lugares legais

Às vezes a gente acha que todo mundo está bem, só a gente que está totalmente mal. Não é assim que acontece de verdade, todo mundo está mal. Não é só você, seus amigos estão mal, seus primos estão mal, seus pais estão mal também, eu estou mal, os amigos dos seus amigos estão mal, primos dos seus amigos estão mal. Está todo mundo mal, não tem ninguém bem. Mas o Facebook não diz isso pra gente. O que o Facebook diz: que as pessoas estão comendo comidas gostosas, que estão viajando pra lugares legais, que as pessoas são sempre bonitas em todas as fotos… que as pessoas amam umas as outras quando na verdade, muitas vezes, isso não é verdade.
—  Jout Jout. 
Capítulo  40 - City of Angels parte 1

- Finalmente Senhor – disse a loirinha assim que começou a andar pelo aeroporto de Los Angeles puxando sua mala – Não suportava ficar mais naquele avião.

- Devo admitir que eu também não – continuou Vanessa.

- Preciso de uma cama – continuaram andando até a saída – TÁXI…


No táxi foram conversando trivialidades sobre a cidade que a Clara amava e a morena desconhecia, com a promessa que a DJ apresentaria os lugares mais legais, para aquela nova visitante, entre uma gravação em estúdio e outra. Chegaram ao hotel localizado na orla da praia de Santa Monica por volta das 6 da manha, e já na entrada os “problemas” começaram.

- Senhorita Aguilar, já chequei 3 vezes. A reserva é de um quarto de casal.

- Droga – suspirou irritada – Podia jurar que tinham reservado dois quarto… espera só um segundinho – se retirou e foi falar com a segurança que acompanhava tudo de longe sentada nos sofás do hall de entrada – Vanessa, é… temos um pequeno problema…

- E qual seria? – levantou uma sobrancelha.

- Bom é que eu achei que tinham reservado dois quartos, mas a gravadora colocou um só de casal para mim e William dividir… eu tentei mudar isso agora, mas parece que vai rolar um festival na praia e tá tudo reservado… tipo você se importa se dividirmos?

- Por mim – deu de ombros – Mas… você tem certeza? Não vai querer um pouco de privacidade?

- Não, por mim tudo bem também – disse calma – Vou lá dar entrada então.

Subiram para o quarto, deixaram suas malas em algum canto e finalmente deitaram para relaxar da longa viagem por algumas horinhas.  Quando acordaram desceram para almoçar no restaurante do hotel.

- Hum… – chamou atenção da morena enquanto terminava de engolir seu peixe grelhado – Eu tava pensando em alugar um carro ao invés de ficar pagando táxi. O que você acha?

- Bom… em questão de segurança aqui a quilômetros do Brasil, tanto faz. Agora em relação à economia tenho nenhuma ideia, eu não conheço nada aqui né Clara.

- Verdade… acho que vou pegar  um carro então… mais pratico – sorriu – Ai que demais tava com saudades de dirigir por aqui… vou te levar para um role de carro da hora, vamos tirar onda de conversível – disse animada.

- Tem certeza que você veio a trabalho? Isso tá parecendo férias – implicou em um tom jocoso com a loirinha.

- Não corta meu barato sua chata – riram – Vamos aproveitar esse domingão de verão. Hoje vamos dá uns role e jantar com meu irmão. Amanha entro em estúdio, depois quarta, quinta e sexto direto. E finalmente um sábado pra curtir todinho – bateu palmas – Mano vou ser sua guia turística.

- Você sabe que ainda estou a trabalho, certo?

- Certíssimo minha cara Van… porém vou te arrastar pra passear mesmo assim. Até porque descobri ontem que certa pessoa ama desenho e por acaso tem uma Disney aqui também.

- Mentira mano?! – falou com os olhos brilhando.

- Sério! Depois te levo lá, mas hoje vamos passear de carro.  

A segurança concordou e depois do almoço subiram pra se arrumar. Vanessa decidiu ir tomar banho na frente enquanto Clara mandava mensagem pra família avisando que tinha chegado e para William falando do problema com o hotel. Alguns minutos depois a segurança saiu do banheiro e a loirinha entrou e permaneceu por um tempo. A DJ tinha acabado de fechar o registro do chuveiro quando escutou seu celular tocando no quarto. Bufou por não ter trago ele para o banheiro, se enrolou o mais rápido que pode na toalha e saiu pingando atrás do bendito celular. O chip já era do número americano dela e certamente a ligação era da gravadora ou da equipe do rapper querendo saber da sua chegada, porém algo lhe chamou mais atenção quando entrou no quarto. Vanessa apenas de lingerie terminava de passar seu creme corporal. A loirinha tinha o celular na mãos, mas os olhos ficaram perdidos no corpo moreno.

