mesinhas

Sabe por que o amor é lindo? Porque você não vê ele chegando. Ele não alarma, nem liga os holofotes num outdoor. Não chama atenção nenhuma. Você pode estar ali, sentando em uma mesinha de um café qualquer e, assim que se levanta, ele chegou. E você sorri tão leve sem explicação nenhuma. Pois é… ele chegou.
—  A culpa é mesmo das estrelas? 
Posso te pedir uma coisa? Deixa eu ser a primeira pessoa a ver teu sorriso quando acorda? Deixa eu passar os domingos te cuidando, mimando. Até mesmo assistindo aqueles filmes de super herói.. juro não me importar com eles se você estiver comigo, embaixo do cobertor. Deixa eu te acordar com beijos no canto da boca, e te ver dormir com aquele carinho na nuca que você tanto gosta. Deixa eu te surpreender com bilhetes na mesinha do lado da cama e escritos de batom no espelho do banheiro? Até tolero suas mãos geladas em minhas costas quando estiver com frio. Eu prometo te abraçar com carinho até você esquentar. Deixa eu aconchegar o rosto no seu pescoço só pra decorar teu cheiro? Deixa eu acordar com essa vontade de encarar o mundo, todos os dias, por saber que você está ali, comigo? Deixa eu agradecer a Deus por ter encontrado a pessoa mais abençoada que Ele colocou na minha vida? Deixa a felicidade que é ter você aqui se perpetuar por mais 10, 50 anos? Te garanto não ser de mais ninguém. Ser sua mulher, sua pequena, até o fim dos meus dias. Deixa?
—  Morena
Volta para pegar os teus pertences. Os teus livros ainda estão misturados aos meus, a tua blusa amarela continua na segunda gaveta da minha cômoda, o cd da tua banda favorita ainda está na mesinha de centro. Vem. Vem e leva tudo o que ainda te pertence, inclusive, o amor e eu.
—  Imperceptível.
Eu acredito que tudo que acontece na nossa vida tem um motivo maior por trás. Desde o dedinho que eu bato na mesinha da sala, ao cara que quebrou meu coração. Aparentemente são situações totalmente diferentes, mas se olharmos de perto, nem tanto. Quando você se apaixona, você tem aquela sensação de pés fora do chão, parece que tudo é mágico e eterno, tudo parece…certo, não é? É como se estivesse passando aquele seriado que você adora na TV e você corre com tudo pela sala para se jogar no sofá, quando de repente, algo te impede de chegar lá, e adivinha o que é? Aquela maldita mesinha, aquela mesma mesinha que sempre esteve ali.  Daí você pula de um lado pro outro, alguns xingam internamente nomes que talvez nem existam, outros gritam para que qualquer pessoa escute, mas, ainda tem aqueles que não perdem a compostura, engolem o choro e fingem que nada aconteceu. Essa mesinha é aquele cara que quebrou meu coração. Ele causou dor, mas nem sempre foi assim. Antes, ele encantou minha sala, minha vida, trouxe momentos incríveis, presenciou minhas idas, minhas voltas, meus risos, minhas lágrimas, minhas perdas e meus ganhos, fez meu coração sorrir por diversas vezes. Assim como aquela mesinha. ele sempre esteve aqui, presente. Mas talvez, minha vontade tenha sido maior que o passo, talvez eu tenha perdido a noção de espaço e do tempo. Eu que nunca fui boa com exatas, errei no jogo do sinal. Menos com mais é menos, e eu sempre fui mais, mais ele, mais ele do que eu, mais ele do que todos. mais ele do que nós dois juntos. Aprendi que dói, dói muito, parece ser insuportável, mas passa. Sempre passa. Talvez não seja necessário jogar a mesinha fora, as vezes o melhor é trocá-la de lugar. Mas sabe a maior lição de todas? Ser mais nem sempre é o melhor, o melhor é o “pouco a pouco”, pode demorar, mas a gente chega lá, na sala, no sofá, em qualquer lugar.
—  Laryssa Oliveira in Desencontrou.

One Shot Harry Styles

  • Pedido - Oii vc poderia fazer um com o Harry que eles são casados e ele é um empresário muitoo rico, so que ela não é feliz no casamento pq ele a trata com frieza e como esposa troféu e dai ela pede um filho pra ele e ele nega, so que acaba que ela engravida ( de um menino) e quando o bebe nasce ele percebe tudo que ele fazia com ela e se torna um ótimo marido, desde de ja obrigada, amo seu tumblr ❤❤


Os dias de (seu nome) se resumiam em ficar em casa lendo algumas revistas e raras vezes ela saia para comprar alguma coisa, não gostava de gastar um dinheiro que ela não ajudava a ganhar para que isso não fosse passado em sua cara sempre que o marido tivesse a oportunidade.

A casa que mora com o marido é bem grande, mas para ocupar seu tempo ela o pediu para dispensar os empregados e deixar que ela faça todas as tarefas domésticas. A princípio foi negado, mas depois o homem deixou contanto que ninguém mais soubesse sobre isso, ele não queria que as pessoas pensassem que ele não pode pagar empregados e que sua mulher serve de uma.

Sentada no sofá com uma revista de moda sobre o colo, (seu nome) assistiu Harry, seu marido, entrar em casa e caminhar até o sofá deixando o paletó de lado antes de se jogar com a cabeça apoiada no encosto do sofá.

— Temos um jantar beneficente hoje, eu ainda não sei explicar porque marcam essas merdas no meio da semana. — (seu nome) nada disse sobre o assunto. Ela achava uma causa nobre, mas não sabia se o marido fazia por gosto ou obrigação — Se arrume da melhor maneira que puder, terá pessoas importantes nesse jantar e eu quero você bem apresentável ao meu lado.

— Darei o meu melhor. — (seu nome) disse baixo sentindo-se como um produto ou troféu que Harry faz questão de exibir em festas e jantares. É sempre assim.

— Ótimo! — Harry se livrou da gravata e abriu os botões da camisa social.

Encarando a revista (seu nome) tentava se decidir se fala ou não para o marido o que tanto pensou durante a semana, sua mente trabalhou em diversas formas de abordar o assunto, mas nenhuma delas parecia boa o suficiente para ser apresentada ao Styles. Ele não era muito família e (seu nome) sabe muito bem disso ao ver como é tratada.

— Você pode conversar agora? Eu realmente gostaria de falar sobre um assunto com você. — decidida a falar, ela fechou a revista colocando sobre a mesinha.

— Se não for ocupar muito do meu tempo, pode dizer. — (seu nome) mordeu o lábio por alguns segundos antes de começar.

— Eu estava pensando… Essa casa é bem grande só para nós dois e eu passo os dias sozinha e fica ainda maior só comigo aqui dentro e-

— Sem rodeios, direto ao assunto. — Harry finalmente olhou a mulher.

— Eu queria saber se podemos tentar ter um bebê, seria ótimo ter companhia. — (seu nome) sorriu.

— Primeiro, você pediu para dispensar os empregados, então se está sozinha a culpa não é minha. — o sorriso da mulher murchou — Segundo, eu não quero ter um filho agora. A casa está ótima assim, não preciso de gritos em minha cabeça quando eu estiver tentando dormir.

— Mas Harry, eu não posso esperar para sempre… Mulheres não são férteis a vida inteira. — (seu nome) tentou argumentar.

— Mas homens são e eu não quero ter filhos agora. Assunto encerrado. — Harry se levantou do sofá e sumiu escada a cima deixando (seu nome) na sala perdida em pensamentos.

“Ele disse que vai me deixar? Caso eu não possa mais ter filhos quando ele quiser, ele vai atrás de outra?“

A respiração de (seu nome) estava pesada, falar com Harry sempre a deixava assim por não ter como saber de que jeito ele reagirá e dessa vez foi do pior jeito. (Seu nome) se sentiu ainda mais usada, como se servisse apenas para ser levada de um lado para o outro em festas importantes onde Harry precisa estar bem acompanhado.

[…]

Já haviam se passado dois meses desde o jantar beneficente e (seu nome) não estava se sentindo bem há alguns dias, ela pensou em ir ao médico, mas achou que era apenas um mal estar e por isso desistiu da ideia, bem, pelo menos até o dia quase desmaiou no mercado.

Desviando o caminho depois de sair do mercado, (seu nome) pediu um táxi indo até o hospital para saber o que havia de errado, fez os exames pedidos pelo médico e esperou pelo resultado pacientemente na sala de espera até que seu nome fosse chamado.

— A senhora me disse que é casada, não é?! — o dr. Ackles perguntou enquanto olhava mais uma vez o exame de sangue.

— Eu disse sim…

— Bem, então acho que essa é uma ótima notícia… — ele disse sorrindo e entregou os exames a mulher — A senhora está grávida de dois meses.

Após a notícia, (seu nome) agiu no automático, desde agradecer ao médico quando ele lhe deu os parabéns, até chamar um táxi e voltar para casa. Ela não acreditava que estava grávida, isso aconteceu provavelmente na noite depois do jantar quando ela e Harry fizeram sexo quando estavam de volta em casa, ela sempre se esquecia de tomar o anticoncepcional alguns dias, mas não se preocupava com isso porque Harry sempre usava camisinha. Na última vez ele não usou e com certeza a culparia por ter engravidado.

O melhor a fazer seria adiar a reação de Harry, decidida, (seu nome) esconderia essa gravidez o máximo que pudesse, ela usaria roupas mais folgadas e passaria a deitar na beirada da cama para que Harry não a abraçasse durante a noite.

— Harry… Você pode, por favor, contratar novamente a empregada? Eu não estou conseguindo mais dar conta de tudo. — (seu nome) pediu enquanto estavam cada um sentado em um sofá. Já haviam se passado dois meses desde que (seu nome) recebeu a notícia e estava tendo sucesso em esconder de Harry, ele mal prestava atenção nela mesmo, ele deve achar que ela está acima do peso. Assim ela pensa.

— Por que você mesma não faz isso? Foi você que mandou eu dispensá-la, se sabia que não daria conta do serviço pensasse bem antes de vir ocupar meu tempo com besteiras.

— Tudo bem… Me desculpe. — a voz de (seu nome) quase não saiu enquanto ela se esforçava para manter as lágrimas em seus olhos.

— Eu só quero entender por que caralhos você não quer transar comigo. — Harry estava com seu tom de voz um pouco mais alterado que o normal de frente a mulher sentada na cama de cabeça baixa — Você é a merda da minha mulher e eu estou sem sexo há quase dois meses. Como você quer que eu não traia você quando minha secretária faz de um tudo para que eu foda com ela enquanto você fica aqui dentro dessas roupas horríveis me negando algo que eu preciso?

(Seu nome) estava chorando silenciosamente para não deixar o marido mais irritado, ela não podia mais fazer sexo com ele em seus cinco meses de gravidez porque ele perceberia as mudanças em seu corpo, ela não queria que ele soubesse mesmo ela que esteja ficando sem escapatória.

— Você está ficando com sua secretária? — (seu nome) perguntou com a voz completamente quebrada enquanto levantava seu rosto para encarar o marido sendo embaçado pelas lágrimas em seus olhos.

— Não! Eu ainda não a fodi sobre a minha mesa por mais que eu queira. — Harry disse esbanjando sinceridade — Eu estou casado com você e não vou te trair.

Soluçando de tanto chorar, (seu nome) passou os braços sobre a barriga de forma que abraçasse seu bebê, havia pego essa mania desde que começou a se sentir ainda mais sozinha para se lembrar que seu bebê estava ali com ela sempre. Após a declaração do marido, ela não sabia se ficava alegre ou triste. Alegre por saber que ele não irá traí-la ou triste por ele admitir que deseja foder a secretária sobre a mesa de seu escritório.

— Agora eu que pergunto… Você por um acaso está me traindo? Se você estiver saib-

— Eu estou grávida! — (seu nome) usou toda a força para dizer o mais alto que podia.

— Você está o quê? — Harry perguntou incrédulo.

— Grávida… De cinco meses.

Sem acreditar que foi cego esse tempo todo, Harry se aproxima da mulher tirando os braços dela que estão em volta da barriga e levanta a blusa folgada que ela passou a usar há alguns meses e lá estava a barriga. Ele não podia entender como não notou isso antes, como pode ser tão cego em se deixar enganar por ela.

Sem dizer nada ele saiu do quarto deixando (seu nome) para trás chorando encolhida na cama.

“Por favor, não liga para o meu marido.“

Foi o que (seu nome) falou quando passou pela recepção sendo levada a sala de parto, agora ela já estava com o seu bebê em seus braços em um dos quartos do hospital, sorrindo enquanto admira o quão lindo e delicado é seu pequeno bebê. Nem as batidas na porta foram capazes de tirá-la do seu pequeno mundo, ela só percebeu que havia alguém no quarto ao ouvir a voz da enfermeira.

— Me desculpe, eu tive que comunicar o seu marido.

(Seu nome) virou o rosto para o lado vendo Harry parado na porta atrás da mulher que ainda a olhava e aos poucos o sorriso que estava em seu rosto foi sumindo ao que Harry começou a andar em sua direção. Em um ato instintivo, (seu nome) apertou o filho contra seu corpo - com cuidado para não machucá-lo - como se alguma ameaça estivesse por perto, como se Harry fosse arrancá-lo dela.

— Eu…

Harry começou a falar, mas desistiu sentindo seus olhos se encherem de lágrimas enquanto ele olhava nos olhos assustados da esposa, ela estava claramente com medo do que ele faria ou de como agiria e ele sabia disso. Ele sabia que ele era o único culpado, ela nem ao menos queria que ele fosse avisado sobre o nascimento do filho e não a culpa por isso, ele não foi capaz de dar o apoio necessário durante a gravidez dela, ele nem ao menos a deu segurança para contar seu estado antes dos cinco meses de gestação.

— Eu não vou fazer nada contra vocês… Não vou dizer nada que a machuque também… — ele disse enquanto sentia as lágrimas deixarem seus olhos e rolarem pelo seu rosto — Me desculpe por tudo… Por favor, me desculpe por não ser um bom marido. — ele ainda continuou a manter distância.

