mordem

Tocame, no me digas nada, no me preguntes como estoy.
Besame, baja por mi cuello, apretame fuerte contra vos.
Mordeme, respirame cerca, no me hagas pensar si me siento triste o no. No quiero eso.
Decime bebita, no me dejes mover. Tirame del pelo y pedime lo que quieras.

No me digas nada. No me hagas pensar.

Pact Meeting

Coughs and low conversation filled the space underneath the tent, spilling out into the sun scorched sands and stone of Camp Resolve. Battle weary Pact soldiers mingled with curious onlookers who had never once been to the Silverwastes, all brought together for the sake of yet another meeting.

“What was that?” One Vigil soldier asked, a Norn who had only recently arrived at the camp. While his armor shone bright in the bright sunlight which spilled into the shade, other soldiers who had seen seasons in the Wastes had armor that was tarnished, gouges and dents from encounters with the vicious Mordrem.

“Those are the cannons at the gates,” a few curious gazes turned to regard the Asura Peacemaker who stood leaning against one of the beams supporting the tent. Where her uniform didn’t cover, sunburnt brown skin was a blaring reminder of the harsh climate. “Give it a few weeks, you’ll get used to them.”

“If you’re still alive,” barked a loud voice from the front of the tent. All attention turned to Warmaster Hanjo, a Canthan male in his mid-forties who looked as weary as every other soldier left behind to defend the Pact camp and the man who had called the meeting. “With the Pact Fleet having departed, our forces here are greatly diminished, and we lose more every day fighting to keep our outposts safe from the Mordrem. Add to that the appearance of the Vinewrath in the west and I believe that without reinforcements we won’t be able to hold our outposts past the Season’s end.”

“Then shouldn’t Kryta send more Seraph?” A brown furred Charr said from a small cluster of Whisper agents gathered near the back of the crowd. Multiple murmurs of agreement echoed from the bodies gathered, only stemmed by the bark of a Seraph Sergeant.

“You suggest we send more troops here and leave our homes, our families, our children to the mercy of the Centaurs?” The tension in the air grew as the Sergeant, a man with leathery skin from too many tours in the field, stared down the Charr who loomed only a few bodies from him. “In case you’ve forgotten, Kryta is at war with the Centaurs and we don’t have the luxury of turning our homes into cannon laden fortresses.”

“Perhaps that’s why you Humans are huddled behind the walls of your beloved Divinity’s Reach while our Warbands march proudly throughout Ascalon!”

“That’s enough, both of you.” Both men looked at the woman who spoke up: a tiny, pale Human leaning against another of the large metal poles holding the tent canopy up. “We aren’t here to fight each other; we’re here to figure out how to keep ourselves alive until the fleet sends the Mordrem back to the Mists or wherever they came from.”

Both of the men involved looked as though they wanted to lash out at her, but their eyes settled on the hulking figure behind the small Human. Even with the close quarters of the tent, it was easy to tell that the pair was attending the meeting together, and neither one of them wanted to mess with the Charr who stood glaring at them with one exposed eye.

“That is my point exactly Magister,” Warmaster Hanjo drew the attention back to him, his sharp eyes having picked up the small insignia on the Human’s leather vest indicating her rank. “During the most recent attacks we sustained thirty-seven casualties, fifty-nine critical injuries, and over two hundred soldiers with minor injuries. That means that nearly three hundred troops are unable to fight for at least three days, reducing our current defenses by almost ten percent.”

“Is it not possible to speak with the leaders of the nations?” Though quiet, the voice was loud enough to draw attention. Based on his armor and weapons, the lime colored Sylvari was a Warden. “Did they not after all, agree to support this war? Surely they understand the threat that the Mordrem still pose?”

“If it were that simple, I wouldn’t have called everyone together. With Marshal Trahearne out of communication with the fleet, it is difficult to garner the attention of the world leaders. Several of our Commanders have approached their respective leaders, only to have their requests left in limbo because the Marshal himself had not filed the request.”

“So what you’re saying,” another of the Seraph near the Sergeant spoke up, his voice shaking and his eyes wide. “Is that we’re just supposed to fight back the Mordrem until the last of us is killed?”

“No,” Hanjo adjusted one of the large pauldrons sitting on his shoulder. “I’m saying that we can only rely on ourselves at this point. I will be putting in a formal request to the heads of the Orders, asking them to send any available personnel to the Wastes, along with any Pact Teams not on priority assignments.”

“I wonder if our problems are considered priority?” Alexandria asked of Ruo quietly, glad that the moment of attention given to her had passed.

“Perhaps,” Ruo grunted, her eye darting around the gathered masses, carefully searching for any potential threats. “However, I will not allow Renshu and any with him to roam freely.”

