loucura e morte

A vida não é como a gente quer, nela há depressão, morte, loucura e confusão, mas também existem os momentos felizes, ainda que possam ser raros, eles existem, e são esses momentos que fazem a gente acreditar que valeu a pena ter suportado a dor, que valeu a pena não ter desistido.
—  Dan Saltzman
Precisamos conversar: Depressão e Suicídio

Eu não ia falar nada sobre isso por aqui, mas aí eu estaria indo contra a minha pessoa.
É preciso falar.
Eu, que sempre tive facilidade na escrita, tô numa corda bamba. Vamos lá.
Você já deve estar sabendo sobre o suicídio do Chester Bennington e isso me afetou de duas formas. A 1° é que esse cara fazia parte da minha família na minha cabeça. Parece que vi o meu sangue morrer junto com ele. Escutar a voz dele no momento é gatilho certo pra gaguejar de tanto choro. A 2° é que de 4 mortes que me impactaram na minha vida, esse é o segundo suicídio.
A depressão é traiçoeira, e é capaz de se fazer de amiga com a única intenção de te levar pro fundo do poço.
O que faz ela ser tão incompreendida é ela ser um monstro invisível. A sua batalha interna só é visível a aqueles que lutam dentro de si também.
Ansiedade não é querer que o final de semana chegue logo. Ansiedade é se sentir perdida, desamparada, pensamento acelerado, vozes na cabeça, tremor, angústia.
Síndrome do pânico não é neurose. SDP é achar que algo ruim está prestes a acontecer num dia lindo, é ter medo de entrar num carro, é querer gritar no vazio, é ter como duas únicas opções a loucura ou a morte.
A depressão é não ter forças pra gritar. A depressão é não se importar de entrar no carro. A depressão é acolher as vozes como velhas amigas. A depressão é não temer a loucura e nem a morte. Depressão não é tristeza. Depressão é vazio.

Vemos um show tão vazio de empatia e amor ao próximo. Parecem mais ossos cinzas fantasiados de almas cor-de-rosa. Não há como você estender a sua mão pra ajudar ao mesmo tempo que julga a dor dele, mesmo que em silêncio. Não há como você se dizer entendedor de todo esse caos e dizer que é um egoísmo. Parece que nós sabemos que vocês tiram a fantasia de alma pra dormir.
Se não há nada de bom a ser dito, não diga.
Se não há nada de bom a ser feito, não faça.
Se não há como ajudar, não atrapalhe.
É uma luta infernal diária em que não precisamos do empurrão de terceiros.
Eu, Jeniffer, não me lembro a última vez que me senti completamente eu.
É como se a minha cabeça tivesse acolhido todo esse caos e aceitado a convivência. Eu estou bem, juro, mas vivo num misto de implorar por rostos e conversas e repugnar contato humano. Eu não sou uma pessoa indecisa, eu não sou bipolar. Eu só sinto tudo, e não sinto nada. Nada.

Voltando ao geral.
Pra uma pessoa cogitar o suicídio ela precisa estar completamente baleada. Eu perdi 2 pessoas que eu amava pro suicídio e já me encontrei em situações em que eu gritei pra semi-conhecidos ajuda pra me livrar de um.
Não é egoísmo. Não é falta de Deus. Não é fraqueza.
É desespero.
É a vontade absurda de querer recomeçar a vida e saber que não pode. Querer dar reset no cérebro, nos atos, nos traumas, nos anseios, nas mágoas, nos erros.

Se você sofre, peça ajuda.
Não se envergonhe. É preciso ser dito. Está tudo bem não estar tudo bem, mas eu prometo que ficará. Comigo ficou. Se eu pude, você também pode!

Se você não sofre, fique atento.
Olhe ao redor e enxergue com os olhos da alma, você pode salvar uma vida. Não seja motivo da derramada de sangue.

Suicídio não é frescura.
É querer respirar… Calando a respiração.

Vai ficar tudo bem.

CENTRO DE VALORIZAÇÃO A VIDA: LIGUE 141

Não era amor. Aquilo era solidão e loucura, podridão e morte. Não era um caso de amor. Amor não tem nada a ver com isso. Ela era uma parasita. Ela o matou porque era uma parasita. Porque não conseguia viver sozinha. Ela o sugou como um vampiro, até a última gota, para que pudesse exibir ao mundo aquelas flores roxas e amarelas. Aquelas flores imundas. Aquelas flores nojentas. Amor não mata. Não destrói, não é assim. Aquilo era outra coisa. Aquilo é ódio.
—  Caio Fernando Abreu
Uma vitória louca, uma vitória doente. Não era amor. Aquilo era solidão e loucura, podridão e morte. Não era um caso de amor. Amor não tem nada a ver com isso. Ela era uma parasita. Ela o matou porque era uma parasita. Porque não conseguia viver sozinha. Ela o sugou como um vampiro, até a última gota, para que pudesse exibir ao mundo aquelas flores roxas e amarelas. Aquelas flores imundas. Aquelas flores nojentas. Amor não mata. Não destrói, não é assim. Aquilo era outra coisa. Aquilo é ódio.
—  Caio Fernando Abreu em “Morangos Mofados” (pag.95).
Quando você encontrar o amor. Não tente fugir, até porque é inevitável, não vai ser uma escolha sua. Mas nunca se esqueça de que a vida é uma eterna comédia de piadas sem graça.Quando você pensar que está feliz, a vida lhe acorda para um pesadelo, e é nele em que você tem que se esforçar para sonhar. A realidade só começa a fazer sentido quando você se desprende dela. A felicidade está em tudo o que é impossível, então, nunca acredite no seu limite.Procure viver na loucura e terás uma morte sã. A felicidade é tão traiçoeira quanto um dia nublado, você nunca sabe o que se esconde por detrás das nuvens, pode ser um dia ensolarado ou uma tempestade. A vida é um ciclo repetitivo de novas possibilidades, e todas vão tentar te deixar louco. Não deixe que a loucura da vida interfira na sua e lhe torne um sujeito normal.
—  Foi quando eu embriaguei pela primeira vez para me esquecer de alguém. Só hoje eu percebi que o que realmente mata as pessoas é o amor. Cristalizavel