larit

Eu sei, eu sei… Eu sou complicada, mas e dai? Não era você quem dizia ser o mestre das coisas impossíveis? Ser um cara que gosta de emoções fortes e de aventuras? Onde está esse cara agora? Eu não o vejo, pois o cara que eu vejo aí é um cara que renega seus sentimentos por uma mulher apenas por acha-la complicada demais. Não diga que não gosta de mim, pois eu sei que gosta. Eu vejo nos seus olhos, eu sinto no seu toque. Eu sei reconhecer isso, pois é como eu me sinto por você. Então não venha me dizer que não gosta mais de mim. Seja homem rapaz. Acha que se fosse por complicação, eu ainda estaria aqui? Você é bem mais complicado que eu, e eu não cheguei a dizer não pra você. É engraçado como as coisas mudam tão rapidamente, e olha que você nunca ia deixar que nada atrapalhasse. Pena que você nunca cumpre o que diz. Mas tudo bem, se quiser ir, vá, mas depois não venha me dizer que não achou ninguém como eu, a complicada demais vai ter alguém que a ache a garota mais incrível do mundo. Se quiser espaço ou algo assim, se quiser tempo, se quiser que eu saia daqui, avisa, mas não minta a si mesmo que não sabe que não vai ter outra que te pertença tanto ou que te faça tão feliz. Posso até ser complicada, mas você consegue olhar pra mim e não dizer “eu quero ficar com você por muito tempo ainda”? Eu sei que você gosta desse meu jeito complicado, você reclama dele, mas o adora. Assim como eu adoro as suas chatices; às vezes você é chato pra caralho e reclama de tudo, reclama disso e reclama daquilo. E são os defeitos que me fazem gostar ainda mais de você. Talvez se você fosse um poço de perfeição eu nunca iria gostar de ti por quê uma coisa que eu não suporto é gente perfeitinha demais que não comete erros e segue as regras. Se eu fosse um livro aberto você nunca iria se aproximar de mim, pois eu sei que você do meu jeito misterioso e adora me decifrar. Decifrar o meu sorriso, o meu olhar, os meus pensamentos. Se eu não fosse um quebra-cabeça de cinco mil peças você ainda não estaria aqui junto comigo. Você sempre me disse que todo jogo dado fácil demais perde a graça e que monotonia além de enjoo, desgasta. Eu sei que você adora esse meu ar de mistério, esse meu jeito meio torto e essa minha mania de ser ousada em tudo. Sei também que toda essa tua birra em se afastar de mim e usar como desculpa minha complicação, não passa de puro charminho, por que no fim, tu nunca preferiu essas menininhas fáceis, que dão uma de difíceis no começo, mas logo liberam geral. Tu quer mesmo é perder o juízo e ficar com cabelo em pé de tanto drama, quer ter motivos pra dizer que é pirraça, quer uma briga daquelas e em seguida uma reconciliação bem gostosa. Mas acima de tudo, você quer a única garota, que mesmo sendo um poço de desafios e confusões, é a única que sempre vai te amar e te aceitar assim, do jeitinho que você é, cheio de orgulho e teimosia, mas ao mesmo tempo, o dono do seu coração.
—  By: LeilianeGiseleLarissa T. and Hanna written in imperfeita-s
3

Amint megláttam a kenyérsütöde falán a 2014-es Sztálin-naptárat, már nyúltam is a telefonomért, hogy lefotózzam, de hirtelen megjelent a pék.

Egy pillanatra megszeppentem, de ki nem tenné egy vélhetően sztálinista romantikát dédelgető grúz férfi láttán. Megkérdeztem, csinálhatok-e egy képet, mire magától értetődően biccentett.

Dolgom végeztével mentem volna tovább, de újra megjelent, és kedvesen, de határozottan intett, hogy menjek be, és fotózzam le a kemencéjét is. (A parázsló mélység fölé hajolva egy másodpercre átfutott az agyamon, hogy milyen lenne, ha engem is ropogósra sütne Kutaisi külvárosában, pár lépésre egy szép templomtól.)

Elkészült a fotó a kemencéről, már félig kirodultam a sütödéből, mire egy A4-es lapba csomagolva a kezembe nyomott egy friss kenyeret. Akartam adni egy larit (kb 140 ft), de mosolyogva csóválta a fejét, és csak annyit mondott kedvesen: good bye.

Fél órával később egy parkban vettem észre, hogy az A4-es lapra angol nyelvleckét nyomtattak. A történet szempontjából ez már valószínűleg lényegtelen.

