musas inspiradoras

MUSA ERRANTE

Errante  concibe la fecunda musa
Sus hijos queridos, robustos y sanos,
Que quedan desnudos por esos arcanos
Como abandonados que van a la inclusa.
Son hijos quel alma, jamas lo rehúsa
Ni siente por ellos ingrato desvío,
Piensa que pudieran parecer de frió,
Morir ignorados como hijos bastardos,
Sin pisar altivos, nobles y gallardos,
La escena del mundo con digno atavío.
 
Musa que no sabe sujetarse a normas,
Que en alas del numen y en connubio ideal
Se alza por el alto campo sideral
Y a la fantasía no sabe dar formas.
Que sus pies desnudos nunca fueron hormas,
Que pasa en la tierra sus atardeceres
Porque en ella tiene sus dulces quereres,
Cuando por la alfombra de silvestres flores
Va coreando el canto de los labradores
Asida del brazo de la rubia Ceres.
 
La sencilla musa del pobre trovero,
La que con los faunos toca los rabeles,
La que sabe, amiga, cruzar los dinteles
Del rancho, guarida del gaucho altanero.
La musa que a solas inspira al boyero,
Que anima su yunta cantando en la huella,
La musa que sabe de toda querella
Campera de la vasta soledad bendita,
Lo que el teru-tero dice cuando grita,
Como lo que calla la pastora bella.
 
Musa vagabunda que encordó su lira
A los diapasones del campero junco,
Lira del poeta del lenguaje trunco
Que solo en las cosas del campo se inspira.
Que en sus soledades hacia el cielo mira
Mas vate, si solo y aislado se ve,
Que en gloriosos lauros nunca tuvo fe…
Que alza el grácil cuello sin hacer alarde,
Como el cisne a solas al morir la tarde,
Eleva su canto sin saber porque… 



B.B.Ceballos
Del muerto Panorama

Você me ganha
Na manha
Me assanha
Me apetece
E enlouquece

Teu toque
Tua pele
Teu cheiro
Teu gosto

E AH!
Se eu pudesse gritar
Para que o mundo
todo soubesse
O quão és valiosa para mim.

Mas como sou pequena
O que me resta
É traçar
Essas palavras singelas
Pro meu amor
Gritar baixinho
Pra você ouvir.

—  Borboletográfico 

Te quiero porque corres por mis venas
porque ardes como lava en mi cerebro
musa inspiradora de mis secretos más profundos
luciérnaga de luz que ilumina mi boca y mis entrañas
que dibuja formas en el aire para que los niños sueñen
para que los escépticos se rompan la cabeza
para que los sabios se gasten la vida en resolver
ese enorme acertijo que es una mujer.

Te quiero porque siendo real pareces sueño
pareces hecha del material con que se construyeron
las grandes maravillas del mundo y eres a la vez
tan frágil como lo es una rosa y que soporta
increíblemente sin hacer el menor esfuerzo
los fuertes vientos y las calamidades
con que azota la naturaleza o
los terribles inventos que crea
o destruye el ser humano.

Te quiero porque eres atávica, inmemorial, pura
más antigua que el mismo tiempo y que el origen
mismo de los seres, las palabras y las formas;
eres el reflejo de todas las mujeres que vinieron
antes de ti y sufrieron cruentas batallas
para demostrar al mundo, al igual que:
Aspasia, Friné, Safo, Hypatia, Cleopatra…


—Mujer que arde en mis entrañas, Joseph Kapone (Fragmento)

Del libro: “Cómo caer al mundo”.

eu te amo. e te digo no papel porque olho-no-olho já não consigo. te amo e sei que não sou eu, porque nunca consegui acreditar que seria. não falo de você e de mim, nossa história tem nuances que não se encaixam no todo, digo de mim com o resto. você tem ciência de todas as coisas que me rodeiam, exceto o fato de que nunca sou eu, com ninguém. e você diz que queria trocar de lugar comigo porque me vê leve e pura e pronta para viver sabe-se lá o quê, mas a verdade é que sou o peso de alguém que nunca viveu completamente uma história de amor. ninguém nunca cruzou a cidade para me ver ou colocou chico buarque enquanto lembrava de alguma mania que tenho e mal noto. ah, mas já estive em várias histórias - tuas, do alheio, de quem cruzou com meus clamores românticos e se sentiu tocado- mas nunca fui a real protagonista nos escritos de ninguém, nem mesmo os meus. 

