lý-do

Entre nós
  Apenas o vazio
  O abismo

Entre nós
  Apenas a saudade não recíproca
  A dor acalentada nas entranhas do meu ser

Entre nós
   O nós que nem fomos
   E os nós que não desatamos

Entre nós
   Somente as lembranças
   Embaralhadas
   E seladas pelo novelo de lã do tempo

Entre nós
  O abismo

Entre nós
  Os nós que nos impediram de ser nós.

- Entre nós, Alane Queiroz.

☾ — one of these nights ; jw x sh ♡ ☽

with: @gyc-seungho | st: public

Já fazia algum tempo que a pequena estava sentada em frente ao portão de entrada da universidade. Tinha combinado com Seungho às 20hs, mas fizera questão de terminar os afazeres na velocidade da luz e correr até o local combinado. Entretanto, o vento frio parecia cortar a tez alva e as bochechas se enrijeciam a cada segundo que se passava, precisando usar do cachecol de lã para esconder parte do rosto e fugir daquela ventania.

Os olhinhos vidrados no visor do celular acompanhavam o relógio de tempos em tempos, logo sentindo como se seu estômago fosse explodir. Maldita ansiedade. Maldito nervosismo. Cada segundo era uma eternidade. E por mais que tentasse esconder, sempre ficava eufórica só de pensar no mais velho. Não conseguia entender exatamente o que se passava ali, mas com certeza jamais tinha acontecido. O sorriso bobo não negava. Em momento algum.

Passou a bater os saltos em ritmo compassado enquanto olhava ao longo da rua, respirando fundo diversas vezes até que controlasse sua crise de nervos. Ao menos em partes. Até ele chegar, provavelmente teria tido uma síncope.

Preference #369: Night Changes.

Pedido:  “Oii sou nova aqui e amo o imagine de vocês!!! Gostaria de saber se alguma de vocês poderia fazer um preference baseado em night chances mas sobre o que acontece depois”

Sugiro que assistam ao clipe antes de ler :3

Espero que gostem :)

Boa leitura sz.


Zayn:

— Eu odeio você! — Gritei assim que bati a porta do carro. Brad fingiu não me escutar, apenas fechou a porta e me seguiu para dentro de casa. — Você é um idiota, Brad. — Grunhi. Ia subir as escadas, mas ele segurou meu braço e me puxou.

— Você realmente acha que eu ia deixar você sair com aquele drogadinho? —  Riu com ironia.

— Zayn não é drogado, ele é muito melhor que você, um filho da puta que não tem dinheiro no bolso e tem que morar com a irmã mais nova! — Me soltei dele.

— Olha como você fala comigo, s\n, ainda sou seu irmão. — Disse em tom de ameaça.

— Você podia ser o Papa! Eu sou maior de idade, posso sair com quem eu quiser e você não tem a porra do direito de se intrometer.  — Me virei e comecei a subir as escadas.

— s\n, eu ainda não terminei! — Gritou. Parei de subir e me virei para ele.

— Espero que consiga um lugar para morar logo, Brad. — Pisquei um olho e subi. Entrei no meu quarto e me joguei na cama, escondi o rosto no travesseiro e senti o pano molhar um pouquinho. Meu celular tocou no criado mudo, atendi sem nem ver quem era.

Babe?

Harry:

Meu Deus, amor, desculpa. — Harry disse pela milésima vez.

— Está tudo bem. — Suspirei.

— Eu sou um idiota. — Resmungou.

— Harry, pare de se lamentar, por favor. — Pedi assim que o táxi parou na frente da nossa casa, Harry pagou e logo entramos.

— Vou subir e arrumar a cama. — Ele disse.

— Como? — Coloquei as mãos na cintura. — Você ouviu a para-médica, não pode forçar esse braço, senta ali, eu arrumo.

— Eu quero ajudar. — Protestou.

— Prepare um banho quente pra mim. — Harry sorriu.

— Pode deixar, senhorita. — Bateu continência e seguiu para o banheiro enquanto eu ia para o quarto.

Liam:

— Vou preparar um chá. — Disse assim que entramos. — E jogar esse chapéu fora. — Fiz uma careta, mostrando o chapéu dentro da sacola.

— Desculpa, amor. — Ele resmungou, deitado no sofá com a mão sobre a barriga.

— Está tudo bem. — Passei a mão em seus cabelos. — Eu já volto. — Sorri e fui para a cozinha.

Coloquei a água para ferver e joguei a sacola dentro da lixeira, coloquei dois saquinhos de chá dentro da caneca e coloquei a água lá dentro, coloquei um pouco de açúcar e levei até a sala.

— Aqui. — Sentei na mesinha de centro e entreguei a caneca a ele.

— Obrigado, eu te amo. — Se sentou e tentou me dar um beijo, mas eu desviei. Liam me olhou com uma expressão confusa.

— Tá pensando que vai me beijar com esse bafo de vômito? — Perguntei me levantando, Liam riu fraco e bebeu um gole do chá. — Está bom?

— Perfeito. — Sorriu fraco.

— Vou preparar um banho bem quente pra você, okay? — Beijei sua testa. — Quando terminar se chá, vá lá.

Louis:

Sorri forçadamente para a mulher a minha frente enquanto ela digitava os dados de Louis. Ele estava dentro de uma cela privada cerca de duas horas, eu tive que esperar todos na sala de espera para poder pagar a fiança de Louis.

— Qual é o seu telefone mesmo? — Ela perguntou pela quinta vez. Dei meu número e encarei o relógio grande atrás dela. — Qual foi o delito dele?

— Desacato a autoridade. — Suspirei.

— A fiança é de dois mil euros. — Abri a bolsa surpresa, já havia ido pegar dinheiro no banco, retirei a quantia e entreguei a mulher. — Sente e espere até que ele saia, depois venha aqui e assine o formulário de soltura. — Assenti e me sentei.

Louis demorou cerca de dez minutos até aparecer, ele estava algemado, fui até a senhora e assinei todo o formulário, o policial que trouxera Louis soltou suas algemas, ele se aproximou de mim.

— Oi, amor. — Sorriu envergonhado.

— Vamos para casa, por favor. — Me virei e saí da delegacia.

— Amor, desculpa. — Louis disse agarrando meu braço.

— Tá tudo bem, só entra no carro e vamos pra casa, preciso dormir. — Louis riu fraco e selou meus lábios rapidamente, abriu a porta do passageiro e me esperou entrar.

— Eu vou te compensar, neném. — Piscou um olho.

Niall:

Niall caminhava pela sala com as mãos nos cabelos, o cheiro da lã do seu suéter queimada estava me deixando tonta.

— Eu sou um idiota. — Ele resmungava.

— Niall. — Chamei, mas ele não pareceu ouvir.

— Idiota, idiota, idiota. — Ele dizia enquanto dava alguns tapas na própria testa, me levantei e segurei suas mãos.

— Niall, está tudo bem. — Disse o olhando. Ele estava com a testa vermelha, assim como as bochechas, seus olhos estavam um pouco marejados.

— Eu te molhei toda, queimei meu suéter favorito. — Disse manhoso.

— Ei, a culpa não é sua. — O abracei. Niall me apertou mais contra seu corpo.

— Desculpa, amor. — Ele disse baixo.

— Está tudo bem. — Deixei um beijo em sua bochecha. — Vem, nós dois precisamos de um banho. — Agarrei sua mão e o puxei em direção ao banheiro.


Me digam o que acharam :3