mastroleo

“Noi ci allontaniamo e il tempo passa e ci dimentichiamo di sentirci, perché succedono altre cose e piano piano tutto sbiadisce e rimane solo questa sensazione di malinconia per aver lasciato cadere una cosa bella, averla fatta appassire solo per incuria, per distrazione, per aver pensato ‘beh, lo faccio stasera oppure lo farà lei o, insomma, qualcosa succederà’.
E invece poi non succede mai niente, tutto viene dimenticato e l’ultima cosa che penso, in quel sogno, è sempre: 'che peccato, ho perso qualcosa di bello e non ricordo più cos’è’.

~Mastroleo - Sogno numero uno

ARTIGOS: Artigos Filosóficos-Científicos - Instituto Espírita de Estudos Filosóficos

Bergson e a Filosofia Espírita

Autor: Dora Incontri

Algumas concepções bergsonianas se aproximam do Espiritismo e outras encontram nele uma interpretação bastante plausível, o que nos leva a uma pista dessa conexão existente entre a Filosofia de Bergson e os fenômenos psíquicos, abstraindo-nos naturalmente nessas considerações, das influências ideológicas comuns, refletidas em ambas as correntes.

Relações entre física quântica e Espiritismo elas de fato existem?

Autor: Ricardo C. Mastroleo

O corpo da Doutrina Espírita, por sua vez, encontra-se totalmente adequado aos desafios que quaisquer investigações científicas lhe sejam impostos, pois seus sólidos alicerces científicos formam a base de uma teoria Espírita que se enquadra perfeitamente dentro da visão moderna da epistemologia da ciência.

A Origem da Vida – Correlações com a Doutrina Espírita

Autor: Ana Maria R. Catalano

Para apreender a realidade metafísica subjacente aos seres do Universo, é preciso ir além das proteínas, além das moléculas, além dos átomos e das partículas subatômicas constituintes da matéria, ir além inclusive da nossa concepção de espaço-tempo, ou seja: é preciso remontar à “causa primária de todas as coisas.

Santo Agostinho e o Autoconhecimento

Autor: Astrid Sayegh

Toda a trajetória humana consiste em uma busca progressiva de respostas, na qual o homem procura superar a si mesmo em meio aos conflitos existenciais em direção à almejada verdade libertadora. Efetivamente, importa em um primeiro momento questionar: como se chegar a essa verdade? E ainda, o que é a verdade?

Século XIX – Um berço para a Doutrina dos Espíritos

Autor: Dilermano Massei

Ao iniciarmos este estudo, pontuamos que no século XIX todos os setores das atividades humanas passavam por uma efusão evolucionista, conjugada com sistemas de ideias voltadas para a melhoria social, e a culminância de uma era de desenvolvimento científico baseado no método científico experimental para o conhecimento. Entre os sistemas doutrinários que surgiram nesta época e contexto está o Espiritismo. Aqui se quer mostrar sob que condições, tempo e lugar nasceu uma doutrina que conjuga o pensamento de uma época de buscas de soluções para o quadro de necessidades humanas, as quais estão relacionadas com o progresso moral do homem.

O Cérebro e a Mente

Autor: David V. Monducci

A última década do século XX foi denominada de “a década do cérebro” pelos neurocientistas. Profissionais que se dedicam ao estudo das neurociências irmanaram-se em um objetivo comum na tentativa de melhor compreender como o nosso cérebro funciona. Como conseqüência desse trabalhos reacendeu-se as discussões em torno da nossa consciência ou mente.

“A Ciência confirma Espiritismo” (sic)

Autor: Ana Maria R. Catalano

Tornou-se lugar comum no meio espírita a afirmação, um tanto quanto temerária, de que os avanços científicos e tecnológicos vêm comprovar a veracidade dos fenômenos espíritas, como se estes necessitassem de tais avanços para sua comprovação. Existem vários aspectos que podem ser levantados sobre esta questão, mas ressaltaremos apenas dois, por considerá-los mais oportunos e adequados à nossa proposição.

Epicteto e a paixão no coração do pensamento

Autor: Antonio Carlos Tarquínio

A Doutrina estóica antiga situou no coração do homem o coração da vida. Epicteto, longe de pregar a insensibilidade, aconselha a vigilância constante e incansável do sentimento a fim de que se não seja levado de roldão pelo vórtice das impressões.

Atualizar Kardec…

Autor: Cláudio Guimarães

Ultimamente temos observado que o estudo sistemático do Espiritismo exige atenção especial à questão da definição de termos abordada em tratados de Metodologia Científica. Temos nos deparado com discussões acaloradas sobre determinados assuntos e, passado algum tempo, chega-se à conclusão de que as pessoas estão de acordo sobre os conceitos mas as palavras foram mal empregadas, ou os conceitos foram deturpados pela temporalidade dos termos.

“TEORIAS Espíritas e Rigor Científico”

Autor: Astrid Sayegh

Mesmo diante de novas teorias e o avanço vertiginoso da Ciência Moderna, os alicerces da Doutrina dos Espíritos permanecem inabaláveis. Mais do que isso, tudo parece convergir no pensamento atual para a comprovação da legitimidade da obra de Allan Kardec. Diante desse panorama positivo, importa, no entanto, que qualquer teoria que se pretenda científica em nome da Doutrina dos Espíritos seja submetida à prova quanto a sua legitimidade. Faz-se necessário submetê-la aos critérios e rigor metódico, pois Espiritismo não é uma questão de pontos de vista ou ideias do senso comum, mas uma ciência rigorosa que possui um corpo de conhecimento coeso, e que enquanto tal pressupõe uma reflexão empreendida com seriedade e precisão.

A Intuição Fenomenológica como Método de Conhecimento no Século XX

Autor: Maria Alba Cincotto

A relação entre sujeito e objeto, seja ele real ou abstrato, resulta em apreensão do objeto segundo um juízo, arquivado em sua memória como conhecimento. À medida que o seu conhecimento evolui é natural que ele tenda para uma generalização, ou melhor, uma síntese desse conhecimento. No entanto, para o filósofo, cada etapa de conhecimento atingido não o satisfaz, sendo próprio do seu espírito inquieto a busca incessante de uma verdade, naquilo que ela pode trazer de universal.

O conceito de Deus na doutrina espírita à luz do pensamento Aristotélico

Autor: Maria Alba Cincotto

Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica que cada filósofo apresentou o seu conceito sobre a divindade, conceito que, naturalmente, evoluiu ao longo dos séculos.

É possível estudar científicamente a vida após a morte?

Autor: Eduardo André R. de Lima

Análise Filosófica à pergunta Espiritismo é religião?

Autor: Lindemberg Jackson Sousa de Castro

A questão da tradução na exegese espírita

Autor: José Márcio de Almeida