(Seu nome) não disse nada, ela ainda estava com medo de tudo voltar a ser o que era antes, medo de que esse pedido de desculpas fosse a esperança de hoje e a frustração de amanhã. Ela não queria acreditar que seriam uma família para que com o passar do tempo volte a ser somente ela e seu filho novamente. Deixando todo o medo e receio de lado, ela folgou o aperto do filho para que Harry pudesse vê-lo, mesmo depois de tudo ele ainda era o pai. Levantando a mão no ar, ela fez o sinal para que ele se aproximasse.

— Ele tem a sua boca… — ela comentou baixinho enquanto Harry se colocava de pé ao lado da cama olhando o bebê com sorriso no rosto coberto por lágrimas.

— Ele é tão lindo… Tão pequeno também. — Harry passou o polegar sobre a mãozinha minúscula comparada a sua — Eu estou tão feliz em tê-lo, agora eu posso sentir o quão bom é ter um filho… O sentimento é tão bom.

(Seu nome) se sentia da mesma forma, desde quando soube que o esperava, desde o primeiro chute, o primeiro movimento. Ela esteve experimentando esse sentimento há meses.

— Eu serei um marido melhor e um pai melhor, eu prometo. Só me dê a chance… Você ainda vai ficar? — Harry olhou nos olhos da mulher mostrando toda a sinceridade em seus olhos e palavras.

— Eu ainda estou aqui, não estou?! Eu teria ido embora antes de não fosse te dar outra chance.

(Seu nome) sorriu fraco, ela ainda estava cansada do parto que teve, mas ela estava aliviada como se uma carga muito pesada tivesse sido retirada de suas costas. Ela só espera que essa carga não volte com o tempo, mesmo que Harry esteja com os lábios dele sobre os dela nesse momento, ela não pode deixar de desejar que tudo tenha se acertado para sempre.



Espero que tenham gostado… ❤

- Tay

Imagine Harry Styles

  • Pedido:  oi , vc poderia fazer um imagine hot do harry em que a sn é mais nova tipo com 16 anos ,nada de romantismo ok , pegada forte, porem carinhosa , algo como daddy issues , obrigada

————–

Não sei se ficou como esperava… Mas espero do fundo do coração que goste!!

———-


Toco a campainha e em segundos Harry abre a porta. Me encara sorrindo e me dá um beijo de tirar o fôlego. Isso já é o bastante para minhas pernas ficarem bambas. 

- Que bom que você chegou! Estava com saudade! - ele diz abraçando minha cintura. 

- Eu também estava! - deixei um beijo estalado no seu pescoço. 

Eu namoro o Harry há um ano, desde que completei 16 anos. E agora estou prestes a completar meus 17 anos. No inicio, nosso namoro não foi muito bem aceito, porque ele é mais velho que eu. Não é uma diferença exorbitante, mas é uma diferença considerável quando se tem 16 anos e começa a namorar um cara de 22 anos. Mas depois de um tempo, eles aceitaram. 

Harry sempre foi muito carinhoso comigo, gentil, educado, romântico. Um verdadeiro gentleman. Fico me perguntando se ele será assim também na cama. Não, nós nunca transamos. Ele sempre respeitou meu tempo, mesmo eu sempre dormindo aqui na sua casa. Como é o caso de hoje. Passarei o fim de semana aqui com ele. 

- O que você quer comer?! - pergunta me olhando.

- Ah, amor, qualquer coisa. - dei de ombro, encaixando minha cabeça na curvatura do seu pescoço e espirando seu cheiro. 

- Pizza?! - sugere e eu sorrio. 

- Quatro queijos! - ele ri e liga para a pizzaria e faz o pedido. 

Enquanto nossa janta não chega, ficamos no sofá vendo TV e curtindo a presença um do outro, jogando conversa fora e dando muita risada. Passado uma meia hora, a campainha toca anunciando que nossa pizza chegou. Ele vai pegá-la e eu vou pegar os pratos, talheres e copos na cozinha. Colocamos tudo na mesinha da sala e comemos juntos. 

O filme já estava quase no fim quando eu começo a sentir beijos serem depositados no meu pescoço exposto. Meu corpo inteiro se arrepia e eu prendo a respiração. 

- Amor… Acho que tem coisas melhores pra gente fazer. - sua voz sai sugestiva e abafada. 

Eu respiro fundo. Eu confio nele e creio que já esteja na hora de me entregar de fato para ele. Eu sei que ele tem as necessidades dele e eu tenho que supri-las ou ele irá procurar outra. E Deus me livre dessa possibilidade. 

O encaro e sem o responder, grudo nossos lábios num beijo profundo e com desejo. Ele me puxa para o seu colo e me sento com uma perna de cada lado de seu corpo. Rebolo lentamente e sinto seu membro duro, o que me faz jogar a cabeça para trás e soltar um gemido baixo. 

Ele começa a beijar meu pescoço e, quanto sinto um chupão ser plantado ali, agarro seus cabelos com força. Algo na minha intimidade pinicava, e minha roupa já me incomodava. 

As grandes mãos do meu namorado invadiu minha blusa e ele apertou minha cintura com força. Puxo seus cabelos, fazendo ele me encarar e beijo seus lábios com brutalidade. Ele arrancou minha blusa e eu fiz o mesmo com a sua. Encarei seu peitoral definido e mordi o lábios, vendo ele sorrir sacana. 

Ele arrancou seu sutiã de renda e jogou em algum canto da casa. Encarou meus seios como alguém faminto encara um prato de comida e os abocanhou em seguida. Ele massageava um com sua mão e o outro era trabalhado por sua boca. Eu gemia baixinho e chamava pelo seu nome. Ele inverteu os lados e continuou trabalhando nos meus seios. Um calor absurdo tomou meu corpo, meus gemidos se intensificaram e, quando ele mordeu o bico do meu seio, eu cheguei ao meu primeiro orgasmo devastador. 

Respirei fundo, me recuperando e normalizando minha respiração. Ele me pegou no colo e nos levou até seu quarto. Me colocou na cama e tirou minha calça. Beijos foram depositados por todo meu corpo. Ele tirou minha calcinha e me encarou. Eu estava totalmente nua, entregue a ele. Ele se ajoelhou na cama e abriu minha pernas e senti sua respiração bater na minha intimidade. No segundo seguinte, soltei um gemido alto quando sua língua quente entrou em contato com minha intimidade. Ele me chupava como se eu fosse a fruta mais deliciosa desse mundo. 

Foi o bastante pra mim quando ele começou a estimular meu clitóris com seu dedo. Puxei seus cabelos e atingi meu segundo orgasmo. Ele me encarou lambendo os lábios e me beijou. Era possível sentir o meu gosto ali. Inverti as posições e desci os beijos para seu pescoço. Descobri, quando recebi um aperto na bunda, que ali é seu ponto sensível. Eu iria me aproveitar disso! 

Raspei minhas unhas por todo seu peitoral, e ele respirou fundo. Desci minha mão até chegar em seu membro. Tirei sua calça e apertei seu membro ainda por cima da cueca. Ele prendeu a respiração em resposta. Sorri com o feito e me livrei dela, o deixando nu. Seu membro estava completamente duro. O segurei com minhas duas mãos e comecei movimento de sobe e desce, sem perder o contato visual com ele. Acelerei os movimentos e ele rosnou. 

- Isso! - sua voz saiu fraca. - Isso, continua. - gemeu alto.

Ele fechou os olhos com força e agarrou o lençol. Era completamente exitante vê-lo dessa forma, e eu já podia sentir minha intimidade molhada de novo e pinicando. 

Os movimento eram ainda mais rápidos e ele respirava descompassadamente. Passei minha língua pela sua glande ele foi o que bastou para que ele gozasse, soltando um grunhido sexy. 

Ele me encarou com seus olhos pegando fogo. Me deitou na cama e colocou uma camisinha. Meu corpo todo pinicava e era como se eu estivesse pegando fogo. Ele segurou minhas mãos acima da minha cabeça e senti seu membro fazer pressão na minha entrada. Prendi a respiração já sabendo que iria doer. 

- Se doer muito eu paro. Mas quero que você me diga. - assenti ainda com os olhos fechados. Ele deu um beijo carinhoso na minha testa e senti ele me invadir aos poucos. 

Ele gemeu baixo no meu ouvido e eu me arrepiei. Ele não se moveu, apenas esperou que eu me acostumasse. Ele começou a se mover depois de alguns minutos, mas não antes de ter a certeza de que eu estava bem e me sentia confortável. 

- Tão quente. Tão apertada. - disse com os dentes cerrados indo cada vez mais rápido. 

Eu cravo minhas unhas nas suas costas e ele urra de prazer. Ele continua com o movimento de vai e vem, ganhando mais ritmo gradativamente. Ele envolve minhas pernas em torno da sua cintura, apertando minha coxa e indo mais fundo. 

- Oh Harry. - gemo alto. - Eu, eu… - tento dizer, mas não consigo.

- Goze para mim, goze meu amor. - ele diz e imediatamente meu corpo atende. 

Sinto minhas intimidade contrair e apertar a dele. Uma onda de prazer toma conta do meu corpo e eu fico envolta numa nuvem onde não escuto e nem vejo nada. Ele dá mais uma estocada forte e atingimos nosso ápice juntos, chamando um o nome do outro.

Ele cai ao meu lado, completamente suado e com a respiração descompassada, assim como eu. Nos encaramos sorrindo e realizados.

- Você é incrível! - ele diz e eu sorrio. - Eu não podia querer uma namorada melhor!

- Digo o mesmo! - ele sorri. Ele beija minha testa e me deixo vencer pelo cansaço e pego no sono. 


[…]

Te conheço. Você é confusão atrás de um sorriso bonito. É tristeza disfarçada de alegria. Veste essa armadura de “estou bem”, mesmo quando tudo pode estar ruindo. Sei que há caos, bagunça.
Mas deixa eu te falar, guardei aqui no peito um jeitinho todo meu de organização. Posso deixar as coisas no lugar, do nosso modo, como gostamos. Adequando o meu gosto ao seu. Vou deixar o teu peito com o cheiro do meu perfume, e você pode guardar alguns moletons no meu. E em ambos terá uma cama gostosa, cheia de travesseiros e os doces preferidos na mesinha de cabeceira.
Aí está escuro? Porque guardei aquelas luzinhas, parecidas com as de Natal, e eu adoraria enfeitar nossa casa com elas. Pra você lembrar que mesmo nos piores momentos, sempre haverá uma luz, uma chance, um recomeço.
Medos, dúvidas? Claro que vai existir, em mim também. E nós iremos conversar sério, olhar nos olhos, resolver.. e no final dar risada, ou sorrir. Assim do nada, porque é o que somos: leves, capazes de sermos melhores uma pra outra.
Quero ser sua.
Sua base.
Sua força.
Sua luz.
—  Morena
Harry Styles. (Parte 1)

N/A: Oi, como vocês estão? Espero que bem como sempre. Esse imagine é de um blog americano que eu amo e sou fan a algum tempo, a autora desse blog é uma pessoa maravilhosa. Eu conversei com ela e ela deixou que eu traduzisse alguns de seus imagines e postasse aqui. O nome do tumblr dela é: Harrystylesinmyimagines, e eu recomendo quem consegue ler em inglês a dar uma passadinha lá. Espero que gostem!

Boa leitura!


A porta do quarto se abriu e os olhos de Harry estavam à procura de sua namorada. Quando olhou direito viu que ela se encontrava sentada na cama; as costas apoiadas na cabeceira e as mãos inquietas sobre a tela do I-phone.

Ele fez uma expressão triste, ele agia como se estivesse cansado e um pouco irritado. Ele sabia que sua garota se preocupava e o mimava sempre quando ele ficava assim. Ele acabou de entrar no quarto e foi em direção a cômoda que ficava na frente da cama, tirou seu relógio e carteira, S/N  logo olhou para cima o encarando.

“Ah. Oi, amor.” Ela disse sorrindo para ele.

“Oi.” Ele diz sem graça, na esperança de ter sua atenção, mas quando ele a encarou ele percebeu que ela já tinha voltado sua atenção para o telefone outra vez.

Ele a encara indignado, saindo para o banheiro com um beicinho, sem entender o desinteresse de S/N. Ele entra, tira a camisa e a calça jeans e tudo que pode fazer e tentar tomar um banho relaxante.

Quando termina o banho ele apenas coloca uma cueca, e permanece sem camisa para tentar chamar a atenção dela de alguma forma. Ela ainda está do mesmo jeito, e aproveitando isso Harry desliza na cama, descansando sua cabeça em sua barriga depois de deixar um beijinho ali. Suas grandes mãos se enrolam ao redor de seu quadril em um círculo, e com um suspiro, ele espera que ela corresponda o carinho.

S/N desvia o olhar de seu celular, e sorri para ele que está descansando sobre ela. “Amor.” Ela chama, enquanto com a mão livre faz carinho em seus cabelos agora curtos.

“Hm-mm” Harry geme, se aconchegando mais em sua barriga e deixando outro beijo ali, antes de levantar seu rosto e encara-la com olhos sonolentos.

Olhando para o celular, ela pergunta: “Foi um dia difícil?”

“Eu estou exausto.” Ele diz com voz rouca, e lançou um sorriso sútil. Mas ela não estava olhando para ele, apenas fazia carinho em seus cabelos, ele já estava ficando irritado.

Apertando sua cintura ele diz: “Amor, use as duas mãos, por favor.” Gesticulando para ela usar ambas as mãos para o acariciar como ela sempre faz.

“Um minuto, querido.” Ela deixa de o acariciar e volta a digitar em seu telefone novamente.

“O que está fazendo?” Harry pergunta se inclinando para olhar para a tela, mas S/N simplesmente puxa o telefone o escondendo, o que deixa Harry ainda mais curioso.

“Só um minuto, amor.” Ela diz, sorrindo.

Harry rola os olhos, e deita novamente. Agora com o rosto pressionado contra os seios da garota. Leves suspiros tristes escapavam de sua boca.

Não demorou mais que um minuto para S/N terminar sua conversa, em seguida, ela colocou seu telefone ao seu lado na cama e olhou para Harry que estava abraçado ao seu peito.

“Onde estávamos, amor?” Ela pergunta, suas mão em seu cabelo fazendo um carinho gostoso ali, Harry geme olhando para ela.

