
 -Já vou. - Respondeu sem me olhar.
 Não o respondi e voltei para a sala de jantar.
 Hoje por algum milagre ele havia voltado sedo, porém mais mal-humorado.
 Me servi e logo Liam apareceu se sentando na cadeira em minha frente. Começamos a comer em silêncio até que uma ideia passou por minha mente.
 -Liam você não acha que estamos casados a muito tempo? - Perguntei mordendo meu lábio inferior.
 -E o que tem? - Me encarou sem entender.
 -Não acha que esta na hora de termos, sei lá, um filho? - Falei devagar tentando não causar grande impacto, mas na mesma hora Liam parou de comer e me encarou desacreditado. - Quer dizer eu só…
 -S/n você acha mesmo que eu tenho tempo pra uma criança? Bom, se você acha isso sinto em lhe informar, mas diferente de você eu tenho um trabalho de verdade e tenho que manter  essa casa e você, então um filho seria só mais uma boca pra alimentar. - Falou ríspido e voltou a comer em seguida.
 Um nó na garganta se formou e senti meus olhos arderem e imediatamente perdi minha fome.
 Me levante rapidamente e fui para o quarto em que dividia com ele me permitindo chorar. Um barulho de mensagem soou e vi o celular de Liam jogado na cama.
 Peguei o mesmo e o desbloqueei me arrependendo logo em seguida. Eu nunca me senti tão humilhada durante toda minha vida.
 "Amei o colar que você me deu, estava pensando se poderíamos repetir a noite de ontem, claro se sua mulherzinha não der outra crise!
 Te espero.
                                                                              xxxLily “
 A raiva subiu por minhas veias e dei meia volta indo novamente para a sala de jantar.
 -ENTÃO QUER DIZER QUE SUSTENTAR UM FILHO VOCÊ NÃO PODE, COMPRAR COLARES PRA VAGABUNDA VOCÊ ESTÁ DISPOSTO NÃO É MESMO? - Gritei o assustando e Liam se levantou.
 -Quem te deu direito de mexer na minhas coisas? - Perguntou nervoso tirando o celular de minhas mãos.
 -Até onde eu sei eu sou a troxa da sua mulher que da crises. - Falei em um tom mais baixo porém consideravel alto.
 -Você nã…
 -Sabe Liam eu já desconfiava, mas não queria acreditar, como você pode Liam? - Perguntei o encarando com rancor.
 -S/n as coisas já não são como antes, nosso relacionamento esfriou e…
 -Nosso relacionamento esfriou Liam? - Soltei uma risada sarcástica. - Eu sempre estive aqui pra você, não venha com essa desculpas esfarrapadas seu canalha! - Não me contive e enchi minha mão lhe acertando um tapa. - Acabou Liam, eu não sou nenhuma palhaça que você pode fazer  o que bem entender. - Virei as costas e fui para o quarto me trancando.
 -S/N POR FAVOR ABRE ESSA PORTA, VOCÊ TEM QUE ME ESCUTAR, TENTA ME ENTENDER PORRA! - Gritou socando a porta.
 Tapei meus ouvidos com a mão tentando abafar o som, eu não queria ouvir a voz dele, eu não queria o ver, eu apenas quero que isso passe…
  


 continua?

Preference - Ele te faz passar vergonha.

Harry:

Cheguei no restaurante combinado e fui direto a recepção, sorri e antes de dizer algo uma música alta começou a tocar do meu lado e eu olhei assustada, encontrei uma banda de mexicanos com chapéus gigantes e bigodes, sorrindo e tocando violão, pra mim.

-Bem vinda senhora - a recepcionista disse feliz e eu fiquei parada.
-Oque é isso? - tentei dizer alto.

Eles fizeram um arranjo com violão e umas batidinhas de palma enquanto cantavam algo com ‘bela muchacha’, juntei os olhos quando vi Harry sair de trás da banda com um sorrisinho de lado e uma roupa estranha, ele usava calças normais e uma camisa florida, nas cores mais fortes que existem, a banda finalizou a musica e todos em volta aplaudiram.

-Oque é isso Harry? - falei enquanto ele vinha rindo.
-Gostou “muchacha”? - ele falou - fiz pra voce.
-Pra mim? - disse confusa - porque?
-Porque voce é minha pimentinha mexicana - ele disse imitando voz de bebe e segurando meu nariz.
-Oque - tentei falar - que merda voce ta fazendo?
-Awn não gostou tchutchuquinha? - ele fez biquinho.
-Harry sério - falei puxando ele que falava alto atraindo a atenção de todos - vamos conversar.