me apaixono, amo, torno-me pó e revigoro absolutamente só. tem um trecho que gosto muito, ele diz que tudo o que amei, amei sozinho. já vivi infindáveis contos de amor, fiz declarações, escrevi cartas, desenhei personagens que quem visse suspiraria de encantamento - como não gostar da graça daquele sorriso rasgado que toma tão distraidamente?-, mas eles não existem no mundo material, nunca os toquei. 

tenho pensamentos conflitantes sobre o sentir. ora penso que é necessário dizer - sou absolutamente contra guardar para si todas as coisas bonitas que habitam o peito e podem tomar o mundo-, ora quero afogar todos os desejos que me inquietam por puro instinto de autopreservação. você não sabe que eu ouvia “stuck on the puzzle” quando decidiu se despedir e desde então a trilha de submarine me causa dor de cabeça, mas sabe que após esse dia as coisas têm sido distintas porque há uma trava dentro da minha cabeça e três na sua. 

essa sou eu dizendo que tenho fugido de falar sobre sentir porque vejo o amor te corroer em cada ponta, essa sou eu ignorando o fato de que temos vivido numa cela trancada temendo que qualquer toque possa fazer o universo desmoronar. as coisas não têm me tocado em ponto algum e isso me faz querer chorar, mas ainda é bonito o fato de você conseguir me aquecer momentaneamente o peito quando decide que é hora de fazê-lo. e quem vê as coisas dispostas assim talvez nem imagine todas as vezes que suas mãos me puxaram para a superfície, e quem te vê fazendo pilhérias ao longo do dia talvez não note o seu cansaço em existir num mundo em que deixar de sentir é questão de sobrevivência. mas, meu bem, nós sempre sentimos demais.

e eu sinto muito por isso, com a ambiguidade que permeia as orações. sinto por sentirmos tanto num universo em que usam o próprio afeto para nos destruir. sinto por todas as dores que tivemos como indivíduos porque, veja bem, nós não somos o problema. sei que é difícil crer, mas nunca fomos. não somos mocinhos ou vilões, apenas sentimos e seguimos caminhos dolorosos. não como se fosse uma escolha, nunca foi. 

sinto termos tanto vazio a compartilhar, desde o primeiro dia.

e eu te amo como quem se reconhece no alheio. como quem já não é capaz de traduzir afagos por ter se calado há tanto tempo que não sabe mais o que deve ser dito. eu te amo o suficiente para engolir o afeto e silenciá-lo e mesmo assim ele não morrer. te amo e recordo detalhes entre as canções que já não ouso escutar. 

nunca fui alguém por quem qualquer pessoa cruzaria a cidade para ver, ou a musa inspiradora de obras grandes ou medíocres, ou mesmo aquele sonho bonito que faz o outro desejar um futuro ao lado porque, meu Deus, seria tão bom passar um infinito-até-o-mundo-acabar na companhia. mas eu cruzaria a cidade por você. sem grandes expectativas. apenas por ser você.

quando disse que não espero nada, foi pelo fato de que nunca pude esperar nada de ninguém. você discordou dizendo que sou a pessoa que rema e não a que foge. eu não consigo fugir. a verdade é que você me conhece bem o suficiente para saber que sempre espero, ainda que não queira.

dentro de mim mora uma ternura imensa por você. ela se comove com seus olhos de sono mesmo quando o resto do mundo já não consegue me tocar. ao contrário de toda a efemeridade que me cerca, ela não se esvai. e o mais bonito nisso tudo é saber que você a sente de volta do outro lado do muro, mesmo quando sua voz já não diz. 

G.    

Lá fora o mundo você rodou
E conheceu
Histórias que ninguém escutou
Que ninguém leu

Canções você me apresentou
Como apresentaria
A musa inspiradora,
O autor, a melodia

Você me ensinou
A ouvir o que existe
Um ritmo alegre
Ou uma balada triste

Me agrada o livre arbítrio confortável que sempre defendeu

Escolhas são assim
Muitas são irreversíveis
Mas você me ensinou
Que sonhos não são impossíveis

