mistério

Talvez eu não devesse sentir isso, nem criar expectativas sem certezas mas aconteceu. Aqui estou vivendo minha vida não muito agitada, isso antes de você entrar nela. Por algum acaso conheci você ou simplesmente Deus quis que fosse assim. Lembro que não éramos nada mais que dois estranhos, ver você era como visitar um lugar desconhecido. De alguma forma você me chamava a atenção, o mistério que os seus olhos escondia parecia querer que eu descobrisse. Nos aproximamos e percebi que você era muito mais do que havia imaginado, aquela sensação de bem estar, aquele brilho nos olhos parecia me invadir. Poucos momentos que o fizera especial, que me fizeram querer ficar perto de você e permanecer ali.

__Beatriz Ribeiro

Você é quem é e, eu te amo por isso. Desde o dedinho do pé até o último fiozinho liso do teu cabelo. Você é essa loucura e calmaria. Desejo e perdição se encontram em seus olhos e se espalham por cada centímetro do seu corpo. Você é quem é e, eu te quero por inteiro. Com aquele defeito irritante, com aquela chatice aguda e a frieza de teus mal-dizeres. Você é quem é e, eu ainda te espero. Naquele fim de tarde chuvoso e naquelas manhãs frias sem sentido… Porque eu não saberia seguir em frente sem seus passos largos para me guiar. Você é esse emaranhado todo de certezas, todo cheio de segurança, com mistérios escondidos que, muitas vezes, eu ousei desvendar. Você é quem é e, isso me basta. Do amor ao caos, entrelaçados como nós.
—  Aqueles Olhos Castanhos. 
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. Ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. Ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
—  I Coríntios 13:1-7
Eu vejo você me observando com esse teu olhar de mistério e minha mente vai à loucura querendo saber o que se passa na tua cabeça quando me lê e desvenda os meus segredos, que pra você nem são segredos já que eu nunca consegui esconder nada de você. Me frustra e ao mesmo tempo me encanta o fato de você me ter tão inteiramente enquanto você se revela de gota em gota, é como se você gostasse de ver como eu me apaixono mais ainda cada vez que você me mostra um cantinho seu, e toda vez que eu acho que é impossível te amar mais, você consegue me provar o contrário e faz esse sentimento crescer. Eu não entendo como o simples roçar dos teus dedos com os meus consegue despertar borboletas no meu estômago e entendo menos ainda esse magnetismo que faz com que meu corpo queira sempre ficar colado ao teu. Logo eu, que sempre afirmei não precisar de ninguém além de mim mesma, agora me pego definindo a tua risada como o som que faz a vida ter algum sentido e enquanto nos perdemos por essas ruas estreitas eu percebo que eu nunca mais estarei perdida porque no teu abraço eu encontrei o meu lar. E quando a noite chega e eu posso sentir a tua respiração despreocupada ao meu lado, eu entendo que o caos que me habita já não tem domínio nenhum sobre mim porque você sempre será o meu ponto de paz.
—  Anna Maia.
- Você nunca pensou em procurar uma outra mulher, em vez de passar metade da sua vida procurando aquela que também vive se procurando? - perguntei.
Primeiro meu pai deu boas gargalhadas, mas depois disse:
- É verdade… está aí uma coisa misteriosa. Existem cerca de cinco bilhões de pessoas neste planeta. Mas a gente acaba se apaixonando por uma pessoa determinada e não quer trocá-la por nenhuma outra.
— 

O Dia do Curinga – Jostein Gaarder

Mistério corporal
Nós
Um laço acidental
Bocas, mãos e línguas
Se perdendo em nossa cópula
Você
Hora dentro
Hora fora de mim
No desespero por sentir
O ápice do encontro
Do meu ser no teu
Em forma de prazer
De prender
De perder
A sanidade corporal.
—  Simone Ribeiro.