“I get it,” running her gloved fingers through her silvery hair, Alexandria chuckled. “Worst case scenario, we file an official statement about what happened two years ago finally. The Pact won’t be able to ignore the fact that there are those who would attempt to sabotage airships, and I’m pretty sure that would be a priority.”

“Clever mouse, clever.” A brief chuckle broke her low voice.

“Thanks, I try.” Crossing her arms back over her chest, she resumed leaning against the pole and to the rest of the meeting. The only thing she had to worry about for the day was not falling asleep, and escorting Magister Monar back to Divinity’s Reach.

vení, tocame
rozá tus labios con los míos
hacé que mi respiración se acelere
jugá con mi pelo y con mi lengua
acariciame la espalda
agarrame de la mano
haceme un chupón en el cuello (o donde quieras)
mordeme las tetas
gemí en mi oído
apretame contra tu cuerpo para que sienta lo excitado que estás
llená de besos mis costillas

vení, dale
que quiero revolcarme con vos
y que nos perdamos un rato entre las sábanas

vení y tocame
calentame
hacé que me moje
que me retuerza entre tus brazos de placer

vení y hacé vibrar hasta el último rincón de mi ser en un éxtasis divino

Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos. Amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade. (amanda venâncio)

Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos. Amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade.

anonymous asked:

Oq mais gosta e menos gosta num bqt

mais gosto: quando enche a boca com vontade

menos gosto: quando mordem (pfvr nunca mordam, sério)

Cães amam seus amigos e mordem seus inimigos, bem diferente das pessoas, que são incapazes de sentir amor puro e têm sempre que misturar amor e ódio em suas relações
—  Sigmund Freud

O amor é como uma grande casa que tem que ser construída por você. Ele pode sofrer com as tempestades, entretanto continuara ali. Você não pode deixá-lo morrer quebrar ou vender por qualquer casa que já esteja pronta porque assim não descobrirá o valor de tê-la, assim é o amor. A casa suportara se estiver ali nas alegrias, tristezas, raiva, ciúmes e todos os seus sentimentos tudo o que envolva o coração. Construa esta casa, deixe-a transformar-se em uma mansão, pois esse é o verdadeiro amor o que escuta e compreende e vive dentro de cada pessoa que se deseja amar. Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amasso, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade.
Amor é tudo que eu consiga traduzir com o que sinto por ti.
Nesse dia tão especial eu não poderia deixar de dizer o quanto te amo, te admiro e te quero comigo. Parabéns amor, não só pelos seus 22 anos, mas, parabéns por ser essa mulher incrível, essa amiga maravilhosa, essa companheira de todo dia. Faltam palavras pra descrever a minha admiração por essa tua garra, por ser tão decidida no que quer, e principalmente, me faltam palavras para descrever a minha felicidade e agradecimento a Deus por Ele ter te colocado na minha vida, as vezes acho que não mereço, mas, quando paro para pensar em tudo que nós duas já passamos, tenho certeza que não sou eu que mereço, somos nós duas que merecemos!
Você vem sendo a pessoa dos meus sonhos, a mulher que tem todas as qualidades que eu admiro em alguém, você me faz a pessoa mais feliz do mundo e a cada dia que passa, faz mais. Obrigada amor, por tudo que você sempre faz por nós, e parabéns, que esse aniversário seja maravilhoso, mas, que ele melhore a cada ano que passa.

E que esses anos que ainda vem, sejam muitos, sejam lindos, sejam leves e sejam acima de tudo, felizes para nós duas.

Ainda temos muita coisa para realizarmos juntas, esses quatro anos, são só o começo de toda uma vida!

Te amo muuuuuito, feliz aniversário princesinha!

Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brigam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do muno consegue duvidar.
Amor não é só beijos e amassos, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade.

Há aqui qualquer coisa de morte
Há aqui  qualquer coisa de fim

Há objectos que gritam para dentro nós
Há formas que nos mordem
Há unhas que nos arranham o cérebro
Há o calor de ecrãs que nos derrete

Há aqui qualquer coisa de morte
Há aqui qualquer coisa de fim

Há trapos que nos queimam
Há gestos que nos dobram
Há palavras que nos fogem
Há ruas que nos enterram

Há aqui qualquer coisa de morte
Há aqui qualquer coisa de fim

Não há ninguém…

Afonso C.