Às vezes queria voltar no tempo, às vezes não, muitas vezes. Fico pensando como seria reencontrar aqueles velhos amigos, que, por um mero acaso, acabei afastando-me sem motivo algum, aquelas pessoas que me fizeram um bem danado, que ninguém nunca fez antes. Sinto uma enorme saudade das pessoas do passado, de uns quatro ou cinco anos atrás, e nunca ninguém conseguiu ocupar o espaço delas no meu coração. Sim, eu sou um museu ambulante. Vivo do passado. Eu saí dele, mas ele não saiu de mim. Se isso é patético, sim ou claro? Talvez os dois. Eu queria ser menos sentimental e esquecer todo mundo na mesma velocidade que me esquecem, mas eu não consigo, não consigo esquecer ninguém facilmente, talvez esse seja um dos meus mil defeitos. Ainda me lembro como se fosse ontem as amizades que fiz quando era criança, ainda consigo me recordar bem dos seus rostos felizes, olhos brilhantes e sorrisos contagiantes, recordo principalmente da grande ingenuidade que não conseguia ver maldade em nada nem numa pequena mosca. Bem diferente de hoje em dia; as pessoas mudaram muito e deixaram de ser ingênuas e tornaram-se uns verdadeiros monstros. Completamente irreconhecíveis. Os sorrisos atuais perderam o brilho, perder a alegria. As pessoas de hoje não passam de um ser triste com uma máscara de felicidade. E isso de força extrema e sorriso falso se tornou tão clichê, que tem gente por aí, sendo forte sem nem saber o que é sofrer. Talvez, quer dizer, com certeza é por isso que meu psicológico está preso ao passado. Era aquela realidade que eu me encaixava. Aquela vontade de ser feliz era contagiante pelas ruas. A simpatia e a inocência das pessoas era o que mais me encantava. Elas sim eram fortes, por ser capazes de criar uma alegria geral, tendo lá cada um seus problemas. Não há necessidade de alguém me ouvir, de me ajudar ou me aceitar, ninguém é obrigado a nada. São minhas dores e meus problemas, algum dia as dores viram sorrisos e os problemas encontram suas devidas soluções. Se eu não sou capaz de lidar comigo mesmo, por que as outras pessoas seriam? Já não me lembro de como era ser feliz de verdade. Queria rir novamente, sem compromisso, sem tristeza, pois somos privilegiados ,de acordo com Aristóteles, que diz que o ser humano é o único animal que consegue rir. Nenhuma nova amizade substituirá as que eu já tive, e sempre estrago as coisas boas que me acontecem. Quando éramos crianças, fomos tão ingênuos ao ponto de achar que ser grande ou adulto é ser legal. Mas isso é algo contraditório, ao longo de sua vida, enquanto cresce, tudo piora. Porém vencemos o impossível com a força do coração. Todo mundo tem razoes para acreditar. Escrevendo isso, falando de passado, pude me lembrar de uma vez que vi uma fotografia de um garotinho, ele devia ter lá seus 6, 7 anos, uma criança. E ele estava com uma Barbie nas mão, mas não brincando ou fazendo algo que crianças fazem, o garotinho estava com a boca nos seios da boneca. Aquela foi a maior demonstração de como o mundo está uma droga, uma verdadeira merda de gente perdida e desumana, infeliz sem saber… Eu até hoje me pergunto, onde diabos aquela criança aprendeu isso, que fazer aquilo com uma boneca era mais produtivo que brincar com ela. Na minha época não tinha isso,como diz minha mãe, acho que não tinha de forma alguma, isso é ridículo, me deixa meio abismada. As crianças estão fazendo barbaridades com a época mais feliz de suas vidas, tentando transformá-la numa adolescência precoce. Mal sabem as coitadas que a adolescência é a grande bosta da vida, e que a maioria dos jovens daria tudo pra voltar no tempo e aproveitar melhor as coisas…
—  By: Larissa T., Isadora, Larissa K. and Stéfanny written in imperfeita-s
Este celular está fora de área ou desligado.”