Bom, deixa eu falar sobre ele… Ele é tipo eu versão masculina, mas eu choro muito mais que ele e sou mais dependente dele, não sei se ele que não se mostra assim, mas não o vejo tão frágil como me vejo. Ele é o homem que sempre imaginei, ele brinca com os cachos do meu cabelo e eu sei o significado de todas as suas tatuagens, olha que são muitas. Ele me chama de gostosa e morde os lábios quando coloco uma roupa muito marcada, mas me chama de anjo e vida. Ele canta minha música favorita quando estamos deitados pensando na vida. Seu beijo é o melhor da minha vida e suas mãos na minha bunda me levam a loucura. Ele é teimoso, mas sempre entramos em um acordo. Ele me faz rir em situações improváveis. Ele demonstra o seu amor em publico, com coisas loucas e sempre me surpreende em cada gesto espontâneo seu, mas não sei se ele sabe que amo surpresas e ser surpreendida. Ele me ajuda nos meus afazeres e diz que sou sua musa inspiradora. Ele é bagunçado, todo desorganizado, mas do nada coloca tudo no lugar e resolve ser perfeccionista, chega da vontade de rir. Seu sorriso é tão lindo, o sorriso mais lindo que já virá. Ele odeia me ver chorando ou com dor, ele fica nervoso e desesperado querendo que eu pare de chorar ou que a dor pare. Ele vive fazendo caminhos com os dedos pela minha pele me arrepiando toda e depois ri que fiquei arrepiada. Ele age como uma criança em suas crises de ciúmes ou quando estou fazendo algo na cozinha, sabe? Ele anda atrás de mim, mexe nas panelas e quer experimentar tudo e com ciúmes ele cruzas os braços, fica de bico e se digo algo, ele manda eu ir com “fulano”, o pior é que eu digo: “Você está com ciúmes?” e ele responde: “Estou, pois você é minha.”, pra falar a verdade eu nunca gostei desse pronome possessivo, minha, mas eu gosto de quando ele fala. Eramos amigos com benefícios, eu larguei tudo por um antigo amor, mas esse antigo amor não era ele, era completamente diferente e eu sentia falta das conversas numa tarde chuvosa, dos banhos de chuva, das risadas fora de hora, a briga pelo controle remoto ou quando ele me colocava em seus ombros fazendo eu me debater, então tudo acabou e agora ELE… ELE é só meu amigo e eu sou amiga dele, tudo é assim ainda como disse, sem o beijo, claro, somos APENAS amigos, as vezes na brincadeira ele me segura forte pela cintura ou na coxa e eu sinto vontade de dizer que sinto tanto falta dele quanto de seus lábios, mas quem sabe um dia!
—  Em uma tarde qualquer… 

Não canto mais Babete nem Domingas
Nem Xica nem Tereza de Ben Jor
Nem Drão nem Flora do baiano Gil
Nem Ana, nem Luiza do maior
Já não homenageio Januária
Joana, Ana, Bárbara de Chico
Nem Yoko, a nipônica de Lennon
Nem a cabocla de Tinoco e de Tonico

Nem a tigresa nem a Vera Gata
Nem a branquinha de Caetano
Nem mesmo a linda flor de Luiz Gonzaga
Rosinha do sertão pernambucano
Nem Risoflora, a flor de Chico Science
Nenhuma continua nos meus planos
Nem Kátia Flávia, de Fausto Fawcett
Nem Anna Júlia do Los Hermanos

Só você, hoje eu canto só você
Só você, que eu quero, porque quero
Por querer

Não canto de Melô Pérola Negra
De Brown e Herbert, nem uma brasileira
De Ari, nem a baiana nem Maria
Nem a Iaiá também, nem minha faceira
De Dorival, nem Dora nem Marina
Nem a morena de Itapoã
Divina garota de Ipanema
Nem Iracema de Adoniran

De Jackson do Pandeiro nem Cremilda
De Michael Jackson nem a Billie Jean
De Jimi Hendrix nem a doce Angel
Nem Ângela nem Lígia, de Jobim
Nem Lia, Lily Braun, nem Beatriz
Das doze deusas de Edu e Chico
Até das trinta Leilas de Donato
E da Layla, de Clapton, eu abdico

Só você, canto e toco só você
Só você que nem você ninguém mais pode haver

Nem a namoradinha de um amigo
E nem a amada amante de Roberto
E nem Michelle-me-belle, do beattle Paul
Nem Isabel, Bebel, de João Gilberto
Nem B.B., La femme de Serge Gainsbourg
Nem de Totó na Malafemmena
Nem a Iaiá de Zeca Pagodinho
Nem a mulata mulatinha de Lalá

