jutexts

“Querer não é poder." Que frase do caralho hein?! Tantas vezes já disse, já ouvi e já pensei. Finalmente descobri tamanho sentido que existe nessa frase. Querer é algo que te deixa alucinado, vontade desconhecida por algo que nem sempre foi desejado. Quando queremos alguma coisa, estamos dispostos a nos submeter a tudo ou a "quase” tudo. Mesmo que pra isso seja necessário passar por cima de outras coisas ou pessoas. Obstáculos aparecerão mas nem sempre serão o suficiente para levar a desistência. Querer é vicio, é necessidade de conseguir. Vai dizer que nunca quis algo cegamente? Ou então vai dizer que nunca sentiu um desejo incontrolável por algo que nunca havia passado pela sua cabeça? Uma coisa nessa frase é certa, nem sempre tudo que queremos é aquilo que teremos. Tantas coisas ao longo do mundo e justamente escolhemos aquela que talvez seja impossível ou no mínimo muito complicada. E o pior ainda é que gostamos disso. O ser humano nunca está satisfeito com coisas dadas de bandeja, sempre estamos a fim de ir atrás, de conquistar nossas batalhas, mesmo que no final do dia não valha nem a metade do esforço feito. Pra falar a verdade, odeio querer algo que não está a meu alcance? Quer dizer, eu gosto. Mas odeio o fato de ter que correr atrás, porém também odeio o fato de ter aquilo que quero de um dia pro outro, sem o mínimo de esforço. Essa é a graça. O que nos encanta, de verdade, é sempre aquilo que demora a chegar. Que demora a acontecer. Que simplesmente demora. Apenas pela vontade de, depois de tanto tentar, finalmente conseguir. 

Lembro da primeira vez que te vi, um completo estranho. Seus olhos, seu sorriso, filho d'uma puta, por que você mostrou o que não devia? Foi engraçado, tudo começou tão repentino, era como se não tivesse acontecendo, ou melhor, como se fosse acontecer num dia e acabar no outro. Mas infelizmente não foi assim, fomos nos conhecendo, nos aproximando. Aproximando. Aproximando. Todos tinham fé em nós, até eu tinha. Tínhamos tanto pra dar certo que acabou dando errado. E foi o fim. Já senti e passei por tanto; alívio, negação, inconformação, alívio de novo. Tentei curtir minha vida e, não vou mentir, eu consegui. Mas você ainda está aqui, seu babaca. Já me envolvi com outros, porém todos têm um pequeno problema: não são você. Ou então, quando estou finalmente me acertando com alguém, finalmente pensando que dará certo, você aparece. De novo. Mais uma vez. Como quem não quer nada vem me dizer um “oi”. Um simples “oi”. Como se você adivinhasse que estou seguindo minha vida e viesse querer me foder. Imbecil. Eu não sei mais o que faço, te espero ou te esqueço? Pra ser sincera, não tenho mais nenhuma dessas duas opções na cabeça. Quando te esperei, fez de tudo para que eu fosse embora. Eu rio, xingo, encho a cara e por um momento consegui te deixar de lado, mas… Esquecer? Esse é o problema, seu idiota. Não dá pra esquecer. Já tentei várias e várias vezes e nada, só aprendi umas coisas. É verdadeiro, sentimento maduro e sincero. E quer saber? Já não choro mais ao lembrar de nós dois. Superei. Isso. Essa é a palavra. É como se você não existisse na vida real, só aqui dentro, na minha cabeça. Um bonequinho dentro do vidro para eu cuidar. E nada de deixar escapar. Sei que quanto mais eu tento, menos consigo, então, nada de tentar, não é? Estou vivendo por mim e pra mim. Tantas pessoas que já deixei para trás, não por você, mas por mim. Isso que você fez comigo, seu inútil. Não consigo nem sequer me envolver direito com alguém, já penso pelo lado ruim, estou exigente, exagerada, tentando comparar todos os meus casos com o nosso. De fato, eu sei que você ainda se lembra de mim, nem que eu seja lembrada como “aquela idiota” ou por coisa pior, eu sei que se pudesse, mudaria alguma coisa. Assim como eu. Mudaria o lugar pra ir no dia em que nos conhecemos. (Mentira). Por mais que tudo tenha saído do meu controle, não mudaria exatamente nada. Ou quase nada porque, apesar dos apesares, mudou algo em mim, pra melhor, me fez amadurecer, pensar mais no valor das coisas que tenho… Na moral, se apaixonar é uma merda. É válido para tudo. Fulana está feliz porque está apaixonada. Fulana está estressada porque está apaixonada. Bla bla bla […] O pior não é ter perdido algo no qual me joguei de cabeça e sim acordar dia após dia com essa maldita ideia de que nosso enigma será resolvido no futuro.