leiam e me digam o que acharam

Era tarde de primavera. Apesar de não ser minha estação preferida, sempre me aconchegou bem. O barulho das milhares de folhas verdes penduradas em seus galhos sendo chacoalhadas pelo vento me traziam sossego. Pela primeira vez em anos me sentia viva, mesmo sem entender o porquê. Mas as horas começaram a se passar lentamente, o tic tac lento do relógio me deixou inquieta, uma onda de ansiedade me inundou fazendo meu coração acelerar a cada batida e minhas mãos já trêmulas suarem. Ouvi a campainha tocar e soube que algo estava prestes a acontecer… Era tarde de primavera quando o amor bateu na minha porta. E eu abri.
—  Prólogo: Para sempre sua.  
  • Eu sei que algumas ainda estão meio “afetadas” com o nascimento do filho do Louis, mas… Esse imagine já estava pronto há algum tempo baseado em uma foto que eu vi no Instagram de alguém que eu não me lembro o user no momento, mas espero que mesmo assim vocês leiam e gostem dele. Então… Leiam, deem like, me digam o que acharam e é isso hahaha Bjs, Boa leitura Xx
  • Caso tenham uma curiosidade, tbm podem ver essa manip que eu acho um amor

IMAGINE COM LOUIS TOMLINSON

“Não se preocupa, não vou deixá-la se machucar, eu sei cuidar dela.” Foram essas palavras usadas por mim na minha tentativa para convencer S/n de que ela não precisaria contratar uma babá para cuidar de Bella assim que voltasse a trabalhar. Eu estaria mais tempo em casa nos próximos meses, então poderia fazer isso sozinho. Ela parecia estar preocupada com a ideia de deixar nossa filha de cinco anos sozinha comigo, mas quanto eu mais insistia, mais S/n via que não tinha outra saída a não ser confiar em mim e acreditar que eu poderia fazer aquilo.

— Eu confio em você. — S/n se deu por vencida enquanto se apoiava em mim para colocar os saltos — Lembra das regras? — Perguntou enquanto se olhava mais uma vez no espelho.

— Nada de doces antes do almoço, não brincar com facas e tesouras, perto de tomadas, da banheira e das suas maquiagens, não deixar ela pular da cama, e subir em lugares altos, e tomar cuidado para que ela não brinque com o meu skate. — Rolei  os olhos. — Já disse que não precisa se preocupar.

— Tudo bem, mas qualquer coisa, qualquer dúvida, me liga. Eu volto logo, se cuidem. — S/n se despediu de mim com um beijo antes de sair. Logo que a porta foi fechada,  ouvi um resmungo atrás de mim e eu olhei ao redor, encontrando Bella com uma carinha de sono, o cabelo amassado, vestindo o  seu pijama de ursinho e carregando um paninho rosa que ela dormia junto e tanto adorava.

— Onde a mamãe foi? — Ela esfregava a pequena mãozinha em seu olho.

— Ela foi trabalhar meu amor, lembra do que ela te disse? — Bella piscou os olhinhos ainda com sono e balançou a cabeça.

— Ela vai demorar muito? — Perguntou já sentindo falta da mãe. Eu já esperava que isso iria acontecer. S/n já não estava trabalhando quando Bella nasceu, ela queria se dedicar totalmente a nossa família, queria estar presente na infância dela, acompanhar o seu desenvolvimento dia-a-dia. Mas ainda assim S/n sentia falta de trabalhar no que tanto amava, e então esperou um tempo até que Bella crescesse, para voltar a trabalhar. Mas levaria um tempo até as duas se acostumarem a ficar um tempo longe da outra quando S/n fosse trabalhar..

— Ela vai chegar só á noite — Disse e percebi a sua carinha ficar triste. — Ei princesa, não fica assim. A gente vai brincar muito hoje, tudo bem? Quer a sua mamadeira? — Bella assentiu meio cabisbaixa e foi para a sala, ligando a televisão no canal de desenho e se deitando no sofá, enquanto eu preparava o seu leite.

Bella passou a manhã inteira assistindo desenhos e tomando a sua mamadeira. Estava quieta, com a mamadeira na boca, seu paninho nas mãos, os olhinhos vidrados na televisão, mas eu sabia que o seu coração estava sentindo falta da mãe. Eu não queria recorrer a S/n, não queria deixá-la preocupada, mas eu não conseguia achar nenhuma maneira de tentar animá-la. Quando chegou o seu horário de almoço, esquentei a comida e observei ela almoçar devagar, mexendo na comida, e comendo de pouquinho em pouquinho. .

Depois do almoço, Bella foi para o quarto brincar, ainda meio triste, me deixando pensando sozinho na cozinha. Com certeza ela estava desejando que a mãe estivesse aqui para brincar junto com ela, S/n era muito mais presente na vida de Bella do que eu, que sempre estava viajando, indo para alguma reunião ou entrevista. Mas eu queria estar mair presente, queria me esforçar para ser um pai legal também, e estava torcendo que com esse tempo que eu iria passar em casa, Bella pudesse conseguir gostar de mim.

— Papai — Bella apareceu ao meu lado de repente, cutucando a minha perna enquanto eu lavava a louça e então eu olhei para baixo. — Eu tô com fome — Ela disse fazendo bico e com os braços na cintura.

