meus mb

Eu estou cansada das pessoas me criticarem. Eu cansei de manter essa aparência de “menina forte”, com falsos sorrisos no rosto. Eu sou um poço de dúvidas, ilusões e indecisões. Será que eu não posso acreditar em príncipes encantados e finais felizes? Eu sei que ambos não existem, mas eu gosto de imaginar que tudo vai dar certo. Eu simplesmente cansei de tantas decepções, e ao contrário do que muitos pensam, eu não sou indestrutível. (à espera do príncipe encantado )

Eu sou desastrada, não sei dançar, sou tímida, minha risada é estranha, não consigo falar em público, tenho medos, sou indecisa, implicante, perfeccionista, as vezes fria e grossa, outras educada e simpática. Tenho muitos defeitos, mas se você realmente gosta de mim, vai me aceitar do jeito que eu sou. E se não me aceitar, tenho certeza que irei achar pessoas que aceitam o meu jeito de ser e que merecem o meu amor, a minha companhia e o meu respeito. (à espera do príncipe encantado)

  Eu imagino a minha vida daqui a alguns anos. Tenho muitos sonhos, mas o principal deles é me casar com você, pois desde o dia que eu o conheci, as palavras “eu” e “você” não soam tão bem. Quero colocar em nosso dicionário a palavra “nós”, pois somos um só. Provavelmente moraríamos em uma casa com um lindo jardim, onde nossos filhos brincariam. Teríamos um casal, primeiro um menino e depois uma menina, para que ele cuidasse dela com todo carinho e proteção. Acordaríamos com um “bom dia” e ficaríamos felizes só pelo fato do outro estar lá. Tomaríamos café da manhã, e sairíamos para trabalhar e deixar nossos filhos na escola. Pensaríamos o dia inteiro um no outro, não vendo a hora de chegar em casa. Eu lhe mandaria várias mensagens no dia, e você me chamaria para almoçar e me daria flores. Faríamos surpresas sem datas especiais. Eu chegaria primeiro em casa e prepararia o jantar. As crianças fariam desenhos para penduramos na geladeira. Você chegaria em casa e me daria um abraço e um beijo na testa e diria que estava morrendo de saudades e depois iria brincas com os nossos filhos. Jantaríamos e conversaríamos sobre o nosso dia. As crianças tomariam banho e iriam dormir. Finalmente eu e você teríamos um tempo só para nós. Assistiríamos filmes comendo pipoca em baixo das cobertas e eu adormeceria em seus braços. Você me levaria no colo escadas acima para a cama. Deitaria ao meu lado e ficaria me observando até você pegar no sono. De vez em quando perderíamos o sono e iríamos até a varanda apreciar a lua e as estrelas. Nos fins de semana você me acordaria e faria o meu café da manhã. Brincaríamos com as crianças e depois você tocaria o seu lindo violão. Em um dia ensolarado você me levaria para fazer um piquenique. Iríamos ao cinema e depois jantar. Pegaríamos as crianças na casa dos avós e voltaríamos para o nosso lar doce lar. Brigaríamos de vez em quando, mas no meio da discussão nos beijaríamos e diríamos um “Eu te amo!” bem caloroso. Teríamos problemas, pois nem tudo é perfeito, mas enfrentaríamos tudo juntos, um apoiando o outro. Com o passar dos anos, chegaria o dia em que nossos filhos decidiriam formar uma família. O tempo passaria, mas o nosso amor continuaria intacto. Ficaríamos juntos para sempre. Até o nosso último suspiro, e quem sabe, além dele. Para toda a eternidade. 

(à espera do príncipe encantado)

Eu estou esperando um menino que me faça rir, que seja bobo, educado, que me faça surpresas, que não ligue se tiver que pagar um mico só pra tirar um sorriso do meu rosto, que me chame de linda ao invés de gostosa, que diga que eu sou a sua princesa, que me mande um sms de madrugada dizendo que não vive sem mim, que me beije no rosto e na testa. Que me apresente para os seus amigos e família, assista um filme abraçado comigo em baixo das cobertas, que me respeite, que quando eu disser que estou com frio me dê o seu casaco e depois me peça para esquentá-lo, que fique ao meu lado pro resto da vida. Que me acorde com um beijo de bom-dia e um sorriso no rosto. Que seja só meu. Que olhe comigo as estrelas e escolha uma para pôr o meu nome e me leve a lugares lindos. Que faça dos pequenos e simples momentos os mais inesquecíveis. Que a qualquer momento me peça para conceder-lhe uma dança e me surpreenda com flores. Que me diga coisas bonitas. Eu quero um menino que faça as minhas mãos soarem, o meu coração bater mais forte, que crie borboletas no meu estômago e que me faça ficar com um sorriso bobo no rosto todas as vezes que eu o ver. Que pense em mim independente das horas iguais. E que acima de tudo me ame e não ligue para os meus defeitos.(à espera do príncipe encantado)