E nem a carioca de Vinícius
E nem a tropicana de Alceu
E nem a escurinha de Geraldo
E nem a pastorinha de Noel
E nem a namorada de Carlinhos
E nem a superstar do Tremendão
E nem a malaguenha de Lecuona
E nem a popozuda do Tigrão

Só você, hoje elejo e elogio só você
Só você, que nem você não há nem quem nem quê

De Haroldo Lobo com Wilson Batista
De Mário Lago e Ataulfo Alves
Não canto nem Emília nem Amélia
Nenhuma tem meus “vivas” e meus “salves”!
E nem Angie, do stone Mick Jagger
E nem Roxanne, de Sting, do Police
E nem a mina do mamona Dinho
E nem as mina pá do mano Xis!

Loira de Hervê, Loira do É O Tchan
Lôra de Gabriel, o Pensador
Laura de Mercer, Laura de Braguinha
Laura de Daniel, o trovador
Ana do Rei e Ana de Djavan
Ana do outro Rei, o do Baião
Nenhuma delas hoje cantarei
Só outra reina no meu coração

Só você, rainha aqui é só você
Só você a musa dentre as musas de A a Z

Se um dia me surgisse uma moça dessas
Que com seus dotes e seus dons
Inspira parte dos compositores
Na arte das palavras e dos sons
Tal como Madallene, de Jacques Brel
Ou como Madalena de Martinho
Ou Mabellene, a sixteen de Chuck Berry
Ou a manequim do tímido Paulinho

Ou como de Caymmi, a moça prosa
E a musa inspiradora Doralice
Se me surgisse uma moça dessas
Confesso que eu talvez não resistisse
Mas veja bem, meu bem, minha querida
Isso seria só por uma vez
Uma vez só em toda a minha vida
Ou talvez duas, mas não mais que três!

Só você, mais que tudo é só você
Só você, as coisas mais queridas você é

Você pra mim é o sol da minha noite
É como a rosa luz de Pixinguinha
É como a estrela pura aparecida
A estrela a refulgir do Poetinha
Você, ó flor, é como a nuvem calma
No céu da alma de Luiz Vieira
Você é como a luz do sol da vida
De Stevie Wonder, ó minha parceira

Você é pra mim o meu amor
Crescendo como mato em campos vastos
Mais que a Gatinha pra Erasmo Carlos
Mais que a cigana pra Ronaldo Bastos
Mais que a divina dama pra Cartola
Que a Domna pra Ventadorn, Bernart
Que a Honey Baby para Waly Salomão
E a Funny Valentine para Lorenz Hart!

Só você, mais que tudo e todas, é só você
Só você, que é todas elas juntas num só ser!

—  Todas elas juntas num só ser - Lenine

sos una pieza de arte
una de esas piezas que se encuentran en el mejor lugar del mejor museo
sos una obra maestra
tenés ese tono invernal que le agrega cierto dramatismo a la vida
sos una musa inspiradora
para mí y para muchos
sos la ecuación de la soledad al tormento constante de mis demonios
sos la destrozante locura a mi cordura
sos la pura lujuria, existencia y necesidad
sos una pieza de arte
y lo mas lindo
es que nadie me habla de vos
no hace falta
yo misma te admiro
y si, sos una obra de arte
la mejor de todas

3

Utilizador em destaque: Pedro Alves

Blogue:  @dklimppedroalves

No Tumblr desde: agosto de 2014

O arquiteto Pedro Alves desenha desde que se entende por gente, mas só se “assumiu” como ilustrador há seis anos, redesenhando a arquitetura e os espaços em volta com a liberdade e desenvoltura artística com que sempre sonhou. Pedro também cria arte para a posteridade, para que a sua filha, atualmente com 3 anos, descubra o pai através destes maravilhosos desenhos.

Quando não estás a desenhar, o que fazes da vida?

É difícil não estar a desenhar, sinceramente. Tirando o desenho, o que mais gosto de fazer é estar com amigos e família na conversa e a beber uns copos, o que são motivos mais que perfeitos para registar no meu caderno, numa espécie de storyboard da vida real. Mesmo os passeios com a minha mulher e a minha filha têm estes momentos que me permitem puxar do bloco e desenhar, embora não seja algo prioritário. Só não desenho quando estou a jogar jogos de video, aí o bloco não entra. 

