max boas

3

Here’s an idea from the story team for Pandas to do “vertical farming” based off of the many levels in the landscape.  Our Art Director Max Boas had done such a fantastic job figuring out the language for this environment that it was always really fun for everyone to explore concepts in this area and never looking like it’s a different place each time.

3

Tuesday Tips – Composition 101, Rule of 1/3

This is an easy one to remember.  Divide your canvas in third, both horizontal and vertical.  And put your focal point where the line intersect.  

Sometimes I don’t always have it right away at my initial sketch, then no worries, just move around your canvas a bit and adjust it.  

This example is from KFP Legend of the Masters when I worked with Max Boas and Nate Wragg.

Cheers,

Griz

Got a chance to see the movie last night with the KFP team and I cannot be MORE proud of everyone who worked on the movie. This might be the most beautiful animated film to date credited to the leadership and vision of Ramone Zibach and Max Boas. Here’s another early concept I painted of the spirit realm. #dreamworks #animation #kungfupanda3 #visdev #art

Segunda Temporada – Capitulo 3

POV Clara

Eu e Van deitamos na cama porem não conseguimos dormir e ficamos conversando animadas sobre a ideia que Junior tinha tido mais cedo e de como seria legal uma viagem em família, acabamos dormindo por voltas as duas horas da manha quando o sono realmente nos venceu. Não deveríamos estar dormindo nem há uma hora direito quando ouvimos o choro desesperado de Max e levantei correndo para o quarto para saber o que tinha acontecido.

Clara: Filho o que foi? – Perguntei assim que cheguei no seu quarto o mais rápido que tinha conseguido.

Max: Mama. – Falou chorando e me abraçou forte enquanto eu fazia carinho em sua cabecinha tentando acalma-lo.

Clara: Mamãe esta aqui bebe o que foi? – Perguntei novamente baixinho em seu ouvido e ele foi se acalmando aos poucos.

Max: Quede mama? – Perguntou com os olhinhos vermelhos de tanto chorar e eu dei um beijinho na sua testa e acabei me lembrando de um fato que aconteceu quando Van ainda estava em coma, Max estava com tia Sol e Junior na casa dela quando meu pequeno acordou chorando tendo pesadelos e Junior teve que me ligar para eu conversar com Max ate ele conseguir parar de chorar e se aclamar.

Clara: Mama esta dormindo filho, quer ir lá dormi com a gente? – Questionei baixinho e ele me olhou confuso.

Max: Mama vai coida? – Perguntou olhando nos meus olhos e eu respirei fundo segurando minhas lagrimas.

Van: Mamãe te promete que vai sempre acorda filho. – Ouvi sua voz soar baixa atrás de mim e Max abriu um enorme sorriso ao vê-la ali conosco e se jogou no colo dela. – Você nos assustou pequeno. – Confessou dando um beijo na cabecinha dele. – Agora vamos dormir com a suas mamães? Ainda esta bem tarde e amanha será um dia bem legal. – Disse sorrindo revezando seu olhar entre eu e Max.

Clara: Isso mesmo não tem porque chorar meu amor, estamos aqui com você. – Falei ao lado deles e Max me abraçou de lado ainda no colo de Van.

Van: Eu amo vocês. – Disse dando um beijo em mim e em Max e ele a olhou sorrindo.

Max: Eu amu voxes. – Falou com dificuldades tentando repetir o que Van falou e sorrimos abertamente ao ouvir o que ele tinha falado.

Clara: Isso filho eu amo vocês. – Falei sorrindo por ver que cada dia que se passava ele crescia um pouquinho e aprendia mais um pouco. – Vamos para o quarto meus amores.

Max: Vamus pala o… – Falou sorrindo e me olhou confuso como se estivesse tentando entender o que eu falei, mas logo desistiu negando com a cabeça e rindo. – Ba noite. – Disse fofinho assim que nos deitamos na cama e ele deu um beijo em mim e em Van se aconchegando no meio de nós.

Van: Boa noite. – Disse me dando um selinho e um beijo na cabecinha de Max.

Clara: Boa noite. – Respondi sorrindo ao notar que nosso pequeno segurava a minha mão em uma mãozinha e a mão de Van na outra, acabamos pegando no sono assim.

Acordei no outro dia sozinha na cama e já ia começar a me perguntar onde estavam todos quando ouvi as rizadas de Van e Max cada vez mais próximas do quarto.

Van: Bom dia meu amor, fizemos o café da manha. – Falou colocando a bandeja sob a cama de dando um selinho e assim que olhei para a bandeja tinha uma rosa vermelha, panquecas escrito “Oi mama”, uma maça e um suco de laranja. – O Max que escreveu não foi filho? – Disse assim que a olhei sorrindo e ele assentiu sorrindo vindo ate mim me dar um beijo.