Uns enforcados a menos

Sempre tenho o desprazer de conhecer as piores pessoas. É como um karma espiritual, mas eu, meu bem, não lhes ensinarei nada!
Não são as pessoas da sarjeta, não são os marginalizados, desses não tenho medo e realmente teria prazer em conhecê-los.
São os que não tem nenhum respeito para com a individualidade e privacidade de outrem que me enojam. Àqueles que não tem bom senso,
educação e principalmente consciência dos seus atos que classifico como os piores. A escória que eu vomito se encosta na tua energia porque eles não tem luz para existir. O fracasso é inevitável!
E eles te carregam para o breu, te deixam com as bainhas enlameadas do ambiente que vivem. Ai de quem correr, eles mordem!
Digo mais!
Que morram!
Que se afoguem!
Não me mato por ninguém. Eis o que aprendi: Joga-te na frente da TUA bala!
Agora que sinto o peito aberto com ingratidão e desrespeito imponho à mim uma simples lição:
Não dê banquete para quem merece migalhas!

Antes de mais nada, acho justo começar dizendo que eu não sou de me distribuir por aí. Ou me perder em noitadas por diversas bocas, rostos e nomes. Essa versatilidade de sujeitos nunca fez minha cabeça. Para ser sincero, acho que sempre busquei um coração que me desse a oportunidade de plantar minhas sementes, cultivar, fazer crescer, regar, podar, e todas essas etapas que a gente cumpre quando planta feijão no algodão. Beleza, dinheiro ou status nunca foram as minhas prioridades ou sequer estiveram dentre os meus focos. Rostos feios têm beijos alucinantes. Bocas carnudas mordem línguas e trincam dentes. Não quero conversar com cifrões. Na verdade, prefiro as cifras. As nossas músicas e gostos em comum. Hoje, estar sozinho não é necessidade, mas sim opção. É que eu prefiro ir ao cinema sozinho, do que ter do meu lado alguém que nem sequer ri das piadas do filme. Ou se assusta numa cena de suspense. Se emociona num romance água com açúcar. Eu, do alto das minhas maiores decepções, busco alguém que me faça querer saltar dum penhasco por esse amor. Alguém que faça meu coração descompassar. Que faça ele disparar. Acelerar. Ou apresse o passo. Passe fora. Dê no pé. Rale peito. Porque, se for para ser assim, prefiro que nem seja. Não gasto lágrimas, tão pouco roupas. Fico em casa, ligo a TV e sonho. Ou leio livros. Ilusão por ilusão, prefiro as da ficção. Chega de amores platônicos, por favor. Eu mereço alguém de verdade.
—  Matheus Rocha.
Grafito para Ipólita

                1

“A tarde consumada. Ipólita desponta.

Ipólita, a putain do fim da infância,
Nascera em Juiz de Fora, a família em Ferrara.

Seus passos feminantes fundam o timbre.
Marcha, parece, ao som do gramofone.

A cabeleira-púbis, perturbante.
Os dedos prolongados em estiletes.

Os lábios escandindo a merselhesa
Do sexo. Os dentes mordem a matéria.

O olho meduseu sacode o espaço.
O corpo transmitindo e recebendo

O desejo o chacal a praga o solferino.
Pudesse eu decifrar sua íntima praça!

Expulsa o sol e dó, a professora, o ícone,
Só de vê-la passar, meu sangue inobre

Desata as rédeas ao cavalo interno.

                2

Quando tarde a revejo, rio usado,
Já a morte lhe prepara a ferramenta.

Deixa o teatro, a matéria fecal.
Pudesse eu libertar seu corpo (Minha cruzada!)

Quem sabe, agora redescobre o viso
Da sua primeira estrela, esquartejada.

                3

Por ela meus sentidos progrediram.
Por ela fui voyeur antes do tempo.

                4

O dia emagreceu. Ipólita desponta.”

- Murilo Mendes

O Amor Bate na Aorta

Cantiga de amor sem eira
nem beira,
vira o mundo de cabeça
para baixo,
suspende a saia das mulheres,
tira os óculos dos homens,
o amor, seja como for,
é o amor.

Meu bem, não chores,
hoje tem filme de Carlito.

O amor bate na porta
o amor bate na aorta,
fui abrir e me constipei.
Cardíaco e melancólico,
o amor ronca na horta
entre pés de laranjeira
entre uvas meio verdes
e desejos já maduros.

Entre uvas meio verdes,
meu amor, não te atormentes.
Certos ácidos adoçam
a boca murcha dos velhos
e quando os dentes não mordem
e quando os braços não prendem
o amor faz uma cócega
o amor desenha uma curva
propõe uma geometria.

Amor é bicho instruído.

Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que corre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem,
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Daqui estou vendo o amor
irritado, desapontado,
mas também vejo outras coisas:
vejo beijos que se beijam
ouço mãos que se conversam
e que viajam sem mapa.
Vejo muitas outras coisas
que não ouso compreender…

- Carlos Drummond de Andrade