lembra de ser melhor como pessoa

São quase quatro da manhã e ainda estou pensando no que escrever. Já ensaiei o começo umas dez vezes, mas não consigo sair das primeiras linhas. Dizer que você deixou minha vida preta e branca mais colorida seria clichê? Por mais que seja clichê gosto dessa frase, ela resume bem nosso começo. Mais que cor, você trouxe o amor. Nunca imaginei que me apaixonaria por alguém que mora a quilômetros de distância, você mora quase do outro lado do brasil. Mas hoje eu percebo que, você poderia até morar do outro lado do planeta, não mudaria nada. Mesmo tão longe, você faz me sentir tão perto. Você me traz aquela segurança que ninguém nunca trouxe. Só tenho que agradecer todos os dias, por Deus ter te colado em minha vida. Olha eu usando o clichê de novo, mas você foi o meu presente. Eu sei que às vezes as coisas podem ficar difícil, quando isso acontecer lembre-se de tudo que passamos para chegar até aqui. Você nunca estará sozinha, sempre estarei com você segurando a outra ponta da corda. E se um dia ela se arrebentar, segurarei sua mão, não te deixarei escapar. Lembre-se que em cada pedaço de mim, tem uma parte de você. Como dois em um lembra? Foi o deixar de existir “eu” e o passar a existir “nós”, que nos mantém forte. Através de nossa cumplicidade, retiro forças para superar esses seis mil quilômetros de distância. Mais que os parabéns pelos três anos e cincos meses, tenho que te parabeniza por me aguentar todos os dias. Por ser mais que namorada, ser minha melhor amiga, por ser companheira, amante, parceira, por estar sempre ao meu lado. Não se esqueça que todas as pessoas do mundo, você é minha favorita. Dessa vez vou sair do clichê e usar um trecho de uma de nossas trilas sonoras. “Querida, eu te amarei até que tenhamos 70 anos. Amor, meu coração ainda se apaixonará tão fácil quanto quando tínhamos vinte e três anos. ” Tinha que ser Ed, porque amamos ele. Lembra da minha promessa? Não vou te deixar. E se um dia tudo acabar? A gente reconstrói, a gente recomeça, a gente reinicia, inventa um novo começo, uma nova história, a gente dá um jeito.  Eu te amo. Te amarei por todos os invernos de minha vida.
—  P.S: EU TE AMO BEM GRANDÃO.
ser exagero também cansa.

minha mania de acabar com as coisas confunde tudo. eu nunca sei em que pé estamos e quando penso em colocar fim nas coisas, você aparece e me mostra que tá tudo bem.
então eu bebo mais um chá. já foram inúmeros chás. tudo bem.
eu gosto de ficar olhando a cidade da minha sacada. o vento frio me lembra que é real - tudo isso - e eu fico acordada mais um pouco tentando adivinhar o que as pessoas da casa amarela estão fazendo.
a minha companhia tem sido a melhor, eu respeito meu silêncio e falta de vontade como ninguém.
acho que tô chegando de novo naquele ponto em que as coisas desmontam. e eu tô com uma puta preguiça de ver tudo acabar de novo.
[não dá pra fugir do exagero]

te expus ao meu avesso, mas não falo de amor.

não falo mais de amor, pelo menos não do romântico. porque amar, eu amo cada um dos meus amigos, e amo a paz de estar em paz comigo. amo até minhas canetinhas coloridas e cada palavra que eu guardo nos meus cadernos. amo a parceria de alguém especial e uma doçura do cuidado desse alguém. e ainda não falo de amor romântico. já que eu amo os jeitos diferentes de amar alguém. então não se assuste se um dia eu disser que te amo de repente. porque não sei bem se ainda acredito em amor eterno, que dirá num único amor pra vida toda e essas coisas lindas de finais amargos. e tudo bem.

sempre que achei que tinha amado alguém, com tudo que eu tinha, depois descobri que ainda me caberia amar mais e de novo. eu sei, deu errado em todas as vezes e doeu mais em cada uma delas, como se fosse a última vez. mas foi só a vida me dando uns tapas e dizendo que conto de fadas não existe, e que a gente pode amar alguém sem depositar essa felicidade no “pra sempre”. porque tudo bem não durar. ainda é intenso e real, como se nada, nunca, pudesse ser maior e melhor que aquele amor. mas sempre é. e uma hora a gente entende que pra ser amor, não precisa ser sempre romântico. e nem por isso vale menos. tá tudo bem.

tudo machuca a gente, sabe? e às vezes a gente cansa de amar alguém que dói na gente. ou lembra que pode amar de outra forma. e mesmo se não amar mais um dia, isso não te faz uma má pessoa. por isso é tão lindo ser humano, e por consequência, ser tão frágil.

e a melhor parte de tudo isso, é que o amor sempre se transforma. então no final, eu sempre acabo falando de amor.

04 de abril, 2017.