Max: Coida mama, au-au. – Falou bonitinho e já devidamente arrumado assim como minha mulher e ela ficava linda com essa blusa xadrez vermelha.

Clara: Estou muito atrasada? – Perguntei e ela me olhou sorrindo.

Van: Não, eu acho que estou um pouco ansiosa assim como nosso filho que já acordou falando au-au. – Disse rindo. – Nos já tomamos banho e Thais esta tentando acordar a May.

Clara: Boa sorte pra ela. – Falei rindo me lembrando do quanto era difícil acordar a May, porque alguém a acordasse, no grito, susto ou de forma irritante ela logo-logo mandava a pessoa tomar no cu e ficava de mau humor o dia todo. – Vou tomar meu lindo café da manha e já tomo banho ok? – Disse e ela assentiu sorrindo.

Van: Nós vamos lá apressar o Junior porque ele falou que quer ir também. – Falou com Max nas suas costas de cavalinho e eu assenti sorrindo. – Ah antes que eu me esqueça. – Falou parando na porta. – Minha mãe ligou para almoçarmos na casa dela hoje, eu disse que vamos ok? – Perguntou e eu assenti mandando um beijo no ar para meus dois amores. – Então vamos apressar o tio Junior porque aquilo parece mulher pra sair da cama. – Disse com voz de criança ao conversar com Max o que me vez rir, imaginem ela com um bebe? Tipo uma criança menor que Max, porque se com ele ela já é assim pensem com uma criança pequena? Ou então gravida, ela ficaria linda gravida.

Clara: THAIS? – A gritei assim que ouvi a porta da sala se fechando indicando que Vanessa já tinha saído. – OOOOH THAIS. – Gritei novamente e comecei a rir assim que ela chegou correndo no quarto.

Thais: Acho bom ser importante, porque se a Mayra tivesse dormindo ainda na hora dos seus berros e eu apanhasse você não casava mais. – Falou de cara fechada o que me fez rir mais.

Clara: Estava pensando aqui, já imaginou o tanto que a Vanessa ficaria linda gravida?

Thais: Você não fez esse escândalo todo pra me perguntar se eu já parei pra pensar o tanto que a Vanessa ficaria linda gravida. – Falou com cara de tedio e eu assenti sorrindo sapeca. – Ah Clara vê se me erra. – Disse controlando o riso.

Clara: To falando serio Thatha, se com o Max ela já é dessa forma imagina ela gravida? Com outra criança correndo por essa casa, já pensou o tanto que ela ficaria babona? – Perguntei sorrindo e ela caiu na gargalhada e veio ate mim.

Thais: Esta falando serio?

Clara: Sim porque não? Ela poderia engravidar na lua de mel, ou então depois que chegarmos dela. – Falei animada e Thais me olhou com aquela cara típica dela de confusa.

Thais: Vamos por partes, como pretende fazer isso?

Clara: Com o dedo Thais. – Respondi revirando os olhos. – Francamente eu querendo uma opinião seria e você me vem com essa, onde esta a sapatona da Mayra? Preciso de alguém inteligente. – Falei e ela me acertou um tapa rindo.

Thais: Não me venha me chama de burra você que quer engravidar ela na lua de mel e eu que sou burra? – Falou revirando os olhos. – Tanta coisa pra fazer na lua de mel e você vai querer mesmo fazer uma inseminação artificial? – Perguntou rindo e eu revirei os olhos.

Clara: Ai Thais desapega do lugar podemos esperar ate voltarmos para SP né. A questão aqui é você acha que ela toparia?

Thais: Acho que sim, ela faz tudo por você e tenho certeza que engravidar “de você” é um sonho pra ela. – Falou sorrindo e eu fiquei completamente animada com a imagem dela toda linda gravida, toda babona. – Agora para de babar e viajar nas ideias e vai toma um banho. – Disse me acordando para a realidade e terminei de tomar meu café da manha para ir tomar um banho rápido, pois já estava atrasada o suficiente.

Clara: Onde esta o Junior? – Perguntei assim que cheguei à sala e vi todos prontos me esperando.

Van: Esta nos esperando lá em baixo, vamos? – Perguntou animada e eu assenti tomando a chave do carro de sua mão. – Hei. – Falou igual criança quando perdi o doce.

Clara: Nem vem Vanessa, eu vou dirigindo e você vai caladinha do meu lado. – Disse tentando manter a seriedade ao ver o enorme bico que ela fez. – Amor nem começa. – Falei rindo lhe dando um selinho e fomos para o elevador.

