lindoooos!

Eu tenho medo de você ser aquela pessoa na qual precisarei pra tudo. A pessoa que eu vou querer pedir colo quando eu estiver no canto do meu quarto com os olhos cheios de lágrimas, ou aquela que eu vou sentir a necessidade de ouvir a voz quando estiver em um ambiente onde não pega sinal. A pessoa que vou querer por perto quando eu quiser distância de todo o resto, ou aquela que vai ser o meu começo quando eu ansiar pelo fim de tudo. Porque você sorri diferente e me olha de um jeito calmo, e eu tenho vontade de te pegar no colo e fugir pra longe, onde ninguém possa te roubar de mim. Porque com você não há temores, com você do meu lado, estou tranquila e pronta para o que vier. Por você vale a pena lutar contra eu mesma para ser uma pessoa melhor. Por você vale a pena me policiar para não cometer os erros que cometi no meu passado. Mas mesmo assim eu tenho medo, medo de planejar o que pode ser incerto. Pois eu coleciono escolhas erradas, amores errados, caminhos errados… E diante de tantos erros assim, talvez as escolhas, os amores e o caminhos estejam certos, talvez o erro no meio disso tudo seja eu. E pela primeira vez na minha vida, eu queira acertar, acertar com você. Eu tenho medo porque tem tudo pra dar certo, mas meu forte é dar errado.
—  Eternismo and esgotada.
Eu tenho mil razões para não querer você perto de mim, mas eu tenho mil razões para querer você aqui do meu lado e cá entre nós, eu prefiro dizer que a tua presença me deixa feliz, do que te ver saindo por aquela porta. Eu prefiro te ter aqui do meu lado porque só assim eu posso admirar esse teu sorriso e escutar essa tua voz que acalma meu coração. E toda vez que escuto tua voz, é inevitavel não olhar teus lábios. Ah, grande erro. Por dentro uma luta começa, entre a razão e a emoção para que eu não avançe em você. E acabe te entrelaçado em meu corpo, te beijando por comoleto e dizer com toda certeza do mundo: Eu te amo.
—  Agridociei lado a lado de Irei-te-erguer.
Quando minha filha Jenna tinha aproximadamente dois anos, eu costumava levá-la a um parque perto de nosso apartamento. Certo dia ela estava brincando num monte de areia, e um vendedor de sorvetes se aproximou. Comprei o doce, e quando me virei para entregá-lo a ela, percebi que ela estava com a boca cheia de areia. Onde eu queria pôr algo saboroso, ela tinha colocado terra.
A amei com sua boca suja? É claro que sim. Era ela menos filha minha porque sua boca estava cheia de areia? Lógico que não. Eu a deixaria com areia na sua boca? Nem pensar. Eu a amava exatamente como ela era, porém me recusei a deixá-la como estava. A levei até uma torneira e lhe lavei a boca. Por quê? Porque a amava.
Deus faz o mesmo conosco. Nos carrega até a fonte. “Cuspa a terra, meu bem. Tenho coisa melhor para você.” Então nos limpa de nossa imundícia: imoralidade, falta de honra, prejuízos, amargura, avareza. Não gostamos que nos limpe; algumas vezes preferimos a terra em vez do sorvete. “Posso comer terra se quiser!”, proclamamos e nos acabrunhamos. O que é verdade; podemos. Mas se o fizermos, nós é que sairemos perdendo. Deus tem uma oferta melhor.
—  Max Lucado