“Com quem estava falando?” Ele pergunta.

“Só um amigo.” Ela levou as mãos até as bochechas dele, tentou traze-lo para um beijo, mas ele agarra seus pulsos e os coloca a cima de sua cabeça enquanto olha em seus olhos.

“Me diz.” Ele diz em um tom afetado. “Quem foi que te deixou tão ocupada a ponto de você não me dar atenção?”

S/N ri. “Meu amor.” Ela soltou seus pulsos, e ele se inclinou para um beijo rápido.

“Jenn estava fazendo uma sessão de fotos, e ela foi a uma cafeteria com um dos novos modelos contratados e insistiu que eu fosse junto, então eu fui. Ele é um doce de pessoa e muito bonito. Tivemos uma boa conversa. Ontem ele começou a me seguir no Instagram e eu o segui de volta, ele me enviou mensagem e nos começamos a conversar. Ele é um cavalheiro.” S/N disse tudo suavemente.

“Ok.” Harry fechou sua expressão. “Sobre o que vocês conversam?” Ele perguntou sério para a namorada.

“Apenas sobre fotos, e sobre Jenn.” Ela diz a ele.

“Ele fica de conversinha com você e Jenn?”  Ele pergunta bufando.

Ele pega o telefone da namorada e o desbloqueia, afim de abrir seu Instagram.

“Não, ele…”

“Como ele é?” Harry pergunta a interrompendo e olha em sua direção.

S/N sorri e procura seu olhar, pega seu telefone de suas mão e mostra uma foto para ele. “Ele é uma ótima pessoa.”

Harry a olho irritado antes de pegar o telefone e olhar a foto do rapaz, ele zomba de suas fotos algumas vezes.

“Ele é legal, Harry.” Ele a encara e coloca o celular na mesinha que fica ao lado da cama; ele rola para o seu lado e se deita virado para parede.

S/N ri, o divertimento brilha em seus olhos enquanto ela admira as costas nuas de Harry.

“Amor, me deixe abraça-lo.”

“Estou muito cansado.” Ele disse rude, sem ao menos olha-la.

S/N abafa uma risadinha e inclina o rosto, e sussurra suavemente sobre o lóbulo de sua orelha “Eu acho que posso te ajudar a relaxar.”

Harry vira para ela, e envolve seus braços em torno de sua cintura; ela solta um gritinho e sua mão desce até seus quadris, logo ela sente o golpear de um tapa forte em sua bunda.

Ela geme, e morde o ombro dele. Ele sorri com os olhos fechados, e esfrega a mão onde ele bateu. Ela ri, e lentamente toma os lábios de Harry em um beijo e morde o lábio inferior dele lentamente no final.

Ela volta para seu lugar na cama e Harry mergulha seu rosto em seu pescoço deixando um beijo ali. Sua perna girando em torno de seu quadril, apertando-a.

“Durma agora.” Harry diz a ela, sorrindo. “Ou eu não vou te deixar dormir.”


P.S: Esse imagine tem uma parte dois, se vocês quiserem mandem ask. A parte dois é um pouco hot e fofa também, eu particularmente amo. Favoritem pra eu saber se gostaram! 

Imagine com Harry Styles.

Pedido: Oi Lary, queria fazer um pedido pra maratona!! Queria um one shot do Harry que a (S/N) ta mt bêbada e tem uma ressaca horrível (a pior de todas) ai o Hazza cuida dela 😍


— Harry, por favor. — s\n resmungou com a voz arrastada. 

— Vamos pra casa, s\n. — Suspirei ao repetir aquela frase mais uma vez.

— Mas eu quero dançar. — Fez beicinho.

— Você já dançou o suficiente. — s\n tentou dar um passo, mas acabou tropeçando nos próprios pés, o que a fez rir. Apoiei s\n em meu ombro, mas ela se soltou, caindo de bunda no chão, chamando a atenção de todos na festa. 

Me abaixei e peguei s\n no colo, coloquei-a em meu ombro e fingi não ouvir seus protestos. Sentei ela no carro e a ajudei a colocar o cinto de segurança.
s\n passou boa parte do caminho com os braços cruzados e emburrada, mas depois de alguns minutos em silêncio, colocou uma das mãos na minha coxa.

— Podíamos transar agora. — Ela disse com a voz baixa, um pouco rouca. 

— Você tá completamente bêbada. — Falei antes de suspirar, ela passara a mão em meu membro, por cima da calça jeans.

— Eu sei que você quer. — Disse soltando o cinto.

— s\n, estou dirigindo. — Falei quando ela tentou abrir minha calça.

— E daí? Está tarde, não tem trânsito.

— Estamos quase em casa. — s\n bufou e voltou a cruzar os braços.

Estacionei o carro na frente da nossa casa, antes que eu dissesse algo, s\n desceu e entrou em casa.

Quando entrei vi as roupas de s\n espalhadas pela escada, subi e fui até nosso quarto, ela estava deitada na cama, completamente nua. Senti meu membro endurecer dentro da calça.

— Vem cá, amor. — Ela disse com a voz rouca, passando a mão pelo corpo.

— Você tá bêbada. — Disse tentando me manter firme, mas ela me deixava louco.

— Ainda quero você. — Se apoiou em seus cotovelos, deixando seus peitos completamente amostra pra mim.

— s\n… — Suspirei. 

Ela revirou os olhos e se levantou, caminhou até mim e colou nossos lábios, sua boca tinha um gosto leve de vodka. Coloquei as mãos em sua cintura e a puxei para mim, colando seu corpo no meu.

— Vem. — Ela disse baixo, me puxando pela gola da camisa até a cama. — Tira essa roupa logo. — Disse subindo na cama e ficando de joelhos na minha frente.

Fiquei apenas de cueca e subi na cama junto dela, s\n deitou e me puxou, colando nossas bocas. Ela empurrou minha cueca pra baixo com os pés.

— Preciso de você. — Ela sussurrou. Me estiquei e peguei uma camisinha no criado-mudo, depois de vesti-la, a penetrei devagar, gemi baixo.

Nosso ritmo era rápido, intenso. Logo, caí ao seu lado, completamente suado e satisfeito. s\n sorriu e se deitou em meu peito.

Acordei e procurei s\n na cama, não a encontrando. Sentei e vi a luz do banheiro acesa, caminhei até lá e vi s\n sentada na privada, com as mãos na cabeça.

— Bom dia. — Falei com a voz grossa de sono.

— Não grita. — s\n resmungou com voz de choro, sabia que ela teria ressaca. Me aproximei e a peguei no colo, levando-a pro quarto novamente, a deitei na cama e beijei sua testa. 

Vesti uma bermuda antes de descer até a cozinha e fazer um café forte, levei junto de duas aspirinas, s\n cochilava.

— Babe. — Chamei e ela fez uma careta, abriu um olho e fez beicinho. — Trouxe algo pra curar a sua ressaca. — Coloquei a mesinha em cima da cama.

— O que eu seria sem você? — Ela disse me dando um selinho.

— Eu sei, sou demais. — Beijei sua testa e saí do quarto, pra deixá-la descansar mais um pouco.


Não fiz muito hot porque não tinha isso no pedido ‘-’

Espero que tenham gostado :3

One Shot Louis Tomlinson

  • Pedido -  Faz um imagine cm o Louis q ele e a (s/n) são casados e ele trabalha na empresa dela, dai a Felicite irmã dele ta muito doente ele passa a faltar e ter problemas na empresa e ela é obrigada a demiti ele. so ele e a Lottie sabem e os remédios são caros e o Louis não tem dinheiro mas promete ajudar ela, ele ta brigado com a (s/n) e ela escuta a conversa no celular dele cm a irmã e decidi ajudar, ja fiz esse pedido a muito tempo em outro tumblr e nunca foi feito então espero q não tenha problema 😊

— Você mandou me chamar?

Louis perguntou ao abrir a porta e colocar metade do corpo dentro da sala após dar três batidas de leve. A imagem de sua chefe e esposa de pé em frente a grande janela de vidro estava diante de seus olhos, trajando impecavelmente um paletó preto e uma saia de mesma cor sem nenhum amassado, a mulher exalava profissionalismo.

— Entre e feche a porta.

(Seu nome) se virou para o marido e tirou seus óculos de leitura descansando-os sobre a madeira bem polida de sua mesa, ao lado de uma pilha de papéis. Assistindo-o atravessar a sala, ela fez um sinal para que ele se sentasse.

— Eu acho que você sabe o porque eu te chamei aqui… — (seu nome) começou enquanto puxava sua cadeira e sentava de frente para o marido atrás da mesa — O pessoal do RH me procurou para falar sobre o quanto você tem andado ausente e eu tive que fingir que não sabia sobre isso. Você sabe que no segundo que eu notasse que um dos funcionários não estava cumprindo com o seu dever, eu dispensaria na hora, sem precisar ser avisada.

— Eu sei que sim. — Louis respondeu mesmo sabendo que não era uma pergunta.

— Eu tenho feito vista grossa há alguns dias, tenho fingido não ouvir que você está deixando a desejar em seu trabalho e seu número grande de faltas esse mês. — (seu nome) passou a língua entre os lábios tentando adiar o máximo a conclusão da conversa — As pessoas começam a falar e isso não é nada bom.

— Você nunca se importou com o que as outras pessoas falavam. — Louis olhou bem no fundo dos olhos da esposa.

— E não me importo, mas estamos lidando com uma questão de justiça, direitos iguais. Não é justo você faltar quando quer sem dar uma justificativa, nem eu mesma sei os seus motivos.

— Você não me demitiria se soubesse, mas a questão toda é porque você quer saber o que eu faço quando não estou em casa e nem no trabalho. — Louis levou para o pessoal.

— Talvez eu não demitiria você, mas esse é um caso diferente, eu não sei o que está se passando com você e o pessoal do RH também não, então eu terei que demiti-lo por justa causa. — a mulher suspirou, essa era a última coisa que queria fazer.

— Tudo bem, posso sair e recolher minhas coisas? — ele perguntou sustentando o olhar da mulher.

— Você pode me dizer o que está acontecendo… Não estou dizendo isso como a mulher que paga seu salário, mas como a mulher que divide a vida com você. — (seu nome) queria que ele dividisse o que quer que estivesse acontecendo, de nada adiantaria deixá-la de fora da vida que ele aceitou compartilhar com ela quando disse sim em frente a um juiz.

— Eu não estou disposto a falar sobre esse assunto.

— Eu sou casada com você. — (seu nome) insistiu — Você pode confiar em mim.

— Eu não est-

— Pode se retirar da minha sala! — ela o interrompeu assim que notou que ele repetiria a mesma frase irritante. Então ele só se levantou e saiu.

[…]

Faziam dois dias que Louis havia sido demitido e duas noites que ele estava dormindo por conta própria no quarto de hóspedes no fim do corredor. No fim do dia que ocorreu a demissão, (seu nome) voltou para casa e algumas coisas dele já não estava no quarto que dividiam.

Louis sempre estava fora da cama bem cedo, mas ele não aparecia no trabalho durante todo o dia e só chegava em casa já a noite, então (seu nome) passou a questioná-lo recebendo respostas vagas todas as vezes, ela até tentou se esquivar, mas o pessoas do RH a procurou para falar a situação de seu marido na empresa, não deu outra, ela teve que demiti-lo. Agora eles moram na mesma casa e mal se vêem porque ele continua com a rotina de sair bem cedo e voltar a noite.

Essa noite em especial (seu nome) resolveu procurá-lo no quarto de hóspedes para jantar, eles não têm feito isso juntos nas duas noites passadas. Quando estava pronta para bater na porta entreaberta, ela escutou a voz de Louis soar em meio ao silêncio, a curiosidade falou mais alto e ela continuou de pé do lado de fora do quarto.

— Você estar melhor me deixa bem… Eu não tenho conseguido dormir muito bem a noite.

(Seu nome) olhou pela fresta a tempo de ver Louis passar a mão pelo cabelo suspirando cansado. Ele não estava falando ao telefone pelo que pôde ver.

— Eu sinto muito por causar tudo isso, não queria que nada disso acontecesse com você.

(Seu nome) reconheceu a voz como a de sua cunhada, Fizzy, mas não parecia que ela estava presente no quarto, sua voz estava sendo produzida através de algo. Olhando sobre a mesinha lá estava o computador fechado, e ao passar os olhos sobre a cama lá estava o celular de Louis ao seu lado, provavelmente no viva-voz.

— Você não tem culpa, não pense assim, por favor.

— Como não posso pensar assim?! Eu tenho preocupado você e a Lottie há semanas, eu fui a culpada pela sua demissão e por sua briga com ( seu nome). Sem contar o preço dos remédios que eu tenho que tomar.

— Nós não brigamos…

— Mas não estão se falando… Você deveria contar para ela, não perderia o emprego e teria um pouco de apoio.

— Ela é uma mulher muito ocupada, não quero preocupá-la.

— Eu estou tirando o seu sono, talvez se ela soubesse, vocês estariam, bem, juntos e isso te ajudaria a dormir.

— As coisas vão se acertar quando eu te ver fora desse hospital.

“Hospital?“

(Seu nome) arregalou os olhos ao ouvir a menção de que Felicite está em um hospital, ela não fazia ideia dessa situação e nem poderia fazer já que Louis a mantém no escuro.

— Eu vou ficar bem, eu estou tomando os remédios regularmente.

— Falando em remédios… Quantos ainda têm?

(Seu nome) notou que Louis parecia preocupado ao fazer a pergunta, como se ele tivesse medo da resposta. Ela o conhecia bem.

— Ainda têm alguns…

— Eu preciso ir atrás de outro emprego, então não poderei estar aí todos os dias… Me desculpe.

— Não precisa se desculpar, você já está fazendo muito por mim. Obrigada, irmãozinho.

— Você é minha família, eu amo você e queria poder fazer mais para te tirar dessa.

Louis estava a beira de derramar suas lágrimas, ele não queria que a irmã notasse que ele estava chorando e então segurou o máximo que pôde para se manter firme. Ele só queria trocar de lugar com ela.

— Você está fazendo o suficiente… Eu te amo muito.