Van: Eu quero milk-shake de Ovomaltine. – Falou com voz de criança e Max assim que ouviu o que ela tinha falado começou a dar seus gritinhos de felicidade.

Clara: Meu Deus eu tenho dois filhos agora. – Falei rindo e Thais me olhou de canto de olho. – Tenho que esperar ela crescer pra falar com ela. – Aproveitei a felicidade de Van com Max pelo milk-shake para falar no ouvido de Thais sem que ninguém visse.

Thais: Boa sorte. – Falou sorrindo e descemos do elevador. – Nos encontramos na ONG. – Disse subindo na moto com May e eu apenas assenti enquanto Van colocava nosso pequeno na cadeirinha.

Van: Eu quero milk-shake do Bob’s. – Pediu assim que eu dei partida no carro.

Clara: Mais algum pedido madame? – Perguntei rindo.

Van: Por enquanto não, vou pensar nisso. – Respondeu me dando um beijo na bochecha e eu neguei com a cabeça indo à direção no Bob’s.

youtube

슈퍼주니어 데뷔 10주년 축하 메시지 by SMTOWN

Happy 10th Anniversary SUPER JUNIOR!
BoA, MAX, GIRLS’ GENERATION, SHINee, f(x), EXO, Red Velvet and other SMTOWN families sent heartwarming messages to SUPER JUNIOR. Check it out now!
Congratulations again SUPER JUNIOR!!

Capitulo 11

Um lindo dia estava nascendo, o sol invadia o quarto com todas as forças e Max já estava despertando, olhei no relógio 8:30, ainda era cedo eu gostaria de ficar ali na cama diferente de Max que ao acordar já estava pronto para uma festa. Decidi naquela manhã ir ao  parque e sentar com meu filho aproveitando o dia. Max já estava pulando na cama, ele estava animado antes mesmo de saber que iria passear. Levantamos e fomos para o cozinha, como sempre minha mãe já havia feito o café. Eu a chamei para irmos conosco, mas ela já tinha compromissos iria  a feira e encontrar algumas amigas. Aquele dia também ia ser o seu dia de folga de Max, querendo ou não Max dava muito trabalho a ela que já estava com uma certa idade avançada para cuidar de uma criança com tanta energia como o Max.

Arrumei algumas coisas e coloquei tudo em uma bolsa grande, iriamos tomar café no parque. Esse parque não era muito longe da casa da minha mãe, eu me lembro bem que antes dos meus pais divorciarem, nós iriamos a ele tomar café da manha, como estava fazendo com o Max. Eram boas lembranças, a minha infância era um motivo de orgulho para mim, que fui tão bem criada por meu pai e minha mãe. Eu não queria fazer Max passar por momentos sem uma família unida, mas eu não tive culpa se Greg era um estupido e não deu a valor a família enquanto tinha tempo, agora já era tarde.

O parque estava bem movimentado, escolhi uma sombra forrei uma toalha e sentamos ali, Max estava tão feliz que não conseguia ficar parado um minuto, sempre correndo, pulando, saltitando, ele rolava no chão eu não estava me importando se ele iria se sujar ou não, ele tinha que passar por aquilo, era importante ele ser livre para se divertir ao seu modo.

Comecei a observar as famílias ali que tiveram a mesma ideia que eu,  algumas eram pais e filhos, outros eram casais e alguns grupos grandes de amigos, atentamente percebi que todos estavam felizes e estavam compartilhando algo com os outros, ao longe percebi Vitor no quiosque comprando agua, me perguntei o que ele estava fazendo ali, o segui com os olhos para saber aonde ele iria se sentar.

