louis

Unnamed Band

I just went on a little hunt for some context about the unnamed band after seeing @verily-i-say‘s post about a possible reality TV show being the source of the shady around the unnamed band, and noticed that in this Sugarscape article, there is a video promoting BITB and the reference at the end was for Sony Music, not Sony UK.

Additionally, when Louis was doing XFUK last year, he mentioned his imprint and working with Simon putting together a girl band.

None of this is new information, but we all know that Simon lives and breathes reality TV. Additionally, US reality TV often makes its way to the UK, but UK reality TV rarely comes to the US. 

If this is going to be a TV show, the shadiness makes sense. Provide the fandom with some hints, but not much, just enough to get us curious. Hold closed performances so that they can be filmed without giving anything away. And of course, have a Syco employee coordinating everything.

There’s also that New York Times article from 30 May talking about Simon having a new show up his sleeve that he didn’t want to say much about.

If you have brand recognition and a network that supports the show and reinvests in the show, you’ve got a real shot. But obviously with “Idol” going, it leaves a hole in the market for something new, I think. And we might have something.

Another show? Would it be a singing show?

I’m not going to give too much away. But the idea is unique. If we do make it, it’ll become clearer why it’s a good idea. It’s not a gimmick show.

I don’t personally like this explanation, I want Louis far, far away from Syco and Simon, and this does not explain why there was not even a vague mention of Louis doing A&R for Syco when he was on AGT, but at the same time, overall, it fits logically into what we know now.

So, it’s a working theory until we have more information.

Preference #9 - Você pega ele se masturbando.
  • Pedido

Alguém faz preference onde a s/n pega ele se masturbando BJ

Louis

- Fica aqui aguardando? – perguntei ao meu marido que já estava impaciente de tanto entrar e sair de lojas.

- Estou com pena de você, Louis. – minha mãe riu.

- Até eu estou com pena de mim. – ele completou. – Vou ficar lá no carro.

- Ok. Cuidado lá, você sabe…

- Assaltos. – me interrompeu. - Certo. – sorriu de canto, beijou minha boca rapidamente e foi.

Fizemos mais algumas compras e acredito que tenha totalizado uma hora. Fomos até o estacionamento e eu havia mandado uma mensagem para Louis avisando que eu estava indo e que era pra ele abrir o porta-malas e pagar o estacionamento. Estranhei por não haver resposta.

- Ai meu Deus! – minha mãe exclamou olhando admirada para a última loja, a que ficava perto do estacionamento.

- O que houve?

- (s/a), eu preciso olhar aquela poltrona. Olha aquilo, é a perfeição do sono. – falou ainda encarando o objeto.

- Tudo bem, você vai lá e eu vou até o Louis. Estou preocupada por ele não ter me respondido.

- Ok.

- Mas que porra é essa? – gritei batendo no vidro ao ver a cena. Louis abriu os olhos devagar, certamente com medo de me encarar. – Abre essa merda, Tomlinson.

- Amor?! – me olhou ainda assustado.

- Abre! – e assim ele fez. Entrei no carro enfurecida deixando as compras do lado de fora. – Estava se masturbando enquanto me esperava?

- É…

- Que droga, Louis! E se alguém visse?  E se fosse a minha mãe?

- Mas não foi!

- É assim que você pensa? – bufei. – Seu desgraçado! – estapeei-o e respirei fundo. – Em casa conversamos. E me faz o favor de pegar as compras e guardar tudo antes da minha mãe chegar.

- Sozinho?

- Sim. Você está cheio de energia aí. – dei de ombros fazendo Louis bufar e ir emburrado até as compras. Ri após ter certeza de que ele não conseguiria me ver. É cada uma!

Liam

- Tenho que ir. – anunciei recolhendo minhas coisas.

- Ah, já?

- Já! Conversamos demais e o Liam está me esperando.

- Esperando é? – Sarah riu fazendo um gesto obsceno. – Seu marido é muito gostoso, você sabe. Se fosse eu nem sairia de casa. – riu mais ainda.

- Eu sei. – ri também. – Fui.

Desci correndo e fui até meu carro. Precisava chegar o mais rápido possível em casa, pelos meus cálculos Liam estava me esperando há meia hora. Dez minutos foi o suficiente para chegar e correr pra dentro. Não só pelo fato de Liam me esperar, mas também porque o fio estava massacrando.

- Liam? – chamei após retirar os sapatos. Nada.