— Mas você almoçou nem faz uma hora filha. — Eu disse pegando ela no colo e sentando em cima da bancada próxima à pia.

— Mas eu tô com fome — Falou cruzando os bracinhos.

— Tudo bem, o que você quer comer? — Perguntei já me dando´por rendido e tentando procurar alguma coisa para comer nos armários.

— Hum… Cookies! — Gritou animada e eu franzi a testa. Acho que não tínhamos cookies em casa.

— Bella, acho que não temos cookies. — Disse abrindo o último armário que faltava e a observei ficar triste de novo.

— Mas eu queria cookies — Resmungou com a cabeça baixa enquanto os olhos enchiam de lágrimas. Droga! Não chora! Cadê o esforço para fazer Bella gostar de você? Vamos, Louis, pense!

— Mas… — Disse tentando dar um suspense no ar. — Nós podemos fazer nossos cookies, temos chocolate e os ingredientes que precisamos para a massa.

— Verdade? — Eu assenti e seus olhos se iluminaram, e a esperança e um lindo sorriso tomaram conta do seu rostinho. Era aquele sorriso que eu queria ser o motivo da sua felicidade e tanto queria ver. Coloquei Bella no chão, cobri o mesmo com um pedaço de plástico, e separei todos os ingredientes e tudo o que iríamos precisar colocando todos ali no chão da cozinha, onde nós dois nos sentamos e Bella começou a misturar os ingredientes na vasilha com a minha ajuda.

Bella colocou o açúcar, quebrou os ovos desajeitosamente, derrubou um pouco de farinha no chão, eu sempre a pegava no flagra tentando roubar os pedaços de chocolate, e ela sempre ria se divertindo com a bagunça que estávamos fazendo. Se era para ver ela sorrir, se divertir, porque não um pouco de bagunça?

— Pronto, agora é só assar por uns vinte minutos. — Coloquei a assadeira com as bolinhas de massa de cookie no forno pré-aquecido, enquanto Bella me observava.

— Vai demorar muito? — Perguntou.

— Não muito, a gente pode assistir televisão enquanto espera, que tal? — Ela negou com a cabeça balançando freneticamente. — Então tá, vamos ficar aqui e esperar. — Me sentei ao seu lado no chão de frente ao forno e ficamos observando os cookies assarem. Não se passaram nem cinco minutos, e Bella começou a ficar entediada e eu comecei a cutucar o seu braço vendo que ela tinha cócegas e se controlava para não rir. — Você não quer nem brincar de pega-pega? — Foi então que ela se levantou fingindo estar brava comigo.

— Corre! — Gritou dando tempo para eu me levantar e começar a correr e ela me seguindo pela casa inteira, até que houve uma hora que ela me pegou, e aí sim trocamos os lugares. Bella ria gostoso se divertindo com a brincadeira que acabou virando um esconde-esconde no final.

A essa altura, os biscoitos já estavam prontos e eu havia tirado eles do forno para esfriar e colocado na bancada da pia. Eu estava sendo o procurado, e Bella estava em algum lugar da casa me procurando, enquanto eu estava escondido num cantinho escondido da sala, quando comecei a perceber a demora de Bella e então ouvi o barulho de uma cadeira se arrastando na cozinha.

Me direcionei até lá, quando encontrei Bella subindo na cadeira próxima à bancada onde estava a bandeja com os cookies.

— Quem está roubando os meus cookies? — Surpreendi ela, pegando no meu colo enquanto a sua mãozinha pegou um deles e mordeu um pedaço. Bella sorria com a boquinha cheia. — Tá bom? — Ela estendeu o bracinho e eu mordi um pedaço. — Hummm… Que gostoso!

— O que vocês estão aprontando? — Ouvi a voz animada de S/n entrando na cozinha acabando de chegar.

— Mamãe! — Bella estendeu os bracinhos no meu colo, feliz em ver a mãe e pulou para os braços dela, que me cumprimentou com um beijo na bochecha. — Mamãe, eu e o papai fizemos cookies! — Gritou animada  oferecendo um pedaço para sua mãe comer.

— Está delicioso Bell!

— Eu disse que daria conta — Disse para S/n que sorriu pra mim.

— Eu sei. Obriga… — Ela aproximou o seu rosto do meu, fazendo menção que iria me beijar, e eu fechei meus olhos esperando o momentos que nossos lábios iriam se tocar. — Ahm, Louis?

— Sim? — Respondi com um olho aberto espiando.

— Você não espera que eu arrume essa bagunça, não é? — Me virei na direção onde seus olhos estavam direcionados, e vi a bagunça que eu e Bella fizemos no chão da cozinha, a farinha espalhada no chão e algumas marcas de chocolate e resto de massa grudadas no piso.

— Mas… — Comecei tentar me explicar, tentando arranjar alguma desculpa para não ter de limpar toda aquela bagunça, mas aí eu me lembrei o porque eu tinha feito aquilo. Por um sorriso. Não há desculpas para conseguir a felicidade de alguém. Principalmente se esse alguém for um filho, uma filha, uma família, ou qualquer pessoa amada.