jappandda

“O sol está lindo hoje”, ele disse. Sim, é claro que o sol estava lindo. O céu azul, perfeito. Mas naquele momento, isso não importava muito para mim. Eu buscava um sol que me iluminasse por dentro, mas como poderia fazer isso se estava repleta de dúvidas? “Malditos ‘talvez’!”, eu pensava.
E então, ele me soltou a frase mais babaca do dia: “São os 'talvez’ que nos fazem feliz primeiro.” Eu quis ignorá-lo, sério. Mas por injúria do destino, resolvi levar aquelas palavras a sério. Ele tinha razão, afinal.
Somos feitos de 'talvez’… Talvez ele a ame. Ou talvez ele dê um mortal no parkour hoje à noite. Talvez ela volte a trabalhar como artista; Ou talvez esteja ocupada suspirando de saudades. Talvez eu escreva um romance; Ou talvez eu não saiba o que é amor.
Cada talvez carrega uma história, cada talvez esconde um pouco de nós. Raramente, um 'talvez’ faz sentido. Mas é inútil viver de certezas. Um 'talvez’ tem a magia de nos fazer sonhar. Então, me diga: qual a graça da vida que não possui o prazer de seus 'talvez’?
E hoje foi mais um daqueles dias que eu disse para todos que você era passado, mas então aconteceu algo que me jogou no chão e vi que não era. Eu estava no ônibus lendo um livro sentado como sempre faço, como toda volta do trabalho, quando sinto o seu perfume. É, exatamente o seu perfume. Entrei em pânico, fiquei olhando para todos os lados para te encontrar, e então as lembranças vieram. Todas, cada segundo, cada beijo e cada abraço, cada palavra. Comecei a chorar sem me controlar, e enterrei a cara no livro, sem ter para onde correr, só ouvi uma senhora falar ‘Nossa, esse livro deve ser realmente bom para ele ter se emocionado desse jeito’. E eu só queria conseguir te esquecer.
—  Mateus William
Você me disse que acabou. Mas acabou para quem?
Eu continuo ouvindo sua voz na minha cabeça quando leio algo que você escreveu, continuo planejando meus passos pensando em tudo que posso mudar para te ver, para te encontrar, para estar contigo, não importando o lugar. Continuo lendo as coisas e pensando que tenho que te contar, mas aí lembro que você disse que acabou. A minha vida muda e quero ir correndo te mostrar como tudo está se ajeitando, mas lembro que tudo virou um caos quando você se foi. Quando vou dormir, ainda penso em ti até dormir, por muitas vezes em meio as lágrimas, mas disseram que um dia passa. Eu tenho medo que esse dia nunca chegue. Eu tenho medo de que eu não queira que esse dia chegue, imaginar nós dois juntos de novo sempre me faz sorrir, me faz imaginar o teu sorriso, tua voz, teu beijo e teu corpo perto do meu. Então como acabou? Se eu ainda amo você acima de tudo, se ainda te quero e se ainda acredito em todas as promessas que a gente fez? Como acabou se eu ainda acredito que você é quem vai me fazer feliz para sempre?
—  Mateus William
Eu daria tudo para ver aqueles olhos castanhos brilharem por mim todas as manhãs, sentir aquele perfume que eu nunca enjoo e ouvir aquela voz dizendo que me ama. Ser dono daquele olhar, daquele sorriso, daquele beijo. Mas isso é só uma ilusão que bate na minha janela todos os dias desde a primeira vez que te vi. Mesmo sabendo que essa é só uma daquelas histórias impossíveis que contam por aí, ainda me atormenta a ideia de ter ou não outra chance de te roubar, mesmo com o mundo querendo que eu te esqueça. Mas como esquecer quem parou teu mundo e fez ele girar ao contrário?
—  Mateus William
E logo eu que repugnava o uso de qualquer coisa que causasse dependência, acabei me deixando levar pela pior droga que poderia um dia encontrar, a que te levava aos céus e tinha o poder de te deixar no chão em segundos, esse tal de sentimento que chamam de amor
—  Mateus William
Sonhei com você de novo. Viesse e me beijasse, dissesse que não queria mais sair do meu lado, que era como se estivéssemos de novo ficando pela primeira vez, toda a dor tinha ido embora e todos os meus problemas simplesmente sumiram. Mas aí eu acordei. Vi que foi tudo um sonho, não sabia se o que estava mais frio era meu quarto vazio ou meu coração, competiam provavelmente.
—  Mateus William