Eu ainda me lembro de como nos conhecemos; lembro das primeiras conversas; me lembro de ter percebido logo de cara que você era diferente…
Eu ainda me lembro de como você fez eu me sentir especial; lembro do primeiro “eu te amo” que mesmo dito por brincadeira dava para perceber que não era apenas da boca para fora; lembro quando você disse que eu era tua melhor amiga, que eu era insubstituível… E lembro que você prometeu ficar.
É, eu ainda me lembro, você disse que não importava o que acontecesse, você iria ficar… Poxa, eu me lembro de cada briga, de cada promessa, de cada madrugada que passávamos conversando.
Eu me lembro de cada segredo, de poder desabafar contigo e você me ajudar… Me desculpa não perceber que na verdade quem precisava de ajuda era você.
Estávamos tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe.
Foi você que me mostrou o verdadeiro significado da palavra “amor”, que podemos amar alguém mesmo que essa pessoa esteja longe pra caramba e que em amizades também existe mais amor do que se possa imaginar.
Você se lembra que prometemos ficar aqui uma pela outra? Por que tivemos que dizer adeus logo agora? Nossa amizade era para sempre, se lembra? Eu te deixei ir… Nós crescemos e mudamos tanto, poxa, você mudou! Agora me responde, eu mereci isso? Mereci toda aquela tua arrogância?
Eu tentei ser a melhor amiga que você pudesse ter, e como tentei, mas outra pessoa já tinha ocupado esse lugar no teu coração, não é mesmo?
Eu não pedi nada em troca, mas precisava me tratar como se eu não significasse nada para você? Espera, eu significava algo para você? Porque sabe, você significava tudo para mim, ainda significa.
Mesmo que esse realmente seja nosso fim, mesmo que deixemos de nos falar, eu ainda estarei aqui por você e para você se um dia você decidir voltar porque… Mesmo que isso não aconteça eu ainda preciso de você e ainda quero que você precise de mim, porque talvez você seja a pessoa que eu amo e não consigo afastar de mim.
—  Amanda G. Santinoni. “Eu ainda preciso de você”

anonymous asked:

Não tem coisa mais linda do que seus tumblrs 😍😍 , Amo seus textos , Quanta inspiração nessa mente , 😍 Haha ... Poderia fazer um texto de aniversario para meu ex, Por mais que não estejamos se falando , Ele é importante p mim ...

Awwwnt meu amor, muito obrigada 😍 Posso sim linda, espero que você goste.

Hoje, por ventura é seu aniversário, e mesmo sabendo que após o termino, nossa amizade não seja mais a mesma e que nós estamos nos afastando ainda mais a cada dia que se passa, queria que você soubesse que mesmo após tudo o que vivemos, e que o destino infelizmente nos levou para caminhos diferentes dos nossos planos, você continua sendo uma pessoa muito importante para mim. Sempre serei grata pelas horas que você me confortava, enxugava minhas lágrimas e colocava um sorriso em meu rosto.. Revelei a você um lado que poucas pessoas haviam visto, te mostrei minhas imperfeições e aos poucos você foi me consertando e me fez ter vontade de ser alguém melhor. Sempre me fiz de forte, mas é como se fosse uma máscara, pois eu tentava segurar o peso do mundo sobre meus ombros e então quando a pressão ficava grande, eu simplesmente desabava, por ser fraca demais.. Mas eu seu lado eu sentia que era mais forte, que realmente era capaz de fazer algo. Devíamos ter nos lembrado daquela letra suave do Renato Russo, “Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar, que tudo era ‘pra sempre’, sem saber que o ‘pra sempre’, sempre acaba..” Eu realmente acreditei no ‘pra sempre’. Havia algo diferente em você, suas palavras foram me conquistando aos poucos, e em pouco tempo você se tornou parte essencial da minha vida, mas como tanto outros, estou te perdendo aos poucos.. Vejo você escorregar de pouquinho em pouquinho pelos meus dedos e não sei o que fazer.. Queria pedir desculpas, não fui o tipo de amiga que você merece, mas quero te desejar do fundo do coração tudo de melhor, porque você merece, e pra terminar, eu queria que você soubesse pelo menos uma última vez que você ainda é muito importante para mim, apesar de tudo, ou por causa de tudo. 

