movimentod

janelas semi-abertas

I
janelas
espaços vagos na escuridão
molduras de movimento
de traços que desenham a vida
que sopra fora do quarto escuro

II
janelas
a esperança ajardinada do pulsar
de quem mora por dentro
de onde os sons negligenciam
o olhar de quem deseja ver
mas que o coração se corrompeu

III

janelas
que mostram que há uma saída
um borrão de cores mescladas
mas que postas em ordem
acalmam a ventania
quebram a rotina e fazem poesia.

Elisa Bartlett