Assim que a ligação foi encerrada, (seu nome) pôde assistir pela fresta da porta seu marido desmoronar em lágrimas e soluços altos, ela sentia seu coração apertar e os olhos se encherem de lágrimas, mas ela decidiu que se manteria forte para ampará-lo. Sem ao menos bater na porta, ela entrou em silêncio e atravessou o quarto se aproximando de Louis que logo começou a limpar as lágrimas em seu rosto assim que a viu.

— Você deveria bater na porta antes de…

Louis parou de falar quando sentiu os braços da mulher em seu torno, ele apenas a abraçou de volta não conseguindo segurar o choro que se intensificou. Era tudo que precisava, ele havia se mantido forte por várias semanas, mesmo que tudo que quisesse fazer fosse abraçar seus joelhos em um canto e chorar tudo que conseguisse.

— Você não está sozinho, sun… Nunca esteve e nunca vai estar. Eu estou aqui para você. — (seu nome) sussurrou no ouvido do marido para passar algum conforto.

Demorou alguns minutos até que Louis conseguisse parar de chorar e durante todos esses minutos os dois permaneceram sentados na cama abraçados como se fossem um só.

— Você quer me contar? — (seu nome) perguntou limpando as lágrimas no rosto do marido enquanto olhava em seus olhos — Eu não pude deixar de ouvir parte da conversa, me desculpe.

— Tudo bem… Me desculpe por não te contar antes, mas eu não queria preocupar você… Fizzy está com uma doença rara, eu não entendi muito bem o que é, mas pode ser controlada com remédios. — Louis fez uma pequena pausa suspirando — São remédios caros, eu tenho ido a Doncaster todos os dias para vê-la, mesmo que agora ela pareça bem melhor desde que entrou.

— Meu Deus, Lou… Você tem viajado todo dia durante quatro horas de ida e volta? Você deveria ter me contado… Oh Deus, eu demiti você. — (seu nome) apertou os olhos como se estivesse sentindo dor.

— Não é culpa sua… Eu vou procurar outro emprego, não se preocupe. — ele sorriu fraco para não deixá-la se sentir mal.

— Claro que não! Eu ainda não assinei a sua demissão, não o faria até que você me falasse o motivo de tudo. — ela segurou a mão do marido — Você pode continuar com seu emprego, eu te darei férias até se sentir bem para voltar.

— Isso será injusto… Todos têm problemas pessoais.

— Você se lembra que você não quis as suas férias quando era para tê-la? Você pode pegá-la agora que está precisando. — (seu nome) acariciou o rosto de Louis.

— Você está falando sério? — ela assentiu — Obrigado, você me salvou. — ele sorriu selando os lábios da mulher.

— Agora você precisa dormir… Podemos tentar.

Louis sorriu e se deitou na cama tendo (seu nome) abraçando seu corpo por trás enquanto deixava alguns beijos por seu ombro desnudo, eles nem ao menos se importaram de voltar ao quarto que dividem, o que mais importava no momento era a presença um do outro.



Espero que tenham gostado… ❤

- Tay

Pedido:Pd fzr um que ela é órfã e mora na rua e a gangue do Malik sequestra ela pra ela servir a ele e smp maltrata e já tentou várias vezes forçar ela a transar com ele(ela é virgem). Ela sofre bastante mesmo nas mãos dele. Aí eles vão se apaixonando aos poucos e depois de um tempo ele começa a sair e ela acha que ele tem outra mas na verdade ele tá preparando um pedido de casamento(ele espera ela até a lua de mel).


PART.1

***
Fazia exatos 2 anos em que me tornei órfã e desde então moro na rua. No começou admito que não foi fácil,o frio, arranjar mantimentos,roupas,me levar,mas sempre conseguia dar um jeitinho.
Apesar de ter apenas 19 anos já enfrentei bastante situações das quais nenhum jovens normais da minha idade passa.
Hoje estava uma noite relativamente calma e tranquila, não era uma das mais frias que já tinha encarado,porém o vento cortante era de matar. Arrumava o lugar que dormia quando ouvi um barulho e passos rápidos próximos a mim.

- Fica quietinha boneca,ou se não você irá se arrepender! - Uma voz assustadora falou atrás de mim no meu ouvido,eu tentei me soltar assim que ele me pegou e começou a me empurrar para dentro de um carro.

- Socorro! - Mal tive tempo de gritar e sua mão já tampava minha boca.

- Eu te avisei!

E tudo ficou preto. Não sei exatamente o que me aconteceu ou quanto tempo eu fiquei desacordada.

- Finalmente! - Ouvi passos se aproximando de mim. - Pensei que você estivesse morta.

Senti uma presença parada na beira do colchão em que estava deitada e logo me desesperei esperando o pior.

- Por favor,não faça nada comigo! - Senti minha voz vacilar e meus olhos encherem de água. - Eu lhe imploro.

- Blá,Blá,Blá. O mesmo teatrinho de sempre! - Sua voz sarcástica rompeu pelo o escuro. - Isso me deixa muito entediado, vocês podiam ser mais originais sabe?

- O quê você quer de mim? - Disse temendo a resposta.

- O quê eu quero de você? - Repetiu sibilando e ligou a luz me causando um incômodo nos meus olhos fazendo eu fecha-los momentaneamente. - Pelo que eu percebo,você não tem muito a quem recorrer e eu…- Parei de ouvir o que ele falava no momento em que minha vista foi se acostumando com a iluminação,de primeira só consegui ver sua silhueta,mas conforme sua imagem ficava mais nítida podia ver o quão bonito e atraente era o homem que falava comigo,sua barba e olhar de poucos amigos deixavam ele incrivelmente sexy não podia negar,seu topete e suas tatuagens eram de tirar o fôlego de qualquer uma,ele era o típico bad boy das novelas. - … Você está me ouvindo?

Acordei do meu pequeno transe ficando ligeiramente vermelha por ter sido pega.
Apenas balancei a cabeça murmurando um não.

- Como eu te disse… - Deu um leve suspiro irritado. - … Você não tem muito a perder e eu queria lhe fazer uma proposta que beneficiária ambos…

- Como assim? Que proposta? - Interrompi o moreno.

- Bom,talvez se você me deixasse terminar de falar, eu poderia te explicar tudo. - Falou irritado. - Como ia dizendo, a proposta é a seguinte: você me serve e em troca te ofereço um teto para morar, comida e roupas novas.

- Te servir como? - Perguntei desconfiando de sua proposta. - Ser sua empregada? Cozinhar,lavar e passar suas roup…

- Exato! - Exclamou. - E então topa?

- E se eu não aceitar…

- Provavelmente irei te matar. - Disse pacífico.

- Não é como se tivesse muitas opções né? - Respondi sarcástica ,mesmo morrendo de medo do que poderia me acontecer.

- Ótimo! Os horários de seus afazeres estão em cima daquela mesinha alí. - Apontou para o canto do quarto na onde se encontrava uma mesinha é uma cadeira. - Espero que nada saia errado,porque senão terei de puni-lá.

Falando isso saiu do quarto e me deixou imersa em meus próprios pensamentos.

- OK,isso é loucura demais para um único dia. - Pensei em voz alta.

Dei uma olhada para os horários e começaria as 7h tinha ainda umas cinco horas de sono.

***
O primeiro dia foi um fiasco total. Primeiro me atrasei,depois fiz o café do meu chefe errado e acabei chamando-o pelo nome e não por senhor,o que deixou ele furioso.

- O quê eu te disse sobre erros? - Zayn gritava me arrastando pelo pulso para algum lugar. - O quê eu disse?

- Que não os tolera. - Sussurrei sentindo as lágrimas escorrendo pelo meu rosto.

- Eu não entendi (S/N)! Fale mais alto.

- Que não os tolera! - Gritei sentindo meu pulso começar a arder. - Está me machucando.

- Esse é o propósito. - Zayn entrou em um quarto e me jogou no chão. - Agora você vai aprender a respeitar o seu senhor e ser uma boa garota.

***
Sentia todo meu corpo dolorido, soluços baixos arranhavam minha garganta e eu continuava jogada no chão encolhida.

- Você não me deu outra escolha. - Sua mão foi em direção de um fio de cabelo caído em minha cara e tirou ele de lá.

- Mon… Monstro… - Sussurrei tremulante. - Você é um monstro.

- Eu posso ser tão,mas tão pior. - Parou um pouco me fitando intensamente.- Que isso lhe sirva de aviso.

E se afastou bruscamente saindo do quarto e me deixando sozinha.

CONTINUA…

***

N/A: Dividi esse 1s em duas partes, pois ele estava imenso 😫

Desculpa a demora e qualquer erro.

Espero que vocês tenham gostado :)


Boa noite mores ❤


Mah xx

Pedido: Meu pedido é q ela seja muito inteligente e gosta de ciência  essas coisas de nerd e o Liam acha super bonitinho e sexy quando ela começa a falar essas coisas q ele não entende, e em um jantar cm a família dele chega a esse assunto e ele fica tipo “minha namorada é um gênio” e a família de boca aberta cm a inteligência dela - Anônimo

Obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Liam Payne:

-Hey amor, o que você está lendo?
Me deitei ao lado de minha namorada e ela deixou a atenção de seu livro para me encarar.

-É um livro sobre Sereias. Sabia que alguns cientistas criaram a teoria de que Sereias podem possuir algum tipo de aliança com baleias e golfinhos, o que é totalmente aceitável já que elas poderiam obter proteção desses animais maiores e mais fortes.
S/n me respondeu me fazendo sorrir ao que ela olhava para algum ponto distante enquanto pensava em suas palavras.

-O que também explicaria porque os golfinhos gostam tanto dos humanos.
Falou, mais para si mesma do que para mim, enquanto eu passava o polegar pelas costas de sua mão em um pequeno gesto de carinho.

- E você acha que sereias podem ser reais?
Perguntei vendo-a sair de seu transe e me olhar corando.

-Desculpe, eu fiz aquilo de novo não fiz?
Perguntou se encolhendo. Franzi o cenho.

-Fez o que?
Perguntei confuso.

-Você sabe…começar a falar coisas que você não entende e não conseguir parar.
Suspirou abaixando a cabeça.

-Sim, você fez isso.
Ri de leve e ela soltou um pequeno resmungo.

-Mas eu amo quando você faz isso, é tão fofinho ver você concentrada enquanto me conta uma de suas teorias ou algo que aprendeu em um livro.
Levantei seu queixo e deixei um selinho em seus lábios.

-Você não acha que isso talvez irrite? Às vezes eu acho que falo demais.
Comentou incerta.

-Claro que não! É a coisa mais adorável que já vi.
Mordi sua bochecha e a mesma riu.

Vi S/n fechar seu livro e o colocar com cuidado na mesinha de centro, a mesma se virou para mim novamente e sorriu me beijando.

-Estou ansiosa para visitar seus pais, a comida que sua mãe faz é a melhor.
S/n disse assim que separamos nossos lábios.

-E eu estou ansioso para jantar com minha namorada incrível e meus pais ao mesmo tempo.
Beijei-a novamente.

-Sabia que a primeira impressão das pessoas é a mais importante e na maioria das vezes a que permanece? E que quando você é gentil e educado automaticamente as pessoas te acham mais atraente? Acho que foi por isso que seus pais gostaram de mim.
S/n falou e eu me ageitei perto dela sorrindo ao ouvi-la falar.

-E eu? Qual foi o motivo de você ter gostado de mim?
Perguntei vendo-a pensar.

-Você estava usando vermelho quando te conheci, vermelho deixa as pessoas mais sexys e bonitas ao olhos dos outros.
Respondeu e eu ri.

-Então só aceitou sair comigo porque eu estava usando uma camiseta vermelha?
Perguntei ofendido.

-Claro que não, eu aceitei porque você estava tentando tanto que até fingiu estar lendo um livro sobre golfinhos só pra puxar assunto.
Sorriu sapeca e eu fiz cara de ofendido a atacando com beijos.

(…)

Já estávamos prontos e eu havia mandado uma mensagem para minha mãe avisando que estávamos saindo de casa.

Após entrar no carro, dirigi para a casa de meus pais ouvindo Cold Play enquanto minha namorada cantava as músicas.

Após chegarmos, cumprimentamos meus pais e nos juntamos na sala de jantar.

-Como estão meus bebês?
Minha mãe perguntou e eu mandei um olhar tipo “mãe, por favor” para ela que apenas sorriu.

-Estamos bem, Liam anda aprendendo a cozinhar.
S/n respondeu dando um tapinha em meu braço.

-Que bom filho, e você S/n, como anda seu trabalho?
Perguntou a S/n que bebeu um pouco de água antes de responder.

-Está indo bem, semana passada fomos para a Flórida resgatar pinguins que estavam sendo mantidos em cativeiro.
Respondeu e minha mãe a olhou impressionada.

-Mas eles já estão bem, levamos eles para o hospital de animais aqui em Londres para a reabilitação.
Sorriu e minha mãe suspirou aliviada.

-Vocês cuidam dos animais e os levam de volta para o habitat natural?
Meu pai perguntou.

-Sim, quando um animal é levado para o centro de reabilitação ele passa por todos os procedimentos para se recuperar e logo depois ele já é liberado para seu habitat. Só em alguns casos em que o animal não consegue se recuperar ou ele não está apto para voltar ao seu habitat que ele permanece no centro.
S/n respondeu. Era tão fofo e sexy ver ela desse jeitinho.

-Uau! É realmente muito impressionante esse trabalho que vocês fazem, nunca imaginei saber tanto sobre animais.
Meu pai falou animado e S/n sorriu.

-Ok, ok, agora deixem minha namorada ter um tempinho comigo, depois vocês conversam mais e discutem sobre biologia marinha.
Falei puxando S/n para o sofá para que riu junto aos meus pais e me acompanhou.

-Eu te amo sabia?
A olhei.

-Também te amo muito.
Sorriu.

***

Espero que tenha gostado.😘

Famous Couple - Harry Styles

Pedido: Harry e s/n fazem a propaganda de algum produto (vc escolhe) e todos ficam dizendo que eles são um casal!


OBS: Perdão, more, mas mudei um pouco seu pedido. Ao invés da propaganda, coloquei os personagens fazendo uma colaboração musical. Me desculpe se não estiver do seu agrado, e pode me falar o que achou.



