movimentoecor

Algumas pessoas, ansiosas e eufóricas para serem felizes, não conseguem entendem a virtude da espera. Esperar não é triste ou vergonhoso. Triste é não ter paciência para deixar que as alegrias cheguem naturalmente e descartar a possibilidade de permitir que o tempo traga as mais lindas e eternas coisas da vida. Na obviedade da palavra, esperar não é manter-se na inércia, mas, na tranquilidade da alma, confiar que a sua falta de inércia, um dia, lhe trará resultados.
—  Frederico Elboni

Ele não nos prometeu apenas dias de glórias, pelo contrário, afirmou que os dias não seriam fáceis. Se olharmos ao nosso redor, o mundo anda a beira do caos. Falta justiça e humanidade. Rookmaaker fala exatamente disso quando diz que ‘Cristo não morreu para que pudéssemos ir mais à igreja, mas para que nos tornássemos mais humanos.’ Em meio a tudo que estamos vendo no lastimável cenário mundial, que possamos no mínimo, nos compadecer em oração. Que não sejamos indiferentes à dor alheia. Que possamos ter bom ânimo para encarar nossa realidade com fé e lucidez, para que no final venhamos a dizer que fizemos o melhor que podíamos na nossa caminhada, que chegamos até o fim, e que sobretudo guardamos a fé! (2 Tm 4:7)

A mão que sustenta o mundo é a mesma que nos carrega em nossas dores.

Relutei a falar sobre isso até ver essa linda ilustração de Luciano Ramos. 😔

ESTAR APAIXONADO

O que chamamos de “estar apaixonado” é um estado glorioso e que em diversos sentidos é muito bom para nós. Ele nos torna mais generosos e corajosos e abre os nossos olhos não apenas para a beleza da amada, mas também para todo tipo de beleza. Ele subordina nossa sexualidade meramente animal (principalmente no começo); nesse sentido, o amor é o grande conquistador da luxúria. Ninguém em sã consciência negaria que estar apaixonado é bem melhor do que a sensualidade comum, ou o frio egocentrismo. Porém, como eu disse anteriormente, “a coisa mais perigosa que se pode fazer é considerar um instinto qualquer da nossa própria natureza como algo que você tivesse que perseguir a todo custo”. Estar apaixonado é uma coisa boa, embora não seja a melhor de todas. Há muitas coisas inferiores, mas também existem coisas superiores. Você não pode tornar isso a base de toda uma vida. Trata-se de um sentimento nobre, mas que não deixa de ser só um sentimento. E não se pode esperar que um sentimento dure para sempre com toda a sua intensidade, nem mesmo que dure. Conhecimentos, princípios e hábitos podem durar; porém, os sentimentos vão e vêm. E, com certeza, não importa o que as pessoas digam, o fato é que a condição que chamamos de “estar apaixonado” não costuma durar muito tempo.

Retirado de Um Ano com C. S. Lewis, Editora Ultimato.

PLENAMENTE SATISFEITO COM DEUS

Aprender a se alegrar com pequenas coisas é uma dádiva divina. Somos bombardeados de propaganda todos os dias, o dia todo. Dizem que hoje em um dia recebemos a mesma carga de propagandas que alguém recebia em uma vida toda no século XIX. 

Pra vender alguma coisa na TV, revista, App, outdoor, etc… é inerente que se transmita uma mensagem logo no começo de que você está insatisfeito do jeito que está, e que consequentemente você precisa do produto que a propaganda está querendo vender. Isso acontece o tempo todo, as propagandas nos mostram corpos perfeitos, e você com seus pneuzinhos; praias paradisíacas, e você no seu trabalho; pessoas com dinheiro, e você duro; pessoas comendo suculentos hambúrgueres, e você com fome; famílias felizes com seus Goldens, e você morando sozinho em um apê minúsculo. 

Com essa enxurrada de “perfeição” vamos começando a ficar insatisfeitos com nossas vidas e vamos consumindo na esperança de encontrar a satisfação que vemos nos olhares dos atores das propagandas. Como não é mais possível viver sem se deparar com centenas de propagandas todos os dias, temos que nos blindar com uma satisfação interior que nos mostre que mesmo sendo incompletos somos plenos. 

Plenos no Deus que nos ama e cuida de nós. “O Senhor é o meu Pastor, e por isso não preciso de mais nada!” Salmos 23:1 

— Marcos Botelho

ANDE HUMILDEMENTE COM O SEU DEUS

Ele mostrou a você, ó homem, o que é bom e o que o Senhor exige: pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus. (Miqueias 6.8)

Até as pessoas mais dispostas espiritualmente têm dificuldade em escapar da tentação de amarem a si mesmas. Assim que elas percebem que são melhores do que outros em alguma coisa, começam a amar a si mesmas e a olhar os outros do alto. As Escrituras nos fornecem um exemplo aterrorizante disso com a história de Saul. Ele era muito bem quisto e não havia alguém igual a ele em Israel (1Sm 9.2). Ele estava cheio do Espírito do Senhor. No entanto, ele não fez o que Miquéias ordenou nessa passagem. Assim, caiu em terrível desgraça e foi rejeitado por Deus.