- Clara… o celular – disse a segurança quando percebeu que está sendo observada demais e a outra mulher começava a se aproximar dela.

- Esquece o celular Vanessa – Detonou a ligação deixando o aparelho largado em um canto qualquer, abrindo sua toalha de algodão e indo em direção da morena com presa.

 Vanessa deixou-se levar. Aceitou de bom agrado o beijo urgente da loirinha e suas mãos a puxando para mais perto, afinal como poderia resistir aquela mulher nua beijando-a com tanto desejo? No seu intimo o mais ela queria era Clara e as semanas sem te-la logo fizeram efeito.

O beijo se tornou mais urgente enquanto as mãos da segurança finalmente tomaram vida e passaram a deslizar impaciente pelo corpo alvo. Ainda de pé não mais resistiu e seguiu com a mao para a vagina da DJ. Clara abriu mais suas pernas quando sentiu a morena encostar, em seu nervo de prazer, sentiu algo tão intenso que teve que parar com os beijos para poder gemer.

- Hum… droga Vanessa… olha… olha como você me deixa – disse com o rosto enfiado no pescoço moreno, enquanto era estimulada vagarosamente em sua intimidade já extremamente molhada – Estava com sau..dades disso …

- Sentiu falta?

- Uhum…

- Do que sentiu falta? – Não obteve respostas. Puxou o cabelo fazendo a loirinha desgrudar de seu pescoço e olhar em seus olhos. Tirou a outra mão do clitóris e perguntou novamente para a mulher atordoada – Diz… do que você sentiu falta?  

- Aqui… – puxou a mão dela de novo ao encontro de sua intimidade – De você aqui… de você me chupado – arfou enquanto falava.

- Vem –  levou a loirinha até uma pequena mesa que ficava no quarto – Quero você aqui –   fez com que se apoiasse de bruços sobre a mesa.

Vanessa colou seu corpo no de Clara e passou a distribuir beijo, chupões e mordidas pelas costas alva, com cheirinho de banho recém tomado, enquanto segurava e brincava com seus seios. A DJ se arrepiava com o contato, mas logo pediu por mais.

- Fica assim – colocou a loirinha erguida, mas ainda se apoiando na mesa – Que eu vou te chupar bem gostoso.  

Clara obedeceu e tremeu em antecipação pelo que havia de vir, abriu mais as pernas e empinou a bunda deixando mais espaço para a morena, que já se encontrava de joelhos, fazer o que quisesse. A língua encostou-se à vagina e passou a trabalhar de maneira hábil enquanto a morena apertada a bunda pequena da mulher alva que passou a gemer com vontade ao contado.  Depois de alguns minutos ela estava quase gozando quando sentiu dois dedos pedindo passagem em sua entrada e sua coxa sendo apertada com força. Não teve como segurar, a DJ sentiu a descarga de excitação passar pelo seu corpo e seu gozou escorrer de encontro a língua afoita da segurança. Suas pernas ficaram trêmulas então jogou seu peso para a mesa a fim de se equilibrar enquanto se recuperava. Sentiu a morena subir beijando suas costas até ficarem na mesma altura e se beijarem.  Vanessa virou a loirinha pra frente para aproveitar melhor o beijo e depois de algum tempo leva-la pra cama começando tudo outra vez.


 - Va nessa… – ainda respirava com dificuldades – Você… é demais – riu e tirou os olhos do teto para por na morena ao seu lado na cama, que tinha um sorriso meio convencido no rosto.  

Ficaram em silencio enquanto Clara observava as curvas da segurança, ainda de lingerie, e seu corpo voltava a acender. Mas dessa vez queria algo diferente, porém antes de colocar suas ideias em pratica o celular voltou a tocar. Dessa vez teve que atender e minutos depois informou a segurança que teriam que ir à gravadora.

- Eu só começo a trabalhar amanha mas eles querem que eu faça um cadastro no sistema de segurança deles – bufou – Droga… vamos ter que alugar o carro agora… depois da gravadora já vamos jantar com meu irmão.  

- Tudo bem – deu de ombros.