Ele caminhou alguns passos e logo se sentou no chão entregando uma garrafa de agua a uma mulher loira, apresentava ter mais idade, poderia ser sua mãe. Eu ainda estava olhando, estava curiosa, havia mais uma pessoa com eles, uma mulher a minha curiosidade aumentou, procurei uma melhor visão  e não acreditei no que meus olhos estavam vendo era Vanessa. Meu corpo gelou por alguns segundos eu não poderia acreditar, ela voltou com ele e não me disse nada.  Gostaria que tudo aquilo fosse mentira, que aquela não fosse ela. Eu não estava enganada, era  mesmo Vanessa e ela estava com ele em um talvez possível passeio romântico de reconciliação, o cara que ela disse que não queria nada, que não ficaria nunca mais. Naquele momento o meu coração estava apertado, me faltou o ar por alguns segundo, notei que não estava respirando. Aquela tristeza tomava conta de mim, senti que tudo que eu sentia por ela era em vão, nada apenas só sentido por mim. Meus olhos inundaram em lágrimas, eu estava tão magoada, todo meu corpo estava negando o que meus olhos havia visto, eu não queria acreditar.. A paixão que eu sentia, era somente minha, ela não estava interessada e ponto. Mas como se diz isso ao coração, e a cada segundo eu me sentia mais tola no meio daquela situação, um nada perto dela, uma pessoa sem importância, que ela só ficou com pena e resolveu ajudar. Vanessa estava livre ela faria o que quisesse de sua vida, não me devia nada, se ela quisesse voltar com ele, voltaria, eu não poderia cobrar nada dela. E quem seria a mulher com eles? Provavelmente seria a mãe de Vanessa, um passeio de comemoração. Eu não estava aguentado mais aquele martírio, peguei Max e fui direto pra casa, as lagrimas não paravam, e a dor no peito e a tristeza só havia aumentado. Eu entendia, estava apaixonada e quando se ama, você não tem controle sobre os sentimentos, você apenas engole a tristeza e segue a vida, era o que eu faria.

Cheguei em casa, as lágrimas haviam cessado mas a dor no peito ainda permanecia firme. Eu dei um banho em Max e o fiz dormir. Aproveitei e deitei ao seu lado, tentando entender tudo que se passou. Não demorou muito para as lágrimas voltarem e meu rosto estava derretido novamente.

Não passou muito tempo, ouvi o celular tocando, era Vanessa. Eu não queria atende-la não queria ouvi-lá afirmar o que eu tinha visto algumas horas atrás. Ela insistiu mais algumas vezes eu continuei irredutível e não a atendi. Alguns segundo depois, o celular acusa mensagem, era Vanessa de novo. Ela provavelmente gostaria de contar a novidade, abri a mensagem nela dizia: -“ Oiiii, tudo bem ? porque não me atende ? aconteceu alguma coisa ? “

Eram muitas perguntas em uma só frase, ela estava preocupada afinal de tudo nós eramos amigas, mas pra mim era muito mais que isso, eu estava a amando.  Eu decidi responder, para acabar logo com a conversa.

- “ Não é nada, só estou na minha” – Ela não demorou um segundo para responder.

-“ O que houve ? “ – é claro que eu não iria falar estou triste porque você voltou com o seu ex alias que é o meu chefe cara de cú, ah outra coisa eu só estou morrendo de ódio de vocês dois. Não poderia dizer.

- “Não é nada, relaxa.”

- “Clara me diz agora, o que aconteceu ou eu vou ai te forçar a falar.” – definitivamente eu não queria ver Vanessa ali jogando na minha cara as verdades que eu já sabia.

- “ É sério, não é nada eu não quero falar, só me deixa aqui quietinha.” – eu não iria dizer e eu não gostaria de vê-la estava muito magoada.

- “ Blz” – foi a ultima coisa que ela disse, eu acreditei que a tinha convencido a me deixar ali em paz.

Infelizmente estava enganada, após exatos vinte minutos ouvi uma buzina na frente de casa, não estava acreditando visita aquela hora eu não estava afim de receber ninguém.  Iria despachar logo, abri a porta e dei de cara com Vanessa no portão. Ela me olhava com um sorriso no rosto, e eu ainda com lágrimas no rosto as sequei e a fui receber contra minha vontade. Logo quando ela percebeu que eu estava chorando, notei um ar de preocupação em seu rosto. Ela não iria embora, pela sua expressão ia fazer de tudo para descobrir o porque que eu estava tão triste, não queria falar nada do que vi no parque, eu não estava nem um pouco afim de falar sobre ela e Vitor, sobre sua reconciliação e o passeio romântico eu só queria paz.

Capítulo 24

Eu mal pude abraçar May direito, porque Max logo começou a dar pequenos gritos e se jogou no colo de sua tia May, ela estava tão feliz quanto nos dois.

“Eu pensei que esse menino nem ia me reconhecer”

“Deixa de ser idiota, ele te reconheceu no Skype, não ia te reconhecer pessoalmente?” Eu olhei em volta e vi que Van não estava com a gente, me virei e vi que ela ainda estava sentada e observava a cena, eu sorri para ela e fiz um gesto para ela vir, Vanessa apenas balançou a cabeça dizendo não, eu entendi que ela não queria atrapalhar meu momento com minha amiga, porém eu queria ela ao meu lado para compartilhar aquele momento comigo “Vem May, eu tenho que te apresentar a uma pessoa” Segurei May pela braço e fui puxando ela até Vanessa, que ao ver a gente se aproximando, se levantou com um sorriso educado.