(S/N) P.O.V


Gargalhei de mais uma das milhares piadas de Harry enquanto tomava um pouco de água da garrafinha que era oferecida no camarim.


Já éramos amigos há um tempo, devido a sempre nos encontrarmos em premiações, eventos beneficentes ou qualquer outro tipo de coisa que envolva vários famosos em um só lugar.


Estávamos agora, no camarim do local onde seria gravado o nosso dueto. Depois de várias cobranças da parte de nossos fãs, decidimos arriscar.


“Venha cá, vamos tirar uma foto.” Eu disse já pegando o celular que estava em cima da mesinha de centro, enquanto puxava Harry para mais perto de mim.


Enquadrei nossos rostos na tela do celular e ambos sorrimos para a foto.


“Esse é o casal mais bonito que já vi.” Harry disse brincando enquanto apontava o dedo para a foto.


Era fato que já havia alguns boatos de relacionamento amoroso entre mim e Harry. E era fato também que eu já tive uma quedinha por ele (e quem não teria).


Ri de sua brincadeira enquanto postava a foto no Instagram, com a legenda apenas com a frase “ The truth is everyone knows” que era um trecho de nossa música juntos.


“Acha que nossos fãs vão gostar da surpresa?” Perguntei colocando o celular de lado.


“Tenho que certeza que sim. Eles nos cobram esse dueto desde que descobriram que somos amigos.” Disse e eu apenas concordei.


O clipe e a música eram uma surpresa para nossos fãs. Tentamos fazer tudo no máximo de sigilo possível, porém, alguns encontros com Harry para escrevermos a música foram inevitáveis (o que gerou mais boatos de um ‘relacionamento’).


“Olha só, já somos Trending Topic antes mesmo de lançarmos a música.” Harry disse sorrindo enquanto me oferecia seu celular.


Olhei para a tela e percebi que nossos nomes eram os primeiros entre os assuntos mais falados e logo abaixo, havia a tag #HarryandS/nbestcouple que me fez franzir a testa enquanto devolvia o celular para Harry.


“Isso é hilariante.” Comentei rindo fraco. “Mais uma vez vamos ser um casal, tudo bem pra você?” Perguntei brincando enquanto lhe entregava o celular.


“Tudo ótimo para mim, senhorita (S/S), não é como se eu não quisesse uma chance.” Disse piscando.


Antes que eu pudesse responder, minha assessora apareceu na porta (o que me fez xingá-la mentalmente milhões de vezes).


“Desculpe atrapalhar o casalzinho que tanto apóio, mas precisamos ir (s/n).” Ela disse fazendo expressão de tristeza para nós.


“Tudo bem. Até mais Harry, amei trabalhar com você.” Falei enquanto lhe abraçava.


“Não haja como se isso fosse uma despedida, nos encontraremos em breve.”


Sai do camarim já preparada para os possíveis paparazzi que estariam que estariam do lado de fora do local.


1 semana depois


Coloquei minha xícara de chá na mesinha ao lado da cama enquanto ligava meu notebook.


Meu clipe com Harry havia sido lançado há poucas horas, mas como eu estava em um ensaio fotográfico, ainda não tinha tido a oportunidade de ver a reação dos fãs.


Abri meu Twitter observado as milhares de notificações e mais uma vez, meu nome com Harry no Trending Topic. Cliquei na tag e fui lendo alguns dos comentários.


@______: Já estou viciada na música, e também já estou apaixonada por esse casal. SE CASEM.

@______: @SeuTwitter @Harry_Styles, SUPER SHIPPO, me adotem, por favor.

@______: Eu não esperava por isso. Sem dúvidas foi uma surpresa incrível. Estou apaixonada por esses dois.


Esse foi alguns dos comentários que recebi até ser interrompida por uma mention de Harry no twitter.


@Harry_Styles: Sei que muitos aqui apoiam, mas não está fácil para mim. Alguém pode pedir para @SeuTwitter me dar uma chance?


Ri alto de se tweet mas apenas curti. Uma resposta para aquilo com certeza geraria mais boatos de um ‘possível casal’.


Abri outra aba em meu notebook e procurei por nossos nomes, encontrando rapidamente várias matérias em sites de fofocas e páginas de fãs com nosso ‘shipper’.


Abri no site da E! e comecei a ler uma rápida matéria que haviam feito sobre mim e Harry.


MATÉRIA:

Estamos a-pai-xo-na-dos por Harry Styles e (s/s). O motivo? Não é de hoje que rolam boatos por aí sobre eles estarem de 'rolinho’, não é mesmo? Porém, o coração dos fãs e shippers do casal bateu mais forte quando, no último sábado (28) a cantora postou uma foto em seu IG sorrindo abertamente ao lado do boy e 1 semana depois foi lançado o clipe dos dois juntinhos!
No vídeo, eles cantam sobre o quanto é bom estar apaixonado e trocam olhares o tempo to-do.
Seria o nosso mais novo casal? Nós esperamos que sim e já queremos o anúncio oficial!


Li a matéria achando graça da reação das pessoas. Certamente, esperávamos que eles ficassem surpresos, mas não que fossem ficar tão empolgados com o fato de aparecermos juntos.


Ouvi o barulho de mensagem de texto em meu celular e o peguei, logo lendo a mensagem, que era de Harry.


“Acho melhor você parar de olhar apaixonadamente para mim. Vai acabar me iludindo assim.
Harry.”


Gargalhei assim que li a mensagem, logo lhe respondendo.


“Acho melhor você dar logo o anúncio oficial. Já estão começando a achar que sou encalhada.”


“Vamos anunciar assim que sairmos amanhã.” Respondeu .


“Isso seria um encontro?” Perguntei


“Você quer que seja?”


Mordi os lábios, enquanto lia e relia a mensagem. De fato, não havia como não ter uma queda por Harry. Ele era lindo, educado, cavalheiro e outras milhões de qualidades que eu poderia ficar falando até me cansar.


“Venha me buscar às 08:00 PM” Respondi bloqueando o celular logo em seguida.


Acho que tenho um encontro com Harry Styles.



xXxGabi

Essa foi a terceira noite que fomos dormir brigados. Como sempre, por sua causa e o seu tesão por discussões insignificantes. Qual o seu problema? Eu já levantei bandeira branca há tempos. Esse seu dom de transformar gota em tempestade me surpreende. Lembro quando deixei um bilhete na mesinha de centro escrito “eu te amo”, e manchei ele com umas gotas do seu vinho favorito e você nem sequer notou. Você se transformou e me atacou com todas as palavras negativas possíveis. O meu gesto de amor e carinho passaram em branco, e tudo isso porque uma gota do seu vinho foi derramado. Saiba que eu estou cansado dessas discussões por coisas fúteis e desnecessárias. Eu sempre faço o possível pra trazer a paz e harmonia para nossa relação, e você sempre faz tanta questão de deixar tudo uma completa zona de guerra. Quero que o equilíbrio se estabeleça na nossa vida a dois. Quero que mesmo que nós sejamos tão diferentes um do outro, nós ainda possamos nos completar, e fazer com que nossa vida, nosso relacionamento, dê certo. Mas pra isso, eu preciso que você me queira também… E que faça o possível para que a gente consiga manter nossa relação num equilíbrio eterno. Sei que quando fazemos as pazes tudo se resolve, e é sempre tudo tão bom. Mas, confesso que tenho medo de que alguma dessas discussões fúteis, nós venhamos a acabar tudo por qualquer besteirinha. E eu falo com todo meu coração, que eu não quero perder você. Sinceramente, eu não sei se ainda te tenho, mas quero que saiba que eu sempre vou lutar para te manter do meu lado. É você quem eu escolhi para envelhecer comigo e eu estou com medo desse meu sonho ser quebrado… Lembra quando você disse que não me deixaria por nada nesse mundo? Então, não deixe que essas brigas nos separem, você sempre cumpriu com suas promessas e sei que vai cumprir essa. Estou com saudades do que éramos, e sei que podemos voltar com aquela nossa química que sempre tivemos. Vai, deixa de ser óleo e deságua em mim…
—  Meu peito ainda é teu e só você não vê. Por Kenedy Vinicios e Suelen Bastos.

Pedido: oiiii, vc pode fazer um imagine que ela sofre um acidente e fica em coma por mais ou menos 5 meses, ela perdi a memória mais depois volta…Ele cuida dela o tempo todo…Pode ser o Harry ou o Liam - @londonroseniall

Oi, obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Liam Payne:

Pov’s S/n

-Tchau amor!
Gritei do andar de baixo e vi Liam descer rapidamente ainda sem camisa e tentado afivelar seu cinto.

-Espera! Eu te levo até o trabalho.
Liam falou se aproximando.

-Não precisa amor, eu estou muito atrasada e você ainda nem se vestiu, eu vou indo senão eu perco o meu ônibus.
Falei deixando um selinho em seus lábios e ele sussurrou um “Eu te amo, vai com Deus.” que eu retribui.

Estava indo para o trabalho, hoje a cidade está uma loucura!
Coloquei uma música em meus fones de ouvido e continuei na correria do dia a dia, se eu não chegasse logo no trabalho correria o risco de ser demitida.
Liam sempre disse que não tinha necessidade de eu trabalhar, ele ganha dinheiro o suficiente para sustentar nós dois e ainda sobra mas, eu acho bom ter um emprego, afinal de contas, não quero que Liam ache que eu só estou com ele por dinheiro ou que ele trabalhe para me sustentar, gosto de ter minhas responsabilidades.

Parei na calçada esperando que o sinal ficasse verde para atravessar, mas assim que olhei mais à frente onde fica meu ponto, vi o ônibus que eu teria que pegar, eu precisava chegar logo ali porque o próximo só viria daqui meia hora, mesmo com o sinal fechado, vi que não haviam muitos carros passando e então tentei atravessar, o primeiro carro parou buzinando e eu dei um pequeno pedido de desculpas mesmo que ele não pudesse ouvir, mas assim que iria passar pelo próximo, ele veio em alta velocidade e eu logo senti um grande impacto contra meu corpo, minha visão ficou turva e eu sentia fortes dores em meu braço e minha perna esquerda.

-Hey, moça você está bem? Não feche os olhos você precisa ficar acordada!
Ouvi uma voz e logo o que era embaçado começou a ficar escuro.

Pov’s Liam

S/n tinha ido para o trabalho e eu estava terminando de me arrumar, hoje tenho que ir para o estúdio terminar de gravar as minhas músicas. Peguei as chaves de meu carro e liguei o mesmo indo rapidamente para o estúdio.
Chegando no mesmo, cumprimentei todos que estavam lá e fiquei um tempo conversando com um dos seguranças já que estavam arrumando o estúdio. Enquanto falava com Paul, ouvi passar na TV um noticiário sobre um acidente perto de minha casa, estranhei o acontecido e me virei na direção da TV para prestar atenção.

“Ao que parece, hoje mais cedo uma moça estava indo atravessar a rua mas o farol estava aberto e os carros estavam passando em alta velocidade, um desses carros a atingiu em cheio, o motorista desceu do carro e a ajudou junto a alguns pedestres que estavam passando. Tudo o que sabemos até o momento é que ela foi levada ao hospital e parece que foi bem grave. Os ambulantes encontraram seus documentos, seu nome é S/n S/s.”

A repórter falou, meu coração parou no mesmo momento e eu aposto que havia ficado pálido pois logo me veio uma tontura e eu tive que me apoiar em Paul.

-Calma Liam, eu vou ligar para o hospital para saber como ela está e se você pode ir, Ok?
Paul falou me colocando sentado.

-Me-me leva…até ela, eu preciso vê-la Paul, por favor me leve ao hospital.
Implorei já sentindo lágrimas em meus olhos. Paul assentiu com pesar e pediu para que algumas pessoas ficassem de olho em mim caso eu passasse mal.

Logo o mesmo voltou com uma feição não muito boa e eu senti meu coração apertar ainda mais.

-Nós podemos ir, mas ela ainda não pode receber visitas, só depois de alguns procedimentos e exames.
Falou e eu assenti freneticamente sentindo a tontura voltar.

-Vamos logo então, pode dirigir?
Perguntei ao mesmo que assentiu.

Nos encaminhamos para o estacionamento pegando meu carro - que Paul dirigiu já que eu não estava psicologicamente apto para isso - e assim que chegamos no hospital já haviam repórteres na entrada. Eram tantos que não conseguimos entrar mas por sorte um enfermeiro nos viu e deixou que entrássemos pela parte onde entravam apenas pessoas autorizadas.
Paul e eu fomos apressadamente para a recepção.

-Onde se encontra a paciente S/n S/s?
Perguntei desesperado para a recepcionista.

-Ela acabou de entrar na sala de raio x.
Respondeu calma.

-Quando eu irei poder vê-la?
Perguntei novamente.

-Desculpe, mas só os médicos podem saber isso.
Respondeu e eu bufei.

Nos sentamos na sala de espera e ficamos lá vendo a movimentação do hospital. Ler revistas e ver peixes nadarem em um aquário já não estava mais me entretendo, isso sem contar todas as trufas que estavam em cima de uma mesinha e eu já havia praticamente triturado com os dentes. E nenhum sinal de minha namorada. Não havia nenhum médico que sequer passava por ali para que eu pudesse perguntar sobre como ela estava.
Até Paul já estava ficando ansioso pois me deixou um tempo sozinho para sair do hospital e acender um cigarro.

Até que um médico saiu da porta do pronto socorro e parecia que ele era minha única esperança naquele momento.

-Você é o Liam?
Perguntou com um pequeno sorriso.

-Sim sou eu, alguma notícia sobre S/n?
Me levantei de meu lugar ficando de frente para ele.

-Acontece que o acidente foi grave, ela acabou quebrando o braço e a perna esquerda e pelo impacto ela acabou ficando com alguns hematomas no rosto quase aconteceu algo pior com sua cabeça.
Falou olhando nas fichas.

-Algo pior? Como ela está?
Perguntei preocupado vendo-o ficar tenso.

-Como eu disse, ela poderia ter sofrido um traumatismo craniano, mas por sorte, isso não aconteceu. Ela está respirando com a ajuda de alguns tubos e no momento está…em coma.
Falou e eu arregalei os olhos.

-Você só pode estar brincando comigo. Isso é mentira?
Perguntei e vi Paul se aproximar.