Os pais da igreja falaram o seguinte sobre a tentação de amar a nós mesmos: “Não importa onde você lance a cabeça de um cardo, ele sempre ficará de pé”. Semelhantemente a um cardo, essa atitude ímpia facilmente se enraíza nos corações dos cristãos. É difícil para os cristãos evitar o amor próprio. Como Agostinho afirmou, esse é o único mal que se agarra às boas obras. É por isso que Deus permite que o seu povo escorregue para o pecado, assim como permitiu que Pedro e Davi caíssem. Chocados com sua queda, os cristãos então se humilham. Eles passam a ter medo de pensar tão alto sobre si mesmos e querem manter em mente quão fracos eles ainda são. Foi por isso que Davi clamou: “O meu pecado sempre me persegue” (Sl 51.3).

Os cristãos se humilham ao reconhecer e olhar para as suas fraquezas e seus pecados. Assim, tentam evitar ter orgulho de suas obras ou dos dons do Espírito que receberam de Deus. Isso é o que significa “andar humildemente com o seu Deus”. Devemos ser genuinamente modestos e humildes, desejando permanecer em segundo plano. Nunca devemos procurar honra e louvor pelas boas obras que praticamos.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

O TEMPO PERFEITO DE DEUS

Para tudo há uma ocasião certa; há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu. (Eclesiastes 3.1)

Ninguém pode mudar o futuro, não importa quanto alguém possa tentar. Como alguém que não sabe o que acontecerá pode mudar o que ainda não aconteceu? Deus quer que usemos o que ele nos dá sem nos dizer quando ou como ele o proverá. Tudo está nas mãos de Deus. Não devemos pensar que tudo está em nossas mãos para usar da maneira que desejarmos. Afinal, Deus deve prover tudo primeiro.

A expressão “há tempo para tudo” significa que tudo acontece quando Deus quer. Se as pessoas tentarem planejar e fazer tudo por si mesmas sem reconhecer que Deus está no controle, elas experimentarão nada mais do que fracassos. Muitas pessoas trabalham duro para conseguir riquezas, mas não conseguem. Outras adquirem riqueza sem nem ao menos tentar. Isso acontece porque Deus provê o tempo certo para alguns, mas não para outros.

Deste modo, as pessoas lutam pelo que querem ter. Porém toda a sua luta leva apenas à frustração. Elas nada conseguem porque não esperam o tempo certo. Sabendo disso, devemos deixar tudo nas mãos de Deus, usar o que temos hoje e evitar a ânsia por coisas que queremos no futuro. Se não seguirmos esse conselho, nossas vidas serão cheias de problemas e desapontamentos.

— Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato

DESFRUTAR DO QUE VOCÊ TEM

Melhor é contentar-se com o que os olhos veem do que sonhar com o que se deseja. Isso também não faz sentido; é correr atrás do vento. (Eclesiastes 6.9)

Deleitar-se com o que você tem atualmente é melhor do que deixar que o seu coração vagueie. Você deve fazer uso do que está na sua frente, em vez de perambular por aí, cheio de desejos. Isto foi o que o cachorro dos escritos de Esopo fez quando perseguiu o reflexo na água, o que fez com que ele perdesse a carne que tinha na boca. Você deve usar o que Deus colocou diante de você e ficar satisfeito com isso. Você não deve tentar satisfazer os seus próprios desejos, porque eles nunca serão totalmente satisfeitos. Em vez disso, você deve usar tudo o que Deus tem colocado diante de você. Tudo isso é muito bom (Gn 1.31).

Pessoas fiéis são contentes com o que têm e consideram tudo como um presente de Deus. Os incrédulos, porém, agem de forma diferente. Tudo o que vêm na sua frente não passa de um estorvo. Eles não usam esses presentes nem os apreciam. Ao contrário, permitem que seus corações andem sempre descontentes. Se eles têm dinheiro, não encontram prazer nem desfrutam dele. Eles sempre querem algo diferente. Se eles têm um cônjuge, querem uma outra pessoa. Se adquirem um reino, não ficam satisfeitos com apenas um. Alexandre, o Grande, por exemplo, queria outro mundo para conquistar.