“May, essa é Vanessa” Mayara sorriu e foi cumprimentar Vanessa com dois beijos no rosto, como costume carioca, Max ao se vê perto de Vanessa, devido a estar no colo de May, simplesmente a segurou pelo pescoço fazendo ela o colocar no colo e nós três rimos dele.

“Você é a famosa Vanessa, Clara sempre fala de você”

“Mano, Clara mente muito, não acredite no que ela diz”

“Mas ela diz coisas boas”

“Então acredite menos ainda” May riu do humor de Vanessa e eu fiquei feliz delas estarem se dando bem, eu já tinha observado o quanto Vanessa as vezes podia ser introspectiva, era animador ver que ela estava solta com May.

“Clara te colocou de castigo e te fez vir me buscar?”

“Quase isso, to aqui a mais de uma hora”

“Isso é um complô contra mim é? Porque se sim, podem avisar que eu vou embora” Falei me fazendo de ofendida.

“É uma rainha do drama” May disse.

“É uma vagabunda” Vanessa concluiu.

Eu não podia estar mais feliz, minhas duas amigas juntas e se dando bem, era um daqueles momentos que nada mais importava no mundo, porque tudo que eu precisava estava ali.

Vanessa colocou Max no chão e como tinha virado hábito, ele ficou no meio dando a mão para nos duas, May foi empurrando o carrinho com suas malas, quando chegamos no carro Vanessa destravou o veiculo e enquanto eu ajudava a colocar as malas no bagageiro, Van colocou Max na cadeirinha. Resolvemos ir no shopping para que May pudesse arrumar um chip e franquia nacional para seu celular e ainda poderíamos comer algo por lá, já que minha amiga parecia estar morrendo de fome. O caminho seguiu com assuntos leves, como o voo e sobre os Estados Unidos, acho que todas as três queríamos chegar no mesmo assunto, porém era cedo para isso.

“Você tem uma ONG, né? Eu quero ir lá, amo animais”

“Você pode ir quando quiser, vai ser bem vinda”

“Clara me disse que está indo lá ajudar na ONG”

“Sim, mas ela atrapalhar mais do que ajuda” Vanessa desviou por uns instante o olhar da estrada e me olhou fazendo sua fofa careta, aonde ela franzia o nariz de forma engraçada e doce.

“Aquele lugar já não seria mais o mesmo sem minhas trapalhadas” Foi a única defesa que eu consegue elaborar, porque sim, eu era ciente da minha falta de habilidade por lá, embora o Bazar estava indo para frente.

Chegamos no shopping e May quis ir comer antes de qualquer coisa, era algo sobre voo longo e ela não consegui comer no avião, Vanessa e eu apenas nos limitamos a um copo de suco, enquanto ela comia uma refeição e  Max bebia um chocolate gelado, Max tentava beber sozinho, segurando o copo em cima da mesa e tomando no canudo, ele estava indo bem e já tinha tomado a metade quando o copo virou e derramou tudo em cima de sua roupa. O choro agudo mostrou seu desespero e frustração, Vanessa foi a primeira a se levantar e o ajudar, a verdade é que sempre que ela estava com Max, ela que o cuidava, até mesmo porque muita das vezes quando eu tentava ele fazia manha e se jogava para Vanessa.

“Não chora meu amor, a gente compra outro pra você” Ela secou as lágrimas dele “Vamos no banheiro se limpar e depois a gente toma outro copo, ta bom?” Ela o tirou da cadeirinha e levou ele para o banheiro, eu como sempre não me metia na interação deles. Ambos sabiam lidar um com o outro sozinho.

Foi só ela sai que May me olhou de forma estranha.

“Que foi?” Perguntei sem entender nada.

“Eu aprovo”

“Aprova o que sua doida?”

“Sua namorada. Vanessa é boa com Max, é bonita e gosta realmente de você, o modo que ela te olha é único, essa menina realmente te ama e ama seu filho tanto quanto, por isso eu simplesmente aprovo.”

‘Por que todo mundo acha que somos namoradas? O modo que ela me olha? Me ama? Vanessa me ama?’

Aquelas palavras de May ecoaram na minha cabeça e fizeram minha mente sai do meu corpo e vagar sobre aquelas palavras. Namorada? Amor? Vanessa? Nada fazia sentindo ao mesmo tempo em que tudo fazia sentindo. Porém como se lida com tudo aquilo?

Capítulo 17.