Ei, você ainda se lembra de mim? Nós costumávamos ser melhores amigos. Você era a pessoa mais importante da minha vida e eu da sua. Fazíamos tudo juntos. Onde um estava o outro também estava. Eu me lembro perfeitamente de toda a nossa amizade, desde o início. Sei que cometi erros que contribuíram pra que ela chegasse ao fim e me arrependo de cada um deles. Mas eu não fui o único culpado, você também contribuiu - bem mais do que eu aliás - para que nos afastássemos. Hoje assisto a sua vida de longe, pensando como seria se ainda nos falássemos. Eu só queria que você soubesse que eu ainda te amo e sempre vou amar. Obrigada por cada momento ao meu lado.
—  Carta pra um ex melhor amigo.
Eu já não te reconhecia mais. Seu olhar  que sempre brilhavam já se tornará sombrio junto com os nossos sonhos para o futuro. Você me disse que seria para sempre, lembra? Sim, disse, foi bem naquele dia nublado de outono, belo dia. Tudo ali era perfeito! Até mesmo as lâminas que você usou para cravar nossas iniciais em uma linda cerejeira. Droga! aquele por meses foi o melhor dia da minha vida, por horas eu ficava sonhando acordado lembrando do seu sorriso, lindo sorriso, sorriso que já não me tem como razão ou motivo, sorriso que você distribui à outras pessoas, sorriso que já não se encontra com o meu em nossos beijos, sorriso que já não pressiona meus lábios em momentos de só nós. Era para ser o nosso “felizes para sempre”, mas não, você desistiu de mim, preferiu acreditar no que diziam, aceitou que não nascemos um para o outro. Éramos opostos, completamente diferentes e só hoje posso afirmar com certeza; mentiram para nós. Os opostos nem sempre se atraem.
—  Bone vomitando palavras com Aparatizador. 
Minhas cartas são sempre longas, eu me pergunto o quanto tedioso deve ser ler tanto sobre algo melancólico. Que chateação atoa. Fico pensando, eu faço planos com uma pessoa, eu penso que algum desses anos aí que estão por vim, vou carregar comigo, dentro de mim, outro coraçãozinho. Acredita que essa princesa vai ser a nossa maior alegria? Sim, uma menina, daremos o nome de Sofia. Ela terá a essência do amor. Sofia significa SABEDORIA. Estamos fazendo a nossa melhor escolha. Ela me lembra desde já você. Sofia significa: Usar a inteligência, raciocíono e diálogo sempre que desafios aparecem para alcançar os seus objetivos. — Me deixei sorrir boba. Como pode ser, alguém planejar o futuro e sonhar que seja exatamente do jeitinho que te fez suspirar e sorrir aliviado, acho que aliviado por ser com você. Você faz planos devagarinho, primeiro comecemos em um lugar no qual juntaremos as nossas bagunças, um lugar que nos transmita calmaria num final de semana. Algo que me leve pro teu aconchego e me prenda em teus beijos do dia para a noite, todo dia. Um lugar que os bons dias sejam somente nossos, mesmo que atrasados. Um lugar que uma semana brigados não valha por uma vida todinha do teu lado. Eu afirmo que, uma semana brigados não vale, não vale a vida que eu quero pra nós. Gosto de escrever com a alma, gosto de te colocar no lugar mais bonito dentro de mim. Um lugar que eu esqueço das tristezas, dos problemas, das pessoas minúsculas e dos obstáculos. Um lugar que eu só vejo você, que eu só ouço você, só sinto você, um lugar que, você seja a vida da minha vida, família. Você é a minha família.
—  partesdevocê
Sinto-me mais confiante sendo sombra, sabendo que sou um mistério, que sou inalcançável. Sinto-me melhor sendo uma voz sem cara, um abraço sem corpo que sabes que estará sempre presente. Lembra-te apenas que sombras como eu precisam de luz como tu para poderem existir. Então, deixa-me ser a pessoa sem rosto no meio da multidão, o anónimo chato, aquela que se renega… e apenas brilha. Se não por ti, que seja por mim que morro sem luz.
—  Cristina Lemos, sobre mim
Costumávamos ser melhores amigas, a nossa infância foi a melhor, corríamos, brincávamos juntas, o tempo todo, eramos inseparavéis, até que isso um dia mudou, nós crescemos, as coisas mudaram e tudo que planejavamos ja não existem mais. Faziamos planos para morarmos juntas, lembra? Lembra das provas de amizade que faziamos uma a outra? Pois é, passou, como tudo passa. Nossa amizade era a coisa mais linda e verdadeira, até aparecer outra pessoa na sua vida e mudar tudo. E em um piscar de olhos acabei percebendo que não somos mais a mesma coisa, não somos a tal “melhores amigas pra sempre” Viramos apenas duas garotas desconhecidas. Foi tudo tão verdadeiro, até você crescer, deixar tudo de lado, uma amizade que era pra ser eterna, espero que esteja feliz.
Descobri que o amor realmente existia depois que te conheci. Antes disso o amor para mim era uma espécie de conto de fadas, algo que só acontece em filmes. Mas assim que te conheci, alguma coisa começou a se mover dentro de mim. Eram as tais das “borboletas no estomago” que todo mundo falava. Eu realmente achava que isso era coisa de filme, mas aí com o passar do tempo percebi que o amor realmente existia. Era tudo verdade, e eu estava vivendo aquilo com a melhor pessoa que existe. Você. Você me fez perceber que qualquer ato de amor, por mais bobo que seja, é lindo e vale a pena, não importa que seja apenas um “eu te amo” sussurrado no ouvido antes de dormir, ou roubar uma flor no vizinho para entregar pra quem se ama, ou então gritar no meio de um lugar cheio de gente que ama a pessoa mais que tudo nesse mundo, não importar o que seja continua sendo lindo. Você me fez perceber o quanto é gostoso passear de mãos dadas, o quanto é bom rir de coisas sem sentido, o quanto é bom e confortável dormir juntinho de ti, você me fez olhar o mundo com outros olhos. Junto de você percebi que a felicidade está nos pequenos atos que temos, como receber uma mensagem de minuto em minuto e abrir um grande sorriso só por saber que lembra de mim a todo momento, saber que estará lá sempre que eu precisar por mais bobo que seja o problema, como um simples medo de trovões ou algo mais bobo. Descobri que amar é isso, poder contar com a pessoa nas melhores e nas piores horas do dia, estar lá para segurá-la caso ela caia, aconselha-la mesmo sabendo que ela é cabeça dura, e se ela escolher a coisa errada, ficar ali esperando pra consolá-la e não pra dizer “eu te avisei”. Amar é isso, ser feliz e sofrer junto da pessoa.
—  Descobri o que é amar junto de ti, nevalisco e nevalisca.
Tive que ir ao mercado, deveria ter pensado no que iria comprar, certo? Mas nem cheguei perto disso, só fiquei pensando no que iria te falar agora, para não esquecer nada. Você tem ideia de como é importante para mim? Posso ter muitos amigos, mas ninguém toma o teu lugar. Muitos sente raiva por saber disso, sim, eu falo isso, falo que meu coração tem dono. Posso falar que estou bem ou vou ficar bem, mas falo isso só para você não se preocupar comigo, pois tem que cuidar de você. Posso tentar ficar bem, mas cai entre nós, ficaria melhor com você. Eu te falo, algo em mim mudou quando você se foi, eu não sou eu sem você. Já assisti um filme que em um discurso de casamento um homem diz que quando está com a pessoa que ama, só assim ele é ele mesmo, eu não entendia isso até te conhecer. Não é à toa que estou aqui, podeira ter colocado qualquer nome daquele ursinho, mas coloquei o seu. Poderia sonhar com qualquer pessoa todos os dias, mas sonho com você. Poderia sentir saudades de muitas pessoas, mas nenhuma se compara á tua. Tenho uma boa memória, isso é bom, mas outras vezes tortura. Não tem como te esquecer e nem quero fazer isso, não sei o que vou fazer amanhã, mas sei que de você eu não desisto. Não sei o que significa felicidade ao certo, mas tenho certeza que tem algo a ver com você. Não precisa sem a melhor pessoa do mundo, só tem que ser você. E desse jeitinho teimoso e carinhoso que me encantou, é desse bebezão gigante que eu me apaixonei. Pode fazer papel de homem bravo, mas isso não cai comigo, sei o doce de pessoa que você é. Lembra do dia da sua viagem de carnaval? Você ficou o dia todo falando que eu merecia alguém melhor, entre outras coisas. E eu fiquei ali, só falando pra você parar de falar isso e se acalmar, só fiquei ali falando o quanto eu te amava. E sabe como isso acabou, né? Você disse “Não consigo ficar longe de você, nem assim conseguimos brigar”, é, eu me lembro muito bem. Se nunca brigamos até aqui e você me conhece, não tenho paciência, então como pode isso? Tem que ter uma explicação. Tudo isso não aconteceu por acaso, não estou aqui por acaso. Quero que saiba que sempre estarei aqui, posso ser sem paciência, mas tenho uma caixinha especial de uma reserva para tua exclusividade. Pode demorar o tempo que for, mas vou te mostrar que te amo todo dia, o que eu tenho aqui dentro não é uma simples paixão. Que você não é qualquer pessoa, que você é você. E é você que eu quero, é de você que eu preciso.
—  É você!
Status: Apaixonada(o)
Sorte mesmo tem o meu sorriso, de ter você como motivo 💏