— Pô, Scott, será que você tem um celular de enfeite, ou está só me evitando e desligando na minha cara? - Cliquei no botão de desligar, enfurecida com aquele canalha que havia me deixado plantada num encontro que ele mesmo marcou. Como minha teimosia é grande, liguei mais uma vez e nada, resolvi deixar uma mensagem de texto. Nela estava escrito: “Ei, te esperei por horas no Starbucks como planejamos noite passada, mas você nem me ligou para dizer que não poderia vir. O que houve?” Ao enviar, sentei-me ai da na esperança de que ele abrisse aquela droga de porta e sorrisse pra mim, mas isso não aconteceu… Fiquei umas duas horas plantada, esperando por ele e, preocupada se tinha acontecido alguma coisa, pois a insistência dele para se encontrar comigo era grande e, agora ele não deu as caras e nem sequer me mandou uma simples mensagem se desculpando ou explicando o bolo que havia me dado. Cansada de esperar, paguei a conta do café que havia tomado e fui embora com muita raiva dele. Cheguei em casa, tirei o meu all star e joguei a minha jaqueta no chão, e me deitei na cama com o celular ao meu lado ainda na esperança que ele me mandasse uma mensagem. Estava exausta e esperei pela tal mensagem, até cair no sono, despertei-me com o barulho da mensagem que dizia o seguinte: “Desculpa por não ter ido ao encontro. Podemos nos encontrar amanhã?”Olhei furiosa para a tela do celular e voltei a dormir ignorando a mensagem. Afinal, eu merecia uma explicação ao invés de um simples desculpa. Acordei num salto, tinha sonhado que estava caindo de um precipício; escovei os meus dentes e lavei o meu rosto, e olhei novamente para a tela do celular e havia outra mensagem do Scott dizendo: “Preciso falar com você. Vamos sair hoje?”A mesma insistência dele de antes. Eu tinha topado sair com ele e ele furou comigo, agora não sei se marco ou não um encontro novamente. O que pensar depois de uma noite agoniante que passei esperando por você que nem uma idiota naquele café? Além de tudo me mandar mensagens apenas com desculpas, o que isso quer dizer? Apenas sente muito e vamos lá nos ver de novo? Por mais que eu diga essas coisas, minha cabeça está um transtorno e o meu coração… Puxa, nem me fale. O que devo fazer agora? Encontra-me com você? É o que meu coração diz. Devo segui-lo, Scott? Responda-me você. Meus pensamentos voados se despertaram com o ruído da mensagem recebida. Novamente Scott me manda: ”Preciso mesmo falar com você. Responda-me, princesa.” Depois de toda sua insistência, resolvi responder apenas um frio: “Irá aparecer dessa vez?” O caso era que eu desejava ser imparcial, para talvez mostrar para ele que isso não se faz com uma menina, seja ela quem for. Mas quem disse que eu conseguia? Meu coração batia até mais forte depois dele ter me chamado de princesa. Segui minha rotina, fui me arrumar, colocar minha camisa surrada e meu short de sempre, aquele jeans que você sabe que eu adoro. Estava a tomar meu café preto, quando você me responde: “Irei, te garanto. Encontre-me na pracinha em frente ao seu condomínio de prédios ás 10:30. Pode ser?” Rapidamente olhei para o relógio de galo que há na minha cozinha e me deparei com um certo desespero, pois já marcava 10:20 e eu ainda estava a tomar meu café forte. Engoli a torrada que estava no meu prato e me pus a correr até a praça. Chegando lá me deparei com o seu sorriso de estremecer as pernas. Fui diminuindo a velocidade da minha corrida cada vez que chegava mais próximo de você. Já meu coração estava em proporções diferentes da minha velocidade. Eu me lembrei da noite passada, e logo tentei mudar meu humor, você já tinha me hipnotizado pelos olhos e a minha vontade de te abraçar me fazia esquecer a bronca que eu tinha decorado antes de sair de casa. Mas eu tive que me manter, comecei a me lembrar da parte em que eu te chamava de idiota e te empurrava pedindo explicação, você me deixou preocupada e ao mesmo tempo achando que tinha um programa melhor. Quando entrei em acordo com as batidas do meu coração, tentei lhe dizer… “Você acha que eu gostei de ficar te esperando? Acha que não tem que me explicar nada e deixar por isso mesmo? Acha que é só mandar uma sms me chamando de princesa pra ter meu sorriso pra você de novo?”… E ele me interrompeu, aproximando seu corpo do meu, colocando a mão no meu rosto, aqueles lábios quase colando nos meus, que, quase secos tentavam mostrar o meu nervosismo, e ele só sussurrou enquanto encaixava os nossos lábios, “E eu não consegui?”, é claro que eu queria matá-lo, mas o sorriso dele me matou muito antes de eu querer negar que ele conseguia tudo.
—  By: StéfannyLarissa T.Marcela and Gisele written in imperfeita-s