Andei pela cozinha, sala e varanda. Nada dele. Ouvi uns gemidos vindos do quarto e meu coração gelou. Não, não, não. Fui vagarosamente até o quarto, talvez para amenizar a dor e a ansiedade. Abri a porta com preguiça e meu coração aliviou-se ao ver Liam deitado na cama sozinho e com a mão no seu pênis. Masturbação.

- Poderia ter me esperado. – falei aproximando-me da cama.

- (s/a)… Eu… É… – tirei as roupas e subi nele.

- Normal. – ri fraco e beijei-o. – Eu te ajudo agora. – sorri assumindo o controle por ali.

Harry

- Alô? – Harry atendeu parecendo cansado.

- Ei! Tudo bem aí?

- Amor… Tudo sim. E aí?

- A mesma coisa de sempre. – peguei o elevador. – Está no seu apartamento?

- Sim. E você tá aonde?

- Estou em casa. – tive vontade de rir. – Está com algum amigo seu?

- Não, está louca?

- Por que eu estaria louca? – realmente não havia entendido.

- Nada não.

- Que barulho foi esse aí?

- Nenhum. – cortou rapidamente. – Amanhã acabam as gravações.

- Olha só amor, que maravilha. – ri abrindo a porta do seu apartamento. – Uma pena que eu já esteja aq… Uau! – arregalei os olhos ao vê-lo. – Masturbação às 14hrs, Styles? Essa é nova.

- Droga. Desculpa.

- Pelo menos você não estava aí transando com uma boneca inflável. Então está tudo bem. – pisquei pra ele. – Ou com um canhão do seu navio lá.

- Está bom, (s/n). Já entendi. – levantou-se e me abraçou. – Senti sua falta.

- Eu também. Acho que não foi só você que sentiu minha falta. – comentei fazendo-o rir.

Niall

- Vou jogar videogame. – Niall anunciou indo até o quarto.

- Ok. – falei já tendo certeza que ele não ouvia.

Passei bom tempo cozinhando e decidi levar um sanduíche para ele. Niall estava muito quieto e eu estranhei aquilo. Na verdade, o sanduíche era só um pretexto para ver o que ele fazia. E eu não aguentei e gargalhei quando vi o que ele estava fazendo. Niall estava se masturbando.

- O que… – ri. – Merda… – ri mais ainda colocando o sanduíche numa mesinha. – Você está… – continuei rindo. Jesus, por que eu tive crise de risos? Talvez pela cara de prazer esquisita que Niall esboçava. – Fazendo?

- (s/n)? – ele se recompôs.

- Meu Deus… Sua cara estava muito engraçada, você precisava ver. – não conseguia parar de rir.

- Pode parar. – revirou os olhos. – Eu estava fazendo isso que você está vendo.

- Desculpa. – fechei a boca, mas cai na gargalhada depois. – Você está muito vermelho, amor.

- Não é pra menos. – levantou-se e pegou o sanduíche que eu havia levado. – Era só isso?

Naquele dia Niall realmente havia ficado irritado com a minha crise de risos e sobrou pra mim, tive que me virar nos 30 pra fazê-lo me desculpar.

Zayn

- Meu Deus, ele é lindo! – Trisha exclamou. – Olha meu neto. – mostrou o bebê nos seus braços para uma amiga. Zayn revirou os olhos.

- O que você tem? – perguntei baixo.

- Quero ir lá pra cima com você.

- Dá pra esperar?

- Esperar o quê? O Jack está com a minha mãe e não tem mais obstáculos.

- Obstáculos? É assim que você vê seu filho?

- Não (s/a), não é assim…

- Eu não vou pra lugar algum. – cortei-o.

- Ok. – respirou fundo e levantou-se indo para o andar de cima.

Fiquei conversando as pessoas e foi impossível não sentir falta do meu marido. Subi até o seu quarto antigo e não o vi, apenas alguns de seus primos estavam lá jogando videogame. Procurei no seu banheiro pessoal e nada também. Fui até o banheiro da casa e abri a porta que estava destrancada.

- Zayn! – gritei assustada, mas logo coloquei a mão na boca e tranquei a porta. – Você está se masturbando na casa da sua mãe? E o pior, no banheiro da casa? – ele riu.

- Sabia que você viria.

- Não me respondeu.

- Eu não podia ficar no meu quarto antigo, aqueles pirralhos estão lá jogando. – me puxou para o seu colo e sentou-se comigo num canto do banheiro que tinha um banquinho, eu sabia que quem tinha colocado ali foi ele. – Agora vamos resolver aqui uma coisa.

- Sabe que não merece, não é?

- Sei. – beijou meu pescoço.

- Já é um bom começo. – ri beijando-o.

Jess