Foi estranho, vi todos os meus desejos em uma pessoa só 😍

Que o meu pra sempre seja com você, só com você 💕

Se eu chorar, me anima, mas se eu sorrir é por você 💏

Em teu olhar vi meu destino 😍

Tudo o que é bom me lembra você ❤

Eu nem sei se te mereço, mas quero dividir contigo meu sobrenome e meu endereço 👪 ❤

Porque se eu sou a rima, você é a tal batida perfeita 😘

Sei que esse amor não vai ter fim 😻

Posso não ser o melhor do mundo, mas pra viver no seu mundo eu posso ser quem você precisar ❤

Tantos sorrisos por ai, e eu querendo só o seu 😍

Todos os dias me imagino ao teu lado 🙏❤

Vem que eu te escuto, te protejo, te cuido, te mimo, te amo! 💞

Já me disseram tantas vezes que eu ia ficar bem, que minha felicidade estava chegando, mas eles não disseram que quanto mais você caí mais desacredita que pode ficar em pé de novo. E aqueles dias melhores? São duvidas, a espera é um risco, se entregar como se o amanhã não existisse pode lhe sorrir com um arco-iris ou essa entrega pode te presentar com um abismo de fracassos. Não sei se consigo acreditar que um dia toda essa bagunça se ajeita, é tanto machucado que nunca vou poder ver todos sarados. Não me disseram como manter a esperança quando até a pessoa que mais dizia te amar, te arranca o coração do peito e pisa em cima dele, como caminhar se aquelas mãos não querem mais te segurar? Dizer que devemos ser fortes não nos faz ser fortes, falar que vou ficar melhor não melhora minha triste situação. Tem algum mapa que diga onde mora a Senhora Superação? E também quero o endereço completo desse famoso lugar chamado “Seguir em frente”, porque todo mundo só sabe me mandar pra lá, como ir sem saber se ainda sei caminhar? Querem que eu sorria querendo chorar, não posso dizer que não sinto falta quando a saudade sufoca, desculpe, mas não dá. Dizem que devemos nos lembrar do que foi bom e não do foi ruim, mas não dá eu já disse. Não estou bem, lembra? Estou sentindo falta de tanta coisa, tanta pessoa, entenda que isso se dá pelo fato de não ter mais algo do meu lado que tinha antes todo dia comigo, apenas coisas grandes e importantes são dignas de saudade, não sou capaz de suportar as memorias pesadas me empurrando pro ontem, existe duas coisas que poderia fazer: andar se desapegando de qualquer coisa que leve pra trás e arrumando uma coisa que substitua pelo menos a metade do que se foi, ou tentar arrumar um jeito de fazer o que se foi voltar. Sentir, sofrer. Nem sei o que fazer. Talvez, ir, quisera eu ficar aqui, ficar bem, ficar contigo.
—  Ela já foi verão
Você se lembra do primeiro tijolo que colocou na minha vida? Se lembra de como seu sorriso me encantou e como cada palavra alicerçou tudo isso que começamos a construir juntos? Parece que estamos nessa corrida que não cansa há tanto tempo, que chego a cansar o sorriso quando lembro da sua luta, ou melhor, da nossa luta pra nos mantermos juntos. Eu nunca interpretei a distância como algo cem por cento ruim, ou algo que objetivamente afastasse as pessoas, pelo contrário. Quando começamos a construir algo à dois, principalmente quando envolve os nossos corações, a distância passa a ser apenas uma palavra cheia de significados impressos num dicionário, porque nós, fomos feitos de sentimentos bons um pelo outro e aquilo que nos afasta, ou pelo menos tenta, não é mais forte pelo sentimento de permanência que você plantou em mim. É o nosso mundo sendo construído, o reflexo do nosso conjunto, da nossa soma, e eu não quero pensar que isso tem fim, porque dentro de mim é um começo permanente. Sejamos fortes, embora saibamos que existem aquelas pessoas que não acreditam em si mesmas, que dirá no amor entre duas pessoas. Agradeço, pela base, pela compreensão e principalmente, por sempre ter as palavras certas pra arrancar de mim o sorriso que tanto admiras. Assim como “distância”, a “desistência” não existe no meu dicionário, então é bom você ir se acostumando aos meus modos, e a minha força, porque a vida me ensinou a não desistir em hipótese alguma daquilo que me eleva e me tira do chão, e hoje, você é as minhas asas. Nosso sorriso será por toda a nossa vida, um só. Quando estivermos um ajudando o outro a levantar da cama, quando já estivermos um penteando o outro e rindo de quem tem mais cabelos brancos, o nosso sorriso ainda sim será o mesmo de cem anos atrás, por que é o mínimo que eu quero do seu lado, um século inteiro de você.
—  Welber Oliveira 
Sara Harvey e Alison DiLaurentis: uma está viva, a outra?