É sempre assim. As pessoas entram na minha vida e a bagunçam inteirinha e depois vão embora como se nunca tivesse feito parte dela. Eu não deveria esperar o contrário de você nem colocar o resto da minha esperança em cima de ti. Eu sei que é muita pressão da minha parte, mas eu sou assim mesma. Possessiva, ciumenta, exagerada; sou uma lista de defeitos ambulante. Eu queria mudar, mas não consigo. Ainda mais quando eu amo alguém, eu quero a pessoa só pra mim e ela acaba se cansando de mim e vai embora. E não foi diferente de você que se cansou de mim do mesmo jeito que as pessoas cansaram. Foi só você me conhecer de verdade que você vazou na primeira oportunidade sem deixar ao menos um mísero bilhete de despedida, porque eu merecia pelo menos uma simples explicação ou um adeus cara-a-cara. Mas não, você me deu um pé na bunda através de uma mensagem: “Preciso de um tempo, o problema não é você, sou eu.” Você deveria ter sido pelo menos original, porque todos mandaram a mesma frase clichê: "O problema não é você, sou eu”. Claro, você terminou comigo porque tem alguma coisa de errada com você. Então, porque você não da um pé na bunda em você mesmo? Vá se ferrar né! Eu sei que o problema sou eu, porque o problema sempre sou eu. Por mais que todos digam que não tem nada de errado comigo, eu sei bem que eu sou a causa das minhas próprias lágrimas, de todos os meus sentimentos. Eu sou esse erro ambulante. Sou essa pessoa que não agrada a ninguém. Sou aquela que ninguém suporta por muito tempo. Ninguém consegue permanecer ao meu lado, por mais que eu me esforce, por mais que eu tente fazer de tudo pra dar certo, tudo para agradar, ninguém fica comigo, todos se vão na primeira oportunidade que tem e sempre me deixam com o coração todo partido. Não sei dizer nem muito menos entender o que eu tenho para que isso aconteça. Só queria que diante de tudo, alguém ficasse aqui comigo, sem se importar com nada. Queria apenas uma pessoa para permanecer comigo diante de todas as minhas dificuldades. Não quero ser só mais uma na vida de alguém, quero ser o hoje, e o amanhã também. Arrumar essa casa bagunçada de sentimentos escondidos, reavivar minhas esperanças sobre o amor. Mas em meio a desejos ocultos o que vejo são apenas partidas. Todos foram embora, levando consigo um pouco de mim. Inclusive você, que não se deteu no adeus, que fez a diferença no começo, mas se mostrou igual a todos os outros quando foi embora. Não tiro suas razões, é difícil achar alguém que me aguente, que suporte por tanto tempo os meus defeitos incontroláveis. Sou um posso de insegurança e incertezas, e você sabe bem disso. Contudo eu nunca te dei esperanças falsas àquilo que realmente sou, sempre deixei isso bem claro, mas as suas mentiras foram maiores que o bom senso. Suas fantasias de menino solitário fizeram sentido por algum tempo, porém agora não mais. Olhei para trás, o que foi embora já não me importa, se não foram capazes de perceber a intensidade dos meus sentimentos o que tenho a fazer é somente seguir em frente. Tenho a mim mesma, tenho o céu sobre minha cabeça, o que preciso além disso? E se algum dia o amor bater na minha porta, eu deixo entrar, mas no momento certo e na hora certa.
—  By: Larissa T.Andreza and Camila written in imperfeita-s
Eu te vi e já te quis, me vi tão feliz, um amor que pra mim era sonho. Surpreendente provar do que eu só ouvi falar, e que você resolveu me mostrar. Logo eu que nem pensava, eu não imaginava te merecer e agora sou o dono desse amor eu nem quero saber porque eu só preciso viver o resto desta vida com você.
—  Jorge e Mateus, nousivres
Se eu pudesse morava no teu abraço, lá é quentinho e protegido, ali nada me atinge, ali eu ouço as batidas do seu coração, ali eu sinto seu amor.
—  Se eu pudesse… e-scombros
Talvez não seja nessa vida ainda mas você ainda vai ser a minha vida. Então a gente vai fugir pro mar e eu vou pedir pra namorar, você vai me dizer que vai pensar, mas no fim, vai deixar. Talvez não seja nessa vida ainda mas você ainda vai ser a minha vida, sem ter mais mentiras pra me ver, sem amor antigo pra esquecer, sem os teus amigos pra esconder pode crer que tudo vai dar certo. Vou dizer pra Deus nosso senhor que tu és o amor da minha vida, pois não dá pra viver nessa vida morrendo de amor.
—  Armandinho, e-scombros.