lingerie preta

Finalmente Lua chega em casa, são 7:00 da manhã. Alice decidiu ficar no hospital, Lua então planeja tomar um banho, comer e voltar para ficar ao lado de sua amiga.
Lua começa a retirar suas roupas na sala, ao chegar em seu quarto, já está totalmente nua. As vantagens de morar sozinha, é sem limites. - pensa Lua. Ela pega um lingerie preta, uma toalha limpa e segue em direção ao banheiro. Ao ficar em frente ao espelho do corredor, ela passa uma de suas mãos no rosto é diz: - Meus Deus, estou um caco, que tamanho de olheiras! Ela desfaz seu coque, balança a cabeça, dá mais alguns passos e adentra ao banheiro. Enquanto a água morna percorria pelo seu corpo aniquilando todo o cansaço, ela não conseguia esquecer aquela cena daquele homem ensanguentado e os paramédicos tentado salvar sua vida, a correria, os gritos… Depois do banho ela se enxuga escova os dentes, ao passar pelo espelho, ela faz algumas caras e boca, e se sente melhor. Chegando em seu quarto, ela olha para o relógio que fica sobre o criado mudo, e já são 7:50 horas, Lua então se joga sobre a cama, ficando de barriga para cima, e fecha os olhos, apenas para descansa-los, mas acaba dormindo. - Lua está parada aguardando o ônibus para ir ao hospital quando alguém puxa seu braço.
— Luana? - diz o homem
— Sim sou eu… - responde ela assustada.
Quando Lua se vira não acredita no que vê.
— Luuua como você está? Quanto tempo não nos vemos. - diz ele.
— All não acredito! Quando voltou? Porque não me ligou? - Lua sem pensar pula e o abraça.
— Voltei faz uns 15 dias e dessa vez voltei para ficar - responde ele a abraçando forte.
— Está com pressa? Tem tempo para um café? Você não costumava trabalhar aos sábados, certo? - continua All.
— Você ainda se lembra?! Claro tenho tempo sim estou indo ao hospital ver a mãe da Alice, mas tenho um tempo para um café e matar a saudade, quero que me conte tudo e porque voltou - diz Lua.
— O que houve com a mãe dela? Ela está bem?
— Teve um mal-estar, parece ser algo com o coração.
— Mas ela também está bem idosa, está passando da hora. - diz ele sorrindo.
— All! Para com isso, pelo visto continua o mesmo besta cheio de gracinhas. - Lua franze as sobrancelhas.
All a abraça e deixa um de seus braços na cintura dela e juntos seguem até uma cafeteria que não era muito longe dali.
Chegando a Cafeteria Merllot’s, All escolhe uma mesa de canto. Lua olha para All e procura o que mudou nesses 3 anos em que não se viam, e não acha muita coisa apenas os cabelos que já apontam alguns grisalhos, apesar dos seus 30 anos. All é loiro, de olhos azuis que lembram a cor do céu, e ela costumava brincar com isso. Mas as suas viagens repentinas fizeram com o relacionamento não desse certo.
— O que vão querer? - pergunta a garçonete.
— Eu vou quer… - interrompe All dizendo:
— Ela irá querer um café sem açúcar acompanhado de uma porção de torradas com mel e orégano.
— Você ainda se lembra… - diz lua impressionada.
All sorri, e diz
— Eu irei querer uma porção de torradas só que ao invés do mel, quero geleia de morango, acompanhado com uma xícara de cappuccino.
— Pedidos anotados. Fiquem à vontade e aproveitem o som. - diz a garçonete dando as costas e indo entregar o pedido.
Aquela música nostálgica que estava tocando, faz lua lembrar do dia em que All a pediu em namoro, foi naquela mesma mesa, e estava tocando aquela mesma música, Lua abre um sorriso lindo e doce.
— O que foi? - pergunta All.
— Não é nada… - diz Lua com um leve sorriso no rosto.
— Observei que você continua sem aliança no dedo, significa que está solteira ou que está tendo algo nada sério?
— Pelo visto detalhista como sempre. Estou solteira. Você se casou?
All coloca suas mãos sobre a mesa, de modo com que Lua não conseguia ver seus dedos, ele faz uma cara não tão boa e diz:
— Bom, muito tempo se passou, viajei muito dentre esses 3 anos, e acabou que eu… - All faz uma pausa dramática.
— Qual o nome dela? - pergunta Lua.
… Uma história com um começo, e um meio, mas cadê o fim?
—  Capítulo 9 - Florejus e Aniquilou em: Quando as peças não se encaixam mais, é hora de renunciar.