Se uma está viva, a outra está…morta? Sim, essa é a teoria que venho trabalhando com vocês pelo twitter desde o começo da quarta temporada. E atenção, esse post pode conter spoilers. Vocês foram avisados.

Essa teoria é minha, e de muitas outras pessoas…porque? Porque ela faz muito sentido. Quando vamos assistindo a série por episódios ou temporadas, podemos não perceber que as pistas estão se juntando, mas quando colocamos tudo na nossa frente, é realmente muito fácil ligar umas as outras. Quer ver?

Desde o meu “De VoltA ao Epiisódio 4x14” eu achei essa cena da Spencer estranha. Agora nós sabemos que ela pensa ter machucado a Alison aquela noite. Então o pensamento que me veio em mente, e provavelmente na dela, é dela não ter machucado Alison. Mas as memórias dela dizem uma coisa e os fatos outra. Ela lembra de ter acertado uma loira correndo, mas Alison está viva. Então…não era Alison?

A prova de que Spencer tentou machucar Alison não veio no 4x22, e sim no 4x19. Como Dean disse, a mente dela pode ter feito esquecer, como uma auto-defesa, pois ela não podia lidar com aquilo no momento. Mas, como Spencer “alucinou” todo o episódio, é o que a mente dela vê, e a mente dela diz que tentou machucar Alison.

External image

Tá, mas vamos falar um pouco dessa Sara Harvey. A gente não tem muita informação sobre ela, mas sabemos que o perfil é muito parecido com o de Alison. Parecem ter aproximadamente a mesma altura, a mesma idade, ambas loiras…

External image

Courtland não é longe de Rosewood, deve ser a mesma distância de Ravenswood…algo assim. Sara e as amigas costumavam ir ao cinema de Rosewood, é o primeiro link que temos delas na mesma cidade. Continuando, quando a amiga dela disse que a outra pensa que Sara estava viva e com amnésia, foi uma coisa que fez muito sentido. Ao mesmo tempo em que existe a possibilidade dela estar enterrada no lugar de Alison, existe a possibilidade de que ela tenha também conseguido se salvar…e aí mais teorias, como dela ser a tal Lady In Black.

External image

E aqui, as meninas contam que Avery foi a última a ver Sara, um dia depois do desaparecimento de Alison. Logo, Hanna e Emily pensam que não tem como ser Sara no túmulo, PORÉM….aqui vai minha teoria:

  • Avery não viu Sara em Courtland no dia seguinte, ela viu Alison. Ela está tomando remédios, talvez pense ter sido Sara. Talvez por a blusa amarela ser igual, e ter o cabelo loiro comprido, Avery pensou ser Sara…mas era ALISON, inciando sua fuga.

External image

Mas a base dessa teoria é que fica meio confusa, e ainda assim faz muito sentido! Vejam, vamos voltar ao “flashback” da Spencer no 4x22. Ou melhor, lá na primeira temporada. Elas estão discutindo na sala dos Hastings e Alison sai, Spencer sai atrás. Quem disse que foi Alison quem Spencer encontrou? Afinal, Cece estava usando uma blusa amarela, quem garante que não havia outra pessoa com a mesma blusa? Bom, voltando ao 4x22, se você colocar a cena em slowmotion, vai conseguir ver o perfil da pessoa correndo, e…não é Sasha Pieterse.

Não adianta, não é a Sasha. MAS PORÉM CONTUDO ENTRETANTO pode ser uma dublê (o que não faria sentido porque é uma cena simples com uma queda simples). Ou, pode realmente ser a Sara. Porque uma coisa que me lembrou ela foi o nariz, que é “pontudinho” igual. Seja como for, temos ai a blusa amarela e a pulseira no braço direito. A única coisa que não temos, é o sapato igual. Já que Alison estava usando salto e aqui parece ser um tênis ou sapatilha. O melhor print que eu tenho, me parece um calçado liso, sem salto…me digam vocês. Não da pra ver direito.

Pra fechar essa parte de “Spencer machucou Sara e não Alison”, fiz um gif da ‘perseguição’, mas sem as partes da Spencer ~atual~.

External image

Beleza, agora vamos teorizar do parentesco delas. E ó, essa teoria é uma das que eu mais gostei de escrever até hoje, então sejam educadinhos.

Nós sabemos que alguém em Rosewood tem um irmão/irmã gêmea, e como Tammin Sursok soltou numa entrevista as palavras “twin sister”, podemos afirmar que é uma mulher. E eu fiquei pensando, se eles não vão dar uma irmã gêmea para Alison, porque não fazer algo bem parecido? Dar uma irmã gêmea à Jessica DiLaurentis e fazer com que Sara Harvey seja sua filha, uma imitação barata de Alison por um capricho de sua mãe que invejava a vida da irmã.
Wooo, Dani. Calma, muita informação. Vamos por partes, montei uma possível árvore genealógica.