O puxei pelo braço um pouco depressa e paramos num canto do lugar, o encarei séria do tipo “oi?” e ele continuou sorrindo feliz.

-Voce não ta com fome? - ele falou indiferente.
-Quero saber porque fez esse show - falei óbvia - e essa camisa?
-Ah voce notou? - ele riu com vergonha.
-Voce parece uma batida de abacate com cenoura, eu não notaria isso?
-Boba - ele riu me puxando - vamos comer.

Tentei ignorar o começo e o segui para dentro do restaurante, ele agiu normal ao solicitar nossa mesa e eu me dirigi a cadeira em silencio.

-NÃO - ele gritou me fazendo pular - eu sou um cavalheiro.
-Que merd

Então ele puxou a cadeira pra mim e eu me sentei devagar ainda o encarando assustada, então ele foi rapido pro seu lugar e se sentou, colocou a cabeça sobre as mãos na mesa e sorriu doentil.

-Harry - falei calma.
-Não - ele disse manhoso - Harry não, me chama de moreco.
-Que? - dei risada.
-Eu sou o moreco e voce é a mômo lembra?
-Meu deus - levei a mão a boca e o garçom chegou.
-Olá - Harry sorriu largo pra ele.
-Olá - o garçom cumprimentou - os senhores já vão pedir?

Me virei pro cardápio e Harry se levantou, o encarei com medo e ele parou ao lado do garçom e o abraçou de lado.

-Olha pra ela - Harry disse a ele apontando pra mim - não é a coisinha mais linda que voce já viu?
-Harry - falei alto envergonhada.
-Não, é sério - ele voltou a dizer - pode falar, não sou ciumento.
-Senhor - o garçom começou sorrindo.
-Um chuchuzinho não é? - Harry disse.
-HARRY - gritei e ele me ignorou.
-Ela é bonita sim - o rapaz disse.
-Ela não parece um moranguinho com leite condensado? - ele disse e eu me levantei.
-Chega Harry - falei o pegando pelo braço de novo.

O arrastei de volta pra fora e quando saimos ele começou a gargalhar, cruzei meus braços fechando a cara e ele sentou na guia da rua com a mão na barriga de tanto que ria, perdeu o ar e voltou a rir de novo apontando pra mim.

-Lindo - falei ironica.
-Moranguinho com - ele não aguentava terminar - voce tinha que ver sua cara.
-Voce é um idiota sabia? - falei negando com a cabeça.
-Ah para - ele se levantou ainda rindo - foi a melhor de todas essa.
-Como é idiota - falei cerrando os olhos.
-Para moranguinho - ele disse manhoso batendo os pés e voltou a gargalhar quando dei de costas e sai andando pela rua - ESPERA AMOR.

Louis:

Louis pegou os ingressos da mão do atendente e depois fomos direto para as escadas rolantes, ele estava um pouco quieto demais e eu estava estranhando isso, subimos e chegamos nas catracas do cinema, ele entregou os bilhetes e entramos.

-Tudo bem? - falei pegando na sua mão.
-Sim - ele sorriu de volta.

Entramos na sala e os trailers já haviam começado, procurei nossos lugares e o conduzi pela mão, nos sentamos em silencio e eu desliguei meu celular, alguns minutos se passaram e os trailers não acabavam, Louis tirou a mão da minha e pousou na minha coxa, o olhei desconfiada e ele fingiu não saber de nada.

-O filme nem começou e isso aqui já ta uma chatisse - ele disse no meu ouvido.
-Voce tem que tirar essa sua má impressão dos cinemas - falei batendo em seu ombro.
-Eu vou - ele disse e apertou um pouco minha coxa.

Ignorei e os trailers finalmente acabaram deixando a sala escura novamente, a sessão estava lotada e tinha gente em todos os lados, esperei e então vieram as chamas pro filme, Louis subiu sua mão na minha perna e eu o olhei na mesma hora.

-Nem pense nisso - falei e ele riu baixo.

O filme começou e eu tentei cruzar as pernas mas ele não deixou, o vi se ajeitar na poltrona e ele soltou um gemido rouco, me virei pra ele de novo e ele continuou na mesma posição, pensei ter ouvido errado então ele soltou mais um gemido, dessa mais um pouco mais alto.