-Desculpe, mas não, não é mentira.
Respondeu sério e eu senti as lágrimas quentes molharem meu rosto. Paul me abraçou e eu senti como se os meus pulmões fossem parar de trabalhar me fazendo ficar sem ar.

(…)

Depois de cinco horas esperando naquele hospital, a enfermeira me informou de que eu poderia ver minha namorada. Eu estava levemente feliz, por poder vê-la e não por saber que ela está naquele estado. Mas é como o médico disse, poderia ter sido pior.
Assim que acompanhei a enfermeira e entrei na pequena sala, me assustei ao ver ela ali, respirando com a ajuda de aparelhos, seu rosto e suas mãos pálidas, a única coisa que tinha cor eram seus hematomas e suas veias que estavam roxas pelas agulhas. Me aproximei da mesma vendo seu peito subir e descer devagar.

-Meu amor…
Sussurrei me ajoelhando ao seu lado.
Sem conseguir falar algo eu apenas continuei ali, acariciando sua mão e seu rosto e deixando alguns beijos em sua bochecha e seu braço. Me doía tanto vê-la naquele estado.

(…)

Após o médico me disse tudo o que havia acontecido, eu descobri que não havia um tempo exato para saber quanto tempo ela ficaria em coma, ele disse que tem pessoas que ficam apenas alguns meses e logo acordam…mas outras demoram anos e em alguns casos eles tem que desligar os aparelhos pois não podem ficar tentando por muito tempo. Isso foi o que mais me desesperou, saber que posso perdê-la é horrível.

Era o segundo dia que ia visitar ela no hospital, levei uma rosa para tirar aquele ar de hospital do ambiente, S/n sempre odiou hospitais.

-Oi baby, eu estava pensando e…você foi provavelmente a melhor coisa que já aconteceu em minha vida, você me fez sorrir…me fez chorar, me fez me sentir amado e descobrir o que era amor. E eu não poderia ser mais grato por você. Eu te amo. E irei dizer isso todos os dias de minha vida, mesmo que você não esteja mais aqui e mesmo que não possa me ouvir.
Falei e deixei um beijo em sua testa.
O médico disse que ela pode me ouvir e pensar mesmo estando em coma, do mesmo jeito que não, talvez elas não esteja me ouvindo, mas o que eu quero mesmo é que ela saiba de qualquer forma que eu estarei aqui.

| Terceiro dia |

Novamente eu estava no hospital, ontem eu havia postado no instagram uma explicação sobre tudo o que aconteceu, até porque, todos estavam preocupados com o acidente e com o meu pequeno sumiço. Liguei para a família de S/n e eles já estão vindo para cá para ficar por perto, avisei minha família e ontem à noite eles vieram e ficaram aqui enquanto eu fui para casa tomar um banho pois passava o dia inteiro no hospital.

| Um mês depois o acidente |

Já havia se passado um mês, hoje quando eu estava conversando com S/n e peguei em sua mão, ela apertou a minha, o médico disse que isso é muito bom e significa que ela consegue sentir quando a toco. Eu fiquei imensamente feliz só de poder sentir seu aperto que mesmo fraco segurava minha mão. Foi a parte mais emocionante daquele dia.

| Dois meses depois o acidente |

Após dois meses internada, eu ainda mantinha minhas esperanças quanto a ela acordar, ontem mesmo eu li alguns textos sobre pessoas que sobreviveram e ficaram anos em coma, isso me deu muita motivação, por isso estou confiante quanto a melhora dela.

-Sabia que todos estão morrendo de saudades suas? Até aquele seu primo que você sempre briga perguntou como você está. Você deve estar querendo voltar a perturbá-lo né?
Dei uma pequena risada e vi que seu peito começou a subir e descer mais rápido. Chamei um dos médicos e ele a olhou mexendo em algo e logo me explicando que ela havia tido algum sentimento, algo como raiva, felicidade, tristeza e etc que a fez acelerar os batimentos cardíacos. Isso me deixou bem mais esperançoso, se eu falei algo engraçado ela deve ter ficado feliz, ou triste por lembrar que está naquele estado. Mas pelo menos isso foi uma melhora.

| Três meses depois o acidente |

S/n estava mudando, ela estava ficando mais magra e parecia que sua aparência estava mais acabada. Como eu queria poder me colocar no lugar dela e passar tudo aquilo por ela, o único problema é que, ela ficaria desesperada igual eu, e isso é uma das últimas coisas que eu queria que acontecesse.

-Meu álbum está quase terminado, você vai ser a primeira pessoa que eu vou deixar escutar. Prometo.
Falei vendo que uma lágrima escorreu de seu olho.

| Quatro meses depois o acidente |

-Down to Earth
(Pés no chão)
Keep ‘em falling when I know it hurts
(Continuo deixando que caiam mesmo sabendo que dói)
Going faster than a million miles an hour
(Mais rápido do que um milhão de quilômetros por hora)
Trying to catch my breath some way, somehow
(Tentando recuperar o fôlego de algum jeito)
Down to Earth
(Pés no chão)
It’s like I’m frozen, but the world still turns
(É como se estivesse congelado, mas o mundo ainda gira)
Stuck in motion, but the wheels keep spinning 'round
(Preso no movimento, mas as rodas continuam girando)
Moving in reverse with no way out
(Me movendo ao contrário, não há como fugir)

-And now I’m one step closer to being
(E agora estou um passo mais perto de estar)
Two steps far from you
(A apenas dois passos de você)
When everybody wants you
(Quando todos querem você)
Everybody wants you
(Todos querem você)

-How many nights does it take to count the stars?
(Quantas noites levam para contar as estrelas?)
That’s the time it would take to fix my heart
(É o tempo que demorará para consertar o meu coração)
-Oh, baby, I was there for you
(Ah, querida, eu estava lá para você)
All I ever wanted was the truth, yeah, yeah
(Tudo o que sempre quis foi a verdade)
How many nights have you wished someone would stay?
(Quantas noites você desejou que alguém ficasse?)
Lie awake only hoping they’re okay
(Deitada, acordada, esperando que estivessem bem)
I never counted all of mine If I tried,
(Eu nunca contei as minhas noites)
I know it would feel like infinity
(Se tentasse, iria parecer uma eternidade)
Infinity, infinity, yeah
(Eternidade, eternidade Eternidade)
Infinity
Cantei a música que segundo ela foi a melhor do álbum Made in the A.M. Ela sempre me pedia para cantar essa música de noite para ela dormir.

| Cinco meses depois |

Já haviam se passado cinco meses, hoje eu irei mais tarde para o hospital já que a família dela está lá e eles querem ficar um pouco sozinhos, aproveitei esse tempo para me alimentar direito e dormir com mais calma. Mas logo o telefone tocou e eu tive que atender.

-Liam?
Ouvi a voz de Vitor o irmão dela no telefone.

-Sim?
Perguntei.

-A S/n, ela acordou!
Avisou e eu desliguei.

Minha alegria era tanta que aposto que estava a passando para qualquer um que se quer me olhasse. Peguei meu carro e dirigi apressadamente para o hospital.
Chegando no mesmo eu fui direto para o quarto onde ela estava a encontrando acordada e já sem o gesso na perna e no braço, apenas aquelas notas ortopédicas e uma faixa no braço.

-Meu amor! Que saudade, eu te amo muito.
Falei deixando vários beijos em sua boca.

-Quem é você?
Ela me empurrou de leve.

-Sou eu! Liam seu namorado.
Falei confuso vendo-a assustada.

-Eu não conheço você.
Falou se afastando mais ainda e segurando a mão de sua mãe.

O médico me chamou para fora da sala e me explicou que ela estava daquele jeito pois o tempo do coma a deixou sem memórias, ela só consegue se lembrar de sua família e poucas coisas sobre sua infância. Ou seja, é como se para ela, nós nunca existimos.
Meu coração se apertou mas logo um sorriso leve tomou conta de meu rosto. Posso fazê-la se apaixonar de novo por mim.
Nós saímos do hospital e ela aceitou ir para a nossa casa desde que sua mãe nos visitasse todos os dias. Eu consegui a deixar confortável, mas tive que dormir longe dela por ela não confiar muito em mim.

S/n passava todos os dias sobre meus cuidados e os de sua família, eu tentava a todo custo não deixá-la desconfortável para que tivesse mais confiança em mim, mas sua memória ainda não voltava.

|Um mês depois |

Foi um longo e cansativo mês, eu estou muito feliz por ela ter se recuperado e agora estar fazendo tratamento com o psicólogo para tentar se lembrar de algo. S/n até que tem uma relação boa comigo, ela não acha mais que sou um completo estranho que pode querer a matar mas também não confia o bastante para que eu a beije.

Hoje o dia estava calmo, ela já havia almoçado e estava em “nosso” quarto - que nesses últimos meses tem sido só dela - assistindo séries, eu até ficaria perto mas tenho medo dela me achar muito grudento e também para ela poder ter o espaço dela.

-LIAM!
Ouvi S/n me chamar e fui correndo até o quarto imaginando o que de pior poderia ter acontecido.

-Meu Deus o que foi?
Perguntei confuso tentando encontrar algo errado.

-Liam!

-O que?

-Eu me lembro de você! Eu me lembro Liam, de tudo, nosso primeiro beijo, nosso primeiro encontro…tudo! Eu te amo Liam!
Ouvir aquelas palavras foi como sentir uma luz se acender dentro de mim.

-V-você lembra?
Perguntei e ela assentiu. Logo senti braços me rodeando com força e seus lábios se chocando aos meus. Ela havia voltado, havia voltado completamente para mim.

-Me desculpe amor, eu não queria ter te esquecido…você sempre permaneceu em meu coração..
Ela se desculpava deixando alguns beijos em meu rosto. Como senti saudade daquilo.

-Não precisa se desculpar, você não preveu que aquilo iria acontecer, eu só quero que apartir de agora você me deixe te levar ao trabalho e que prometa tomar cuidado.
Falei sério vendo-a assentir.

-Eu prometo!
Respondeu confiante.

-Eu senti…senti que você ficou ao meu lado o tempo todo, foi estranho…um estranho bom, era como se eu sentisse o seu amor esquentando o meu coração e me deixando confortável mesmo que com aquele monte de aparelhos e sabendo que nao conseguiria abrir os olhos, falar ou me mexer. Você foi minha luz Liam, minha única esperança.
S/n falou séria e eu vi que ela não estava brincando, meus olhos já se encontravam marejados e eu só queria chorar como um bebê enquanto a abraçava.

-Você sentiu isso, porque eu te amo e sempre vou estar ao seu lado, te protejendo e cuidando de você.
Falei e começamos outro beijo, lento e calmo, para demonstrar tudo o que sentimos um pelo outro.

***

Espero que tenha gostado.😘

Nem acredito que consegui postar, achei que tinha perdido todo o meu imagine, mas graças a deus que eu consegui recuperar.

Imagine - Harry Styles

Opaaaaa, quase esqueci hahahaha
Anony: “ Faz um do Harry que ela está com cólica e ele fica cuidando dela? Pfv? Romantico…”

- Tchau, (S/A)! – Harry beijou o topo da minha cabeça. – Volto mais tarde.
- Tudo bem! – Sorri. – Boa festa!
- Tem certeza que não quer ir? – Harry fez biquinho e foi inevitável não sorrir.
- Eu estou morrendo de cólica. – Fiz careta. – Vá e se divirta, eu vou me afundar em pizza e chocolate e depois de chorar com filmes bobos, vou ir dormir.
- Se eu não conhecesse você a mais de dez anos, não acreditaria nisso. – Me levantei e beijei sua bochecha indo para a cozinha. – Até mais, (S/A)!
- Pegue várias. – Gritei um pouco antes da porta ser fechada e pude ouvir a risada escandalosa de Harry.
Na portada geladeira, o panfleto da minha pizzaria favorita estava lá e em questão de segundos eu tinha encomendado uma pizza grande para mim e para Harry quando ele chegasse. Harry era como um irmão mais velho; nos conhecemos ainda na escola e na escolha da faculdade, fomos aprovados na mesma e por isso optamos por morar juntos.
Depois de separar um prato e um copo, recolhi tudo de doce que encontrei nos armários do apartamento, mas não encontrei um chocolate. Chateada, peguei os marshmallow que encontrei, a garrafa de refrigerante e todo o resto levando para a sala deixando tudo na mesinha de centro.
O netflix já estava conectado a televisão e só faltava a pizza chegar para a felicidade ficar completa, com exceção da falta de chocolate, como eu pude esquecer do chocolate.
Quando a campainha tocou, sai correndo para atender; minha pizza havia chegado. Me servi de algumas fatias e guardei o restante. Dei play no filme que eu havia escolhido para o filme e aproveitei até o último pedaço da minha pizza.
Depois ataquei o saco de marshmallow é apenas parei após me sentir completamente satisfeita.
O filme já se encaminhava para os segundos finais quando o barulho de chave se faz na porta. Atenta, fiquei encarando a porta para ver quem entraria dentro do apartamento dando de cara com Harry e uma sacola.
- Oi. – Ele sorriu. – Achei que já ia estar dormindo.
- Mas não passam das dez horas. O que você faz em casa?
- Eu vim ficar com você. – Ele suspirou sentando-se no sofá.
- Mas e a festa? E as várias garotas que você ia pegar?
- Achei que hoje era dia de ficar com você. – Ele acariciou minha perna e levantou. – Te trouxe uma coisa.
Harry voltou para o sofá com a sacolinha do supermercado na mão e a largou no meu colo.
- Espero que seja seu favorito.
- Como você sabia que eu queria, muito, chocolate? – Perguntei encarando a barra em meu colo, do chocolate que eu mais amava.
- Eu conheço você melhor do que imagina… – Ele sorriu. – Vou trocar de roupa e já venho ficar com você!
Harry sumiu no corredor dos quartos e tempos depois voltou trajando pijama, com cara de quem já estava com sono.
Eu estava deitada, mas ao notar que Harry voltava, me sentei para que ele pudesse fazer o mesmo. Mas, contrário ao que imaginei, Harry torceu o lábio.
- Vamos ficar sentados? – Ele pegou a coberta que eu estava enrolada. – Deita.
- Mas…
- Só deita e vira de frente para a televisão. – Eu fiz.
Depois de me ajeitar no sofá, Harry pegou uma das almofadas e veio deitando atras de mim. Nos tapou com meu cobertor e em seguida, abraçou minha cintura e fez com que seu corpo ficasse bem próximo ao meu.
O outro filme já estava quase no final e Harry estava com a respiração calma e ritmada; eu ainda não havia conseguido dormir como ele pela incomoda pressão no meu ventre, nem o remédio havia ajudado a me livrar da cólica. Impaciente, me levantei devagarinho do sofá, mas antes do primeiro passo, Harry levantou a cabeça com o rosto todo amassado e me encarou.
- Onde você vai?
- No banheiro. Vou ver se encontro algo mais forte para cólica… – Harry acenou com a cabeça e sentou no sofá.
Enquanto eu procurava a medicação, ouvi Harry desligar a televisão e andar até a porta do banheiro. Sem nenhum remédio, decidi ir dormir. Entrei no meu quarto e me atirei na cama de qualquer maneira.
Harry entra no mesmo segundos depois. Me ajeita na cama e deita atras de mim novamente. Sua mão descansa sobre a parte dolorida da barriga e acaricia de leve o local.
- Eu posso ficar assim com você? – Harry perguntou com a voz abafada. – To meio carente…
- Tudo bem! Minha dor está passando graças a você! – Pus minha mão sobre a dele.
Passamos a noite assim; minha dor se esvaiu e Harry abraçava cada vez mais forte, eu me sentia segura em seus braços e finalmente sem dores. Acordei com nossas mãos entrelaçadas e recebendo alguns beijinhos na testa por estar virada de frente para ele.
- Eu queria poder acordar assim todos os dias… – Harry murmurou.
- É só você encontrar uma namorada, ué. – Respondi no mesmo tom, porém minha voz saiu abafada por estar contra o peito de Harry.
- Eu não quero qualquer namorada; eu quero você como minha namorada! – Eu ia levantar a mas Harry apertou seu abraço me mantendo na mesma posição. – Eu quero cuidar de você com cólica ou gripada. Dormir e acordar assim e assistir vários e vários filmes com você. Comprar chocolate sempre que precisar e pedir pizza enquanto você vai tomar banho para não ter que esperar muito.
- Eu não consigo entender… – Olhei para cima, encarando seus olhos.
- Me apaixonei por você, (S/A). Isso você conseguir entender? – Suas bochechas coraram.
- Consigo. Eu acho. – Desci meus olhos para seus lábios, os encarando, mordi os meus.
Harry entreabriu seus lábios; se abaixou em minha direção, devagar e tomou meus lábios com os seus, em um beijo calmo. Envoltos no beijo que dávamos, Harry deitou seu corpo sobre o meu, e assim que sua mão desenhou minha cintura eu o afastei.
- Cólica. – Ele me olhou confuso. – Cólica sentimos quando….
- Aaaaah! – Ele riu e beijou meu pescoço. – Desculpe!