Clara abriu os olhos e estava de frente pra Vanessa, elas estavam com os braços e as pernas cruzadas, os rostos bem próximos, e ao fundo o som ainda estava ligado e tocava Is this love – Whitesnake. Clara deu uns beijos na testa e no nariz da Van e ela foi abrindo os olhos, e ao lembrar de tudo o sorriso surgiu denunciou a felicidade. Clara dizia junto com a música baixinho…

I can feel my love for you

Growing stronger day by day

And I can’t wait to see you again

So I can hold you in my arms”

Vanessa sorria, a voz de Clara era linda, caia bem aos ouvidos dela, qualquer hora do dia era bom ouvir ela falando, cantando, nossa, ela gemendo era uma loucura, as mãos e as vontades foram falando mais alto, o tesão só de sentir o corpo quente uma da outra aumentava mais e mais, o sexo pela manhã é tão bom, e elas aproveitaram o bom dia para se amarem novamente.

Vanessa: Assim a gente nunca vai sair daqui.

Clara: Você pode passar o dia inteiro aqui?

Vanessa: Ah, Clara, tem o Max, você tem que pegar ele…

Clara: Eu já combinei com minha mãe, ela vem deixar ele aqui umas 11h.

A campainha toca.

Vanessa: Já são 11h?!

Clara: Não é ele, é outra coisa que eu também já tinha combinado, não se levanta, fica ai!

Clara que estava nua, pegou uma blusa grande, vestiu e foi receber, voltou com uma cesta de café da manhã.

Vanessa: Cê tá de brincadeira, né?!

Clara: A gente vai ficar hoje o dia todo de preguicinha, o que acha?!

Vanessa: Já encomendou almoço e jantar também?!

Clara: Almoço sim, mas, o jantar pensei só em uma pizza mesmo.

Vanessa sorriu dos planos de Clara, eram simples e não exigiam muito, só ficariam ali, o dia inteiro deitadas, mas ela tava amando tudo. Elas comeram, tomaram banho e vestiram pijamas, deitaram e Clara botou o pen drive na tv com várias opções de filmes e séries.

Clara: Meu, cê tem que assistir Orange is the new black. Ah, mas antes vamos assistir Lost Boys! Melhor filmeeee, certeza!

Vanessa: Mano, decide e coloca, eu não tenho outra opção mesmo.

Clara colocou o filme e elas ficaram lá abraçadinhas e assistindo, vez ou outra Vanessa se afastava pra desgrudar, mas não durava muito e logo ela tava lá de novo agarrada em Clara. Dona Rosângela como combinou com Clara deixou Max, quando Van viu ele, ela enlouqueceu, abraçou e beijou, puxou ele pra cama, ela tava morrendo de saudades. Já tinha terminado o filme que elas tinham colocado e decidiram botar procurando nemo pro Max ficar ali com elas, Vanessa que trocou os braços de Clara por Max se empolgou com o filme junto com ele. Clara sempre gostava de ver eles dois juntos, tinham uma sintonia boa, Max era o que mais importava na vida dela, ele era em primeiro lugar sempre, e saber que Vanessa tinha ele como filho, completava tudo na relação delas.

Clara se desligou um pouco da tv e foi olhar o celular.

**Whatsapp**

May: Notícias?!

Clara: Deu bom!!

May: aaaah que bom!

Clara: Hoje vamos aproveitar o dia inteiro, decretei o dia da preguiça!

May: Louca! Aproveiteeeem!

**Fim da conversa**

Júnior: Clarinhaaaa

Clara: Oii Jú!

Júnior: Esqueceu que tem irmão?

Clara: A gente se desencontra muito, meu! Quando eu tô na mãe, você não ta!

Júnior: Vamos pra um barzinho comigo hoje?

Clara: Ah, Jú, hoje não dá, mas quinta vou tocar, quando eu acabar nos enchemos a cara, beleza?!

Júnior: Tá bom, fechado! Vai dar bom, hein!

**Fim da conversa**

Clara olhou, Vanessa e Max cochilaram, ela se levantou pra ir receber o almoço. Aprontou tudo na mesa e foi acordar a Van. Elas almoçaram, ora ou outra sorriam, estavam muito felizes, é como se elas estivessem desligadas do mundo, dos problemas. Estavam dando uma chance pro dia ser bom e só, era tipo 24h de amor.

Mais uma vez se deitaram e voltaram aos filmes, logo anoiteceu e Max tava uma pilha. Elas foram obrigadas a trocar o quarto pela sala para brincar com Max. O interfone toca e Clara vai atender.

Porteiro: Dona Clara, tem duas moças aqui, é… Mayra e Thais…

Clara: Tá, pode deixar entrar.

Clara chegou na sala e disse pra Vanessa, não demorou muito e as meninas já estavam na porta.