-Para amor - ele disse num sussuro audivel.
-Oque? - falei indignada.
-Tira a mão dai - ele disse no mesmo tom e algumas cabeças se viraram.

Abri a boca chocada e ele sorriu sacana, o belisquei na perna e ele gemeu mais alto agora, pessoas viraram para nós assustadas.

-Desculpe, ela não resiste a uma sala escura - ele falou baixo mas todos escutaram.
-Eu mato voce - falei pra ele.
-Para S/n, assim não, machuca - ele disse se virando pra mim - faz devagar.
-Louis Tomlinson - eu já ouvia risadinhas e zuações em volta, meu rosto queimou.
-Ai amor - ele gemeu - vamos, mais rapido - ele ofegava - assim, isso.

Tentei me levantar mas ele me impediu segurando minha cintura, sentei na poltrona de novo e ele começou a me abraçar dando risadas abafadas.

-ISSO - ele gritou e olhou em volta - desculpem.
-Desgraçado - falei batendo em seus braços que me prendiam.
-AH CHEGUEI -ele disse alto de novo e fingiu soltar o ar aliviado - obrigado amor, foi ótimo.
-Sai daqui - falei quando ele me beijou gargalhando agora.

Liam:

Ele estacionou num posto de gasolina e pediu para encherem o tanque, esperei balançando a cabeça no ritmo da musica e ele começou a me encarar sorrindo.

-Com fome? - perguntou.
-Um pouco - disse dando de ombros.
-Vamos procurar algo.

Sai do carro e ele tambem, pagou ao frentista e trancou o veiculo, peguei em sua mão e caminhos direto para o mini mercado que ali tinha, entramos e parecia um tanto cheio, franzi a boca e Liam deu de ombros me puxando pra dentro, fomos direto ao corredor de bebidas e eu abri uma geladeira para pegar refrigerante, a lata escorregou e eu deixei cair sem querer.

-EU NÃO ACREDITO - Liam gritou me fazendo encara-lo assustada.
-Calma já peguei - eu ri e devolvi a lata.
-DEPOIS DE TUDO OQUE EU FIZ? - ele gritou abrindo os braços.
-Que? - disse encarando sua cena.
-S/N EU NÃO ACREDITO NISSO - ele gritou mais alto ficando vermelho.
-Liam - falei alto - oque voce ta falando?!
-EU SOU UM OTÁRIO MESMO - ele disse.

Ele começava a atrair a atenção de todos, as pessoas invadiram nosso corredor com cara de curiosas e um rapaz até chegou a ficar ao lado de Liam com medo que ele avançasse em mim ou algo.

-Eu devo ser o cara mais idiota do mundo - ele olhou em volta - sabem oque ela fez?
-Oque? - eu disse assustada.
-ELA ME TRAIU - ele gritou e todos suspiraram - COM MEU PAI.
-QUE?! - eu gritei de volta.

As pessoas em volta se olharam indignadas e me encararam com ódio, abri minha boca totalmente chocada e o encarei sem ter algo pra falar, Liam começou a ter lágrimas nos olhos e se ajoelhou no chão.

-Eu acabei de ver o vídeo dos dois - ele dizia com voz de choro - na cama.
-LIAM - gritei mas era tarde.

Alguns vieram e o abraçaram confortando, fiquei parada e sendo encarada por dezenas de mulheres e homens.

-VAGABUNDA - uma mulher alta gritou.
-Mas eu te perdoo - ele voltou a dizer e se levantou - te perdoo porque te amo.
-Eu não acredito nisso - falei baixo.
-Pois acredite, meu amor é maior do que isso - ele disse e me abraçou a força.
-Me solta - falei baixo e ele riu.
-Desculpa - ouvi entre suas risadas.

Niall:

Ele tinha organizado mais uma vez uma tarde de futebol para a caridade, era a segunda esse ano e como eu não pude ir na primeira, ele praticamente me intimou a essa, sentei em uma das poltronas na sala da coletiva de imprensa e esperei com tédio que ele chegasse.

-É agora - ouvi alguém gritar e a porta abriu.

No mesmo segundo alguns flashes invadiram o palco e ele surgiu sorrindo e acenando, um jogador famoso da seleção inglesa tambem estava junto, os dois se sentaram já com os uniformes prontos para a partida a seguir.