Eu sei que vocês tão confusos, no momento eu escrevendo também tô hahahaha mas eu juro que até o final tudo vai fazer sentido e vai se ligar.

Spencer disse que Cece e “Mrs.DiLaurentis” viram ela com uma pá indo atrás de Ali, mas e se não era Jessica e sim a irmã? E mais…e se não fosse Ali e sim Sara? Porque no 4x22 rolou uma frase muito estranha. Ela não usou uma frase como “sofrer a morte de um filho”, não, ela disse “watch”, VER, ASSISTIR, a morte de um filho. E depois ficou encarando a Spencer, tipo? Meu…para.

External image

Bom, agora vamos entrar um pouco mais a fundo nessa teoria. Spencer sempre foi mais acusada do que as outras, sempre foi mais perseguida. 

Uma coisa que eu quero só fazer um adendo, no 1x20 mostra que foram encontrados uns fiapos com sangue, algo assim, na pulseira da Spencer. Mas nem Alison, nem a suposta Sara estavam usando o suéter de Toby na hora da morte e sim, posso provar isso.

É óbvio que se alguém leva uma “pázada” na cabeça, na força que a pessoa enterrada levou, não tem como sobreviver. O trauma é muito grande, pudemos ver isso nos raio-x. A questão é: Alison está viva e aparentemente sem nenhum trauma, o que me faz pensar que Alison nunca foi machucada por aquela pá, já Sara pode ter sido. Claro, Alison estava desacordada quando enterrada, mas talvez quem a acertou não colocou muita força, pois a cabeça dela estava sangrando levemente, ao que parece, para conseguir sair de lá.

E só um ps aqui pra mostrar como rever os episódios faz tudo se encaixar:


Continuando…Rosewood só acreditou que Alison estava morta porque a Mrs. DiLaurentis disse a todos que era Alison. Mas confessou para Hanna que nunca chegou a ver o rosto da menina, apenas identificou a blusinha amarela.

E se você ainda não entendeu aonde estou querendo chegar…bom, são 4h30 da manhã, então vou pegar um atalho pra explicar. [Lembrando que é uma teoria]

Spencer teria matado/machucado Sara Harvey, mas por causa das drogas pensa ser Alison. Os Hastings encobriram o acontecimento.

External image

Mas, a gêmea da Mrs.D, verdadeira mãe da Sara, viu tudo e está agora planejando uma vingança contra Spencer. Me mandaram uma frase bem interessante, que seria sobre o motivo de -A ser a Mrs.D: “se matarem seu filho, ver a pessoa ir para a cadeia seria punição suficiente? com certeza não, eu iria querer torturar a pessoa”. E não é isso que Jessica esta fazendo? Ou melhor…“Jessica”.

E acho curioso que ela sempre esta parada no quarto de Alison olhando para a janela da Spencer, chega a ser bizarro. E o pior de tudo, e que sustenta a teoria da gêmea (não muito mas o suficiente), é que uma luz se acende no quarto de Alison, mas não é Jessica lá, pois ela esta no quarto da Spencer, a não ser que…gêmeas? (Claro, ou Jason, ou whatever)

External image

E lembra como eu disse que tudo nessa teoria se liga perfeitamente? Então. Pra fechar tudo, a gêmea teria matado a mãe de Toby no Radley. Jessica, por trabalhar lá, encobriu e agora vindo à tona, pediu ajuda a Peter, já que ele saberia do que Spencer fez. Se uma deles (Jessica ou irmã) está morta eu não sei. Talvez uma esteja presa no Radley, talvez essa tenha assumido o posto para realmente conseguir alguma vingança.

External image

Eu sei que alguma coisas são meio falhas, do tipo, porque Sara estaria usando uma roupa igual a de Alison? Bom…Vai ver ela gostava de vestir Sara com as mesmas roupas que Alison, as duas tinham o mesmo jeito. Coincidência? Não sei. Pelo menos na minha cabeça faz sentido.

Bom, é isso. Eu gostei muito dessa teoria, porque ela faz muito sentido…é um dos únicos motivos plausiveis pra Jessica ser -A. E também consegue fechar bem a história da Sara e da Marion, mas e aí, o que vocês acham?

Capítulo 37.

Antes só estavam eu, Thais, May, Júnior e Rafa, mas o Cássio logo chegou também. Ele estava na cidade vizinha com o pai dele que havia sofrido um infarto pouco antes do casamento, fazendo ele não ir a cerimônia, mas ele já tinha feito a cirurgia e já se recuperava, já Marcella e Edu estavam viajando, estavam estudando em Londres há pouco mais de 1 mês e a Paula arranjou um namorado e esqueceu nós, os “amigos”, inventou uma desculpa qualquer para não ir ao casamento. Eles estavam animados bebendo e ouvindo música, meus pensamentos não conseguiam acompanhar a conversa e a animação deles, ora ou outra eu pensava em Vanessa. Max estava com o Fábio, eu já tinha ligado pedindo pra ele ir deixar o Max na casa das meninas que eu estava lá e eu tinha prometido a Vanessa que quando ela chegasse, Max já estaria lá. O sol já estava se pondo quando Fábio entrou com Max, ele cumprimentou a todos e logo foi embora, eu olhei pro celular algumas vezes, eu estava me controlando totalmente pra não ligar ou mandar um whatsapp, apesar de não ter mais o contato dela eu sabia decorado o número. Enquanto Max divertia todos eu trocava olhares com meu pequeno e meu celular, nem senti May se aproximando.

