mortinha da silva

Não sei por que escrevo, mas só sei que você é um dos motivos para eu escrever. Na verdade, você é o motivo para eu fazer quase tudo. Por eu ser alguém melhor… Eu sempre li isso de ser alguém melhor, e nunca acreditei, até te conhecer, e pedir com todas as minhas forças para Deus não te afastar de mim, e eu tentar ser melhor. Cada dia, a cada segundo… Se eu realmente estiver morta, bom, saiba que eu te amo, assim, não importa como. Mas que apenas amo. Se eu morri, me faz uns favores que ajudarão na sua vida, e que me deixara melhor. Sabe o sorriso que eu amo tanto em você? Exiba ele mais, ok. Ele me dá arrepios, por ser uma das coisas mais sinceras que já vi na vida. E eu amo tanto ele, e ele marcou minha alma, e tudo agora começa com um sorriso. E o seu, metalico, com os labios rosas, levemente curvadinho nos cantos, avivam algo de especial em mim. Sabe esse seu coração congelado? Se eu realmente morri, de a minha vida à ele. Thiago, se entregue. Sei que para você é dificil, que doí e dá medo. Mas por mim, tente ser só mais um pouquinho. Assim, fale como se sente. Fale como quer as coisas. Nao aja com indiferença. Me machucou tanto. Que mesmo antes do meu corpo estar morto, minha alma já estava, mas era de amores por ti… Agora sei que te machuco ao dizer isso, mas com a mesma facilidade que você me trazia alegrias, e sorrisos, você me trazia lágrimas. É ruim, mas nem tanto. A cada lágrima que derramei por ti, me mostravam algo a mais que dor. Me mostravam a certeza do amor. Até por que, eu nunca chorei por outro rapaz, como eu chorei por você. Thiago, se eu realmente estou mortinha-da-Silva, me faz mais um favor? Abraça a minha mãe por mim? Da mesma forma que você me abraçava a cada vez que estava mal, como se juntasse os meus cacos e me remontasse sem medo de se cortar. Mas não abraça só ela não, abraça todos que puder, principalmente a minha melhor amiga, a Bell. Ela tem sido tão forte, eu sei que sim. E sorria, ok? Chore no meu enterro, chore por algumas semanas, mas não chore para sempre. Se lembra que você vivia me dizendo que eu era problematica, então. Você consegue achar alguem melhor que eu, eu aposto. Se lembra que eu vivia dizendo que você dançava melhor que todos? Continue. Nunca pare. Finja que estou do lado do Pai te vendo. E te aplaudindo. Eu posso até estar pedindo de mais, mas eu morri. Não pode reclamar com uma menina morta. Thiago, sabe aquele diario meu que esta com você, um dia por ano, falte a aula por mim, e quando não estudar mais, falte o serviço. Vá até um lugar que te lembre a mim, e desenhe nele. Todos os anos. Só mais uma coisinha, se eu morri mesmo, eu já devo estar do outro “lado”. Vou descobrir os misterios da morte. Se eu virar um fantasma, prometo cuidar de ti, para sempre. Se eu for para o céu, pode ter certeza que olharei por ti toda vez que for fazer algo. E se eu for para um sono eterno, saiba que sonharei contigo.
—  Alice Kobayashi.
Se Deus olha tudo, Você irá conseguir entender minhas letras tortas. Ontem meu novo tratamento se deu inicio, estou muito feliz. Saímos de casa as sete da manhã e retornamos apenas três da madrugada. Minha mãe achou melhor que eu fosse descansar. Queria ter pulado do carro e avançado no papel assim que cheguei, mas ela estava certa. Embora quisesse muito escrever como foi meu dia para o Senhor, não conseguiria. Não com esse corpo. Não mais nessa vida. As vezes penso coisas maldosas, coisas como “Por que só eu sinto essas dores?” Me perdoe. Ontem Christina de nove anos, colega de sala se matou. Recebemos a noticia como um furacão dá boas vindas a uma cidade. Veio devastando tudo por onde passava. Estava mortinha da silva enforcada com uma corda no pescoço. Se fosse a alguns meses atrás, diria que ela foi muito egoísta. Porém, quando você passa por alguma dificuldade, começa enxergar o mundo de outra forma. Egoísta são as pessoas que apontaram os dedos. Quem somos nós para querer falar algo de alguém? Christina se matou porque essas mesmas pessoas que compareceram em seu enterro com lágrimas e flores, no passado só soube atirar-lhe pedras. É como sempre digo: Embora tenhamos ossos e sangue como todos, ninguém conhece o limite do outro. Não creio que o mundo um dia irá mudar. Mesmo não tendo rodado por países, aprendi muito olhando essas pessoas sem sal nem açúcar aqui de minha cidade. Todos nós conhecemos o quanto as palavras possuem poderes, mas poucos se importam. É por isto que prefiro o silencio. Não que eu não saiba responder o que falam, apenas acho que certas palavras machucariam demais se ditas. Senhor, onde fui ontem havia dezenas de crianças iguais a mim. Por um momento, não tive vergonha de ser quem me tornei. Eles eram carecas como eu. Eram pálidos como eu, vomitavam sangue nos sapatos das pessoas como eu. Não posso dizer que o tratamento está funcionando, mas estou positivo de que algo bom irá acontecer futuramente. Minha mãe também. Amanhã, retornarei na clinica. Meus cabelos estão começando a crescer. Será que devo me considerar um vencedor? Tenho medo de criar expectativas e me machucar mais ainda.
ps: Depois de amanhã acontecerá uma festa fantasia. Meu médico disse que posso ir fantasiado de alguma coisa. Bem, nunca fui em uma festa assim antes. Todos esperam que eu vá como anjo. Acho que é assim que todas as crianças de lá vão. Eu não sou todo mundo. Minha mãe passará para comprar uma fantasia de Super Homem. Não que seja forte como ele. Pra falar a verdade, sou fraco como um graveto. Quero uma fantasia de Super Homem porque mesmo que não seja forte fisicamente, tenho uma esperança de ferro.
—  A vida de Freddie Landon, 08 anos.