-Olá, bem vindos - ele começou - obrigado por estarem aqui, posso começar com voce?
-Niall - o rapaz que ele apontou se levantou - quanto pretende ganhar pra instituição?
-Minha meta são quarenta mil - ele respondeu.
-Niall - uma moça se levantou - essa é a ultima partida?
-Não, quero fazer mais uma esse ano - ele falou.

Um outro senhor levantou mas dirigiu a pergunta ao jogador do lado dele e então ele me encarou e sorriu, sorri de volta e observei o andar das perguntas, o tédio estava voltando com todas aquelas perguntas sobre táticas, fundos, partidas, amigos, abri a boca bocejando até que ouvi uma pergunta interessante.

-Niall - era uma mulher - quer dizer algo a sua namorada?
-Não - ele disse sorrindo envergonhado - na realidade quero sim.
-Pode nos dizer? - um senhor perguntou e eu sorri pra ele.
-Sim - ele disse e todos vibraram - S/n, eu vou contar pra eles - ele me olhou - eu sou gay.

Um minuto de silencio se propagou e as pessoas ficaram sérias encarando ele, esperando que Niall desse risada ou algo mas ele não fez, ficou sério tambem e chamou a próxima pergunta, eu prendi a respiração desacreditada e então uma explosão de risada se deu.

-Do que voces estão rindo? - ele disse sério - eu não estou brincando.
-Niall - cada um gritava de um lado com as mãos levantadas e ele pediu silencio.
-É a primeira vez que toco no assunto - ele disse - sou gay sim, estou em um relacionamente sério com um amigo da familia.

Abri a boca chocada com a revelação, mesmo sabendo que era pura brincadeira eu não disse nada, todos se viraram pra mim procurando alguma explicação e eu não me mexi, Niall também não riu.

-Meu namoro com a S/n era uma fachada - ele falou baixo - eu gosto de homem.
-NIALL - começavam a ferver os gritos.
-Gosto da fruta - ele dizia - adoro ser a dona de casa pervertida - ele piscou rindo abafado e eu abri mais a boca.
-NIALL AQUI - gritavam filmando tudo.
-Não sou bi, sou gay mesmo - ele continuava - tenho nojo de beijar mulher, gosto mesmo é de uma testosterona.
-NIALL POR FAVOR - alguns gritavam.
-S/n desculpa - ele se virou pra mim - mas estou pegando na bunda desse cara do meu lado agora mesmo.

O rapaz se virou pra ele e então ele não se aguentou, começou a gargalhar alto e ficou roxo de tanto rir, abaixei minha cabeça entre as pernas e ouvi sua gargalhada alta sem poder dizer nada.

-Filmei - ele disse ainda gargalhando alto.
-Meu deus - falei baixo tapando os ouvidos.

Zayn:

Zayn pegou na minha mão e entramos no corredor escuro da balada, a musica alta agora era ouvida por nós e eu sorri gostando da vibração que ela fazia dentro de mim, entramos no lugar por uma escada enorme e eu olhei pra pista lotada.

-Isso ta fervendo de gente - falei alto e ele concordou.
-Vou beber - ele disse.
-Não amor - puxei seu braço - vamos dançar.
-Odeio dançar S/n - ele disse com uma careta e eu virei os olhos - pode ir voce, depois te encontro.

Concordei de prontidão e nos separamos, eu andei depressa pela pista cheia de gente e comecei a me balançar no ritmo da batida, cheguei no meio da pista e agora a musica parecia mais alta, estava cheio mas dava para dançar bem, rebolei e fechei os olhos sentindo a emoção.

-Oi - ouvi ele dizer no meu ouvido.
-Nossa já? - falei sorrindo.
-Vim te mostrar como se dança - ele falou pedindo espaço.

O encarei sem entender e então ele começou a tirar a jaqueta que usava de uma forma um pouco desajeitada, continuei encarando sem alguma reação iminente e então ele jogou a jaqueta pra mim ficando só de camiseta regata.

-Eu sei, voce ta com inveja - ele apontou para um cara que passava.
-Zayn? - falei.
-Agora não - ele disse empurrando meu rosto.

O olhei indignada e então ele subiu a regata gingando, abri minha boca inconformada e ele girou o pano acima da cabeça gritando, todos em volta abriram espaço e começaram a olhar sua performance.

