medeiros costa

Poema de bolso XLIII

“Drummond às avessas”

Não serei eu o poeta de um mundo mecânico,
Não ei de cantar versos a seres orgânicos
Que não sentem o próprio Ego metafísico.
Sou poeta dos que pensam, dos que sentem,
Dos que mentem a si mesmos,
Dos que amam.

Sou poeta de louco, de loucuras,
De eloquências cheias de esperança,
Sou poeta de naturezas vivas,
De tempos, de existências construídas.
Não versarei naturezas mortas.
Não cantarei vidas não vividas.
Sou cativo dessa alma existencialista
E hei de esculpir palavras, como os homens esculpem pensamentos.
Minha matéria está nos pensamentos, está nas amarguras,
Nas brancuras, nas fraquezas, nas loucuras,
Nos humanos.


Medeiros Costa

A fragrância da Dor

Perguntarás quem sou aos tons que ajunta
Aroma e espasmo, porém, o exotismo
Doce e infesto há de ocultar-me, e no abismo
Ninguém esclarecerá tua pergunta!

Tuas pálpebras pesarão e, aos sismos,
Tua visão oscilará alucinada.
Pela ação conjunta dos organismos,
Tua boca tremerá e, mesmo escarrada,

Manter-se-á condenada ao silêncio!


Medeiros Costa

Poesia dedicada à carta “Perfume

Densidades


                                                                                              F

                                                                                    u      m

                                                                                        a     ç

                                                                                   a

                                                                         F o
                                                                      g o f o
                                                                    f o g o f o
                                                                 g o f o g o f o
                                                                    g o f  o g o
                                                                      f o g o f
                                                                        o g o
                                                                   ceceracerace
                                                                  craceraceracer
                                                                   raceracerace
                                                                    aceracerac
                                                                    aceracerac
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera
                                                                     ceracera


Medeiros Costa

Minha doença


Sou eu vítima de espectros malditos,
Persistentes, no vício de um maníaco,
A atormentar-me, na ânsia de um cardíaco,
Em dores, em tristezas de infinitos!

E se antes, num espasmo demoníaco,
Assombravam-me meramente aos gritos,
E tão-só para que fossem transcritos
Em putrefeitos versos de amoníaco,

Agora assombram também o carbono
E o oxigênio que eu tanto abandono
No infesto fluxo da respiração.

Caminham em minhas veias, crescendo,
Multiplicam-se num câncer tremendo,
Num cancro fatídico de pulmão!


Álvares de Albuquerque

Guerras e perdas


noites
tardes
manhãs
alegres
ruas
soturnas
famílias
tranquilas


< súbito >
                     disparos
     armas
                             estrondos
                [guerras]
desesperos
                                  gritos
           escombros

 
           perdas…
           doenças
           óbitos
           grotescos
           tristes
           enfermos
           mortes
           enterros


noites
    rubras  
mérito
    dinheiro

guerras e retratos


eu só ouvia o tilintar das espadas
                                   escaldadas em lágrimas
                                                           em algo um tanto febril                                                                       nem tanto
                                                                               talvez vazio
                                                                                  mas vazio de quê?
esses homens só vivem
                          e vivem inocentemente
                                        inocente somente
                    ou somente inocente?
                e será mesmo inocente?
                                        inocente… talvez (só porque é gente)
                     mas gente é inocente?
                               gente só mente!
                                será que sente?
                só se for no inconsciente
(será? talvez alguém sinta!)
               mas e eu? 
                                   Poeta sente?

bom…
os meus versos dizem que eu sinto
                                              e sinto porque os escrevo

e cá descrevo também o que ouço
nos ais dos engaiolados pássaros
                 muito belo os pássaros
(ou o belo era o seu canto?)

— ah! mas será que há beleza em qualquer coisa
     senão as próprias qualidades da mesma? —

ora
o que é um pássaro sem o seu canto
          é       passado
                   passa
                   passa
 sem deixar nada
(nem rastro)

como o que eu ouvi agora pouco
com as gotas
(também de lágrimas)
que caíram
que caíam
entre os corpos
                  ocos
               mortos

e
num tempo ralo
num tempo nulo
de início
     ouvia estouros
           e estouros de pólvora
              estouros de migalhas

                                 < de súbito >
                                            só os estouros

                                   depois…
                                             só as “migalhas”

e os restos de balas
                  de traços
                  de rostos
e os restos de restos
                  decretos
velórios
(vitoriosos?)

e
   depois do fim
volta-se ao começo

pergunta-me onde começa?
                   na arte
é claro…                                            

pois
       antes de tudo
como eu
                                alguém ouviu as teclas dos pianos
                                              leu os versos dos poemas
                                                         (dos meus poemas)
                                              viu os traços dos quadros
       neles
os estouros das pólvoras
os detalhes das armas
         e até
nos olhares
os desejos por batalhas

eis as migalhas!

bem preservadas
             em notas…
                             em cores…           
                                             em palavras…


Victor Medeiros

Desolação


Com meu corpo carnalmente a fremir,
Sinto a tua doce voz dum doce mel
Romper-se no amargo, no azedo fel,
A queimar gradualmente, a me frigir.

