jenicl

Mantenho a luz apagada

Na janela, observo os galinhos da samambaia dançar com o vento.

Meu corpo forma uma sombra incompleta, luminosidade frouxa na estante de livros.

É bom esse ermo. Reflito..

Não quero luz acesa. Na penumbra

A luz magoa os olhos

Machuca.

JenifferC.

A saudade.

Não sabes o quanto dói

Pálidos sonhos do passado morto.

Um passado Irreversível.

Lembranças que corroem a alma.

Lembranças muitas vezes indesejáveis, que só servem para me por para baixo.

Passado feliz que hoje em dia não faz mais parte de mim.

Dói o peito de lembrar-me o quão eu era feliz e não sabia.

Não aproveitei enquanto podia.

A felicidade passageira, mas que pelo menos existia.

A fibra adormeceu?

São essas lembranças que me fazem vagar em meio a solidão.

Passado, porque murchas-te?

JenifferC.

Eu tentei passo a passo achar rimas para as razões pela qual eu me sinto assim tão vazia por dentro, mas é impossível descrever isso. E a solidão me leva cada vez mais para o fundo do poço, vai deixando meu coração como tal, um buraco fundo, frio e solitário.  E mesmo eu tentando achar uma saída desse inferno emocional que estou vivendo,  não encontro forças para escalar as paredes infinitas desse poço de merda.

Jeniffer Cazanosky. ۞

Num afogamento, sim, sempre há pânico. 

Ou paz, pois finalmente seu corpo se comporta por instinto, sozinho.

Desenha na água, com mãos e pés, uma dança violenta no meio do nada.

E tudo que sente no momento é o vazio de um lugar cheio e que precisa se livrar dali.

JenifferCazanosky