-Segura essa - ele jogou a regata pra mim.
-Zayn - gritei assustada e ele me ignorou.
-Voces me querem peladinho né - ele gritou pra multidão que gritou de volta - assim que eu gosto.

Então ele desabotoou a calça e a desceu de uma vez só arrancando pelos pés, levei a mão a boca e o dj começou a tocar uma musica de strip tease e todos da balada pararam pra ver, tirar foto, gritar, rir, eu tentei me esconder.

-Grita pra mim - ele dizia e todos obedeciam.
-Chega - gritei de volta e invadi seu espaço pegando ele pelo braço - poe essa calça.
-INVEJOSA - ele gritou na minha cara e subiu a calça.

Enfiei a unha em seu braço e o puxei dali fazendo ele vestir o resto das roupas, quando chegamos no bar ele já gargalhava alto apontando pra mim e eu fechei minha cara esperando ele terminar.

-Não tem graça - falei.
-A gatinha toda toda se achando porque queria dançar - ele continuava a apontar pra mim rindo.
-Mato voce - comecei a dar tapas em seu braço.
-Ai, adoro fazer voce pagar mico - ele disse respirando.
-Quem pagou foi voce - gritei nervosa.
-Eu não - ele disse - quem é gostoso assim nunca paga mico.
-Idiota.

Capitulo 16 {Tudo ou Nada}

POV CLARA AGUILAR

Quando tropecei no pé de Vanessa e praticamente a empurrei para o chão, eu já achava que ia me machucar de alguma forma. Entretanto, quando caí, alguma coisa amorteceu o meu impacto. Minha surpresa veio quando abri os olhos e vi o que fora que tinha amortecido: Vanessa. Seus olhos negros me encaravam com profundidade e eu mal conseguia ouvir as batidas do meu coração, de tão rápidas que estavam. Minha respiração se juntou com a dela e descobri que aquilo era muito melhor quando ambas estávamos acordadas. Vanessa respirava forte, e como eu estava em contato com o seu corpo, notei que seu coração também batia forte.

Ela levantou sua mão direita e a trouxe até o meu rosto, e acariciando levemente da mesmo forma que tinha feito durante a noite. Fechei os olhos ao sentir seu toque e um sorriso bobo surgiu em meus lábios. Então, senti a aproximação dela. Inclinei meu corpo, meu coração provavelmente já tinha parado àquela hora. Era uma garota. Era minha tutora de Medicina. Era a garota com os olhos mais lindos que eu já vira, e isso não tinha nada a ver com a cor deles, e sim com a profundidade e o carinho que eles encaravam. Tentei não pensar. Ela estava tão perto. Senti sua respiração se misturar mais ainda com a minha. Minha insegurança me invadiu. Era o meu primeiro beijo, eu não tinha ideia do que fazer. E ainda mais, era uma garota. Eu nunca tinha sequer pensado nessa possibilidade. Mas, algo me dizia que era certo.

Antes que seus lábios me tocassem, entretanto, uma musica alta começou a tocar em algum ponto próximo de onde estávamos. Inclinamos-nos imediatamente na direção do sim e a culpa me atingiu em cheio quando vi Ariane parada ali com os olhos marejados. Ela fechou os olhos e balançou a cabeça, se virando e saindo quase que correndo do meu apartamento. Minha única reação foi correr atrás dela. Quando a alcancei, ela já estava no corredor, apertado freneticamente o botão do elevador para que ele chegasse.

- Ari? – chamei pelo apelido, esperando que assim ela amolecesse um pouco.Estava pensando que ela deveria estar puta da vida, achando que eu estava tendo alguma coisa com Vanessa e ela, como minha melhor amiga, não sabia. – Não é nada do que você ta pensando.

Ariane se virou para mim e me encarou. Seu rosto já estava um pouco molhado por conta do choro e eu quis me matar por ter causado aquilo. Ninguém que faça aquele ser humano sensível e fofo chorar era digno de sua amizade.

- Clarinha, por que ela? – Ariane perguntou.

Eu franzi o cenho.

- Como assim “porque ela”?

Ariane limpou as lagrimas do rosto antes de continuar.

-Você não percebe? Porque não eu?