Louis Tomlinson

  • Anônimo:Faz um do Louis em que eles ficaram no começo da carreira dele só que ela acabou engravidado só que ele não sabia. Aí eles se encontram e ele faz as contas e percebe que a menina que estava com a Sn é filha dele. Eles podem ficar juntos no final. 
  • Anônimo:Um do Louis que ela está grávida mas ele n acredita que o filho seja dele, pode ser final feliz
  • Eu juntei os dois pedidos em um só, já que são a mesma coisa. Eu espero que vocês gostem porque eu amei escrever ele.
  • Boa Leitura!


Olhei para o teste em minhas mãos e estava escrito “Positivo” pela centésima vez e estava pensando o que faria, já que estou voltando pro Brasil e Louis nem sabe que estou grávida, eu tinha duas opções ou eu ficaria em Londres e contava pra ele que estou grávida mesmo que tudo entre a gente acabou ou eu ia de volta pro Brasil e criaria meu filho sozinha. Resolvi ficar com a segunda opção já que nada terminou bem entre mim e Louis.

Cheguei no Brasil e logo vi minha mãe e meu pai me esperando, abracei eles bem forte e comecei a chorar e minha mãe começou a acariciar meus cabelos, ai que eu chorei mais ainda.


- O que aconteceu meu amor? O intercambio não foi bom? - ela disse me olhando e eu apensa sorri.

- Vamos conversar em casa, pode ser? - ela concordou e fomos para o carro.
O caminho até minha casa foi longo, meus pais evitaram qualquer pergunta e eu evitei falar algo, quando cheguei fui direto para o meu quarto que eu estava com tanta saudades. Deitei na cama e dormi. 

Acordei já era de noite, tomei um banho coloquei uma roupa leve e desci, meus pais estavam na sala e logo vieram falar comigo.

- Agora fala o que aconteceu - sentei no sofá e eles se sentaram junto comigo.

- Eu não queria e nem estou preparada para isso agora, e eu só peço a ajuda de vocês.. bom eu estou grávida - meu pai ficou boquiaberto e minha mãe abriu um sorriso enorme

- Parabéns filha - minha mãe disse me abraçando.

- Mas (s/n) você tem dezoito anos é muito nova, eu não vou brigar com você e nós vamos te ajudar, mas quem precisa te ajudar mesmo é o pai desse bebê - meu pai diz e segura minha mão 

- O problema é que ele não sabe, nem deu pra falar porque na hora nos estavamos brigando - meu pai me interrompe

- E agora? ele está do outro lado do continente e não sabe que vai ser pai, ok não te julgo por isso. 

- Acho melhor ele nem saber também - digo e meu pai alisa minha mão

- A decisão é sua filha eu e sua mãe vamos cuidar de você e do nosso neto 

- É tudo que eu preciso, obrigada por me entenderem - sorrio e abraço os dois.

Os nove meses se passaram, não tive mais noticias do Louis só em sites, revistas e jornais que ele estava fazendo muito sucesso com a sua banda, meus pais cuidaram de mim o tempo todo e eu prometi que quando a Luisa completasse um ano eu ia arrumar um emprego, sim é uma menina e por mais que não esteja com Louis ele me disse uma vez que se tivesse uma filha menina ele colocaria o nome dela de Luisa, e eu coloquei só pra ela ter pelo menos um pouco do pai.


5 ANOS DEPOIS


Quando Luisa completou um ano eu consegui um emprego de secretária e comecei a sustentar minha filha com meu dinheiro, eu ainda morava com meus pais mas estava planejando comprar um apartamento. Minha filha todos os dias perguntava quem era o pai dela e eu sempre desviava o assunto, eu sei que é dificil pra ela crescer sem um pai mas eu não poderia dizer que o pai dela é integrante de uma banda famosa. Cheguei em casa já era noite e logo fui recebida com um abraço de Luisa e ela estava com seu tablet na mão.


- Olha mamãe, a vovó me mostrou essa banda aqui - olhei pro tablet e vi um video de Louis com seus amigos de banda, olhei pra minha mãe e ela tava sorrindo - Que… que legal filha, mas acho que tá na hora de ir dormir mocinha - digo pegando ela no colo

- Deixa eu ouvir mais um pouquinho mamãe, eu gostei deles - ela me pediu e eu sorri

- Tudo bem, só mais um pouquinho e depois você vai dormir - coloquei ela no chão e ela subiu pro quarto dançando e cantando a música que tocava. 

- Você não tem jeito né mãe 

- Não seja chata (s/n), eu só mostrei pra ela eu não falei quem era o pai dela.  

- Só falta ela virar fã, ai eu não vou aguentar 

- Calma (s/n), mas olha um conselho de mãe, acho melhor você contar pra ela quem é o pai dela se não ela cresce, descobre e ai você já sabe o resto da história - ela diz e eu apenas assenti.

Depois de uns minutos subo pro quarto de Luisa e ela continuava no tablet, ela logo virou o pra mim e virou o aparelho.

- Mãe, eu achei esse mais bonito - quando vi tinha uma foto do Louis sorrindo - ele se parece comigo - olhei e sorri, por mais que faz muitos anos eu não podia negar que não sentia algo por ele ainda. 

- É.. ele é lindo mesmo - digo - agora desliga e vai dormir.

Ela desligou e colocou na sua mesinha, eu a cobri e dei um beijo nela e fiquei com ela até ela adormecer. 

No outro dia, eu sai com Luisa bem cedo de casa e a levei para o parque, depois fomos para sua sorveteria preferida, sentamos em uma mesa no fundo e ela começou a falar sobre a banda que ela tava ouvindo ontem. Eu apenas ouvia tomando meu sorvete, logo vimos uma movimentação do lado de fora e ela sorriu assim que viu sua banda preferida entrando, ela abriu um sorriso.

  - Ah, merda - digo vendo Louis no balcão e quando vou pegar Luisa pra ir embora não a vejo mais e começo a procura-lá  e quando eu vejo ela esta cutucando Louis na perna eu fico sentada pra ver até onde isso vai dar e só vejo ele sorrindo e interagindo com ela, eu não conseguia parar de sorrir, eu sonhei com isso desde que Luisa nasceu. Decidi ir até eles.

- Desculpa, nem vi que ela saiu de perto de mim - ele levanta e olha pra mim 

- Ah, tudo bem… (s/n)? Não acredito, quanto tempo - ele me abraçou e Luisa ficou olhando sem entender nada. 

- Pois é né - digo meio sem graça 

- Ela é sua irmã? Ela é linda - ele diz

- Não Louis, ela é minha filha.. - ele me olha boquiaberto

- Nossa, não sabia que tinha arrumado outra pessoa - não tem como esconder mais, vou ter que falar.

- Eu não encontrei outra pessoa Louis, ela é minha filha… quer dizer ela é nossa filha - ele me olha boquiaberto balançando a cabeça negativamente

- Mentira, faz tanto tempo que nos vimos ela pode ser de outra pessoa e você está dizendo que ela é minha filha pra roubar meu dinheiro - uma lágrima escorre 

- Eu não quero seu dinheiro, se não acredita faz as contas, pergunta pra ela a idade dela e se você quiser eu ainda tenho o primeiro teste que eu fiz com o dia o mês e o ano - pego na minha bolsa e dou pra ele - ela sempre me perguntou de você e eu sempre desviava o assunto por mais que doía em mim esconder isso dela, e ontem minha mãe mostrou um vídeo seu pra ela e ela logo gostou de você dizendo que você se parecia com ela, por mais que isso me doeu eu não falei pra ela que você é o pai dela - digo com lágrimas nos olhos.

- Meu Deus! Me desculpa, eu realmente não sabia - ele diz - Eu quero assumir e quero recuperar o tempo perdido

- Tudo bem, eu deixo. Mas isso não quer dizer que vamos voltar, por mais que eu ainda goste de você - ele sorriu e se abaixou pra Luisa que estava distraída com algo. 

- Oi pequena, olha você queria tanto saber quem é seu papai que eu vou te contar quem é - ela sorri animada - você sabe quem é? ele tá aqui? - ela começa a procurar

- Não princesa, seu papai sou eu - ela olha desconfiada e me cutuca. - Mamãe, o que ele tá dizendo? ele é meu pai? o meu preferido da banda? - ela me olha e abaixo 

- Sim, ele é sim! - ela sorri e ele chama ela para um abraço, ele pega ela no colo e ela abraça ele mais ainda. 

- Me desculpa (S/n), eu fui um babaca  - ele diz

- Tudo bem, só quero que você seja presente na vida dela e não suma - digo e ele assenti sorrindo.

Depois daquela cena na sorveteria, saiu em todos os lugares a foto nossa na sorveteria e dizendo que Louis era pai e que só descobriu cinco anos depois, ele mesmo com a banda sempre que dava vinha ver a Luisa, e ele estava tentando me conquistar, nós já saímos algumas vezes e algumas dessas vezes ele me pediu pra voltar com ele, eu pensei uma semana e dei a resposta e nós estamos juntos de novo, ele quer que eu e a Luisa more com ele em Londres e eu aceitei mesmo que seria difícil deixar meus pais, mas eles me apoiaram e disse que eu mereço ser feliz, eu não poderia estar mais feliz e Luisa até hoje não acredita que finalmente encontrou seu pai.


LEMBRE-SE: PLÁGIO É CRIME!

Preference!

Reação dele ao descobrir que você está grávida!


Harry:


- Você vomitou, S/A? - Harry disse vindo em minha direção.

- É… eu passei mal.

- Passou mal?

- Urrum…

- Senta aqui. - fez eu me sentar no sofá do seu escritório.

- Não, eu tô bem!

- Você tá bem mesmo? - perguntou me encarando.

- Tô! Eu tô sim! Já passou! - ele segurou meu rosto e me deu um selinho.

- Vou pegar um pouco de água pra você. - ele foi até o balcão e encheu um copo de água. - S/N… eu tô preocupado. Você comeu? Será que não é bom eu te levar pro hospital? - me entregou a água.

- Não precisa, eu já estou bem!

- Então toma essa água! - bebi um gole e ele voltou a se sentar na cadeira, vendo as coisas do seu trabalho. Mesmo estando em casa, ele sempre tem coisas do escritória para resolver.

- Eu tô bem sim. Na verdade eu nem comi nada…

- Você precisa comer, né?! - disse sem tirar o olho dos papéis em sua mão. 

- Mas eu não estou conseguindo comer direito…

- Não tá conseguindo comer direito? O que está acontecendo então? - sorri.

- Eu não sei. Eu não tô conseguindo comer; eu tô ficando meio enjoada. 

- Enjoada?

- Bem enjoada… - vi seus ombros relaxarem e ele largou os papéis. - Muito enjoada! - disse rindo. - É muito enjoo! - ele olhou pra mim. 

- Pera ai… Que eu também to ficando enjoado. - gargalhei.

- Assim… super enjoada, completamente enjoada. - ele me encarava surpreso e assustado. Se ajoelhou na minha frente e olhou nos meus olhos.

- É isso mesmo?

- É! - respondi sorrindo. 

- Você tá grávida, meu amor?! 

- Tô! - ele sorriu. 

Ele se levantou e foi até o balcão e tomou quase toda água da jarra que tinha ali. Colocou a mão no peito e veio até mim. 

- É verdade mesmo?! 