May e Thais: Surpresaaaa!

Thais: É aqui que é a reunião do sapabonde hoje?!

Todas gargalharam, as meninas traziam pizzas e refrigerantes, anunciaram a surpresa como comemoração de ter dado tudo certo pra elas. Ficaram lá aproveitando o fim de noite, com Max sendo o centro das atenções fazendo palhaçadas.

Sera que é erro meu?
  • A tempo que você e Luan estavam se estranhando, ele sempre carinhoso tentando fazer a relação relaxar, ficar de boa com você mas você era turrona não queria fingir que estava tudo prestes a acabar, você achava que não amava mais Luan, que tudo tinha acabado, mas terminar 5 anos de casamento não é tão fácil assim.
  • Luan: Hoje tem jantar na casa dos meus pais.
  • Você: Em comemoração de que?
  • Você estava no sofá foleando uma revista.
  • Luan: Boudas de prata deles.
  • Você: Atá...
  • Luan: Seus pais vão estar la, convidaram muita gente.
  • Você: Ah sim, vou tomar banho e me arrumar.
  • Você se levanta e sobe pro quarto, e Luan fica sentado na sala pensando. Assim que você entra no quarto se encosta na parede e inspira fundo. Logo você vai pro banho, depois de algum tempo assim que você sai do banheiro Luan entra. Você se arruma e logo depois Luan.
  • Luan: Ta pronta?
  • Ele vestia uma calça branca, uma blusa rosa escura e um blazer preto e calçava um coturno preto. E você um vestido prata com um decote em coração de tuli, calçava um scarpan preto sem detalhes.
  • Você: sim..
  • Luan: Você cortou o cabelo?
  • Você: cortei, porque?
  • Luan: Ficou linda!
  • Você: Obrigada ~seca~ vamos!
  • Vocês então vão para a casa dos pais de Luan, chegando na mesma vocês se separam, você vai conversar com as mulheres e Luan com os homens.
  • Bruna: Uau.... que linda!
  • Você: Obrigada ~sorri~
  • Camila: Ta tudo bem seu apelido?
  • Você: ta sim... só estou um pouco cansada.
  • Camila: Ah ta...
  • - do outro lado -
  • Max: E ai Luan!!!!!
  • Luan: Falaaaa.. ~sorri e aperta a mão dele~
  • Max: Ta tudo bem? cadê a seu nome?
  • Luan: To indo... ta la com as muié.
  • Max: ~risos~ sempre quando tem festa, elas se juntam!
  • Luan: Pois é... por as fofoca em dia! ~risos~
  • Max: Tem certeza que ta bem?
  • Luan: Tenho boizera ~sorri~ só to cansado.
  • Max: A noite foi boa ~risos~ brincadeira.
  • Luan: Antes fosse ~risos~ mas né não.. é vou ali cumprimentar meus pais....
  • Enfim chega a hora do jantar, você se senta do lado do Luan.
  • Luan: depois daqui quer ir pra algum lugar?
  • Você: Não...
  • Luan: tem certeza?
  • Você: Tenho Luan, eu quero ir pra casa, tudo bem?
  • Luan: Ta seu nome, ta, vamos pra casa!
  • Na hora do jantar todos fazem os brindes comemoram e se divertem, você nem olhava direito para Luan.
  • No finalzinho da noite Bruna chama Luan no quarto dela.
  • Luan: Oi..
  • Bruna: pode contando!
  • Luan: contando oque piroca?
  • Bruna: oque ta acontecendo com você e com a seu nome, que clima mais chato de vocês dois na hora do jantar!
  • Luan: é...
  • Bruna: Fala logo!
  • Luan: Não ta dando mais certo piroca, ela não me ama mais
  • Nisso o Luan começa a chorar..
  • Luan: Eu não sei mais oque fazer, eu sempre faço de tudo pra ficarmos de boa, mas ela sempre ta na defensiva, nunca abre espaço pra gente... não demonstra mais carinho, ~chora~ acho que é o fim.
  • Bruna o abraça e ele chora.
  • Bruna: calma pi, conversa com ela hoje quando chegarem em casa, eu tenho certeza que ... ela te ama, alias tenho certeza absoluta, confia em mim tudo vai se resolver.
  • Luan: de hoje não vai passar... ~beija o rosto dela~vem vamos descer.
  • Luan limpa o rosto e eles descem.