- Ari, do que você ta faland… – comecei, mas fui interrompida quando Ariane encostou seus lábios nos meus. Os lábios dela eram macios e tinham um gosto de cereja, já que era o sabor de seu brilho labial preferido. Meu coração disparou e os pelos do meu corpo se arrepiaram quando ela trouxe sua mão até a minha cintura e me puxou de encontro à ela. E então, recobrei a minha consciência e a afastei de mim. Ela me encarou confusa.

- Ariane, acho que você tá confundindo as coisas… – eu disse a encarando nos olhos. Eles ainda estavam marejados e eu não pude deixar de sentir mais uma vez aquela culpa. Era errado. Não porque era uma garota, mas porque não era ela quem eu queria.

Foi ai que então as portas do elevador se abriram e Ariane entrou em silêncio. Eu deixei as portas se fecharem. Não tive reação para ir atrás dela.

Vanessa, pensei. É a dona daqueles olhos negros que eu quero.

Então, corri de volta para o apartamento. Procurei por todos os cômodos, mas não a encontrei em lugar nenhum. Encontrei a camiseta que eu havia emprestado à ela jogada na minha cama. Peguei-a e a trouxe de encontro ao meu rosto. Como eu imaginava, o cheiro dela estava impregnado ali. Joguei-me na minha cama, pensando em tudo o que tinha acontecido. Ela tinha ido embora.

Como ela poderia ter ido embora sem sequer passar por mim? Que eu soubesse aquele era o único caminho para a saída do prédio. Tentei puxar pela memória.

As escadas de incêndio, pensei. Como eu pude ser tão burra?

Corri em direção da janela do quarto e me inclinei sobre ela, olhando para baixo o tempo de ver Vanessa pular o ultimo degrau e sair em passos largos na direção oposta de um prédio.

POV VANESSA MESQUITA

Assim que Clara se levantou para ir atrás daquela magrela amiga dela, eu fiquei sem reação por alguns segundos, mas logo retomei a minha consciência e fui atrás dela. Clara saiu do apartamento e deixou a porta escancarada, e então, eu consegui ver o que estava acontecendo ao lado de fora. Elas estavam frente à frente, e Ariane parecia estar magoada. Não quis me intrometer na conversa das duas, mas eu tinha uma sensação de que se eu não interrompesse algo aconteceria. E foi dito e feito. Quando eu estava me aproximando delas, Ariane inclinou o rosto para perto do de Clara e selou seus lábios. Meu  estomago revirou e eu sabia que se eu ficasse um pouco mais ali, eu provavelmente vomitaria. Fui o mais rápido possível para o quarto e arranquei a camiseta de Clara, jogando-a em cima da cama. Peguei minhas roupas que estavam ali perto e as vesti o mais rápido que eu pude.

Uma saída, Vanessa. Você precisa de uma saída.

Corri o olhar até a janela do quarto dela.

Ótimo. Escada de incêndio.

Andei até lá e pulei nas escadas, descendo o mais rápido que pude.

Eu estava tão atordoada que não percebia o caminho que estava fazendo, e me surpreendi quando esbarrei em alguém que vinha na minha direção contraria.

- Olha por onde anda , inferno – eu gritei, mesmo sabendo que a culpa era  minha por ter esbarrado. Levantei meu olhar e encarei uma par de olhos castanhos conhecidos. – Mari! Ainda bem!

Joguei-me em seus braços e ela sequer perguntou o que tinha acontecido. Mari era o tipo de amiga que estava ali por você e que sabia te dar ótimos conselhos, mas apenas se você estivesse disposto a ouvi-los. Caso você estivesse pronto para contar algo à ela, ela sabia respeitar o seu espaço. E essa era uma das coisas que eu mais amava nela.

Nosso abraço foi interrompido quando senti algo tocar na minha perna. Olhei para baixo e encarei uma Julia com uma expressão curiosa. Abaixei e peguei-a no colo. Ela trouxe seu rosto até o meu e me deu um beijo estalado na bochecha.

- Vanny, a gente tá indo no parque – ela disse. – Você vem com a gente?

Um sorriso escapou dos meus lábios.

- E como dizer não pra você?

E então, nos encaminhamos para o parque andando, já que o apartamento de Clara era perto dele. Balancei a minha cabeça, não queria pensar em Clara naquele momento.  Aquele final de semana estava sendo o mais confuso de toda a minha vida. Eu não entendia  por que eu tinha tanto desejo por aquela garota.