May: Eu sabia!

Eu saí do meu transe para procurar entender o que ela queria falar com aquilo.

Clara: O que?!

May: Vocês duas precisavam só de um reencontro.

Eu sorri amarelo, senti minha pele queimar, com certeza fiquei vermelha. Eu sabia que não resistiria a Vanessa, mas agia como se não fosse bem assim, como se eu estivesse realmente bem resolvida.

May: Não fica assim.

Clara: Assim como tonta!?

May: Com vergonha! Sem querer me contar as coisas que te fazem mal. Engolindo a seco tudo.

Clara: Ah… é..que…

May: Meu, você se perdeu quando vocês, é… terminaram seja lá o que for o que vocês tinham!

Eu olhei pra ela sem realmente entender sobre o que ela tava falando.

May: Clara, olha, quando vocês estavam se curtindo, você tava feliz, se abria com qualquer pessoa facilmente, conversava, procurava curtir momentos bem família e com o afastamento de vocês, você virou uma baladeira que só tinha olhos pro Max, bebida e sexo! Pra eu falar com você, tinha que bater na sua casa ou insistir em muitas ligações, no whatsapp você só conversava bobagens e pouquíssimas vezes. Sem contar que a pobre da Pepa era uma coitada na tua mão.

Clara: Ah, meu… eu…

May: Eu sei! Você não fez por mal. É como se você tivesse ligada no piloto automático.

Clara: May, sinceramente, eu não tava vendo dessa forma, mas você… tem razão.

Eu falei com a minha voz já bem pesada. Ela tava coberta de razão, eu não conversava mais sobre mim com ninguém, eu só me reunia em baladas e conversava coisas fúteis. Esquecia de Pepa quando botava o pé fora do ap. Eu não queria me encontrar com May e Thais, tudo me lembrava o que eu menos queria, como Vanessa me fazia muita falta, mas ao mesmo tempo eu não queria perder o contato com a May, então, quando estávamos juntas eu evitava ao máximo conversar sobre assuntos que levassem ao nome de Vanessa, isto é, quase tudo, e realmente ela tinha razão, ela sempre insistia muito até eu não ter mais desculpas pra dar. Mas graças a Deus eu não me perdi completamente, Max virou meu porto seguro, um moleque que muitas vezes nem entendia porque eu tava chorando deitada na caminha com ele, mas que tava ali, fazendo eu conseguir me manter forte.

May: Eu sei que eu tenho razão, ué! HAHAHA!

Clara: Trouxa!

May: E vocês, conversaram?!

Clara: É…que…

May: Ah mano!! Sério isso?!

Clara: É que ela não me deixou falar nada! Eu pensava que a gente ia conversar, ela já chegou chegando, eu só fiz o que qualquer pessoa faria!

May: Vocês precisam conversar. Inclusive, precisam conversar também com outras pessoas, né Clara!?

Clara: Falando nisso será se ela já saiu do meu ap?!

May: Acho tão difícil! Você sabe, como ela sempre tá esperando por você, né?!

Clara: Nem vou ligar, hoje não quero stress!

May: Vamos beber então?!

Clara: Vamos sim!

Clara se juntou a todos. E Vanessa que já tinha matado as saudades dos filhos, saia do banho e se trocava. Ela tava morrendo de saudades do Max e pretendia voltar, mas quis fazer charminho pra ver a Clara pedir. Ela desceu as escadas e quando ia passar pela sala viu Jonas sentado no sofá junto com a sua mãe, foi como se tivesse tomando um banho de realidade. Ele sorriu e levantou-se, tentou até um selinho, mas Vanessa desviou.

Vanessa: Mãe, vou sair, só volto amanhã.

Ela sequer deu a chance da Tia Sol de falar algo, se dirigiu pra garagem, Jonas a seguiu.

Jonas: A gente precisa conversar, não acha?!

Vanessa: Acho que as nossas atitudes ontem, falaram por nós, não acha?!

Ela adotou um tom sarcástico tirando do rosto de Jonas qualquer esperança de ficarem bem.

Jonas: Van, me desculpa. Eu… fui um idiota.

Vanessa: Bom, você tem razão.

Vanessa falava enquanto colocava sua bolsa dentro do carro e retirava alguns lixos.

Jonas: Foi um conjunto de erros dos dois lados. Por favor, só não me trata assim!

Vanessa: Jonas, eu só… tô cansada.

Jonas: Meu amor, você lembra bem como começamos, sabe o quanto você estava ferida e o quanto sou paciente, eu… perdi a cabeça, misturei bebida, você melhor do que ninguém sabe que eu não sou daquele jeito!

Vanessa que até então não tava dando tanta importância a conversa, virou-se e cruzou os braços dando total atenção a ele.

Vanessa: É, eu sei que você é uma ótima pessoa. Mas você também pode entender porque tive uma atitude grosseira, você sabe o quanto respeito a história de vida dela, ela sempre teve a moral dela a prova por causa da profissão e por ser tão livre. E ela só é feliz, não faz mal a ninguém, então sinto essa necessidade de defender ela.

Jonas: Eu sei! Eu não respeitei a consideração e o… carinho que você tem por ela. Eu errei. Eu não acho que a Clara seja aquilo que falei.

Vanessa: É, bem… é isso, né?!

Jonas: Eu quero que a gente continue do mesmo jeito, Van. Vou continuar respeitando seu espaço…

Vanessa: Não sei Jonas…

Jonas: Porque Van?

Vanessa: Ah, meu… eu nem pensei sobre isso, sei lá.

