meus4ever

Vazio reverberante

Indecorosos olhos negros estavam cravados o teto, sem saber da fatal solidão da vida, começara a notar recentemente os silêncios deixados como rastros pelas ruas, saletas de escritórios, balcões de bares, cozinhas, quartos.. Parecia não haver um só lugar onde uma espécie desse silêncio se alojara. O dono do olhos se revirou no tapete do quarto, se ajeitando, de modo a ser tocado pelos raios quentes do sol. Como era possível que todos saíssem pela rua sem escutar os ecos ensurdecedores dos silêncios, em cada voz, passo, objetivo? Claro, considerou ele, o silêncio é uma dimensão completamente inexplorada ainda, intrigante. A calma ou terror que vem dele, de uma mesma forma são estático, e como pode então representar tanto? O silencio o consumia cada vez mais, cada segundo que passava divagando sobre o mesmo, o silêncio o devorava ainda mais feroz. Toda sua indignação de nada servia para que escapasse de seu fim, afinal o silêncio começara a consumi-lo. Primeiro nas extremidades, onde tocava todo seu olhar, e então, seu julgamento alheio, depois nos lugares mais fundos, seu sentimentos por essas pessoas.. O silêncio estava acabando com ele. Mas não se engane, assim como todo temos segredos, o silêncio também tinha o dele. O tolo rapaz jogado no chão de seu quarto ainda não aceitava o que ele é. Ou talvez não percebia, seu conhecimento e aceitação eram a sua liberdade. Simples comandos mentais, um pouco de percepção e ele vibraria, indo contrário.. Assim como queriam seus olhos. O silêncio agora chegava no limiar se seu cerne, encontrava ali coisas advindas de uma sorte de lugares, ora externos, ora interno.. Tomou para si as lembranças pueris, outras mais confusas como a de um amor, o conforto, tomou depois fotos e imagens guardadas de família ou de histórias não contadas, mas vividas, outras se dignavam a existir apenas naquela mente e essas eram perigosas. Tomou para si quase tudo, porém, como era de costume não tocou no ser. A contemplação do mesmo era inigualável, indescritível e até infinita. Silêncio sempre se compadecia dos seres, mesmo exercendo um árduo trabalho ainda via com curiosidade a hipótese da libertação de alguém, coisa que raramente acontece nesses tempos.
O rapaz? Aquiescendo, decidiu que a humanidade ruísse. Fez-se, então, concluindo o trabalho do silêncio, estático.

Quero voar alto o bastante para que eu possa ver como as coisas são de verdade, quero me afastar para poder contemplar uma obra completa, quero ser o real e o irreal, quero vagar como vento à tocar histórias, quero mergulhar nos mistérios de um oceano alado mas também quero me manter firme o suficiente na terra para ver as estrelas.
—  Assim me cantou uma passarinha.

É muita hipocrisia, muito perfeitinho. Os contos e fada. É uma dor, uma controversa. Todo mundo te faz acreditar em finais felizes, iguais aos desenhos das Disney. Mas é tudo tão frio, tão singelo, sem sal. No real, é amargo, te deixam tão insensível, acostumados com a dor… E não é de longe parecido com as historinhas. As pessoas deviam parar de iludir as criancinhas, fazendo-as acreditar em um mundo rosa. Porque das duas umas, ou ela se torna mais uma criancinha fútil por aí, ou ela cai numa desilusão grande demais para suportar e mesmo assim ela aguenta, ficando mais amarga e idiota, pensando que pode mudar alguma coisa, pensando que pode ser forte o suficiente para amar e ir alimentando suas esperanças, seus sonhos, de que um dia ela irá fazer diferença nessa multidão. Mas o mundo não se divide entre pessoas fúteis e burras e as amargas e tolas, somente.

Quer saber mesmo?! Eu até tenho inveja dessas pessoas metidas que vivem com medo de suas unhas quebrarem, ou que a internet acabe. Porque sei que viver assim é fácil, fácil não se preocupar com mais ninguém ao seu redor, se eles estão morrendo, ou precisando de alguma coisa, qualquer coisa que seja, ou se tem mais um cãozinho sendo morto por algum FDP por ai. Porque viver em um mundo rosa purpurizado é quase tudo para vocês. Não importa se seu pai chegou em casa e brigou com a sua mãe, ou se ele está saindo com mais de dez mulheres por noite, desde que você tenha uma roupa nova. Certo, agora sim, exagero da minha parte… E sabe, eu não trocaria nada em mim para ser assim, por mais fácil e medíocre que seja. Eu prefiro ser aquela tola e otária que pensa o dia todo em como mudar alguma coisa… Ou até mesmo só sentindo []                                                                                                             (Inacabado)