  • Você estava procurando por Luan, pois ele havia sumido, e por coincidência uma amiga da Bruna que dava em cima de Luan também, você ja estava se mordendo de ciumes. Assim que Luan chega na sala você vai até ele.
  • Você: Onde você tava?
  • Luan: tava la em cima!
  • Você: com quem Luan Rafael?
  • Quando Luan ia dizer você vê a garota descendo as escadas com um primo do Luan, abraçadinha, Luan olha pra trás e você a garota te olha de volta e sorri.
  • Luan: Com a Bruna.... porque ciumes? ~sorri~
  • Você: Vê lá e se eu vou ta com ciumes... só te chamei porque quero ir embora.
  • Luan: Sei ~sorri~ ta bom vamos.
  • Vocês se despedem e vão embora, no caminho ambos não dão se quer uma palavra. Chegando em casa você vai entrando nem espera Luan e sobe pro quarto. Luan decidido a esclarecer tudo sobe atrás de você.
  • Luan: Eu já larguei de lado todo o meu orgulho, passei por cima de tudo pra te agradar.
  • Você: Do que cê ta falando?
  • Luan: Seu nome, eu me moldei pensando no nosso futuro, mas no presente você não quer me aceitar.
  • Você: Para de ser tosco Luan!
  • Luan: Ta vendo? porque sera, que você só encher os meus defeitos? porque sera que eu ainda não tenho seu respeito?
  • Você: Ja parou?
  • Luan: ESCUTA! ~solta um grito que você se assusta~ SERA QUE É ERRO MEU DIZER QUE EU TE AMO O ANO INTEIRO? TE ELOGIAR QUANDO CORTA O CABELO? FAZER DE TUDO POR VOCÊ E EU SERA QUE ESSE É O ERRO MEU? SERA QUE É ERRO MEU DIZER QUE QUANDO ACORDA ESTA TÃO LINDA, RECONHECER QUE VOCÊ SEU NOME É A MULHER DA MINHA VIDA, ACREDITAR QUE O NOSSO AMOR NÃO FOI EM VÃO E NÃO MORREU? ~suspira~ sera que esse é o erro meu?
  • Você estava chorando e olhando para Luan, ele pega um travesseiro e vai sando.
  • Você: Onde você vai?
  • Luan: Pro quarto de hospedes...
  • Você: Não... fica!
  • Luan: Boa noite.
  • Luan sai e deixa você chorando, a noite inteira você não pegou no sono e não conseguia parar de chorar, Luan no quarto do lado ouvia cada suspiro seu e se segurava para não chorar. Deu oito horas da manha você se levantou tomou um banho, e desceu para fazer o café da manha, você preparou tudo de mais gostoso, enfeitou a mesa e esperou Luan a descer, quando deu nove e meia ele desceu, chegando na cozinha ele te olhou perplexo.
  • Luan: Boa dia.
  • Você: Bom dia ~sorri~ é... fiz pra você. ~o olhou~
  • Luan: Ah.. valeu. Mas eu to sem fome.
  • Se vira e vai saindo. Você corre e puxa o braço dele.
  • Você: Espera.. Luan, não faz isso. A gente precisa conversar.
  • Luan: Precisamos? eu já falei tudo que tinha pra falar ontem seu nome...
  • Ele se vira novamente.
  • Você: TÁ, EU SEI QUE ERREI, E TO TENTANDO REPARAR O QUE EU FIZ, EU ... EU ESTAVA COM PARANOIAS ACHAVA QUE EU NÃO ERA PRA VOCÊ QUE VOCÊ NÃO ERA PRA MIM, QUE O CASAMENTO ESTAVA ESFRIANDO, MAS EU ERREI, COM OQUE VOCÊ ME DISSE EU PERCEBI O MARIDO MARAVILHOSO QUE EU TENHO, E QUE MILHARES DE MULHERES QUERIAM ESTAR NO MEU LUGAR, EU TE AMO LUAN, EU ADMITO QUE EU ERREI E QUERO PODER RECOMEÇAR COM VOCÊ, TE FAZER FELIZ DE NOVO. ~você estava chorando~
  • Luan ainda estava de costas ele sorria, logo ele se virou e te fitou./
  • Você: Você não vai falar nada?
  • Luan: pra que? você já disse tudo.
  • Você: Mas...
  • Luan: Seu não te amasse eu já teria te deixado seu nome, eu não me permitia desistir de nós dois, eu amo você demais pra isso.
  • Você: Então você me perdoa?
  • Luan: Perdoo ~sorri~
  • Você corre até e o beija intensamente.
  • Você: vem vamos tomar café.
  • Luan: Não.
  • Você: Am?
  • Luan: Vamos fazer outra coisa primeiro ~sorri~
  • Ele te pega no colo e vocês vão para o quarto e fazem amor por horas e horas, depois descem e vão tomar café.
  • (FIM)