Devemos fixar nossos olhos no que já temos à nossa frente. Devemos nos agradar com tudo isso. Devemos ter prazer nisso e agradecer a Deus por cada coisa. Deus não quer que os nossos corações vagueiem pensando em outras coisas. Essa passagem nos mostra que devemos fazer uso do que temos no presente. Deixar que nossos corações vagueiem cheios de desejos não faz sentido.

— Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero.

ENTREVISTA COM MARCOS ALMEIDA

TRECHOS DA ENTREVISTA CONCEDIDA AO PORTAL ULTIMATO

O músico Marcos Almeida tem 32 anos e é um dos fundadores da banda Palavrantiga. No auge do reconhecimento da banda, na qual Marcos era o vocalista, ele afastou-se para um período sabático. Marcos voltou aos palcos, mas desta vez sozinho como o projeto “Eu, Sarau”. Nesta entrevista ao Portal, o músico fala sobre sua saída do Palavrantiga, seus projetos como blogueiro e escritor, a relação dos evangélicos com a cultura popular, os muitos tipos de “brasis” e os dilemas da juventude atual.

Portal Ultimato - Além de compor, você escreve. Tem um blog chamado Nossa Brasilidade. No blog você fala sobre MPB, cultura, espiritualidade, etc. Entre tudo o que você escreve lá, que mensagem principal quer transmitir?

Marcos Almeida - Que ao olhar para a cultura popular devemos trocar o desígnio da nossa busca. Quero olhar para a cultura buscando encontrar Deus! É que tem muita gente fixada em encontrar o diabo no mundo, mas Deus, onde está? Confinado no Templo dos Desejos, procurando ser reverenciado em seu confinamento, enquanto seus fieis, que têm por sagrado apenas o litúrgico, levam uma vida qualquer no mundo? Se estão procurando o diabo na cultura, fiquem sabendo que estou procurando Deus. E olha, tenho visto a sua presença na rua e isso assusta a minha religião e amplia a minha teologia. Não só isso! A presença de Deus, da espiritualidade no canto popular, transbordando na canção brasileira, abre um precedente - vamos dizer assim - para uma inédita intromissão cultural vinda daqueles que não abrem mão de expressar sua fé na arte e que também desejam cantar sobre temas mais amplos que o litúrgico pode comportar.

Portal Ultimato - Você é cristão evangélico, e deixa isso claro. Mas, ao mesmo tempo, dialoga muito com a música popular brasileira. Você acha que ainda há muitos muros entre os cristãos evangélicos e a MPB?

Marcos Almeida - Já disse que tem gente fixada em ver o Coisa-Ruim no mundo, e, como diz minha avó, quem procura acha. Tento mostrar que esses muros que você fala, estão sobre o mesmo chão da vida real. Temos diferenças e similaridades. Mas existe um lugar que sustenta todos nós, a dádiva! Esse é o ponto de partida. Antes de pensar nos muros, é preciso pensar no chão. Uma teologia do chão. Do Salmo 50.12: “Pois o mundo é meu, e tudo o que nele existe”. Um olhar para o todo, porque quem se fixa na parte, fica partido.

Portal Ultimato - Como você vê a igreja evangélica brasileira hoje?

Marcos Almeida - Não existe uma igreja evangélica brasileira. São muitas. Não consigo generalizar. Posso falar da minha.

Portal Ultimato - Seu público maior é a juventude, certo? Qual sua leitura da juventude brasileira hoje (e, em especial, da juventude evangélica)?

Marcos Almeida - Olhando para o público que partilha das coisas que faço, seja no Sarau, no Culto&Cultura ou na rede, percebo que parte dele tem se ocupado em duas duas ações; alguns estão batalhando para resistir à cultura gospel e, como um desdobramento disso, outros estão abraçando uma aristocracia “hipster” secularizada. Tanto um quanto o outro ainda não sabe direito o que é, qual a sua identidade. São cristãos mas não querem ser “gospel”. São cristãos, mas preferem a estética “hispster”, mesmo que ela negue certos valores inegociáveis da ortodoxia cristã. É um grande dilema que a juventude terá que resolver: a relação entre significado e verdade. Pode existir significado sem verdade? É válido abraçar significados vazios de verdade? Além disso, é um dilema de comunicação: ok, você está rejeitando a fórmula de comunicação gospel, mas como comunicar-se sem ela? Acredito que parte do interesse deles pelo meu trabalho se dá porque também estou tentando responder essas questões.

Para ler a entrevista completa, clique aqui. Vale muito a pena!

instagram

ninguém sabe a dor que o outro passou, ninguém sabe as lutas que o outro lutou. por isso, seja diferente, ame mais e julgue menos. 💙➕ | música: @marcelataisoficial

Made with Instagram
youtube

[…] fui convocado a cantar das vitórias e guerras que nunca vi.