Jonas: Então se você não pensou é porque não precisa pensar. Nós dois erramos, nos estressamos e agora estamos nos entendendo. Vamos ficar de boa Van, o nosso combinado foi sempre fazer bem um ao outro.

Jonas a abraçou e a beijou em seguida. Vanessa tava com um misto de sentimentos no peito, ele foi e é um amigo que mais a ajudou a superar a dor e o vazio que a Clara deixou, vendo ele falando daquela forma com ela, como sempre um fofo, amolecia o coração, ela não queria magoa-lo, e também estava morrendo de medo de se magoar com Clara, ela nem sabia do que se tratava aquilo que estava voltando, se deixou levar nos braços dele.

Vanessa: Agora tenho que ir!

Jonas: Vai pra onde?!

Vanessa: Pra casa da Thais, prometi dormir lá…

Jonas: Ah, sei… amanhã podemos almoçar juntos?!

Vanessa: Pode ser!

Ela voltou pra avisar pra mãe dela pra onde iria e enfim se despediu dele, no caminho pensou um pouco em como ficaria a relação dos dois, mas logo se lembrou que tava indo encontrar com Max e o sorriso no rosto apareceu facilmente.

Quando você se magoa não consegue acreditar mais em nada. Sempre vai pensar que as outras pessoas vão te fazer se sentir um nada de novo e de novo. Quando seu coração parte por causa da pessoa que morava nele, seu coração sempre vai ter pequenos trincados e esses trincados podem machucar qualquer um que venha tentar morar em seu coração de novo. Você se fecha, se afasta de tudo e todos. Você se torna literalmente uma pessoa que só existe. Mas um dia, ah, o tão sonhado dia. Chega uma pessoa que não vai se importar com os trincados do seu coração, que vai gostar do aconchego dele e que não vai se importar de ser um pouco cortados às vezes, até que um dia ele encha tanto seu coração de amor, que os trincados vão se acabar. Você se apaixona novamente e percebe que não importa o que aconteça, desde que ao seu lado esteja essa pessoa, essa que foi capaz de te amar com todos os seus defeitos e ao invés de elogiar suas qualidades como todo mundo, ele elogia os defeitos. Porque ele vê o diferente em ti. Então você percebe que por algumas pessoa sempre vai valer a pena esperar e sempre vai valer a pena amar.
—  Diferentes, lembra?

— Alô?
— Oi! Quem é?
— Sou eu. Não precisa dizer nada, só me escuta.


Tudo bem? Como têm sido teus anos longe de mim? Cheguei hoje de viagem e pensei em te ligar. Sei lá, puxar um papo, te resumir minha vida nesses oito anos. Eu sei que a gente não se falou nesse tempo, e que eu, tampouco, respondi as tuas mensagens. É que andei tão ocupado que mal tive tempo de pedalar como antigamente. Na verdade, eu precisava de um tempo. Queria estar longe e não estender mais o nosso vínculo. Tu sabes que eu nunca fui muito bom com despedidas, e acredito que eu ainda devo me profissionalizar em “adeus”. Tu lembras daquela faculdade na qual eu queria passar tanto? Então, depois de três anos tentando, eu entrei. Foi a maior festa lá em casa. Minha mãe pensou em te ligar, mas não tínhamos mais o teu número. Ou melhor, foi o que eu disse pra ela. Até hoje a coroa insiste em dizer que tu és a melhor parceira de festa que ela teve, e especialista em queimar todo o churrasco. Tenho tanta coisa para te contar que, se eu demorar muito, meu bônus acaba e só poderei te ligar amanhã. Tu sabes: “A vida tá difícil.” Meu bordão ainda é o mesmo. Afinal, sou graduando e não formado. Vais precisar ter um pouco de paciência caso escutes um “tututu” ao invés da minha voz. Ah sim, nem te falei: estou namorando. A conheci naquele posto que a gente sempre comprava o teu cigarro que eu tanto odiava. Até que, do ódio, surgiu um amor. A guria é meio louca, mas é tri gente boa. Dirige um fusca, têm umas tatuagens mucho locas pelo corpo e um cabelo bagunçado que eu adoro. Ela sabe como me tratar bem. É doutora em me arrancar gargalhadas e faz questão de me mandar toda manhã alguma citação do Gabito Nunes. Pelo estilo da morena, não deveria se empenhar pela metade, mas, segundo ela, o amor é sujeito à mudança. Além dos seus defeitos já acostumados, quase morre a cada texto que eu publico. Ela acha que será uma carta de término, exatamente como eu fiz contigo aquela vez. Lembra? Esse tempo longe fez eu entender que o amor não discerne distâncias, não conta as horas e que a saudade não vem a óbito com as substituições. Ou melhor, o tempo não cura tudo, só tira o incurável do centro das atenções. Existem saudades que passam a ser nossas amigas. Como uma filha, uma vez gerada, só podemos deixá-la de lado quando outra pessoa assumir e der um jeito de tratá-la. Antes de embarcar no aeroporto, uma senhora com roupas e acessórios de cigana pediu para ler minha mão. Interpretando minhas linhas turvas, graduada nas leis da vida, me encarou com dois olhos negros acompanhados de uma voz suave: “A memória conserva a felicidade dos momentos compartilhados e a mente faz o trabalho de lembrar o porquê não estendê-la. Não existe receita para a felicidade, não há fórmulas para o amor, não existirão remédios para a saudade. O coração tem memória, passe a respeitá-la! Não o subjugue, pois ele sabe muito bem a diferença entre lembrar e amar. Quem um dia amou, leva a saudade antiga no bolso para poder viver em paz com a novidade de um novo amor.”

—  O tempo não cura tudo