meus mb

Mas do nada me bateu um desespero. Eu que sempre relevei todos os problemas com um sorriso torto no rosto, estava ali sentada no chão, chorando baixinho com as mão no rosto, implorando a Deus que minha vida tomasse um rumo diferente. Porque havia se passado meses e nada tinha mudado. E tudo que eu mais queria era poder sorrir pelo motivo certo de novo, sem que houvesse nenhum peso sobre as minhas costas. Queria que pelo menos um vez na vida as coisas passassem a dar certo. Queria poder abrir meus olhos e vê que todo aquele pesadelo tinha acabado.
—  Maya.
E apesar de tudo eu continuo aqui, te apoiando, dando um ombro amigo pra quando você precisar chorar, ouvindo todos os seus problemas e me virando em três pra fazer o que você quer. Pô cara, desde que eu te conheci milhares de gurias passaram pela sua vida e eu continuei aqui. Firme e forte. Depois de dois anos fazendo de tudo pra você me notar, pra me tornar alguém que você realmente quisesse ao seu lado mais do que qualquer outra pessoa, mudando o meu jeito complicado de ser porque você simplesmente não curte alguém tão complexa como eu, uma guria chega e de repente rouba tudo o que um dia eu desejei. Pô cara, eu sempre fiz de tudo por você, e no final das contas é ela quem vai dormir do outro lado da sua cama. É pra ela que você vai contar suas piadas escrotas e cozinhar aquele arroz com frango. Uma guria sem sal e sem atrativo nenhum. Porque, vamos combinar, ela só tem um corpo bonito e nada mais… Garanto que se você perguntar se o gato de Schrödinger está vivo ou morto, ela vai escolher uma das duas opções. E você vai sentir a minha falta. Mas daí talvez seja tarde demais pra você notar que quem realmente te amava, te entendia e te perdoava sempre, era eu.
—  Pô cara, você aqui de novo?