Amigos. São eles que nos apoiam em todos os momentos. Sendo eles bons ou ruins. Apesar de todas as brigas e discussões. Eles são a sua segunda família, a que você escolheu. Eles são uns otários, te colocam nas maiores enrrascadas e confusões possíveis e impossíveis. São sinônimos de carinho. São eles que te dão o ombro pra chorar. Nos momentos de maior dificuldade, é com eles que você pode contar. É com eles que você passa os melhores momentos de sua vida, aqueles que ficarão cravados na sua memória e no seu coração para sempre. Se alguém algum dia te fizer chorar, pode ter certeza que eles vão estar ao seu lado com um lenço para enxugar as suas lágrimas e ao mesmo tempo te xingando e perguntando como é que você pode se apaixonar por aquele babaca imbecíl. Amigos são pra essas coisas. Eles vão te amar na alegria ou na tristeza, na saúde ou na doença, por todos os dias de sua vida, na verdade, além dela. Porque uma amizade verdadeira fica pra sempre. Por toda a eternidade. (à espera do príncipe encantado)

Sabe, eu tento o máximo possível não chorar na frente dos outros. Às vezes, eu até consigo permanecer com aquela aparência de menina forte. Mas eu não sou tão forte e corajosa quanto pareço. Na verdade, eu sou frágil, ingênua, fraca. Eu prefiro guardar as minhas mágoas e lágrimas dentro de mim, do que sair por aí chorando no ombro de todos. Porque eu sei como as pessoas são. Elas dizem que querem te ajudar, que é pra você desabafar, mas quando você coloca tudo pra fora, ela te criticam e dizem que estão pouco se fudendo para o que você está sentindo. É por isso que eu prefiro não chorar na frente dos outros. Claro que existem aquelas pessoas com quem você pode contar, mas estas, estão em falta no mercado. Apenas conte quais são as sua frustrações, os seus medos e inseguranças, para aquela pessoa em quem você confia, que sabe que nunca iria te decepcionar. (à espera do príncipe encantado)

 Já passara da meia noite e ela ainda estava acordada, deitada em sua varanda à observar as estrelas. Elas a faziam se lembrar do brilho dos olhos de seu amado - Malditas estrelas!- dizia já em prantos. Ela não queria e nem podia recordar-se dele, pois tudo havia acabado. As horas se passaram e quando ela olhou no relógio eram 03:03 da manhã, o que nas horas iguais significa que casarás em breve. Bobagem! Mas ela gostava de imaginar que tudo daria certo. Uma brisa passou por ela, bateu delicadamente em seu rosto e balançou o seu cabelo, o que a fez sentir calafrios. Nesse momento, tudo o que ela desejava era abraçá-lo, este era o único lugar em que um dia ela se sentira protegida. E agora? Bom, agora ela estava totalmente insegura, desprotegida e com o coração partido. Ela precisava se livrar de tudo que lhe atingira, queria colocar para fora o que sentia, mas simplesmente não conseguia desabafar. O único modo era passar para o papel todas as suas frustrações. Como uma faca, a caneta cravava no papel tudo o que ela sentia e um dia quis dizer. Mesmo com o sol nascendo, ela continuou escrevendo, e conforme o fazia ela se sentia mais leve. Não importava se sua mão doía ou se ela estava totalmente tomada pelas lágrimas, pois ela havia se livrado de tudo o que lhe magoava e finalmente poderia colocar um verdadeiro sorriso no rosto para que pudesse seguir em frente. Naquela noite iluminada pelo brilho das estrelas, ela enfim entendeu que ele não merecia o seu sofrimento. De vez em quando é bom chorar para que com as lágrimas vá tudo o que nos aflige.  (à espera do príncipe encantado)

Ela sentiu um ardor em seu corpo dos pés à cabeça. Era uma lâmina cortando a sua pele. Era viciante. Ela queria mais, mas sabia que era errado. Mas quem se importava? Era como uma droga. Naquele exato momento, junto com o sangue, iam embora todas as frustrações e problemas que ela enfrentava em seu dia a dia. Por alguns minutos ela se esquecia de tudo. Os seus problemas não tinham uma solução definitiva para acabar. Esse era o único modo de ela se livrar um pouco deles. Doía, mas ela não ligava. Podia parecer masoquismo no ponto de vista de outras pessoas, mas para ela não. Aquele era o único momento em que ela fazia os seus problemas desaparecerem. Ela queria que alguém a ajudasse mas não contava o que estava acontecendo para ninguém. Apenas esperava a pessoa que chegaria nela e saberia o que estava acontecendo apenas com uma simples troca de olhares. Mas essa pessoa nunca chegara. Então, ela decidiu guardar tudo para si mesma. Ela guardava tanta coisa dentro de si, que já não sabia mas nem distinguir o que estava sentindo. Ela era uma confusão ambulante. Mas apesar de tudo, ela escondeu as cicatrizes, colocou um sorriso no rosto e seguiu em frente. Como se nada tivesse acontecido.

(à espera do príncipe encantado)