Talvez seja pelo peitões dela. É, Vanessa, definitivamente é pelo peitões dela.

Decidi não comentar com Mari. Apesar de achá-la totalmente confiável, ela era amiga de Clara e provavelmente iria me dar um sermão de duas horas com o tema “como não machucar uma garotinha inocente”.

Ficamos no parque o resto da tarde.

Julia estava brincando com  a mesma garota de cabelos curtos daquele outro dia. E eu achei isso curioso. Julia veio até mim e me puxou pela mão para que eu fosse brincar com ela e a garotinha, e assim eu fiz, enquanto Mari estava de papo com um cara. Avisei Mari que estava indo lá e ela fez um acena com a mão, sem nem olhar no meu rosto. Sentei-me ao lado delas. A garotinha de cabelos curtos me encarou.

- Vany, olha o castelo que eu fiz – Julia chamou a minha atenção, apontando para um monte de areia em formato de castelo que tinha ao lado dela.

- É lindo, Julia! – exclamei. – Você um dia vai ser uma arquiteta e tanto!

A garotinha ao lado dela esboçou um meio-sorriso, e encarou a sua própria construção. Estava bem mais deformado que o de Julia. Então ela fez uma careta.

- O meu não está tão bom. – ela disse, abaixando a cabeça. – Eu nunca vou ser uma arquiteta.

Eu não consegui não sorrir. Aquela garotinha era incrivelmente fofa.

- Deixa que a Vany te ensina! – Julia disse. – Ela que me ensinou a fazer também.

Então, me inclinei na direção dela e tomei para mim o seu balde de areia, enchendo-o. Refiz o seu castelo e ofereci o meu melhor sorriso para ela.

- Talvez você não seja a arquiteta do castelo, mas você pode ser a princesa do meu, o que acha?

A garotinha me deu um sorriso enorme.

- Eu vou ser sua princesa, Vany? – ela perguntou me chamando pelo apelido. E eu achei aquilo extremamente adorável.

Concordei com a cabeça e continuamos brincando ali pelo resto da tarde. A noite começou a chegar e Julia já estava cansada. Minha mais nova princesa já tinha ido também quando sua mãe veio chamá-la. Peguei Julia no colo e fui ao encontro de Mari, que estava terminando de trocar telefones com o tal rapaz.

Despedi-me de Mari e coloquei Julia, que estava quase dormindo, em seu colo. Agradeci pelo abraço que ela me dera mais cedo, e ela pediu para que eu em enviasse uma mensagem à ela quando chegasse em casa. Pedi para que ela fizesse o mesmo e então fui na direção do ponto de ônibus.

O ônibus chegou quando minha paciência já estava no limite. Entrei nele e praticamente me arrastei até um dos bancos do fundo. Assim que sentei, senti o meu celular vibrando. O peguei, já esperando por uma mensagem de lovespizza, mas quando peguei o celular, a mensagem não era de lovespizza e sim, de Clara.

Clara: Porque você saiu daquela forma daqui? Fiz alguma coisa que te incomodou?

Só ficou se agarrando com a Ariane.

Não respondi a mensagem, mas eu estava sendo muito ingênua achando que Clara iria deixar daquela forma. Logo o meu celular tocou e seu número apareceu no visor. Ela estava me ligando.

- Oi? – falei.

- O que eu te fiz? – ela repetiu a pergunta.

- Não me fez nada, não. Eu só não quis atrapalhar o seu… beijo.

- Vanessa, eu não…porque.. é que.. espera aí, tá com ciúmes?

- Ciumes? – bufei. – Eu? De você? Claro que não! Eu… eu namoro! Há mais de dois anos.

- Namora, é? – perguntou.

- Namoro!

- Pois aposto que ele não mexe com você do jeito que eu mexo!

- O quê?

- Tchau, Vanessa.

E desligou o telefone, me deixando com cara de paisagem.

E nessa de buscar a felicidade a gente realmente faz papel de idiota, e olha que não são necessariamente idiotas felizes. Talvez a felicidade não precise necessariamente ser buscada pois está “em algum lugar”, se a felicidade realmente existe e se é o destino de sermos felizes, devemos deixar ela vir para nós, mesmo que seja devagar, um dia ela chega. Caso não consiga esperar, tente outra vez, a paciência é uma das maiores virtudes do ser humano e ela não existe à toa.
—  Sobras de minha alma