longao

o bater contínuo do coração

se a história fosse longa
o tempo de tecermos uma vida
em nada dependeria do estado da matéria
e haveria ideias de tudo
e ventos calmos
para que ousássemos prosseguir
haveria tempo para destrançar os nós
e esperar nesse movimento de mãos
que a terra ganhasse ao mar
as léguas derramadas dos nossos olhos
água que vai água que vem
o que nunca poderemos sem tempo
deixar que o corpo mergulhe mais do que uma vez
e tudo isso e todos os estados
que nos levassem a um barco curto
mas longo de princípios
capaz de investigar a dissipação dos nossos naufrágios
dos acasos da luz que emana dos faróis
para que todas as noites pudéssemos
cumprir e perceber a lei da iluminação
que só mais tarde chega
para que a história fosse sossegada
como quem chega sem o soçobro do tempo
ou a vigilância dos que temem
para que o amor fosse a única coisa
capaz de ousar prosseguir
e o tempo não fosse o caminho de uma percepção à outra
mas o bater contínuo do coração