- É! - me levantei. Ele tentou fazer eu me sentar de novo, mas não deixei. 

Ele segurou meu rosto e me beijou, me abraçando forte. Ele se sentou no sofá e me encarou.

- Eu vou ser pai!

- É! Pai! - ele me puxou pra sentar no seu colo.

- Essa é a melhor notícia que você poderia me dar! - acariciei seu rosto. - Em meio a tantos problemas da empresa, você me trás uma notícia maravilhosa dessas! Obrigado por me dar um filho! - sorri. - Eu te amo muito, S/A! Muito! 

- Eu também te amo muito! - se aproximou e beijou meus lábios novamente.

***


Liam:


- Amor… Eu preciso te falar uma coisa… - chamei a atenção dele.

- Pode falar, anjo! - ele largou o que estava fazendo e me olhou.

- Lembra que eu havia comentado que estava passando mal ultimamente, estava estranha? - ele assentiu. - Então… Eu fui ao médico ver o que era. - ele me olhava atentamente. - Eu… - respirei fundo. - Estou grávida. 

Ele não disse nada. Parecia que tinha visto um fantasma e estava mais branco que o normal. Ele não esboçou reação alguma.

- Pelo amor de Deus, fala alguma coisa!

- Grá… Grávida? - assenti. - Não… Não pode ser…. Não! 

- Não? É só isso que você vai dizer? Não o que, Liam? - eu estava apavorada e desesperada para saber como ele iria reagir.

- Isso não pode ser verdade. Um filho agora não. Isso não estava nos meus planos. 

- E você acha que nos meus estava? Simplesmente aconteceu. - eu já segurava o choro. 

- Eu…Eu preciso de um tempo. - disse e simplesmente saiu do quarto. 

Essa não era a reação que eu esperada do meu marido. Eu já estava completamente insegura em relação à isso, estava com medo, apavorada. Pensei que contar para ele poderia ser bom. Mas, pensei errado. Eu só conseguia chorar e pensar o que seria dessa criança sem um pai presente, ou com um pai que o rejeite. 

- Nós podemos conversar? - a voz de Liam soou suave. Finalmente, depois de dias nos evitando, distantes um do outro, teríamos uma conversa. E com certeza seria uma conversa definitiva. 

- Claro. - ele se sentou na beirada da cama e me olhou.

- Eu queria pedir desculpas pela maneira que eu agi com você quando você me contou que está grávida. É que eu não me sinto preparado ainda pra assumir essa responsabilidade e tenho medo de não fazer o certo. Eu fiquei assustado com a ideia de minha família aumentar, minhas responsabilidades também. - novamente eu contive meu choro. - E eu… Eu estou disposto a tentar e a enfrentar isso junto com você! - ele sorriu e secou uma lágrima que inconscientemente escorreu pelo meu rosto. - Nós nunca planejamos um filho, nem conversamos sobre isso. Eu só precisava de um tempo pra digerir essa informação, e me acostumar com a ideia de ser pai. Mas essa criança aqui. - se aproximou e colocou a mão na minha barriga. - Veio pra eternizar o nosso amor! - sorri e ele acariciou minha bochecha. - Eu te amo! 

- Eu também e amo! - disse e senti seus lábios no meu. 

- Amor… - olhei pra ele. Ele permanecia com a mão na minha barriga. - Já dá pra sentir ele? - o olhei novamente e comecei a rir.

- Liam! - ri ainda mais. - Amor, ele é do tamanho de um feijão! - ele sorriu e colocou uma mecha no meu cabelo pra trás. 

- Vai ser o feijãozinho mais amado desse mundo! - sorri e grudei nossos lábios num beijo calmo. 

***


Niall:


- Como assim?! 

- É simples, amor! - sorri para ele. - É um jogo. Uma caça ao tesouro. Você tem que desvendar as xaradas e, a cada uma que você acerta e desvenda, passa para próxima! Até chegar ao grande tesouro! 

Niall pareceu animado e entrou no espírito dá brincadeira. Algumas xaradas ele demorava para descobrir a resposta. Mas, colocava a cabeça para funcionar e conseguia descobrir a resposta. 

O último o direcionava para a porta de um quarto que antes era vazio. Ele abriu a porta e viu um berço, algumas coisas de bebê espalhados ali. Em cima da estante branca, tinha um “kit papai”. Chupeta, mamadeira, lencinhos e o meu teste com o resultado. Ele encarou aquilo tudo e sorriu. Seus olhos azuis brilharam e me abraçou. 

- Esse foi o melhor tesouro que eu poderia achar!! - eu ri e ele selou meus lábios. 

Depois fomos ver tudo que tinha ali e discutimos sobre nomes, decoração….

***


Louis:


Eu me olhava no espelho ainda em choque com a notícia que tinha acabado de descobrir. 

Eu estava pensando mal ultimamente, mas nunca liguei os pontos. Depois de muita insistência da minha irmã, Grazi, eu comprei teste e fiz. E o resultado foi o que eu menos esperava e, ao mesmo tempo, era um resultado muito provável. Dois risquinhos. Positivo. Eu estava grávida.

Quando vi o resultado, comecei a tremer e chorar. Grazi desceu correndo e foi pegar um copo de água pra mim. 

O que eu mais temia era a reação do meu noivo. Louis já tem um filho, o Freddie, que recém completou 1 aninho. E não sei se mais um filho está nos planos dele. 

Escuto passos no corredor e presumi ser minha irmã. 

- Amor? - a voz de Louis se fez presente e eu paralisei. - Onde você está? - ele parou de falar e eu respirei fundo para sair do banheiro. Ao sair, vi ele com o teste de farmácia que tinha feito à pouco. Me repreendi mentalmente por não ter o guardado. 

Ele encarava o teste sem reação alguma. Lágrimas voltaram a escorrer pelo meu rosto e o nervosismo me dominou. 

- Isso é mesmo verdade? Quer dizer, você está grávida mesmo? 

- Estou… 

- Eu… Eu vou ser pai! - ele disse em choque, com um sorriso nascendo em seus lábios.

- Mas você já é pai! 

- Mas agora vou ser pai de um filho seu! - se aproximou de mim. - Nós vamos ter a nossa família! - acariciou minha bochecha. 

- É! A nossa família! 

Ele se inclinou e beijou minha barriga, me fazer sorrir de felicidade e alívio.

- Eu te amo! - disse e beijou meus lábios delicadamente.

***


Zayn:


- Eu ainda não entendo o porquê de tudo isso… - Zayn disse se referindo ao jantar que tinha preparado para nós dois. 

- Eu só queria fazer um agrado… - disse acariciando seu cabelo. Ele fechou o olho para sentir melhor o carinho.

Nesse momento eu e ele estávamos no sofá, com a cabeça dele no meu peito, ainda com nossas taças de vinho.

- Você sabe que não precisa de tudo isso. - levantou sua cabeça para me encarar e o selei.

- Mas ainda falta a sobremesa! - ele riu. - Eu vou pegar! 

Fui até a cozinha e peguei o prato com a sobremesa e levei até a sala. Coloquei sobre a mesinha de centro e ele se ajeitou no sofá. 

- Espero que goste!! - eu disse sorrindo.

- Eu gosto de tudo que você faz! 

Ele se aproximou do prato e levantou a grande tampa, revelando um par de sapatinhos de bebê branco e um cartão com os seguintes dizeres: 

“Esse foi o melhor presente que recebi. Espero que seja o mesmo pra você! Parabéns, papai!”.


Ele me encarou com os olhos brilhando e um lindo sorriso estampado seu rosto.

- Eu não poderia esperar coisa melhor! - me puxou para sentar em seu colo e colocou sua mão na minha barriga. - Obrigado por me dar uma família!! - sorri.  

- Eu que agradeço! - ele se aproximou de mim e selou meus lábios. 

- Entendeu o motivo do jantar agora?! - ele riu.

- Agora sim! - riu e me beijou novamente.

[…]


Espero que tenham gostado!!!

Cap. 29

 **Lucas**

  Manoela chorou até dizer chega eu tenho certeza que ela estava confusa mas não ia botar mais pilha na cabeça dela então deixei ela desabar e depois ela foi tomar um banho e eu fui pra sala cozinha ver o que ela tinha aprontado de bom.

  - Entra. - Disse ao ouvir alguém batendo na porta.

  Eu já sabia que era o Caetano pois provavelmente o Artur deve ter contato para ele ou a Gabi contou assim como me contou tudo pelo whats.

  - Ela ta no banho sobe lá. - Disse colocando suco no copo. - E leva isso pra ela.  

  Ele subiu com o copo de suco pra ela e eu coloquei outro pra mim peguei um pedaço de um lanche que tinha na geladeira e fui comer na sala.  

   **Caetano**

   Entrei no quarto da Manu e ela ainda estava no banho, coloquei o copo com o suco em cima da sua mesinha no porta copos e me sentei na cadeira e fiquei esperando aparecer, ela apareceu e me olhou e abaixou a cabeça e foi pegar o pijama que estava em cima da cama, entrou no banheiro e depois voltou e se sentou na sua cama e me chamou pra sentar com ela.  

   - Acho que a gente precisa conversar não é mesmo? - Perguntei.

   - Sobre? - Perguntou ela secando o cabelo com a toalha.  

   - Sobre o que o meu irmão disse pra você e eu posso ver que você chorou. - Disse.

   - Chorei por ele ter me dito que eu era um problema entre vocês dois, por depois dizer que o problema era eu existir, não chorei por ele ter se declarado pra mim se você esta pensando que eu estou confusa ou algo assim. - Disse ela de uma vez.  

   - Ele disse que você é um problema entre nós dois? - Perguntei.

   Ela concordou com a cabeça.

   - Não pensa nisso ok é loucura dele, minha relação com ele não mudou nada e sim eu fiquei pensando que você pudesse ficar confusa. - Disse.

   - Eu tenho certeza do que eu sinto. - Disse ela.  

   - E o que ele falou pra você não mexeu com você? - Perguntei.

   - Caetano não vou dizer pra você que num certo momento eu cheguei a achar que gostava do seu irmão, mas ai eu fui ficando com você e eu cheguei a conclusão que não gostava dele para querer me envolver eu apenas queria ele por perto pois eu gosto da amizade dele e só isso, quando a gente começou a ficar eu fui desenvolvendo um sentimento por você e com o tempo eu fui gostando mais de você. - Disse ela se levantando e indo no banheiro.

   - E hoje? - Perguntei.

   - Hoje eu tenho certeza que gosto de você. - Disse ela se sentando na minha frente novamente.  

   Eu a beijei mas logo fomos interrompidos pelo Lucas entrando.

   - O Manu o seu lanche estava bom mas acabou to com fome ainda. - Disse ele abrindo a porta. - Porra gente desculpa.  

   - Tudo bem cara. - Disse. - Vou aproveitar que o seu irmão esta aqui.  

   Lucas e ela me olharam sem entender nada e eu me levantei para pegar o suco pra ela.  

   - Pra que? - Perguntou Lucas.

   - Manu toma devagar ta. - Disse entregando o suco pra ela.

   Ela virou o copo com cuidado me olhando assustada e ela quase engasgou e tirou o anel de dentro da boca.  

   - Sabia que você podia me matar engasgada. - Disse ela rindo.

   - Quer namorar comigo Manu? - Perguntei.

   - Até que enfim, eu já posso sair dessa melação toda? - Perguntou Lucas

   - Vai sai daqui. - Disse Manoela expulsando ele.

   Ela esperou ele fechar a porta e segurou na minha camiseta e me puxou para beijar ela mas eu virei o rosto.

   - Que foi? - Perguntou ela.

   - Você não respondeu. - Disse.

   - Sim. - Disse ela.

   Eu a beijei …

  **Artur**

   Mandei uma mensagem pro Cauê eu precisava conversar com alguém e não podia ser a causadora dos meus problemas.

   "Cauê: Fala cuzão qual a emergência?  

     Eu: Me enfiei na maior furada que você pode imaginar.

     Cauê: Engravidou alguém?  

     Eu: Não cara não chega a ser tão assim.

     Cauê: Ta vou pedir pra minha irmã me levar ai.“

     Já era bem tarde e me dei conta disso só depois que eu mandei as mensagens pro Cauê e até entenderia se ele não viesse, passou quase uma hora e ele chegou.

    - Vou ter que dormir aqui ta. - Disse ele com uma mochila nas costas.  

    - Tranquilo pelo horário minha irmã ta capotada no meio dos livros e o Caetano ainda não chegou e nem meus pais. - Disse fechando a porta.  

   Sentamos na sala e ligamos o vídeo game.

    - Fala logo o que houve que eu to curioso. - Disse Cauê.

    - Fiz a maior burrada ao me declarar para a Manoela. - Disse.

    - Cara puta que pariu e ela? - Perguntou ele.

    - Praticamente me mandou esquecer isso e depois eu contei pro Caetano que fiz isso. - Disse.

    - Mano o que você tem na cabeça de contar pro cara que ta ficando com a mina que tu gosta que se declarou pra ela? - Perguntou Cauê me encarando.

    - Meu irmão já sabia que eu era afim dela. - Disse.

    - Ta isso eu já sabia. - Disse ele.

    Ficamos em silêncio um tempo e logo Caetano entrou e nos deu boa noite e subiu.

    - Sinto muito por seu amor não ser correspondido cara. - Disse ele.

    - Tranquilo. - Disse ele.

    - Boa noite meninos. - Disse minha mãe entrando. - Vocês já deviam estar dormindo amanha tem aula cedo.  

    Minha mãe me deu um beijo de boa noite e subiu, resolvemos seguir o conselho dela e subimos para o quarto, Cauê foi tomar banho e eu fiquei arrumando as camas.  

    - Filho aconteceu alguma coisa? - Perguntou minha mãe entrando no quarto.

    - Sim mãe eu me declarei pra Manoela. - Contei.

    Minha mãe ficou espantada e se aproximou.

    - E pelo jeito ela não correspondeu. - Disse ela me abraçando.

    - Eu perdi ela né mãe agora já era é aceitar e seguir. - Disse.

    - É filho espero que isso não estrague a sua relação com o seu irmão novamente. - Disse ela me soltando.

    Nossa do que a minha mãe foi lembrar…