Como começou o teu interesse pela ilustração?

Eu desenho desde que me lembro, mas assumir-me como ilustrador só aconteceu há 6 anos. Sempre desenhei, mas era apenas para mim, fosse para me distrair ou para testar soluções ao elaborar um projecto de arquitetura, pelo que o desenho tem um papel essencial. Mas agora, como ilustrador, sei que o meu desenho é o principal veículo para transmitir a  informação e não apenas um complemento.

Keep reading

Fatos.

✿ Meu nome é Yasmim.

✿ Nasci em 2 de março de 2001.

✿ Sou cristã.

✿ Moro em Pernambuco.

✿ Amo ler qualquer tipo de livro, mas sou apaixonada pelos de romance.

✿ Meus livro favorito é me before you.

✿ Sou apaixonada por séries, esqueço até da minha existência fazendo maratona.

✿ Sou muito sensível e insegura ao extremo, porém, não demonstro isso nunca.

✿ Meus filmes favoritos são: Como eu era antes de você, Simplesmente acontece e A culpa é das estrelas.

✿ Tenho problemas psicológicos causados por Grey’s anatomy.

✿ Odeio egocentrismo.

✿ Ouço muito pop e rap.

✿ Justin Bieber, Miley Cyrus e Rihanna são os amores da minha vida.

✿ Pretendo fazer psicologia.

✿ Eu amo filmes de animação, os meus favoritos são Lilo & Stitch, e TODOS da barbie, coisa de criança mas é aquele ditado né?!

✿ Inês brasil é minha musa inspiradora. 

Reações dos paqueras ao ver outro garoto beijando a Docete

Armin: Mas quem é esse aí?! Por que ele está beijando a minha garota? Ela não sabe que é minha garota, mas ela é! Eu vou ter que fazer algo!

Castiel: Tanto cara no mundo e ela vai beijar logo esse mauricinho aí? Eita mau gosto dos infernos.

Kentin: O problema sou eu? Ela não gosta da minha aparência? Se eu fosse bonito ela iria querer me beijar? Por que da vez passada ela colocou um coelho entre nós? Eu sou feio, é isso? Ela não gosta de mim por isso?

Lysandre: Mas quem esse ser humano pensa que é para encostar os lábios dele nos doces e delicados lábios da minha musa inspiradora?

Nathaniel: Opa, opa, opa! Mas o que é que está acontecendo aqui? Por que vocês não estão estudando? As provas estão próximas e vocês deveriam estar se preparando para elas… Vamos logo, cada um para uma sala estudar. Opa, para onde pensam que vão? Se separem que aqui não é lugar para esse tipo de coisa… Vamos, Docete, você está muito fora dos limites ultimamente, venha comigo para o grêmio estudantil.

Na linda cidade sem nome, vivia o poeta, apaixonado. Na linda cidade sem nome vivia uma dama à procura de um amor encantado. O poeta, ao ouvir a dama recitando versos fez descoberta da sua própria Afrodite, de lábios rosados, cabelos tão prateados como a luz do luar e expressões marcantes de uma bela mulher. A dama, ao ser abordada pelo escritor, se apaixonou, sempre havia gostado de suas obras e agora o via em seu esplendor, intenso ao usar as palavras, ela notava seus olhos brilhando ao recitar com paixão seus escritos para ela. Na linda cidade sem nome viviam dois apaixonados, unidos pelo amor, um escritor, lunático, e sua musa inspiradora. Mas na linda cidade sem nome, fez-se presente o Destino, que via o que estava acontecendo e decidiu atrapalhar os planos dos dois enamorados.’ Seria esse amor verdadeiro?’, contestou, ’ Só ha uma maneira de descobrir’. Pois bem, a dama se casaria com outro, como ordenara seus exigentes pais. Foi com lagrimas nos olhos que ela escreveu uma carta para seu amado ‘ Você precisa deixar-me, casarei com outro homem, por favor não me procure mais’. Ao ler a pequena carta o poeta não acreditou, eles se amavam e ele iria lutar por esse amor, com isso em mente o mesmo foi até a casa da sua amada, subiu a sacada e chamou-lhe o nome. Na linda cidade sem nome, dois amantes, Romeu e Julieta, amor proibido, o primeiro beijo foi dado. Na linda cidade sem nome um casal provava que estavam apaixonados.
—  Para o meu amado Shakespeare . Escritora de Luar