Eu sinto, das tuas palavras, se abrir
As dores que verso nesse papel,
E sinto minha Dor, ácida e cruel,
Romper-se no anseio de te sentir

E de não mais ouvir tua áspera voz
Cremando mi’ alma e ardendo, feroz,
Nas ríspidas palavras que inflamas

Em letras, em frases, que ouço e que sinto
Reverberarem em meu labirinto,
Ecoando e repetindo que não me amas!…


Álvares de Albuquerque

Substância e Ego

I

Partícula infinita, imensurável,
Com matérias infinitesimais,
Rompe-se e agita-se, nunca mais
Será ela — como antes era — estável!

Nunca mais tão Una e universal
— Tão antes era ela adjacente
Como única e suprema e único ente
Dum mundo inarredável celestial!

Soa estrondos, e eis os primeiros sons!
Big Bang! E eis o estrondoso clarão
Que se alastra aos negros espaços que hão
De abrigar, como nunca antes, os tons

Cinzentos e marrons e esbranquiçados
Das poeiras cosmo-difusas; informes,
Hórridas, colossais massas enormes
De seres brutos e desordenados!

E eis que se desfaz o Caos ante a Ordem,
E sem nenhum demiurgo, sem nenhum!
Sem um Deus, sem um criador, sem um
Motivo — antes mesmo que almas acordem —

II

Vagava as substâncias mais titânicas
E primordiais em todas as escalas.
Mas não era Urano e Cronos ou Atlas
Que andavam sobre essas poeiras mecânicas

E estruturas físicas energéticas.
Porém, havia titãs e quimeras
Que se originaram dentre essas meras
Massas brutas, eram elas as poéticas

Estrelas, colossais manufaturas
De elementos, brilhos da infinidade,
As primeiras luzes na imensidade
Dum espaço negro, antes sem rupturas.

E eis os fulgores das constelações;
Galáxias e sistemas e planetas;
E entre essas mesmas esferas concretas,
Entre as espirais e as circulações,

Há um planeta infesto de corpos vivos,
Formados de aglutinações orgânicas
Nas profundezas das massas oceânicas,
Onde muito tempo serão cativos.

Até que esses vis corpos microbianos,
De tanto combaterem a si próprios
Em ambientes cada vez mais impróprios,
Em que outrora viveram milhões de anos,

Levantam, ante a bravura telúrica
Da conquista vitoriosa do solo,
Desbravam a terra de polo a polo
Ingerindo e defecando a tal úrica

E estercorária propriedade viva.
— Ah, quem diria, quem? que essa matéria
De adjetos faria cada artéria
E tendão e carne e osso conjuntiva

De um ser tão miserável como o humano!
E eis cá o ignóbil Ego execrável
Que subiu ao cérebro lastimável
Desse sujeito sujeitado e insano:

III

Pobre ser consciente da dor, da morte.
Se fosses tu inconsciente da sede,
Da fome, serias a vil parede
De ossos e carnes: não só mais transporte

Do teu Ego lamentável e forte
Que faz com que a tua própria carne azede.
Não há luta mavórtica, nem rede,
Que dome, e nem há lâmina que corte

Esse Ego estercórico-microbiano.
Toda existência te renega, humano,
Por todo o espaço infinitesimal,

Porque te arrogas como alma liberta,
Recusas o mundo que te acoberta
De substância Una e Universal!

IV

Ainda ninguém sabe donde que veio
Essa alma humana de livre consciência
Que governa esse mundo sem sapiência
E inda julga nele o que é belo ou feio!

Ó tal ser controlador e “social”,
Que se julga sábio e politizado,
Tu, por tua própria espécie, és desprezado
E nunca concretizas teu ideal!

Passam e passaram eras e tempos,
Mudas tuas invenções e passatempos
E a tecnologia do mundo físico.

Mudas até no teu comportamento,
Até em tua veste e em teu alimento,
Mas persiste o teu Ego metafísico!


Medeiros Costa

Frêmito das dores


Sinto uma ânsia profunda na garganta
E sinto a Dor no meu peito fremindo,
O ar deteriorando-se, diminuindo,
Enquanto meu coração se levanta,

Convulsiona-se, numa guerra santa,
Contra as células que vão me traindo,
Apunhalando-me no aço, no blindo,
De facas a doer numa Dor que canta!

E sinto, aos trismos de meu débil queixo,
Minha boca se escarrar num enfeixo
De gritos a tremular, em tons grossos,

Cantando, numa medonha opereta,
As carnes a suplicar na sarjeta
Pelo sustento sísmico dos ossos!


Álvares de Albuquerque